Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Biblioteca ator social de mudança

2,443 views

Published on

Published in: Education, Business, Technology
  • Be the first to comment

Biblioteca ator social de mudança

  1. 1. BIBLIOTECA ATOR SOCIAL DE MUDANÇA ! ? Valéria dos Santos Gouveia Martins USP – ESALQ 27/05/2011
  2. 2. <ul><li>PONTOS DE REFLEXÃO </li></ul>ABRANGÊNCIA DO CONCEITO – RESPONSABILIDADE SOCIAL INCLUSÃO SOCIAL ECOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACESSIBILIDADE ACESSO À INFORMAÇÃO INCLUSÃO DIGITAL SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE TECNOLOGIAS LIMPAS TI Verde GESTÃO CONHECIMENTO “ Triple Bottom Line” , critérios econômicos, sociais e ambientais Redes Sociais
  3. 3. <ul><li>PONTOS DE REFLEXÃO </li></ul><ul><li>O que é comunidade na sociedade contemporânea (Pós-moderna? </li></ul><ul><li>Como a biblioteca universitária atua no ensino, na pesquisa e na extensão? </li></ul><ul><li>O que representa a abrangência da Responsabilidade social na biblioteca? Quais são suas ações correspondentes? </li></ul><ul><li>Esta abrangência difere nos diferentes tipos de biblioteca? Qual resposta dá à população? Que mudanças provoca na comunidade? </li></ul><ul><li>Como garantir a Sustentabilidade das bibliotecas na era da informação e do conhecimento? </li></ul><ul><li>Como, nesses espaços ou por meio de ações, se articulam o local e o global? Planejamento Estratégico? Redes ou Sistemas de Informação? </li></ul>
  4. 4. <ul><li>CONTEXTO E CONCEITOS </li></ul><ul><li>A ISO 26000, como a norma será chamada, estabelece um padrão internacional de diretrizes de Responsabilidade Social (RS), mas diferentemente da ISO 9001 e da ISO 14001, esta não será uma norma para certificação, pelo menos nesta primeira versão. </li></ul><ul><li>A definição preliminar de RS acordada em Sidney, estabelece que a responsabilidade de uma organização pelos impactos de suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente, por meio de um comportamento transparente e ético. </li></ul>
  5. 5. A definição mais aceita para o desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. (Comissão Mundial sobre Meio Ambiente, 2009) A Sustentabilidade
  6. 6. <ul><li>CONTEXTO E CONCEITOS </li></ul><ul><li>A importância e o papel da biblioteca, apesar de pouco difundido no aprendizado formal (ensinar para conhecer), é o ator social que reúne as mais generosas e poderosas armas de entendimento para a comunidade a que se destina. </li></ul><ul><li>A biblioteca consegue reunir, em um único ambiente, variáveis positivas que favorecem a leitura da sociedade e o seu desenvolvimento, pois instiga o saber através de seus acervos nos seus mais variados formatos, incentiva a arte e a cultura em todos os seus estilos, propulsiona a criatividade nas discussões, no pensar e na investigação. </li></ul><ul><li>Reúne, ainda, para seu funcionamento recursos físicos, materiais, tecnológico, humanos, informacionais e atores da sociedade, e todos fundidos estabelecem uma leitura cruzando os horizontes da informação e da construção do conhecimento. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>CONTEXTO E CONCEITOS </li></ul><ul><li>A importância e o papel da biblioteca, apesar de pouco difundido no aprendizado formal (ensinar para conhecer), é o ator social que reúne as mais generosas e poderosas armas de entendimento para a comunidade a que se destina. </li></ul><ul><li>A biblioteca consegue reunir, em um único ambiente, variáveis positivas que favorecem a leitura da sociedade e o seu desenvolvimento, pois instiga o saber através de seus acervos nos seus mais variados formatos, incentiva a arte e a cultura em todos os seus estilos, propulsiona a criatividade nas discussões, no pensar e na investigação. </li></ul><ul><li>Reúne, ainda, para seu funcionamento recursos físicos, materiais, tecnológico, humanos, informacionais e atores da sociedade, e todos fundidos estabelecem uma leitura cruzando os horizontes da informação e da construção do conhecimento. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>CONTEXTO E CONCEITOS </li></ul><ul><li>O potencial de transformação que as bibliotecas apresentam com seus recursos informacionais, logicamente combinado com a atuação do profissional bibliotecário ou da informação, tem tomado proporções interessantes na geração em rede. Alguns exemplos deste manancial de possibilidades de mudança e conclusivamente de geração e acesso ao conhecimento, nas mais diversas situações, demonstrando que, independente da tipologia da biblioteca, seu caráter social e inclusivo existe e, portanto deve ser repensada como tal. </li></ul>
  9. 9. PROGRAMAS DE APOIO - OBJETIVOS INSTITUTO ECOFUTURO – LER É PRECISO As Bibliotecas são implantadas, prioritariamente, em locais com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), altos indicadores de violência, e que possibilitem o estabelecimento de parcerias, preferencialmente dentro de escolas públicas, com a contrapartida de que sejam abertas à comunidade. O projeto oferece acervo de mil títulos, sendo 30% do acervo decidido junto com a comunidade, equipamento de micro-informática para gestão do acervo e cursos de formação para agentes promotores de leitura e auxiliares de biblioteca (80% formado por professores), com o objetivo de disponibilizar conhecimento para a organização e para a implementação de ações que promovam a leitura e tornam a biblioteca viva. PROGRAMA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - UFMG De acordo com o Mec , considera-se como biblioteca toda unidade de informação que disponha de coleção organizada de livros, publicações periódicas, material gráfico ou audiovisual, assim como pessoal para promover e orientar o usuário quanto à utilização desse acervo, de maneira a atender às suas necessidades.
