SlideShare a Scribd company logo
1 of 109
Download to read offline
A Bíblia como Palavra de Deus
 A inspiração da Bíblia
 Harmonia e unidade da Bíblia
 Provas da inspiração divina da Bíblia
O cânon da Bíblia e sua evolução histórica
 O cânon do Antigo Testamento
 A formação do cânon do Antigo Testamento
 O cânon do Novo Testamento
 Datas e períodos sobre o cânon em geral
LEI HISTORICOS POÉTICOS PROFETAS
MAIORES
PROFETAS
MENORES
1. Gênesis
2. Êxodo
3. Levítico
4. Números
5. Deut.
1. Josué
2. Juízes
3. Rute
4. I Sam
5. II Sam
6. I Reis
7. II Reis
8. I Cron.
9. II Cron.
10. Esdras
11. Neemias
12. Ester
1. Jó
2. Salmos
3. Proverbios
4. Eclesiastes
5. Cantares
1. Isaias
2. Jeremias
3. Lamentações
4. Ezequiel
5. Daniel
1. Oséias
2. Joel
3. Amós
4. Obadias
5. Jonas
6. Miquéias
7. Naum
8. Habacuque
9. Sofonias
10. Ageu
11. Zacarias
12.
Malaquias
Gen: Deus tratou com indivíduos/Patriarcas
Exod-Deut: Lei dada à nação de Israel
História de Israel:
Dos Juízes aos Reis
Maior/menor pelo
tamanho, não
pela significânciaPrincipalmente
escritos poéticos
Bíblia - Antigo Testamento
EVANGELHOS HISTORIA EPÍSTOLAS
PAULINAS
EPÍSTOLAS
GERAIS
PROFECIA
1. Mateus
2. Marcos
3. Lucas
4. João
Atos dos
Apóstolos
1. Romanos
2. I Coríntios
3. II Coríntios
4. Gálatas
5. Efésios
6. Filipenses
7. Col.
8. I Tes.
9. II Tes.
10. I Tim
11. II Tim
12. Tito
13. Filemon
1. Hebreus
1. Tiago
2. I Pedro
3. II Pedro
4. I João
5. II João
6. III João
7. Judas
Apocalipse
BIOGRAPIA de
JESUS CRISTO
Propósito: Provar
que Jesus Cristo é
o Filho de Deus
-Atos dos apóstolos:
principalmente de
Paulo e Pedro.
-História do início do
Cristianismo.
-Escritas por Paulo
-Propósito: Instruir os
cristãos
Propósito: Instruir os
cristãos nas Igrejas
-Escrito por João
1 parte: lida com as
questões presentes das
Igrejas da Ásia.
- 2 parte: futuro
Bíblia - Novo Testamento
TORA [5]
‫תורה‬
 Gênesis
 Êxodo
 Levítico
 Números
 Deuteronômio
 Josué
 Juízes
 Samuel (1 e 2)
 Reis (1 e 2)
 Isaias
 Jeremias
 Ezequiel
 Os 12 Profetas
 Oséias, Joel, Amós, Obadias,
Jonas, Miquéias, Naum,
Habacuque, Sofonias , Ageu,
Zacarias, Malaquias
 Salmos
 Provérbios
 Jó
 Cantares
 Rute
 Lamentações
 Eclesiastes
 Ester
 Daniel
 Esdras - Neemias
 Crônicas (1 e 2)
Bíblia Judaica -Tanach ‫תנ״ך‬
NEVIIM [8]
‫נביאים‬
KETUVIM [11]
‫כתובים‬
Tabela periódica da Bíblia
Inspiração
1. O que é Inspiração?
2. O processo da Inspiração
3. As diferentes visões da Inspiração
O que é Inspiração?
“influência sobrenatural do Espírito Santo como
um sopro, sobre os escritores da Bíblia,
capacitando-os a receber e transmitir a mensagem
divina sem mistura de erro”
A expressão “assim diz o Senhor” ocorre
mais de 2.600 vezes
O processo da Inspiração
Origem Divina
Agente
Profético Autoridade
Escrita
O processo da Inspiração
Visão Ditado Verbal
O processo da Inspiração
Dois Autores
O processo da Inspiração
Dois Autores
?
Teorias falsas da inspiração
• Inspiração natural
humana
– Essencialmente
humana
• Inspiração divina
comum
– Mesma inspiração de
quando pregamos
• Inspiração parcial
– Partes da Bíblia são
inspiradas outras não
• Ditado verbal
– Os escritores eram
verdadeiras máquinas
• Inspiração de ideias
– Deus inspirou suas
idéias, não as palavras
Teoria Correta da Inspiração
• Inspiração Plenária ou
Verbal
– Todas as partes da
Bíblia são igualmente
inspiradas;
– Os escritores não eram
máquinas inconscientes,
houve cooperação entre
eles e o Espírito Santo
Inspiraçãpo
Deus
Autores Humanos
Bíblia
“Pois toda a Escritura Sagrada é
inspirada por Deus e é útil para
ensinar a verdade, condenar o erro,
corrigir as faltas e ensinar a
maneira certa de viver”
2 Timóteo 3.14-17
Inspiração
• Deus não ditou sua palavra para os
escritores; eles escreveram através de
suas próprias personalidades.
• A Bíblia é infalível e inerrante
• Isto é verdade e digno de toda
confiança
Declaração da Bíblia versus
registro de declaração
• A Bíblia não mente, mas registra
mentiras que outros proferiram. Nestes
casos, não é a mentira que foi inspirada,
mas sim o registro da mentira.
• Ela registra o que o insensato diz no
seu coração “Não há Deus” Salmo
14.1. A declaração não foi inspirada
mas o registro dela.
Observação Importante
• Durante a leitura bíblica é preciso
verificar quem está falando, para quem
está falando, para que tempo está
falando e em que sentido está falando.
“Revelação é a ação de Deus pela qual
Ele dá a conhecer ao escritor coisas
desconhecidas e que o homem por si só
não poderia jamais saber”
Revelação
• Tudo que conhecemos sobre o
cristianismo foi revelado por Deus.
• Revelar = tornar público, descobrir
Revelação versus Inspiração
• Nem sempre a inspiração implica em
revelação;
– Lucas pesquisou muita coisa para escrever
entretanto ele foi inspirado;
• Moisés recebeu a revelação de Deus
para escrever os primeiros capítulos de
Gênesis;
Como Deus se revela
• Natureza
• Sonhos/Visões
• História
• Escrituras
O ápice da Revelação de Deus
“A encarnação do Senhor Jesus
Cristo é o ponto mais alto da revelação
de Deus à humanidade”
“Antigamente, por meio
dos profetas, Deus falou
muitas vezes e de muitas
maneiras aos nossos
antepassados, mas nestes
últimos tempos ele nos
falou por meio do seu
Filho. Foi ele quem Deus
escolheu para possuir
todas as coisas e foi por
meio dele que Deus criou
o Universo.”
Hebreus 1.1,2
Dois tipos de Revelação
1. Revelação Geral
2. Revelação Especial
Revelação Geral
Revelação Geral é “geral” em dois
aspectos:
1. Geral em conteúdo
2. Revelada para um grupo genérico de
pessoas
“O céu anunciaa glóriade Deus e nos mostra
aquilo queas suasmãos fizeram.Cada dia
faladessaglóriaao dia seguinte,e cada noite
repeteissoà outranoite.Não há discurso
nem palavras,e não se ouvenenhumsom.
No entanto,a voz do céu se espalhapelo
mundo inteiro,e as suas palavrasalcançam
a terratoda.”
Salmo 19.1-4
“Porquantoo quede Deusse pode conhecer
neles se manifesta,porque Deus lho
manifestou.
