Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Tania Bacelar de Araújo - UFPEPorto Alegre, 22 de abril de 201340 Anos da FEE / RSDesenvolvimento regional brasileiro rece...
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: heranças históricase tendências recentesPOLITICAS PUBLICAS E DESENVOLVIMENTOREGIONAL: tendências...
AMBIENTE NATURAL: 6 BIOMAS
BR: HERANÇA DA DIVERSIDADE ambiental, sócio-econômica, culturalAfricanosAfricanosEuropeusÍndios
FONTE DOS DADOS BÁSICOS: IBGE, CENSO 2000ORGANIZADO POR CLAUDIO A. G. EGLERÁREA URBANIZADA>100 HAB/KM²POPULAÇÃO RURAL1PONT...
Fonte: MDA – Os Territórios da CidadaniaAREAS de ConcentraçãoINDUSTRIAL
BRASIL: herança da concentraçãourbana - A DESIGUAL REDE DE CIDADES e aconcentração nas METRÓPOLES
BR: herança da concentração da infraA DESIGUAL MALHA RODOVIARIA
A concentração “ domou” a diversidadeRESULTADO:Temos tendência a nos ver nas médias ( que sãoenganadoras)Temos dificuldade...
BRASIL RECENTEMUDANÇAS NA OCUPAÇÃO HUMANA DOTERRITORIO• Mudanças nas migrações internas ( menos para SE,mais para SUL urba...
1/340,3%
Source: ESTUDO DO CEDEPLA/UFMG para CGGE/ MPOG, 2007
A concentração industrial “batera no teto”nos anos 70 tende a modesta desconcentraçãoVTIEMPREGOINDUSTRIALREGIÕES/ESTADOS 1...
Fonte : OLIVEIRA CRUZ, Bruno e SOARES DOS SANTOS, Iury Roberto.Dinâmica do Emprego Industrial no Brasil entre 1990 e 2007:...
Brasil rural se afirma em novosterritóriosREGIÕESNORTE NORDESTE SUDESTE SULCENTRO-OESTEBRASILVOLUMEFÍSICO*VALORPROD.AGROP....
Elevaçãoda rendadas famíliasAumento dademanda popularpor des bensdos setores modernosElevação daprodutividaderenda,Competi...
BRASIL: Rendimento médio domiciliar crescemais fora do SudesteBrasil e Grandes Regiões: Valor do rendimento nominal médio ...
Fonte: IBGE/PMCÍndice do volume de vendas do comércio varejistaDezembro/2009 (2003 = 100)050100150200250AcreAlagoasMaranhã...
Crescimento mais acelerado do PIB do Nortee Nordeste100,00105,00110,00115,00120,00125,00130,002003 2004 2005 2006 2007Nort...
Emprego formal cresce em todas as regiões,mas registram-se taxas maiores no NO, COe NE ( por MRH, 2004-2010)Fonte: RAIS – ...
Crescimento do Emprego Formal :visão por macrorregiãoBrasil e Grandes Regiões: VariaçãoAbsoluta do estoque de empregoforma...
Informalidade e desemprego: quedaem todas as regiõesBrasil e Grandes Regiões: Taxade desocupação (%)2000 e 2010Brasil e Gr...
BR: redução da pobreza em todas as regiões,em especial no Nordeste
BRASIL: mortalidade infantil caisignificativamente em todas as regiões( destaque é para o Nordeste)Brasil e Grandes Regiõe...
Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%)de analfabetismo das pessoas de10 anos ou mais de idade2000 e 2010Brasil e Nordeste : Ta...
Investimentos da Copa 2014 (capitais)Habitação ( MCMV)Infraestrutura econômicaAtividade ProdutivaRefinarias , Estaleiros, ...
Final do século XX• Crise financeira do setor público ( endividado,estado reduz políticas)• Avanço da visão liberal : esta...
Abordagem regional do final do séculoXX ( Governos FHC):OS EIXOS daINSERÇÃO COMPETITIVA
PARA VALORIZARPOTENCIALIDADESREGIONAISPARA REDUZIR DESIGUALDADESIniciativas recentesTipo 1 Tipo 2 Tipo 3
1 Políticas nacionais horizontais e setoriais consideram adimensão regional ou têm rebatimento diferenciado2 MI propõe Pol...
2002:43 campi2010:230campi2002:campi2010:230campi
IFET’s e Escolas Técnicas : novo mapaFonte: Ministério da Educação
Brasil e Grandes Regiões: Proporção (%) das pessoas de 18 a 24 anosde idade matriculadas no ensino superior – 2000 e 2010B...
