Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Jean piaget

27,082 views

Published on

Trabalho apresentado em Reunião de Escola.

Published in: Education, Technology

Jean piaget

  1. 1. Jean Piaget nasceu no dia 9 de agosto de 1896, em Neuchâtel, na Suíça. Seu pai, um calvinista convicto, era professor universitário de Literatura medieval. Piaget foi um menino prodígio. Interessou-se por História Natural ainda em sua infância. Aos 11 anos de idade, publicou seu primeiro trabalho sobre sua observação de um pardal albino . Esse breve estudo é considerado o início de sua brilhante carreira científica.
  2. 2. Frequentou a Universidade de Neuchâtel, onde estudou Biologia e Filosofia. Ele recebeu seu doutorado em Biologia em 1918, aos 22 anos de idade. Após formar-se, foi para Zurich, onde trabalhou como psicólogo experimental. Lá ele frequentou aulas lecionadas por Jung e trabalhou como psiquiatra em uma clínica. Essas experiências influenciaram-no em seu trabalho. Ele passou a combinar a psicologia experimental - que é um estudo formal e sistemático - com métodos informais de psicologia: entrevistas, conversas e análises de pacientes. O ano de 1919 foi um marco em sua vida. Quando iniciou seus estudos experimentais sobre a mente humana e começou a pesquisar também sobre o desenvolvimento das habilidades cognitivas. Seu conhecimento de Biologia levou-o a enxergar o desenvolvimento cognitivo de uma criança como sendo uma evolução gradativa .
  3. 3. Em 1921, voltou à Suíça e tornou-se diretor de estudos no Instituto J. J. Rousseau da Universidade de Genebra. Lá ele iniciou o maior trabalho de sua vida, ao observar crianças brincando e registrar meticulosamente as palavras, ações e processos de raciocínio delas. Enquanto prosseguia com suas pesquisas e publicações de trabalhos, Piaget lecionou em diversas universidades européias. Registros revelam que ele foi o único suíço a ser convidado para lecionar na Universidade de Sorbonne (Paris, França), onde permaneceu de 1952 a 1963. Até a data de seu falecimento fundou e dirigiu o Centro Internacional para Epistemologia Genética. Ao longo de sua brilhante carreira, Piaget escreveu mais de 75 livros e centenas de trabalhos científicos.
  4. 4. “ Uma verdade apreendida não é mais que uma meia verdade, enquanto a verdade inteira deve ser reconquistada, reconstruída ou redescoberta pelo próprio aluno”
  5. 5. O desenvolvimento intelectual : INTELIGÊNCIA A Epistemologia Genética é a teoria desenvolvida por Jean Piaget , e consiste numa síntese das teorias então existentes, o apriorismo e o empirismo . Piaget não acredita que o conhecimento seja inerente ao próprio sujeito, como postula o apriorismo, nem que o conhecimento provenha totalmente das observações do meio que o cerca, como postula o empirismo.
  6. 6. CONSTRUTIVISMO – “ Conceber a inteligência como o desenvolvimento de uma atividade assimiladora cujas leis funcionais são dadas desde a vida orgânica e cujas estruturas sucessivas que lhe servem de órgãos se elaboram por interação entre ela e o meio exterior” ...parte da idéia de que o homem não nasce inteligente, mas também não é passivo sob a influência do meio, isto é, ele responde aos estímulos externos agindo sobre eles para construir e organizar o seu próprio conhecimento, de forma cada vez mais elaborada. Piaget acredita no...
  7. 7. Construção da Epistemologia Genética “ Toda teoria, todo conceito, todo objeto criado pelo homem foi anteriormente uma estratégia, uma ação, um gesto.” Deste postulado básico nasce, então uma nova norma pedagógica: “ Se para aprender bem é necessário compreender bem, para compreender bem é preciso reconstruir por si mesmo, não tanto o conceito ou objeto de que se trate, mas o percurso que levou do gesto inicial a esse conceito ou a esse objeto”
  8. 8. Aqui algumas idéias centrais de sua teoria:   1 - A inteligência para Piaget é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e, como tal, implica a construção contínua de novas estruturas. Esta adaptação refere-se ao mundo exterior, como toda adaptação biológica. Desta forma, os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam.   2 - Para Piaget o comportamento dos seres vivos não é inato, nem resultado de condicionamentos. Para ele o comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. Esta teoria epistemológica ( epistemo = conhecimento; e logia = estudo) é caracterizada como interacionista.( quanto mais complexa for esta interação, mais “ inteligente ” será o indivíduo. )
  9. 9. 3 - “ Não existe estrutura sem gênese, nem gênese sem estrutura ” (Piaget). Ou seja, a estrutura de maturação do indivíduo sofre um processo genético e a gênese depende de uma estrutura de maturação. Sua teoria nos mostra que o indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo. Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um conhecimento anterior para poder assimilá-lo e transformá-lo.   4 - O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos. Piaget diz que a embriologia humana evolui também após o nascimento, criando estruturas cada vez mais complexas. A construção da inteligência dá-se portanto em etapas sucessivas, com complexidades crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de “ construtivismo sequencial ”.
