Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Webjornalismo Por: Prof. Ms Evaldo Magalhães
Considerações iniciais <ul><li>Surgimento do ciberespaço - Reestruturação da maneira como se deve tratar, em todos os camp...
Conseqüências <ul><li>1) Diante dos benefícios e facilidades que a Internet traz,  profissionais de imprensa não são mais ...
A Internet <ul><li>Do projeto militar à popularização – Arpanet, 1969.  </li></ul><ul><li>World Wide Web (final dos anos 8...
Navegação no ciberespaço (P. Levy) <ul><li>Caçada : Quando temos o objetivo de encontrar algo específico na Rede, uma pess...
Webjornalismo <ul><li>Termos:  Jornalismo Digital, webjornalismo, ciberjornalismo, jornalismo online, jornalismo eletrônic...
Em que o jornalismo on-line rompe o jornalismo tradicional?   <ul><li>Pode-se dizer que, por enquanto, o jornalismo on-lin...
Características do webjornalismo (Facom):   <ul><li>Multimidialidade </li></ul><ul><li>Refere-se   à convergência dos form...
Características do webjornalismo (Facom): <ul><li>Customização do Conteúdo </li></ul><ul><li>Individualização ou Personali...
Gerações do jornalismo on-line: <ul><li>a primeira geração: transposição </li></ul><ul><li>- transposição de uma ou mais m...
Gerações do jornalismo online: <ul><li>a quarta geração: flash journalism & jornalismo participativo  </li></ul><ul><li>Jo...
O texto jornalístico na web: <ul><li>Embora ainda não haja consenso (terreno em exploração), algumas dicas para o bom text...
Termos comuns: <ul><li>Internet : união da palavra inglesa  intenetworkings  (ligação entre redes).  </li></ul><ul><li>Web...
Termos comuns: <ul><li>Pixels :  Pixel  é uma abreviação de  Picture Element . É a menor unidade de uma imagem eletrônica,...
That’s all folks!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aula 2 - Unibh - Jornalismo e Multimídia

