Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Mobile Marketing Intercon 2009

8,233 views

Published on

Tá aqui a apresentação que realizei na Intercon 2009, realizada no dia 07/11/09.

Published in: Business
  • Be the first to comment

Mobile Marketing Intercon 2009

  1. 1. MOBILE MARKETING @intercon2009 07.11.09 por Fabiano Coura
  2. 2. uando você Ah, q r essa caixa ve ignific a que aqui, s falando : ) sou eu
  3. 3. O lado prático do Mobile Marketing. Essa apresentação se rve para compartilhar algum as “realidades” que temos aprendido / en carado ao longo desses últimos me ses aqui na agência. Espero que p ossa ser útil para você.
  4. 4. Parte I VAMOS AS REALIDADES
  5. 5. 1/5 CELULAR HOJE = CUECA
  6. 6. Uma visão um tanto machista, mas uma analogia realme nte perfeita para dizer o quão pessoal e intim o é esse canal... Todo homem usa um a cueca, é extremamente pessoal, você não sai de casa ela, você não empre sta para ninguém, etc. Aliás, o brasileir o prefere perder a carteira do que o celular.
  7. 7. Você sabia que muita gente usa o celular como despertador? Iss o mesmo. O celular é a primeira co isa que 3 em 4 pessoas encontra m assim que acordam. Com certeza não é o seu caso, mas tem gente que usa o ce lular até no banheiro, pra ficar respondendo e-m ail ou acompanhando o Twitter. Que coisa né?
  8. 8. Como as pessoas desejam que marcas atuem num ambiente tão íntimo como esse? 87% declaram que as empresas devem pedir permissão 91% dizem que elas devem detalhar como usarão os dados 83% querem parte do lucro da exploração comercial dos dados Fonte: Accenture
  9. 9. Ainda assim, u ma parte considerável dos investimentos d essa indústria se dá em “banners” e e nvio de mensagens não s olicitadas (ou SMS Spam). Isso porque ainda hoje a indústria tenta importar para o celu lar o mesmo modelo que durante ano s tem funcionado para a TV: compra de espaço e distribuição controla da de mensagens (PUSH).
  10. 10. Já que o celula r é esse ambiente de comunica ção tão pessoal e íntimo, obviamente o modelo baseado em interrupção nã o funcionaria da maneira como marc as e empresas gostariam. As pessoas aprend eram que nos ambientes interativos as co isas podem (e devem) ser da forma que elas querem. E elas esperam que as marcas compreendam isso.
  11. 11. PULL x PUSH AO INVÉS DE INTERROMPER, FAÇA COISAS QUE DESPERTEM O DESEJO DAS PESSOAS DE BUSCAREM PELA SUA MARCA E POR SEUS PRODUTOS EM SEUS CELULARES
  12. 12. 2/5 CELULAR = STATUS
  13. 13. Desde que foram inve ntados, há 11 anos, os celulares pas saram por uma evolução tecnológica q ue os transformaram em verdadeiros computa dores. Essa evolução também os transfo rmaram em objetos de auto-expressão, na medida que “estar por dentro” (ou ser n erd) passou a ser algo bacana (e m uitas vezes necessário).
  14. 14. As pessoas qu erem um “iPhone” muito pelos atributos d e imagem que ele carrega como marca, e emp resta a seus usuários. Tem muita gen te que tem iPhone e nem imagina o q ue seja um aplicativo... (?) Contextualiz ar isso é fundamental na definição de um a estratégia mobile para uma determinada plataforma.
  15. 15. IPHONE # BLACKBERRY A FORMA COMO VOCÊ USA SEU CELULAR DIZ MUITO SOBRE QUEM É VOCÊ. DIZ TAMBÉM SOBRE SEUS HÁBITOS PARA UMA SÉRIE DE OUTRAS COISAS QUE VOCÊ FAZ
  16. 16. 3/5 EXPECTATIVA = ALTA
