Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Prot Abdome

23,820 views

Published on

Published in: Travel

Prot Abdome

  1. 1. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética Homero José de Farias e Melo [email_address]
  2. 2. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A RM, na área da gastroenterologia, não é o método de escolha, sendo a US e a TC os métodos de escolha nas patologias do abdome. </li></ul><ul><li>O grande desafio da RM abdominal é em relação aos artefatos de movimentação que irão degradar as imagens impossibilitando um diagnóstico mais preciso. </li></ul>
  3. 3. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A principal indicação da RM nas patologias gastrointestinais é para avaliação das lesões hepáticas, sejam elas tumorais, inflamatórias, decorrentes hepatopatia crônica, ou doença de depósito. </li></ul>1. Fígado
  4. 4. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A RM de fígado é realizada para : </li></ul><ul><li>Detectar lesões neoplásicas primárias ou metastáticas; </li></ul><ul><li>Definir a extensão das lesões para planejamento cirúrgico; </li></ul><ul><li>Diferenciar hemangioma de outras lesões malignas; </li></ul><ul><li>Avaliar a permeabilidade e potência dos vasos intra-hepáticos. </li></ul>
  5. 5. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>Hepatopatias focais: </li></ul><ul><li>Cistos hepáticos; </li></ul><ul><li>Hemangiomas; </li></ul><ul><ul><li>Metástases; </li></ul></ul><ul><ul><li>Carcinomas hepatocelulares; </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperplasia nodular focal; </li></ul></ul><ul><ul><li>Adenoma hepatocelular; </li></ul></ul><ul><ul><li>Abcessos hepáticos. </li></ul></ul>1.1 Principais Patologias do Fígado
  6. 6. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>Hepatopatias difusas: </li></ul><ul><li>Infiltração gordurosa; </li></ul><ul><li>Cirrose; </li></ul><ul><li>Síndreome de Budd-Chiari; </li></ul><ul><li>Hemocromatose/Hemossiderose. </li></ul>
  7. 7. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 2. Pâncreas
  8. 8. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 2. Principais Patologias do Pâncreas <ul><li>Carcinoma pancreático; </li></ul><ul><li>Tumores de células das ilhotas: </li></ul><ul><li>Insulinoma; </li></ul><ul><li>Gastrinoma; </li></ul><ul><li>Glucagonomas; </li></ul><ul><li>Vipomas; </li></ul><ul><li>Pancreatites. </li></ul>
  9. 9. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 3. Via Biliar <ul><li>A obtenção de imagens do trato biliar está relativamente em sua infância se comparada às áreas mais desenvolvidas da RM abdominal. </li></ul><ul><li>A bile apresenta-se acentuadamente hiperintensa nas imagens ponderadas em T2, de modo semelhante a qualquer líquido, mas nas imagens em T1, ela pode variar de hipo a hiper. </li></ul>
  10. 10. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 3. Principais Patologias da Via Biliar <ul><li>Cálculos biliares; </li></ul><ul><li>Colescistites: </li></ul><ul><li>Aguda/Crônica; </li></ul><ul><li>Gangrenosa; </li></ul><ul><li>Colangiocarcinoma; </li></ul><ul><li>Carcinoma da vesícula biliar. </li></ul>
  11. 11. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 4. Baço <ul><li>As sequências de pulso para avaliação do baço são idênticas àquelas usadas para a avaliação do fígado. </li></ul><ul><li>O sinal esplênico normal é hipointenso nas imagens ponderadas em T1 e hiperintenso em relação ao fígado nas imagens ponderadas em T2. </li></ul>
  12. 12. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética
  13. 13. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 4.1 Principais Patologias do Baço <ul><li>Linfomas; </li></ul><ul><li>Metástases; </li></ul><ul><li>Lesões benignas (hemangiomas). </li></ul>
  14. 14. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 5. Glândula Adrenal <ul><li>As massas tumorais adrenais são em sua maioria um achado acidental, sendo constituída, basicamente, de adenomas não funcionantes ou de metástases. </li></ul><ul><li>Tanto a hemorragia (hiper - T1 e T2) quanto a necrose (sinal misto), podem alterar as características de sinal de uma massa tumoral adrenal. </li></ul>
