Animais em extinção

13,984 views

Published on

Published in: Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
13,984
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
233
Actions
Shares
0
Downloads
83
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Animais em extinção

  1. 1. ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL BEATRIZ DE SOUZA BRITO<br />TURMA 51 / 2011<br />ANIMAIS EM PERIGO DE EXTINÇÃO<br />Florianópolis<br />Abril/maio de 2011Sumário<br />1. INTRODUÇÃO .................................................... 4<br />2. MAPA DOS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS ......... 5<br /> 3. BICHOS AMEAÇADOS<br />3.1 Arara-azul-grande ..................................... 7 <br />3.2 Ararajuba ................................................. 8<br />3.3 Ariranha ................................................... 9<br />3.4 Bagre-cego .............................................. 10<br />3.5 Bagrinho ................................................. 11<br />3.6 Baleia-azul ............................................. 12<br />3.7 Cágado-de-hoguei ................................... 13<br />3.8 Cuxiú-preto.............................................. 14<br />3.9 Formigueiro-de-cabeça-negra .................... 15<br />3.10 Gavião-pomba ......................................... 16<br />3.11 Mico-leão-da-cara-preta ............................ 17<br />3.12 Mico-leão-dourado .................................... 18<br />3.13 Morcego-vermelho .................................... 19<br />3.14 Morceguinho-do-cerrado ............................ 20<br />3.15 Papa-mosca-estrela ................................... 21<br />3.16 Pássaro-azul ............................................ 22<br />3.17 Pato-do-mato .......................................... 23<br />3.18 Pato-mergulhão ........................................ 24<br />3.19 Pirá-brasília .............................................. 25<br />3.20 Rato-do-cerrado ....................................... 26<br />3.21 Rato-do-chão ........................................... 27<br />3.22 Rãzinha ................................................... 28<br />3.23 Tubarão-de-boca-grande ............................ 29<br />3.24 Tubarão-mangona ..................................... 30<br />4. CONCLUSÃO ..................................................... 31<br />5. ANEXO (Breve explicação sobre o projeto) ....... 32<br />1. INTRODUÇÃO<br />Este trabalho apresenta alguns animais em perigo de extinção, principalmente no Brasil.<br />É importante conhecer os animais e os ecossistemas para que possamos preservá-los.<br />Fizemos uma pesquisa bibliográfica em vários números da Revista Ciência hoje das crianças, na seção Galeria. <br />A pesquisa foi realizada na biblioteca da escola, com a orientação da bibliotecária e da professora regente, e foi digitado na sala informatizada, também com a orientação da professora responsável pelos computadores.<br />672465338455 2. MAPA DOS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS<br />672465184150<br />3. BICHOS AMEAÇADOS<br />Arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus)<br />Izabella de Oliveira Ceccon Coelho<br />75501581280<br />A arara-azul-grande é uma ave que pode ser encontrada em matas formadas por grandes palmeiras conhecidas como buriti, matas localizadas às margens de cursos d'água e cerrados vizinhos a elas nos estados de Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Sul do Piauí e do Maranhão, Pará e Amapá.<br />A arara-azul-grande alimenta-se de sementes de frutas, principalmente de cocos de palmeiras. Também é atraída por árvores frutíferas como jabuticabas, mangueiras, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros.<br />O desmatamento e o comércio ilegal da arara-azul-grande a ameaçam de extinção por causa de sua beleza e por ser uma ave rara, encontrada só em algumas partes do Brasil.<br />Ciência hoje das crianças n. 14, jan/ fev de 2004<br /> Ararajuba (Guaruba guaroubo) <br />Agatha Sioff Domingos<br />72961516510<br /> <br />A ararajuba é uma ave. Pode ser encontrada nas florestas do Maranhão, Pará, sul do Amazonas e registros para Mato Grosso e Rondônia.<br /> A ararajuba alimenta-se principalmente, dos frutos da maravuvuia. Mas inclui na sua dieta frutos como o murici, a bacaba e o anani.