Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Acabamento de costura

767 views

Published on

corte costura

Published in: Design
  • Be the first to comment

Acabamento de costura

  1. 1. Acabarnentos de Costura Punhos Bolsos Decotes Golas Fecho Ecler Bainhas Bordados Franzidos etc- Vera Sterblitch S 36 L9 r o 1 2 2 ca IA]
  2. 2. r : “ J: Ecxwra ‘recnoonnx 8A. . 1979 Durems aunrans cod-cos a Edxzora Tecnoonnt SA, Prop maa a repvoducao lolal ou pa’cxa| sou qualquer forma. men 9,, .g. om; , no Brasxl ou Exiernor. sem pvewa an» bnzagao da mula-, As nossas edicbes reproduzem inregralmenre os lextos ongxnals ISBN 85-00-88110-0 Grupo Ed-oum EDITORA TECNOPFUNT SA‘ js~dié°i; ~____: Acabamenfos de Cosvuro As Medidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ‘ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H O Equipomemo lndispensével . . . . . . . . . . , . . . . . . . . . . . 14 O Ferro Elévrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ‘ . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Como Lido! com Cenas Fozendas . . ‘ . . . . . .. . 16 Cuidcdos com Cenos Fozendos . . . . . . . . . . . . . . . . . . I8 Conselhos que Evivom Aborrecimenvos . . . . . ‘ . . . . . . 20 Fio Rem . . . , . . . , . . . . . . . . . . . AV . 21 F-0 Enviesado . 22 Como Diminuir um Molde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 24 Como Aumenvur um Molde 27 Correqées . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 B~s? o Boixo . . . . . . . . . . . . . _ _ . _ 30 Cosfos Arredondodos . . . . . . . . . . . , . . . . . . . . . . . . . . . . . , . 31 Ombros Quodrodos 32 Ombros Coidos . . 33 Ombros Lorgrw 34 Bufln Cuvcdo ‘ 35 Sczliéncio Embaixo do Brogo 36 Ombros fsm_-nos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . J7 Buflo Gr Nd! ‘ . . . . . . . . . . . . . , . . . . . . , , . , 38 Aduplogdt Pure 05 Ombros . . . . . . . . . . . . . _ . . , , . . . . 39 Busvo Gronde com Adupvagéo dos Pence: . 40 Ombros Lcrgos com Mange Japanese 41 Eraco Eweum . . . . . 42 Brag ; - r: >r'»- Perio do Ombro. . . . . . . . . . . . . .. . 43 Cotovelo Gnurde . . . , . . . . . . . . . . . . , . . . . . . , 44
  3. 3. Conselhos . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . Conondo Fozendos Esvompodos — Listrodos Fronzindo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . Alinhovos . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . Acobomemo dos Cosvuras cosfufa Picoyqdg _ _ _ _ _ _ _ _ _ . . . _ , . . , . . . . . . . . . . . . . . Acobomento Alinhovodo . . Chuleio . ... ... ... ... ... ... . . . Cosvura Sobreposvo . . Coswro Fronceso . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . Tiro Sobreposvo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. Acobamemo Tipo Froncés . ... ... ... ... ... ... ... ... .. Covo . ... ... ... . . . Mango Joponesa . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . Mango Raglé . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . Montogem do Mango . ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . Punhos Punho Virodo Para 0 Lodo Dire'ito . ... ... ... ... .. . . Punho Aplicodo com Viés . ... ... ... ... ... ... ... ... .. Punho Fronzido corn Elostico . ... ... ... ... ... ... ... .. Punho Abeno . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. Punho de Comiso . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . Bolsos Bolso Embutido . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . Bolso com Lopelo . . Bolso Aplicodo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 . . Bolso com Lopela Soho . ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. Bolso Loterol . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . 45 46 48 50 50 SI 51 52 S2 53 53 S4 62 63 64 67 69 71 73 75 77 Acobomonvos do Aberturos Docoros Galas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Bainhas Moneiro Pora Soio cu Decote . ... ... ... ... ... ... . . . 79 Terminogéo Simple: .. ... ... . . . 80 Terminogéo Loverol (2 Tivos) . ... ... ... ... ... ... ... .. 82 Acobomento com Tiro Enviesodo . ... ... ... ... ... .. 84 Acobomemo em Formo . ... ... ... . . ... ... ... ... . . . 