Aula o.i. sonia

605 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
605
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula o.i. sonia

  1. 1. AMBULATÓRIO DE OSTEOGENESES IMPERFECTAAMBULATÓRIO DE OSTEOGENESES IMPERFECTA ENFOQUE SOCIAL : DIREITOS E ACESSOSENFOQUE SOCIAL : DIREITOS E ACESSOS Sonia Regina O. Costa – Assistente SocialSonia Regina O. Costa – Assistente Social SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULOSANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIADEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA
  2. 2. SUS – Sistema Único de SaúdeSUS – Sistema Único de SaúdeSUS – Sistema Único de SaúdeSUS – Sistema Único de Saúde  SUS - 1988 ( Sistema Único de saúde )  Lema: Saúde direito de todos e dever do Estado  2004 : PNH - Política Nacional de Humanização  Acolhimento – Modo de operar o processo em saúde
  3. 3. OSTEOGENESES IMPERFECTAOSTEOGENESES IMPERFECTAOSTEOGENESES IMPERFECTAOSTEOGENESES IMPERFECTA Autor Bibliografia Claudio Santili Francis H. Glarienx Horacio Platkim Marcelo Campos de Assis Rose Marie Chiasson – Assist. Social (Hospital for Childrens, Montreal – Canadá 3 Definição Fragilidade ossea – Ossos de Cristais: Classificação dos tipos Revista Brasileira de Ortopedia v. 37 n° 8 de 2002 Associação Portuguesa de O. I Fragilidade óssea ossos de cristais. Fraturas inexplicáveis. www.freewebs.com/ Osteogeneseimperfeita A falta de conhecimento sobre a doença, leva profissionais da saúde a classificar como maus tratos Associação Brasileira de Osteogêneses Imperfecta
  4. 4.  Assistente socialAssistente social  Médico OrtopedistaMédico Ortopedista  EnfermagemEnfermagem  Terapeuta OcupacionalTerapeuta Ocupacional  FisioterapeutaFisioterapeuta  NutricionistaNutricionista  PsicólogaPsicóloga EquipeEquipe InterdisciplinarInterdisciplinarEquipeEquipe InterdisciplinarInterdisciplinar
  5. 5. Função do Assistente SocialFunção do Assistente SocialFunção do Assistente SocialFunção do Assistente Social 5  Elo  Suporte  Interceder  Acolher  Ouvir Discernir SERVIÇO SOCIAL Promove a interação entre família e equipe multiprofissional. Orienta e encaminha a demanda social , informa sobre recursos da comunidade e as normas do hospital.
  6. 6.  Estudo ( junto ao paciente e família).Estudo ( junto ao paciente e família).  Treinamento de profissionais (Projeto Doenças Raras)Treinamento de profissionais (Projeto Doenças Raras)  Atendimento Humanizado / AcolhimentoAtendimento Humanizado / Acolhimento  Parceria interna e externaParceria interna e externa  Compromisso / ComprometimentoCompromisso / Comprometimento  Cooperação estreita entre pais e técnicosCooperação estreita entre pais e técnicos  Integração SocialIntegração Social OBJETIVO DO SERVIÇO SOCIALOBJETIVO DO SERVIÇO SOCIAL – O . I– O . IOBJETIVO DO SERVIÇO SOCIALOBJETIVO DO SERVIÇO SOCIAL – O . I– O . I
  7. 7. Entrevista realizada com 44 famíliasEntrevista realizada com 44 famílias de 0 a 17 anos (2012)de 0 a 17 anos (2012) TransporteTransporte Transporte publico ..........24Transporte publico ..........24 Ambulância Pref...............10Ambulância Pref...............10 Carro próprio.................... 9Carro próprio.................... 9 Aéreo................................. 1Aéreo................................. 1 HabitaçãoHabitação Casa alugadaCasa alugada ................................1717 Casa cedidaCasa cedida ................................1212 Casa própriaCasa própria ................................1111 Terreno da PrefeituraTerreno da Prefeitura ......0303 Procedência Cidade de São Paulo.......... 23Cidade de São Paulo.......... 23 Outros Municípios.............. 20Outros Municípios.............. 20 Outro EstadoOutro Estado ...................... 01 Renda Familiar De 1 a 2 s. Mínimo ..............De 1 a 2 s. Mínimo ..............3333 De 3 a 4 S. Mínimos ............De 3 a 4 S. Mínimos ............0707 Sem renda ...........................Sem renda ...........................0404 OBS. Sendo 15 casos LoasOBS. Sendo 15 casos Loas