<br />A ararajuba está ameaçada de extinção porque estão capturando os filhotes para o comércio ilegal das plumas que são muito bonitas. E também, o desmatamento do ambiente em que vive, está prejudicando o acasalamento e alimentação da ararajuba.<br />Ciência hoje das crianças, n. 169, jun de 2006<br />Ariranha (Pteronura brasiliensis) <br />Julia Mara Kneer<br />A ariranha é um mamífero que se encontra do norte da América do sul a Argentina Central. No Brasil as ariranhas são encontradas principalmente nos rios da Amazônia e do Pantanal. Elas preferem rios, igarapés, corixos, e lagoas das florestas tropicais, e planícies inundáveis.<br />A ariranha ingere muitos peixes para ter energia, por isso precisam de rios limpos para ter esse alimento.<br />Já não há ariranhas no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Bahia, por causa do desmatamento. Em 1950 a 1960, a caça estava levando a ariranha à extinção, mas hoje a caça é proibida. Os pesquisadores acreditam que, pelo menos no Pantanal, as populações da ariranha possam voltar a ficar recuperadas. Com a poluição de rios a ariranha estava sem comida e estava em perigo de extinção; pois sem o alimento a ariranha não tem energia e não fica aquecida.<br />Ciência hoje das crianças, n. 157, mai de 2005<br />Bagre–cego (Pimelodella kronei) <br />Maria Eduarda Felix da Silva<br />729615106045<br />O bagre–cego é um peixe. Pode ser encontrado em riachos subterrâneos de cavernas com corredeiras profundas. As cavernas onde ainda podemos encontrar o bagre-cego estão localizadas no Parque Turístico do Auto Ribeira, município de Iporanga, sudeste de São Paulo.<br />O bagre-cego come insetos aquáticos, aracnídeos, crustáceos, minhocas e caramujos.<br /> As causas do perigo de extinção são águas poluídas por atividades de mineradoras.<br /> Ciência hoje das crianças, n.131, dez de 2002 <br />Bagrinho (Acentronichthys leptos)<br />Thais Caroline Rayzel Moreira<br />O bagrinho é um peixe que pode ser encontrado desde o litoral do estado do Rio de Janeiro até Santa Catarina em partes altas de pequenos riachos. Este pequeno peixe vive a nadar nas nascentes dos riachos, escondidos pela vegetação ou entre pedras e troncos dos rios.<br />O bagrinho come insetos aquáticos, como são chamados os insetos que passam pelo menos um ciclo de suas vidas na água.<br /> O bagrinho vive em águas cristalinas. Quando as árvores são derrubadas todas as terras e as areias vão para dentro do rio fazendo com que a água fique barrenta.<br />Ciência hoje das crianças, n.213, jun de 2010<br />Baleia-azul (Balaenoptera musculus) <br />Tainara da Cunha Bueno <br /> <br /> <br />323215173990<br />A baleia-azul é um mamífero. Pode ser encontrada em todos os oceanos do mundo. No inverno costuma ir para as regiões tropicais para ter filhotes. No verão volta para as regiões polares. <br />A baleia-azul gosta de camarões, crustáceos e principalmente do krill, que são pequenos camarões. <br />A caça da baleia-azul está proibida desde 1966, mas a Balaenoptera musculus continua ameaçada de extinção porque o seu alimento, o krill, vem sendo capturado pelo homem e também é o alimento de outros animais marinhos.<br /> <br /> Ciência hoje das crianças, n.121, fev de 2002<br />Cágado-de-hogei ( Phrinops hogei ) <br /> Ágata Cristina Cidade<br />347980141605<br /> <br />O cágado-de-hogei é um réptil. Pode ser encontrado em rios localizados até 500 metros de altitude nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.<br />O cágado-de-hogei prefere comer vermes, insetos, moluscos, frutas e verduras.<br />Ele está ameaçado de extinção e o motivo é o desmatamento das matas ciliares, e a poluição dos rios com substâncias tóxicas.<br /> Ciência hoje das crianças, n.115, jul de 2001<br />Cuxiú-preto (Chiropotes satanas) <br /> Thiago Henrique Claudino dos Passos <br /> Vanderson Figueiró da Veiga<br />114871592710<br /> <br /> <br />O cuxiú-preto é um mamífero. O local onde podemos encontrá-lo é em parte da Amazônia, no leste do estado do Pará e no oeste do Maranhão. Seu habitat natural são as árvores altas nas áreas de floresta.