Feijoada Verbal - Pequenas historias V1

1,711 views

Published on

Você conhece a dona Neide? Uma senhora que adora espiar a vida dos outros. E a Elisa? A mulher que quase nunca depila as pernas. E o pequeno monstrinho que mora embaixo da cama? Você conhece? Não?

Este é o Pequenas Histórias Volume1 do Feijoada Verbal! Uma coleção com as 10 primeiras historinhas que passaram aqui pelo site. Tem fada do dente mão de vaca, um garoto que viveu conectado na internet e um quarto apaixonado. Histórias malucas, curtinhas, cotidianos inimagináveis que tomam forma aqui no site todos os dias.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,711
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Feijoada Verbal - Pequenas historias V1

  1. 1. Pequenas Histórias V1 Emerson Silva feijoadaverbal.wordpress.com.br
  2. 2. Pequenas Histórias V1 dezembro de 2011 Este livro é parte integrante do site:feijoadaverbal.wordpress.com /feijoadaverbal /feijoadaverbal Textos e ilustrações: Emerson Silva Emerson Carlos da Silva
  3. 3. Pensei por um tempo se deveriamesmo começar a escrever, se meus textosseriam aceitos e se alguém perderia tempopara ler o que eu escrevi. Cheguei à conclusão de que nãoimporta se leem ou não sua história, elamerece ser contada. E se alguém se identificarmelhor, se não elas fazem parte da sua vida edizem um pouco sobre quem você é, para vocêmesmo muitas vezes. Mas eu tive sorte, pequenos anjosacreditaram em mim, suas pequenas palavrasme deram motivos para continuar escrevendo.Por isso eu dedico a estes pequenos anjos esteprimeiro de muitos livros que eu aindapretendo escrever. E continue contando suas histórias, nomáximo alguém vai dizer que ela é ruim e issonão muda em nada sua vida. No volume 1 você encontra: O homem mais feio do mundo .....................5 Conectado .....................................................6 A porta ..........................................................7 O monstro embaixo da cama ........................8 Mulher macho ...............................................9 Na internet não importa a aparencia ...........10 O fantasma de Arnaldo ...............................11 Parados! Isto é um emprestimo! .................12 Dona neide pescoço de girafa .....................13 A fada do dente e a inflação ........................14
  4. 4. O homem mais feio do mundo É errado dizer que alguém é feio? Todo mundo diz que é. A nal a beleza vem de dentro e tudo é uma questão de opinião, mas e quando a opinião é de todo mundo? George era feio, mais feio que o cara mais feio que você pode imaginar. George era tão feio que nem as vendedoras deroupas diziam que ele cava bonito com esta ou aquela calça. Oque elas dizem pra todo mundo “você cou ótimo” nãoconseguiam dizer a ele. No máximo um olhar e um sorriso, nomáximo. Por conta disso tudo George ésolitário, sem namorada a vida toda, nemprostituta consegue arrumar e as que topamsão muito caras pra pagar. George já tentou de tudo:maquiagem, cirurgia plástica e umpsicólogo. Já tentou até se matar e porincrível que pareça, ao pular do 2º andare cair de cara no chão, até queconseguiu melhorar. E assim George seguesua vida, feio, triste e solitário.Mas continua jogando naloteria, porque se ganhar, aísim com certeza vai se tornarum cara muito mais bonito.Muito mais do que quando sejogou do 2º andar. 5
  5. 5. Conectado Fabinho nasceu conectado. Logoque saiu do útero foi parar no YouTube, 1milhão de visualizações. Quando comple-tou 3 anos já tinha 227 amigos no Face-book e com 6 já construía seus própriossites na internet. Fabinho arrumou sua primeiranamorada na rede. Deu seu primeiro beijousando os emoticons animados do MSN esua primeira relação sexual usando uma webcam. Fabinho é superconectado, sempre tem suas redes sociais namão. Leva o notebook com internet móvel pra falar com os amigos esempre escreve em seu blog pessoal ou revira as últimas novidadesusando seu celular. Já conhece todos os bares e baladas cibernéticas e transoucom milhares de belas mulheres, pelo menos era o que elas diziamser. Saltou de Bungee Jump e paraquedas em simuladores