  17. 17. Tem celular ho je em dia que “até” serve para falar! Há po uco tempo as pessoas compravam s eus celulares pelo pacote “imutáve l” software + hardware. Com os apps, o ce lular pode ser qualquer coisa. As pessoas e stão aprendendo isso e estão ficando cada vez mais exigentes.
  18. 18. Essa exigência é crescente também pelo potencial de hard ware que elas carregam. O celular substitui u m monte de aparelhos, tornando ainda mais fácil para as pessoas portarem suas vid as digitais. Assim, muito em breve o celular vai ser o centro digital da vida da maio r parte das pessoas.
  19. 19. A principal implicação disso é o incremento da concorrência pelo tempo e pela atenção das pessoas nesses dispositivos. Para construir relacionamentos perenes com esses usuários, seja o que eles esperam de sua ma rca nessas plataformas. Explore assunto s e necessidades que gravitam nas verd ades - no DNA - de sua marca e do que ela oferece.
  20. 20. AUTORIDADE PLANEJE SEUS PROJETOS COM BASE NO QUE SUA MARCA REALMENTE TEM CREDIBILIDADE PARA ENTREGAR
  21. 21. 4/5 IPHONE ROCKS
  22. 22. Não dá para ne gar que a Apple é uma “Lovemark” abso luta. Muitas marcas querem construir es se tipo de “adoração” e compartilhar esses valores. Mas não dá para pegar carona só nisso... Antes de inve stir em uma plataforma é importante ente nder seu potencial. E o iPhone de fa to tem um incremento em penetra ção único na categoria.
  23. 23. Fonte: ChangeWave Research
  24. 24. O iPhone foi o primeir o dispositivo móvel que conseguiu d e verdade proporcionar uma experiência de consumo de Internet próxima a que as pessoas estavam acostumad as em seus desktops. Deter 43% do volum e global de tráfego de dados mobile e ser a camera mais popular no F lickr só comprovam isso.
  25. 25. Fonte: Flickr
  26. 26. No aspecto me rcadológico, um enorme diferencial comp etitivo foi estabelecido através de um “eco sistema” completo e muito bem arquitetad o: marca desejada + hardware impecáv el + integração fácil com o desktop (iT unes) + integração com conteúdo (iTune s Store) + integração com aplicativos (App Store) + 70.000 desenvolvedo res patilhando os lucros.
  27. 27. App Store: 2 bilhões de downloads em 14 meses (10,5 milhões/dia) SUCESSO = USER EXPERIENCE O IPHONE É UM BENCHMARK DE COMO AS PESSOAS DESEJAM PORTAR E INTERAGIR COM SUAS VIDAS DIGITAIS Fonte: Blog da FingerTips
  28. 28. 5/5 TEMPO = DINHEIRO
  29. 29. Não custa repetir: tem po é o recurso mais escasso na vida da maior parte das pessoas hoje em d ia. Tempo para estudar, para evoluir na vida, para aprender, para crescer, para se d ivertir... Para o pobre: tempo para ganhar mais dinheiro. Para o rico: tempo para gastar mais dinheiro.
  30. 30. Nesse context o, as pessoas tendem a buscar cada vez mais por soluções de marcas que as ajud em de alguma forma em suas vidas. Essa busca se dá de duas formas: bus ca por conteúdos (ou entretenimen to) sob demanda - BRAND CONTENT, e bus ca por serviços - BRAND UTILITY - aplicativ os que as pessoas não vão mais conseguir viver sem.
  31. 31. 35
  32. 32. EVANTE JA R EL SE TENT + N D CO BRAN ILITY . T BRA ND U TÁ S O ES UCES O SEU S LIGAD M ENTE A D IRETA E DA SU C IDAD CAPA R A P ROVE A DE MARC ENTO E TENIM A E NTRE A VID DE PARA UT ILIDA S SOAS DAS PE
  33. 33. Parte II WALKING THE TALK
