Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Breve história do ônibus espacial

466 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Breve história do ônibus espacial

  1. 1. A primeira aparição: o ônibus espacial Enterprise faz sua primeira aparição acoplado ao aglomerado de apoio com os foguetes e o tanque propelente ao sair do Vehicle Assembly Building (VAB) no Kennedy Space Center (KSC) em rota para a plataforma de lançamento, cerca de 3,5 quilômetros de distância, em 1º de Maio de 1979. Por definição, um “space shuttle” é um veículo reutilizável projetado para transporte de carga, pessoas e equipamentos entre a Terra e o espaço. Talvez por isso tenha sido apelidado de ônibus espacial no Brasil. Entretanto, seu nome oficial é Space Transportation System, cuja sigla é o prefixo de todas as missões realizadas em 30 anos de história. A Enterprise foi o primeiro ônibus espacial, embora nunca tenha realmente ido ao espaço. Ela foi criada para testar as fases críticas do pouso e outros aspectos de preparação dos ônibus espaciais. Tudo começou mesmo com a STS1 Columbia, que decolou dia 12 de abril de 1981 do Kennedy Space Center, na Flórida. O último voo foi da Atlantis STS135, em julho de 2011. Discovery, Endeavour e Challenger completam a frota. A primeira missão verificou o desempenho combinado do veículo orbital (OV-Orbiter Vehicle), seus foguetes de combustível sólido (SRBs-Solid Rocket Boosters), o gigante tanque de combustível externo (ET-External Tank) e os três motores principais do ônibus espacial (SSMEs-Space Shuttle Main Engines). O veículo orbital, mais comumente chamado de ônibus espacial, é a única parte do conjunto que entra em órbita. Os foguetes são descartados no Oceano Atlântico, recuperados e reutilizados. O tanque externo é a única parte que não é usada novamente, pois reentra na atmosfera 9 minutos após o lançamento e queima sobre o Oceano Pacífico. Ao retornar para a Terra, o ônibus não pousa com para-quedas, como as cápsulas Apollo faziam. Ao invés disso, ele retorna planando com um par de asas em uma pista de pouso.
  2. 2. Como primeira espaçonave reutilizável do mundo a levar seres humanos em órbita, o ônibus possui um compartimento de carga de 18 metros de comprimento e braço robótico que pode levar vários satélites em órbita baixa da Terra em um voo, repará-los e até mesmo levá-los de volta para uso futuro. A frota de ônibus espaciais, que foi projetado para alcançar órbitas que variam de cerca de 185 a 640 quilômetros de altura, também carrega rotineiramente laboratórios inteiros em órbita para experiências únicas. O programa de ônibus espaciais foi chamado para construir a Estação Espacial Internacional (ISS), a maior nave espacial de todos os tempos, que foi montada em órbita e também para colocar o telescópio Hubble em órbita. É impossível deixar de mencionar duas tragédias no programa. A Challenger, segundo ônibus operacional lançado em 4 de abril de 1983, abrigou missões de caminhadas espaciais com jetpacks e a primeira missão para recolher um satélite, consertá-lo e devolvê-lo em órbita. Em 28 de janeiro de 1986 a Challenger e seus sete astronautas morreram numa explosão durante a decolagem por uma falha de vedação em um dos foguetes. E a Columbia, primeiro ônibus espacial a entrar em órbita, implantou inúmeros satélites e operou várias vezes como um laboratório no espaço durante as suas missões. Columbia e seus sete astronautas foram perdidos em 1 de fevereiro de 2003, quando ele se partiu durante a reentrada na sua 28ª missão, STS-107. Atualmente, os ônibus espaciais estão aposentados. - Discovery: recordista em missões (39), foi escolhida para as missões especiais “return to flight” após os desastres da Challenger e da Columbia. Está em exposição no museu Smithsonian. - Endeavour: com 25 missões, teve a primeira missão de reparo do Hubble e uma caminha espacial sem precedentes com três astronautas capturando um satélite com as próprias mãos, consertando-o e devolvendo-o em órbita. Está em exposição no California Science Center. - Atlantis: fez 33 voos. Enviou sondas para Venus e Jupiter. Realizou a última missão do programa (STS-135) entre 8 e 20 de julho de 2011. Está em exposição no Kennedy Space Center Visitor Complex. Números Comprimento Completo: 56 metros Somente o veículo orbital: 37 metros Altura Veículo orbital pousando: 17 metros Envergadura 23 metros Peso na decolagem 2.041 toneladas Velocidade 28.163 km/h Custo da operação de decolagem US$775 milhões (em 2010) Custo de construção US$1,7 bilhões (Endeavour) Distância viajada 872.906.380 quilômetros Órbitas na Terra 21.152
  3. 3. Para conhecer mais, visite http://www.nasa.gov/externalflash/the_shuttle/.

×