Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sistema solar; Atmosfera; Radiação solar

10,564 views

Published on

Apresentação Powerpoint

  • Be the first to comment

Sistema solar; Atmosfera; Radiação solar

  1. 1. SISTEMA SOLAR<br />
  2. 2. Origem do Sistema Solar<br />http://www.youtube.com/watch?v=4iCuHjvehvU<br />
  3. 3.
  4. 4.
  5. 5.  <br /> <br />Características e dados do Sistema Solar<br /> <br />* 1 UA (Unidade astronómica) – Distância média da Terra ao Sol<br /> <br />Comparação dos planetas do Sistema Solar <br /> <br />
  6. 6. ATMOSFERA TERRESTRE<br />
  7. 7. A atmosfera é uma camada gasosa que envolve o planeta Terra e acompanha todos os seus movimentos. Com espessura de aproximadamente 600 km, a atmosfera está intimamente ligada a tudo o que acontece na superfície terrestre. <br />A atmosfera actua como um filtro, tanto das radiações solares que atingem a superfície do planeta como das radiações que se reflectem dela para o exterior. É este efeito de filtro nos dois sentidos que tem determinado, desde há milhões de anos, o clima das diferentes regiões da terra e o desenvolvimento das espécies de animais e plantas que a povoam.<br />
  8. 8. COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA ATMOSFERA<br />Principais componentes <br />Azoto ou nitrogénio - 78%<br />Oxigénio -21%<br />Árgon- 0,93%<br />Dióxido de carbono- 0,033%<br /> <br />Compostos presentes em menores quantidades: <br />Néon<br />Hélio<br />Kripton<br />Xénon<br />Metano<br />Monóxido de carbono<br />Óxido nitroso<br />Ozono<br />Outros gases mais reactivos:<br />H2S, SO2, NH3, NO2<br />
  9. 9. Estrutura da atmosfera de acordo com a temperatura<br />
  10. 10.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. Estrutura da atmosfera segundo a temperatura e a composição química<br />
  14. 14. Auroras boreais<br />
  15. 15. Normalmente, as auroras boreais são esverdeadas pois os átomos de oxigénio das altas camadas atmosféricas emitem luz verde, ao serem excitados pelos eléctrodos de alta velocidade do vento solar. Quando a tempestade é muito forte, camadas mais baixas da atmosfera são atingidas pelo vento solar e a aurora boreal pode ser vermelha, cor da luz emitida por átomos excitados de nitrogénio, outro constituinte de nossa atmosfera. Além disso, nesse caso as auroras boreais podem ser vistas mesmo a latitudes bem menores, mais próximas do equador. O fenómeno das auroras é visível na Terra e em todos os planetas gasosos do Sistema Solar. Na Terra  elas ocorrem ao longo de todas as chamadas "zonas aurorais", regiões em forma de anel que circundam os pólos geomagnéticos Norte e Sul. Estas  zonas aurorais, onde os observadores terrestres podem ver a aurora em sua actividade máxima, estão localizadas em latitudes de 67⁰ Norte e Sul, e tem, aproximadamente, 6 graus de largura. Quanto mais ao Norte  ou ao Sul  estivermos maior é a chance de ver uma aurora. O Norte da Europa, em particular, Norte da Noruega e da Finlândia, são excelentes locais para observação de auroras. O Alasca também é outro bom lugar, em particular a cidade de Fairbanks.<br />
  16. 16.
  17. 17. Estes fenómenos podem ser vistos a olho nu, entre o final da tarde e ínicio da noite nas regiões polares. Na região polar Norte têm o nome de “boreais”; na região polar do Sul designam-se “austrais”.<br />Podem aparecer em vários formatos: pontos luminosos, faixas no sentido horizontal ou circulares. As cores podem variar muito. Frequentemente aparecem em várias cores ao mesmo tempo.<br />Este nome, aurora boreal, foi dado pelo astrónomo Galileu Galilei , tendo em conta personagens da mitologia greco-romana: a deusa romana Aurora e seu filho Boreas.<br />
  18. 18. RADIAÇÃO SOLAR<br />
  19. 19. Espectro electromagnético da radiação solar<br />
  20. 20. REFRACÇÃO DA RADIAÇÃO VISÍVEL <br />
  21. 21. As gotas de água comportam-se como um prisma e permitem as refracção da luz solar (radiação visível)<br />
  22. 22. BALANÇO ENERGÉTICO DA TERRA<br />
  23. 23.
  24. 24. EFEITO DE ESTUFA<br />O efeito de estufa é essencial para manter impedir que durante a noite a superfície terrestre arrefeça demasiado em consequência da radiação infravermelha que emite, o que tornaria muito difícil a vida na Terra. <br />
  25. 25. ALBEDO<br /> O albedo é a relação entre a radiação solar incidente e a energia que é reflectida. Varia consoante as superfícies.<br />Albedo global<br />
  26. 26. Variação do albedo consoante as superfícies<br />
  27. 27. FACTORES QUE INFLUENCIAM A RADIAÇÃO SOLAR<br />Movimento de Rotação da Terra<br /><ul><li> Tem a duração aproximada de 24 horas
  28. 28. Dá origem à sucessão dos dias e das noites
  29. 29. Influencia a obliquidade dos raios solares durante o dia</li></ul>http://www.youtube.com/watch?v=EsU2WHFbM74<br />
  30. 30.
  31. 31. Latitude<br />Nas regiões de latitude superior a 23⁰ 27’, quanto maior é o valor de latitude maior é a obliquidade dos raios solares, pelo que menor é a radiação solar incidente.<br />Radiação anual em Kwh/m2<br />
  32. 32. Movimento de Translação da Terra associado à inclinação do eixo terrestre<br />O movimento de translação da Terra tem a duração aproximada de 365 dias e 6 horas; <br />A associação destes dois factores dá origem à sucessão das estações do ano e à desigualdade da duração dos dias e das noites ao longo do ano.<br />
  33. 33. http://www.youtube.com/watch?v=MZIZhPOdQzI<br />http://video.tiscali.it/canali/truveo/39857446.html<br />
  34. 34.
  35. 35. Solstício de Junho<br />
  36. 36. Nebulosidade e composição da atmosfera<br />Estes factores influenciam a absorção, reflexão e difusão da radiação solar, pelo que condicionam a quantidade de radiação incidente sobre a superfície terrestre.<br />
  37. 37. Declive e exposição geográfica das vertentes <br />A inclinação das vertentes pode diminuir a obliquidade dos raios solares e aumentar a radiação solar incidente.<br />A norte do Trópico de Câncer, as vertentes voltadas para sul são soalheiras e as voltadas para norte são umbrias. <br />
  38. 38. Referências<br />www.ciencia-cultura.com<br />www.oficina.cienciaviva.pt<br />www.meteor.co.il<br />http://universocuantico.files.wordpress.com<br />scope.pari.edu/<br />pt.software.emule.com<br />cienciaecuriosidade.wordpress.com<br />www.impactlab.com<br />nautilus.fis.uc.pt<br />www.prof2000.pt/.../geo7/clima/<br />bi.gave.min-edu.pt<br />www.earthobservatory.nasa.gov<br />http://img462.imageshack.us/i/albedo11il.jpg/<br />www.rinconsolidario.org/aire/Webs/atmosfera.htm<br />

×