  34. 34. NOSSOS PRODUTOS DIGITAIS
  35. 35. NOSSOS PRODUTOS DIGITAIS
  36. 36. O primeiro aplicativo comercial para iPhone na América Latina
  37. 37. Enquanto o me rcado estava preocupado com uma oferta ampliada de serviços agregados (tipo: an tivirus) nós focamos o desenvolvimento de um produto digital que realmente pudess e ser percebido como uma extensã o do produto original. Algo realmente ligado ao CORE do produto: proteção e segur ança (a “verdade” que ela proporciona)
  38. 38. Serviços e conteúdos para promover e tangibilizar “segurança”
  39. 39. DEMO DO APP POR FAVOR ACESSE: www.bradescoseguros.com.br/iphone
  40. 40. VIDEODICA AUTO UM EXEMPLO DO “CONTENT” EMBUTIDO NO PRODUTO
  41. 41. NOSSOS PRODUTOS DIGITAIS
  42. 42. DEMO DO APP POR FAVOR ACESSE: www.agiteavida.com.br
  43. 43. VIDEODICA VIDA INCENTIVANDO A CELEBRAÇÃO DA VIDA
  44. 44. NOSSOS PRODUTOS DIGITAIS
  45. 45. DEMO DO APP POR FAVOR ACESSE: www.seufuturo.com.br
  46. 46. VIDEODICA PREVIDÊNCIA AJUDANDO AS PESSOAS A COMPRAREM O PRODUTO
  47. 47. NOSSOS PRODUTOS DIGITAIS
  48. 48. Útil (ou inútil nesse caso) desde 1965 | HUD (HeadUp
  49. 49. Apresentado as pessoas em 1987 pelo Robocop
  50. 50. E free pra gente brincar desde 1999, pela Washington University
  51. 51. Demorou, mas algumas aplicações incríveis começaram a surgir. Topps Reinventando um produto analógico
  52. 52. Lego Inovando no PDV
  53. 53. USPS Entregando valor e utilidade
  54. 54. BMW Automatizando seu programa de treinamento
  55. 55. Bradesco Criando games para promover seus produtos
  56. 56. Como le var isso para o mobile? Enquanto os dem ais canais da campanha tinham o papel de c omunicar a “presença” do Bradesco, c olocamos em mente que nossa execução In terativa deveria entregar essa promessa atra vés de uma experiência que pudesse comprov ar tudo o que estava sendo dito. Fizem os isso antes mesmo da Apple p ermitir [oficialmente]...
  57. 57. O primeiro aplicativo de realidade aumentada do Brasil (e o primeiro aplicativo do gênero de um banco no mundo)
  58. 58. VÍDEO DEMO ESSA FOI UMA PEÇA FUNDAMENTAL DA ESTRATÉGIA DE SEEDING DA NOVIDADE [EDITADA DE PROPÓSITO WINDOWS MOVIE MAKER]
  59. 59. Resultados: você sabe... inovação gera conversação Um ativo permanente para a marca
  60. 60. 374 Tweets em 5 dias
  61. 61. Parte III PRA REFLETIR
  62. 62. HOJE: A TECNOLOGIA É O MEIO, NÃO O FIM 84
  63. 63. Uma revolução começa quando as pessoas adotam novos com portamentos. Tecnologia é coadjuvamente. E é exatamente isso que está começando a acontecer... É incrível pensar que h á menos de 05 anos os celulares tinha m tela PB e só serviam para fazer chamadas. É incrível pensar que o iPhone estava pron to desde 2003. Imagine só o que vem po r aí nos próximos 4 anos...
  64. 64. 2010: VAMOS ASSISTIR UMA BOA BRIGA Fonte: Flurry Analytics
  65. 65. FUTURO: NÃO TENHA MEDO DE “BETA TESTAR”
  66. 66. A velocidade c om que novas plataformas surgem e impact am a vida das pessoas é absurda (e tende a aumentar). As empresas vencedoras serão aq uelas que conseguirem sempre sair na frente de seus concorrentes, construindo aprendizado e histórico. E ainda bem que nossa geração é formada por beta testers s empre ávidos pelo novo o/
  67. 67. OBRIGADO :) BOA SORTE! @fabianocoura www.fabianocoura.com fabianocoura@insulacomunicacao.com.br

×