  10. 10. PROGRAMAS DE APOIO - OBJETIVOS <ul><li>UFBA – BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO BAHIA </li></ul><ul><li>Segundo o manifesto da UNESCO, a liberdade, a prosperidade e o desenvolvimento da sociedade e dos indivíduos são valores humanos fundamentais e só podem ser alcançados quando todos os cidadãos estiverem informados para exercerem seus direitos democráticos, para desempenharem um papel ativo na sociedade. </li></ul><ul><li>A biblioteca deve ser um lugar onde o povo possa encontrar-se, trocar idéias, discutir problemas, saciar curiosidades, obter informações essenciais para a cidadania. Sua implantação em comunidades é necessária e urgente, sendo uma das ferramentas fundamentais na batalha que estamos travando para tornar o Brasil uma nação letrada, para transformar vidas e conquistar resultados surpreendentes. Na chamada sociedade da informação, ainda existem pessoas desinformadas, diante da privação do direito de participação. A existência de biblioteca comunitária, que atenda às necessidades de informação, pode minimizar a exclusão social, em regiões caracterizadas pela privação de educação, informações, lazer e vários fatores considerados essenciais para a qualidade de vida. </li></ul>
  11. 11. PROGRAMAS DE APOIO - OBJETIVOS <ul><li>PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA </li></ul><ul><li>A Extensão Universitária é o processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre Universidade e Sociedade. </li></ul><ul><li>METAS </li></ul><ul><li>Promoção do desenvolvimento cultural, estimulando as atividades voltadas para o incentivo à leitura, turismo regional, folclore e cultura popular, em até dois anos. </li></ul>
  12. 12. PROCESSO DE CRIAÇÃO OU SURGIMENTO <ul><li>DIVERSIDADE DE INICIATIVAS </li></ul><ul><li>Carências crônicas da comunidade ou núcleo de regiões onde o IDH é baixo ou descompasso entre o desenvolvimento tecnológico e humanístico; </li></ul><ul><li>Contribuir para a formação de crianças, jovens e adultos; </li></ul><ul><li>Contribuir para a democratização da leitura; </li></ul><ul><li>Estimular a leitura prazerosa; </li></ul><ul><li>Possibilitar às comunidades o acesso a materiais escritos de qualidade; </li></ul><ul><li>Fortalecer o hábito da leitura indagadora, reflexiva e crítica como forma de construção da cidadania; </li></ul><ul><li>Empréstimo de livros, acesso a informação, pesquisa escolar; </li></ul><ul><li>Educação formal e informal; </li></ul><ul><li>Humanização no Atendimento e processos terapêuticos. </li></ul>
  13. 13. EXPECTATIVAS – APÓS PROCESSO CRIAÇÃO <ul><li>Em que pese a diversidade das iniciativas é necessário garantir a manutenção dos espaços e/ou das ações culturais desenvolvidas. São elas: </li></ul><ul><li>garantir a participação da comunidade por meio do trabalho solidário de integrantes da comunidade; </li></ul><ul><li>estimular a participação de instituições que atuam na comunidade (instituições privadas e organizações do terceiro setor) </li></ul><ul><li>manter