Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Apresentaçao janete machado

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 33 Ad

Apresentaçao janete machado

Download to read offline

Evento na programação do "Mês de Porto Alegre: 243 anos!" de 19/03 a 27/03/15 planejada e coordenada pela CCEART da Escola - prof. Neusa Rocha: Palestra da prof Janete da Rocha Machado - “A Zona Sul de Porto Alegre e o Veraneio na Primeira Metade do Século XX (O Trenzinho da Zona Sul)”

Evento na programação do "Mês de Porto Alegre: 243 anos!" de 19/03 a 27/03/15 planejada e coordenada pela CCEART da Escola - prof. Neusa Rocha: Palestra da prof Janete da Rocha Machado - “A Zona Sul de Porto Alegre e o Veraneio na Primeira Metade do Século XX (O Trenzinho da Zona Sul)”

Advertisement
Advertisement

More Related Content

Slideshows for you (20)

Viewers also liked (20)

Advertisement

Similar to Apresentaçao janete machado (20)

More from Escola Municipal Vila Monte Cristo (20)

Advertisement

Apresentaçao janete machado

  1. 1. EMEF Vila Monte Cristo/CCEART Janete da Rocha Machado Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História da PUCRS janeterm@gmail.com A ZONA SUL DE PORTO ALEGRE E O VERANEIO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO VINTE
  2. 2.  Porto Alegre, situada às margens do Lago Guaíba, na desembocadura de cinco rios, constituiu-se cedo em importante meio de comunicação com o interior. A função portuária era a mais importante, porém a população logo descobriu os usos para o lazer com os banhos de rio.
  3. 3.  Assim, nas primeiras décadas do século passado, a Zona Sul de Porto Alegre acolhia visitantes atraídos pelos belos cenários da região. A estação balneária, a qual compreendia, entre outras, as praias da Tristeza, passou a significar o lugar onde se passava uma temporada de veraneio. 
  4. 4.  Os banhistas vinham sempre. Alguns sozinhos, outros, acompanhados das famílias, porém todos se juntavam no lugar comum: à beira da praia. E era grande a expectativa daqueles que chegavam para as temporadas de banhos, de descanso e de diversão.
  5. 5. Crianças em momento de lazer no Guaíba/1910 Fonte: acervo da família Bromberg
  6. 6. Família em momento de descontração nas praias da Tristeza/1920. Fonte: acervo da Família Booth
  7. 7. Um mergulho nas águas do Guaíba/1930 Fonte: acervo da família Dreher
  8. 8. Veranistas em trajes de banho/1940 Fonte: Acervo do Museu Joaquim José Felizardo.
  9. 9. O ARRABALDE DA TRISTEZA (1900 – 1950)
  10. 10. Assim, a proposta da presente pesquisa foi analisar o veraneio na Tristeza, bairro localizado na Zona Sul de Porto Alegre e os usos do Lago Guaíba para o lazer e o descanso na primeira metade do século vinte. Considerando as águas do Guaíba como espaços de recreação, o aproveitamento do local, desencadeou relações sociais, as quais culminaram com o progresso da região. A orla foi, durante muito tempo, o local preferido pelos porto-alegrenses que não podiam se deslocar até o litoral, e isso ocasionou um desenvolvimento econômico, motivado pela vinda de grupos que visavam ao lazer.
  11. 11. Praias do Guaíba Fonte: Ilustração de Martha W. Schidrowitz./1942. .
  12. 12. Histórico do Bairro Tristeza  Século XVIII : Sesmaria de Dionísio Rodrigues Mendes.  Primeira metade do século XIX : Surgem as primeiras grandes fazendas – André Bernardes Rangel e José da Silva Guimarães Tristeza.  Segunda metade do século XIX : Surge o Arrabalde da Tristeza e o Trenzinho Municipal. Nota-se a presença de dois grupos de imigrantes: colonos italianos e empreendedores alemães. Demarcação: a linha do trem.  Início do século XX : Aquisição de chácaras e vivendas de verão por grupos de alemães que visavam ao lazer. Desenvolvimento do comércio e de serviços relacionados ao veraneio. Melhoria na infraestrutura da região com o processo de urbanização. Concepção de Cidade Jardim.
  13. 13. Detalhe mapa de 1926 Fonte: IHGRGS. Cartografia virtual histórica-urbana de Porto Alegre. 2005. .
  14. 14. O TRENZINHO MUNICIPAL E O COMEÇO DE TUDO “Foi com o trenzinho que a Tristeza progrediu e logo tomou aqueles ares de excepcional zona balneária da capital” (SANHUDO, 1961, p.273). O surgimento dos balneários em Porto Alegre inicia-se com o desenvolvimento da Tristeza, conforme indicação de Sérgio da Costa Franco: “A construção da Estrada de Ferro do Riacho, que em 1900 estendeu para a Tristeza o final de sua linha, teve decisivo papel no desenvolvimento do arrabalde, que se transformou em zona balneária e de veraneio dos moradores de Porto Alegre” (FRANCO, 1998, p. 416).
  15. 15. A estação férrea da Pracinha da Tristeza por volta de 1920. Fonte: A Ferrovia do Riacho, do Sanitarismo à Modernização de Porto Alegre, de André Huyer
