8INTRODUÇÃOA presente monografia analisa o discurso do programa Voz do Brasil, neste primeiro anode reeleição do president...
9Durante esta época alguns fatos contribuíram para a criação da Voz do Brasil como a tragédia doano de 1932, onde o conhec...
10c) Em 1988, a Voz do Brasil passou por outra reformulação, onde ela tornou-se umradiojornal, com texto formal, mudanças ...
111. Rádio no BrasilA primeira demonstração de radiodifusão no Brasil ocorreu durante uma exposiçãointernacional no Rio de...
12Quando em julho do mesmo ano irrompe à Revolução Constitucionalista, oveículo adquire importância política estratégica. ...
13noticiários semelhantes já existiam nas capitais de outros países como Buenos Aires, Santiago,Lima e Havana que também e...
14o jornalismo. Seguiu sucessivamente este formato o Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro; a JovemPan e a Bandeirantes, de ...
15serviço chamado Radiosat que possibilitou a união de pequenas rádios a outras emissorasformando grandes redes de comunic...
162. PROCESSO DE MEMÓRIAÉ impossível a construção de um CORPUS para Análise de Discurso sem levantar dadospara a fase da M...
17humorísticos e cobertura esportiva. O Radiojornalismo também ganha impulso transmitindonotícias sobre a Segunda Guerra M...
18Em meio à tamanha crise a Rádio Nacional alcançou seu apogeu, tornando-se líder empublicidade e audiência. Provavelmente...
19No ano de 1969, a censura chega ao seu poder máximo sobre as emissoras de rádio, sendo ogoverno um dos maiores anunciant...
20educativas e com musicas brasileiras. Esta seria a Era de Ouro para o programa, que há 68 anos étransmitido em rede naci...
21Com o governo de transição do presidente José Sarney, o programa Voz do Brasil absorveuum formato mais democrático conte...
223. PROCESSO DE DESCRIÇÃOO processo de Descrição é utilizado por Orlandi (2002), como uma das principais técnicaspara se ...
23O Globo de janeiro de 2003 publicou que as emissoras de rádio e tv da Radiobrás,segundo Bucci, iriam atuar também na ori...
24O Brasil tem como presidente um político de base esquerdista, e apesar das diversasespeculações sobre suas atitudes aves...
25De acordo com a decisão, a retransmissão do programa oficial pode ser efetuada até às 18h dodia seguinte. Como essa ação...
264. CLIPPING: REPERCUSSÃO NA MÍDIAEm uma Análise de Discurso é primordial situarmos o discurso em um contexto parasaber r...
27RADIOBRAS – REDE PÚBLICA DE RÁDIO E TVa) TV PÚBLICA: GOVERNO PEDE PARCERIA COM INICIATIVA PRIVADA – Jornaldo Brasil, 22 ...
28RADIOBRAS – VOZ DO BRASILa) EUGÊNIO BUCCI DEIXA A RADIOBRAS – Jornal do Brasil – 20 de Abril de 2007 –Caderno B-B3.* As ...
295. CONTEÚDO TÉCNICO INFORMATIVOPara esta parte da análise foram produzidas Fichas Técnicas de cinco programas escutadosd...
30NOTÍCIAS (Ao total 20 matérias)Ministros ou Ministérios (6-Seis Matérias)a) Ministério da Justiça capacitará agentes mul...
31Presidente Lula (3-Três Matérias)a) Presidente Lula fala sobre energia como integração do continente;b) Participação do ...
32LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais e...
332. Programa Voz do Brasil do Dia 28 de Abril de 2007-Dia Nacional emMemória às vítimas de Acidente do Trabalho.O program...
34Órgãos Federais e Programas Sociais (2 – Duas Matérias).a) A partir da próxima semana começa a funcionar a super-receita...
35LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais e...
363. Programa Voz do Brasil do Dia 11 de Maio de 2007-Encerramento doFórum Nacional de Tvs Públicas.Neste programa apesar ...
37c) O prêmio Cultura Viva é uma ação do Ministério da Cultura com patrocínio da Petrobráspara incentivar grupos e pessoas...
38DepoimentosNenhumLinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaborada...
394. Programa Voz do Brasil do Dia 18 de Maio de 2007 – Dia Nacional deCombate a Exploração InfantilAlguns pontos diferenc...
40Presidente Lula (3-três matérias)a) Presidente Lula durante solenidade no Tocantins fala sobre a Operação Navalha, monta...
41LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais e...
426. ANÁLISE DISCURSIVAPor se tratar de uma análise de discurso em um objeto onde sua linguagem situa-se atravésde meio te...
43comentários, mas apenas números, investimentos e pequenos depoimentos de no máximo duaspessoas no qual são vazios, e qua...
44Diante deste quadro vemos que apesar da tentativa de transformar o programatecnicamente e textualmente mais popular, est...
45meios de comunicação às denúncias que envolvem políticos de sua esfera ministerialcomo José Dirceu e Luiz Gushiken, tamb...
46Voz do Partido dos Trabalhadores: Voz encontrada no processo de Descrição sobre oprimeiro mandato de Lula e a Voz do Bra...
477. ANÁLISE COMPARATIVAO programa Voz do Brasil de 2003 apresentava discursos e vozes ligados à ideologia doPartido dos T...
48radiofônicos. Ainda entram na lista as informações que não são ligadas ao governo e que foramveiculadas. A previsão do t...
49CONSIDERAÇÕES FINAISQuando percorremos todo este processo analítico é impossível não comentar emconsiderações finais o f...
50Não é a toa que muitos atos, até criminosos, de líderes como Hugo Chaves e Fidel Castro,são encobertos por sua popularid...
51sem itens fundamentais para uma postura ética, corre-se o risco de começar a praticar o que jáexiste em nossos meios. É ...
52REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASDEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro, Ed: Contraponto, 1997.DIRCEU, José. Um...
53MARQUES, Gerusa. Setor pode ter nova lei geral. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26 abr.2007. Negócios, p. B19.MARRA, An...
54RADIOBRAS muda formato da Voz do Brasil.O Estado de S. Paulo, São Paulo. 2003.Disponível em <www.estado.estadao.com.br>....
55VASCONCELOS, Emilyn J. C. As transformações no programa Voz do Brasil:Primeiros meses do Governo Lula. Trabalho monográf...
56APÊNDICE1. Roteiro I – Voz do Brasil - dia 11 de Maio de 2007;2. Roteiro II – Voz do Brasil - dia 18 de Setembro de 2003...
57O Objeto: Roteirização dos programasPara esta etapa foram decupados e roteirizados um programa da Voz do Brasil do ano d...
58LOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IITÉCNICALOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICAESTENIORIBEIROTÉCNICAEstá no ar a sua voz/...
59MINISTROLUPETÉCNICAESTENIORIBEIROLOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IIIN: ENTÃO, ESTOU DIRECIONADO PARA QUE OSRECURSOS......
60LOCUTOR ILOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICAMas o setor de geração de emprego e rend...
61ANA PAULATÉCNICALULATÉCNICAANA PAULANESTE SEGUNDO MANDATO.//Ao participar da Cerimônia de encerramento do primeiro Fórum...
62TÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IITÉCNICAMICHELMEDEIROSdiscutir a televisão pública e seus desafios no cenário daComun...
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula

557 views

Published on

Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula
Trabalho monográfico apresentado em 2007 para a Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

A presente monografia analisa o discurso do programa Voz do Brasil, neste primeiro ano de reeleição do presidente Luís Inácio Lula da Silva, a partir do sistema proposto pela pesquisadora Eni Pulcinelli Orlandi, em seu livro Análise de Discurso: princípios e procedimentos (2002), que se concentra em construir um CORPUS de pesquisa com os materiais que estão disponíveis ao alcance do pesquisador. Esta estrutura contém dois processos decisivos para a análise de discurso que é a MEMÓRIA e DESCRIÇÃO.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
557
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Voz do brasil primeiro ano de reeleição do governo lula

  1. 1. 8INTRODUÇÃOA presente monografia analisa o discurso do programa Voz do Brasil, neste primeiro anode reeleição do presidente Luís Inácio Lula da Silva, a partir do sistema proposto pelapesquisadora Eni Pulcinelli Orlandi, em seu livro Análise de Discurso: princípios eprocedimentos (2002), que se concentra em construir um CORPUS de pesquisa com os materiaisque estão disponíveis ao alcance do pesquisador. Esta estrutura contém dois processos decisivospara a análise de discurso que é a MEMÓRIA e DESCRIÇÃO.O processo de DESCRIÇÃO é aplicado ao Objeto, onde você descreve tudo que épossível sobre aquilo que está sendo pesquisado. O processo de MEMÓRIA é onde coloca-setoda historicidade do objeto ou do sujeito que produz o discurso. Orlandi (2002), também destacaa necessidade de uma CONTEXTUALIZAÇÃO de quando se proferiu o discurso, para daí entãorefletir e interpretar as chamadas VOZES que são encontradas no processo discursivo.O CORPUS proposto por Orlandi irá oferecer subsídios para dar andamento a estetrabalho que nada mais é, que outra importante etapa da pesquisa sobre a Voz do Brasil noGoverno Lula que começou a ser executada no ano de 2003, logo após a posse do atualpresidente da república através da monografia “As transformações no programa Voz do Brasil:primeiros meses do Governo Lula” entregue na conclusão do curso de Comunicação Social,habilitação de Radialismo, utilizando técnicas de análise de discurso.No primeiro mandato do Governo Lula o programa Voz do Brasil começou a passar pordiversas modificações em seu formato e discurso, e o desenrolar desta nova proposta de continuarobservando a Voz do Brasil, ou melhor, ouvindo o programa, tem o título de Voz do Brasil:primeiro ano de reeleição do Governo Lula. E irá mostrar qual é o discurso do programa nesteano de 2007.Para tanto foram desenvolvidos trabalhos de rádio-escuta no programa Voz do Brasil etambém de clippagem nos jornais de maior circulação nacional, para uma melhorcontextualização das vozes. Uma Análise Comparativa com o ano de 2003 também ilustra otrabalho.O programa tem uma historicidade presente no percurso do Brasil em busca de umademocracia, percurso este muitas vezes contrário à vontade popular, pois carrega o “ranço” daditadura desde sua implantação em 22 de julho de 1935, uma época de conflitos e opressão.
  2. 2. 9Durante esta época alguns fatos contribuíram para a criação da Voz do Brasil como a tragédia doano de 1932, onde o conhecido grupo de estudantes que recebeu a sigla de MMDC invadiu aRádio Record de São Paulo e leu ao microfone uma manifesto contra o governo revolucionário deGetúlio Vargas e logo mais à noite em outra investida dos estudantes contra o Partido PopularProgressista eles foram mortos, e também a assumida oposição da Record que passou a ler apelosrevolucionários contra o governo, usando o radiojornalismo com finalidade política.Nesta linha de raciocínio, em 22 de julho de 1935, o governo Vargas cria aHora do Brasil, que transmitia, inicialmente, informações, pronunciamentos emúsica popular. O grande objetivo era a divulgação das realizações do governo.Nos dois anos seguintes, o país vive um clima de perseguição política.(FERRARETO, 2000).Atualmente as mudanças na Voz do Brasil apresentam um interessante paradoxo, poisapesar de ser fruto da ditadura, nenhum dos presidentes mencionou o seu possível fim, ou seja,ainda continua sendo uma ferramenta de voz oficial. Fortificando esta idéia na verdade oprograma tem passado insistentemente por mudanças para obter um formato mais leve, para queseja recebido com menos reprovação, por parte da população brasileira e também pela imprensaem geral. Ainda, como todos sabem, a Voz do Brasil, apesar de estar tanto tempo no ar, não ésucesso de audiência.Exemplificando estas mudanças, algumas têm destaque como:a) Em 1945, quando programa ficou a cargo da Agência Nacional, órgão do DepartamentoNacional de Informações, que substituiu o DIP. Em 1942, o noticiário oficial ficou sobresponsabilidade da Empresa Brasileira de Notícias (EBN), que foi substituída em 1988pela Radiobrás.b) Ainda durante o Governo Militar, ficou determinado que deveriam ser retiradas donoticiário palavras e expressões que representassem algum tipo de ameaça ideológica aoregime. De acordo com o site da Radiobrás o verbo “denunciar”, por exemplo, teve seuuso proibido.
  3. 3. 10c) Em 1988, a Voz do Brasil passou por outra reformulação, onde ela tornou-se umradiojornal, com texto formal, mudanças no estilo, locução e técnica. Ganhou umalocutora desfazendo o padrão de quase 50 anos, quando só as vozes masculinas liam ojornal. Atualmente, a Voz do Brasil continua sendo produzida pela Radiobrás e éregulamentada pelo Código Brasileiro de Telecomunicações.d) A mudança mais significativa começou a ser implementada pelo ex-diretor da Radiobrás,Eugênio Bucci, em 2003, que anunciou um novo formato para Voz do Brasil, dando umar mais popular utilizando mudanças consideráveis no texto, edição, participação emreportagens dos demais estados brasileiros, e no formato técnico.Agora em 2007, primeiro ano de reeleição do presidente Luís Inácio Lula da Silva, novasmodificações estão na mira do Governo Federal, como: a criação de uma rede pública decomunicação, a saída de Eugênio Bucci da Radiobrás e a ida de Franklin Martins para o cargo deSecretário Geral de Comunicação.Para tanto, este trabalho monográfico desenvolveu escutas, através da aplicação dastécnicas da teoria da análise de discurso, sobre os programas dos primeiros meses da reeleição doGoverno Lula para captar o processo discursivo da Voz do Brasil, que ao contrário do que seesperava de um presidente de ideologias democrático de esquerda, não extinguiu o programa,mas modificou o formato no seu primeiro mandado e agora a partir de dezembro de 2007, iráampliar sua comunicação institucional. Por isso, deixa-se como ponto de partida para estetrabalho que o plano comunicacional que o governo quer aplicar no país, ainda está emandamento, ou seja, o discurso da Voz do Brasil também está inserido nessas transformações.