<br />O cuxiú-preto costuma comer flores, brotos, insetos, aranhas e frutos. Dos frutos, o cuxiú-preto gosta mesmo é das sementes que ainda estão verdes e macias. <br />O desmatamento e a destruição das matas onde vive o cuxiú-preto são grandes ameaças à espécie. Além disso, ele é caçado porque há quem goste de comer a sua carne e por quem vende as penas do seu rabo como espanador. O desafio dos pesquisadores é saber o que fazer para preservar esse macaco amigo. <br />Ciência hoje das crianças, n.207, Nov de 2009 <br />Formigueiro-de-cabeça-negra <br />(Formicivora erythronotos)<br />Matheus Córdova dos Prazeres<br /> <br />O formigueiro-de-cabeça-negra é uma ave pequena e muito rara, mas pode ser que você tenha a sorte de encontrá-la em um pequeno cesto feito por ela mesma, em seu habitat que é a Mata Atlântica do Rio de Janeiro, na baixada litorânea.<br />Ele se alimenta de pequenos insetos que captura nas folhagens e nos ramos de arbustos.<br />O formiguero-de-cabeça-negra ficou sem ser visto por mais de 100 anos, mas, em 1987,o especialista em aves, Fernando Pacheco, reencontrou a espécie. Graças a essa redescoberta, outros pesquisadores, puderam estudar aspectos da biologia e da reprodução desta ave, que corre risco de desaparecer para sempre por causa do desmatamento da Mata Atlântica.<br />Ciência hoje das Crianças, n. 219 ,dez de 2010<br /> <br />Gavião-pomba (Leucopternis lacernulata)<br /> David Vidal<br />Nicolas A. de Oliveira Cardoso<br />742315141605<br />O gavião-pomba é uma ave que vive na Mata Atlântica nos estados da Paraíba, Alagoas, e da Bahia até Santa Catarina.<br />A alimentação dessa espécie inclui, principalmente, invertebrados terrestres como insetos, aranhas e moluscos, mas esta espécie também pode se alimentar de anfíbios, répteis, aves e mamíferos menores que ela.<br /> O gavião-pomba é uma ave que está em perigo de extinção porque ele vive na Mata Atlântica que<br />está sendo destruída pelo homem.<br />Ciência hoje das crianças, n.147, jun de2004<br />Mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara)<br />Emilli da Rocha<br />75501584455<br />O mico-leão-da-cara-preta é um mamífero que pode ser encontrado nas áreas planas da Mata Atlântica no extremo sul de São Paulo e no extremo norte do Paraná.<br />O mico-leão-da-cara-preta come frutas, folhas, sementes, pequenos anfíbios e insetos que vivem no interior das bromélias. Eles também comem cogumelos que nascem nos troncos das árvores durante o inverno, quando a disponibilidade de frutos na floresta é menor.<br />Foi a caça, o tráfico de animais, a fragmentação e a perda da área da Mata Atlântica, um dos ecossistemas mais ameaçados do mundo, que tornaram os micos-leões espécies raras e ameaçadas de extinção.<br />Ciência hoje das crianças, n.137, jul de 2003<br />Mico-leão-dourado (Leontopithecus rosália)<br />Giovane de Oliveira Correia<br />71691524130<br /> <br />O mico-leão-dourado é um mamífero que vive na Reserva Biológica de Poço das Antas na Mata Atlântica, localizada na planície costeira do estado do Rio Janeiro. <br />O mico-leão-dourado se alimenta de vegetais e <br />animais: frutas, pequenos vertebrados, insetos e, às vezes,<br />da goma de algumas árvores.<br />O mico-leão-dourado sofre de caça ilegal. Para combater o comércio proibido e evitar o desaparecimento das espécies, nunca devemos comprar animais selvagens para criar. Mas a principal causa do desaparecimento do mico-leão-dourado é a destruição da Mata Atlântica.<br />Ciência hoje das crianças, n.155, mar de 2005.<br />Morcego-vermelho (Myotis ruber)<br />Filipe Couto<br />729615102870<br />O morcego-vermelho é um mamífero que vive nas matas e áreas de brejos no sudeste e sul do Brasil, assim como em determinados locais da Argentina e do Paraguai. <br /> Ele come insetos, moscas, besouros, cupins, mariposas. <br />O morcego-vermelho é muito sensível a mudanças no ambiente provocadas pelo homem, como o aumento da poluição, o desmatamento e a destruição das matas onde vive. <br /> Ciências hoje das crianças, n. 209, jan/ fev de 2010<br />Morceguinho-do-cerrado (Lonchophylla dekeyseri)<br />Leonardo da Silva <br />882015218440<br />O morceguinho-do-cerrado é um mamífero genuinamente brasileiro e, como o nome sugere, ele só é encontrado no Cerrado. Ele aparece em cavernas do Distrito Federal, na Serra do Cipó em Minas Gerais e em Sete Cidades no estado do Piauí. <br />O morceguinho-do-cerrado se alimenta de néctar das flores.