86 Acobomento com Vista . ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. 88 Terminogéo Simple: com Algas . ... ... ... ... ... .. . . 90 Acobomenvo com Cordéo . ... ... ... ... ... ... ... ... .. 92 0 Pedro Eclor . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . A Colocogéo do Fecho Ecler . ... ... ... ... ... ... .. . . 99 Fecho Ecler Colocodo com Vista . . . . . .. .. 101 Colocogéo de C65 . ... ... ... ... ... ... ... . . . . . I03 Cinvos Forrodos . ... ... ... ... ... .. . . . . I06 Morcogéo de Boinha . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. I07 Boinho Sobre Pregos . . . ... ... ... ... ... ... . . . 108 Boinho Folso . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . 109 Boinho Yerminodo com Viés . ... ... ... ... ... ... ... .. H0 Boinho em Ponvo de Meio Espigo . ... ... ... ... .. . . H1 Bainho Simple: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . , . . . .. 112 Boinho em Ponto de Cruz . ... ... ... ... ... ... ... ... .. ‘H 3
  4. 4. Remotes °°‘""° E'"°'°“° ------------------------------------ ~ "4 Seto . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. .9 I41 B°i"h° d’ C°"”'°i'° ‘ ‘ ' ‘ ’ ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ‘ ’ ' ' ’ ' ' ‘ ‘ ‘ ' ' " H5 Pé de Corvo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-$2 Boinho ltoliono . . I16 Boinho em Forrno . . . 9 . . . . . . . . . 9 . . 9 . . 9 . 9. 117 Fmuidm Boinho Folso n. ° 2 . . . . . . . . . 9 . 9 . . 9 . . . . . .. . 118 gcgnha Terminado mm V55, _____________________ U 119 Ponto dc Codeic . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-H Boinho em Concho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 120 C°5° 9° Abe”‘° ~ - ~ ‘ ~ ~ - ~ V - - ~ - - ~ ~ - « ~ - ~ - - - - - v- '45 Boinho Bordodo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. 121 Porno do Cobenor . . . . . . . . . . . . . . 9 . . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 Canto: Terminogéo am Angulo . ... ... ... . . . 123 Conto do Casoco . . . . . . . . . . 9 . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 . . .9 124 Presilhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 . . . 9 . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Cases do Fozendo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . 128 Cases Tipo Algo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. 130 Algos Continua: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . 131 Como Pregor seus Botées . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . 132 Tiros Enviesados . . . . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 133 Bordodo Panto do Codeio . . . . . . . 9 . . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. I34 Ponto em X . . . . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . 9 . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . . . .. 135 Cases Feitos o M60 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . . I36 Ilhés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 . . . . I37 Alcinhos . . . . . . . . . . . 9 . . 9 . . . . 9 . . . . 9 . . 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 138 llhés . . . . . . . . . . 9 . . . . . . 9 . . 9 . . 9 . . . . . . . . . . . . . . 9 . . 9 . . . . . . . . . . I39 Presilhos . 9 . . . . . . . . . . . 9 9 . . . . 9 . 9 . . . . . . . . . . 9 . . . . . . . 9 . . . . . .. 140
  5. 5. Acabamenfos de Cosfura As medidas cenas 560 do imponéncia vital para o execugéo do um molde, pois nodo mois feio de que um vestido opertado no busto ou umo mango por demois lorgo ou mesmo umo soia comprida. Veiamos os seguintes pontos: Busto Esta mcdida deve ser tornado folgada dondo—se sempre uma morgem do 6cm olérn do medida normal. Na case de um bluséo (dependendo do gosto individual) a folgo devoré ser de 10 até 12cm. Cinturo N60 deve ser tornado muito iusta. Quodris A medido ceno é varnada na pone mais tone e umo vez o fito passoda oo redor dos quadris deveré poder subir e descer Iivrernente. Costa; Tire a medida contorrno mostra o desenho, evi- tando costas estreitos. A altura da bluso é do meio do pescogo oté a cintura.