  4. 4. 111. Rádio no BrasilA primeira demonstração de radiodifusão no Brasil ocorreu durante uma exposiçãointernacional no Rio de Janeiro promovida pela multinacional Westinghouse. Mas a primeirarádio regular a começar a funcionar no país foi a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, inauguradaem 1923 por Roquette Pinto. Apesar de seu grande empenho, a primeira rádio brasileira começoua navegar pelas ondas eletromagnéticas sem programação definida, precariamente e comtransmissões esporádicas.Demorou para o Rádio atingir o topo da popularidade, pois Roquette Pinto primava pelanão popularização da programação além de não veicular publicidade. No país das marchinhas decarnaval a primeira rádio brasileira só poderia tocar ópera, música clássica e ter poucaparticipação de convidados.Mas o Nordeste pode sim estar incluído como vanguarda nas primeiras transmissões deRádio no Brasil. Esta é uma briga comprada pelo estado de Pernambuco, que possui documentosque provam que a Rádio Clube de Pernambuco é bem anterior ao da Rádio Sociedade do Rio deJaneiro. A Rádio pernambucana teria iniciado suas transmissões em 1919 e ainda ter feito testesradiofônicos um ano antes.De acordo com o jornalista Petrônio Solto, o Rádio Paraibano, também começou namesma época de todo o país, só que com as desvantagens inerentes ao colonialismo do eixo Riode Janeiro - São Paulo existente em todo Brasil.Continuando a percorrer sobre o Rádio no Brasil e seguindo o que diz a maioria doslivros, após está época de pouco traquejo com o veículo e suas potencialidades, de 1923 até oinício da década de 30, surgem emissoras de radiodifusão em todo país. Exatamente no ano de1932 dois atos importantes marcam o início de um novelo de lã que o Brasil embaraça até hoje,que foi a publicação do decreto nº 21.111, onde o governo revolucionário organiza a veiculaçãoda publicidade em emissoras e ainda regulamenta o decreto de nº 20.047, que definia o papel dogoverno federal na radiodifusão sonora. Daí por diante o governo brasileiro, a oposição e gruposempresariais perceberam o poder político e capitalista do rádio.
  5. 5. 12Quando em julho do mesmo ano irrompe à Revolução Constitucionalista, oveículo adquire importância política estratégica. Durante meses, as transmissõespaulistas – em especial a Record - mobilizam a oposição ao governo Vargas. Apartir daí, a sociedade toma consciência das possibilidades econômicas epolíticas do rádio. Estavam lançadas as bases para a sua configuração comoindústria cultura. (FERRARETO, 2000, p. 102)Os decretos também ajudaram no surgimento do Rádio Espetáculo, pois com aregulamentação da publicidade, a indústria e o comércio entram na programação do rádio dandonomes de marcas e produtos aos programas radiofônicos que utilizam as mais variadasferramentas para transformarem seus programas e suas marcas em sucesso, como por exemplo, oprograma Palmolive no Palco.Com a estréia da Rádio Nacional em 1938 que lançou o programa Curiosidades Musicais, orádio inicia o período de consolidação no país que irá estender-se até 1943.Em 1940 começa uma etapa importante na produção de rádio que é a elaboração de formaorganizada de textos, músicas e publicidades, entrando em cena o Roteiro e os primeirosprogramas montados.O grande sucesso das Radionovelas começa a entrar na programação das rádios em 1941com Em Busca da Felicidade e também o seu principal noticiário o Repórter Esso. As duaspilastras do sucesso do rádio, as Radionovelas e o Repórter Esso, faziam parte da programação daRádio Nacional.Os Programas de auditório partem como último produto de sucesso produzido pelo rádioque teve precursor em 1946.A chegada da televisão ao Brasil e o início das transmissões da PRF-3 TV Tupi Difusora nodia 18 de Setembro de 1950 foram os primeiros passos para uma época de decadência no radiobrasileiro.1.2 Radiojornalismo no BrasilNo Brasil, as radionovelas e espetáculos musicais dão abertura ao radiojornalismoexatamente no dia 28 de Agosto de 1941 com o noticiário Repórter Esso na Rádio Nacional, mastoma grande importância com o desenrolar da Segunda Guerra Mundial. Na época outros
  6. 6. 13noticiários semelhantes já existiam nas capitais de outros países como Buenos Aires, Santiago,Lima e Havana que também eram patrocinados pela Esso Brasileira de Petróleo.Em 1948, Heron Rodrigues, a voz mais conhecida do noticiário implanta o primeirodepartamento no país dedicado ao jornalismo, o chamado Seção de Jornais Falados eReportagens da Nacional.Alguns fatos importantes para a história do Brasil foram ao ar pelo Repórter Esso como osuicídio de Getúlio Vargas no dia 24 de Agosto de 1954.Outro passo para o radiojornalismo foi o Grande Jornal Falado Tupi que começou lendoas notícias diárias do jornal impresso e depois ganhou manchetes e sonoplastia.O Repórter Esso foi veiculado na Rádio Nacional até 1962, indo para a Globo ainda comsucesso absoluto. No dia 31 de dezembro de 1968 foi ao ar a ultima edição do Repórter Esso, queintroduziu no radiojornalismo um modelo de “síntese noticiosa”, que para Ferrareto (2000), criouo primeiro radiojornalismo moderno e a utilização de áudio durante a leitura de manchetes.Nesta vertente do chamado radiojornalismo moderno entra em 1948 a EmissoraContinental do Rio de Janeiro, fundada pelo locutor esportivo Gagliano Netto. A Continental seatribui o formato que mistura notícia, música e esporte. As reportagens ganham espaço e ascoberturas esportivas também.Outro diferencial foi à cobertura do Carnaval do Rio de Janeiro pela Continental queutilizou até 40 pontos de transmissão ao vivo. Passou-se então a utilizar a transmissão da notíciana hora do acontecimento do fato.Nos anos 50 surgem vários departamentos de jornalismo, mas que ainda não superam aprogramação tipo espetáculo do rádio. Os programas de radiojornalismo só serão destaques apóso abalo provocado pela televisão que leva o rádio a decadência.Com o espetáculo transferido para a televisão, o lazer radiofônico começa a serestringir à transmissão de músicas e a difusão de fatos e de entrevistasenvolvendo os astros e as estrelas do star system audiovisual. Já na década de50, um novo caminho começa a se estruturar, baseado no jornalismo, no esportee no serviço à população, consolidando-se nos anos 60 e 70. (FERRARETO,2000).Aparece uma nova vertente de jornalismo, baseada no rádio da Argentina, no qual usa-seum sistema intensivo de notícias onde a cada 15 minutos de programação musical existia um para
  7. 7. 14o jornalismo. Seguiu sucessivamente este formato o Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro; a JovemPan e a Bandeirantes, de São Paulo; e a Guaíba, de Porto Alegre.Com o final da década de 60 instaura-se o formato de jornalismo a serviço da populaçãocomo o Correio do Povo pela Rádio JB e bem depois o lançamento do pioneiro Jornal daIntegração Nacional em 1972, com uma rede que atingia diversos estados do país.Mas retornando a contextualização da situação política no Brasil, a partir de 27 deNovembro de 1962 com o surgimento da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio eTelevisão (Abert) foi derrubada às intenções do governo de João Goulart em estatizar rádios e tvsprivadas através de vetos ao Código Brasileiro de Telecomunicação.É importante observar que, a valer o discurso de Calmon, a organização daAbert insere-se nas articulações empresariais de oposição ao governo que, juntocom o interesse norte-americano no contexto da Guerra Fria e a mobilizaçãomilitar, redundariam no golpe de 1964. (FERRARETO, 2000, P. 148).O Brasil então passaria por uma época obscura de censura e perseguição onde oradiojornalismo e o telejornalismo não escapam dos avisos que proíbem críticas ao sistema decensura, prisões ilegais, notas sobre inquéritos e combates. São os chamados anos de chumbo daditadura, onde também a publicidade volta a ser uma grande arma governamental de 1969 a 1974.Assim, assumiu o poder o general Emílio Garastazu Médici.O Radiojornalismo assume uma outra postura dos anos 70 a 80 com a chegada dafreqüência modulada ou FM. Mais exatamente quando entra no ar, em 1977, a Cidade FM, ligadaao grupo JB, onde eles optaram por ter um público alvo jovem com uma programação inspiradanos modelos norte-americanos. O estilo vira líder de audiência e outras emissoras assumemtambém novos formatos como a Bandeirantes, por exemplo.Por outro lado instituí-se, alguns anos antes na AM, o Jornal da Integração Nacional, onde aJovem Pan utiliza-se de toda a estrutura montada pelo governo federal que viria se tornar em1965 a Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel), para veicular, este tipo dejornalismo que antecipou-se a febre dos noticiários via satélite que surgiram nas décadas de 80 e90.A radiodifusão no Brasil através das Redes Via Satélite entrou no ar em março de 1982,quando a Bandeirantes AM, de São Paulo, veiculou o radiojornal Primeira Hora. Para melhorarainda mais as condições do Radiojornalismo no país a Abert passou a oferecer em 1989 um
  8. 8. 15serviço chamado Radiosat que possibilitou a união de pequenas rádios a outras emissorasformando grandes redes de comunicação e informação, surgindo dois anos depois o Jornal doMeio Dia, Jornal das Seis, Informativo Jornal Nacional que chegou a ter 400 emissorasinterligadas a Radio Nacional de Brasília; e também a Radiobrás que utilizou-se desta novaferramenta para transmitir sua programação.No final da década de 80 e início de 90 o papel informativo do radiojornalismo toma outraforma, o de Jornalismo Tempo Integral, como nomeia Ferrareto (2000). Emissoras apostam emnotícias 24 horas por dia, como o Jornal do Brasil AM, Rádio Eldorado, Excelsior e a CBN.Com o crescimento e esgotamento da radiodifusão abriu-se as discussões sobre cidadania edemocratização das Rádios, surgindo a possibilidade da criação de Rádios Comunitárias etambém a grande utilização das Radiodifusoras e piratas para discutir abertamente os problemasda comunidade, do bairro e da região.De acordo com o site Adital até o ano de 2005 cerca de 15 mil estações de rádio jáoperavam ilegalmente no Brasil. Segundo reportagem, Tião Santos, coordenador da Rede VivaRio de Radiodifusão, entidade que congrega 300 rádios comunitárias, essas rádios continuamsendo ilegais porque o governo não quer legalizá-las.Tião criticou o aumento da repressão da Agência Nacional deTelecomunicações (Anatel) às emissoras que não têm autorização parafuncionar. Somente no primeiro semestre de 2005, 1.199 estações em todo oBrasil tiveram suas transmissões interrompidas, ou seja, uma média de 200 pormês. (RÁDIOS CRITÍCAM... 2005).A severa crítica seria por que este resultado é superior ao obtido no ano de 2004, quando1.807 rádios foram fechadas de janeiro a dezembro, isto é, 151 por mês.Estes números refletem muito na programação das rádios de todo o Brasil principalmenteno Radiojornalismo, que corre atrás do prejuízo devido o sucesso das rádios comunitárias,produzindo programas de formato popularesco, denunciativo, de serviço público esensacionalista.