Governo Federal :Novidade: A proposta da PNDR com foco nasMESORREGIÕES de todo o paísExemplo - a FRONTEIRA SUL do RSProble...
PNDR: MAPA das MESORREGIOES(PROMESO)
PNDR: TIPOS DE REGIÕES
 Os PPAs estaduais em bases regionais( PA,BA,PI, RN, SE, PE …ao lado deexperiências mais antigas como a do RS)BA : ZEE + ...
Nível federalPoliticas de Apoio a Arranjos Produtivos Locais -MDIC/ BNDES, MCT, SEBRAE…BB – Desenvolvimento Regional Suste...
Há avanços em várias direções, masuma nova PNDR não se consolidouE a “agenda federativa” preocupa- políticas de desoneraçã...
 MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA EDIVERSIFICADA ( aviões, equipamentos,automotiva,prod...
Fonte : PNLT
 Criação da EMBRAPII Política de financiamento à inovação revisitada:• Com olhar que inclui as PMEs• Com articulação com...
PETROLEO e GAS : extração e cadeia defornecedores muito concentrados no SE e SUL
PAC e investimentos produtivos
PAC e investimentos produtivos
PAC e investimentos produtivos
MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA ePOTENCIAL PARA RENOVÄVELVer tabela
 Urânio e derivados 1,4% Carvão mineral e derivados 6,2% Gás Natural 9,3% Energia hidráulica e eletricidade 14,7% Bio...
FAO e Banco Mundial estimam que a demanda poralimentos aumentará fortemente, como resultadodo crescimento da população, do...
 DISPONIBILIDDE DE ÁGUA RELATIVAMENTEALTA TERRAS FÉRTEIS (40% a mais do estoque atual) COMPETITIVO em: GRÃOS, CARNES ( ...
BRASIL do agronegócio : exemplo da sojaBrasil e Grandes Regiões: Produção de soja por safra – 1999/2000 e 2009/2010
BRASIL : investimentos na infra estruturaeconômica e a importância do olhar regional
BRASIL : investimentos na infra estruturaeconômica e a importância do olhar regional
FONTE: ESTUDO DO CGEE para o MPOG ( Módulo 2)
• 11 MACRO POLOSCONSOLIDADOS• 7 NOVOSMACROPOLOS• 22 SUB-POLOSFONTE: CEDEPLAR PARA ESTUDO MPOGNos anos recentescrescem mais...
AndinoAmazonasPeru–Brasil–BolíviaCapricórnioAndino doSulEscudo GuianêsInteroceânicoCentralMercosul –ChileHidrovia Paraná -...
 A DIMENSÃO DA DESIGUALDADE HERDADA(leste-oeste e norte-sul ) e a FRAGILIDADE dosterritórios de exclusão exigem um olhar ...
TANIA BACELARtaniabacelar@gmail.comObrigada
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar

6,387 views

Published on

Desenvolvimento Regional Brasileiro Recente - Tânia Bacelar

  1. 1. Tania Bacelar de Araújo - UFPEPorto Alegre, 22 de abril de 201340 Anos da FEE / RSDesenvolvimento regional brasileiro recente
  2. 2. DESENVOLVIMENTO REGIONAL: heranças históricase tendências recentesPOLITICAS PUBLICAS E DESENVOLVIMENTOREGIONAL: tendências recentesPERSPECTIVAS do desenvolvimento regionalbrasileiro
  3. 3. AMBIENTE NATURAL: 6 BIOMAS
  4. 4. BR: HERANÇA DA DIVERSIDADE ambiental, sócio-econômica, culturalAfricanosAfricanosEuropeusÍndios
  5. 5. FONTE DOS DADOS BÁSICOS: IBGE, CENSO 2000ORGANIZADO POR CLAUDIO A. G. EGLERÁREA URBANIZADA>100 HAB/KM²POPULAÇÃO RURAL1PONTO=800BRASILÁREA URBANIZADA EPOPULAÇÃO RURAL2000BRASIL no final do século XX: herança daconcentração litorânea
  6. 6. Fonte: MDA – Os Territórios da CidadaniaAREAS de ConcentraçãoINDUSTRIAL
  7. 7. BRASIL: herança da concentraçãourbana - A DESIGUAL REDE DE CIDADES e aconcentração nas METRÓPOLES
  8. 8. BR: herança da concentração da infraA DESIGUAL MALHA RODOVIARIA
  9. 9. A concentração “ domou” a diversidadeRESULTADO:Temos tendência a nos ver nas médias ( que sãoenganadoras)Temos dificuldade de valorizar as potencialidadeslocais, de lidar com a rica heterogeneidade dopaís
