Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
DO  MODUS  OPERANDI    
AO  MODUS  VIVENDI:    
uma  nova  percepção    
de  interfaces    
Prof.  Dr.  Eduardo  Zilles  B...
1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO  
02/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  A  constante  ...
1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO  
03/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  A  evolução  t...
1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO  
04/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
Fonte:  Zilles  B...
2.  Metodologia  
05/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  RefleJr  sobre  a  evolução  no ...
2.  Metodologia  
06/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
07/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
08/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
09/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
10/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
11/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
12/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
13/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
14/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
15/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
16/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
3.  Evolução  do  relacionamento  
humano-­‐computador  
17/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digit...
4.  Considerações  finais  
18/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  A  evolução  técnica  ...
4.  Considerações  finais  
19/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  É  notável  uma  grand...
4.  Considerações  finais  
20/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  No  monitor  é  exigid...
Bibliografia  
21/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
•  Accioly,  M.  (2010).  Isto  é  Sim...
Eduardo  Zilles  Borba  (ezb@lsi.usp.br)  (twiZer:  @ezillesborba)  
Marcelo  Knorich  Zuffo  (mkzuffo@lsi.usp.br)  
Centro ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Do Modus Operandi ao Modus Vivendi: uma nova percepção de interfaces

525 views

Published on

Comunicação apresentada no Ibercom 2015 - Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) - na divisão temática Comunicação e Cultura Digital. Assim sendo, trata-se de uma síntese do artigo científico publicado nos anais do Congresso Ibercom 2015, no qual são debatidas questões sobre a experiência de imersão do indivíduo em diferentes tipos de interfaces. Basicamente é analisado o impacto do realismo visual, a envolvência e a interatividade do ser humano com ambientes virtuais cada vez mais intuitivos. Em suma, ao final do trabalho é lançada a hipótese de que a razão e os sentidos tendem a tomar caminhos bifurcados em nossa experiência perceptiva quando as interfaces tornam-se mais naturais ao conhecimento cognitivo do humano.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Do Modus Operandi ao Modus Vivendi: uma nova percepção de interfaces

  1. 1. DO  MODUS  OPERANDI     AO  MODUS  VIVENDI:     uma  nova  percepção     de  interfaces     Prof.  Dr.  Eduardo  Zilles  Borba*   Prof.  Dr.  Marcelo  Knorich  Zuffo   Centro  Interdisciplinar  em  Tecnologias  InteraIvas   da  Universidade  de  São  Paulo  (CITI-­‐USP)   XIV  CONGRESSO  INTERNACIONAL  IBERCOM  2015   29  de  março  a  02  de  abril  de  2015   Escola  de  Comunicação  e  Arte  da  Universidade  de   São  Paulo  USP  (ECA-­‐USP)  São  Paulo  –  SP  -­‐  Brasil   *  Bolsista  do  CNPq-­‐Brasil  
  2. 2. 1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO   02/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  A  constante  evolução  no  modo  como  lidamos  com  as  interfaces  digitais   indica  que  caminhamos  na  direção  de  relacionamentos  cada  vez  mais   intuiJvos  com  as  máquinas  (Kerckhove,  1995;  Accioly,  2010)     •  Estamos  saindo  do  modo  de  interface  metafórica  (menus,  setas,  botões)   para  dar  espaço  a  explorações  mais  naturais  (3D,  gestos,  toques)  (Blake,  2010)     •  Em  breve  nem  teremos  de  aprender  o  funcionamento  da  interface  digital,   pois,  além  de  apresentar  objetos  com  semelhança  estéJca  ao  mundo  real   (forma,  textura,  escala),  ela  será  capaz  de  idenJficar  nossos  movimentos  e   traduzi-­‐los  em  ações  no  sistema  (caminhar,  pular)  (Friedberg,  2006)   #  Do  modus  operandi  ao  modus  vivendi  
