4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da Prescrição Farmacêutica

2,126 views

Published on

Prescrição Farmacêutica

Published in: Health & Medicine
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,126
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
65
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Denise Funchal - Registro da Prescrição Farmacêutica

  1. 1. Registro da Prescrição Farmacêutica Denise Funchal Witzel – Instituto Racine
  2. 2. O que é a Prescrição Farmacêutica “Ato pelo qual o farmacêutico seleciona e documenta terapias farmacológicas e não farmacológicas, e outras intervenções relativas ao cuidado à saúde do paciente, visando à promoção, proteção e recuperação da saúde, e à prevenção de doenças”. Resolução CFF 586 (29/08/13)
  3. 3. Resolução CFF 586 Ação de recomendar ao paciente: • Opção terapêutica farmacológica ou não farmacológica (medicamentos isentos de prescrição, dietas, mudança de estilo de vida, ingestão de líquidos, repouso...) • Serviços Farmacêuticos Especializados (revisão da farmacoterapia, acompanhamento farmacoterapêutico,...) • Encaminhamento a outros profissionais e Serviços de Saúde (médico, nutricionista, fisioterapêuta, fonoaudiólogo, emergência hospitalar,...
  4. 4. Fazendo uma Analogia com a Prescrição Médica...
  5. 5. Prescrição Médica No momento da prescrição, se materializa um dos pilares da medicina. É quando o médico, após realizar a anamnese, proceder e analisar exames clínicos e fazer a reflexão que cada caso exige, toma a decisão sobre o caminho terapêutico a ser adotado. Madruga e Souza, 2011
  6. 6. Prescrição Médica Ao observar as regras e os limites éticos impostos à prescrição, o médico transmite a devida segurança ao seu paciente, evitando o risco desnecessário, preservando sua credibilidade e confirmando sua competência. Por isso, manter-se em dia com relação ao tema é peça-chave para o bom desempenho na profissão. Madruga eSouza, 2011
  7. 7. “ O farmacêutico manterá registro de TODO PROCESSO de prescrição na forma da lei” (Art 16 Resolução CFF 586)
  8. 8. Etapas do Processo de Prescrição Farmacêutica Etapa 1: Antecede a Prescrição Farmacêutica: • Identificação da necessidade de saúde do paciente; • Análise Situacional para verificar se trata-se de um incômodo brando sem maior gravidade (Algorítmos de Decisão); • Definição do objetivo terapêutico; • Seleção da (s) intervenção (ções) terapêutica (s) a ser (em) sugerida (s) dentro do plano de cuidado (segurança, eficácia, custo e conveniência).
  9. 9. Etapas do Processo de Prescrição Farmacêutica Etapa 2: Prescrição Farmacêutica: • Redação da Prescrição; • Orientação ao Paciente sobre a prescrição e sobre efeitos adversos possíveis das intervenções propostas, se for o caso.
  10. 10. Etapas do Processo de Prescrição Farmacêutica Etapa 3: Avaliação de Resultados • Monitoramento da intervenção proposta (melhora clínica, piora, manutenção do estado inicial; • Encaminhamento documentado ao médico, se necessário; • Construção de indicadores do atendimento e de resultados obtidos.
  11. 11. Etapas do Processo de Prescrição Farmacêutica • Na Resolução CFF 586 o último item das Etapas está colocado como Documentação do Processo de Prescrição O processo deve ser documentado , durante todas as etapas, em Prontuário
  12. 12. Registro das Etapas do Processo de Prescrição Farmacêutica Etapas 1, 2 e 3 Prontuário do Paciente (eletrônico)
  13. 13. O que é um Prontuário?
  14. 14. Prontuário - Conceito “Documento único, constituído de um conjunto de informações, sinais e imagens registrados, gerados a partir de fatos, acontecimentos e situações sobre a saúde do paciente e a assistência a ele prestada, de caráter legal, sigiloso e científico, que possibilita a comunicação entre membros da equipe multiprofissional e a continuidade da assistência prestada ao indivíduo.” Resolução n.º 1.638/02, Conselho Federal de Medicina
  15. 15. O que registrar em Prontuário
  16. 16. Informações pertinentes à saúde e à assistência prestada ao paciente QUE COMPROVEM QUE: • As ações foram baseadas nas melhores evidências científicas; • A decisão foi centrada no paciente e na identificação de incômodos brandos; • Foram consideradas outras condições clínicas, uso de outros medicamentos, hábitos de vida e contexto de cuidado no entorno do paciente; • O paciente, cuidador ou responsável foi devidamente esclarecido quanto as decisões e recomendações feitas pelo farmacêutico; • Foram tomadas medidas de acompanhamento de resultados.
  17. 17. Para que servem os prontuários?
  18. 18. • Organizar o raciocínio clínico • Sistematizar as informações • Documentar os dados obtidos