1,247 views

Published on

Jornalismo e Multimídia

Published in: News & Politics, Education
  • Be the first to comment

Aula 2 - Unibh - Jornalismo e Multimídia

  1. 1. Webjornalismo Por: Prof. Ms Evaldo Magalhães
  2. 2. Considerações iniciais <ul><li>Surgimento do ciberespaço - Reestruturação da maneira como se deve tratar, em todos os campos da atividade humana, a informação e o conhecimento. </li></ul><ul><li>Possibilidade de digitalização, produção e disseminação on-line e em tempo real - Processamento e recuperação de conteúdos, com uso cada vez mais amplo da Internet. </li></ul><ul><li>Adoção da rede por jornalistas - Profissionais utilizam a rede com freqüência crescente para pesquisas e apuração de informações. </li></ul>
  3. 3. Conseqüências <ul><li>1) Diante dos benefícios e facilidades que a Internet traz, profissionais de imprensa não são mais obrigados a “suar a camisa” ou a “gastar tanta sola de sapato”. Isso é um ponto questionável. </li></ul><ul><li>2) Ampliação do mercado para jornalistas. </li></ul><ul><li>3) Contraditoriamente, ampliação da possibilidade de que qualquer pessoa veicule conteúdos próprios com roupagem jornalística. Usuário pode produzir informações -> NECESSIDADE DE UM NOVO PROFISSIONAL. </li></ul>
  4. 4. A Internet <ul><li>Do projeto militar à popularização – Arpanet, 1969. </li></ul><ul><li>World Wide Web (final dos anos 80, início dos 90) – Tim Berners-Lee. </li></ul><ul><li>Dados sobre a rede no Brasil: 17,9 mi de bras. (11 mi residenciais) conectados; 1.219 provedores; 15 horas diárias de conexão, em média. </li></ul><ul><li>Mudança de paradigma para os jornalistas: </li></ul><ul><li>(...) o mundo ficou tão complicado, o crescimento da informação disponível tão explosivo, que o jornalista precisa ser filtro e transmissor, organizador e intérprete (...). Além de saber como colocar a informação na página ou no ar, também deve saber como colocá-la na cabeça do receptor. Em resumo, um jornalista deve ser um administrador de bases de dados, um processador de dados e um analista de dados (Meyer, 1973, p. 12).  </li></ul>
  5. 5. Navegação no ciberespaço (P. Levy) <ul><li>Caçada : Quando temos o objetivo de encontrar algo específico na Rede, uma pessoa, um artigo, um livro, um CD etc. </li></ul><ul><li>Pilhagem : um poema nos leva ao site do poeta que nos leva a uma entrevista com o autor em um jornal que nos leva a uma livraria online que nos conduz a um chat com o autor que nos conduz a uma comunidade virtual que debate o obra do escritor etc... </li></ul>
  6. 6. Webjornalismo <ul><li>Termos: Jornalismo Digital, webjornalismo, ciberjornalismo, jornalismo online, jornalismo eletrônico. </li></ul><ul><li>Conceitos do Jornalismo Online: </li></ul><ul><li>- É o jornalismo feito no âmbito dos meios digitais interativos (Jornalismo online). </li></ul><ul><li>- É a coleta e a distribuição de informações por redes de computadores (como a Internet) ou por meios digitais (network journalism). </li></ul><ul><li>Alguns números e datas interessantes </li></ul><ul><li>O rádio demorou 38 anos para alcançar a marca de 50 milhões de usuários </li></ul><ul><li>A televisão, 13 anos. </li></ul><ul><li>A Web, 4 anos. </li></ul><ul><li>1994: primeiro diário online </li></ul><ul><li>1995: marco do início do uso, pelos jornais impressos, do meio digital para veiculação de conteúdo (no Brasil, JB Online, Agência Estado) </li></ul>
  7. 7. Em que o jornalismo on-line rompe o jornalismo tradicional? <ul><li>Pode-se dizer que, por enquanto, o jornalismo on-line imita a estrutura e a narrativa das outras formas de produção jornalística. Contudo, já aparecem alguns elementos de ruptura: </li></ul><ul><li>- O jornalismo digital dispõe de espaço virtual ilimitado. </li></ul><ul><li>- mudança na relação espaço/tempo da produção noticiosa. </li></ul><ul><li>- jornalista e usuário podem alimentar bancos de dados. </li></ul><ul><li> - a possibilidade da informação se transformar em memória disponível ao leitor. </li></ul><ul><li>- produção de arquivos de notícias e notícias de arquivo. </li></ul><ul><li>- a co-produção do leitor (feedback dos leitores/interatividade - o leitor pode contextualizar suas informações a partir de canais de comunicação como chats, fóruns, comments, enquetes etc). </li></ul><ul><li>- O online é mais veloz que o impresso. </li></ul><ul><li>- Em vez de um ponto de vista, como há no impresso, o online permite múltiplos relatos e visões.-Além disso, estimula-se que os leitores busquem seu próprio ponto de vista. </li></ul><ul><li>- Acesso imediato às fontes. Na net, o usuário pode acessar imediatamente as mesmas fontes que os jornais acessam para produzir suas notícias. </li></ul><ul><li>- Falta ao online &quot;leg work&quot;, ou seja, o trabalho de rua que é o mito do impresso. </li></ul><ul><li>- O impresso produz poucas histórias. Na internet, há inúmeras. </li></ul><ul><li>- As pessoas estão deixando de assistir TV e ler jornais. Ao mesmo tempo optam cada vez mais por serviços customizados de informação (como a tecnologia de feeds). </li></ul>