  16. 16. “O trem saía do mercado e vinha até aqui. Muitos faziam a viagem nele. As pessoas não iam muito para as praias de mar. Era muito longe e não havia estradas. Acontece que muitas famílias de Porto Alegre vinham fazer o seu veraneio aqui, na Tristeza, na Pedra Redonda e em Ipanema. Eles faziam isso: a mulher e os filhos ficavam toda a semana e o marido trabalhava na cidade e vinha para cá nos finais de semana num trenzinho que tinha aqui” (LUCE, Helga Bins. Porto Alegre, 03 mar. 2013. O TRENZINHO NA LEMBRANÇA DOS MAIS VELHOS
  17. 17. Momentos do balneário da Tristeza/1920: a chegada do trem e a praça/1910 Fonte: PELLIN, Roberto. Revelando a Tristeza. Porto Alegre: Metrópole, 1979.
  18. 18. ASSUNÇÃO, CONCEIÇÃO E PEDRA REDONDA: AS VILAS BALNEÁRIAS DA TRISTEZA As denominadas Vilas Balneárias, Assunção, Conceição e Pedra Redonda que integravam o bairro Tristeza, foram muito procuradas neste período, pois entre as praias do Guaíba, eram as mais próximas do centro da cidade. Águas limpas, disponibilidade de terras, e, principalmente, a possibilidade de disporem de um meio de transporte seguro e eficiente (o trem) foram fatores decisivos para as famílias escolherem o arrabalde como refúgio.
  19. 19. Praia da Pedra Redonda na Tristeza/1920 Fonte: Acervo da Família Schmitt
  20. 20. Balneários da Tristeza - Vila Conceição/1950 Fonte: acervo da historiadora Helga Piccolo
  21. 21. Anúncio divulgando o novo balneários da Tristeza/ Vila Assunção/1938 Fonte: SOCIEDADE DE ENGENHARIA. Boletim, Porto Alegre, n. 31, jan. 1940
  22. 22. OS HOTÉIS E OS CLUBES DE VERÃO DA TRISTEZA Com o movimento intensificado nos meses de verão e marcado por uma vida social intensa, fez-se necessária a ampliação e melhorias na forma de bem receber o turista nos balneários da Tristeza. Surgem os primeiros hotéis e os clubes de verão proporcionando momentos de lazer e diversão para os veranistas.
  23. 23. Hotel da Praia da Família Lazarini/1905 Fonte: Acervo da Escola Mãe de Deus
  24. 24. Carnaval no Clube Jocotó da Tristeza/ 1929 Fonte: PELLIN, R. Revelando a Tristeza. Porto Alegre: Metrópole, 1979, p. 102.
  25. 25. Referencial teórico (1) A pesquisa sobre o veraneio nas águas do Guaíba visou discorrer sobre as questões relacionadas ao lazer e ao descanso e para isso foram analisados alguns textos de Joffer Dumazedier. Esse autor vai chamar essa prática de “a dinâmica produtiva do lazer”, ou seja, o progresso científico e técnico leva ao aumento do tempo livre. Assim, torna-se necessário compreender as formas pelas quais os homens viveram seus múltiplos tempos, em especial o tempo do trabalho e do não-trabalho. O tempo do não-trabalho seria o tempo livre dentro do qual o lazer estaria inserido. Muitas vezes esse lazer vai estar associado à estadas em lugares aprazíveis e em contato com a natureza como a Zona Sul da cidade. DUMAZEDIER, Joffer. Sociologia Empírica do Lazer, São Paulo, Perspectiva, 1979
  26. 26. Família reunida em momento de lazer na beira da praia/1920. Fonte: acervo de Rita Brugger
  27. 27. Referencial teórico (2) Os estudos sobre o lazer e o verão de algumas famílias porto-alegrenses na Zona Sul avançaram a partir de dados obtidos com fontes orais. Foram feitas uma série de entrevistas com moradores antigos, outrora veranistas e moradores dos balneários analisados. A pesquisa com depoentes iniciou no ano de 2008, bem anterior aos estudos do mestrado e resultou em um acervo bastante significativo. Assim, esse trabalho se utilizou dos estudos de Ecléa Bosi, especialista em memória e lembranças dos mais velhos. Conforme esta autora, “a velhice social é o tempo de lembrar e aconselhar, pois para esses grupos, a lembrança é a sobrevivência do passado”. BOSI, Ecléa. Memória e sociedade. Lembranças dos velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. .
  28. 28.  REFERÊNCIAS  ALVES, Hélio Ricardo. Porto Alegre foi assim... Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2001.  AQUILES, P. Alegre. História popular de Porto Alegre. Porto Alegre: Prefeitura Municipal, 1940.  BOSI, Ecléa. Memória e sociedade. Lembranças dos velhos. SP: Companhia das Letras, 1994.  DUMAZEDIER, Joffer. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.  FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: guia histórico. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1998.  JANETE & PORTO ALEGRE. Blog. Disponível em: <http://janeterm.wordpress.com/>.  MACEDO, F. Riopardense de. Porto Alegre: origem e crescimento. Porto Alegre: Sulina, 1968.  MACHADO, Janete da Rocha. O veraneio de antigamente: Ipanema, Tristeza e os contornos de um tempo passado na Zona Sul de Porto Alegre. Dissertação defendida na PUCRS em 2014.  SANHUDO A. Veiga. Porto Alegre crônicas da minha cidade. Porto Alegre: Livraria Sulina 1961.  SCHIDROWITZ, Léo Jeronimo. RS : imagem da terra gaúcha. Porto Alegre: Cosmos, 1942.
  29. 29. Obrigada!

×