Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Slide de Estatística Aplicada à Educação

20,648 views

Published on

Published in: Self Improvement

Slide de Estatística Aplicada à Educação

  1. 1. Profº Eduardo Alves dos Reis
  2. 2. Estatística? O que é?  Um conjunto de métodos utilizados para se analisar dados;  A estatística é uma ciência exata que atua na coleta de dados, na sua organização, na visualização para ajudar na solução de problemas. Resumindo:  qualquer coleta de dados quantitativos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  3. 3. No dia a dia, você, professor faz uso de Estatística?  Faz coleta de dados?  Analisa informações? Profº Eduardo Alves dos Reis
  4. 4. E isso? o que é? Diário de Classe – TURMA – A NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Profº Eduardo Alves dos Reis
  5. 5. Num primeiro momento o que podemos ver nesse diário? Diário de Classe – TURMA – A NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Profº Eduardo Alves dos Reis
  6. 6. E agora? Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 80% de reprovação Profº Eduardo Alves dos Reis
  7. 7. E agora? Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Dos alunos com notas baixas 50% tem faltas. É importante considerar isso? Profº Eduardo Alves dos Reis
  8. 8. O que podemos considerar a partir da análise de um Diário Escolar?  Se 10 a 20% dos alunos tem nota inferior à média escolar?  Se só 10 a 20% dos alunos são aprovados por média? Profº Eduardo Alves dos Reis
  9. 9. Se 10 a 20% dos alunos tem nota inferior à média escolar?  O que podemos considerar como origem do problema?  Dificuldades individuais de aprendizagem: Deficiência Intelectual, Deficiência Visual ou Auditiva e/ou outros problemas que dificultam a aprendizagem (dislexia, disfasia e disgrafia);  Problemas familiares: maus tratos, abusos, etc.  Alimentação inadequada: fome, subnutrição e outros.  Problemas de saúde: doenças, verminoses e outros.  Problemas de convívio social: bullying, preconceito, entre outros. Profº Eduardo Alves dos Reis
  10. 10. É preciso muito cuidado com os alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem. Profº Eduardo Alves dos Reis
  11. 11. Se só 10 a 20% dos alunos são aprovados por média?  O que considerar como origem do problema?  Dificuldade dos alunos à metodologia utilizada pelo professor;  Dificuldade dos alunos ante o assunto apresentado.  Fatores externos: barulho, e/ou outras atividades que desviem a atenção dos alunos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  12. 12. O que foi possível constatar?  Diariamente, o professor faz uso da Estatística;  Diariamente, faz análise de dados;  Pode, a partir da análise de dados, encontrar soluções para problemas; Profº Eduardo Alves dos Reis
  13. 13. A História da Estatística  A origem da palavra Estatística está associada à palavra latina STATUS (Estado).  Há indícios de que 3000 anos A.C. já se faziam censos na Babilônia, China e Egito e até mesmo o 4º. livro do Velho Testamento faz referência à uma instrução dada a Moisés, para que fizesse um levantamento dos homens de Israel que estivessem aptos para guerrear. Profº Eduardo Alves dos Reis
  14. 14. A História da Estatística  Em 1085, Guilherme, O Conquistador, solicitou um levantamento estatístico da Inglaterra, que deveria conter informações sobre terras, proprietários, uso da terra, empregados e animais. Os resultados deste Censo foram publicados em 1086 no livro intitulado "Domesday Book" e serviram de base para o cálculo de impostos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  15. 15. A História da Estatística  Contudo, mesmo que a prática de coletar dados sobre colheitas, composição da população humana ou de animais, impostos, etc., fosse conhecida pelos egípcios, hebreus, caldeus e gregos, e se atribuam a Aristóteles cento e oitenta descrições de Estados, apenas no século XVII a Estatística passou a ser considerada disciplina autônoma, tendo como objetivo básico a descrição dos BENS do Estado. Profº Eduardo Alves dos Reis
  16. 16. E a Estatística Moderna onde está?  Nas mais diversas áreas, entre elas: agricultura, biologia, comércio, química, comunicações, economia, educação, medicina, ciências políticas. Profº Eduardo Alves dos Reis
  17. 17. Roteiro da Estatística  Coleta de dados;  Organização;  Resumo;  Apresentação;  E análise. Profº Eduardo Alves dos Reis
  18. 18. Qual o objetivo da Estatística?  A obtenção de conclusões válidas;  Auxiliar na tomada de decisões razoáveis baseadas em tais análises. Profº Eduardo Alves dos Reis
  19. 19. A Estatística pode ser dividida em:  Estatística Descritiva: Trabalha com organização e apresentação de dados.  Estatística Indutiva: Trabalha com análise e interpretação de dados. Elas se inter-relacionam. Profº Eduardo Alves dos Reis