  8. 8. LazerLazer Sem atividade.................... 35Sem atividade.................... 35 Televisão........................... 06Televisão........................... 06 Natação / Praça................ 02Natação / Praça................ 02 Futebol.............................. 01Futebol.............................. 01 EscolaridadeEscolaridade Ensino Fundamental .......... 21Ensino Fundamental .......... 21 Sem idade escolar............... 14Sem idade escolar............... 14 pré-primário ....................... 06pré-primário ....................... 06 Ensino médio ...................... 03Ensino médio ...................... 03 CuidadorCuidador Mãe ........................37 Pai...........................05 Avó..........................01 Amigo/conhecido.... 01 Entrevista realizada com 44 famíliasEntrevista realizada com 44 famílias de 0 a 17 anos (2012)de 0 a 17 anos (2012) Entrevista realizada com 44 famíliasEntrevista realizada com 44 famílias de 0 a 17 anos (2012)de 0 a 17 anos (2012) Cuidadores apresentam auto grau de afetividade
  9. 9.  Bilhete Único Pessoa com Deficiência – Prefeitura Lei Municipal nºBilhete Único Pessoa com Deficiência – Prefeitura Lei Municipal nº 11.250 de 01/ 10/199211.250 de 01/ 10/1992  Estado - Metrô, FEPASA e EMTU.Estado - Metrô, FEPASA e EMTU. Decreto 32144/90 de 14/08/90Decreto 32144/90 de 14/08/90  Prefeitura - Programa Atende. Decreto nº 36071 de /09/05/1996Prefeitura - Programa Atende. Decreto nº 36071 de /09/05/1996  Ministério do transporte (Passe livre). Lei 8.889 de 29/06/1994Ministério do transporte (Passe livre). Lei 8.889 de 29/06/1994  Aquisição de veiculo c/ Isenção de IPIAquisição de veiculo c/ Isenção de IPI  Isenção de IPVAIsenção de IPVA  Isenção de Rodízio de AutomóvelIsenção de Rodízio de Automóvel Transporte / Direitos e AcessoTransporte / Direitos e AcessoTransporte / Direitos e AcessoTransporte / Direitos e Acesso
  10. 10. T F D - Tratamento fora de domicilioT F D - Tratamento fora de domicilioT F D - Tratamento fora de domicilioT F D - Tratamento fora de domicilio TransporteTransporte  Falta de recursos financeiroFalta de recursos financeiro  Dificuldade de acessoDificuldade de acesso  Estadia / casa de apoioEstadia / casa de apoio
  11. 11. Escolas NormaisEscolas Normais  Não apresentam dificuldades intelectuaisNão apresentam dificuldades intelectuais  Rampas de acesso aos banheiro e sala de aulaRampas de acesso aos banheiro e sala de aula  Mesas e cadeiras móveisMesas e cadeiras móveis  Plano de evacuação de emergênciaPlano de evacuação de emergência  Supervisão nos jardins ou superfície molhadasSupervisão nos jardins ou superfície molhadas  Estratégia para saída da escolaEstratégia para saída da escola  Profissionais treinadosProfissionais treinados Direitos e AcessoDireitos e AcessoDireitos e AcessoDireitos e Acesso Dr. Horacio PlotKlin (ABOI)
  12. 12. Avaliação médica para identificação do diagnóstico Estudo Social Relatório Enfermagem Conselho Tutelar Vara da Infância Identificar / Notificação Judicial (lei nº 8069 Estatuto da Criança e do Adolescente) Situação de RiscoSituação de Risco Quando e como encaminharQuando e como encaminhar?? Situação de RiscoSituação de Risco Quando e como encaminharQuando e como encaminhar??
  13. 13. S. A. S. S. 12 anos de idadeS. A. S. S. 12 anos de idade Família composta pelo casal e pacienteFamília composta pelo casal e paciente Relata fraturas inexplicáveis desde os 11 mesesRelata fraturas inexplicáveis desde os 11 meses Cuidador – genitoraCuidador – genitora Renda familiar / Loas / SPTransporteRenda familiar / Loas / SPTransporte Avaliação médica ( maus tratos ?)Avaliação médica ( maus tratos ?) Constrangimento / acionado delegacia da regiãoConstrangimento / acionado delegacia da região Conselho TutelarConselho Tutelar Investigação diagnósticaInvestigação diagnóstica RELATORELATORELATORELATO
  14. 14.  FamilialFamilial  Grupos de convivênciaGrupos de convivência  Associações de Osteogeneses ImperfectaAssociações de Osteogeneses Imperfecta  Cursos profissionalizantes / cota de empregoCursos profissionalizantes / cota de emprego Relações e redes sociaisRelações e redes sociaisRelações e redes sociaisRelações e redes sociais
  15. 15.  Criação de um cartão de identificação de O . ICriação de um cartão de identificação de O . I Elaboração de cartilha sobre O . I .Elaboração de cartilha sobre O . I . Acesso ao manual da Terapia OcupacionalAcesso ao manual da Terapia Ocupacional Parceria com empresas referente Cadeira de Rodas adaptada.Parceria com empresas referente Cadeira de Rodas adaptada. Parceria com a Secretaria da EducaçãoParceria com a Secretaria da Educação Transporte apropriado (coletivo) para O . I .Transporte apropriado (coletivo) para O . I . Propostas do serviço socialPropostas do serviço socialPropostas do serviço socialPropostas do serviço social
  16. 16. “OSSOS DE VIDRO ANJOS DE CRISTAL NÃO SINTO O GOSTO AMARGO DO PRECONCEITO, MAS O DOCE SABOR DE SER DIFERENTE “ Regina Esposito OBRIGADA

×