virtuais epilotou aviões sobre os lindos céus azulados e pixelados do FlyingSimulator. Também foi fazendeiro de grandes plantações de bananasazuis no Farmville e um lindo astro do cinema e do rock no The Sims,além de ser gangster e um gigante das montanhas nos MMOs.Mas Fabinho tem um problema, um pequeno problema: sua vidadigital cou chata. Ele já conhece tudo, já fez tudo o que uma pessoapode fazer, é experiente, maduro e mesmo sendo jovem já fez coisasque pessoas de 100 anos nunca zeram. Então triste e abalado emocionalmente pela depressão Fabi-nho resolveu se suicidar, excluiu só o seu per l no Orkut, para nuncamais voltar. Foi uma vida agitada não é Fabinho? Mais agitada que isso sómesmo se você saísse da cadeira e fosse pra rua. Mas nem pensenisso! Lá fora é chato. E quem quer uma vida real quando se podeser o que quiser no mundo virtual? Não é Fabinho? 6
  6. 6. A PortaUm quarto se apaixonou por uma porta.Brilhante, escura e cheia de contornos,tinha algumas pontas tortas,mas nenhuma escondia seus adornos.Ele adorava ver ela se abrir,era como se pudesse sorrir.E esta porta tão bonita que se abria,dividia com o quarto o que ali acontecia.Os pés que o seu chão pisava,eram da mão que a porta abria.Foi então que o quarto parou pra pensar:quem era aquele que do outro lado cava?Era a sala de estar.Para ele a porta também se abria,também se fechava,com ele vivia.Passou então a questionar,não queria dividir a porta com a sala de estar.Queria um lugar,onde só os dois pudessem care ninguém nela pudesse tocar.Onde a sala do outro lado não pudesse estar.Então um dia a porta se foi,retirada bruscamente.Deixou um buraco.E o quarto descontente,agora só tinha uma companhia,o outro quarto. 7
  7. 7. O monstro embaixo da cama Havia um monstrinho que vivia com seus pais em uma casahorrível. Mal arrumada, pouco arejada e escura, perfeita como toda acasa de monstro deve ser. O jovem monstrinho já tinha 6 anos e morriade medo do lado de cima da sua cama, de onde vinha a luz. Ele sabia que lá um menino malvado vivia e que se visse ele, o colocaria em um saco e o levaria para longe dos seus pais. Mas o jovem monstrinho, como todo o jovem, era curioso e queria conhecer o lado de cima, queria ver o que tinha lá. Então uma noite ele saiu: tímido, acuado, andando a passos lentos, enxergando só a luz fraca que entrava pela janela do quarto. Tudo parecia tranquilo no pequeno quarto, mas foi sem perceber de onde vinha que algo o acertou, no meio da cabeça. O monstrinho tonto cambaleou no chão e o menino que estava em cima da cama gritou: -Paaaaai! Tem um monstro embaixo da minha cama! O monstrinho correu e rolou de volta para baixo antes da luz seacender. Cambaleando correu para quarto dos seus pais, até a parte debaixo da cama onde dormiam. -Mãe! – Disse o monstrinho – tem um menino enorme em cimada minha cama! -Já te disse que esse negócio de menino não existe, é fruto dasua imaginação! Por isso que eu sempre digo pra você não comer antesde ir dormir, está vendo só no que dá? -Mas mãe… -Não me interessa, volte logo para baixo da sua cama e vaidormir! O monstrinho então voltou, e por noites tentou dormir, até quecom o passar do tempo ele se esqueceu, cresceu e nunca mais ouviufalar do menino que morava do lado de cima. A nal aquilo tudo, comodisse sua mãe, era só a sua imaginação. 8
  8. 8. Mulher macho Elisa é uma mulher moderna, tem pelos no peito, no braço e na perna. É independente e trabalha em período integral, não lavava louça, cozinha ou limpa o quintal. Elisa também é boa motorista faz baliza, xinga no transito e até pega pista. Mas mesmo macho Elisa ainda é feminina, sai na rua de calça justa e quando ganha cantada se anima. Mas se for sem educação não tem desculpa, leva porrada se tiver culpa. Para Elisa a vida de macho só tem um porém, faz as unhas, penteia o cabelo e usa saia se for sair com alguém. Mas mesmo assim continua com o braço peludo, azar é do homem ao achar que dela pode ter tudo. 9
