Planejamento setembro

13,068 views

Published on

Planejamento setembro

  1. 1. PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO INFANTIL ORGANIZAÇÃO: DEPARTAMENTO DE ENSINO INFANTIL COLABORAÇÃO: SUPORTES PEDAGÓGICOS
  2. 2. SUGESTÕES DE ATIVIDADES DE ESTIMULAÇÃO VISUAL E AUDITIVA
  3. 3. Equipe de organização: <ul><li>Karlla Saggais,Josiane Warmiling, Franciely Lehmkuhl , Cláudia Pires, Zoraide Coelho </li></ul><ul><li>Apresentação: Suportes Pedagógicos </li></ul>
  4. 6. HISTÓRIA: Um dia de abelha <ul><li>Novidade na caixa tátil. </li></ul><ul><li>Confecção da abelha. </li></ul><ul><li>Levar as abelhas ao seu habitat natural. </li></ul>
  5. 7. Publicado em NOVA ESCOLA , Edição 234 , Agosto 2010. Título original: Ao mesmo tempo É DIFÍCIL, MAS É BOM. Complicadas peripécias são realizadas com a ajuda do professor. LIVRES PARA CRIAR  As crianças escolhem quais materiais vão fazer parte de seus coloridos desenhos . <ul><li>Não é raro encontrar uma situação como esta: um professor lê para um grupo de 20 crianças e seu auxiliar acompanha a leitura ao lado. Cinco minutos depois, metade já não se interessa pela história e procura algo para fazer . </li></ul>
  6. 8. <ul><li>Mas não, elas não podem sair dali e devem esperar. Um momento como esse, em que todos ficam juntos, pode ocorrer. Ele colabora na formação da identidade do grupo, permite que as crianças saibam esperar a vez e compartilhar a atenção do professor. </li></ul><ul><li>Porém a organização coletiva não deve ser uma regra. Existem atividades em que a orientação direta do professor é essencial e, para que isso ocorra, deve haver um número pequeno de crianças sob seus cuidados. </li></ul>
  7. 9. <ul><li>O melhor, portanto, é que a rotina inclua situações de convivência em grupos menores e que necessitem de maior direcionamento. &quot;O que não pode se repetir é a cena de dois professores em uma mesma atividade sempre&quot;, explica Terezinha Maria dos Santos, formadora de professores de Educação Infantil da Associação Mulheres pela Educação (AME), em Osasco, na Grande São Paulo. De acordo com os Indicadores da Qualidade na Educação Infantil , elaborados pelo Ministério da Educação (MEC), na creche é recomendado um professor para cada grupo de seis a oito crianças. </li></ul><ul><li>Por isso, não é rara a presença de pelo menos dois responsáveis que poderiam dar conta de propostas simultâneas. A seguir, confira atividades que podem ser feitas com a turma inteira ao mesmo tempo, e outras que necessitam de atenção individualizada . </li></ul>
  8. 10. SUGESTÕES DE ATIVIDADES MATERNAL I E II
  9. 11. HISTÓRIA: MINHOCA DORMINHOCA CONTAR A HISTÓRIA E EM SEGUIDA A ATIVIDADE DE CONFECÇÃO DA MINHOCA. APÓS A CONFECÇÃO, BRINCAR COM A MINHOCA CANTANDO A MÚSICA MINHOCA, MINHOCA.
  10. 12. História: Joaninha que perdeu suas Pintinhas <ul><li>Atividades: as professores dividirão a sala em dois grupos, fazendo a mesma atividade simultâneamente. </li></ul>
  11. 13. BRINCADEIRA/CANTIGA Após a confecção da Joaninha, a mesma poderá ser utilizada na brincadeira abaixo:
  12. 14. OUTRAS ATIVIDADES
  13. 15. CANTIGA:MEU LIMÃO, MEU LIMOEIRO
  14. 16. HISTÓRIA: ERAM DEZ BORBOLETAS
  15. 17. ATIVIDADE: FLOREIRA DE PET Muito interessante: Algodão molhado com água e mel para atrair insetos.
  16. 18. <ul><li>Na história “Festa no Céu” aparecem muitos animais. Após ouvir a história as crianças poderão fazer desenhos dos animais que lhes causam medo e montar um painel para expor na sala . </li></ul>
  17. 19. ATIVIDADES PARA BERÇÁRIO I E II <ul><li>Ao contrário do que muitos imaginam, a estimulação dos bebês vai muito além de mordedores e chocalhos. É fundamental que, nos primeiros meses de vida, os bebês sejam estimulados com mecanismos de repetição, de imitação e da exploração sensorial. Isso se dá por meio de atividades que instigam a concentração, percepção e comunicação . </li></ul>
  18. 20. <ul><li>Lanterna - Usando a lanterna, pode-se explorar a coordenação visual e espacial, em que o bebê terá que acompanhar com os olhos o espaço por onde o ponto luminoso irá passar. O bebê tenta “pegar” o ponto de luz, o que possibilita também o trabalho de coordenação visual e motora. </li></ul>