  3. 3. 1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO   03/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  A  evolução  técnica/tecnológica  das  interfaces  gera  maior  realismo   visual,  envolvência  e  interaIvidade  com  o  ambiente  virtual.  Ou  seja,   maior  imersão  (Zuffo  et.  al,  2012)   •  Embora  não  proporcione  o  transporte  do  átomo  para  o  mundo   virtual,  num  ponto  de  vista  semióJco  habitamos  estes  espaços     (Zilles  Borba,  2014).   •  Em  interfaces  mais  naturais  ao  nosso  conhecimento  cogniJvo,     os  senIdos  acreditam  habitar  o  virtual  (sinto,  logo  existo  no  virtual).     Porém,  a  razão  insiste  em  lembrar  que  tratam-­‐se  de  simulações   (penso,  logo  não  existo  no  virtual)  (Baudrillard,  1994;  Zilles  Borba,  2014).   #  Um  conflito  percepIvo  na  experiência  com  interfaces  imersivas  
  4. 4. 1.  CONTEXTUALIZAÇÃO  DO  ENSAIO   04/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   Fonte:  Zilles  Borba,  2014  
  5. 5. 2.  Metodologia   05/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  RefleJr  sobre  a  evolução  no  modo  como  lidamos  com  interfaces  digitais;   •  Verificar  o  agravamento  do  conflito  percepIvo  entre  os  senIdos  e  a  razão   na  experiência  imersiva  com  diferentes  Jpos  de  interfaces  tecnológicas.   #  ObjeIvo   •  Uso  de  um  método  descriJvo  e  exploratório,  que  uJliza  de  ferramentas   teóricas  (levantamento  bibliográfico)  e  empíricas  (observação  exploratória)   para  coleta  de  dados  acerca  da  experiência  dos  autores  com  as  interfaces;   •  Análise  qualitaIva  dos  dados  recolhidos  com  apoio  de  um  modelo  de   avaliação  desenvolvido  pelos  autores  (reflexão  sobre  o  conflito  percepJvo).   #  Ferramentas  metodológicas  
  6. 6. 2.  Metodologia   06/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital  
  7. 7. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   07/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Neste  modelo  de  interface,  o    envio  de  funções  para  o  computador  ocorre   através  da  digitação  de  linhas  de  comando.  Temos  de  saber  o  modus  operandi   da  máquina.   #  Interface  de  linhas  de  comando  (a  escrita)   •  Visualização:  texto  (monitor).     •  Operação:  teclado  (texto).   •  Imersão:  não  existe  uma   experiência  imersiva.  Apenas   uma  ideia  inicial  de  diálogo   com  a  máquina.  
  8. 8. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   08/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Visualização:  janelas,  ícones,   pastas,  menus,  WYSIWYG.   •  Operação:  teclado,  mouse,   joys8ck  (clicar,  navegar).   •  Imersão:  navegar  no  espaço   (hipertexto)  gera  noção  de   penetrar  no  ambiente  digital.   #  Interface  gráfica  com  o  usuário  (o  clique)   •  Nestas  interfaces  as  imagens  oJmizam  nosso  relacionamento  com  as  máquinas.   E,  apesar  dos  ambientes  e  diálogos  serem  metáforas  de  espaços  e  ações  do   mundo  real,  começa  a  haver  uma  sensação  de  envolvimento.  
  9. 9. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   09/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   #  Interface  gráfica  com  o  usuário  (o  clique)  
  10. 10. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   10/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Visualização:  idênJca  às   interfaces  gráficas  (metáfora).   •  Operação:  toque  direto  de   nossos  dedos  no  monitor.   •  Imersão:  mover  imagens  de   objetos  com  os  próprios   dedos  pouco  aumenta  a   sensação  de  imersão.   #  Interface  touchscreen  (o  toque)   •  A  possibilidade  de  tocar  no  monitor  para  manipular  conteúdos  traz  um  novo   paradigma  de  interaJvidade  para  relação  humano-­‐máquina.  
  11. 11. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   11/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Uma  nova  forma  de  visualização  dos  conteúdos,  pois  deixa  de  lado  a   representação  para  apresentar  cenários  tridimensionais.   #  Interface  em  realidade  virtual  no  monitor  (o  corpo,  ele-­‐avatar)   •  Visualização:  realismo  visual   devido  ao  desenho  3D  (formas,   texturas,  escalas,  profundidades).   •  Operação:  “caminhamos”  pelo   cenário  com  o  corpo  sintéJco   que  nos  representa  (ele-­‐avatar   via  teclado,  mouse,  joys8ck).   •  Imersão:  mergulho  no  virtual   através  da  percepção  visual     (a  estéJca  do  real  no  virtual).  