Porque as suascoisas invisíveis,desde a
criação do mundo, tantoo seu eternopoder,
como a suadivindade,se entendem,e
claramente se veem pelas coisasqueestão
criadas,para queeles fiquem inescusáveis”
Romanos 1.18-20
Revelação Geral
“A Revelação na natureza não é uma
revelação completa de Deus. Não nos
fornece informações como encontramos na
Bíblia. Mas o Deus revelado na natureza
é o mesmo Deus revelado nas Escrituras”
R. C. Sproul
Revelação Geral: Grupo de Pessoas
• O mundo inteiro é um palco para Deus.
• “Ouvintes” incluem àqueles que não tem
lido ou ouvido a palavra de Deus.
Negação da Revelação Geral
• O Ateu
– “Os tolos pensam assim:“Para mim, Deus
não tem importância.” – Salmo 14.1
• O Agnóstico
– Declara que não há evidências suficientes
para provar a existência de Deus.
“Quanto a você, continue firme nas verdades que aprendeu e em que
creu de todo o coração. Você sabe quem foram os seus mestres na fé
cristã. E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as
quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em
Cristo Jesus. Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e
é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e
ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus
esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de
boas ações.”
2 Timóteo 3.14-17
Termos Chaves
Revelação: O ato pelo qual Deus revela suas
verdades para a raça humana
através de dois tipos de revelações,
ou seja, especial (Escrituras) e geral
(natureza, consciência, etc.)
Inspiração: O ato pelo qual Deus guia seus
escritores, dando suas palavras
enquanto são usados os elementos
humanos para produzir as
Escrituras Sagradas.
Iluminação: O ato pelo qual Deus ilumina
pessoas para entenderem sua
revelação e aplicá-la em suas vidas
Harmonia
40 Autores
1.600 anos
3 Línguas
Hebraico
Aramaico
Grego
3 Continentes
Europa
Ásia
África
Harmonia - escritores
 Moisés foi príncipe e legislador;
 Josué um grande comandante;
 Davi e Salomão, reis e poetas;
 Daniel, ministro de Estado
 Pedro, Tiago e João, pescadores;
 Zacarias e Jeremias, sacerdotes e profetas;
 Amós, boiadeiro;
 Mateus, funcionário público;
 Paulo, teólogo e erudito;
Harmonia - condições
 Moisés escreveu nas solitárias paragens do deserto;
 Jeremias, nas trevas e sujidade duma masmorra;
 Davi, nas verdes colinas dos campos;
 Paulo escreveu parte das epístolas nas prisões;
 João, exilado na ilha de Patmos;
 E diversas outras condições, mas o conteúdo continua
sendo o mesmo.
Harmonia
 Se alguma falha for encontrada na Bíblia, será
sempre do lado humano, tais como:
Tradução mal feita;
Grafia inexata;
Interpretação forçada;
Má compreensão de quem estuda;
Falsa aplicação do sentido do texto, etc.
Cânon – κανών - ‫קנה‬
No sentido religioso,
cânon significa aquilo
que serve de norma,
regra.
No Novo Testamento
aparece em Gl 6.16; 2 Co
10.13; 2 Co 10.15 e Fp
3.16
κανών palavra grega,
siginificando
literalmente “vara reta
de medir”
Significa basicamente uma
cana, como nas passagens
bíblicas de 1 Reis 14:15 e Jó
40:21.
O uso semântico que ocorre no
hebraico (qaneh), descreve
qualquer padrão de
comprimento ou um objeto em
linha reta ou na vertical. Essa
ideia de um padrão de
comprimento ocorre em
passagens bíblicas como uma
vara [cana] de medição (qeneh
ha-middah) nos textos de
Ezequiel 40:3 e 40:5 e uma
cana inteira, comprimento
similar em Ezequiel 41:8.
Cânon – κανών - ‫קנה‬
As palavras hebraicas traduzidas
por cana (‫קנה‬) são termos
genéricos, que se aplicam a uma
certa variedade de vegetais,
como canas, juncos, tábuas, etc.
o cesto onde Moisés foi posto
(Êx 2.3) teria sido feito de
juncos ou outras plantas que
crescem na água (Jn 2.5). Mais
de vinte variedades de juncos, e
umas trinta de caniços, crescem
na Palestina, incluindo o papiro,
que é uma espécie de cana alta.
Alcança uma altura de três a
quatro metros, com um diâmetro
de cinco a oito centímetros na
base.
Cânon – κανών - ‫קנה‬
Cânon
• A Bíblia como cânon é a nossa norma ou
regra de fé e prática.
• Foi utilizado referindo-se à Bíblia por
Orígenes (185-254 A.D)
O Cânon do Antigo Testamento
• Ficou completo após o ano 445 a.C.
• O Cânon Hebraico tinha 3 divisões:
– Leis, Profetas e Escritos
– Jesus confirmou isto em Lc 24.44
“E disse-lhes: São estas as
palavras que vos disse estando
ainda convosco: Que convinha
que se cumprisse tudo o que de
mim estava escrito na lei de
Moisés, e nos profetas e nos
Salmos”
Lucas 24.44
O Cânon do Antigo Testamento
• A divisão do cânon hebraico é diferente
da nossa e somam 24 livros ao invés de
39 porque vários livros são
considerados apenas um, veja a seguir:
LEI
TORA [5]
‫תורה‬
 Gênesis
 Êxodo
 Levítico
 Números
 Deuteronômio
 Josué
 Juízes
 Samuel (1 e 2)
 Reis (1 e 2)
 Isaias
 Jeremias
 Ezequiel
 Os 12 Profetas
 Oséias, Joel, Amós, Obadias,
Jonas, Miquéias, Naum,
Habacuque, Sofonias , Ageu,
Zacarias, Malaquias
 Salmos
 Provérbios
 Jó
 Cantares
 Rute
 Lamentações
 Eclesiastes
 Ester
 Daniel
 Esdras - Neemias
 Crônicas (1 e 2)
Bíblia Judaica -Tanach ‫תנ״ך‬
PROFETAS
NEVIIM [8]
‫נביאים‬
ESCRITOS
KETUVIM [11]
‫כתובים‬
“E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse
estando ainda convosco: Que convinha que se
cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei
de Moisés, e nos profetas e nos Salmos” Lc 24.44
O Cânon do A.T. Hebraico
1º e 2º Samuel  1 Livro
1º e 2º Reis  1 Livro
1º e 2º Crônicas  1 Livro
Esdras e Neemias  1 Livro
Os 12 profetas menores  1 Livro
Todos os demais livros  19 Livros
Total 24 Livros
O Cânon do A.T. Hebraico
• Lei – Torah
– 5 Livros
• Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio
• Profetas – Neviim
– 8 Livros
• Primeiros Profetas: Josué, Juízes, Samuel e Reis
• Últimos Profetas: Isaías, Jeremias, Ezequiel, os 12
profetas menores.
• Escritos – Ketuvim
– 11 Livros
• Poéticos: Salmos, Provérbios e Jó
• Cinco Rolos: Cantares, Rute, Lamentações, Eclesiastes e
Ester.
Cinco rolos - Hamesh Megillot