  9. 9. 162. PROCESSO DE MEMÓRIAÉ impossível a construção de um CORPUS para Análise de Discurso sem levantar dadospara a fase da Memória. Conhecer e entender traços do que formou o passado do objeto estudadopodem trazer grandes surpresas na hora da análise, pois este processo oferece pistas de vozes jáesquecidas em outro contexto e que continuam baseando o discurso de quem fala e o meio queveicula.A memória, por sua vez, tem suas características, quando pensada em relaçãoao discurso. E, nessa perspectiva, ela é tratada como Interdiscurso. Estedefinido como aquilo que fala antes, em outro lugar, independentemente. Ouseja, é o que chamamos de Memória Discursiva: o saber discursivo que tornapossível todo o dizer e que e toma sob a forma de pré-construído, o já dito queestá na base do dizível, sustentando cada tomada da palavra. O interdiscursodisponibiliza dizeres que afetam o modo como o sujeito significa em umasituação discursiva dada. (ORLANDI. 2002, p.31).2.1 Alô, alô Brasil! Está no ar a Rádio NacionalA Rádio Nacional começou suas transmissões no mês de setembro de 1936, no Rio deJaneiro. Ela fazia parte das empresas do grupo A Noite que editava os jornais A Manhã e ANoite, além de revistas como Carioca e Vamos ler. A chamada PRE 8 - Sociedade RádioNacional, tinha até então 65 emissoras em todo o Brasil, dentre elas 12 no Rio de Janeiro e oitoem São Paulo. A programação da Rádio Nacional demonstra o primeiro diferencial para com asoutras rádios por levar ao ar o primeiro programa montado. “Uma grande inovação concretiza emabril de 1938, quando estréia na Rádio Nacional o programa Curiosidades Musicais. Nele,durante meia hora, Almirante enfocava algum aspecto do cancioneiro popular ou folclórico dopaís”. (FERRARETO, 2000, P.111).Junto com o apogeu do rádio ou a chamada Era de Ouro, de 1940 a 1950, surge tambémà implantação do Estado Novo no Brasil. A grande aproximação do país com os EUA, que játinha uma indústria cultural muito forte, incentiva e inspira as rádios brasileiras, e então asprogramações das rádios passam a produzir programas de auditórios, radionovelas, programas
  10. 10. 17humorísticos e cobertura esportiva. O Radiojornalismo também ganha impulso transmitindonotícias sobre a Segunda Guerra Mundial. Neste contexto o veículo adquire uma forma massiva ea Rádio Nacional passa a ser reconhecida como a primeira indústria cultural do Brasil. Então, aque inicialmente era uma empresa privada, foi encampada pelo Estado Novo de Getúlio Vargasem 8 de março de 1940, que a transformou na rádio oficial do Brasil. A Rádio Nacional passouentão a preparar a programação da Hora do Brasil.O presidente Getúlio Vargas percebeu a força do veículo e aliou como ninguém seusobjetivos políticos ao Rádio. A Propaganda política nesse veículo também teve seu maiormomento no governo ditatorial de Vargas, que sempre utilizou o rádio para narrar suas açõesgovernamentais. Nessa época a Rádio Nacional era considerada a voz oficial do governo.Muitas outras instituições de comunicação foram criadas ou encampadas pelo governo de GetúlioVargas como:a) A criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), que tinha comoobjetivo controlar a programação dos meios de comunicação. As emissoras não poderiamutilizar qualquer assunto que abordasse reivindicações trabalhistas, presos políticos,passeatas, organizações estudantis ou qualquer crítica ao governo. O poder do DIP era tãoforte que em 1940, 108 programas foram proibidos, segundo Luiz Artur Ferrareto (2000).b) Encampação da Rádio Nacional, o governo tomou posse da Rádio com a desculpa de ogrupo dono da emissora devia três milhões de Libras Esterlinas.Com o apoio financeirodo governo a rádio passa a se transformar no primeiro fenômeno da indústria deradiodifusão em 1940. “Na realidade, a Nacional constituí-se, assim, em um importanteinstrumento de influência na opinião pública”. (FERRARETO, 2000, p.115).c) A posse de todo o acervo do Jornal A Noite, da Rio Editora.Em 1938 a Radio Nacional lança o sucesso Curiosidades Musicais e 1941 passa a transmitira radionovela Em Busca da Felicidade e o Repórter Esso.
  11. 11. 18Em meio à tamanha crise a Rádio Nacional alcançou seu apogeu, tornando-se líder empublicidade e audiência. Provavelmente, por ter o apoio do governo e assim conseguia manter aopinião pública além de ter uma estrutura técnica de produção invejável para o setor na época.Programas de auditório surgiram gradativamente depois na Rádio Nacional, assim como osprogramas de humorísticos. Já o Repórter Esso é transmitido pela Rádio Nacional até 1962.Com a fortificação da televisão a Rádio Nacional passa a entrar numa era difícil. Nomandato de Juscelino Kubstichek a direção da Rádio Nacional pede um canal de televisão, noqual foi negado devido a pressões de Assis Chateaubriant que temia o poder da Rádio Nacional,pois o governo poderia tornar-se um concorrente desleal.Em 1964 o país sofre o Golpe Militar, e nesta época foi criado o Ministério dasComunicações. “Esse Ministério das comunicações, seria o estabelecimento de agênciasreguladoras”. (MELO, 1985, p.64). As criações da Voz do Brasil em 1935 e do Ministério dasComunicações em 1964 são sempre analisadas pelos autores de maneira hostil por teremcaracterísticas reguladoras. Ainda no Governo de Vargas foi criada a Divisão de Censura, pelaPolícia Federal que tinha a tarefa de censurar jornais, revistas e qualquer tipo de criação artística,cultural e musical. A Divisão de Censura além de vigiar as notícias publicadas, obrigava osmeios de comunicação a publicarem a posição do governo.De acordo com Ferrareto (2000), a pesquisadora Dóris Haussen aponta como motivos para adecadência da Rádio Nacional:a) A rotatividade de diretores a partir dos anos 50;b) A diminuição de verbas publicitárias que foram deslocadas para a televisão;c) A repetição dos mesmos programas;d) A demissão de radialistas após o Golpe Militar de 1964.Muitas maneiras foram criadas para que o governo impusesse seu poder sobre os meios decomunicação, principalmente o rádio, mostrando assim, a importância que este veiculo tem para adominação das massas. Não é para menos, porque o rádio é o meio massivo com maiorpenetração, além de utilizar uma tecnologia considerada barata, poder chegar a todos os lugares enão distinguir raça, religião ou classe social.
  12. 12. 19No ano de 1969, a censura chega ao seu poder máximo sobre as emissoras de rádio, sendo ogoverno um dos maiores anunciantes de todas as emissoras.Com reflexos da situação reinante e das relações dos proprietários de emissorascom o governo, a auto censura também se difunde. A ameaça de perda daconcessão incentiva esta prática. A publicidade governamental constitui-se emoutra arma nas mãos dos militares. Em muitas emissoras, especialmente as depequeno porte, as empresas e bancos estatais representavam parcelasignificativa do faturamento comercial.(FERRARETO. 2000, p. 154).2.2 Hora do BrasilAntes de todos esses fatos citados sobre o Rádio, destaca-se o objetivo do Estado emutilizar o rádio como meio de consolidar uma unidade nacional, principalmente com a divulgaçãodas realizações do governo de Getúlio Vargas. Esse objetivo foi colocado em prática com acriação do programa Hora do Brasil, em 22 de julho de 1935.Vargas demonstrava verdadeiro fascínio em unir sua política ao rádio, e lutava para quesuas palavras chegassem a varias cidades do país utilizando repetidoras, que se tornariam à cadeiade rádios da Hora do Brasil.A primeira transmissão do programa aconteceu no Rio de Janeiro, nos estúdios da RádioGuanabara, e já tinha como tema principal de abertura a ópera O Guarani, de Carlos Gomes. Esteprimeiro programa foi retransmitido para oito emissoras de rádio do Brasil.Nos dois anos seguintes, pós-criação Hora do Brasil, o país passaria por um sério clima deperseguição política. “Acenando com o perigo vermelho, embora Luís Carlos Prestes, estivessepreso desde o ano anterior, o governo anuncia, em 30 de setembro de 1937, na Hora do Brasil,um inexistente Plano Cohen, pretensamente preparado pelos comunistas para tomar o poder”.(FERRARETO, 2000, P.108).Então, diante de tais fervores políticos, neste mesmo ano o programa Hora do Brasil tornou-se obrigatório, sendo transmitido em rede nacional de segunda a sexta, das 18:45 ás 19:30. Oprograma deveria ser modelo de programação para as outras emissoras, não podendo falar mal dogoverno, noticiando detalhadamente os atos do presidente, sempre com programações culturais,
  13. 13. 20educativas e com musicas brasileiras. Esta seria a Era de Ouro para o programa, que há 68 anos étransmitido em rede nacional.No ano de 1939 o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) substitui o antigoDepartamento Nacional de Propaganda e Difusão Cultural, e em 1940, cerca de 108 programasde rádios foram proibidos apenas no Rio de Janeiro.No começo do processo de redemocratização do país (1946), o presidente Eurico GasparDutra, cede as pressões sobre a importância do programa radiofônico para o governo, e mantêm aHora do Brasil transformando-a em Voz do Brasil.2.3 Voz do BrasilNa década de 70 dois fatos marcantes demonstram ainda a forte presença do Estado namídia, o Projeto Minerva e a criação da Radiobrás.No dia 4 de outubro de 1970, o Ministério da Educação implantou com o seu serviço deRadiodifusão Educativa o Projeto Minerva, que ia ao ar de segunda a sexta, com um programade 30 minutos e de sábado e domingo com 1 hora e 15 minutos de duração. A programaçãoeducativa do Projeto Minerva ficou no ar durante 20 anos, apesar das diversas discussões sobreseus reais resultados, e então, na ressente data de 16 de outubro de 1989 ele saiu do ar.Em 1988 começou a vigorar a nova Carta Magna do país, e nela consta o item maisprimoroso da imprensa que é a liberdade de expressão, dessa forma o programa Voz do Brasilpassou a ser considerada inconstitucional. Por isso, após abertura política, as empresas de rádioentraram em uma luta judicial contra a obrigatoriedade de retransmissão do programa Voz doBrasil, e a emissora líder desta luta é a Rádio Eldorado.No dia 5 de Julho de 1995, um acidente na Marginal Pinheiros, parou a Capitalpaulistana. Com a finalidade de prestar um serviço de utilidade pública aosouvintes, a rádio Eldorado – Am entrou em contato com a Radiobrás e solicitoua permissão para atrasar a transmissão da Voz do Brasil naquele dia. O pedidofoi negado e o caos tomou conta se São Paulo até a madrugada, com as pessoaspresas no transito sem informações ou orientações. (SOUSA. 2000, p. 179).
  14. 14. 21Com o governo de transição do presidente José Sarney, o programa Voz do Brasil absorveuum formato mais democrático contendo noticias do Congresso e Poder Judiciário.A Voz do Brasil nasceu em meio a mudanças políticas que marcaram o nosso país. Seuobjetivo era ir ao ar com notícias sobre o governo. Até o ano de 2002, ao final do mandato dopresidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), o programa ainda mantinha o mesmo formato eobjetivo.2.4 A RadiobrásOutro marco comunicacional nascido na ditadura militar foi a Radiobrás. O governo tomouposse de 38 emissoras de rádio em todo Brasil, e para administrá-las foi criada a EmpresaBrasileira de Radiodifusão, a Radiobrás, em 15 de dezembro de 1975, que tinha como objetivos:I - implantar e operar as emissoras, e explorar os serviços de radiodifusão doGoverno Federal”;II - implantar e operar as suas próprias redes de repetição e transmissão deradiodifusão, explorando os respectivos serviços;III - realizar a difusão de programação educativa, produzida pelo órgão federalpróprio, bem como produzir e difundir programação informativa e de recreação;IV - promover e estimular a formação e o treinamento de pessoal especializado,necessário às atividades de radiodifusão;V - prestar serviços especializados no campo da radiodifusão;VI – exercer outras atividades, que lhe forem atribuídas pelo Ministério dasComunicações. (FERRARETO, 2000, p. 163).Mas na década de 80 a maioria das emissoras foi privatizada e até 1998 a Radiobrás aindaadministrava: Rádio Nacional da Amazônia (ondas curtas); Nacional AM e FM (Brasília);Nacional do Brasil (ondas curtas); Nacional AM (Rio de Janeiro); uma agencia de notícias(Agência Brasil); Rede Nacional de Rádio, (Serviço Radiofônico Via Satélite), com programaçãooriginária das rádios Nacional AM e FM, além das cadeias obrigatórias (Executivo Legislativo,Judiciário, e o radiojornal Voz do Brasil).
  15. 15. 223. PROCESSO DE DESCRIÇÃOO processo de Descrição é utilizado por Orlandi (2002), como uma das principais técnicaspara se compreender em totalidade um discurso. Deve-se entender todo o contexto do ObjetoEstudado, e todas suas vertentes, pois é este processo que dá sentido no processo discursivo. Porisso, a Descrição é a próxima etapa do CORPUS.O dispositivo, a escuta discursiva, deve explicitar os gestos de interpretação quese ligam aos processos de identificação dos sujeitos, suas filiações de sentidos:descrever a relação do sujeito com sua memória. Nessa empreitada, descrição einterpretação se inter-relacionam. E é também tarefa do analista distingui-lasem seu propósito de compreensão. (ORLANDI, 2002, p.60).3.1 A Radiobrás no Governo LulaEm 2003, uma das grandes mudanças da Radiobrás ficou por conta da nomeação deEugênio Bucci como seu novo presidente. Dentre os pontos anunciados por Eugênio Bucci estavauma nova proposta para o trabalho do órgão que seria cobrir notícias e eventos no qual nuncareceberam atenção por parte da área de comunicação do Governo Federal.Doutor em ciências da comunicação, Eugênio Bucci foi militante do grupo Liberdade eLuta (Libelu) e estava filiado desde a década de 80 ao Partido dos Trabalhadores (PT). Atuoudurante quatro anos como editor da revista Teoria em Debate, uma publicação do PT, e quandoassumiu o cargo como presidente da Radiobrás estava atuando como crítico de TV no jornal“Folha de São Paulo”.Eugênio Bucci não só propôs, mas também aplicou novas mudanças no programa Voz doBrasil, como, por exemplo, colocar a redação para cobrir Fórum Social Mundial Contra a Fome.De acordo com as reportagens da época, Eugênio Bucci quis aproximar o povo das políticasgovernamentais e estimular a participação popular. “Não quero mudança cosmética de estilo, devinheta. Mas sim mudança na interação com o publico”. (ÉBOLI, 2003, p.10 País.)