  19. 19. Instrumento de: • • • • • • Consulta; Realização de Avaliações; Ensino e Pesquisa; Auditoria; Estatística; Sindicâncias;
  20. 20. Instrumento de: • Prova de que o doente foi ou está sendo tratado convenientemente; • Investigação epidemiológica; • Processos éticos e legais; • Comunicação entre os profissionais de assistência ao paciente; • Defesa e acusação.
  21. 21. Prontuário Deve ser organizado para prestar serviços ao paciente, ao corpo clínico, à administração do serviço de saúde e à sociedade.
  22. 22. Como Registrar em Prontuário
  23. 23. Como registrar em prontuário Método SOAP - Acrônimo formado pelas iniciais Subjetivo, Objetivo, Avaliação e Plano Contemplar componentes legais Comissão de Revisão de Prontuários 
  24. 24. Itens que devem constar obrigatoriamente no Prontuário a) Identificação do paciente - nome completo, data de nascimento (dia, mês e ano com quatro dígitos), sexo, nome da mãe, naturalidade (indicando o município e o estado de nascimento), endereço completo (nome da via pública, número, complemento, bairro/distrito, município, estado e CEP); Resolução Nº CFM 1.638/02
  25. 25. Itens que devem constar obrigatoriamente no Porntuário b) Anamnese, exame físico, exames complementares solicitados e seus respectivos resultados, hipóteses diagnósticas, diagnóstico definitivo e tratamento efetuado; c) Evolução diária do paciente, com data e hora, discriminação de todos os procedimentos aos quais o mesmo foi submetido e identificação dos profissionais que os realizaram, assinados eletronicamente quando elaborados e/ou armazenados em meio eletrônico; Resolução Nº CFM 1.638/02
  26. 26. Itens que devem constar obrigatoriamente no Prontuário d) Nos prontuários em suporte de papel é obrigatória a legibilidade da letra do profissional que atendeu o paciente, bem como a identificação dos profissionais prestadores do atendimento. São também obrigatórias a assinatura e o respectivo número no Conselho de Classe; e) Nos casos emergenciais, nos quais seja impossível colher a história clínica do paciente, deverá constar relato completo de todos os procedimentos Resolução Nº CFM 1.638/02
  27. 27. e a prescrição farmacêutica?
  28. 28. • Pertence ao Paciente • Como está registrada no Prontuário do Paciente não precisa ser retida e arquivada • Representa a tomada de decisão sobre o caminho terapêutico a ser adotado pelo paciente a partir do atendimento farmacêutico.
  29. 29. Redação da Prescrição Vernáculo, por extenso, legível, nomenclatura e sistema de pesos e medidas oficiais, sem emendas ou rasuras, devendo conter: • Identificação do estabelecimento farmacêutico ,consultório ou serviço de saúde; • Nome completo e contato do paciente; • Descrição da terapia farmacológica quando houver (nome do medicamento ou formulação/ concentração-dinamização/forma farmacêutica e via de administração/ dose, frequência de administração e duração do tratamento/ instruções adicionais) • Descrição da terapia não farmacológica ou outra intervenção relativa ao cuidado do paciente • Nome completo do farmacêutico/assinatura e número de registro no CRF • Local e data da prescrição
  30. 30. Redação da Prescrição • SUS: necessariamente DCB ou DCI • Setor privado: preferencialmente DCB ou DCI • Vedado: prescrever sem identificação (profissional e do paciente), em códigos, abreviada, ilegível, folhas em branco Artigos 10, 11 e 12 da Resolução CFF 586
  31. 31. Modelo de Prescrição Anverso Dr. Hipócrates da Grécia Av. Epitácio Pessoa, 453, Centro João Pessoa, Paraíba Telefone: (83) 3224 0978 CRM PB 0000 Sra. Maria Fulana da Silva Rua João Lagoa da Silva, 325 João Pessoa, Paraíba Acetilcinteína 40mg/ml________ 120 ml xarope Verso Sra. Maria Fulana da Silva Rua João Lagoa da Silva, 325 João Pessoa, Paraíba Recomendações: Não esquecer de tomar o medicamento na hora certa. Não interromper o tratamento, mesmo havendo desaparecimento dos sintomas. Tomar 15 ml (600mg), por via oral, uma vez ao dia,de preferência a noite, por 5 (cinco) dias. Retornar no dia seguinte ao término do tratamento. João Pessoa, 21 de março de 2011 Assinatura do profissional (número de inscrição no respectivo conselho de Medicina, Medicina Veterinária ou Odontologia) Assinatura do profissional (número de inscrição no respectivo conselho de Medicina, Medicina Veterinária ou Odontologia)
  32. 32. A Regulamentação é importante, pois respalda legalmente as ações profissionais, mas o mais importante é que o serviço prestado agregue valor ao indivíduo que o recebe e que este seja reconhecido para além das fronteiras da profissão. Esse, a meu ver, é o grande desafio do Farmacêutico: TRABALHAR PARA QUE A SOCIEDADE RECONHEÇA SEU VALOR E ASSIM EXIJA SEUS SERVIÇOS.
  33. 33. Muito Obrigado! dfunchal@terra.com.br

×