Cinco Rolos eram assim
chamados porque eram rolos
separados e lidos anualmente em
festas específicas:
Cinco rolos
1- Cantares de Salomão
Lido na festa da Páscoa em alusão
ao Êxodo
Cinco rolos
2- Rute
Lido na festa do Pentecoste, na
celebração da colheita, em seu início.
Cinco rolos
3- Ester
Lido na festa do Purim,
comemoração do livramento dos
israelitas da mão de Hamã
Cinco rolos
4- Eclesiastes
Lido na festa dos Tabernáculos –
gratidão após a colheita
Cinco rolos
5- Lamentações de Jeremias
Lido no mês de Abibe, relembrando
a destruição de Jerusalém pelos
babilônios.
Organização do Cânon
 Esdras foi um escriba e presidiu a chamada
“Grande Sinagoga” que selecionou e
preservou todos os rolos sagrados do Antigo
Testamento.
Organização do Cânon
 A “Grande Sinagoga” era composta por 120
membros. Foi essa entidade que reorganizou
a vida religiosa dos repatriados e deu origem
ao Sinédrio, cerca de 275 a.C.
Organização do Cânon
 Esdras foi o responsável pela tríplice divisão do A.T. ,
ou seja, Lei, Escritos e Profetas.
 Neste tempo que os samaritanos foram expulsos da
comunidade judaica (Ne 13) levando consigo o
Pentateuco, que até hoje é a Bíblia dos Samaritanos
 O Sinédrio (do hebraico ‫סנהדרין‬ pronuncia-se
Sanhedrin; “assembleia sentada”).
 O Sinédrio era uma assembleia de juízes judeus que
constituía a corte e legislativo supremos de Israel.
 O Sinédrio incluía um chefe ou príncipe (Nasi), um
sumo-sacerdote (Cohen Gadol), um Av Beit Din (o
segundo membro em importância) e outros 69 integrantes
que se sentavam em semicírculo.
Sinédrio
 O Sinédrio era comandado por um presidente que era
conhecido como "o sumo sacerdote".
 Normalmente os saduceus eram os sumo sacerdotes,
que eram os homens mais poderosos do Sinédrio.
 Um sumo sacerdote era o capitão do templo e o outro
supervisionava os procedimentos e comandava o
guarda do templo (Atos 5:24-26). Os outros serviam
de tesoureiros, controlando os salários dos sacerdotes
e trabalhadores e monitorando a vasta quantia de
dinheiro que vinha através do templo.
Sinédrio
 A Segunda categoria principal dos membros do
sinédrio eram os anciãos. Esses homens
representavam a aristocracia sacerdotal e financeira
na Judéia. Leigos distintos como com José Arimtéia
(Marcos 15:43), dividiam a visão conservadora dos
saduceus e davam a assembleia à diversidade de um
parlamento moderno.
 Os membros mais recentes do sinédrio eram os
escribas. A maioria deles eram fariseus. Eles eram
advogados profissionais treinados em teologia, direito
e filosofia.
Sinédrio
Organização do Sinédrio
Reconhecimento do Cânon
 Em 90 A.D. em Jâmnia, próxima da moderna Jafa,
na Palestina, os rabinos num concílio sob a
presidência de Johanan Ben Zakai, reconheceram
e fixaram o cânon do Antigo Testamento.
 Jâmnia, após a destruição de Jerusalém no ano 70
A.D., tornou-se a sede do Sinédrio – O supremo
tribunal dos judeus.
Livros Desaparecidos
1. Livros das Guerras do
Senhor - Nm 21.14
2. Livro dos Justos - Js 10.13; 2
Sm 1.18
3. Livro da História de Salomão
- 1 Rs 11.41
4. História do Rei Davi - 1 Cr
27.24;
5. Crônicas do profeta Natã e
Crônicas de Gade - 1 Cr29.29
6. Livro da História de Natã, etc
- 2 Cr 9.29; 12.15; 13.22;
26.22; 33.19
Septuaginta
• A divisão de 39 livros vem da
Septuaginta
• Primeira tradução do antigo testamento
para o grego, feita em 285 a.C.
• Geralmente designada como “LXX”
Septuaginta
 A pedido do bibliotecário Demétrio de Falero
o Rei do Egito, Ptolomeu Filadelfo (285 – 246
a.C.) solicitou ao sacerdote judaico Eleazar
que fossem enviados a Alexandria 6 doutores
de cada tribo (72) para efeturem a tradução
para o grego;
 Completaram a tradução em 72 dias.
O Cânon do Novo
Testamento
• Foram escritos por um período de
aproximadamente 100 anos
• A ordem dos 27 livros do Novo
Testamento vem da Vulgata.
O Cânon do Novo
Testamento
• Em 367 A.D. Atanásio, patriarca de
Alexandria, publicou a lista dos 27
livros como conhecemos hoje, esta lista
foi aceita pelo Concílio de Hipona
(África) em 393 A.D.
O Cânon do Novo
Testamento
• No III Concílio de Cartago em 397 A.D.
o cânon do Novo Testamento foi
reconhecido e fixado.
Livros Desaparecidos
do N.T.
• Cartas - 1 Co 5.9
• Carta de Laodicéia - Cl 4.16
• Palavras do próprio Jesus - At 20.35
Livros Apócrifos
• Apócrifo  significa “escondido,
oculto”, isto em referência aos livros
que tratavam de coisas secretas,
misteriosas, ocultas. No sentido
religioso, o termo significa “não
genuíno, espúrio”, desde sua aplicação
por Jerônimo.
Livros Apócrifos
• Os livros apócrifos jamais foram
reconhecidos pelos judeus, jamais
foram citados por Jesus, nem foram
reconhecidos pela Igreja Primitiva.
• Nome alternativo: Deuterocanônicos
(literalmente – segundo cânon)
Livros Apócrifos
Este grupo de escritos, em sua maioria,
foram escritos em Grego durante o
período Intertestamentário (400–100
a.C.), estão inseridos na Septuaginta e
Vulgata Latina e são aceitos pelos
Católicos Romanos e Ortodoxos, mas
rejeitados por Judeus e Evangélicos.
Livros Apócrifos
• Os apócrifos apareceram pela primeira vez
na Septuaginta.
• Jerônimo ao traduzir a Vulgata em 405 A.D.
incluiu os apócrifos oriundos da Septuaginta
porque lhe foi ordenado, mas indicou que os
mesmos não poderiam ser base de doutrinas.
Livros Apócrifos
• São 14 os apócrifos, sendo 10 livros e 4
acréscimos à livros canônicos. Antes do
Concílio de Trento a igreja católica aceitava
todos, mas depois passou a aceitar apenas 11,
sendo 7 livros e 4 acréscimos. A Igreja
Ortodoxa Grega mantém os 14 até hoje.
Livros Apócrifos
• Os livros apócrifos da Bíblia católico-
romana são:
– Tobias
– Judite
– Sabedoria de Salomão
– Eclesiástico
– Baruque
– 1 Macabeus
– 2 Macabeus
Livros Apócrifos
• Os acréscimos aos livros canônicos da
Bíblia católico-romana são:
– Ester ( à Ester 10.4 - 16.24)
– Cântico dos Três Santos Filhos (à Daniel
3.24-90)
– História de Suzana (à Daniel cap. 13)
– Bel e o Dragão (à Daniel cap. 14)