  16. 16. 23O Globo de janeiro de 2003 publicou que as emissoras de rádio e tv da Radiobrás,segundo Bucci, iriam atuar também na orientação da população em duas frentes: na prestação deserviço e de cidadania. “O país não pode viver sem a imprensa de mercado saudável, nãomonopolista. Ela é vital para fiscalizar o governo. Seremos um sistema de informaçãocomplementar”. (ÉBOLI, 2003, p.10 País.)Só no mês de agosto de 2003 onze notícias sobre a nova posição de Bucci na Radiobrásforam publicadas nos jornais de grande circulação como: O Globo, Folha de São Paulo, O Estadode São Paulo, Gazeta Mercantil e Jornal do Brasil. Em contrapartida em 2007 houve a discretasaída de Eugênio Bucci da presidência da Radiobrás. Ou seja, aclamado pela imprensa em 2003como o possível modificador do perfil duro da Voz do Brasil, Eugênio Bucci saiu de seu cargo deforma quase imperceptível pelos meios de comunicação.O jornalista José Roberto Garcez foi empossado como novo presidente da Radiobrás, nomês de abril de 2007. E de acordo com a imprensa, o próprio Eugênio Bucci deixou seu cargo àdisposição do presidente Lula.Apenas alguns sites abordaram o assunto, e um blog chamado Antimídia (2007), recebeuum artigo assinado por João Domingos da OESP, que dá conta de que a saída de Bucci seria porproblemas com o Partido dos Trabalhadores (PT), que queria mais participação das ações de Luladurante as programações da Radiobrás. O que foi resistido por Bucci, forçando sua saída.José Roberto Garcez afirmou que não fará nenhuma mudança na Radiobrás e quesua missão será manter a linha de jornalismo implantada por Bucci, tendo pelafrente os desafios do futuro. A Radiobrás vai participar ativamente do processo darede digital e da rede pública de TV (MARRA, 2007).O novo presidente da Radiobrás deverá envolver-se no projeto da TV Pública, que ogoverno lançou neste ano. Já especula-se que a Radiobrás será absorvida junto com a TVE para aRede Pública de Rádio e TV, executando um papel de espinha dorsal deste planejamento.3.2 Voz do Brasil: 1º Mandato do Presidente LulaDesde 1º de Janeiro de 2003, data de posse do presidente da República, Luiz Inácio Lula daSilva, muito vem se falando de mudanças na área comunicacional do governo.
  17. 17. 24O Brasil tem como presidente um político de base esquerdista, e apesar das diversasespeculações sobre suas atitudes avessas ao seu passado histórico político o programa Voz doBrasil não teve seu fim, pelo contrário, recebeu diversas modificações no primeiro mandato como objetivo de popularizar o programa.Em entrevista a revista Época, Aluízio Mercadante, político pertencente ao mesmo partidodo presidente, o PT, falou claramente sobre as mudanças que viriam a ocorrer no primeiromomento do Governo Lula em se tratando de áreas que até hoje causam furor. O governo deveráter políticas específicas de estruturação para alguns setores fortemente endividados em dólarcomo é o caso da Aviação e da Comunicação”. (TRAUMANN, 2002)Mudanças no texto, formato editorial, e técnicas foram às transformações que maischamaram a atenção dos empresários e jornalistas que são veementemente contra a Voz doBrasil.O chamado novo formato foi ao ar no dia 1º de setembro de 2003, o bloco inicial, a cargodo poder executivo, de 25 minutos, contava com quatro locutores e não dois como na época doFernando Henrique Cardoso. As reportagens são acompanhadas de comentários a respeito dostemas tratados. Todas as vinhetas foram modificadas, assim como a ópera O Guarani que ganhouum novo formato com timbales, samba e também sonoridades de índios cantando ao fundo.De acordo com o jornal O Estado de São Paulo em entrevista com Bucci, as mudanças eramimportantes, pois o programa guardava resquícios de períodos autoritários, quando a Voz doBrasil desempenhava um papel de convencimento ideológico. “O sentido da mudança é atenderao direito à informação. Por isso, fizemos o processo de atualização, na busca de fórmulacontemporânea à democracia”. (Radiobrás muda... 2003).3.3 Voz do Brasil 2007Em 2007 a Voz do Brasil enfrenta seu primeiro problema após o Tribunal Regional Federal(TRF) divulgar a decisão favorável a Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão(AGERT) sobre a flexibilização do horário de transmissão do programa. A entidade estátrabalhando para efetivar o benefício e já enviou a Anatel, em abril, a relação das cerca de 300emissoras associadas à entidade, que estão se beneficiando com a liminar conquistada,conseguida através da assessoria jurídica da associação.
  18. 18. 25De acordo com a decisão, a retransmissão do programa oficial pode ser efetuada até às 18h dodia seguinte. Como essa ação judicial partiu da associação gaúcha, apenas as suas filiais têm odireito concedido por lei.Outros estados brasileiros também mobilizam-se de alguma forma com relação ao programa,como por exemplo, o mandato da 1ª Vara Federal do Distrito Federal, que concedeu a 115emissoras de rádio do Norte e Nordeste do País o direito de retransmitir o programa a Voz doBrasil, às 19h de cada local. A Radiobrás, que distribui o sinal do programa do governo, queriaobrigar as emissoras que seguem fusos horários diferenciados a transmitir às 19h de Brasília. Omandado de segurança foi impetrado pela Associação Brasileira de Radiodifusão, Tecnologia eTelecomunicações (Abratel).Em resposta a esse repúdio da população com relação programa, mudanças estão sendoaplicadas. E o novo panorama da comunicação institucional do Governo Federal como o anúnciodo novo presidente da Radiobrás José Roberto Garcez, o projeto da Rede Pública de Rádio e TVe a posse de Franklin Martins para o Ministério das Comunicações deixa claro que astransformações já estão acontecendo. A Radiobrás e o programa Voz do Brasil serão tambéminseridas na rede que formará esse novo sistema comunicacional formulado pelo Governo Lula.Essas modificações são refletidas no discurso da Voz do Brasil desde 2003 dando aoprograma novas modificações e novas vozes.
  19. 19. 264. CLIPPING: REPERCUSSÃO NA MÍDIAEm uma Análise de Discurso é primordial situarmos o discurso em um contexto parasaber realmente o que ele quer dizer em suas entrelinhas. Não existe ferramenta paracontextualizar uma “Era” inteira, ou o quanto um programa pode alcançar ou não, a melhor formade contextualizarmos então esta época do Governo Lula e suas atividades relacionadas à Voz doBrasil e a Radiobrás, é o trabalho de clipping nos jornais ditos de grande circulação no Brasil.A autora Eni Puncinelli Orlandi aponta para esta vertente em seu livro DiscursoFundador: A formação do país e a construção da identidade Nacional (1993), onde ela destina umcapítulo inteiro para falar sobre como o discurso jornalístico constrói memória. E ainda, destelivro algumas páginas estão relacionadas só com Jornais Impressos.A análise do discurso jornalístico se faz importante e necessária já que este,enquanto prática social, funciona em várias dimensões temporais já que este,enquanto prática social, funciona em várias dimensões temporaissimultaneamente: capta, transforma e divulga acontecimentos, opiniões e idéiasda atualidade – ou seja, lê o presente – ao mesmo tempo em que organiza umfuturo – as possíveis conseqüências desses fatos do presente – e, assim,legitima, enquanto passado – memória - a leitura desses mesmos fatos dopresente, no futuro”. (ORLANDI, 1993, p. 33).Mas, de antemão, não pretende-se fazer uma análise de discurso nos jornais, mas apenasseparar determinados materiais que podem fornecer alguns subsídios para compreender como amídia acompanha as mudanças na Radiobrás e na Voz do Brasil, para que durante o trabalho deRádio Escuta seja percebido algum discurso inserido que remeta a temas abordados naqueletempo, ou seja, dar contexto.Então, antes das considerações seguem os pontos importantes encontrados no Clippingproduzido nos jornais: Folha de São Paulo, Jornal do Brasil e O Estado de S. Paulo que servirãoapenas para consulta. Segue:
  20. 20. 27RADIOBRAS – REDE PÚBLICA DE RÁDIO E TVa) TV PÚBLICA: GOVERNO PEDE PARCERIA COM INICIATIVA PRIVADA – Jornaldo Brasil, 22 de Março de 2007 – Economia A20 –Lorenna Rodrigues;b) UMA REDE NACIONAL DE TV PÚBLICA – Jornal do Brasil, 22 de Março de 2007 –Opinião A9 – José Dirceu;c) CHAPA BRANCA, TARJA PRETA, LUZ VERMELHA- Folha de São Paulo, 06 deAbril de 2007 – A2 Opinião - Nelson Motta;d) O DIREITO ÀS TVS ESTATAL E PÚBLICA – Folha de São Paulo, 18 de Abril de2007-Tendências/Debates-Opinião A3 – Celso Shoröder;e) O DESAFIO DE FRANKLIN – Jornal do Brasil – 27 de Abril de 2007 – Opinião A9 –Carlos Alberto Rabaça;f) É TUDO EM NOME DA TAL ‘DEMOCRACIA POPULAR’ – O Estado de S. Paulo –02 de Maio de 2007 – A2 Espaço Aberto;g) TV PÚBLICA DE LULA ESTRÉIA EM DEZEMBRO – Jornal de Brasil, 09 de Maio de2007 – A4 de País. Lorenna Rodrigues;h) FUTURA TV PÚBLICA PLANEJA USAR RECURSOS DE 3 FUNDOS – Folha de SãoPaulo – 09 de Maio de 2007 – Brasil A13 – Kennedy Alencar e Felipe Selignan;i) REDE PÚBLICA DE TV DEVE CUSTAR R$ 300 MULHÕES – O Estado de S. Paulo, 9de Maio de 2007 – A8 / Nacional – João Domingos;j) LULA QUER TV PÚBLICA NO PAC CULTURAL – Jornal do Brasil, 12 de Maio de2007 - A6 Brasil –Lorenna Rodrigues;k) LULA AFIRMA QUE JÁ AVISOU O PAPA QUE TV PÚBLICA SERÁ LAICA. Folhade São Paulo, 12 de Maio de 2007 - Brasil / A19-Eduardo Scolese;l) TV PÚBLICA – Folha de São Paulo – 15 de Maio de 2007 – Opinião A3 – GabrielPriole.
  21. 21. 28RADIOBRAS – VOZ DO BRASILa) EUGÊNIO BUCCI DEIXA A RADIOBRAS – Jornal do Brasil – 20 de Abril de 2007 –Caderno B-B3.* As matérias mais interessantes para este estudo estão em anexo para uma consulta maisaprofundada.4.1 Balanço Reflexivo do ClippingO clipping foi realizado nos jornais Folha de São Paulo, Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo no período de 20 de Março de 2007 a 15 de Junho do mesmo ano. Foram retiradas todas asreportagens que falavam sobre a TV Pública, Radiobrás, Voz do Brasil, Ministério dasComunicações e Lula e a mídia. Ao total foram retiradas 48 notícias sobre estes temas, mas volta-se a afirmar que só as notícias que envolvem a Radiobrás e Voz do Brasil realmente foramlevadas em consideração e que todas as notícias destacadas acima sobre a TV Pública deTelevisão também abordavam em seu texto a Radiobrás.Cada reportagem demonstra uma importância em seus dados quando são relacionadas àsdatas que são publicadas e o conteúdo da programação na Voz do Brasil.Mas podemos destacar pontos interessantes deste clipping, o primeiro é a possível utilizaçãoda Radiobrás como a espinha dorsal da programação da Rede Pública de Rádio e TV juntamentecom a TVE.Outro dado importante foi à discreta saída do presidente da Radiobrás Eugênio Bucci. Aocontrário do que ocorreu em 2003, apenas uma matéria no dia 20 de abril, foi publicada dandoconta da entrega do cargo. Em 2003 Eugênio Bucci assumiu a Radiobrás prometendo e aplicandomudanças na Voz do Brasil, e a imprensa publicou cerca de 9 (nove) matérias em apenas um mês,sendo elas, grandes reportagens, páginas inteiras e até capa de jornal.
  22. 22. 295. CONTEÚDO TÉCNICO INFORMATIVOPara esta parte da análise foram produzidas Fichas Técnicas de cinco programas escutadosda Voz do Brasil. Cabe lembrar que os programas foram gravados durante todas as sextas-feirasdurante 1 mês. Ou seja, quatro programas servirão de base para este levantamento técnico e oquinto programa do ano de 2003 servirá para a Análise Comparativa. Sabe-se que a sonoridade,quantidade de reportagens de órgãos federais, política, participação do presidente e participaçãopopular, ajudam muito na compreensão do direcionamento que a Voz do Brasil dá em seudiscurso. Por isso, a elaboração da Ficha Técnica mostra um panorama de como o programa éproduzido e seu objetivo, e assim oferece ferramentas de ajuda na Análise de Discurso.Então Segue:5.1 Fichas Técnicas1. Programa Voz do Brasil do Dia 29 de Março de 2007 - Posse de JoséRoberto GarcezNovamente grande destaque para notícias e entrevistas sobre os ministérios e com osministros. Mas as notícias sobre órgãos da administração indireta e sobre programas sociaisobtiveram um aumento exorbitante, passando da média de 5 por programa para 10 participações.Notícias referentes ao presidente Lula passaram de 1 por programa para 3 notícias, comopor exemplo, a sua visita a um centro de reciclagem de computadores patrocinado pelo Banco doBrasil e também da inauguração de uma fábrica da Hyunday, localizados em Goiás. Novamentereforçando a idéia que reportagens do presidente fora do eixo Brasília, Rio de Janeiro e São Paulotem uma maior cobertura. Ainda, houve a volta dos comentários, mas não tem cunhodenunciativo nem opinativo, mas apenas educativo sobre o tema LDO. Foi detectado também umnúmero maior de participações ilustrativas e de depoimentos.