  6. 6. Acabamenfos de Cosfura As medida: cenas 560 do imponancia vital para a execugéo do um molde, pols nada mois feio de que um vestido apertado no busto ou umo manga par demois largo ou mesmo umo saia comprida. Veiamos os seguintes pontos: Busto Esta medida deve ser tomado folgada dando—se sempre uma morgem do 6cm olérn do medida normal. Na caso de um bluséo (dependendo do gosto individual) a folgo devoré ser de 10 até 12cm. Cintura N60 deve ser tomado muito iusta. Quadris A medida cena e varnada na pane mais tone e uma vez a fito passoda ao redor dos quadris deveré poder subir e descer livrernente. Costas Tire a medida contorrne mostra o desenho, evi- tando costas estreitas. A altura da bluso e do meio do pescogo ate a cintura.
  7. 7. Frente Proceder como para as costas. A alturo do bluso e do ombro are a cinrura possanda pela ponto do busto. Tire duos medidos extras partindo do ombro are a ponra do seio e tombém de um seio ao autro, acenando assim a terminagéo dos pences. Ombro Tire esto medida partindo do pescogo até o ossinho no cobega do brago. Para bluséo esto medida de om- bro devero ser um pouco moior. Mango Ao tiror umo medida de camprimenta para mongas 3/4 ou compridas néo se esqueso do dobrar o brago. Tire esto medida conforme mostra a liguro. A mango néo deve ser largo demais o menos que se tome modo9 Um detalhe que escapa freqijentemente as costu- reiros é a colocogéa certa dos mangas —- sao rnuitos as mangos defeituosos pelo simples foto de estarem vroco- das. Marque bem o frente de suas mangos e coloque- as ceninhos. Pescogo Tire a medida folgodo. Deve-se poder passor um dedo dentro do filo mérrico umo vez esto passoda em valto do pescogo. Vocé podero utilizor quolquer podréo desde que este se oproxime de suos medidas —— sera necessaria [7 l°1°' °'9|-""05 felificogoes seguindo os conselhos do po- gina.
  8. 8. Para se obtor bons resultados na oxocugao do urn trabolha qualquer, e’ necessario o equipomento auxiliorz 1. ‘AU I°. “.“95" 11. I2. .13. 14. I5. 16. colchetes, viés, eléstico, gorgoréo, fecho ocler. Umo mesa grondo (a fozenda dove ficar bem esti- codo. O chéo também poderé servir). . Um rnonoquim (facilita muito para as provos). . Um espelha poro corpo inteiro. Uma méquino do costura em perfeito funcionamen— YO. Um ferro elétrico. Um par do tesouras. Umo fita métrico. Um dedal. Agulhas de diversos numeros. As mois finds 5&0 para acobomentos mois porfeitos. Alfinotos grandos. Linha para morcagéo. Giz do alfaiato. Um marcador de boinha. Umo carrotilha. Popel-corbono. O molde corto. A boo costureira dove tor sempro 6 moo: botées, Um dos itens mois imporrantes para a born ocabo. mento e sem o menor duvida — o ferra elétrico_ Muitas principiantes possom o roupa somente de- "°l’ d° P"°"'°: quondo é reolmente essencial abrir as
  9. 9. Veludo O veludo assim como fazendas felpudas, requer toda atencéo ao corvar para evitar um vestido ou co- saco com um Iado liso e outro todo orrepiodo. Use 0 métoda troncés marcando o sentido certo do fazendo pelo Iado do avesso — risque setas todo ao longa do metragem9 As tazendos com brilho também devern ser marcados para evitar um Iado fosco. Chiffon Todas as fozendas finas roquerem um trotamento especial e muito otengao ao cortor. Seria acanselhovel deixor—se as panes do molde alinhavadas .3 tazendo e so retiréi-los depois do vestido todo costurado. Para isto deveria-so utilizar um popel mois fino para o molde. Caso as tolhos do papol fino forem muito pequenas uti- lize lito Durex para uni-las. Néilon Antes de mais nada sero necessaria possuir-se boos tesouras e alfinetes de ago ou melhor ainda ogulhos para prender o nailon ao molde. A tibra do noilon é muito dura e so as agulhas do ago entram mais facil- mente. Use de preferéncio umo agulha de moquina bem lino e experimente o ponta e o tenséo do maquina 16 antes do cornegar a costuror. Procuro costuror bom do- vagar segurando o tacido com ambas as méas guiondo, sem puxar.
