Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Leishmaniose

8,878 views

Published on

Leishmaniose- tegumenta, tegumentar americana e visceral

Published in: Education
  • Login to see the comments

Leishmaniose

  1. 1. Parasitologia Humana Acadêmicos: Erick Bruno Rosângela Alves Elizângela Guedes Soliane Silva; Erlandi Leal Marlinda Mattos Sheila Silva Docente: Nadiane Dantas Faculdade de Teologia , Filosofia e Ciências Humanas Gamaliel - FATEFIG Centro Cultural e Educacional da Amazônia - CECAM Graduação em Enfermagem
  2. 2. Leishmaniose Leishmaniose Cutânea Leishmaniose Cutânea Difusa Leishmaniose Visceral
  3. 3. Apresentação  A leishmaniose é uma doença crônica, de manifestação cutânea ou visceral (pode-se falar de leishmanioses, no plural), causada porprotozoários flagelados do gênero Leishmania, da família Trypanosomatidae. Erlandi Rocha
  4. 4. Leishmania  Existem diversas espécies de Leishmania que podem atingi os humanos causando duas formas distintas de leishmaniose sendo: A forma que atinge a pele e mucosa e a forma que atinge as vísceras. As principais espécies são: L. braziliensis, L. Guyanensis, L. Mexicana, L. Amazonensis, L. donovani, L. Infantum, L. Chagasi, L.Tropica, L. major. Erlandi Rocha Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  5. 5. Agente Etiológico  Filo: Sarcomastigophora  Subfilo: Mastigophora  Ordem: Kinetoplastida  Família: Trypanosomatidae  Gênero: Leishmania Erlandi Rocha Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  6. 6. Agente Etiológico  Para a Leishmaniose tegumentar americana as espécies incriminadas são: Leishmania braziliensis, amazonensis e mexicana.  Para a leishmaniose Visceral a espécie responsável e a Leishmania chagasi, atualmente denominada de L. infantum. Erlandi Rocha Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  7. 7. Morfologia e Hábitat  As espécies que causam as Leishmanioses possuem duas forma básicas:  Amastigota : Encontrada dentro dos macrófagos presentes nos órgãos atingidos. Arredondada, 2 a 5 micrometros de diâmetro e não possuem flagelo  Promastigota: Forma infectante, encontrada nos insetos Vetores. Alongada, 20 micrometros de comprimento, apresenta flagelo livre. Erlandi Rocha Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  8. 8. Forma Amastigota Forma Promastigota Erlandi Rocha Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  9. 9. Ciclo Biológico  Flebótomo se infecta ao pica um animal infectado  Ingere as formas Amastígotas  No intestino do inseto se transforma em Promastigota  Reprodução das Promostigotas por divisão binaria  Forma promastigota se dirige para o parelho bucal do inseto  Quando vai se alimenta de sangue em um novo hospedeiro inocula as formas promastigotas na pele  Estas forma invadem os macrófagos e se transformam em Amastigotas  Reiniciando o processo Erick Bruno Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  10. 10. Ciclo Biológico Erick Bruno Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  11. 11. Erick Bruno Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  12. 12. Patogenia  Leishmaniose Tagumentar Americana ou Cutânia: As amastigotas que permanenceram na pele ou mucosa formando nódulos, depois uma ulcera ou ferida.  Leishmaniose Tagumentar Cutânia Difusa: Caracteriza-se pelas lesões difusas não ulceradas por toda a pele, contendo grande números de amastigotas.  Leishmaniose Visceral ou Calazar: As amastigotas migrarão para as vísceras via corrente sanguínea. Promovendo a esplenomegalia, a hepatomegalia e a disfunção da medula óssea. Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral Sheila Silva
  13. 13. Leishmaniose Tegumentar Difusa Leishmaniose Tegumentar Leishmaniose Visceral Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral Sheila Silva
  14. 14. Diagnóstico Varia de procedimento conforme a doença, tanto sendo leishmaniose tegumentar ou visceral, podendo ser:  Parasitológico: Leishmaniose Tegumentar, onde será realizado uma biopsia na lesão, faz-se um esfregaço do fragmento em uma lamina de vidro e leva ao microscópio. Leishmaniose Visceral, Faz-se uma punção da medula óssea externa e com o produto pode se fazer um esfregaço ou semear em meio de cultura.  Imunológico: Leishmaniose Tegumentar, intradermorreação de Montenegro, que consiste na injeção intradermica de 0,1ml de antígeno no antebraço, leitura há 49/72 horas depois. Leishmaniose Visceral, Reação de imunofluorescência indireta, ELISA e TraLd. Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral Marlinda Matos
  15. 15. Epidemiologia  Distribuição geográfica da leishmaníase cutânea e visceral no Brasil Elizângela Guedes Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  16. 16. Epidemiologia Leishmaniose Tegumentar:  Distribuição Geográfica: Distribuição quase mundial, já a causa por L. braziliensis ocorre apenas nas américas.  Fonte de infecções: Roedores silvestres, endentados, marsupiais, carnívoros, humanos e equinos.  Forma de transmissão: Promastigota  Veiculo de transmissão: hospedeiro intermediário  Via de penetração: Inoculação na pele, por formas promastigotas pelo flebótomo. Elizângela Guedes Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  17. 17. Epidemiologia Leishmaniose Visceral  Distribuição Geográfica: Mundial, sendo L. chagasi exclusiva das américas.  Forma de infecção: Raposas e Cães.  Forma de transmissão: Promastigotas  Veiculo de transmissão: Hospedeiro Intermediário  Via de Penetração: Inoculação das formas promastigotas na pele através da picada do flebótomo. Elizângela Guedes Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  18. 18. Epidemiologia Municipal  Em Tucuruí foram casos notificados de Leishmaniose Tegumentar Americana nos últimos 5 anos: 20148 - 80 casos 2013 – 62 casos 2012 – 82 caos 2011 – 46 casos 2010 – 35 casos  Tendo como área endêmica rural mais endêmica a comunidade de Bom Jesus. Elizângela Guedes Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  19. 19. Profilaxia  Proteção individual com repelente  Combate ao vetor  Tratar os doentes  Sacrificar os reservatórios  Pulverização de inseticida nas casas e acampamentos  Vacinação dos reservatórios  Evitar construir casas próximo a matas  Evitar banho de rios ou igarapés pertos de matas Soliane Alencar Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  20. 20. Tratamento  Ainda não existe tratamento para os reservatórios do parasitos.  Para o tratamento de humanos existem as drogas eficientes: Glucantime Anfotericina B  Dieta equilibrada para repor perdas orgânicas provocadas pela doença. Rosângela Alves Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  21. 21. Biografia e Referências  Neves, David Pereira; Parasitologia Humana/ Neves, David Pereira; 12º edição; São Paulo; Atheneu Editora; 2011  Neves, David Pereira; Parasitologia Básica/ Neves, David Pereira, Thelma de Filippis.; 2º edição; São Paulo; Atheneu Editora; 2010 Rosângela Alves Leishmaniose - Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose Cutânea Difusa e Leishmaniose Visceral
  22. 22. “ Pode parecer ousadia pensar assim, mais aos ousados e permitido grandes sonhos.” Dr. David Pereira Neves Parasitologia básica 2º ed

×