Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula ExercíCios Respiratorios Terapeuticos

177,016 views

Published on

Aula de exercícios respiratórios terapêuticos

Published in: Education, Health & Medicine

Aula ExercíCios Respiratorios Terapeuticos

  1. 1. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara [email_address]
  2. 2. Introdução <ul><li>Exercícios respiratórios : nome genérico para descrever diversos exercícios que otimize a ventilação pulmonar </li></ul><ul><li>Inicio em 1934 no Brompton Hospital em pacientes submetidos a cirurgia torácica </li></ul><ul><li>Em 1980 Cuello, Argentina, apresentou um conjunto de exercícios respirtórios/cinesioterapia respiratória, com objetivo de melhorar a função do aparelho respiratório </li></ul>
  3. 3. Objetivo dos Exercícios Respiratórios <ul><li>Restaurar o padrão respiratório </li></ul><ul><li>Controlar a respiração </li></ul><ul><li>Potencializar a mobilização de secreções </li></ul><ul><li>Expansão pulmonar </li></ul><ul><li>Melhorar força e endurance </li></ul><ul><li>Aumentar volume corrente </li></ul><ul><li>Promover relaxamento </li></ul>
  4. 4. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO COM FRENO LABIAL <ul><li>Exercício respiratório com os lábios franzidos. </li></ul><ul><li>Consiste em realizar expirações suaves contra uma resistência imposta pelos lábios ou dentes semi-fechados, podendo o tempo expiratório ser curto ou longo </li></ul>
  5. 5. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO COM FRENO LABIAL <ul><li>Por meio deste exercício obtém-se melhora do padrão respiratório, com redução da FR se o tempo expiratório for prolongado </li></ul><ul><li>Aumento do volume corrente com menor trabalho respiratório </li></ul><ul><li>A expiração lenta e prolongada contra uma resistência permite manter a pressão intrabrônquica </li></ul>
  6. 6. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO DIAFRAGMÁTICO <ul><li>Utilizados em processos agudos e crônicos que provocam redução de volumes pulmonares – podendo alcançar até 2 litros </li></ul><ul><li>Tem como objetivo melhorar a ventilação pulmonar, principalmente nas regiões basais por maior excursão do músculo diafragma </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O exercício diafragmático é realizado aplicando estímulo manual a região abdominal, com leve compressão, solicitando-se inspiração nasal de forma suave e profunda com deslocamento anterior da região abdominal </li></ul><ul><li>Em pacientes acometidos por DPOC, que apresentam rebaixamento da cúpula diafragmática, os exercícios respiratórios não são suficientes para alterar a distribuição da ventilação </li></ul>EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO DIAFRAGMÁTICO
  8. 8. Cautela no Exercício Respiratório Diafragmático <ul><li>Pacientes que apresentam hiperinsuflação pulmonar já apresentam aumento da atividade dos músculos torácicos </li></ul><ul><li>Nesse caso a realização de exercícios diafragmáticos pode diminuir a eficiência muscular respiratória e tornar o movimento toraco abdominal mais descoordenado, com tendência a piorar a sensação de dispnéia </li></ul>
  9. 9. A experiência do grupo do Dr. Ambrosino – Jornal Europeu de Respiratória, 1998 <ul><li>Em seu grupo de DPOC grave e com hipercapnia, foi realizado exercício diafragmático. Houve aumento do VC, diminuição da FR, o que resultou em significante aumento do volume minuto. Apesar da melhora nos gases sanguíneos arteriais, houve PIORA na sensação de DISPNÉIA , atribuído ao aumento no esforço muscular inspiratório </li></ul>
  10. 11. EXPANSÃO TORÁCICA INFERIOR UNILATERAL <ul><li>É o exercício realizado com aplicação do estímulo manual na região inferior de um dos hemitórax. O paciente coloca a mão próximo a oitava costela </li></ul><ul><li>Orientação ao paciente : inspiração profunda nasal, expandindo a região na qual está posicionada a mão, que deve exercer uma leve compressão no início da fase </li></ul><ul><li>A fase expiratória pode ser associada ao freno-labial e leve compressão da mão, na área apoiada contribuindo para a depressão das costelas </li></ul>