  10. 10. BRASIL RECENTEMUDANÇAS NA OCUPAÇÃO HUMANA DOTERRITORIO• Mudanças nas migrações internas ( menos para SE,mais para SUL urbano, CO e NO . NE retém mais)• Dinamismo das cidades médias : cidades de 100mil a2 milhões têm elevadas taxas de crescimento dapopulação e do PIB VER TABELA
  11. 11. 1/340,3%
  12. 12. Source: ESTUDO DO CEDEPLA/UFMG para CGGE/ MPOG, 2007
  13. 13. A concentração industrial “batera no teto”nos anos 70 tende a modesta desconcentraçãoVTIEMPREGOINDUSTRIALREGIÕES/ESTADOS 1970 2005 1986 2005NORTE 0,8 4,8 2,6 3,7NORDESTE 5,7 9,2 10,7 12,7SUDESTE 80,7 61,8 75,3 53,2- SÃO PAULO 58,1 44,0 45,5 35,9- RMSP 43,5 22,0 28,4 11,5- INTERIOR DE SP 14,6 22,0 17,0 24,4SUL 12,0 20,5 19,4 25,6CENTRO-OESTE 0,8 3,7 2,1 4,8BRASIL 100,0 100,0 100,0 100,0Fonte: CAMPOLINA DINIZ com base no FIBGE, Censos Industriais 1970. / MTE/RAIS, 2005 /IBGE. Sistema de Contas Regionais, 2007
  14. 14. Fonte : OLIVEIRA CRUZ, Bruno e SOARES DOS SANTOS, Iury Roberto.Dinâmica do Emprego Industrial no Brasil entre 1990 e 2007: Uma Visão Regional da“Desindustrialização”. IPEA/ Boletim DIRUR n. 02, jul/091990 2007As 10 MRH mais industrializadas caem de 46,8% para 32,2% o pesono emprego industrial total do país
  15. 15. Brasil rural se afirma em novosterritóriosREGIÕESNORTE NORDESTE SUDESTE SULCENTRO-OESTEBRASILVOLUMEFÍSICO*VALORPROD.AGROP.1970 3,1 18,3 37,3 33,8 7,5 100,0 -2006 7,1 14,3 29,7 28,2 20,8 100,0 -PROD.GRÃOS1968/70 0,7 12,3 30,6 45,6 10,8 100,0 25.0602004/06 3,3 7,9 14,6 39,4 34,8 100,0 112.817EFET.BOVINO1970 2,2 17,6 34,2 24,1 22,0 100,0 78.5622006 19,9 13,5 19,0 13,2 34,3 100,0 205.886PESSOALOCUPADO1970 5,3 43,0 22,5 23,8 5,3 100,0 17.5822006 8,7 45,9 21,5 17,8 6,1 100,0 17.264Fonte: CAMPOLINA, CLELIO, com base no FIBGE
  16. 16. Elevaçãoda rendadas famíliasAumento dademanda popularpor des bensdos setores modernosElevação daprodutividaderenda,Competitividadee exportaçõesInvestimentosem maquinase em inovaçãoGráfico baseado em Ricardo Bielshowsky( ADAPTADO)POLITICASSOCIAIS POLITICASECONOMICASPOLITICASECONOMICASCREDITODESAFIO ATUAL
  17. 17. BRASIL: Rendimento médio domiciliar crescemais fora do SudesteBrasil e Grandes Regiões: Valor do rendimento nominal médio mensaldos domicílios particulares permanentes (Reais) – 2000 e 2010
  18. 18. Fonte: IBGE/PMCÍndice do volume de vendas do comércio varejistaDezembro/2009 (2003 = 100)050100150200250AcreAlagoasMaranhãoRondôniaRioGrandedoNorteSergipeCearáTocantinsPiauíParaíbaAmapáAmazonasEspíritoSantoBahiaSãoPauloPernambucoRoraimaBrasilMinasGeraisParáRiodeJaneiro
  19. 19. Crescimento mais acelerado do PIB do Nortee Nordeste100,00105,00110,00115,00120,00125,00130,002003 2004 2005 2006 2007NorteNordesteSudesteSulCentro-OesteBrasilFonte: IBGE, Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Planejamento e Superintendência da ZonaFranca de Manaus – SUFRAMAEvolução real do Produto Interno Bruto (2003 = 100)2003-2007
  20. 20. Emprego formal cresce em todas as regiões,mas registram-se taxas maiores no NO, COe NE ( por MRH, 2004-2010)Fonte: RAIS – MTE. Elaboração: SPI/MP
  21. 21. Crescimento do Emprego Formal :visão por macrorregiãoBrasil e Grandes Regiões: VariaçãoAbsoluta do estoque de empregoformal – 2010/2000Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%)de crescimento média anual doestoque de emprego formal2010/2000
  22. 22. Informalidade e desemprego: quedaem todas as regiõesBrasil e Grandes Regiões: Taxade desocupação (%)2000 e 2010Brasil e Grandes Regiões: Graude informalidade (%)2000 e 2010