  9. 9. Na internet não importa a aparência Artur diz: o que acha de marcarmos um encontro? Bruna diz: não vejo a hora de te conhecer *-*Artur diz: pessoalmente é bem melhor né? ;pBruna diz: claro que é!Artur diz: então pega um ônibus e me encontra mais tardeBruna mudou seu status para ocupado.Artur diz: ou posso ir te buscar em casa de carroBruna mudou seu status para online.Bruna diz: melhor você não vir, não te conheço direito ainda :/Artur diz: o que acha de nos encontrarmos lá no shopping?Bruna diz: boa ideia o/Artur diz: me diz como você é mais ou menos, pra eu te encontrarBruna diz: cabelo liso comprido, gordinha, mas não muitoArtur mudou seu status para ausente.Bruna diz: é que acabei de entrar na academia sabe ;xArtur mudou seu status para online.Bruna diz: você trabalha com o que mesmo?Artur diz: em um estoque de super mercadoBruna mudou seu status para ocupado.Artur diz: e você?Bruna diz: sou secretariaArtur mudou seu status para ausente. Bruna diz: vou ter que sair hoje, melhor marcarmos pra outro dia. Artur diz: acho que é uma boa ideia, pra nos conhecermos melhor né? Bruna diz: também acho. Vou indo, hora de ir trabalhar. Artur diz: gosto da internet, pessoalmente só olham as aparências. Bruna diz: é verdade, beijos :* Bruna, tem certeza que deseja bloquear Artur? [x]sim [ ]não Artur diz: beijos :* Artur, tem certeza que deseja bloquear Bruna? [x]sim [ ]não 10
  10. 10. O fantasma de Arnaldo Arnaldo acabara de morrer, e o que de melhor um morto pode fazer da sua vida, ou morte, senão assombrar os outros? Arnaldo então passou a se divertir, mais do quequalquer vivo poderia imaginar. Assustava crianças aoanoitecer, mulheres indefesas nas ruas, movia copos decerveja e os bêbados riam achando que era efeito do alcool.Arnaldo assustava cachorro, garoto, até passarinho. Certa vezassustou outro fantasma que cruzava seu caminho. Mas a vida de fantasma enjoou Arnaldo, de tantoassustar cou muito chateado. Saiu voando, com seu corpoinvisível e foi para um abismo. Pulou 10, 20, 30 vezes, mas nãoconseguiu se matar. Tentou entrar em uma seção de exor-cismo sem ninguém convidar, vai que de lá ele vai pro céu, oupro inferno, mas aqui ele não queria mais car. Então Arnaldo resolveu se sentar e esperar até quealgum ser superior pudesse o vir buscar. Mas ninguém apare-ceu, Arnaldo cou para sempre sentado, chateadosem assustar ninguém. Porque não temnada mais chato na vida do que a morteeterna pra alguém. 11
  11. 11. Parados! Isso é um empréstimo! –Parados! Isso é um empréstimo! – Gritou Mosquito ao entrar em um banco. Os clientes e os funcionários se deitaram no chão, o gerente começou a chorar como um bebê. –Pode levar tudo senhor! – Disse o gerente escoando em lágrimas. –Eu quero um empréstimo! – Gritou mosquito. –Um empréstimo! Não quer só levar o dinheiro? – Perguntou o gerente. –Que só o dinheiro rapaz! – Disse mosquito agitandoa arma. – Quero um empréstimo! Sou ladrão honesto.–Tudo bem, que tipo de empréstimo quer?–Quero uma grana pra comprar uma arma nova.–Mas senhor, não posso colocar isso no contrato.–Coloca que é pra comprar ferramenta de trabalho. – Disse girandomais uma vez a arma no ar.–Tudo bem, empréstimo para trabalhador autônomo. De quantoprecisa?–Uns 500 reais! – Gritou Mosquito.–Tudo bem! Disse o gerente entregando o calhamaço de notas edando o contrato pra Mosquito assinar.–Tudo certo? – Perguntou Mosquito.–Sim senhor! – Respondeu o gerente com as mãos tremulas.–Tudo bem então. Agora vou roubar o banco do outro lado da rua.–Vai roubar o banco do outro lado da rua? Mas por quê? Acabou depegar dinheiro emprestado.–Como acha que vou pagar o empréstimo? Acha que vou arrumar umemprego? Cada coisa que tenho que ouvir. Não sei como conseguiuser gerente de banco sendo burro assim. 12