  11. 12. <ul><li>A inspiração é nasal e profunda, atingindo CPT, e as mãos exercem suave compressão no início do movimento. A expiração pode estar associada a freno labial com compressão sobre o tórax no sentido de desinsuflação </li></ul><ul><li>Durante a realização desse exercício pode ser alcançado altos volumes pulmonares, de 2 a 3 L </li></ul>EXPANSÃO TORÁCICA INFERIOR BILATERAL
  12. 13. EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS SUSPIROS <ul><li>Objetivos dos SUSPIROS </li></ul><ul><li>Melhorar a força dos músculos inspiratórios </li></ul><ul><li>Melhorar o endurance </li></ul><ul><li>Aumentar a saturação de oxigênio </li></ul><ul><li>Aumentar volumes pulmonares </li></ul><ul><li>Melhorar a distribuição da ventilação pulmonar de forma homogênea </li></ul><ul><li>Recrutamento alveolar </li></ul><ul><li>Aumento de complacência pulmonar </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Consiste em inspirações nasais breves, sucessivas e rápidas até atingir a capacidade inspiratório máxima </li></ul><ul><li>A expiração deve ser realizada com freno labial </li></ul><ul><li>Nesta técnica o tempo inspiratório é prolongado </li></ul>EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS SUSPIROS
  14. 15. <ul><li>A inspiração é nasal, suave e curta, fracionando o tempo inspiratório total com pausas intermediárias. </li></ul><ul><li>Expiração é lenta e suave com freno labial </li></ul>EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO INSPIRAÇÃO EM TEMPOS “inspiração fracionada”
  15. 16. Pausa 2 seg Pausa 2 seg Pausa 2 seg Pausa 2 seg Pausa 2 seg
  16. 17. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO COM EXPIRAÇÃO ABREVIADA <ul><li>Objetivos da Expiração Abreviada </li></ul><ul><li>Aumentar o volume inspiratório </li></ul><ul><li>Expansão de áreas colapsadas </li></ul><ul><li>Prevenção de atelectasias </li></ul><ul><li>Melhora da relação ventilação/perfusão (V/Q) </li></ul><ul><li>Melhorar a hipoxemia </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Inicialmente , faz uma inspiração nasal de pequeno volume de ar seguida de expiração breve com freno labial (sem expirar todo volume inspirado). </li></ul><ul><li>Em seguida , realiza outra inspiração de médio volume pulmonar e nova expiração, também breve com freno labial (sem expirar todo volume inspirado). </li></ul><ul><li>Por último , realiza-se uma inspiração até a CPT e expira prolongadamente e de forma suave, com freno labial. </li></ul>EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO COM EXPIRAÇÃO ABREVIADA
  18. 19. Expiração breve Expiração prolongada e suave Expiração breve
  19. 20. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO DESDE O VOLUME RESIDUAL
  20. 22. Objetivos <ul><li>Minimizar os efeitos provocados pelo aumento da resistência ao fluxo de ar, a turbulência causada pela irregularidade das paredes brônquicas </li></ul><ul><li>Evitar o colapso precoce das pequenas e médias vias aéreas </li></ul><ul><li>Diminuir o trabalho muscular excessivo </li></ul>
  21. 23. <ul><li>Vantagens alcançadas com a validação da técnica por Cuello com inalação de Xe em pacientes com broncoespasmo </li></ul><ul><li>Cuello observou aumento considerável da distribuição da ventilação, principalmente para as zonas pulmonares de maior obstrução </li></ul><ul><li>Neste estudo, Cuello também demonstrou: aumento de SpO2, diminuição dos sibilos, aumento do VC, diminuição da hipersonoridade torácica e menor sensação de dispnéia </li></ul>
  22. 25. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO INTERCOSTAL <ul><li>Deve ser feito na posição sentada ou semi-sentada </li></ul><ul><li>A inspiração e a expiração são feitas via nasal </li></ul><ul><li>Este exercício tem a finalidade de aumentar a atividade da musculatura torácica, favorecendo melhor ventilação das regiões laterais pulmonares </li></ul>
  23. 26. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO INSPIRAÇÃO MÁXIMA
  24. 27. EXERCÍCIO RESPIRATÓRIO COM INSPIRAÇÃO MÁXIMA SUSTENTADA A inspiração sustentada máxima é realizada com esforço máximo, de forma lenta, pela via nasal, até atingir a máxima capacidade inspiratória com manutenção de 3 seg, seguida de expiração sem esforço com freno labial
  25. 31. Obrigado... [email_address]

×