<br />Eles estão sendo ameaçados de extinção por causa do desmatamento do Cerrado para criação de gado e lavoura.<br />Ciência hoje das crianças, n.145, abr de 2004<br />Papa-moscas-estrela (Hemitriccus furcatus) <br />Bernardo Knoll<br />729615103505<br />O papa-moscas-estrela é uma ave também conhecida pelo nome de "maria tesourinha". Seu habitat são áreas montanhosas de florestas da Mata Atlântica com presença de taquara, nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.<br />O papa-moscas-estrela prefere comer insetos como principal alimento.<br />Por conta da destruição da maior parte da Mata Atlântica, o papa-moscas-estrela, assim como várias outras espécies, que dependem desse ecossistema, encontra-se seriamente ameaçado de extinção.<br />Ciências hoje das crianças, n. 203, jul de 2009<br />Pássaro-azul (Cotinga maculata)<br />Jéssica Martins sabino<br /> <br />O pássaro-azul também é conhecido pelo nome de crejuá. Pode ser encontrado na Mata Atlântica, do sul da Bahia até o Rio de Janeiro e no leste de Minas Gerais.<br />Ele se alimenta de frutas e sementes, podendo incluir, também, alguns insetos.<br />O pássaro-azul está em perigo de extinção porque estão desmatando o seu habitat e também porque foi muito capturado pela beleza das penas ou para ser aprisionado em gaiolas. Atualmente, só encontramos a espécie em áreas da Mata Atlântica protegidas do desmatamento. <br />Ciência hoje das crianças, n. 215, ago de 2010<br />Pato-do-mato (Carina Moschata) <br /> Gabriel N. de Souza<br /> Alexandra Aumondes Marinho<br />38671519685<br />O pato-do-mato ou irerê é uma ave que é encontrada em lagos e rios próximos de matas, nos países do México, norte da Argentina, no Uruguai e no Brasil.<br />Ele come raízes, sementes e folhas de plantas aquáticas, apanhadas flutuando ou através de filtragem da lama do fundo. Nadam com a cabeça e pescoço afundados, enquanto buscam alimentação. Também pega pequenos invertebrados nessas filtragens.<br />É nadando em rios e lagos, próximos às matas onde vive que o pato-do-mato passa a maior parte do dia. Mas é justamente pela destruição desses ambientes que ele corre o risco de se extinguir. Sua sobrevivência sofre ainda outras ameaças: entre as aves aquáticas, o pato-do-mato é a mais cobiçada por caçadores. Eles matam por esporte ou porque apreciam o sabor de sua carne.<br />Ciência hoje das crianças, n.129, out de2002<br />wikiaves.com.br<br />Pato-mergulhão (Mergus octosetaceus)<br />Pamella Galliani<br /> <br />42481536195<br />O pato–mergulhão é uma ave de plumagem discreta. Pode ser encontrado nas bacias dos rios São Francisco, Paraná, Tocantins e Doce.<br />Ele se alimenta de peixes como o lambari, que captura com o seu bico forte em longos mergulhos.<br />A água onde vive – que muitas vezes já esta poluída – misturada com a terra, que cai das margens por causa dos desmatamentos, fica escura e turva. Isso dificulta cada vez mais a captura de peixes. A água limpa e os peixes são importantes para sua sobrevivência. <br />Ciência hoje das crianças, n. 211, abr de 2010 <br />Pirá-brasília (Simpsonichthys boitonei)<br />Ruan Pierre Maciel<br /> <br />O pira–brasília é um peixe que vive no Planalto Central, mais especificamente na capital do Brasil. Ele vive nas lagoas temporárias, em matas de galeria e campos úmidos.<br />O cardápio do pirá–brasília é bem variado: ele come desde pequenos insetos até vegetais, incluindo umas algas.<br />Esse animal está ameaçado de extinção porque as matas onde se formam as lagoas temporárias estão sendo devastadas e esse peixe corre o risco de desaparecer para sempre.<br />Ciência hoje das crianças, n. 201, mai de 2009<br />Rato-do-cerrado (kunsia tomentosus)<br />Débora A. Schmitt Otharan<br />882015220980<br /> <br />O rato-do-cerrado é um mamífero de unhas grandes e muito fortes. Pode ser encontrado nas áreas de campos abertos (zonas de vegetações de pouco capim, poucos arbustos e árvores) da região do centro-oeste do Brasil e no oeste do Paraguai.<br /> O rato-do-cerrado gosta de se alimentar de insetos como besouros e grilos.<br /> O perigo de extinção da espécie é causado pelos agricultores e pecuaristas que estão destruindo o habitat desse rato fazendo plantações e criações de gado.