e ampliar as atividades culturais e educacionais desenvolvidas e oferecidas pelas bibliotecas (cursos de formação em informática, música, línguas, teatro, entre outros). </li></ul><ul><li>articular com o poder público de forma a garantir, minimamente que seja, o cumprimento das atribuições de sua responsabilidade; </li></ul><ul><li>Incentivar a formação de redes sociais e formação de agentes de cultura; </li></ul><ul><li>Preservar o patrimônio material e imaterial; </li></ul><ul><li>ENTRE OUTRAS... </li></ul>
  14. 14. <ul><li>É uma biblioteca integrante do Sistema de Bibliotecas da Unicamp – SBU ; </li></ul><ul><li>Atua em conjunto com 27 bibliotecas seccionais como fonte de referência e provedora de informação para os cursos de graduação, pós-graduação e de extensão da Universidade, atendendo diretamente a toda a comunidade interna e externa bem como à pesquisadores no Brasil e exterior </li></ul>A BCCL – PERFIL
  15. 15. <ul><li>O prédio é composto de cinco pavimentos, totalizando 10.000 m²; </li></ul><ul><li>Possui 200 pontos integrados com a UNInet (rede UNICAMP) ativos, permitindo o acesso à Internet; </li></ul><ul><li>A circulação diária no prédio da BCCL é de aproximadamente 1.500 pessoas, de acordo com a estatística da catraca. </li></ul>Números da BCCL Com esse patrimônio, a BCCL desempenha papel de destaque no apoio ao ensino e a pesquisa, atendendo à demanda regional, sendo procurada, sistematicamente, pela comunidade científica nacional e internacional, destacando-se na América Latina.
  16. 16. PROJETOS <ul><li>Biblioteca Itinerante do Cidadão </li></ul><ul><li>Formação de Agentes Culturais – Comunidades Quilombolas </li></ul><ul><li>Projeto Ciência e Arte nas Férias </li></ul><ul><li>APRIORI – Atendimento Preferencial </li></ul><ul><li>Programa de Excelência no Atendimento </li></ul><ul><li>Forum de Arte e Cultura </li></ul><ul><li>Inclusão Digital </li></ul><ul><li>Biblioteca Digital </li></ul><ul><li>Visitas Orientadas (escolas) </li></ul><ul><li>Campanhas de Preservação </li></ul><ul><li>Calourada </li></ul><ul><li>Lendo Letras e Imagens </li></ul><ul><li>UPA – Universidade de Portas Abertas </li></ul><ul><li>Gerenciamento de Resíduos </li></ul><ul><li>Parcerias (iniciativa privada e pública </li></ul><ul><li>COLE – Congresso de Leitura </li></ul><ul><li>Entre na Roda </li></ul><ul><li>Laboratório de Acessibilidade </li></ul><ul><li>Programa de Capacitação </li></ul>
  17. 17. Fonte: Hospital da Clínicas da Unicamp – Campinas -SP Biblioteca Itinerante do Cidadão BIBLIOTECA ITINERANTE DO CIDADÃO: projeto desenvolvido há quatro anos, em parceria com o Hospital das Clínicas da Unicamp. A Biblioteca Itinerante percorre os ambulatórios do Hospital das Clínicas, onde passam por dia 4.000 pacientes para suas consultas. O foco do projeto é permitir ao cidadão o acesso à informação e à cultura, incentivando-o a leitura, bem como trabalhar com as questões de humanização no atendimento, cujo tempo de espera é de 4 horas, em média.