  8. 8. Características do webjornalismo (Facom): <ul><li>Multimidialidade </li></ul><ul><li>Refere-se à convergência dos formatos das mídias tradicionais (texto, imagem e som) na narração do fato jornalístico. </li></ul><ul><li>Interatividade </li></ul><ul><li>A notícia online possui a capacidade de fazer com o leitor/usuário se sinta mais diretamente parte do processo jornalístico, pois participa: </li></ul><ul><li>a) email </li></ul><ul><li>b) chats </li></ul><ul><li>c) enquetes: votações sobre temas polêmicos. </li></ul><ul><li>d) a navegabilidade hipertextual: vários caminhos para ler as notícias. </li></ul><ul><li>e) produção editorial: matérias, posts, comentários etc. </li></ul><ul><li>Hipertextualidade </li></ul><ul><li>Possibilita a interconexão de textos através de links . Profundidade e Contextualização. </li></ul><ul><li>- hipermídia: link em conteúdo multimídia </li></ul><ul><li>- hipertexto: link em conteúdo .txt </li></ul><ul><li>- Categorias: Descentralização ou Multilinearidade, Intertextualidade, Intratextualidade, Interatividade, Multivocalidade, Navegabilidade. </li></ul>
  9. 9. Características do webjornalismo (Facom): <ul><li>Customização do Conteúdo </li></ul><ul><li>Individualização ou Personalização da Notícia. </li></ul><ul><li>- as newsletters. </li></ul><ul><li>- layout personalizado nos portais. </li></ul><ul><li>- sites que fornecem personalização </li></ul><ul><li>Memória </li></ul><ul><li>A acumulação de informações é mais viável técnica e economicamente na web do que em outras mídias. </li></ul><ul><li>A memória é coletiva, pois há interconexão com intralinks ou extralinks. </li></ul><ul><li>Instantaneidade ou Atualização Contínua </li></ul><ul><li>Possibilita o acompanhamento contínuo em torno do desenvolvimento dos assuntos jornalísticos de maior interesse. </li></ul><ul><li>Comunitarismo </li></ul><ul><li>Possibilidade de o Jornal se tornar uma rede social, sendo produzido coletivamente. Trata-se de o jornal adotar o conjunto de publicações de usuários como parte da sua interface gráfica e do conteúdo editorial. </li></ul>
  10. 10. Gerações do jornalismo on-line: <ul><li>a primeira geração: transposição </li></ul><ul><li>- transposição de uma ou mais matérias de algumas editorias do impresso. </li></ul><ul><li>- Cópias para a web do conteúdo de jornais existentes no papel. </li></ul><ul><li>A segunda geração: metáfora </li></ul><ul><li>- infra-estrutura técnica da Internet já avança. </li></ul><ul><li>- o jornal impresso é utilizado como metáfora para a elaboração das interfaces dos produtos. </li></ul><ul><li>- as publicações na web começam aproveitar as inovações da Web: </li></ul><ul><li>- links: chamadas para notícias de fatos que acontecem no período entre as edições. </li></ul><ul><li>- o email: comunicação de jornalista com o leitor ou entre os leitores. </li></ul><ul><li>- utilização dos recursos do hipertexto. </li></ul><ul><li>- surge a seção últimas notícias (breaking news, plantão etc) </li></ul><ul><li>a terceira geração: jornalismo multimídia e instantaneísta </li></ul><ul><li>- periódicos surgem a partir de iniciativas empresariais ou individuais focadas na produção de notícia somente para web ou tecnologias móveis. </li></ul><ul><li>- recursos multimídia: de notícia para conteúdo (texto, imagem, som, vídeo). </li></ul><ul><li>- recursos de interatividade: chats com participação de personalidades públicas, enquetes, fóruns. </li></ul><ul><li>- customização das notícias: conteúdo definido pelo interesse do usuário. </li></ul><ul><li>- utilização do hipertexto para construção de narração jornalística. </li></ul><ul><li>- a hegemonia da atualização contínua promovida pelos grandes jornais / jornalismo on demand : especiais ou hot sites </li></ul>
  11. 11. Gerações do jornalismo online: <ul><li>a quarta geração: flash journalism & jornalismo participativo </li></ul><ul><li>Jornalismo Participativo: </li></ul><ul><li>- jornalismo de fonte aberta / wikijournalism: </li></ul><ul><li>- o usuário torna-se o jornalista: “Repórter Desk” (cada cidadão é um repórter). </li></ul><ul><li>- e o jornalista cada vez mais um editor. </li></ul><ul><li>Flash Journalism: </li></ul><ul><li>- notícias são apresentadas a partir da linguagem Flash. </li></ul><ul><li>- um peso menor para o texto e maior para o multimídia </li></ul><ul><li>- indicado para a produção de especiais </li></ul><ul><li>- a emergência da tecnologia RSS: fim da (ou uma outra) navegabilidade </li></ul>