  19. 21. Cobertor – O “arrastar” sobre o cobertor possibilita o ajustamento do corpo na posição sentada, pois, quando o cobertor é puxado, o bebê contrai a musculatura necessária para manter-se em equilíbrio.
  20. 22. Bebê Rolando – Rolar é a primeira forma de deslocamento global do bebê, movimento que requer a integração da musculatura dos dois lados do corpo.
  21. 23. Andando com brinquedo – A atividade de locomoção com apoio tem como objetivo tonificar a musculatura relacionada à posição em pé. O deslocamento contribui para o equilíbrio postural. Com a atividade, desenvolve-se também a noção visual e espacial, pois o bebê tem que observar para onde ele pode empurrar o brinquedo para poder deslocar-se.
  22. 24. Encaixe – As atividades de encaixe proporcionam ao bebê o desenvolvimento da coordenação visual e motora, em que ele irá experimentar a solução de problemas, pois os encaixes possuem alternativas restritas .
  23. 25. Empilhar – Nas atividades de empilhar trabalha-se a coordenação visual e motora e a noção espacial.
  24. 26. Chapéu – A atividade do chapéu trabalha a possibilidade de relacionar-se com o outro, além de proporcionar o conhecimento do corpo e a sua observação no espelho.
  25. 27. Partes do corpo – Trabalhar com as partes do corpo permite o autoconhecimento pelo sentido cinestésico, no qual o bebê toca a parte do corpo solicitada.
  26. 28. <ul><li>Bolas na banheira – Trabalha-se o desenvolvimento da coordenação visual e motora, pois, para apanhar a bolinha dentro da água, o bebê necessita adequar o movimento a cada instante, uma vez que as bolas mexem-se constantemente. </li></ul>
  27. 29. <ul><li>Espelho – Vendo-se no espelho, a criança constrói seu esquema corporal, usando sua própria referência. </li></ul>
  28. 30. <ul><li>Histórias – Ler histórias possibilita trabalhar com a forma mais simples e eficiente de transmitir conhecimento. </li></ul>
  29. 31. <ul><li>Esconde-esconde – Com o “esconde-esconde”, desenvolve-se o aprendizado de causa e efeito, pois o bebê tem que puxar o lenço para descobrir onde está o brinquedo que estava sendo usado por ele. </li></ul>
  30. 32. <ul><li>  Bolha de sabão – A brincadeira possibilita a coordenação visual e motora, pois o jogo olho/mão é o ponto mais explorado nessa atividade. O bebê terá que se adaptar a cada momento para apanhar as bolhas de sabão. </li></ul>
  31. 33. Gelatina – Tentando pegar os cubos de gelatina o bebê experimenta sensações como consistência e temperatura. Macarrão – Pegar fios de espaguete exige o movimento de pinça, tão importante nessa fase do desenvolvimento.
  32. 34. Tempo de crescimento: o papel da estimulação <ul><li>   Em nenhum outro período de sua existência os seres humanos experimentam um desenvolvimento tão intenso como nos primeiros anos de vida. Basta ver o salto que ocorre de 0 a 1 ano, quando os bebês começam a dar seus passos iniciais.         Por isso, é importante não perder nenhuma oportunidade para participar desse crescimento, criando situações propícias e promovendo a estimulação.         </li></ul>
  33. 35. <ul><li>        No entanto, estimular bebês não é como ensinar crianças maiores. Os bebês aprendem de um modo muito diverso, principalmente pelos mecanismos da repetição, da imitação e da exploração sensorial, por meio do brincar.         Exatamente por isso, os bebês podem atender a longos períodos de concentração desde que estejam envolvidos em algo de seu interesse.         Os bebês crescem fisicamente, praticando exercícios motores; perceptivamente, desenvolvendo o pensamento e o conhecimento na solução de problemas; verbalmente, adquirindo comunicação receptiva e expressiva; psicologicamente, descobrindo sua própria identidade; socialmente, aprendendo a conviver com &quot;amigos&quot;.         Daí a importância do trabalho realizado no berçário. Nessa fase, é especialmente oportuno que os pais acompanhem o trabalho realizado pela escola, para que compreendam a extensão das atividades propostas.         </li></ul><ul><li>Afinal, é tempo de crescimento... </li></ul>
  34. 36. PARA REFLETIR... <ul><li>Sozinhos não somos nada... </li></ul><ul><li>Mas juntos podemos fazer a diferença... </li></ul>
  35. 37. Um ótimo mês de trabalho!

×