<br />Ciência hoje das crianças, n.113, mai de 2001<br />Rato-de-chão (Thaptomys nigrita)<br />Ariely Zeferino dos Santos<br />87566547625<br />O rato-de-chão é um mamífero que pode ser encontrado na Mata Atlântica nos estados das regiões Sul e Sudeste e no litoral da Bahia. Ele está sempre embaixo das folhas caídas no solo.<br />Ele se alimenta principalmente de pequenos insetos, mas também come sementes e frutos que encontra caído no solo.<br /> A dificuldade de encontrar o rato-de-chão é a destruição da Mata Atlântica. O habitat desse mamífero está sendo destruído pela criação de grandes plantações de cana-de-açúcar e café.<br />Ciência hoje das crianças, n.139, set de 2003<br />Rãzinha (Paratelmatobius lutzii)<br /> <br />Camila Cavalheiro <br />João Lucas<br />9709150<br />A rãzinha é um anfíbio e é encontrada na Serra da Mantiqueira que fica na divisa entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Ela gosta de ficar em locais úmidos com muitas pedras e musgos.<br /> A rãzinha come pequenos insetos e larvas.<br />A rãzinha está sumida desde 1978. Os cientistas não sabem onde encontrá-la. Eles não entendem o porquê do sumiço, pois o lugar onde ela vive não está desmatado nem poluído, continua bem preservado.<br /> <br />Ciência hoje das crianças, n.133, mar de 2003<br />Tubarão-de-boca-grande (Megachasma pelagios) <br />Gabriel Santos Neiva<br />90741546355<br /> <br /> <br />O tubarão-de-boca-grande é um peixe. Ele é encontrado nos Oceanos Atlântico, Índico e Pacífico, em águas tropicais e subtropicais. <br /> Apesar de sua boca enorme, esse tubarão não se alimenta de grandes animais e sim, de pequenas criaturas marinhas conhecidas como zooplanctons.<br />O tubarão-de-boca-grande é difícil de ser encontrado.<br />Desde 1976 só foi encontrado 43 espécies.<br /> Ciência hoje das crianças, n.205, set de 2009.<br />Tubarão-mangona (Carcharias taurus)<br />Jeniffer Victória Martins Machado<br />O tubarão-mangona é um peixe. Pode ser encontrado em todos os oceanos. No Brasil, pode ser visto do Rio Janeiro ao Rio Grande do Sul. Ele vive em águas rasas, que não ultrapassam a profundidade de 25 metros e nem são muito quentes.<br />O tubarão-mangona se alimenta de peixes pequenos.<br />Esse animal corre sério risco de desaparecer pela poluição do seu habitat, o que causa a falta de alimento. Este animal também está sumindo porque estão caçando para exibi-lo como troféu.<br />Ciência hoje das crianças, nº141, nov de 2003<br /> <br /> <br /> 4. CONCLUSÃO<br />Concluímos que a maior causa do perigo de extinção dos animais é o desmatamento e a poluição dos ecossistemas e também a caça para comer ou para o comércio ilegal de animais.<br />Percebemos que a área mais atingida no Brasil é a Mata Atlântica, mas no Cerrado e na Amazônia também aparecem os mesmos problemas com frequência.<br />O causador de tudo isso somos nós, os seres humanos. Por isso, se não ajudarmos a cuidar da natureza, muitas espécies vão deixar de existir.<br /> 5. ANEXO<br /> <br />Breve explicação sobre o projeto<br />Este trabalho escolar, Animais em perigo de extinção, da turma 51, é apenas o produto final, materializado, que serviu de pretexto para alimentar estratégias de ensino de conteúdos diversos, tanto conceituais como procedimentais, no coletivo e no individual (principalmente nas refacções). O tema poderia ser qualquer outro, mas escolhemos este pela atualidade e importância da discussão ambiental. <br />O trabalho oportunizou aos alunos:<br />- diferenciar a “revista” de outros suportes, quanto à forma de edição e distribuição do conteúdo (periodicidade, seções, encarte, expediente...);<br />- conhecer o atlas como suporte de diversos tipos de mapas;<br />- diferenciar texto informativo em tópicos e texto contínuo;<br />- localizar assuntos do texto em tópico nos parágrafos do texto contínuo;<br />- produzir texto contínuo a partir do texto em tópico, obedecendo à indicação de assuntos em cada parágrafo; <br />- identificar ecossistemas diferentes no mapa do Brasil e alguns no planisfério;<br />- reconhecer nomes científicos de animais, suas regras de grafia e saber como se origina essa nomenclatura;<br />- ter noções da metodologia das partes e da apresentação gráfica de um “trabalho escolar” (página de rosto, sumário, introdução, corpo, conclusão, referência das fontes pesquisadas...).<br />

×