Arquitetura da Informacao na WEB

5,776 views

Published on

Arquitetura da Informacao na WEB

Published in: Technology
1 Comment
10 Likes
Statistics
Notes
  • bela merda
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
5,776
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
198
Actions
Shares
0
Downloads
215
Comments
1
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arquitetura da Informacao na WEB

  1. 1. Arquitetura de informação na web www.flatschart.com | 2007 1
  2. 2. Arquitetura | O que é isso ? • Foi o arquiteto Wurman, quem cunhou a expressão arquitetura de informação nos idos de 60. O “arquiteto de informação” seria o indivíduo com a missão de organizar padrões dos dados e de transformar o que é complexo em algo mais claro. • Esse cara – o arquiteto de informação – é a pessoa que mapeia determinada informação e nos disponibiliza o mapa, de modo a que todos possamos criar nossos caminhos próprios em direção ao conhecimento. • Profissão emergente do novo milênio, a arquitetura de informação envolverá a análise, o design e a implementação de espaços informacionais, como sites, bancos de dados, bibliotecas etc. A visibilidade da arquitetura de informação a partir da segunda metade dos anos 90 coincidiu justamente com o momento em que a internet atingiu massa crítica. www.flatschart.com | 2007 2
  3. 3. Arquitetura | Para quem ? • Questiona–se se a Arquitetura de Informação deveria ser vista como somente um profissional (um indivíduo) ou como processo (caracterizado pelo esforço de colaboração de diversas pessoas e disciplinas). • Diferentes áreas de atuação podem contribuir para o sucesso da AI como processo: a psicologia, a ciência da computação, a educação, ciências cognitivas, design gráfico e desenho industrial, design instrucional, sociologia, antropologia, engenharia de software, modelagem e administração de dados, ergonomia e IHC. www.flatschart.com | 2007 3
  4. 4. Arquitetura | 3 dimensões • Contexto. É crítico começar com um entendimento claro sobre os objetivos da empresa e sobre o seu ambiente político. Ignorar o contexto e a realidade empresarial do negócio é tão preocupante quanto ignorar os próprios usuários. É lógico que o objetivo é o projeto centrado no usuário e não o projeto centrado no executivo, mas também é importante adotar um equilíbrio político e diplomático adequado para chegar a um bom termo. Conteúdo. A compreensão com o conteúdo é ultranecessária. O conteúdo de um web site dos grandes poderá incluir documentos, bancos de dados, metadados, tabelas, aplicativos online, serviços, imagens, arquivos de áudio e vídeo, animações, páginas pessoais, mensagens e demais conteúdos atuais e futuros. Usuários. Esta é a dimensão fundamental.O princípio fundamental do projeto de interfaces – do qual derivam todos os outros princípios – é conhecer os usuários. Não há por que não considerarmos que este princípio se estende a toda a Arquitetura de Informação. Um erro comum dos desenvolvedores de interfaces seria fazer duas pressuposições: primeiro, que todos os usuários são iguais; segundo, que todos os usuários são iguais ao próprio desenvolvedor. www.flatschart.com | 2007 4
  5. 5. Arquitetura | Sitemap estrutural • Simbólico • Não - maleável • Interpretável • Não - interativo www.flatschart.com | 2007 5
  6. 6. Arquitetura | Sitemap navegável • Navegável • Digital • Interativo • Indexador • Multidimensional www.flatschart.com | 2007 6
  7. 7. Arquitetura | Wireframe • Sua função é estruturar o conteúdo de cada página, indicando o peso e relevância de cada elemento do layout e sua relação com os demais elementos formadores do todo. • Também cabe ao wireframe indicar a correta marcação de textos, seqüência de navegação, guidelines de marca e até dos recursos de programação e tecnologia a serem utilizados pela equipe de produção. www.flatschart.com | 2007 7
  8. 8. Arquitetura | Wireframe I www.flatschart.com | 2007 8
  9. 9. Arquitetura | Wireframe II www.flatschart.com | 2007 9
  10. 10. Arquitetura | Wireframe – vantagens e desvantagens - + • Não atender as expectativas dos clientes, • Facilita a aplicação de conceitos de usabilidade já empresas ou instituições, que estão longe dos testados e comprovadamente eficientes. conceitos mais básicos da AI, sentindo–se assim mais confortáveis em aprovar layouts de designers, • Auxilia a equipe de desenvolvimento e por serem peças com grande impacto gráfico. programação na tarefa de produzir o site de maneira mais rápida, padronizada e eficiente. • Acomodar a equipe de criação de modo que os designers, por falta de tempo hábil ou insegurança, • Após a implantação do site, os wireframes auxiliam não mais inovem em seus projetos e sigam as nos testes de usabilidade e mostram efetivamente indicações do wireframe à risca. o que deve ser refeito em cada uma das páginas. • Por não ser desenhado na exata escala em que • Funciona como uma documentação do site e deve será construído o site, pode gerar desencontros de ser consultado antes de cada modificação entendimento da relevância de cada elemento na posterior, para prever impactos na arquitetura e composição da página e seu impacto de funcionalidade. visualização. • Necessita de tempo, educação e insistência de uso até tornar–se corretamente entendido pelos profissionais envolvidos nas etapas de cada projeto. www.flatschart.com | 2007 10
  11. 11. Arquitetura | Bibilografia • NIELSEN , Jacob - Projetando Websites / Campus • Webinsider - http://webinsider.uol.com.br/ • ROSENFELD, L; MORVILLE, P. Information Architecture for the World Wide Web. / O’Reilly • WURMAN, Richard S. Ansiedade de Informação / Cultura Editores Associados • RADFAHER, Luli - Design, Web, Design 2 / Market Press www.flatschart.com | 2007 11

×