  18. 18. Fonte: Hospital da Clínicas da Unicamp – Campinas -SP Biblioteca Itinerante do Cidadão PROJETO BIBLIOTECA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS
  19. 19. PROJETO BIBLIOTECA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS REPORTAGEM TV
  20. 20. PROJETO BIBLIOTECA COMUNITÁRIA – COMUNIDADES QUILOMBOLAS NO VALE DO RIBEIRA: projeto desenvolvido como atividade de extensão da Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL), visando à formação de agentes multiplicadores de leitura e de bibliotecas comunitárias, nas comunidades Quilombolas André Lopes, Galvão, São Pedro e Sapatu do Médio Vale do Ribeira. Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais – Escola Chules
  21. 21. Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais (kleiniele – Comunidade André Lopes e Telma – Comunidade Nhunguara) PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS
  22. 22. PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais (Telma – Comunidade Nhunguara e Fábio - PCQ)
  23. 23. PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais – Comunidade de Sapatu
  24. 24. PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais – Comunidade de Sapatu
  25. 25. PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Oficina: Formação de Agentes Culturais – Escola Chules
  26. 26. PROJETO BIBLIOTECA NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS Fonte: Projeto Biblioteca Comunidades Quilombolas / Vale do Ribeira/SP Biblioteca da Escola Local
  27. 27. PARTICIPAÇÃO NO 17º CONGRESSO DE LEITURA (COLE 2009), por meio de oficinas especialmente desenvolvidas nas temáticas: Internet como ferramenta de acesso e uso da informação; Oficina de encadernação: cuidando de nossos livros; Oficina Contando a África; Pesquisa escolar no campo das africanidades; Oficina Leitura e Acessibilidade: criando ambientes educacionais inclusivos. Equipe: bibliotecários, bolsistas, arte-educadora. Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina: Contando a África
  28. 28. OFICINA COLE Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina: Contando a África
  29. 29. OFICINA COLE Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina: Contando a África
  30. 30. OFICINA COLE Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina: Internet como Ferramenta de Pesquisa
  31. 31. OFICINA COLE Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina de Encadernação: Cuidando de Nossos Livros
  32. 32. OFICINA COLE Fonte: CONGRESSO DE LEITURA – CAMPINAS/SP Oficina: Ambientes Inclusivos
  33. 33. Projeto Gerenciamento de Resíduos
  34. 34. Projeto Gerenciamento de Resíduos
  35. 35. PROJETO REVISTECA – projeto desenvolvido em parceria com a Editora Abril, e DINAP, distribuidora das publicações da Editora Abril, com o objetivo de implantar “Revistecas” em bibliotecas. O projeto visa incentivar o hábito da leitura por meio do acesso gratuito a diversas publicações.
  36. 36. PROJETO FORUM DE ARTE E CULTURA Fazendo a platéia pensar ... As bibliotecas, seu público e seus agentes culturais devem estar abertos ao “novo” e ao “diferente”, emergentes na cultura em nosso tempo. A pluralidade não apenas como soma, mas como uma nova síntese cultural onde discursos e mídias variadas tenham espaço de expressão e possam ser compreendidos em sua singularidade. Desta forma, nesta edição do Fórum de Arte e Cultura propomos uma ação cultural visando à troca de saberes permitindo uma revisão contínua do pensamento.
  37. 37. INCLUSÃO DIGITAL : projeto desenvolvido em parceria com a Fundação Universia, com o objetivo de criar espaços de estudo e acesso às tecnologias de informação e comunicação que pudesse atender à demanda da comunidade acadêmica e a comunidade externa.
  38. 38. A BIBLIOTECA PRESENTE NA UPA – UNIVERSIDADE DE PORTAS ABERTAS
  39. 39. PROJETO LENDO LETRAS E IMAGENS : projeto desenvolvido com o objetivo de contribuir para a formação cultural dos participantes; propiciar espaço para discussão sobre assuntos culturais e sociais, por meio da leitura temática; despertar o interesse para o crescimento intelectual e profissional; provocar momentos de convivência entre os participantes, servidores da Biblioteca Central Cesar Lattes, em torno de um objeto de interesse comum, a leitura.
  40. 40. PROJETO ALUNO ARTISTA – PARCERIA SERVIÇO DE APOIO AO ESTUDANTE
  41. 41. PROJETO VISITA ORIENTADA - CONTAÇÃO DE HISTÓRIA
  42. 42. PROJETO VISITA ORIENTADA – OBRAS RARAS
  43. 43. PROJETO CIÊNCIA E ARTE NAS FÉRIAS – PRODUÇÃO FILME
  44. 44. QUESTÕES QUE PODEM SIGNIFICAR FATORES RELEVANTES DE IMPULSÃO <ul><li>Como integrar esforços da universidade, das empresas privadas e do Estado? para a continuidade e a multiplicação dessas iniciativas? </li></ul><ul><li>Como aproximar as bibliotecas públicas, escolares e comunitárias, universitárias? </li></ul><ul><li>Como avaliar resultados e impactos das ações e aprimorá-las? </li></ul>
  45. 45. QUE TIPO DE RESULTADO ESTE INVESTIMENTO PROPORCIONA? A BIBLIOTECA COMO ATOR SOCIAL PODE PROMOVER MUDANÇAS?
  46. 46. NO FINAL VALE A PENA Criado por Kleiniele – Comunidade André Lopes
  47. 47. NO FINAL VALE A PENA Criado por Telma – Comunidade Nhunguara
  48. 48. Obrigada! [email_address]

×