  23. 23. 30NOTÍCIAS (Ao total 20 matérias)Ministros ou Ministérios (6-Seis Matérias)a) Ministério da Justiça capacitará agentes multiplicadores do Procon para conscientizarconsumidores. Entrevistas com representantes dos órgãos envolvidos;b) Ministério do Desenvolvimento Agrário e o IPEA lançam pesquisa sobre o Pronaf eempréstimos rurais;c) Ministério da Educação lança Programa de Qualificação Profissional nas escolas. Pró-Funcionário;d) Ministério da Cultura assumirá por completo as despesas do programa de preservação demonumentos históricos. Gilberto Gil fala sobre o Monumenta;e) Ministro da Educação fala sobre as ações do PAC da Educação;f) Ministro do Desenvolvimento Social fala sobre Programa de Segurança alimentar.Órgãos Federais e Programas Sociais (10 - Dez Matérias).a) IBGE faz mutirão no Paraná para retirar documentos de mulheres índias;b) Abertura e qualificação de novas escolas penitenciárias pelo Brasil;c) Contran alerta para a utilização de documentos originais ao dirigir;d) IBGE começa senso informatizado com palmtops;e) Escolas que integram o programa Escolas Irmãs participam de seminário em Brasília.Coordenadora do programa dá entrevista;f) Secretaria de Habitação fala sobre o programa Pró-moradia;g) Consulta ao 3º Lote do Imposto de Renda;h) Secretário Sérgio Vambert fala sobre campanha de valorização ao índio e também do 2ºPrêmio de Cultura Indígena;i) José Roberto Garcez assume a Radiobrás;j) Coordenadora do Peti em Brasília fala sobre novo sistema de acompanhamentoinformatizado do programa.
  24. 24. 31Presidente Lula (3-Três Matérias)a) Presidente Lula fala sobre energia como integração do continente;b) Participação do presidente Lula no programa desenvolvido pelo Banco do Brasil emBrasília, onde jovens reciclam computadores;c) Presidente Lula participa da inauguração da fábrica de carros da Hyunday em Anápolis,Goiás. (Pronunciamento).Notícias que não mencionam o GovernoNenhumaComentários (1-Um Comentário)a) Edila Lula fala educativamente sobre o que é e como funciona a Lei de DiretrizesOrçamentárias (LDO).Depoimentos (3-Três depoimentos)a) Líder dos índios caigang do Paraná fala sobre a luta para preservação de seu povo ecultura. DEPOIMENTO ILUSTRA MATÉRIA SOBRE CAMPANHA DEVALORIZAÇÃO DA CULTURA INDÍGENA;b) Estudante moradora do Gama em Brasília fala sobre o programa de recuperação decomputadores; DEPOIMENTO ILUSTRA A VISITA DE LULA AO PROGRAMA DERECUPERAÇÃO DE COMPUTADORES.c) Diretora de escola em Goiás fala sobre o programa Escola Irmãs.Outras Participaçõesa) Participação da ONG Acapuh sobre conscientização de consumidores.
  25. 25. 32LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais educativa e simples. Foram realizadas entrevistas com pessoas que nãoeram de órgãos federais como a diretora de escola e o representante da ONG. Houve doisdepoimentos que ilustram as matérias e facilitam o entendimento. Não foi percebida qualquerdificuldade com expressões mais técnicas, pois elas foram explicadas pelos locutores erepórteres. Houve um comentário educativo sobre LDO.Apoio Técnicob) Dois locutores, um casal. (Luciano Seixas (I) e Anelise Borges (II))c) Uma música de aberturad) Cinco vinhetas padronizadas do programa Voz do Brasil (3” segundos cada)e) Uma música ilustra, em BG o início da reportagem sobre valorização aos índios.f) Uma música de encerramento.g) Nenhum comercialParticipação de Outros Estados Brasileiros18 (Dezoito) notícias de Brasília e 1 (Uma de São Paulo) e 1 (Uma) de Goiás.Participação PopularO Programa demonstra ter declarações de pessoas que não são de órgãos federais. Osdois depoimentos tornaram o programa não tão hostil à participação popular. Mas sugestões ouperguntas dos cidadãos não são utilizadas no programa, seja por cartas, telefonemas ou e-mails.Existe um comentário educativo simples e direcionado a população explicando a LDO.
  26. 26. 332. Programa Voz do Brasil do Dia 28 de Abril de 2007-Dia Nacional emMemória às vítimas de Acidente do Trabalho.O programa teve o último trecho da série “Empregos para jovens brasileiros”, onde apósdizer números negativos, e veicular um depoimento de um jovem dando conta das dificuldadespara arranjar trabalho na zona rural ou pequenas cidades, entra como solução um repórter falandosobre os programas do governo federal que tem o intuito de melhorar o problema. Outro pontoque ilustra a matéria, e só foge do formato institucional, é a participação de representantes decomunidades como pescadores e indígenas cobrando o cumprimento do documento que estavasendo assinado naquele dia, sobre preservação e valorização cultural.Ainda, foi o grande númerode reportagens sobre ministérios.NOTÍCIAS (Ao total 8 matérias)Ministros ou Ministérios (5 – Cinco matérias sobre ações dos ministérios)a) Sete pessoas morrem por dia no Brasil vítimas de acidente do trabalho. O ministério daSaúde lança guia de prevenção;b) Lançamento da política que preserva a cultura nas comunidades locais. Ministério doMeio Ambiente assina documento que garante este programa;c) Série sobre os trabalhos desenvolvidos pelo Governo para melhorar os índices dedesemprego entre os jovens brasileiros. Hoje participação de representantes do Ministérioda Educação e Desenvolvimento Agrário;d) Fundo Nacional de Habitação do Interesse Social. Entrevista com representante doMinistro das Cidades sobre a participação dos estados e da população;e) Centro de Produção de cinema e Vídeo de Recife promovido pelo Ministério da Cultura.Entrevista com o secretário do Ministério;
  27. 27. 34Órgãos Federais e Programas Sociais (2 – Duas Matérias).a) A partir da próxima semana começa a funcionar a super-receita. O que muda na vida docontribuinte. Entrevista com secretário do INSS, Jorge Rachide;b) Programa da Polícia Federal em parceria com o Sest- Senat, com objetivo de levarinformação e saúde o para os caminhoneiros. Entrevista com Coord. Do projeto da PolíciaFederal.Presidente Lula (1 Matéria com entrevista do presidente)a) Presidente Lula discute a criação do Banco Sul em Buenos Aires, na Argentina.Notícias que não mencionam o GovernoNenhumaComentáriosNenhumDepoimentosa) Eloir Kuser, de 20 anos, fala sobre a dificuldade do jovem que mora na Zona Rural.ILUSTRA SÉRIE SOBRE AÇÕES DO GOVERNO EM COMBATE AODESEMPREGO NOS JOVENS.Outras Participaçõesa) Entrevistas de dois representantes de comunidades locais, uma indígena e outra depescadores que falam sobre a importância de preservação da cultura e a expectativa que ogoverno cumpra a promessa. ILUSTRA MATÉRIA SOBRE A POLÍTICA DEPRESERVAÇÃO DE CULTURA FEITA PELO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE.
  28. 28. 35LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais educativa e simples. Entrevistas com pessoas normais e depoimentosilustram as matérias e facilitam o entendimento. Não foi percebida qualquer dificuldade comexpressões mais técnicas, pois elas foram explicadas pelos locutores e repórteres. Não houvenenhum comentário ou artigo radiofônico sobre as notícias.Apoio Técnicoa) Dois locutores, um casal. (Luciano Seixas (I) e Anelise Borges (II))b) Uma música de aberturac) Cinco vinhetas padronizadas do programa Voz do Brasil (3” segundos cada)d) Uma música estilo rural ilustra, em BG, o depoimento do jovem sobre emprego.e) Uma música de encerramento.f) Nenhum comercialParticipação de Outros Estados Brasileirosa) 6 (Seis) Matérias de Brasília , 1 (Uma) do Recife e 1(Uma) Buenos Aires.Participação PopularO Programa demonstra ter uma pequena participação popular na sua produção denotícias, com o depoimento do jovem na série sobre emprego. Houve entrevistas com doisrepresentantes de comunidades indígenas e de pescadores durante lançamento de novo programado governo. Sugestões ou perguntas dos cidadãos não são utilizadas no programa, seja por cartas,telefonemas ou e-mails. Não existe nenhum comentário ou artigo radiofônico.
  29. 29. 363. Programa Voz do Brasil do Dia 11 de Maio de 2007-Encerramento doFórum Nacional de Tvs Públicas.Neste programa apesar de ter um número excessivo de matérias na área dos ministérios,seu roteiro foi todo voltado para pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), sobre consumo de cultura e lazer por parte dos brasileiros dando ênfase que a televisãoainda é o item mais presente na vida dos brasileiros, e também sobre o pronunciamento dopresidente Lula no Fórum de Tvs públicas. Não é percebida qualquer participação popular,entrevistas com pessoas que não sejam da área do governo. Ainda, poucas matérias têmfinalidade informativa importante para população em geral, como por exemplo: declaração doimposto de renda e a vacinação de índios, este por se tratar de um programa que atinge toda aregião norte do país, por isso a notícia torna-se importante e de cunho popular. Uma curiosidadetambém chama a atenção como notícia sobre a greve do IBAMA. Linguagem fácil, com poucostermos difíceis, e os que são necessários utilizar recebem logo uma explicação por parte doslocutores.Outro dado importante é que neste programa não existiu participação de outros estadosbrasileiros a não ser Brasília e Rio de Janeiro.NOTÍCIAS (Ao total 12 matérias)Ministros ou Ministérios (5 - Cinco Notícias)a) Representantes da Petrobrás e da estatal de petróleo boliviana vão se reunir nos próximosdias para formalizar a transferência do controle das duas refinarias da empresa brasileirana Bolívia;b) O Conselho Deliberativo do Fundo Amparo ao Trabalhador CODEFAT aprovou aliberação de quase nove bilhões de reais/ Esse dinheiro será usado para criação deempregos, renda e poderá ser retirado como empréstimo por empresas ou trabalhadoresem bancos públicos;
  30. 30. 37c) O prêmio Cultura Viva é uma ação do Ministério da Cultura com patrocínio da Petrobráspara incentivar grupos e pessoas que desenvolvem projetos neste setor;d) As instituições de ensino superior irão demorar mais tempo para aderir a programaUniversidade para Todos.e) O Ministério da Agricultura vai ter vinte e cinco milhões de reais para combater a febreaftosa em todo o país.Órgãos Federais e Programas Sociais (7 - Sete entrevistas com representantes).a) A segurança dos jogos pan-americanos ficará restrita as pessoas que participam de algumaforma do evento;b) Os servidores do instituto brasileiro de meio ambiente e dos recursos naturais renováveiso Ibama, decidiram entrar de greve a partir da próxima segunda-feira.c) Índios de todo país estão sendo vacinados contra várias doenças entre elas hepatite e febreamarela;d) O brasileiro tem fome de cultura. Uma pesquisa revela que as famílias do país gastamparte do orçamento do mês com discos, livros e filmes e entre outros bens culturais;e) A inflação oficial do país, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística o I-B-G-E recuou no mês de abril;f) Acabou no dia 30 de abril o prazo para as pessoas que ganharam mais de R$ 14.992,32declarassem o imposto de renda.Presidente Lula (1- Uma matéria com trecho de pronunciamento)a) O presidente Lula participou do último dia do Fórum Nacional de Tvs Públicas queaconteceu nessa semana aqui em Brasília.Notícias que não mencionam o GovernoNenhumaComentáriosNenhum
  31. 31. 38DepoimentosNenhumLinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais educativa e simples. Pequenos exemplos ilustrando as matériasfacilitam o entendimento. Não foi percebida qualquer dificuldade com expressões mais técnicas,pois elas foram explicadas pelos locutores, repórteres ou comentaristas. Não houve nenhumcomentário ou artigo radiofônico sobre as notícias.Apoio Técnicoa) Dois locutores um casal. (Luciano Seixas (I) e Anelise Borges (II))b) Uma música de aberturac) Cinco vinhetas padronizadas do programa Voz do Brasil (3” segundos cada)d) Duas músicas com efeitos ilustrativos para BG durante matéria. (Titãs e Natiruts)e) Uma música de encerramento.f) Nenhum comercialParticipação de Outros Estados Brasileirosa) 8 (Oito) Matérias de Brasília e apenas 1 (Uma) do Rio de Janeiro.Participação PopularO Programa não demonstra ter participação popular na sua produção de notícias. Nãohouve entrevistas com pessoas que fossem representantes de algum órgão federal. Sugestões ouperguntas dos cidadãos não são utilizadas no programa, seja por cartas, telefonemas ou e-mails.Não existe nenhum depoimento popular ilustrando as matérias.