  12. 12. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   12/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   #  Interface  em  realidade  virtual  no  monitor  (o  corpo,  ele-­‐avatar)  
  13. 13. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   13/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Operação:  gestos  do  corpo  são   capturados  por  sensores  e   transpostos  ao  palco  virtual   •  Imersão:  existe  a  correlação  dos   senJdos  de  propriocepção  e   sinestesia  do  corpo  orgânico   com  o  corpo  sintéJco  (simbiose).   #  Interface  Kinect  (o  gesto)   •  Interface  relacionada  ao  entretenimento  eletrônico  dos  videogames.   •  Visualização:  conteúdos  no  monitor  são  foto-­‐realísJcos  (3D).  
  14. 14. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   14/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   #  Interface  Kinect  (o  gesto)  
  15. 15. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   15/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Visualização:  a  tela  está  afixada  em   frente  aos  olhos  e  acompanha  os   movimentos  da  cabeça  (óculos  3D).   •  Operação:  movimentos  da  cabeça   são  rastreados.  Mas  a  navegação  é   orientada  pelo  teclado,  mouse...   •  Imersão:  a  experiência  visual  é   extremamente  imersiva  devido  ao   realismo  visual  e  ao  envolvimento   criado  na  simulação.   #  Interface  HMD  (a  cabeça)   •  Ao  vesIr  o  equipamento  (capacete/óculos)  perdemos  o  contato  visual  com  o   espaço  tsico  existente  ao  nosso  redor.  
  16. 16. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   16/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Operação:  movimentos  do     corpo  rastreados  por  sensores   que  estão  afixados  na  estrutura   do  cubo  (relacionamento  cogniJvo).   •  Imersão:  o  corpo  é  incenJvado   a  mergulhar  no  contexto  virtual,   enquanto  a  razão  teima  em   lembrar  que  é  uma  simulação   (aumento  do  conflito  percepJvo).   #  Interface  em  CAVE  (o  corpo,  eu-­‐avatar)   •  Literalmente  entramos  no  cenário  (sala  cúbica  de  projeção  de  imagens).   •  Visualização:  estereoscopia  do  óculos  3D,  somada  à  noção  de  escala  das   imagens  vistas  nas  paredes  e  no  chão  da  interface  (ao  nosso  redor).  
  17. 17. 3.  Evolução  do  relacionamento   humano-­‐computador   17/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   #  Interface  em  CAVE  (o  corpo,  eu-­‐avatar)  
  18. 18. 4.  Considerações  finais   18/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  A  evolução  técnica  e  tecnológica  das  interfaces  digitais  direcionam  as   relações  humano-­‐computador  para  caminhos  mais  naturais.  Isto  faz  com   que  as  tecnoexperiências  tornem-­‐se  mais  acessíveis  às  pessoas,   independente  do  seu  repertório  de  conhecimento  e,  também,  produz   uma  nova  noção  do  corpo,  do  espaço  e  da  própria  realidade  projetada   em  realidade  virtual  (algo  que  está  situado  entre  a  verdade  e  a  menJra).   •  O  realismo  visual  (imagem),  o  envolvimento  (espaço)  e  a  interaJvidade   (diálogo)  tendem  a  retornar  a  lógica  do  analógico  (do  modus  operandi  ao   modus  vivendi)   Visualização:  da  metáfora  à  analogia   Operação:  do  clique  ao  gesto  
  19. 19. 4.  Considerações  finais   19/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  É  notável  uma  grande  divisão  no  comportamento  do  humano  e,   consequentemente,  na  experiência  imersiva  ao  lidar  com  interfaces   baseadas  no  monitor  do  computador  (não-­‐imersiva,  ocularcêntrica,  visual)   ou  interfaces  que  se  estendem  para  fora  dele  (imersiva,  corporal,  motora).   VS.  