  10. 10. A seguir os períodos em que se dá este desenvolvimento motor, verbal e mental. A - Período Sensório-Motor - do nascimento aos 2 anos, aproximadamente. A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) e das ações (motor) através dos deslocamentos do próprio corpo. B - Período Simbólico - dos 2 anos aos 4 anos, aproximadamente. Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem, do desenho, da imitação, da dramatização, etc.. é o período da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico
  11. 11. C - Período Intuitivo - dos 4 anos aos 7 anos, aproximadamente.  Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “ idade dos porquês ”, pois o indivíduo pergunta o tempo todo.   D . Período Operatório Concreto - dos 7 anos aos 11 anos, aproximadamente.        É o período em que o indivíduo consolida as conservações de número, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenar elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, organizando então o mundo de forma lógica ou operatória.
  12. 12.   E - Período Operatório Abstrato - dos 11 anos em diante.        É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático. É quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto em proveito de interesses orientados para o futuro. É, finalmente, a “ abertura para todos os possíveis ”.
  13. 13. 5 - A importância de se definir os períodos de desenvolvimento da inteligência reside no fato de que, em cada um, o indivíduo adquire novos conhecimentos ou estratégias de sobrevivência, de compreensão e interpretação da realidade. A compreensão deste processo é fundamental para que os professores possam também compreender com quem estão trabalhando.
  14. 14. A obra de Jean Piaget não oferece aos educadores uma didática específica sobre como desenvolver a inteligência do aluno ou da criança. Piaget nos mostra que cada fase de desenvolvimento apresenta características e possibilidades de crescimento da maturação ou de aquisições. O conhecimento destas possibilidades faz com que os professores possam oferecer estímulos adequados a um maior desenvolvimento do indivíduo.
  15. 15. Desenvolvimento Moral - anomia (crianças até 5 anos): geralmente a moral não se coloca, com as normas de conduta sendo determinadas pelas necessidades básicas. Porém, quando as regras são obedecidas, são seguidas pelo hábito e não por uma consciência do que se é certo ou errado. Um bebê que chora até que seja alimentado é um exemplo dessa fase. - heteronomia (crianças até 9, 10 anos de idade): O certo é o cumprimento da regra e qualquer interpretação diferente desta não corresponde a uma atitude correta. Um homem pobre que roubou um remédio da farmácia para salvar a vida de sua esposa está tão errado quanto um outro que assassinou a esposa, seguindo o raciocínio heteronômico. - autonomia : legitimação das regras. O respeito a regras é gerado por meio de acordos mútuos. É a última fase do desenvolvimento da moral.
  16. 16. Não há MORAL sem educação Moral – “Educação” no sentido amplo do termo. Existe entre as crianças, senão no geral, duas “morais”, isto é, duas maneiras de sentir e de se conduzir que resultam da pressão no espírito da criança de dois tipos fundamentais de relações interindividuais. Essas duas morais, que se combinam entre si, são muito distintas na infância e se reconciliam no curso da adolescência. Respeito - É o sentimento fundamental que possibilita a aquisição das noções morais.
  17. 17. Existem dois tipos de RESPEITO: <ul><li>Respeito UNILATERAL – Implica uma desigualdade entre aquele que respeita e aquele que é respeitado. </li></ul><ul><li>É o respeito do pequeno pelo grande, da criança pelo adulto, do caçula pelo irmão mais velho. </li></ul><ul><li>Resulta numa relação de COAÇÃO. </li></ul><ul><li>Respeito MÚTUO - Indivíduos que estão em contato se consideram como iguais e se respeitam recíprocamente. </li></ul><ul><li>Resulta numa relação de COOPERAÇÃO. </li></ul>Essa COOPERAÇÃO constitui o essencial das relações entre crianças ou entre adolescentes, num jogo regulamentado, numa organização de self-government ou numa discussão sincera e bem conduzida.
  18. 18. Então... O dever primitivo assim resultante da pressão do adulto sobra a criança permanece essencialmente HETERÔNOMO. Ao contrário, a moral resultante do respeito mútuo e das relações de cooperação pode caracterizar-se por um sentimento diferente, o sentimento do bem , mais interior à consciência e, então, o ideal da reciprocidade tende a tornar-se inteiramente AUTÔNOMO. Em resumo, não há exagero em se falar de duas morais que coexistem na criança e que as características de HETERONOMIA e da AUTONOMIA conduzem a avaliações e comportamentos muito diferentes.