  32. 32. 394. Programa Voz do Brasil do Dia 18 de Maio de 2007 – Dia Nacional deCombate a Exploração InfantilAlguns pontos diferenciais dos outros programas como, por exemplo, as três notíciassobre a ida do presidente Lula ao Tocantins. Outros atos do presidente não tiveram tantarepercussão, quanto esta, por isso, entende-se que este número de reportagens é porque assolenidades saíram do eixo Brasília, Rio de Janeiro São Paulo. E este número mostra que osassuntos que envolvem a região norte têm uma boa abertura no programa.Ponto positivo foi à participação de pessoas não ligadas ao governo dando exemplos efalando sobre os problemas no Combate a Exploração Infantil, como, por exemplo, entrevistascom psicóloga, socióloga e representante de ong que lidam com o problema.Ainda houve participação de mais de dois estados, sendo parte integrante deste programanotícias de Brasília, Tocantins e Recife.NOTÍCIAS (Ao total 8 matérias)Ministros ou Ministérios (1 – Uma matéria)a) O Ministério das Cidades quer que capitais brasileiras instalem sistema de medidoreseletrônicos de velocidade.Órgãos Federais e Programas Sociais (3-Três matérias).a) Reportagem especial sobre o Dia Nacional de Combate a Exploração Infantil. Sãoabordados temas sobre os programas de mapeamento da Polícia Federal e Sentinela doGoverno Federal e ainda a assinatura do Pacto de Santarém para combater a prostituição.b) Caravana contra a corrupção elaborada pela Controladoria Geral da União (CGU). Vice-prefeito de Vitória (ES) fala sobre a Caravana da CGU.c) UFMG avalia o programa Bolsa Família a pedido do Ministério do DesenvolvimentoSocial.
  33. 33. 40Presidente Lula (3-três matérias)a) Presidente Lula durante solenidade no Tocantins fala sobre a Operação Navalha, montadapela Polícia Federa. Dilma Roussef também fala sobre o assunto.b) Presidente Lula inaugura ferrovia Norte Sul no Tocantins e em seu pronunciamento falasobre a possível melhora nos programas sociais.c) Ainda na viagem do presidente cobertura ao lançamento do laboratório de Biodiesel naregião.Notícias que não mencionam o Governo (1-Uma matéria)a) Entrevista com a presidente da ONG Coletivo Mulher Viva de Recife que fala sobre otrabalho com mulheres da região. Ainda as declarações demonstram um certo cunhodenunciativo.ComentáriosNenhumDepoimentosNenhumOutras Participaçõesa) Psicóloga fala sobre os traumas causados a uma criança após sofrer abuso sexual ouexploração infantil.b) Socióloga fala sobre os graves problemas enfrentados pelas meninas que vão às rodoviasse prostituir.
  34. 34. 41LinguagemA linguagem mostrou-se accessível com poucas expressões técnicas, e as notícias foramelaboradas de forma mais educativa e simples. Foram utilizadas entrevistas com profissionais daárea de psicologia e sociologia para falar sobre exploração infantil. Não houve depoimentos queilustram as matérias e facilitam o entendimento. Não foi percebida qualquer dificuldade comexpressões mais técnicas, pois elas foram explicadas pelos locutores e repórteres. Não houvenenhum comentário ou artigo radiofônico sobre as notícias.Apoio Técnicoa) Dois locutores, um casal. (Luciano Seixas (I) e Anelise Borges (II)b) Uma música de aberturac) Cinco vinhetas padronizadas do programa Voz do Brasil (3” segundos cada)d) Uma música ilustra, em BG o início da reportagem sobre exploração infantil.e) Uma música de encerramento.f) Nenhum comercialParticipação de Outros Estados Brasileirosa) 3 (Três) notícias de Tocantins, mas veiculada de Brasília e 4 (quatro) de Brasília e 1(Uma) de Recife.Participação PopularO Programa demonstra ter declarações de especialistas nas áreas de psicologia esociologia sem falar do governo apenas para avaliar a situação das crianças exploradas. E aindauma entrevista com a presidente de uma ONG. Sugestões ou perguntas dos cidadãos não sãoutilizadas no programa, seja por cartas, telefonemas ou e-mails. Não existe nenhum comentárioou artigo radiofônico.
  35. 35. 426. ANÁLISE DISCURSIVAPor se tratar de uma análise de discurso em um objeto onde sua linguagem situa-se atravésde meio tecnológico montamos para o CORPUS proposto pela pesquisadora Eni PuncinelliOrlandi (2002) uma parte metodológica que vai além da leitura textual, mas que englobasonoridades, quantidade de entrevistas, participação popular e outros itens destacados em FichasTécnicas. Pois, a estrutura do Roteiro pode nos trazer muitas pistas para a análise discursiva.“Com as novas tecnologias de linguagem, à memória carnal das línguas ‘naturais’ juntam-se asverias modalidades da memória metálica, os multi-meios, a informática, a automação”.(ORLANDI, 2002. P. 10).Para esta etapa foi feito um trabalho de Rádio Escuta de Março a Julho de 2007. Destes,foram gravados quatro programas Voz do Brasil aleatoriamente, onde foi produzido um trabalhode Rádio-Escuta, elaboração de Fichas Técnicas e roteirização de alguns programas. Após estepercurso foi feito um balanço do conteúdo, e depois uma analise do discurso. Ainda, estãodisponíveis dois roteiros decupados (em Anexo), para uma consulta comparativa. Foramroteirizados programas de 2007 e de 2003.6.1 A primeira Escuta não é a realA primeira vista, ou primeira escuta do programa, surge um ímpeto de animação, pois oslocutores e a estrutura Técnica do programa levam a entender muitas modificações daquela Vozdo Brasil que tinha um formato genuinamente “ranço”. Mas com a continuidade nas escutaspercebeu-se que as Vozes circulam em dois tipos de discursos o de “Governo Popular” e“Autoritarismo”, e transformam-se numa ferramenta que funciona com objetivo de “reconstruirsentidos”.Deixar o programa com um formato mais leve e com poucas participações do presidenteseria a receita do bolo. Mas ao produzir programas temáticos, fechados em um roteiroprogramado para mostrar determinados assuntos tiram a possibilidade de entender o programacomo não sendo “Chapa Branca”, por exemplo, escutou-se durante os programas fechados temascomo Exploração Infantil, Emprego para Jovens e Cultura e Televisão no Brasil. O detalheinteressante é o programa não mostrar um panorama ou várias opiniões, nem análises ou
  36. 36. 43comentários, mas apenas números, investimentos e pequenos depoimentos de no máximo duaspessoas no qual são vazios, e quando tem conteúdo, mesmo que seja minimamente crítico, sãorespondidos de forma simpática com um rolo compressor de números positivos do governofederal.Um programa mantido como instrumento de comunicação imposta durante todo períodomilitar, teve uma postura muito idêntica no ano de 2007 ao escolher para o programa de 11 deMaio trechos do pronunciamento de Lula, onde foi dito “A imprensa no Brasil não ajuda nademocracia”, é bem autoritário.Outro ponto interessante no chamado discurso do Governo Popular é utilizar semprenotícias da região Norte do país, mesmo tendo percepções errôneas, pois dá a entender que apopulação daquela Região é formada apenas por aldeias indígenas e por locais que cultivam oBiodisel; é como se dissesse que no nordeste só existe seca e fome. Desta forma construindo umarealidade de que aquela região não tem necessidades reais para serem abordadas em um programade rádio como, doenças, fome, falta de infra-estrutura, saúde, educação e sérios problemasambientais. Mais difícil ainda é chegar à conclusão que muitas pessoas daquelas regiões não tema opção de escutar outros programas de proporção nacional para informar-se, mas muitas vezesapenas a Voz do Brasil para instruir-se minimante.Em quatro programas utilizados para exemplificar este trabalho foram levantadosmatematicamente os seguintes números:ASSUNTO NÚMERO MÉDIA POR PROGRAMA TOTALMinistérios 17 matérias 4,25 veiculadas p/ programa 4,25Lula 8 matérias 2 veiculadas p/ programa 2Órgãos ou Prog. Sociais 22 matérias 5 veiculadas p/ programa 5Participação Popular 6 particip. 1,5 veiculadas p/ programa 1,5Comentário Educativo 1 comentário 0,25 veiculadas p/ programa 0,25Depoimentos Populares 3 depoiment. 0,75 veiculadas p/ programa 0,75QUADRO 1: Média de matérias publicas por tema em cada programa
  37. 37. 44Diante deste quadro vemos que apesar da tentativa de transformar o programatecnicamente e textualmente mais popular, esta postura não é verídica, pois, a real participaçãopopular, ou qualquer direcionamento de serviço à população é irrisório.6.2 Processo Discursivo“O que caracteriza o discurso, antes de tudo, não é seu tipo, é seu funcionamento”.(ORLANDI, 2002, p.86). A Voz do Brasil neste primeiro ano do 2º mandato do presidente Lulaapresenta um paradoxo de discursos onde na verdade tem o mesmo objetivo, são eles: o discursodo “Governo Popular” e outro do “Autoritarismo”. Os dois funcionam de maneira que apostura assumidamente popular do Governo Lula deve ser utilizada, usando diversos recursos,para veicular dados e números positivos do governo com objetivo que acobertar midiáticamentepossíveis críticas.Dentro dos discursos foram percebidas as seguintes vozes:Voz do não dizer: Que está presente nas participações populares que não tem o objetivode democratizar opiniões, mas apenas de ilustrar os atos do governo, ou seja, mascarar otom institucional;Voz do Calar: Esta foi a mais interessante e freqüentemente percebida, onde duranteentrevistas os participantes fazem algum apontamento negativo sobre o governo eimediatamente entram referencias sobre investimentos e ações nesta área criticada, assimcalando o verdadeiro discurso denunciativo ou crítico do entrevistado;Voz do Autoritarismo: Esta Voz foi encontrada nos dois últimos programas analisados,onde os números das participações do presidente e ministérios subiram assustadoramente.Tais números são reflexos da mudança de presidentes da Radiobrás e também das sériascríticas de Lula a imprensa aberta no Brasil, devido a grande abertura concedida pelos
  38. 38. 45meios de comunicação às denúncias que envolvem políticos de sua esfera ministerialcomo José Dirceu e Luiz Gushiken, também a crise nos aeroportos e as sérias denúnciascontra seu irmão conhecido como Vavá. Essas denúncias ferveram os meios decomunicação aberta na mesma época dos meses de analises da Voz do Brasil;Voz da Ditadura: Voz encontrada principalmente no programa do dia 11 de Maio, comonde percebeu-se que todo o programa foi montado para que o ouvinte levasse a crer quea TV aberta e a imprensa no Brasil não é democrática. Nesta Voz é encontrado umInterdiscurso que na verdade tem o objetivo de enfrentar a críticas feitas contra opresidente que anunciou a criação da Rede Pública de Rádio e Televisão. Tal Vozencontra-se baseada na Memória do programa;Voz da prestação de serviço: Algumas matérias e os poucos comentários dão aoprograma uma “rala” espessura de formato popular e informativo;Voz do Norte do Brasil: Percebeu-se que em todos os programas existem assuntos queinteressam a região Norte do país como, por exemplo: vacinação dos índios e o Programade Preservação de Cultura Local. Talvez pela dificuldade de comunicação em toda aquelaregião, e sabendo que a Voz do Brasil alcança tais localidades, o programa sempre colocapequenos trechos de informação que parecem ter o interesse daquela população. A ida dopresidente a Tocantins, por exemplo, teve ampla repercussão. Ou seja, uma populaçãocarente de informação que em geral tem base informativa na Voz do Brasil, o que faz sermais escassa ainda a fonte democrática informação;Voz do Esquecimento: Esta Voz está presente em todos os programas ao perceber queapenas os estados do Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo e Recife têm umacontínua participação. Goiás e Tocantins só tiveram vez devido à visita do presidentenestes estados. Ou seja, Não existem notícias da Paraíba, Bahia, Acre, Espírito Santos,Rio Grande do Sul e etc. As notícias se concentram 90% em Brasília, nos ministérios;
  39. 39. 46Voz do Partido dos Trabalhadores: Voz encontrada no processo de Descrição sobre oprimeiro mandato de Lula e a Voz do Brasil, onde o formato popular dado ao programacontinua sendo utilizado. O formato técnico e sonoro remete as publicidades do PT noprimeiro mandato de Lula;Voz da Liberdade: Voz encontrada no processo de Memória e Descrição onde demonstraque desde a criação da Voz do Brasil existe um consenso de que o programa é fruto de umapolítica ditatorial, vai contra a Lei da Imprensa e Constituição Brasileira e ainda sofre muitosprocessos e ações de rádios e estados contra sua veiculação. O movimento de mudanças noprograma e falta de ouvintes para ele demonstram uma Voz em oculto que é da populaçãopedindo silenciosamente que o programa acabe, e assim passe a ter fora de seu cotidiano umresquício de memória carregada de pontos negativos. Uma Voz de busca pela liberdade.
