Middlewares para TV Digital Terreste

386 views

Published on

Middlewares para TV Digital Terreste

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
386
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Middlewares para TV Digital Terreste

  1. 1. MIDDLEWARES PARA TVD FIXA Alexia Lolli Zerbini Prof.ª Ms. Elaine Cecília Gatto Disciplina: Princípios de Telecomunicações Engenharia de Computação
  2. 2. O quê é um Middleware? É uma camada de software que faz a conexão entre alguns aplicativos e diversos modelos de receptores e/ou ambientes, de forma organizada. “O Middleware é a designação genérica utilizada para referir os sistemas de software que se executam entre as aplicações e os sistemas operativos.”
  3. 3. Como funciona? Faz a interação entre o sistema operacional e ou receptor e vários aplicativos e ou sinais, aglomerando, e fazendo uma conexão coerente, moldando de forma correta e unificada às aplicações e ambientes diversos.
  4. 4. Além de tudo faz a adaptação de certos aplicativos que eram destinados à sistemas antigos. O middleware é constituído por um conjunto de API’S (Interfaces de programação de aplicativos) de alto nível, unificando os mais diversos tipos de linguagens. Criando uma máscara heterogênea, máscara pois não unifica integralmente o programa/aplicativo, passando na verdade uma falsa homogeneidade. Pois as API’S de baixo nível são independentes ao seu dispositivo.
  5. 5. Exemplo
  6. 6. Aplicações Os principais objetivos do middleware são: A integração entre sistemas heterogêneos. - A intermediação entre as aplicações e ou sinal e o sistema operacional e ou receptor. Contudo pode ser utilizado numa vasta gama de aplicações de determinados domínios.
  7. 7. Tipos de middleware • DASE O middleware DASE ou DTV Application Software Enviroment é utilizado no padrão de TV Digital NorteAmericano ATSC. Este software permite que serviços interativos sejam executados normalmente por qualquer receptor. O padrão DASE permite aos criadores de conteúdo aperfeiçoado e interativo as especificações necessárias para que os aplicativos e dados executem uniformemente em todos os modelos e marcas de receptores.
  8. 8. • MHP O MHP é o middleware usado no padrão Europeu DVB. O padrão MHP é uma combinação de suportes à broadcast e à Internet, oferecendo uma API acessível a todos que desejam desenvolver aplicações, receptores e aparelhos de TV. No perfil Enhanced, não é oferecido suporte a canal de retorno e conexão IP. Executa as aplicações via difusão (broadcast). Já o perfil Interactive suporta a um canal de retorno e conexão IP, permitindo assim a possibilidade de interatividade remota. O ultimo perfil disponibilizado pelo Middleware MHP é o Internet Access que suporta aplicações web, além de aplicações desenvolvidas em Java. Este último perfil só foi disponibilizado na versão MHP 1. O MPH é dividido em três camadas: recursos (hardware embutidos), software (aplicações) e interface das aplicações (interoperabilidade).
  9. 9. • ARIB (Association of Radio Industries and Business) é utilizado no padrão Japonês ISDB. Neste sistema, áudio, vídeo e todos os serviços de dados são multiplexados e transmitidos via broadcasting de rádio, em um TS (Transport Stream) especificado pelo MPEG-2. Os canais para a interatividade das comunicações são disponibilizados através dos canais interativos da rede. O sistema de transmissão de dados que utiliza o armazenamento dos pacotes como um fluxo de pacotes no PES (Packetized Elementary Stream) é usado para aplicações em tempo real, que necessitam de sincronização na decodificação e reprodução dos diferentes tipos de mídia.
  10. 10. A estrutura lógica do display ARIB é composta, respectivamente, de plano de vídeo, plano de figura, plano de controle, plano de gráficos e textos e plano de legendas. Além disso, existe o sistema de transmissão de dados, no qual os dados serão transmitidos inúmeras vezes. Este serviço é especificado como carrossel de dados. GINGA O padrão de camada de software intermediário Ginga foi o primeiro middleware opensource desenvolvido no Brasil. Com o intuito de prover funções de interatividade para TV Digital e foi lançado no dia 3 de Julho de 2007 no Auditório Principal do Instituto Militar de Engenharia Praia Vermelha, Rio de Janeiro.
  11. 11. O Middleware Ginga foi uma iniciativa realizada pelo Laboratório TeleMídia do Departamento de Informática da PUC – Rio em conjunto com o Laboratório LAVID da Universidade Federal da Paraíba. Este padrão brasileiro é divido em Ginga-NCL e GingaJ. • Ginga-NCL O subsistema lógico GingaNCL é composto por uma série de módulos. O mais importante módulo é o NCL Formatter, já que este é responsável por receber um documento NCL e controlar a sua apresentação, tentando garantir que relacionamentos entre objetos de mídia sejam respeitados. Os documentos NCL são providos por uma estrutura chamada private base que corresponde um canal de TV. • Ginga-J A arquitetura Ginga-J é composta de cinco camadas: Hardware, Sistema Operacional, Implementação Ginga e Java Virtual Machine (JVM), API Ginga-J e Xlets.
  12. 12. Exemplos de aplicações • Gerenciamento de apresentação; • Computação; • Gerenciamento de informação; • Comunicação; • Controle; • Gerenciamento do sistema; • Sistema de entrega; • Comunicação entre processos; • Interface com o usuário; • Utilização universal de middlewares comuns; • Soluções comuns suportando variabilidade e controle.
  13. 13. Vantagens e desvantagens Dois pontos importantes em sua elaboração são sua flexibilidade e performance. Uma desvantagem dos middlewares se concentra justamente em sua capacidade de amenizar a heterogeneidade, pois ele o faz adicionando uma falsa homogeneidade no sistema, o que apenas retarda a colisão entre os sistemas heterogêneos.
  14. 14. Tipos de Middleware • Adaptativo: O objetivo desse tipo de middleware é ser dinamicamente personalizável o que facilita às aplicações móveis e flexibilidade necessária. • Reflexivo: Nesse caso a aplicação pode acessar algumas partes do estado do sistema logo abaixo e modifica-lo dinamicamente.
  15. 15. Conclusão Para que estes objetivos sejam alcançados, devem fornecer serviços que atendam ao domínio de aplicações para o qual foi construído, sendo importante que este serviço tenha sua base em uma das APIs ou protocolos padrões.
  16. 16. A sua elaboração é estimulada devido a facilidade de manuseio, incentivando a criação de comandos e aplicações com código relativamente fáceis de se entender e comunicar com a interface do middleware.
  17. 17. Referências bibliográficas o http://pesquompile.wikidot.com/middleware-t o http://en.wikipedia.org/wiki/Middleware o www.teleco.com.br.htm o http://www.slideshare.net/julianamarialop/middleware2007314 o http://www4.fct.unesp.br/ronaldo/uploads/uma%20solucao% 20para%20o%20desenvolvimento%20de%20aplica%C3%A7oe s%20distribuidas.pdf o http://www.borland.com/br/products/middleware/index.aspx o http://www.midiacom.uff.br/downloads/pdf/paes_2005.pdf Acessado em 22/11/11

×