Livros Apócrifos
• Os rejeitados à partir do Concílio de
Trento em 1546 A.D. são:
• 3º Esdras, 4º Esdras e a Oração de
Manassés.
Aprovação dos Apócrifos
• A Igreja Romana aprovou os 18 apócrifos em
18 de Abril de 1546 como meio de combater a
Reforma Protestante, então recente. Nessa
época os protestantes combatiam:
– Purgatório;
– Oração pelos mortos
– Salvação mediante obras, etc
Aprovação dos Apócrifos
• Os romanistas viram nos apócrifos base
para apoiar essas doutrinas e os
aprovaram como canônicos.
Argumentos a favor do cânon
protestante
• O teste de canonicidade – os livros apócrifos não
demonstram as mesmas características dos
demais livros considerados canônicos.
• A rejeição judaica dos apócrifos
• A rejeição dos concílios da igreja primitiva
• Rejeição por parte dos primeiros pais da igreja
• Rejeição por Jerônimo
Aprovação dos Apócrifos
 Ensino da Arte Mágica – Tobias 6:5-8
 Esmolas Purifica do Pecado - Tobias 12: 8 e 9;
Eclesiático 3:33
 Pecados Perdoados pela Oração – Eclesiástico 3:4
 Orações pelos Mortos – 2Macabeus 12: 42-46
 Ensino do Purgatório – Sabedoria 3:1-4
(imortalidade da alma)
Ensino da Arte Mágica –
Tobias 6:5-8
“O anjo então disse-lhe: Abre-o, e guarda o coração, o fel e o fígado, que
servirão para remédios muito eficazes. Ele assim o fez. A seguir ele
assou uma parte da carne do peixe, que levaram consigo pelo caminho.
Salgaram o resto, para que lhes bastasse até chegarem a Ragés, na
Média. Entretanto, Tobias interrogou o anjo: Azarias, meu irmão, peço-te
que me digas qual é a virtude curativa dessas partes do peixe que me
mandaste guardar. O anjo respondeu-lhe: Se puseres um pedaço do
coração sobre brasas, a sua fumaça expulsará toda espécie de mau
espírito, tanto do homem como da mulher, e impedirá que ele volte de
novo a eles.”
Esmolas Purifica do Pecado
Tobias 12.8,9
“Boa coisa é a oração acompanhada de jejum, e a
esmola é preferível aos tesouros de ouro
escondidos, porque a esmola livra da morte: ela
apaga os pecados e faz encontrar a misericórdia e
a vida eterna.”
Oração e sacrifício pelos mortos -
2Mac.12.39-44
“No dia seguinte, Judas e seus companheiros foram tirar os
corpos dos mortos, como era necessário, para depô-los na
sepultura ao lado de seus pais. . . Bendisseram, pois, a mão do
justo juiz, o Senhor, que faz aparecer as coisas ocultas, e
puseram-se em oração, para implorar-lhe o perdão completo do
pecado cometido. Em seguida, fez uma coleta, enviando a
Jerusalém cerca de dez mil dracmas, para que se oferecesse um
sacrifício pelos pecados: belo e santo modo de agir,
decorrente de sua crença na
ressurreição, porque, se ele não
julgasse que os mortos
ressuscitariam, teria sido vão e
supérfluo rezar por eles.”
Purgatório - Sab.3.4-7
“Se aos olhos dos homens suportaram uma correção, a
esperança deles era portadora de imortalidade, e por terem
sofrido um pouco, receberão grandes bens, porque Deus,
que os provou, achou-os dignos de si. Ele os provou como
ouro na fornalha, e os acolheu como holocausto. No dia de
sua visita, eles se reanimarão, e correrão como centelhas na
palha.”
Aprovação dos Apócrifos
• Houve prós e contras dentro dessa própria igreja. Os
jesuítas exerciam muita influência no Clero. Os
debates sobre os apócrifos motivaram ataques dos
dominicanos contra os franciscanos. O cardeal de
Pallavacini, em sua “História Eclesiástica” declara
que em pleno concíclio, 40 bispos dos 49 presentes
travaram luta corporal, agarrados às barbas e
batinas uns dos outros. Foi nesse ambiente
“espiritual” que os apócrifos foram aprovados.
Aprovação dos Apócrifos
• A primeira Bíblia Católica com os apócrifos inclusos
se deu em 1592, com autorização do papa Clemente
VIII.
Aprovação dos Apócrifos
• Os reformadores protestantes
publicaram a Bíblia com os apócrifos,
colocando-os entre o Antigo e Novo
Testamentos; não como livros
inspirados, mas bons para leitura e de
valor literário e histórico.
Aprovação dos Apócrifos
• Isto continuou até 1629, quando à
partir dessa data os evangélicos
omitiram os apócrifos para evitar
confusão entre o povo simples, que nem
sempre sabe discernir entre um livro
canônico e um apócrifo.
“Desde Artaxerxes até os nossos
dias foi escrita uma história
completa, mas não foi julgada
digna de crédito igual ao dos
registros mais antigos, devido à
falta de sucessão exata dos
profetas” (Contra Ápião 1.41).
Flavio Josefo (37/38 d.C)
Outros apócrifos
• Há ainda outros apócrifos do Antigo
Testamento que não foram reconhecidos por
igreja nenhuma, que chegam a 26 livros;
• No Novo Testamento também surgiram
apócrifos chamados de Pseudoepigráficos,
que chegam a 24 livros. Todos eles contém
histórias ridículas e até indignas de Cristo e
seus apóstolos.
Canonização das Escrituras
Cinco testes para a canoniciade
1. Cristo atestou sua autoridade?
2. Escritores judeus extrabíblicos os
afirmaram?
3. O livro está em harmonia com outras
revelações?
4. Foi escrito por um profeta ou outra
autoridade divina?
5. O corpo de Cristo o reconhece?
Canonização das Escrituras
Lucas 24.44
“A seguir, Jesus lhes disse: São estas as
palavras que eu vos falei, estando ainda
convosco: importava se cumprisse tudo o
que de mim está escrito na Lei de Moisés,
nos Profetas e nos Salmos.”
Canonização das Escrituras
Mateus 7.12
“Tudo quanto, pois, quereis que os
homens vos façam, assim fazei-o vós
também a eles; porque esta é a Lei e os
Profetas.”
Cinco Livros não escritos
por apóstolos
• Marcos
• Lucas
• Atos (escrito por Lucas)
• Hebreus
• Judas
Marcos, Lucas, Atos e Judas
• Marcos estava associado com –
Pedro
• Lucas estava associado com –
Paulo
• Judas estava associado com –
Tiago, irmão de Jesus
Inerrância
• A Lógica:
1. A palavra de Deus não contém
erros
2. A Bíblia é a palavra de Deus
3. Portanto a Bíblia não pode ter
erros
Obrig@do !
Pr. Erivelton Rodrigues Nunes
‫ֶס‬‫נ‬ֻ‫נ‬ ‫ֶס‬‫ג‬ ִ‫ֹדר‬ ‫ר‬ ‫ֹן‬ ‫ֶלת‬‫ו‬ ִ‫ֶר‬‫א‬
www.erivelton.com.br