  40. 40. 477. ANÁLISE COMPARATIVAO programa Voz do Brasil de 2003 apresentava discursos e vozes ligados à ideologia doPartido dos Trabalhadores. Todo o novo formato dado ao programa, nova abertura e jingles,segue o padrão da publicidade televisa utilizada pelo partido naquela época. Agora em 2007 esteformato ainda é utilizado, mas sem jingles específicos para cada tema apresentado no programacomo: Economia, Educação etc.Algumas notícias sobre previsão do tempo e os comentários ou artigos radiofônicosdavam características de programa informativo e principalmente mais democrático, pois oscomentários não eram educativos, mas continham muitas críticas e até posturas contrárias aogoverno. Chegou-se a especular que se as mudanças continuassem e fortalecessem a Voz doBrasil ela teria ferramentas reais para lutar pela sua continuidade.Mas agora no programa de 2007, percebeu-se mais cuidado ao fazer o programa e menosentusiasmo. Muitos programas gravados com temas e objetivos próprios parecem ser agora parteintegrante da programação, a participação dos estados caiu da mesma forma que a participaçãopopular tornou-se mera ilustração para propagandas dos números do governo.Os comentários agora são esporádicos e têm cunho educativo como, por exemplo, asobrigações da Receita Federal e para que serve a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).Em 2003 entre os governos de FHC e Lula a Voz do Brasil optou por diminuir as notíciasdo presidente e ministérios para dar abertura a curiosidades, pontos positivos e problemas deesfera federal de todo Brasil, mas agora o programa fechou-se em Brasília com um aumentosignificativo nas reportagens do presidente, ministérios e órgãos federais.Essas modificações já são sentidas após a saída de Eugênio da Bucci da Radiobrás e aentrada de José Roberto Garcez para o cargo de presidente do órgão.Para exemplificar, em 2003 eram transmitidas média de 1 notícia sobre Lula, 6 dosMinistérios, 5 de outras relacionadas ao governo, 2 não mencionavam o governo nem direta ouindiretamente, 4 artigos radiofônicos, 3 depoimentos e participações de Brasília, Pernambuco,São Paulo e Curitiba.Ou seja, em sua primeira proposta de transformação havia sim o interesse de atrair aatenção das pessoas não só no formato, mas nos diferenciais como participação popular e artigos
  41. 41. 48radiofônicos. Ainda entram na lista as informações que não são ligadas ao governo e que foramveiculadas. A previsão do tempo também ilustrava e dava um ar de radiojornalismo ao novoformato que se apresentara naquela época.Agora em 2007 o cuidado na produção das notícias é maior. Nada entra sem ter mençãoao Governo Federal. Ano também em que o presidente deixou claro que não irá subestimar aimprensa, ou seja, não é simples acaso tal modificação, tal introspecção no formato popular daVoz do Brasil que deixa claro estar mais Autoritário utilizando ferramentas que apenas tentamdeixá-la mais populista.
  42. 42. 49CONSIDERAÇÕES FINAISQuando percorremos todo este processo analítico é impossível não comentar emconsiderações finais o fato de que a Voz do Brasil no segundo mandato do presidente Lulasempre nos remete a comparações com o passado. Mas não porque Lula é o centro desteapontamento, mas sim porque a Voz do Brasil voltou a percorrer fortes trilhas de autoritarismo eainda utilizando um formato populista para deixá-lo mais leve. Até o termo populista já nosremete ao termo “Voltar aos braços do povo” como assim foi com Getúlio Vargas e sua maneirainteligentemente populista de Governar.A Voz do Brasil em 2003 tomou gás, respirou em uma nova onda política que tomavaconta do país, o de expectativas de transformações severas e para melhor. O primeiro intuito foipensar: A Voz do Brasil terá um fim?Apesar de Eugênio Bucci deixar claro em pequenas conversas por e-mail que sim, foicogitada essa idéia, mas que logo pensou-se em transformar a Voz do Brasil, fui remetida a outrocontexto histórico escrito no Processo de Memória, onde o presidente Dutra foi convencido que aHora do Brasil não deveria acabar e sim transformar-se em na Voz do Brasil.A Voz do Brasil no Governo Lula, pelo jeito, também foi convencida que pode ter seulugar como ferramenta importante. E destaco que diante das primeiras modificações no ano de2003 era de se esperar que a Voz pudesse adquirir um lugar institucional e responsável deinformação, assim como diversos países têm emissoras governamentais como Estados Unidos eLondres.Ainda estamos longe do fim e perigosamente voltando a caminhos obscuros. GovernoPopular com objetivos Autoritários. Uma realidade, que lógico e claramente, é diferente daquelestempos, mas que verificamos ser amplamente utilizada na Voz do Brasil.Apesar disso, sempre encontramos estudos da Voz do Brasil, mas sempre remetendo aeste passado, sem dar conta de que modificações mais importantes estão acontecendo agora e quesó contextualizamos ela se entendermos o passado histórico do Brasil.A Voz do Brasil nada mais tem sido que um espelho das reais ações do Governo Federal,onde o Popular e o Autoritário se misturam de forma até homogenia, ou seja, sem que realmenteincomode, ou seja, perceptível.
  43. 43. 50Não é a toa que muitos atos, até criminosos, de líderes como Hugo Chaves e Fidel Castro,são encobertos por sua popularidade e acabam transforma-os em ícones.Mas, por muitas outras transformações a Voz do Brasil passará, isto já é visto em umfuturo não muito distante com a ampliação do plano comunicacional do governo para o Brasil,principalmente com a criação da Rede Pública de Rádio e Televisão, onde especulações já dizem,que a Radiobrás, produtora da Voz do Brasil, será a espinha dorsal do projeto juntamente com aTVE Brasil.Preocupante nesta situação não são as cidades que lutam contra a Voz do Brasil com umdesapercebido desligar de Rádio exatamente às 19h, mas está no momento em que milhares debrasileiros ligam o Rádio exatamente nesta hora apenas para escutar a Voz do Brasil, porque é oúnico ou maior meio que veicula notícias, de amplitude nacional. E que estas pessoas não tempara onde ligar, denunciar, protestar e alertar para os problemas de sua comunidade e região. Nãodefendo aqui os programas com objetivos sensacionalistas e denunciativos, mas diante destasituação vejo uma mordaça invisível envolta dessas pessoas, uma mordaça da impossibilidade dese informar e de comunicar.Mais antidemocrático é obrigar emissoras comerciais a pararem suas transmissões paraesta Voz Oficial, não é a toa que a maioria dos noticiários radiojornalísticos entram“grudadinhos” com a Voz do Brasil e quando ela termina só se quer voltar a escutar música.Voltasse a uma outra realidade ilusória, boa ou não, mas dos dias atuais do cotidiano.Além de carregar a obrigação de sempre ter o oficial na sua programação cotidiana deinformação, a população também se depara com os interesses publicitários e políticos de nossaimprensa aberta. Não é a toa que as Rádios Piratas e Comunitárias nascem e crescemassustadoramente, ou digamos luta crescentemente para veicular o dia a dia real de forma simplese sincera. Com sua cultura, realidade, sua publicidade, sotaque e problemas.Idéia interessante dar finalmente o poder do “público” para o domínio da população, eentão começar a construir finalmente uma democratização dos meios de comunicação.Destaco que está situação já havia sido abordada por alguns estudiosos da área como oautor Guy Debord (de forma mais severa) em A Sociedade do Espetáculo (1997), e Giddens,onde de forma mais consciente, ele fala sobre a necessidade de construir uma memória crítica, tereducação e meios para poder dar “o público” de forma responsável à população, ou dar-lheferramentas para ter discernimento do bom e do ruim. Pois, se a população apoderar-se do meio
  44. 44. 51sem itens fundamentais para uma postura ética, corre-se o risco de começar a praticar o que jáexiste em nossos meios. É o que de acordo com Luis Carlos Fridman (1999), Giddens quis dizercom “Cidadania reflexiva em um mundo globalizador”.O que adiantaria não ter a Voz do Brasil, mas permitir concessões de Rádio porapadrinhamento político? Continuaremos não tendo um radiojornalismo no mínimo confiável.Desta forma, corremos o risco de perder a grande oportunidade de realmente democratizar osmeios de comunicação e até não aproveitarmos melhor os meios de comunicação em seu formatodigital.Mas a questão é, a Voz do Brasil vem perdendo uma oportunidade histórica de realmenteter um radiojornalismo de qualidade, pois estamos em um governo “dito popular”, e infelizmenteesta vertente tem tomado rumos de “autoritarismo”, às vezes até “truculento”. O roteiro doprograma demonstra isto. E assim, fortificando a idéia que a Voz do Brasil, mesmo comtransformações estéticas não cumpre um papel democrático e nem ajuda na prestação de um bomserviço à população.
  45. 45. 52REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASDEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro, Ed: Contraponto, 1997.DIRCEU, José. Uma Rede Nacional Pública de TV. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 22mar. 2007. Opinião, p. A9.DOMINGOS, João. Rede Pública de Tv deve custar R$ 300 milhões. O Estado de S. Paulo,São Paulo, 09 maio. 2007. Nacional, p. A8.ÉBOLI, Evandro. Bucci assume a Radiobrás e afirma: “Vamos mostrar tudo”. O Globo, Riode Janeiro, 29 jan. 2003. O País, p.10.ELEIÇÕES 2002: História - 1990 - Fernando Collor de Mello. Folha On line, São Paulo.1999. Disponível em <www.folhaonline.com.br>. Acesso em: 20 maio. 2007.FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise do Discurso: reflexões introdutórias. Goiânia:Ed. Trilhas Urbanas, 2005.FRANKLIN Martins aceita ser ministro da Comunicação Social. O Estadão, São Paulo.2007. Disponível em <www.estadao.com.br>Acesso em: 22 mar. 2007.FERRARETO, Luiz Arthur. No Ar Rádio: o Veículo, a História e a Técnica. Rio Grande doSul: Ed. Sagra, 2000.FILHO, Milcheades. Acabou o Telecurso. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 abr. 2007.Opinião, p. A2.FRIDMAN, Luís Carlos. Pós Modernidade: sociedade da imagem e sociedade doconhecimento. Trabalho entregue ao Departamento de Sociologia da Universidade FederalFluminense (UFF), Rio de Janeiro.1999.FUTURO ministro de imprensa critica cultivo de mídia simpática. Folha On Line, Março de2007. Disponível em <www.folhaonline.com.br>. Acesso em 11 abr. 2007.GOVERNO quer rede pública para temas que estão fora de TVs comerciais, diz Dulci.Agência Brasil, Março de 2007. Disponível em: <www.agenciabrasil.com.br>. Acesso em:14 mar. 2007.HEILIGENDAMM, Brasileiro atenua apoio a Chaves. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 09jun. 2007. Internacional, p. A-14.LULA defende Vavá e critica a mídia. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 13 jun. 2007. País,p. A3.
  46. 46. 53MARQUES, Gerusa. Setor pode ter nova lei geral. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26 abr.2007. Negócios, p. B19.MARRA, Ana Paula. Jornalista José Roberto Garcez assume a presidência da Radiobrás.Agência Brasil, Brasília, 26 abr.2007. Disponível em<http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/04/20/materia.2007-04-20.5884623128/view. Acesso em: 02 set. 2007MATAIS, Andreza. Berzoini quer controle da mídia em eleição. Folha de São Paulo, SãoPaulo, 25 abr. 2007. Brasil, p. A5.MATTOS, Laura. Radiobrás não será chapa branca, diz Bucci. Folha de São Paulo, SãoPaulo, 29 jan. 2003. Folha Ilustrada, p. E3.MATTOS, Laura. Governo cede e adia classificação da tv. Folha de São Paulo, São Paulo,12 maio. 2007. Ilustrada/Brasil, p. A18.MATTOS, Sérgio. Mídia Controlada: A história da Censura no Brasil e no Mundo. SãoPaulo: Ed. Paulus, 2005.MINISTRO prevê debate sobre novo marco legal para TV pública no segundo semestre.Agência Brasil, Brasília. 2007. Disponível em <www.agenciabrasil.com.br>Acesso em: 20abr. 2007.MONTEIRO, Tânia. Para Lula, Imprensa inibe turismo por só dá notícia ruim. O Estado deS. Paulo, São Paulo, 14 jun. 2007. Nacional, p. A9.MOTTA, Nelson. Chapa Branca, Tarja preta, Luz Vermelha. Folha de São Paulo, SãoPaulo, 06 abr. 2007. Opinião, p. A2.O NOVO presidente da Radiobrás. Observatório da Imprensa. 2007. Disponível em<www.observatoriodaimprensa.com.br>. Acesso em: 24 maio. 2007.ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso: princípios e Procedimentos. São Paulo: Ed Pontes,2002.ORLANDI, Eni P. Discurso Fundador. A Formação do País e a Construção da IdentidadeNacional. Campinas SP: Ed. Pontes, 1993.PRETI. Renata. Fala, Lula. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 maio. 2007. Brasil, p. A4.PRIOLE, Gabriel. Tv Pública. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 Maio. 2007. Opinião, p.A3.RABAÇA, Carlos Alberto. O desafio de Franklin. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 27 abr.2007. Opinião, p. A9.