  12. 12. Dona Neide pescoço de girafa Dona Neide tinha pescoço de girafa, viviaespichado por cima da cerca de sua casa. Rostomagro, olhos fundos e ao mesmo tempo arre-galados, não perdia um único detalhe do que narua se passava. A lha do vizinho ao lado estava grávida- Que horror! Ela nem marido tem! - Dizia donaNeide. O vizinho da frente se separou da esposa,adultério todos diziam. E a dona Joana do nalda rua? Tinha pegado uma doença terrível, teriaapenas algumas semanas de vida, - pobrecoitada o que fará agora? - Se questionava donaNeide. E assim, dia após dia, ela mantinha seupescoço espichado por cima da cerca. Mas donaNeide, pobre dona Neide, se esqueceu de virar opescoço para o outro lado. Sua lha engravidou,seu marido a deixou e de tanto car com opescoço esticado desenvolveu uma doença rara. Dona Neide foi ao médico e seu pescoçofoi diagnosticado com uma doença chamada“cuide da sua vida”. Dona Neide não poderiamais olhar por cima da cerca, o que faria? Des-cansaria? Dormiria o resto dos dias? Comeriatodo o sorvete que pudesse? É claro que não, dona Neide foi maisesperta, instalou uma câmera por cima da cercae pela TV continuou a fazer o que melhor fazia,olhar a vida de quem ali vivia. 13
  13. 13. A fada do dente e a in ação Maria Augusta estava desesperada, há dias seu dente balan-çava dentro da boca como um macaco em um galho no, e comotal um dia caiu sobre a língua e quase fora engolido, mas porsorte Maria o salvou. Então, na ânsia deganhar seu própriodinheiro e en m podercomprar a nova coleçãode bonecas Barbieresolveu negociar seu dente,colocou debaixo do traves-seiro, deitou e esperou durante horas pela fada do dente. A duas horas da manhã chegou, Maria deitada esperava,com os olhos já pesados, quase fechando. Sorrateira uma pequenafumaça no canto do quarto deixou sair uma fada, pequena, umpalmo. Apressou-se até o travesseiro e pegou o dente cuidadosa-mente com as duas mãos pequenas, depois retirou 25 centavos ecolocou sobre o colchão. -25 centavos? Só 25 centavos? -Você deveria estar dormindo – disse a fada assustada. -Quem consegue dormir com isso? – Apontou Maria para amoeda. -Querida, você é uma criança, não precisa de mais do que 25centavos. -Como assim? Não da pra comprar nada com 25 centavos!– Gritou Maria. -Trabalho com isso há 30 anos, e nunca tive reclamações. -30 anos! Isso é muito tempo, não acompanha a in ação? –Perguntou Maria. -In ação? -Com 25 centavos eu não compro nada! -Um Kinder Ovo? – Perguntou a fada. -2 reais. – Respondeu Maria. 14
  14. 14. -Um pirulito? -50 centavos. -Uma goma de mascar? -30 centavos. -Minha nossa! Não da pra comprar nada mesmo. -É a crise dona fada, os seus 25 centavos não dão nem pra uma bala hoje. -Mas não posso te dar mais do que 25 centavos. -Mas assim uma criança precisa perder toda uma boca de dentes pra comprar um doce, que mercado é esse? -Vamos fazer o seguinte mocinha, você já me encheu bastante, vou te dar 50 centavos. -50 centavos? Deixa pra lá! Pode ir embora. -Vai car com o dente então? Não quer o dinheiro?-Que dinheiro? Com 25 centavos não da nem pra comprar doces pra apodrecer outro dente. É melhor ir emboralogo, estou com sono, e sem fazer todo aquele pó quando sair, eu sou alérgica. Boa noite! A fada então largou o dente, pegou a moeda e saiuvoando pela janela direto para o sindicato das fadas, a nal depois de 30 anos de trabalho e com tanta in ação mere- cia um aumento de salário. 15
  15. 15. O Autor Emerson Silva é só um menino de 22 anos, cheio de ambições e desejos inconcebíveis. Um deles é ter seu próp- rio apartamento em Marte junto com seu cachorro de cor laranja. O segundo é publicar seu romance que sequer foi terminado, mas já está em andamento. E o terceiro, bem o terceiro é o que todo mundo quer, uma vida normal mesmo tendo tantos problemas psicológicos. /emersoncsilva /ecsilva Textos e ilustrações:Emerson Silva Emerson Carlos da Silva
  16. 16. Pequenas Histórias V1 Feijoada é uma mistura de sabores, odores e sensações e é isso o que é a Feijoada Verbal. Uma mistura de palavras, verbos transitivos diretos ou indiretos, conjugações corretas, ou não, substantivos perfeitos de tão bonitos ou imperfeitos de defeitos, adjetivos coloridos e adjuntos cognitivos, se é que isso existe. Essa é a feijoada verbal, o alfabeto jogado em uma cumbuca. Impossível de saber o que posa sair daí. Seja bem vindo, pegue um prato, e bom apetite. E se não gostou, reclame com o cozinheiro. feijoadaverbal.wordpress.comO Livro Pequenas Histórias V1 - Feijoada Verbal de Emerson Silva foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.

×