Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula 05 linguagem visual

3,759 views

Published on

Teoria da Forma
Ponto, Linha, Plano, Volume e Cor.
Fundamentos da linguagem visual.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Aula 05 linguagem visual

  1. 1. LINGUAGEM VISUAL AULA 05 Teoria da Forma Prof. Ms. Elizeu N. Silva
  2. 2. Assim como a linguagem verbal, a linguagem visual é constituída por elementos fundamentais presentes em qualquer projeto de design. Entendemos por elementos fundamentais aqueles que constituem a substância básica da linguagem visual.
  3. 3. O design se estrutura a partir da linguagem visual, que a exemplo da linguagem verbal, obedece a princípios ou fundamentos que visam facilitar a busca por soluções nos projetos de design. É possível adotar apenas a intuição e a sensibilidade estética como guias na elaboração de projetos. Contudo, o domínio sobre elementos fundamentais do design amplia significativamente a capacidade
  4. 4. A linguagem visual é composta de poucos vocábulos. Os principais são: • o ponto; • a linha; • o plano; • o volume; • a cor. Esses poucos elementos básicos, quem nem precisam ser utilizados em conjunto, são suficientes para expressar sentimentos, desejos, conceitos, ordens, sugestões e tudo o mais que se queira comunicar. Tanto na arte, como no design, bastam uns poucos vocábulos ordenados conscientemente para expressar ideias.
  5. 5. Wassily Kandinsky. Composition VIII (1923)
  6. 6. Ponto: É a unidade visual mais simples e irredutível. Possui formato, cor, tamanho e textura. Caracteriza-se pelo tamanho (pequeno em relação aos demais elementos do layout) e formato (simples). Organizados sequencialmente, os pontos formam linhas que dirigem o olhar. Quanto mais unidos, mais força adquirem na condução do olhar.
  7. 7. Georges-Pierre Seurat. Tarde de Domingo na Ilha da Grande Jatte (1884-1886)
  8. 8. Posicionados em sequência, dão ideia de continuidade e constroem linhas que direcionam o olhar. Em justaposição, os pontos criam ilusão de escurecimento das superfícies, dão ideia de volume e contraste entre brilho e sombra.
  9. 9. Os processos industriais de impressão utilizam pontos para reproduzir as formas e as cores. Neste caso, os pontos são chamados de retículas, que variam em tamanho e densidade para criar a ilusão das imagens e das cores impressas.
  10. 10. Linha: Pontos muito próximos uns dos outros deixam de ser vistos isoladamente. As linhas compõem objetos, estabelecem os limites da forma e direcionam o olhar. Por decorrer do ponto, é considerada o elemento secundário da linguagem visual. As linhas estabelecem o contraste entre a forma, significativa, e o fundo, insignificante, garantindo a interpretação plena da mensagem visual.
  11. 11. Atributos das linhas: • Longas ou curtas; • Estreitas ou largas; • Coloridas ou não; • Abertas ou fechadas; • Retas ou curvas; • Quebradas; • Mista.
  12. 12. Em função das formas que assumem, as linhas podem expressar estados de espírito, reforçar ideias ou transmitir sentimentos. Em todos os casos, a interpretação ocorre por associação de ideias – razão pela qual os significados não são absolutos. • Linha reta horizontal: amplitude, espaço, quietude, descanso, relaxamento, paz. Lembram objetos estáticos, planos, estáveis.
  13. 13. • Linha reta vertical: sensação de alerta, ação, movimento, vida, altura, poder, força, crescimento.
  14. 14. • Linha reta inclinada: sensação de instabilidade, movimento, dinamismo, vitalidade.
  15. 15. • Linha sinuosa (curvas e onduladas): sensação de alegria, movimento, sensualidade, feminilidade, subjetividade, graça, ritmo,
  16. 16. • Linha quebrada: sensação de agressividade, imprevisibilidade, força, tensão.
  17. 17. • Linhas mistas (retas e curvas): sensação de dinamismo, confusão, movimento, indefinição.
  18. 18. Da mesma forma que o ponto, na composição as linhas também se apresentam dispersas ou agrupadas, resultando em claros e escuros em função da distância entre elas.
  19. 19. Plano: A linha em movimento produz planos. Como elemento visual, os planos possuem comprimento e largura, se fixam em determinadas posições e direções, e têm nas linhas seus limites externos. • Planos Geométricos:
  20. 20. • Planos Orgânicos:
  21. 21. • Planos Retilíneos:
  22. 22. • Planos Irregulares:
  23. 23. • Planos Caligráficos:
  24. 24. • Planos Acidentais:
  25. 25. Os planos podem ser lisos ou texturizados. Estamos aptos a identificar as texturas tanto pelo tato como pela visão. As texturas podem preencher planos, servir como fundos de letras e linhas, atuar como fundo de layout. Textura lisa: dureza, artificialidade, frio; Textura áspera: agressividade, raiva, calor; Textura macia: aconchego, conforto, suavidade; Textura enrugada: tristeza, umidade.
  26. 26. Volume: Confere profundidade aos planos, favorecendo a identificação dos objetos representados pela forma. É o espaço contido na forma tridimensional.
  27. 27. Na linguagem verbal os vocábulos têm significado definido arbitrariamente. Na palavra “cavalo” não há nada que remeta à forma do animal ou ao animal em si. A ligação entre a palavra e o animal é uma imposição da língua. Já na linguagem visual o significado dos vocábulos (ponto, linha, plano, volume, cor) depende diretamente do contexto no qual estão inseridos.
  28. 28. Alguns pressupostos ajudam a compreender a Linguagem Visual: Elementos conceituais: Não são visíveis, mas se manifestam. Por exemplo: Sentimos uma linha contornando um plano e compondo uma figura, mesmo que não estejam desenhados. Ou, em um ângulo agudo, sentimos a existência de um ponto mesmo que ele não esteja desenhado.
  29. 29. Elementos visuais: São visíveis objetivamente. As linhas e os planos de um objeto desenhado são visíveis – mesmo quando representam formas conceitualmente. Podemos inclusive variar a forma como representamos o comprimento, largura, textura ou cor da linha, bem como o preenchimento do plano. Os elementos visuais constituem a representação gráfica explícita, pois podem ser vistas objetivamente.
  30. 30. Elementos relacionais: Governam a localização e a inter- relação das formas em uma composição. Alguns nos permitem perceber direção e posição pretendidos pelo designer, enquanto outros provocam sensações de espaço, volume e profundidade.
  31. 31. Forma: A percepção da forma requer a identificação do que ela significa. Requer interpretação, porque ela é o oposto da insignificância. A forma é uma presença em si. As formas são compostas de contorno e superfície e adquirem existência sobre algum tipo de suporte. O limite exterior da forma é o contorno, que atua como fronteira entre o significante (forma ) e o insignificante (fundo).
  32. 32. Suporte: Qualquer meio material ou eletrônico onde a forma se realiza. Pode ser uma folha de papel, a tela do computador, um bloco de pedra do qual surge uma escultura, uma parede que recebe uma projeção luminosa. Figura e fundo: A figura se destaca do fundo pela atenção que desperta no observador. É o elemento que possui significado, enquanto o fundo é o pouco significativo. A distinção entre figura e fundo decorre do contraste entre ambos.
  33. 33. Nem sempre as relações entre figura e fundo são definidas objetivamente. Há situações em que um plano pode ser percebido ora como figura, ora como fundo.

×