  47. 47. 54RADIOBRAS muda formato da Voz do Brasil.O Estado de S. Paulo, São Paulo. 2003.Disponível em <www.estado.estadao.com.br>. Acesso em: 11 set. 2003.RÁDIOS CRITICAM Anatel. Adital Notícias da América Latina e Caribe, Ceará. 2005.Disponível em << http://www.adital.org.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=17802>> .Acessoem: 14 out. 2007DA REDAÇÃO. Eugênio Bucci deixa a Radiobrás. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 abr.2007. Caderno, p. B-B3.RODRIGUES, Lorenna. Tv Pública: Governo pede parceria com iniciativa privada. Jornaldo Brasil, Rio de Janeiro, 22 mar. 2007. Economia, p. A20.RODRIGUES, Lorenna. Tv Pública de Lula estréia em Dezembro. Jornal de Brasil, Rio deJaneiro, 09 Maio. 2007. País, p. A4.RODRIGUES, Lorenna. Lula quer TV Pública no Pac Cultural. Jornal do Brasil, Rio deJaneiro, 12 de Maio. 2007. Brasil, p. A6.ROSSI, Clóvis. Ato de Chávez ao fechar TV foi democrático, diz Lula. Folha de SãoPaulo, São Paulo, 8 jun. 2007. P. A 4.SEABRA, Giovanni Farias. Pesquisa Científica: o Método em Questão. Brasília: Ed. UNB,2001.SELIGNAN, Kennedy; ALENCAR, Felipe. Tv Pública planeja usar recursos de 3 fundos.Folha de São Paulo, São Paulo, 09 Maio. 2007. Brasil, p. A13.SCOLESE. Eduardo. Lula afirma que já avisou o Papa que a Tv Pública será Laica. Folha deSão Paulo, São Paulo, 12 Maio. 2007. Brasil, p. A19.SHORÖDER, Celson. O direito as Tvs Estatal e Pública. Folha de São Paulo, São Paulo,06 abr 2007. Tendências / Debates – Opinião, p. A3.SOUSA, Moacir Barbosa de. Evolução do Radio Paraibano. Tese de doutorado – Escola deComunicação e Artes (ECA), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.TEREMOS com Franklin Martins a rede pública de TV? Portal Vermelho, 2007.Disponível em <www.vermelho.ong.br> . Acesso em: 11 abr. 2007.TRAUMANN, Thomas. A crise é de FHC. Revista Época. Ed. Globo, 14 Out.2002.Entrevista, p.13-17.TV PÚBLICA não pode perder o “trem da era digital”, diz Franklin Martins. AgênciaBrasil, Brasília.2007. Disponível em <www.agenciabrasil.gov.br> . Acesso em: 11abr. 2007.
  48. 48. 55VASCONCELOS, Emilyn J. C. As transformações no programa Voz do Brasil:Primeiros meses do Governo Lula. Trabalho monográfico de conclusão de curso –Departamento de Comunicação Social, Universidade Federal da Paraíba, 2003.apresentado aUFPB, 2003.LIMA, Venâncio; LOPES, Cristiano. 50,2% das emissoras legalizadas têm vínculos compolíticos, ONG Observatório do Direito a Comunicação, 2007. Disponível em: <http://www.direitoacomunicacao.org.br/novo/content.php?option=com_content&task=view&id=742>. Acesso em: 8 out. 2007.
  49. 49. 56APÊNDICE1. Roteiro I – Voz do Brasil - dia 11 de Maio de 2007;2. Roteiro II – Voz do Brasil - dia 18 de Setembro de 2003.3. Ficha técnica e Análise de Discurso do ano de 20034. E-mails trocados com Eugênio Bucci.
  50. 50. 57O Objeto: Roteirização dos programasPara esta etapa foram decupados e roteirizados um programa da Voz do Brasil do ano de2003 e um programa do ano de 2007 para consulta. Acompanhe abaixo:Roteiro IDia: 11 de Maio de 2007Roteiro de 25 minutos produzido pela RádiobrásLocutores: Luciano Seixas (I) e Anelise Borges (II)Repórteres: Estenio Ribeiro, Ana Paula, Michel Medeiros, Ana Paula, Marcela Rodrigues, DanielLima, Adriana Blender, Alex Rodrigues, Kelly Oliveira, Alessandra Bastos.Comentaristas: (Nenhum)TÉCNICALOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR ILOCUTOR IILOCUTOR IENTRA MÚSICA INICIAL DO PROGRAMA POR 4’’SEGUNDOS E DEPOIS CAI PARA BGSete da noite em Brasília/SOBE MÚSICA INICIAL NOVAMENTE POR22’’SEGUNDOS E CAI PARA BG POR 40’’O Conselho Deliberativo do Fundo Amparo ao TrabalhadorCODEFAT aprovou a liberação de quase nove bilhões de reais/ Essedinheiro será usado para criação de empregos, renda e poderá serretirado como empréstimo por empresas ou trabalhadores em bancospúblicos//Terminou hoje o primeiro fórum nacional de Tvs Públicas/ Opresidente Lula participou do encerramento e defendeu a importânciade criar uma rede de tv alcance todo país e tenha uma programaçãodiversificada//Índios de todo país estão sendo vacinados contra várias doençasentre elas hepatite e febre amarela//
  51. 51. 58LOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IITÉCNICALOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICAESTENIORIBEIROTÉCNICAEstá no ar a sua voz//A nossa Voz//A Voz do Brasil//ENTRA MÚSICA DA VOZ DO BRASIL COM SONORIDADEDE ÍNDIOS CANTANDO POR 10’’ SEGUNDOS E CORTA .Boa Noite, aqui dos estúdios da Radiobrás eu, Luciano Seixas eAnelise Borges//ENTRA VINHETA POR 2’’ SEGUNDOS E CORTAO FAT, Fundo de Amparo ao Trabalhador é uma espécie de contabancária onde depositam entre outras, as contribuições do PIS e doPASEP/ Ele tem o objetivo de costear o seguro desemprego, abonosalarial e o financiamento de programas de desenvolvimentoeconômico//Hoje aconteceu a primeira reunião do ano do grupo que decide o quefazer com o dinheiro do FAT, o conselho deliberativo/ Fazem partedo Codefat trabalhadores, patrões e governo//ENTRA FALA DO REPORTER ESTENIO RIBEIRO POR 10’’SEGUNDOSIN: O ENCONTRO FOI ABERTO...FIM:...FUNDO PARA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL//O encontro foi aberto pelo ministro do trabalho e emprego CarlosLupe que defende a votação de mais recursos do fundo para aqualificação profissional//SOLTA TRECHO DA ENTREVISTA DO MINISTROCARLOS LUPE DE 32’’ SEGUNDOS E DEPOIS CORTA.
  52. 52. 59MINISTROLUPETÉCNICAESTENIORIBEIROLOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IIIN: ENTÃO, ESTOU DIRECIONADO PARA QUE OSRECURSOS...FIM:... ESTE EMPREGO QUE IRÁ SURGIR, COMCERTEZA//Então estou direcionado para que os recursos do Codefat sejamaplicados na qualificação, queremos a melhoria dos cursos dequalificação...ENTRA NOVAMENTE A FALA DO REPÓRTER ESTENIORIBEIRO POR MAIS 16’’ SEGUNDOS E CORTA.IN: O MINISTRO SALIENTOU A IMPORTÂNCIA DEMAIORES...FIM:...DE BRASÍLIA, ESTENIO RIBEIRO//O Ministro salientou a importância de maiores investimentos tambémpara o seguro desemprego e manifestou-se favorável que o Fórum deSecretários Estaduais do Trabalho tenha apoio e voto no Codefat./De Brasília, Estenio Ribeiro//O presidente do Codefat, Elieser Nascimento confirma a importânciade qualificar trabalhadores para o mercado de trabalho//Segundo ele se isso não for feito é possível que faltem empregadosqualificados para as vagas que são criadas com o estímulo econômicoque o PAC dará ao país.SOLTA ENTREVISTA DO PRESIDENTE DO CODEFATELIESER NASCIMENTO POR 30’’ SEGUNDOS E CORTA.IN: HOJE, O BRASIL COMEÇA A CRESCER E SE...FIM:...DAS MAIORES URGÊNCIAS QUE A NAÇÃOBRASILEIRA POSSUI//Apesar da importância destacada pelo Ministro do trabalho e pelopresidente do Codefat, sobre a qualificação profissional, hoje oconselho deliberativo do FAT não aprovou nenhuma medidaexclusiva para esta área.//
  53. 53. 60LOCUTOR ILOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ITÉCNICAMas o setor de geração de emprego e renda tem o que comemorar, oCodefat aprovou a liberação de quase nove bilhões de reais para aárea. Este dinheiro poderá ser retirado em forma de empréstimo porempresas ou trabalhadores nos bancos públicos.//Vamos dar um exemplo, se uma trabalhador de baixa renda montarum projeto de entrega de pizza, e não tiver dinheiro para comprar asmotos ele pode ir ao Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federale pedir financiamento para idéias com o dinheiro do FAT./ Assimacontece com outros trabalhadores, seja no meio rural ou empresáriosde médio porte.//O Codefat liberou também duzentos e trinta milhões de reais paraserem usados no desenvolvimento tecnológico de negócios./ Essedinheiro será administrado pela Finep, a financiadora de estudos eprojetos ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia e serádestinado a projetos de médio e longo prazo para modernizar asempresas brasileiras.//Vale destacar que o dinheiro liberado pelo Codefat é somente paraeste ano.//Para 2007 o Codefat prevê também a destinação de doze bilhões dereais para o pagamento de seguro desemprego e cinco bilhões dereais para o abono salarial.//SOLTA VINHETA II POR 2’’SEGUNDO E CORTA.O presidente Lula participou do último dia do Fórum Nacional deTvs Públicas que aconteceu nessa semana aqui em Brasília.//No encontro, o presidente garantiu que o projeto de televisão públicadefendida pelo governo, não vai ser tendencioso.//SOLTA PASSAGEM DA REPORTER ANA PAULA MARRADE 25’’ SEGUNDOS E CORTA.IN: AO PARTICIPAR DA CERIMÔNIA DEENCERRAMENTO...FIM: ... É UMA DAS PRIORIDADES DE SEU GOVERNO
  54. 54. 61ANA PAULATÉCNICALULATÉCNICAANA PAULANESTE SEGUNDO MANDATO.//Ao participar da Cerimônia de encerramento do primeiro FórumNacional de Tvs Públicas em Brasília, o presidente Lula ressaltou aimportância do Brasil implantar uma televisão de caráter público,com alcance nacional e programação diversificada./ Lula ao discursarpara representantes de emissoras educativas e comunitárias, dogoverno federal, do congresso nacional e da sociedade civil, disseque como cidadão sente falta de grandes debates nas tvs, debates, porexemplo, segundo exemplificou, sobre aborto, células tronco,biodiesel e energia nuclear./ Lula destacou ainda, importância doenvolvimento de toda a sociedade entorno do tema e voltou a afirmarque a criação de uma televisão pública no país de qualidade e queseja laica e não seja chapa branca é uma das prioridades do seugoverno neste segundo mandato.//SOLTA PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE LULA POR33’’ SEGUNDOS E DEPOIS CORTA.IN: QUANDO EU CONVIDEI O FRANKLIN PARA SERMINISTRO...FIM:... QUE MUITAS VEZES NÃO SÃO FEITAS NESTEPAÍS.//Quando eu convidei o Franklin para ser ministro, uma das coisas quedisse para o Franklin foi o seguinte: Nós vamos fazer a Tv Pública./Vamos fazer sem “trololó”, vamos fazer porque é preciso fazer./ Hojeeu sou um homem convencido que nos temos que fazer./ DoOiapoque ao Chauí eu quero que as pessoas vejam uma tevê, sabe,fiel aos princípios da democracia, respeitando a todo mundo, sabe,mas dizendo que tem ser dito neste país e fazendo as coisas quemuitas vezes não são feitas neste país//SOLTA PASSAGEM 2 DA REPORTER ANA PAULA MARRAPOR SERGUNDOS 24’’ SEGUNDOS E DEPOIS CORTA.IN: O PRIMEIRO FÓRUM NACIONAL DE TVS PÚBLICAS...FIM: ...E SISTEMAS DE FINANCIAMENTO/ DE BRASÍLIAANA PAULA MARRA//O primeiro Fórum Nacional de Tvs Públicas teve o objetivo de
  55. 55. 62TÉCNICALOCUTOR IILOCUTOR ILOCUTOR IITÉCNICAMICHELMEDEIROSdiscutir a televisão pública e seus desafios no cenário daComunicação Social Contemporâneo./ Nos debates foram tratadasquestões como finalidade de televisão, programação e modelo denegócios, marcos regulatórios, migração digital e sistemas definanciamento./De Brasília, Ana Paula Marra.//SOLTA VINHETA 2 DO PROGRAMA POR 5” SEGUNDOS EDEPOIS CAI PARA BG POR MAIS 5” SEGUNDOS E CORTA.Hepatite e febre amarela são algumas das doenças que atingem osíndios no Brasil e que aumentam os índices de mortalidade entre essapopulação.//Por isso, todas as aldeias brasileiras estão recebendo os agentes daFunasa que estão vacinando índios de todo o país.//A imunização faz parte de uma campanha de vacinação indígena quevai alcançar mais de cento e vinte mil índios.//SOLTA PASSAGEM DO REPORTER MICHEL MEDEIROSPOR 45’’SEGUNDOS E CORTA.IN: MAIS DE CENTO E VINTE MIL ÍNDIOS...FIM: ...E O CONTROLE DESSAS DOENÇAS NASCOMUNIDADES INDÍGENAS.Mais de cento e vinte mil índios que vivem em todo o país deverãoser vacinados pela Fundação Nacional de Saúde Funasa até o dia 15de junho./ A expectativa é chegar em cerca de mil e cem aldeias eimunizar os índios contra as principais doenças que matam essapopulação, como Hepatite, coqueluche e febre amarela./A Funasadisponibilizou treze tipos de vacinas entre elas a de gripe que seráaplicada nos índios de mais de sessenta anos./ Segundo o presidenteda Fundação Nacional de Saúde, Danilo Forte, as doenças são asprincipais causas morte entre a população indígena./ Ele explica queo objetivo da campanha é fortalecer a prevenção e o controle dessasdoenças nas comunidades indígenas.//

×