Sistema solar; Atmosfera; Radiação solar

10,119 views

Published on

Apresentação Powerpoint

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,119
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
777
Actions
Shares
0
Downloads
156
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sistema solar; Atmosfera; Radiação solar

  1. 1. SISTEMA SOLAR<br />
  2. 2. Origem do Sistema Solar<br />http://www.youtube.com/watch?v=4iCuHjvehvU<br />
  3. 3.
  4. 4.
  5. 5.  <br /> <br />Características e dados do Sistema Solar<br /> <br />* 1 UA (Unidade astronómica) – Distância média da Terra ao Sol<br /> <br />Comparação dos planetas do Sistema Solar <br /> <br />
  6. 6. ATMOSFERA TERRESTRE<br />
  7. 7. A atmosfera é uma camada gasosa que envolve o planeta Terra e acompanha todos os seus movimentos. Com espessura de aproximadamente 600 km, a atmosfera está intimamente ligada a tudo o que acontece na superfície terrestre. <br />A atmosfera actua como um filtro, tanto das radiações solares que atingem a superfície do planeta como das radiações que se reflectem dela para o exterior. É este efeito de filtro nos dois sentidos que tem determinado, desde há milhões de anos, o clima das diferentes regiões da terra e o desenvolvimento das espécies de animais e plantas que a povoam.<br />
  8. 8. COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA ATMOSFERA<br />Principais componentes <br />Azoto ou nitrogénio - 78%<br />Oxigénio -21%<br />Árgon- 0,93%<br />Dióxido de carbono- 0,033%<br /> <br />Compostos presentes em menores quantidades: <br />Néon<br />Hélio<br />Kripton<br />Xénon<br />Metano<br />Monóxido de carbono<br />Óxido nitroso<br />Ozono<br />Outros gases mais reactivos:<br />H2S, SO2, NH3, NO2<br />
  9. 9. Estrutura da atmosfera de acordo com a temperatura<br />
  10. 10.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. Estrutura da atmosfera segundo a temperatura e a composição química<br />
  14. 14. Auroras boreais<br />
  15. 15. Normalmente, as auroras boreais são esverdeadas pois os átomos de oxigénio das altas camadas atmosféricas emitem luz verde, ao serem excitados pelos eléctrodos de alta velocidade do vento solar. Quando a tempestade é muito forte, camadas mais baixas da atmosfera são atingidas pelo vento solar e a aurora boreal pode ser vermelha, cor da luz emitida por átomos excitados de nitrogénio, outro constituinte de nossa atmosfera. Além disso, nesse caso as auroras boreais podem ser vistas mesmo a latitudes bem menores, mais próximas do equador. O fenómeno das auroras é visível na Terra e em todos os planetas gasosos do Sistema Solar. Na Terra  elas ocorrem ao longo de todas as chamadas "zonas aurorais", regiões em forma de anel que circundam os pólos geomagnéticos Norte e Sul. Estas  zonas aurorais, onde os observadores terrestres podem ver a aurora em sua actividade máxima, estão localizadas em latitudes de 67⁰ Norte e Sul, e tem, aproximadamente, 6 graus de largura. Quanto mais ao Norte  ou ao Sul  estivermos maior é a chance de ver uma aurora. O Norte da Europa, em particular, Norte da Noruega e da Finlândia, são excelentes locais para observação de auroras. O Alasca também é outro bom lugar, em particular a cidade de Fairbanks.<br />
  16. 16.
  17. 17. Estes fenómenos podem ser vistos a olho nu, entre o final da tarde e ínicio da noite nas regiões polares. Na região polar Norte têm o nome de “boreais”; na região polar do Sul designam-se “austrais”.<br />Podem aparecer em vários formatos: pontos luminosos, faixas no sentido horizontal ou circulares. As cores podem variar muito. Frequentemente aparecem em várias cores ao mesmo tempo.<br />Este nome, aurora boreal, foi dado pelo astrónomo Galileu Galilei , tendo em conta personagens da mitologia greco-romana: a deusa romana Aurora e seu filho Boreas.<br />
  18. 18. RADIAÇÃO SOLAR<br />
  19. 19. Espectro electromagnético da radiação solar<br />
  20. 20. REFRACÇÃO DA RADIAÇÃO VISÍVEL <br />
  21. 21. As gotas de água comportam-se como um prisma e permitem as refracção da luz solar (radiação visível)<br />
  22. 22. BALANÇO ENERGÉTICO DA TERRA<br />
  23. 23.
  24. 24. EFEITO DE ESTUFA<br />O efeito de estufa é essencial para manter impedir que durante a noite a superfície terrestre arrefeça demasiado em consequência da radiação infravermelha que emite, o que tornaria muito difícil a vida na Terra. <br />
  25. 25. ALBEDO<br /> O albedo é a relação entre a radiação solar incidente e a energia que é reflectida. Varia consoante as superfícies.<br />Albedo global<br />
  26. 26. Variação do albedo consoante as superfícies<br />
  27. 27. FACTORES QUE INFLUENCIAM A RADIAÇÃO SOLAR<br />Movimento de Rotação da Terra<br /><ul><li> Tem a duração aproximada de 24 horas
  28. 28. Dá origem à sucessão dos dias e das noites
  29. 29. Influencia a obliquidade dos raios solares durante o dia</li></ul>http://www.youtube.com/watch?v=EsU2WHFbM74<br />
  30. 30.
  31. 31. Latitude<br />Nas regiões de latitude superior a 23⁰ 27’, quanto maior é o valor de latitude maior é a obliquidade dos raios solares, pelo que menor é a radiação solar incidente.<br />Radiação anual em Kwh/m2<br />
  32. 32. Movimento de Translação da Terra associado à inclinação do eixo terrestre<br />O movimento de translação da Terra tem a duração aproximada de 365 dias e 6 horas; <br />A associação destes dois factores dá origem à sucessão das estações do ano e à desigualdade da duração dos dias e das noites ao longo do ano.<br />
  33. 33. http://www.youtube.com/watch?v=MZIZhPOdQzI<br />http://video.tiscali.it/canali/truveo/39857446.html<br />
  34. 34.
  35. 35. Solstício de Junho<br />
  36. 36. Nebulosidade e composição da atmosfera<br />Estes factores influenciam a absorção, reflexão e difusão da radiação solar, pelo que condicionam a quantidade de radiação incidente sobre a superfície terrestre.<br />
  37. 37. Declive e exposição geográfica das vertentes <br />A inclinação das vertentes pode diminuir a obliquidade dos raios solares e aumentar a radiação solar incidente.<br />A norte do Trópico de Câncer, as vertentes voltadas para sul são soalheiras e as voltadas para norte são umbrias. <br />
  38. 38. Referências<br />www.ciencia-cultura.com<br />www.oficina.cienciaviva.pt<br />www.meteor.co.il<br />http://universocuantico.files.wordpress.com<br />scope.pari.edu/<br />pt.software.emule.com<br />cienciaecuriosidade.wordpress.com<br />www.impactlab.com<br />nautilus.fis.uc.pt<br />www.prof2000.pt/.../geo7/clima/<br />bi.gave.min-edu.pt<br />www.earthobservatory.nasa.gov<br />http://img462.imageshack.us/i/albedo11il.jpg/<br />www.rinconsolidario.org/aire/Webs/atmosfera.htm<br />

×