  20. 20. 4.  Considerações  finais   20/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  No  monitor  é  exigido  certo  conhecimento  técnico  do  uJlizador  para   navegar  na  interface.  Ou  seja,  sabemos  e  senJmos  que  não  habitamos     a  mesma  realidade  que  os  conteúdos  digitais.   •  Nas  interfaces  que  se  estendem  para  fora  da  tela  do  computador  há  um   novo  entendimento  da  tecnoexperiência,  pois  é  produzida  uma  espécie   de  estatuto  híbrido  em  nossa  percepção  (uma  noção  conflituosa  e  paradoxal   de  entre  os  senJdos  e  a  razão).   Os  senIdos:  mergulham  na  simulação  digital  (ver,  ouvir,  tocar,  falar)   A  razão:  por  vezes  crê  neste  mergulho,  mas  teima  em  nos   recordar  que  tratam-­‐se  de  simulações  computacionais  
  21. 21. Bibliografia   21/21  XIV  IBERCOM  2015  |  DTI  Comunicação  &  Cultura  Digital   •  Accioly,  M.  (2010).  Isto  é  Simulação.  Rio  de  Janeiro:  e-­‐papers.   •  Baudrillard,  J.  (1994).  Simulacra  and  Simula8on.  Ann  Arbo:  The  University  of  Michigan  Press.   •  Blake,  J.  (2010).  Mul8-­‐touch  Development  with  WPF  and  Silverlight.  Greenwich:  Manning  Press.   •  Friedberg,  A.  (2006).  The  Virtual  Window:  from  AlberJ  to  Microsoy.  Cambridge:  The  MIT  Press.   •  Garbin,  S.  (2010).  Evolução  das  Interfaces  Homem-­‐Computador.  Recuperado  em  20  de  fevereiro,  2015,  de:     hzp://www.tcc.sc.usp.br/tce/disponiveis/18/180450/tce-­‐25112011104445/?&lang=br   •  Grau,  O.  (2003).  Virtual  Art:  From  Illusion  to  Immersion.  Cambridge:  MIT  Press.   •  Jenkins,  H.  (2003).  Towards  an  Aesthe8cs  of  Transi8on.  Recurperado  em  03  de  março,  2015,  de:     hzp://web.mit.edu/transiJon/subs/aesthintro.html   •  Kerckhove,  D.  (1995).  A  Pele  da  Cultura.  Lisboa,  Relógio  D`Água  Editores.   •  Lévy,  P.  (1999).  Cibercultura.  São  Paulo,  Editora  34.   •  Stephenson,  N.  (1999).  In  the  Beginning  Was  The  Command  Line.  New  York:  Avon  Books.   •  Zilles  Borba,  E.  (2014-­‐A).  Simulação  tecnológica  como  instrumento  para  o  estudo  da  publicidade.  In:  Ramírez,  A.  e  Mar‚nez,   C.J.  (Orgs.).  Líneas  emergentes  en  la  inves8gación  de  vanguardia.  Madrid:  McGraw  Hill,  pp.  689-­‐703.   •  Zilles  Borba,  E.  (2014-­‐B).  Imersão  visual  e  corporal:  paradigmas  da  percepção  em  simuladores.  In:  Soster,  D.  e  Piccinin,  F.   (Orgs.).  Narra8vas  Comunicacionais  Complexificadas  II  –  A  Forma.  Santa  Cruz  do  Sul:  Edunisc,  pp.239-­‐258.   •  Zilles  Borba,  E.  (2014-­‐C).  Percepção  visual  em  mundos  virtuais.  Consumindo  mensagens  publicitárias  através  dos  olhos  do   avatar.  Recuperado  em  20  de  fevereiro,  2015,  de:  hzp://online.unisc.br/seer/index.php/rizoma/arJcle/view/4390   •  Zuffo,  J.;  Soares,  L.;  Zuffo,  M.;  Lopes,  R.  (2006).  Caverna  Digital  -­‐  Sistema  de  MulJprojeção  Estereoscópico  Baseado  em   Aglomerados  de  PCs  para  Aplicações  Imersivas  em  Realidade  Virtual.  Recuperado  em  07  de  Março,  2015,  de:     hzp://www.academia.edu/253978/Caverna_Digital-­‐sistema_De_MulJprojecao_Estereoscopico_Baseado_Em_Aglomerados   _De_Pcs_Para_Aplicacoes_Imersivas_Em_Realidade_Virtual  
  22. 22. Eduardo  Zilles  Borba  (ezb@lsi.usp.br)  (twiZer:  @ezillesborba)   Marcelo  Knorich  Zuffo  (mkzuffo@lsi.usp.br)   Centro  Interdisciplinar  em  Tecnologias  InteraIvas  da   Universidade  de  São  Paulo  (CITI-­‐USP)   XIV  CONGRESSO  INTERNACIONAL  IBERCOM  2015   29  de  março  a  02  de  abril  de  2015   Escola  de  Comunicação  e  Arte  Universidade  de  São  Paulo  USP  (ECA-­‐USP)     São  Paulo  –  SP  -­‐  Brasil  

×