  12. 12. O texto jornalístico na web: <ul><li>Embora ainda não haja consenso (terreno em exploração), algumas dicas para o bom texto na web: </li></ul><ul><li>Fórmula do T X pirâmide invertida – polêmica. </li></ul><ul><li>- Seja sucinto e preciso: Como bem documentam os estudos de facilidade de uso da Web, os leitores da Internet tendem a olhar os sites meio por cima, em lugar de lê-los com atenção. Isso significa que tudo que você escreve precisa ser o mais resumido possível. A idéia é transmitir a mensagem da maneira mais rápida, EM PACOTES, porque não há muito tempo. - Mantenha os parágrafos e sentenças curtos. Mas não leve esse conselho ao extremo e torne seu texto muito simplório. Parágrafos de quatro linhas ou 75 palavras são ideais. - Reduza os floreios: V asculhe seus textos e tente reduzi-los, a partir da primeira escrita. Cada frase, cada palavra tem de lutar por sobreviver. - Use verbos fortes em lugar de fracos: Escreva &quot;decidir&quot;, não &quot;tomar uma decisão&quot;. Ou &quot;usar&quot; em lugar de &quot;fazer uso de&quot;. - Use a voz ativa: Usar a voz passiva é &quot;um sério erro foi cometido&quot; é um risco ocupacional em campos como a escrita acadêmica, ciência e tecnologia, lembra Killian. Evite soar pedante. - Atenção no uso de metáforas elaboradas: Leitores podem pular de um ponto a outro de seu conteúdo, e &quot;entrar&quot; em um artigo pela metade. Se lerem apenas a parte final de uma metáfora, ficarão confusos. </li></ul>
  13. 13. Termos comuns: <ul><li>Internet : união da palavra inglesa intenetworkings (ligação entre redes). </li></ul><ul><li>Web: do inglês, rede. World Wide Web (rede mundial). </li></ul><ul><li>Networks : do inglês, Redes Locais, Redes Metropolitanas e Redes Mundiais. </li></ul><ul><li>HTML : Do inglês, Linguagem de Marcação Hipertextual. É uma série de comandos que criam as páginas na internet. Toda a rede é formada por códigos de HTML. Tem também a XML , que é uma espécie de forma extendida de HTML e que descreve uma maior vareidade de tipos de dados. </li></ul><ul><li>Browser : Programas usados para navegar, pesquisar, baixar arquivos, acessar documentos... na internet. Os browsers fazem a leitura das páginas que estão codificadas (geralmente em HTML, mas não sempre). Como programas, os browsers contém uma variedade de ferramentas que tornam a navegação na internet muito mais fácil. </li></ul><ul><li>Links: do inglês, vínculo. É uma conexão entre dois elementos hipertextuais. </li></ul><ul><li>Softwares livres (Open Source) : software é um programa de computador que consiste em um conjunto de instruções em linguagem de máquina que irão controlar em determinar o funcionamento do computador e de seus periféricos. (Lévy 1999: 258). Software livre não é sinônimo de software gratuito. Pode te ser gratuito, mas o que o caracteriza é a fonte aberta, ou seja, que pode ser alterada pelo usuário. </li></ul>
  14. 14. Termos comuns: <ul><li>Pixels : Pixel é uma abreviação de Picture Element . É a menor unidade de uma imagem eletrônica, seja ela digital ou analógica. </li></ul><ul><li>IRC : Internet Relay Chat . Do inglês, conversa e troca de informação via internet. </li></ul><ul><li>Newsgroups : Listas de discussão via correio eletrônico. </li></ul><ul><li>Narrowcasting : Emissão programada para atingir um grupo demográfico específico. </li></ul><ul><li>Cookies : Pequenos arquivos de texto enviados pelo servidor que permitem obter informações sobre os computadores que o acessam. </li></ul><ul><li>E-journals : Publicação eletrônica similar aos e-zines . É facilmente encontrada em círculos acadêmicos. </li></ul><ul><li>Templates : é o visual que compõe a página de um blog ou site . Existem milhões deles disponíveis na Internet, além de ferramentas que ensinam passo a passo como montar o seu próprio projeto gráfico personalizado. (N. do A.) </li></ul><ul><li>RSS: Really Simple Syndication ou Rich Site Summary ou RDF Site Sumary. É um sub-conjunto de &quot;dialetos&quot; XML que servem para agregar conteúdo ou &quot;Web syndication&quot;. É usado principalmente em sites de notícias e blogs . A tecnologia do RSS permite aos usuários da internet se inscrever em sites que fornecem &quot;feeds&quot; (fontes) RSS. Estes são tipicamente sites que mudam ou atualizam o seu conteúdo regularmente. Para isso, são utilizados Feeds RSS que recebem estas atualizações, desta maneira o usuário pode permanecer informado de diversas atualizações em diversos sites sem precisar visitá-los um a um. </li></ul>
  15. 15. That’s all folks!

×