  23. 23. BR: redução da pobreza em todas as regiões,em especial no Nordeste
  24. 24. BRASIL: mortalidade infantil caisignificativamente em todas as regiões( destaque é para o Nordeste)Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%) de mortalidade infantil2000 e 2010
  25. 25. Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%)de analfabetismo das pessoas de10 anos ou mais de idade2000 e 2010Brasil e Nordeste : Taxa (%) deanalfabetismo das pessoas de 10anos ou mais de idade por situaçãodo domicílio – 2000 e 2010BRASIL: analfabetismo cai em todas as regiõesespecialmente no Nordeste, embora quadrorural ainda seja desafiador
  26. 26. Investimentos da Copa 2014 (capitais)Habitação ( MCMV)Infraestrutura econômicaAtividade ProdutivaRefinarias , Estaleiros, Petroquímica, SiderurgiasInfraestrutura urbanaInfra viária (rodovias, ferrovias, hidrovias..)Portos, aeroportos ...Estudo CEDEPLAR/UFMg: efeito regional desconcentrador
  27. 27. Final do século XX• Crise financeira do setor público ( endividado,estado reduz políticas)• Avanço da visão liberal : estado se reestruturacom privatizações e retração de presençaEsvaziamento das instituições regionais e dosantigos instrumentos de políticas regionaisNa contramão:CF/88 cria Fundos Constitucionais.Sobra o crédito ao setor produtivo!!!
  28. 28. Abordagem regional do final do séculoXX ( Governos FHC):OS EIXOS daINSERÇÃO COMPETITIVA
  29. 29. PARA VALORIZARPOTENCIALIDADESREGIONAISPARA REDUZIR DESIGUALDADESIniciativas recentesTipo 1 Tipo 2 Tipo 3
  30. 30. 1 Políticas nacionais horizontais e setoriais consideram adimensão regional ou têm rebatimento diferenciado2 MI propõe Política Nacional de DesenvolvimentoRegional3 Breve busca de integração de políticas setoriais noterritório ( TERRITORIOS da CIDADANIA)4 Germe de preocupação com os IMPACTOS REGIONAISDE GRANDES PROJETOS (BR 163, Petrobrás, BNDES...)5 Estados adotam políticas regionais de corte sub nacional
  31. 31. 2002:43 campi2010:230campi2002:campi2010:230campi
  32. 32. IFET’s e Escolas Técnicas : novo mapaFonte: Ministério da Educação
  33. 33. Brasil e Grandes Regiões: Proporção (%) das pessoas de 18 a 24 anosde idade matriculadas no ensino superior – 2000 e 2010BRASIL : Matrículas no ensino superiorcrescem em todas as regiões, e NO e NEreduzem distância
  34. 34. Governo Federal :Novidade: A proposta da PNDR com foco nasMESORREGIÕES de todo o paísExemplo - a FRONTEIRA SUL do RSProblemas : Sem o FNDR e Obras Hídricas comoprioridade do MIUsando a Herança: FUNDOS CONSTITUCIONAIS( ESCALA MACRO-REGIONAL): Bancos regionaisampliam peso do credito a atividade produtiva.Norte mantém incentivos a ZFM.Tipo 2Ver mapa MESO
  35. 35. PNDR: MAPA das MESORREGIOES(PROMESO)
  36. 36. PNDR: TIPOS DE REGIÕES
  37. 37.  Os PPAs estaduais em bases regionais( PA,BA,PI, RN, SE, PE …ao lado deexperiências mais antigas como a do RS)BA : ZEE + 6 Planos Macro regiões + Planos de Terr. de Identidade( escala estadual + macro regional + sub regional)
  38. 38. Nível federalPoliticas de Apoio a Arranjos Produtivos Locais -MDIC/ BNDES, MCT, SEBRAE…BB – Desenvolvimento Regional Sustentavel ( DRS)Tipo 3
  39. 39. Há avanços em várias direções, masuma nova PNDR não se consolidouE a “agenda federativa” preocupa- políticas de desoneração tributária- discussão sobre royaties do petróleo- revisão de critérios do FPE- unificação das alíquotas interregionais do ICMS- ...........