  19. 19. Os métodos “ativos” da Educação Moral A “escola ativa” baseia-se na ideia de que as matérias a serem ensinadas à criança não devem ser impostas de fora, mas redescobertas pela criança por meio de uma verdadeira investigação e de uma atividade espontânea. Liga da Bondade - 1912 –Congresso de Educação Moral de La Haya Para fazer parte da Liga da Bondade, a criança se compromete, simplesmente, a “perguntar, todas as manhãs, o que poderá fazer de bom durante o dia. À noite, deve dar-se conta do resultado de seus esforços e lembrar-se do bem que tenha desejado fazer ao seu redor”.
  20. 20. Os resultados, quaisquer que sejam, tratem-se de vitórias ou fracassos, são escritos numa folha não assinada, que a criança deposita numa caixa colocada em uma classe para este fim. Depois estas anotações são lidas, durante a aula de moral. Pág. 55 Outro movimento bastante conhecido, deve seu imenso sucesso aos mesmos princípios da atividade e da mutualidade: ESCOTISMO - O apelo à honra para formar o caráter, à ajuda aos outros e o equilíbrio entre a saúde física e a saúde moral são os preceitos usados. Baden Powel, nos seus relatos, compreendeu muito bem, não só que o exemplo é tudo na educação, mas também que as relações das pessoas entre si constituem a verdadeira fonte dos imperativos morais.
  21. 21. Esta é a razão pelo qual o ideal do chefe dos escoteiros é ser um treinador e não um comandante; o instrutor não deve ser nem um professor de escola, nem um oficial de tropa, nem um pastor, nem um monitor, ele deve ser um “HOMEM-CRIANÇA”, ele deve ter, em si, a alma de uma criança; ele deve colocar-se no mesmo plano daqueles de quem vai ocupar-se.
  22. 22. Estrutura e aprendizagem Na concepção piagetiana, a aprendizagem só ocorre mediante a consolidação das estruturas de pensamento, portanto a aprendizagem sempre se dá após a consolidação do esquema que a suporta, da mesma forma a passagem de um estágio a outro estaria dependente da consolidação e superação do anterior. Na perspectiva de Piaget, para que ocorra a construção de um novo conhecimento, é preciso que se estabeleça um desequilibrio nas estruturas mentais, isto é, os conceitos já assimilados necessitam passar por um processo de desorganização para que possam novamente, a partir do contato com novos conceitos se reorganizarem, estabelecendo um novo conhecimento. Este mecanismo pode ser denominado de equilibração das estruturas mentais, ou seja, a transformação de um conhecimento prévio em um novo.
  23. 23. “ ... os jogos não são apenas uma forma de desafogo ou entretenimento para gastar energias das crianças, mas meios que contribuem e enriquecem o desenvolvimento intelectual”.
  24. 24. Conclusão Em seus estudos sobre crianças, Jean Piaget descobriu que elas não raciocinam como os adultos. Esta descoberta levou-o a recomendar aos adultos que adotassem uma abordagem educacional diferente ao lidar com crianças. Ele modificou a teoria pedagógica tradicional que, até então, afirmava que a mente de uma criança é vazia, esperando ser preenchida por conhecimento. Na visão de Piaget, as crianças são as próprias construtoras ativas do conhecimento, constantemente criando e testando suas teorias sobre o mundo.
  25. 25. .Grande parte desse conhecimento é adquirida através das zonas do conhecimento onde os jogos e brincadeiras infantis têm sua principal influencia, onde as noções de regras são criadas, a socialização se faz presente, o simbólico é exercitado, além do físico e o mental. Fazendo uma comparação relativa com os pensamentos e a linha de trabalho de Vygotsky.
  26. 26. &quot;O professor não ensina, mas arranja modos de a própria criança descobrir. Cria situações-problemas&quot;. &quot;A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe.&quot;  &quot;Tudo o que se ensina a uma criança, a criança não pode mais, ela mesma, descobrir ou inventar&quot;  &quot;A infância é o tempo de maior criatividade na vida de um ser humano&quot;. 
  27. 27. &quot;..a atividade lúdica é o berço obrigatório das atividades intelectuais da criança sendo por isso, indispensável à prática educativa&quot;.  &quot;Nas brincadeiras, uma criança age de acordo com sua visão do mundo&quot;.  &quot;Se o individuo é passivo intelectualmente, não conseguirá ser livre moralmente&quot; 
  28. 28. <ul><li>Portanto... </li></ul><ul><li>Piaget propõe uma escola sem coerção, </li></ul><ul><li>na qual o aluno é convidado a experimentar ativamente, para reconstruir por si mesmo, </li></ul><ul><li>aquilo que tem de aprender . </li></ul>
  29. 29. &quot;Nasceu gente é inteligente&quot;.  JEAN PIAGET
  30. 30. CRÉDITOS Textos e citações do Livro Jean Piaget Autor: Alberto Munari Coleção Educadores - MEC Formatação: Rosane Guimarães Abril/2011

×