  20. 20. Para podermos trabalhar com Estatística precisamos conhecer o que é:  Dados: são as informações coletadas. Ex: faixa etária dos alunos, notas, frequência e/ou quaisquer outras informações importantes para o resultado pretendido.  População: é o todo, ou seja, é o conjunto de todos os elementos que tem uma característica em comum. Ex: a turma A de Pedagogia de Ourolândia. Profº Eduardo Alves dos Reis
  21. 21. Para trabalhar com Estatística precisamos conhecer o que é:  Amostra: É um subconjunto da população que terá a função de representar o todo. Ex: uma pesquisa com 10 alunos de cada turma de Pedagogia de Ourolândia. As pesquisas políticas e do IBOPE são feitas por amostragem, ou seja, fazem pesquisas com uma parte da população, para então, representar o todo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  22. 22. É importante saber que  A fase de coleta de dados é uma parte importante nesse processo, pois, se a amostra não contiver informações adequadas, todo o tratamento estatístico realizado posteriormente não trará informações conclusivas sobre a população sob investigação ou estudo. Além disso, podem-se tomar decisões erradas quando a amostra não é adequada. Profº Eduardo Alves dos Reis
  23. 23. Para isso precisamos saber que: Existem dois tipos de amostra:  Amostra representativa: caracteriza bem a população em estudo. Ex: Fazer pesquisa nas escolas do campo. Em comunidades quilombolas, ou a determinado grupo.  Neste tipo de amostra será identificado traços daquele grupo, não podendo aplicar soluções para qualquer outro grupo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  24. 24. Para isso precisamos saber que: Existem dois tipos de amostra:  Amostragem aleatória ou casual simples: É o método mais simples de obter uma amostra, todos os elementos da população têm a mesma chance de serem escolhidos. Um dos procedimentos para realizar esse tipo de amostragem é enumerar cada indivíduo ou objeto da população e, através de sorteio de números, escolher os indivíduos ou objetos que formarão a amostra.  Ex: Uma pesquisa de satisfação de serviço de determinada empresa numa cidade. No bairro A já foi plenamente atendido pela empresa. No bairro B, a empresa não terminou o serviço ou fez de qualidade inferior. Profº Eduardo Alves dos Reis
  25. 25. Variável, o que é?  Característica dos elementos de uma população ou de uma amostra, que pode assumir diferentes valores, sejam numéricos ou não numéricos, e que sejam interessantes ao estudo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  26. 26. A variável pode ser: Variável qualitativa Variável Quantitativa Não pode ser medida numericamente. Ex: cor dos olhos, Cor dos cabelos, marca de bebida Pode ser medida numericamente Ex: peso, altura, número de faltas de cada aluno, número de gols em cada jogo, etc. Ordinal: Nominais: Discretas Contínua Tem uma relação entre eles. Ex. Colocação -1º lugar, 2º lugar, 3º lugar Conceito: ótimo, bom, regular e péssimo São identificados por um nome. Ex. Cor dos olhos – azul, castanho, preta e verde Marcas de carro – Fiat, Chevrolet, Ford, etc O valor muda em saltos ou passos, não admitindo valores intermediários entre cada salto ou passo. Ex. -número de carros vendidos: O, 1, 2, 3, 4, 5, ... -número de filhos dos casais:0, 1, 2 ,3 ,4, 5, Admite infinitos valores dentro de um intervalo. EX. -altura das pessoas: 1,48m, 1,52m, 1,65m, 1,70m, 1 ,83m, etc. -Peso dos recém-nascidos: 2,8kg, 3,0 kg, 3,2kg, 3,5kg, etc. Profº Eduardo Alves dos Reis
  27. 27. Profº Eduardo Alves dos Reis
  28. 28. Como construir uma Tabela de Estatística 1) O título da tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI - 2013 Profº Eduardo Alves dos Reis
  29. 29. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE A B C D E TOTAL Profº Eduardo Alves dos Reis
  30. 30. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE A 05 B 10 C 10 D 05 E 00 TOTAL 30 Profº Eduardo Alves dos Reis
  31. 31. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A pode se acrescentar o percentual: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE % A 05 17 B 10 33 C 10 33 D 05 17 E 00 00 TOTAL 30 100 Profº Eduardo Alves dos Reis
  32. 32. Como fazer o cálculo do percentual? Existem duas maneiras práticas: 1. (5/30) . 100= 5/30= 0,1666 . 100= 17 2. O outro modo é considerar o total: Ou seja: 30 = 100%, então divide-se 100 por 30, e encontramos o valor de 1%. Agora ficou fácil, não foi? O valor encontrado é 3.3333 que equivale a 1%. Multiplica-se esse valor por 5, e encontramos o valor de 16,66666 = 17 Profº Eduardo Alves dos Reis
  33. 33. REFERÊNCIAS  http://www.ufrgs.br/mat/graduacao/estatistica/histori a-da-estatistica Profº Eduardo Alves dos Reis

×