  40. 40.  MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA EDIVERSIFICADA ( aviões, equipamentos,automotiva,produtos siderúrgicos, minérios,eletroeletrônicos, moda, ....) SISTEMA FINANCEIRO AMPLO, SÓLIDO BOA BASE DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOSCOMO ENFRENTAR NOVAS AMEAÇAS?TENDÊNCIA A DESCONCENTRAR SE MANTÊM?
  41. 41. Fonte : PNLT
  42. 42.  Criação da EMBRAPII Política de financiamento à inovação revisitada:• Com olhar que inclui as PMEs• Com articulação com Bancos Regionais• Com articulação com Sistema Estadual deC,T&I (Fundações Estaduais de Amparo aPesquisa)
  43. 43. PETROLEO e GAS : extração e cadeia defornecedores muito concentrados no SE e SUL
  44. 44. PAC e investimentos produtivos
  45. 45. PAC e investimentos produtivos
  46. 46. PAC e investimentos produtivos
  47. 47. MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA ePOTENCIAL PARA RENOVÄVELVer tabela
  48. 48.  Urânio e derivados 1,4% Carvão mineral e derivados 6,2% Gás Natural 9,3% Energia hidráulica e eletricidade 14,7% Biomassa (inclui carvão vegetal) 15,6% Produtos da cana-de-açúcar 16,0% Petróleo e derivados 36,7%Fonte: EPE, 200746,3%12,7% namédiamundial
  49. 49. FAO e Banco Mundial estimam que a demanda poralimentos aumentará fortemente, como resultadodo crescimento da população, do avanço daurbanização e da transição para preferênciasalimentares ocidentais por uma nova e mais amplaclasse média mundial.Por outro lado, a falta de acesso ao abastecimentoestável de água atingirá proporções críticas,especialmente para fins agrícolas.
  50. 50.  DISPONIBILIDDE DE ÁGUA RELATIVAMENTEALTA TERRAS FÉRTEIS (40% a mais do estoque atual) COMPETITIVO em: GRÃOS, CARNES ( bovina efrangos),AÇUCAR, CAFÉ, FRUTAS .... APRENDE A FAZER CONVIVER MELHOR OAGRONEGÓCIO PATRONAL E AGRICULTURA DEBASE FAMILIARPOTENCIAL AGROINDUSTRIAL (em contextomundial de demanda crescente)REDISCUSSÃO DO BRASIL RURAL : COMO se ORGANIZAR eque TENDÊNCIAS REGIONAIS ?
  51. 51. BRASIL do agronegócio : exemplo da sojaBrasil e Grandes Regiões: Produção de soja por safra – 1999/2000 e 2009/2010
  52. 52. BRASIL : investimentos na infra estruturaeconômica e a importância do olhar regional
  53. 53. BRASIL : investimentos na infra estruturaeconômica e a importância do olhar regional
  54. 54. FONTE: ESTUDO DO CGEE para o MPOG ( Módulo 2)
  55. 55. • 11 MACRO POLOSCONSOLIDADOS• 7 NOVOSMACROPOLOS• 22 SUB-POLOSFONTE: CEDEPLAR PARA ESTUDO MPOGNos anos recentescrescem mais ascidades médias eas periferias dasmetrópoles (IPEA)
  56. 56. AndinoAmazonasPeru–Brasil–BolíviaCapricórnioAndino doSulEscudo GuianêsInteroceânicoCentralMercosul –ChileHidrovia Paraná -ParaguaiSulEixos de Integração com A. do Sul: queimpactos na dinâmica regional futura ?
  57. 57.  A DIMENSÃO DA DESIGUALDADE HERDADA(leste-oeste e norte-sul ) e a FRAGILIDADE dosterritórios de exclusão exigem um olhar especial naterritorialidade das políticas públicas. A DIVERSIDADE regional brasileira é um ativoimportante ( importante valorizá-lo) O Governo Federal tem uma responsabilidadeespecial dado seu peso na receita pública e aimportância de termos políticas nacionais. Mas os Governos Estaduais também são estratégicos( no diálogo nacional e na ação local)
  58. 58. TANIA BACELARtaniabacelar@gmail.comObrigada

×