More Related Content

What's hot (20)

Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
Hermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblicaHermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblica
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Aula 5 - Números
Aula 5 - NúmerosAula 5 - Números
Aula 5 - Números
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Panorama Bíblico
Panorama Bíblico Panorama Bíblico
Panorama Bíblico
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 

Similar to Inspiração e formação do cânon bíblico

Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxSergio Nunes
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01Joel Silva
 
Um guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisUm guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisIsabel Medeiros
 
Um guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisUm guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisKalianyFran
 
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?Noimix
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Dagmar Wendt
 
Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02Paulinho Silva
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaErberson Pinheiro
 
Panorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação ProgressivaPanorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação ProgressivaRicardo Gondim
 

Similar to Inspiração e formação do cânon bíblico (20)

Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
 
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdfAula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
bibliologia.pdf
bibliologia.pdfbibliologia.pdf
bibliologia.pdf
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 01
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicosBiblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicos
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
Um guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisUm guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesis
 
Um guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesisUm guia de estudo do livro de gênesis
Um guia de estudo do livro de gênesis
 
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
 
Panorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação ProgressivaPanorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação Progressiva
 

Recently uploaded

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Recently uploaded (20)

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Inspiração e formação do cânon bíblico

  • 1.
  • 2. A Bíblia como Palavra de Deus  A inspiração da Bíblia  Harmonia e unidade da Bíblia  Provas da inspiração divina da Bíblia O cânon da Bíblia e sua evolução histórica  O cânon do Antigo Testamento  A formação do cânon do Antigo Testamento  O cânon do Novo Testamento  Datas e períodos sobre o cânon em geral
  • 3. LEI HISTORICOS POÉTICOS PROFETAS MAIORES PROFETAS MENORES 1. Gênesis 2. Êxodo 3. Levítico 4. Números 5. Deut. 1. Josué 2. Juízes 3. Rute 4. I Sam 5. II Sam 6. I Reis 7. II Reis 8. I Cron. 9. II Cron. 10. Esdras 11. Neemias 12. Ester 1. Jó 2. Salmos 3. Proverbios 4. Eclesiastes 5. Cantares 1. Isaias 2. Jeremias 3. Lamentações 4. Ezequiel 5. Daniel 1. Oséias 2. Joel 3. Amós 4. Obadias 5. Jonas 6. Miquéias 7. Naum 8. Habacuque 9. Sofonias 10. Ageu 11. Zacarias 12. Malaquias Gen: Deus tratou com indivíduos/Patriarcas Exod-Deut: Lei dada à nação de Israel História de Israel: Dos Juízes aos Reis Maior/menor pelo tamanho, não pela significânciaPrincipalmente escritos poéticos Bíblia - Antigo Testamento
  • 4. EVANGELHOS HISTORIA EPÍSTOLAS PAULINAS EPÍSTOLAS GERAIS PROFECIA 1. Mateus 2. Marcos 3. Lucas 4. João Atos dos Apóstolos 1. Romanos 2. I Coríntios 3. II Coríntios 4. Gálatas 5. Efésios 6. Filipenses 7. Col. 8. I Tes. 9. II Tes. 10. I Tim 11. II Tim 12. Tito 13. Filemon 1. Hebreus 1. Tiago 2. I Pedro 3. II Pedro 4. I João 5. II João 6. III João 7. Judas Apocalipse BIOGRAPIA de JESUS CRISTO Propósito: Provar que Jesus Cristo é o Filho de Deus -Atos dos apóstolos: principalmente de Paulo e Pedro. -História do início do Cristianismo. -Escritas por Paulo -Propósito: Instruir os cristãos Propósito: Instruir os cristãos nas Igrejas -Escrito por João 1 parte: lida com as questões presentes das Igrejas da Ásia. - 2 parte: futuro Bíblia - Novo Testamento
  • 5. TORA [5] ‫תורה‬  Gênesis  Êxodo  Levítico  Números  Deuteronômio  Josué  Juízes  Samuel (1 e 2)  Reis (1 e 2)  Isaias  Jeremias  Ezequiel  Os 12 Profetas  Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias , Ageu, Zacarias, Malaquias  Salmos  Provérbios  Jó  Cantares  Rute  Lamentações  Eclesiastes  Ester  Daniel  Esdras - Neemias  Crônicas (1 e 2) Bíblia Judaica -Tanach ‫תנ״ך‬ NEVIIM [8] ‫נביאים‬ KETUVIM [11] ‫כתובים‬
  • 7.
  • 8.
  • 9. Inspiração 1. O que é Inspiração? 2. O processo da Inspiração 3. As diferentes visões da Inspiração
  • 10. O que é Inspiração? “influência sobrenatural do Espírito Santo como um sopro, sobre os escritores da Bíblia, capacitando-os a receber e transmitir a mensagem divina sem mistura de erro” A expressão “assim diz o Senhor” ocorre mais de 2.600 vezes
  • 11. O processo da Inspiração Origem Divina Agente Profético Autoridade Escrita
  • 12. O processo da Inspiração Visão Ditado Verbal
  • 13. O processo da Inspiração Dois Autores
  • 14. O processo da Inspiração Dois Autores ?
  • 15. Teorias falsas da inspiração • Inspiração natural humana – Essencialmente humana • Inspiração divina comum – Mesma inspiração de quando pregamos • Inspiração parcial – Partes da Bíblia são inspiradas outras não • Ditado verbal – Os escritores eram verdadeiras máquinas • Inspiração de ideias – Deus inspirou suas idéias, não as palavras
  • 16. Teoria Correta da Inspiração • Inspiração Plenária ou Verbal – Todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas; – Os escritores não eram máquinas inconscientes, houve cooperação entre eles e o Espírito Santo
  • 18. “Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver” 2 Timóteo 3.14-17
  • 19. Inspiração • Deus não ditou sua palavra para os escritores; eles escreveram através de suas próprias personalidades. • A Bíblia é infalível e inerrante • Isto é verdade e digno de toda confiança
  • 20. Declaração da Bíblia versus registro de declaração • A Bíblia não mente, mas registra mentiras que outros proferiram. Nestes casos, não é a mentira que foi inspirada, mas sim o registro da mentira. • Ela registra o que o insensato diz no seu coração “Não há Deus” Salmo 14.1. A declaração não foi inspirada mas o registro dela.