  15. 15. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 5.1 Principais Patologias da Glândula Adrenal <ul><li>Feocromocitoma; </li></ul><ul><li>Neuroblastoma; </li></ul><ul><li>Hiperfunção cortical: </li></ul><ul><li>Hiperaldosteronismo primário; </li></ul><ul><li>Síndrome de Cushing; </li></ul><ul><li>Hiperplasia adrenal secundária. </li></ul>
  16. 16. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética 6. Rins
  17. 17. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>Massas tumorais renais (carcinoma, metástases, linfomas, sarcomas e fibromas); </li></ul><ul><li>Cistos renais (simples, hemorrágicos e policísticos); </li></ul><ul><li>Anomalias congênitas (pélvicos, em ferradura e ectopia renal). </li></ul>6.1 Principais Patologias dos Rins
  18. 18. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A bobina usada nos exames de abdome é a de sinergia (phased-array) ou a bobina de corpo . </li></ul>
  19. 19. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A idéia das bobinas de superfície foi ampliada na produção de imagens de bobinas de varredura de fase ( phased-array ). </li></ul><ul><li>A bobina de varredura de fase produz uma imagem com a RSR de uma única bobina de superfície, associada ao grande campo de visão de uma bobina de volume. </li></ul>
  20. 20. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>O abdome do paciente é posicionado de tal forma que o mesmo fique entre as duas bobinas. </li></ul><ul><li>Posicionamento : cabeça primeiro (head first), decúbito dorsal (supine) e braços para trás. </li></ul><ul><li>A punção venosa deve ser feita de forma a permitir a injeção do contraste sem a necessidade de retirar o paciente do aparelho. </li></ul>
  21. 21. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética
  22. 22. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A programação do abdome é feita da seguinte forma: </li></ul>
  23. 23. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A programação da angio-RM arterial do abdome é feita da seguinte forma: </li></ul>
  24. 24. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A reconstrução da angio-RM arterial do abdome é feita da seguinte forma: </li></ul>
  25. 25. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A programação da colangio-RM é feita da seguinte forma: </li></ul>
  26. 26. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>A reconstrução da colangio-RM é feita da seguinte forma: </li></ul>
  27. 27. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética
  28. 28. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>FÍGADO e BAÇO </li></ul><ul><li>Axial T2 80 SPIR </li></ul><ul><li>Axial T2 80 </li></ul><ul><li>Axial T2 160 SPIR </li></ul><ul><li>Axial in-phase </li></ul><ul><li>Axial out-of-phase </li></ul><ul><li>Dinâmico </li></ul>7. Sequências
  29. 29. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>PÂNCREAS </li></ul><ul><li>Axial T2 80 SPIR </li></ul><ul><li>Axial T2 160 SPIR </li></ul><ul><li>Axial in-phase </li></ul><ul><li>Axial out-of-phase </li></ul><ul><li>Axial Vol. 2mm </li></ul><ul><li>Dinâmico </li></ul><ul><li>Axial Vol. 2mm Gd </li></ul>
  30. 30. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>COLANGIO-RM </li></ul><ul><li>Axial T2 80 SPIR </li></ul><ul><li>Axial T2 160 SPIR </li></ul><ul><li>Axial in-phase </li></ul><ul><li>Axial out-of-phase </li></ul><ul><li>Colangio radial </li></ul><ul><li>Colangio 3D </li></ul><ul><li>Dinâmico </li></ul>
  31. 31. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>ADRENAL </li></ul><ul><li>Axial T2 80 SPIR </li></ul><ul><li>Axial T2 160 SPIR </li></ul><ul><li>Axial in-phase </li></ul><ul><li>Axial out-of-phase </li></ul><ul><li>Axial Vol. 2mm </li></ul><ul><li>Dinâmico </li></ul><ul><li>Axial Vol. 2mm Gd </li></ul>
  32. 32. Protocolos: Abdome Introdução Bobina Protocolo Artefatos Imagem Ressonância Magnética <ul><li>RINS </li></ul><ul><li>Axial T2 80 SPIR </li></ul><ul><li>Axial T2 80 </li></ul><ul><li>Axial in-phase </li></ul><ul><li>Axial out-of-phase </li></ul><ul><li>Coronal T2 </li></ul><ul><li>Dinâmico </li></ul>

×