  • 21. Observação Importante • Durante a leitura bíblica é preciso verificar quem está falando, para quem está falando, para que tempo está falando e em que sentido está falando.
  • 22.
  • 23. “Revelação é a ação de Deus pela qual Ele dá a conhecer ao escritor coisas desconhecidas e que o homem por si só não poderia jamais saber”
  • 24. Revelação • Tudo que conhecemos sobre o cristianismo foi revelado por Deus. • Revelar = tornar público, descobrir
  • 25. Revelação versus Inspiração • Nem sempre a inspiração implica em revelação; – Lucas pesquisou muita coisa para escrever entretanto ele foi inspirado; • Moisés recebeu a revelação de Deus para escrever os primeiros capítulos de Gênesis;
  • 26. Como Deus se revela • Natureza • Sonhos/Visões • História • Escrituras
  • 27. O ápice da Revelação de Deus “A encarnação do Senhor Jesus Cristo é o ponto mais alto da revelação de Deus à humanidade”
  • 28. “Antigamente, por meio dos profetas, Deus falou muitas vezes e de muitas maneiras aos nossos antepassados, mas nestes últimos tempos ele nos falou por meio do seu Filho. Foi ele quem Deus escolheu para possuir todas as coisas e foi por meio dele que Deus criou o Universo.” Hebreus 1.1,2
  • 29. Dois tipos de Revelação 1. Revelação Geral 2. Revelação Especial
  • 30. Revelação Geral Revelação Geral é “geral” em dois aspectos: 1. Geral em conteúdo 2. Revelada para um grupo genérico de pessoas
  • 31. “O céu anunciaa glóriade Deus e nos mostra aquilo queas suasmãos fizeram.Cada dia faladessaglóriaao dia seguinte,e cada noite repeteissoà outranoite.Não há discurso nem palavras,e não se ouvenenhumsom. No entanto,a voz do céu se espalhapelo mundo inteiro,e as suas palavrasalcançam a terratoda.” Salmo 19.1-4
  • 32. “Porquantoo quede Deusse pode conhecer neles se manifesta,porque Deus lho manifestou. Porque as suascoisas invisíveis,desde a criação do mundo, tantoo seu eternopoder, como a suadivindade,se entendem,e claramente se veem pelas coisasqueestão criadas,para queeles fiquem inescusáveis” Romanos 1.18-20
  • 33. Revelação Geral “A Revelação na natureza não é uma revelação completa de Deus. Não nos fornece informações como encontramos na Bíblia. Mas o Deus revelado na natureza é o mesmo Deus revelado nas Escrituras” R. C. Sproul
  • 34. Revelação Geral: Grupo de Pessoas • O mundo inteiro é um palco para Deus. • “Ouvintes” incluem àqueles que não tem lido ou ouvido a palavra de Deus.
  • 35. Negação da Revelação Geral • O Ateu – “Os tolos pensam assim:“Para mim, Deus não tem importância.” – Salmo 14.1 • O Agnóstico – Declara que não há evidências suficientes para provar a existência de Deus.
  • 36.
  • 37. “Quanto a você, continue firme nas verdades que aprendeu e em que creu de todo o coração. Você sabe quem foram os seus mestres na fé cristã. E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus. Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações.” 2 Timóteo 3.14-17
  • 38. Termos Chaves Revelação: O ato pelo qual Deus revela suas verdades para a raça humana através de dois tipos de revelações, ou seja, especial (Escrituras) e geral (natureza, consciência, etc.) Inspiração: O ato pelo qual Deus guia seus escritores, dando suas palavras enquanto são usados os elementos humanos para produzir as Escrituras Sagradas. Iluminação: O ato pelo qual Deus ilumina pessoas para entenderem sua revelação e aplicá-la em suas vidas
  • 39.
  • 40. Harmonia 40 Autores 1.600 anos 3 Línguas Hebraico Aramaico Grego 3 Continentes Europa Ásia África
  • 41. Harmonia - escritores  Moisés foi príncipe e legislador;  Josué um grande comandante;  Davi e Salomão, reis e poetas;  Daniel, ministro de Estado  Pedro, Tiago e João, pescadores;  Zacarias e Jeremias, sacerdotes e profetas;  Amós, boiadeiro;  Mateus, funcionário público;  Paulo, teólogo e erudito;
  • 42. Harmonia - condições  Moisés escreveu nas solitárias paragens do deserto;  Jeremias, nas trevas e sujidade duma masmorra;  Davi, nas verdes colinas dos campos;  Paulo escreveu parte das epístolas nas prisões;  João, exilado na ilha de Patmos;  E diversas outras condições, mas o conteúdo continua sendo o mesmo.
  • 43. Harmonia  Se alguma falha for encontrada na Bíblia, será sempre do lado humano, tais como: Tradução mal feita; Grafia inexata; Interpretação forçada; Má compreensão de quem estuda; Falsa aplicação do sentido do texto, etc.
  • 44.
  • 45. Cânon – κανών - ‫קנה‬ No sentido religioso, cânon significa aquilo que serve de norma, regra. No Novo Testamento aparece em Gl 6.16; 2 Co 10.13; 2 Co 10.15 e Fp 3.16 κανών palavra grega, siginificando literalmente “vara reta de medir”
  • 46. Significa basicamente uma cana, como nas passagens bíblicas de 1 Reis 14:15 e Jó 40:21. O uso semântico que ocorre no hebraico (qaneh), descreve qualquer padrão de comprimento ou um objeto em linha reta ou na vertical. Essa ideia de um padrão de comprimento ocorre em passagens bíblicas como uma vara [cana] de medição (qeneh ha-middah) nos textos de Ezequiel 40:3 e 40:5 e uma cana inteira, comprimento similar em Ezequiel 41:8. Cânon – κανών - ‫קנה‬
  • 47. As palavras hebraicas traduzidas por cana (‫קנה‬) são termos genéricos, que se aplicam a uma certa variedade de vegetais, como canas, juncos, tábuas, etc. o cesto onde Moisés foi posto (Êx 2.3) teria sido feito de juncos ou outras plantas que crescem na água (Jn 2.5). Mais de vinte variedades de juncos, e umas trinta de caniços, crescem na Palestina, incluindo o papiro, que é uma espécie de cana alta. Alcança uma altura de três a quatro metros, com um diâmetro de cinco a oito centímetros na base. Cânon – κανών - ‫קנה‬
  • 48. Cânon • A Bíblia como cânon é a nossa norma ou regra de fé e prática. • Foi utilizado referindo-se à Bíblia por Orígenes (185-254 A.D)
  • 49. O Cânon do Antigo Testamento • Ficou completo após o ano 445 a.C. • O Cânon Hebraico tinha 3 divisões: – Leis, Profetas e Escritos – Jesus confirmou isto em Lc 24.44
  • 50. “E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos” Lucas 24.44
  • 51. O Cânon do Antigo Testamento • A divisão do cânon hebraico é diferente da nossa e somam 24 livros ao invés de 39 porque vários livros são considerados apenas um, veja a seguir:
  • 52. LEI TORA [5] ‫תורה‬  Gênesis  Êxodo  Levítico  Números  Deuteronômio  Josué  Juízes  Samuel (1 e 2)  Reis (1 e 2)  Isaias  Jeremias  Ezequiel  Os 12 Profetas  Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias , Ageu, Zacarias, Malaquias  Salmos  Provérbios  Jó  Cantares  Rute  Lamentações  Eclesiastes  Ester  Daniel  Esdras - Neemias  Crônicas (1 e 2) Bíblia Judaica -Tanach ‫תנ״ך‬ PROFETAS NEVIIM [8] ‫נביאים‬ ESCRITOS KETUVIM [11] ‫כתובים‬ “E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos” Lc 24.44
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56. O Cânon do A.T. Hebraico 1º e 2º Samuel  1 Livro 1º e 2º Reis  1 Livro 1º e 2º Crônicas  1 Livro Esdras e Neemias  1 Livro Os 12 profetas menores  1 Livro Todos os demais livros  19 Livros Total 24 Livros
  • 57. O Cânon do A.T. Hebraico • Lei – Torah – 5 Livros • Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio • Profetas – Neviim – 8 Livros • Primeiros Profetas: Josué, Juízes, Samuel e Reis • Últimos Profetas: Isaías, Jeremias, Ezequiel, os 12 profetas menores. • Escritos – Ketuvim – 11 Livros • Poéticos: Salmos, Provérbios e Jó • Cinco Rolos: Cantares, Rute, Lamentações, Eclesiastes e Ester.
  • 58. Cinco rolos - Hamesh Megillot Cinco Rolos eram assim chamados porque eram rolos separados e lidos anualmente em festas específicas:
  • 59.
  • 60. Cinco rolos 1- Cantares de Salomão Lido na festa da Páscoa em alusão ao Êxodo
  • 61. Cinco rolos 2- Rute Lido na festa do Pentecoste, na celebração da colheita, em seu início.
  • 62. Cinco rolos 3- Ester Lido na festa do Purim, comemoração do livramento dos israelitas da mão de Hamã
  • 63. Cinco rolos 4- Eclesiastes Lido na festa dos Tabernáculos – gratidão após a colheita
  • 64. Cinco rolos 5- Lamentações de Jeremias Lido no mês de Abibe, relembrando a destruição de Jerusalém pelos babilônios.
  • 65. Organização do Cânon  Esdras foi um escriba e presidiu a chamada “Grande Sinagoga” que selecionou e preservou todos os rolos sagrados do Antigo Testamento.
  • 66. Organização do Cânon  A “Grande Sinagoga” era composta por 120 membros. Foi essa entidade que reorganizou a vida religiosa dos repatriados e deu origem ao Sinédrio, cerca de 275 a.C.
  • 67. Organização do Cânon  Esdras foi o responsável pela tríplice divisão do A.T. , ou seja, Lei, Escritos e Profetas.  Neste tempo que os samaritanos foram expulsos da comunidade judaica (Ne 13) levando consigo o Pentateuco, que até hoje é a Bíblia dos Samaritanos
  • 68.  O Sinédrio (do hebraico ‫סנהדרין‬ pronuncia-se Sanhedrin; “assembleia sentada”).  O Sinédrio era uma assembleia de juízes judeus que constituía a corte e legislativo supremos de Israel.  O Sinédrio incluía um chefe ou príncipe (Nasi), um sumo-sacerdote (Cohen Gadol), um Av Beit Din (o segundo membro em importância) e outros 69 integrantes que se sentavam em semicírculo. Sinédrio
  • 69.  O Sinédrio era comandado por um presidente que era conhecido como "o sumo sacerdote".  Normalmente os saduceus eram os sumo sacerdotes, que eram os homens mais poderosos do Sinédrio.  Um sumo sacerdote era o capitão do templo e o outro supervisionava os procedimentos e comandava o guarda do templo (Atos 5:24-26). Os outros serviam de tesoureiros, controlando os salários dos sacerdotes e trabalhadores e monitorando a vasta quantia de dinheiro que vinha através do templo. Sinédrio
  • 70.  A Segunda categoria principal dos membros do sinédrio eram os anciãos. Esses homens representavam a aristocracia sacerdotal e financeira na Judéia. Leigos distintos como com José Arimtéia (Marcos 15:43), dividiam a visão conservadora dos saduceus e davam a assembleia à diversidade de um parlamento moderno.  Os membros mais recentes do sinédrio eram os escribas. A maioria deles eram fariseus. Eles eram advogados profissionais treinados em teologia, direito e filosofia. Sinédrio
  • 72.
  • 73. Reconhecimento do Cânon  Em 90 A.D. em Jâmnia, próxima da moderna Jafa, na Palestina, os rabinos num concílio sob a presidência de Johanan Ben Zakai, reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testamento.  Jâmnia, após a destruição de Jerusalém no ano 70 A.D., tornou-se a sede do Sinédrio – O supremo tribunal dos judeus.
  • 74. Livros Desaparecidos 1. Livros das Guerras do Senhor - Nm 21.14 2. Livro dos Justos - Js 10.13; 2 Sm 1.18 3. Livro da História de Salomão - 1 Rs 11.41 4. História do Rei Davi - 1 Cr 27.24; 5. Crônicas do profeta Natã e Crônicas de Gade - 1 Cr29.29 6. Livro da História de Natã, etc - 2 Cr 9.29; 12.15; 13.22; 26.22; 33.19
  • 75. Septuaginta • A divisão de 39 livros vem da Septuaginta • Primeira tradução do antigo testamento para o grego, feita em 285 a.C. • Geralmente designada como “LXX”
  • 76. Septuaginta  A pedido do bibliotecário Demétrio de Falero o Rei do Egito, Ptolomeu Filadelfo (285 – 246 a.C.) solicitou ao sacerdote judaico Eleazar que fossem enviados a Alexandria 6 doutores de cada tribo (72) para efeturem a tradução para o grego;  Completaram a tradução em 72 dias.
  • 77. O Cânon do Novo Testamento • Foram escritos por um período de aproximadamente 100 anos • A ordem dos 27 livros do Novo Testamento vem da Vulgata.
  • 78. O Cânon do Novo Testamento • Em 367 A.D. Atanásio, patriarca de Alexandria, publicou a lista dos 27 livros como conhecemos hoje, esta lista foi aceita pelo Concílio de Hipona (África) em 393 A.D.
  • 79. O Cânon do Novo Testamento • No III Concílio de Cartago em 397 A.D. o cânon do Novo Testamento foi reconhecido e fixado.
  • 80. Livros Desaparecidos do N.T. • Cartas - 1 Co 5.9 • Carta de Laodicéia - Cl 4.16 • Palavras do próprio Jesus - At 20.35
  • 81. Livros Apócrifos • Apócrifo  significa “escondido, oculto”, isto em referência aos livros que tratavam de coisas secretas, misteriosas, ocultas. No sentido religioso, o termo significa “não genuíno, espúrio”, desde sua aplicação por Jerônimo.
  • 82. Livros Apócrifos • Os livros apócrifos jamais foram reconhecidos pelos judeus, jamais foram citados por Jesus, nem foram reconhecidos pela Igreja Primitiva. • Nome alternativo: Deuterocanônicos (literalmente – segundo cânon)
  • 83. Livros Apócrifos Este grupo de escritos, em sua maioria, foram escritos em Grego durante o período Intertestamentário (400–100 a.C.), estão inseridos na Septuaginta e Vulgata Latina e são aceitos pelos Católicos Romanos e Ortodoxos, mas rejeitados por Judeus e Evangélicos.
  • 84. Livros Apócrifos • Os apócrifos apareceram pela primeira vez na Septuaginta. • Jerônimo ao traduzir a Vulgata em 405 A.D. incluiu os apócrifos oriundos da Septuaginta porque lhe foi ordenado, mas indicou que os mesmos não poderiam ser base de doutrinas.
  • 85. Livros Apócrifos • São 14 os apócrifos, sendo 10 livros e 4 acréscimos à livros canônicos. Antes do Concílio de Trento a igreja católica aceitava todos, mas depois passou a aceitar apenas 11, sendo 7 livros e 4 acréscimos. A Igreja Ortodoxa Grega mantém os 14 até hoje.
  • 86. Livros Apócrifos • Os livros apócrifos da Bíblia católico- romana são: – Tobias – Judite – Sabedoria de Salomão – Eclesiástico – Baruque – 1 Macabeus – 2 Macabeus
  • 87. Livros Apócrifos • Os acréscimos aos livros canônicos da Bíblia católico-romana são: – Ester ( à Ester 10.4 - 16.24) – Cântico dos Três Santos Filhos (à Daniel 3.24-90) – História de Suzana (à Daniel cap. 13) – Bel e o Dragão (à Daniel cap. 14)
  • 88. Livros Apócrifos • Os rejeitados à partir do Concílio de Trento em 1546 A.D. são: • 3º Esdras, 4º Esdras e a Oração de Manassés.
  • 89. Aprovação dos Apócrifos • A Igreja Romana aprovou os 18 apócrifos em 18 de Abril de 1546 como meio de combater a Reforma Protestante, então recente. Nessa época os protestantes combatiam: – Purgatório; – Oração pelos mortos – Salvação mediante obras, etc
  • 90. Aprovação dos Apócrifos • Os romanistas viram nos apócrifos base para apoiar essas doutrinas e os aprovaram como canônicos.
  • 91. Argumentos a favor do cânon protestante • O teste de canonicidade – os livros apócrifos não demonstram as mesmas características dos demais livros considerados canônicos. • A rejeição judaica dos apócrifos • A rejeição dos concílios da igreja primitiva • Rejeição por parte dos primeiros pais da igreja • Rejeição por Jerônimo
  • 92. Aprovação dos Apócrifos  Ensino da Arte Mágica – Tobias 6:5-8  Esmolas Purifica do Pecado - Tobias 12: 8 e 9; Eclesiático 3:33  Pecados Perdoados pela Oração – Eclesiástico 3:4  Orações pelos Mortos – 2Macabeus 12: 42-46  Ensino do Purgatório – Sabedoria 3:1-4 (imortalidade da alma)
  • 93. Ensino da Arte Mágica – Tobias 6:5-8 “O anjo então disse-lhe: Abre-o, e guarda o coração, o fel e o fígado, que servirão para remédios muito eficazes. Ele assim o fez. A seguir ele assou uma parte da carne do peixe, que levaram consigo pelo caminho. Salgaram o resto, para que lhes bastasse até chegarem a Ragés, na Média. Entretanto, Tobias interrogou o anjo: Azarias, meu irmão, peço-te que me digas qual é a virtude curativa dessas partes do peixe que me mandaste guardar. O anjo respondeu-lhe: Se puseres um pedaço do coração sobre brasas, a sua fumaça expulsará toda espécie de mau espírito, tanto do homem como da mulher, e impedirá que ele volte de novo a eles.”
  • 94. Esmolas Purifica do Pecado Tobias 12.8,9 “Boa coisa é a oração acompanhada de jejum, e a esmola é preferível aos tesouros de ouro escondidos, porque a esmola livra da morte: ela apaga os pecados e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna.”
  • 95. Oração e sacrifício pelos mortos - 2Mac.12.39-44 “No dia seguinte, Judas e seus companheiros foram tirar os corpos dos mortos, como era necessário, para depô-los na sepultura ao lado de seus pais. . . Bendisseram, pois, a mão do justo juiz, o Senhor, que faz aparecer as coisas ocultas, e puseram-se em oração, para implorar-lhe o perdão completo do pecado cometido. Em seguida, fez uma coleta, enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas, para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados: belo e santo modo de agir, decorrente de sua crença na ressurreição, porque, se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles.”
  • 96. Purgatório - Sab.3.4-7 “Se aos olhos dos homens suportaram uma correção, a esperança deles era portadora de imortalidade, e por terem sofrido um pouco, receberão grandes bens, porque Deus, que os provou, achou-os dignos de si. Ele os provou como ouro na fornalha, e os acolheu como holocausto. No dia de sua visita, eles se reanimarão, e correrão como centelhas na palha.”
  • 97. Aprovação dos Apócrifos • Houve prós e contras dentro dessa própria igreja. Os jesuítas exerciam muita influência no Clero. Os debates sobre os apócrifos motivaram ataques dos dominicanos contra os franciscanos. O cardeal de Pallavacini, em sua “História Eclesiástica” declara que em pleno concíclio, 40 bispos dos 49 presentes travaram luta corporal, agarrados às barbas e batinas uns dos outros. Foi nesse ambiente “espiritual” que os apócrifos foram aprovados.
  • 98. Aprovação dos Apócrifos • A primeira Bíblia Católica com os apócrifos inclusos se deu em 1592, com autorização do papa Clemente VIII.
  • 99. Aprovação dos Apócrifos • Os reformadores protestantes publicaram a Bíblia com os apócrifos, colocando-os entre o Antigo e Novo Testamentos; não como livros inspirados, mas bons para leitura e de valor literário e histórico.
  • 100. Aprovação dos Apócrifos • Isto continuou até 1629, quando à partir dessa data os evangélicos omitiram os apócrifos para evitar confusão entre o povo simples, que nem sempre sabe discernir entre um livro canônico e um apócrifo.
  • 101. “Desde Artaxerxes até os nossos dias foi escrita uma história completa, mas não foi julgada digna de crédito igual ao dos registros mais antigos, devido à falta de sucessão exata dos profetas” (Contra Ápião 1.41). Flavio Josefo (37/38 d.C)
  • 102. Outros apócrifos • Há ainda outros apócrifos do Antigo Testamento que não foram reconhecidos por igreja nenhuma, que chegam a 26 livros; • No Novo Testamento também surgiram apócrifos chamados de Pseudoepigráficos, que chegam a 24 livros. Todos eles contém histórias ridículas e até indignas de Cristo e seus apóstolos.
  • 103. Canonização das Escrituras Cinco testes para a canoniciade 1. Cristo atestou sua autoridade? 2. Escritores judeus extrabíblicos os afirmaram? 3. O livro está em harmonia com outras revelações? 4. Foi escrito por um profeta ou outra autoridade divina? 5. O corpo de Cristo o reconhece?
  • 104. Canonização das Escrituras Lucas 24.44 “A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos.”
  • 105. Canonização das Escrituras Mateus 7.12 “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.”
  • 106. Cinco Livros não escritos por apóstolos • Marcos • Lucas • Atos (escrito por Lucas) • Hebreus • Judas
  • 107. Marcos, Lucas, Atos e Judas • Marcos estava associado com – Pedro • Lucas estava associado com – Paulo • Judas estava associado com – Tiago, irmão de Jesus
  • 108. Inerrância • A Lógica: 1. A palavra de Deus não contém erros 2. A Bíblia é a palavra de Deus 3. Portanto a Bíblia não pode ter erros
  • 109. Obrig@do ! Pr. Erivelton Rodrigues Nunes ‫ֶס‬‫נ‬ֻ‫נ‬ ‫ֶס‬‫ג‬ ִ‫ֹדר‬ ‫ר‬ ‫ֹן‬ ‫ֶלת‬‫ו‬ ִ‫ֶר‬‫א‬ www.erivelton.com.br