  10. 10. Moiré O moiré o as tocidos metal’ do comphwmome “CM. «:0: vem ser Possados Ao passor procure néo esticar a fazonda e passe 3°""Pro no sentido do fio rer¢_ Picote as ourelas para evitor que a fozenda onco- lho. Mollie bem um pano com égua trio e dopois esprema-a. Coloque o pano umido sabre a lo e enra| e- as bern iuntinhos e apertodas deixanda ficor durante a noite. No dia seguinte retire o pano o passe a fazonda pelo ovesso com o auxilio de um outro pano soco. Forro quente, sem excesso. Aperte lentamente, sem esticar, porém, nao deixe a form descansar em cima do taxon- do. Algadaa au Linha Deixe de malho durante todo a noite. Casa a cor néo seia firme rnolhe rapiclamente em agua corn sol e estenda logo para secar. Posse do Iado do ovesso. Seda, Raiom ou Néilon N60 precisam ser pré-encolhidos, podendo ser la- vodas sem susto. Passe do Iado do ovesso com ferro morno. Veludo Néo deve ser molhado e sim tratado com vapor. Pade-so cobrir o ferro quente com um pano rnolhado o passor a veludo do Iado do ovesso muito do love oté levantar o pélo. 18
  11. 11. I. CAIMA — néo fogo iudo correndo, poi: o presso é inirnigo do perfeigéo. 2. Conhego o vipo de fozondo que voi cortor poi: ces cos fozendos precisom ser bem mo| hodo: ontes, principolmema os forros que sempre encolhem. Ve- rifiquo como devem ser trovodos cenos fozendos. 3. Verifique o linho cervo poro costurar, pois codo fo- zendo requer umo omro linho. 4. Fogo sou molde nos medidos certos. 5. Aprendo o odoptor o rnolde oo seu corpo. Fogo umo oxperiéncio numo fozendinho de olgodéo on- Ies de esvrogor umo fozendo boo. 6. Procure passor o fozendo e os molds: antes de cor- tor, evitondo os dobros e o: popes. 7. Antes de comegor o concur vevifique bem o fio do fozendo ossim como os desenhos — evivoré muito: surpresos desogrodovois. 8. N60 se esquego do dor umo folgo poro as cosvuros e procure conor ludo de umo :6 vez. Néo estique os covos e docoves — os fozendos que esvicom de- vem ser olinhovodos imediotomenve. 9. Marque corn popel-corbono vodos as pence: e cos- turos — pouporé muito: oborrecirnenvos. 10. Use ogulhos odequodos poro obter um ocobomerno mois fino. 20 o r ' '° '°'° ° °°W°'° Q09 Corie oo Iongo do ourelo.
  12. 12. O fio onviosodo 6 obtido dobrondo-so o ponto do fozendo do monoiro o colocor o ourolo ofrovouodo so- bro 0 fio roto do tocido, conforrno mostro o deunho. OURELA 22 molde sobre o fozondo C OS TAS Obtonho o moximo do suo rnotrogom ospolhondo o l ozenda Dobroda FRENYE Cuvr§ ‘
  13. 13. . v o . I u 3 ¥T‘IuI'imt1 V’
  14. 14. Como Aumentor um Molde
  15. 15. -As vezes néo se pode usor o rnesrno moldo pom duos pessoos com os mesmos medida: poi: o tipo do corpo pode ser totolrnente diferonto. Verifique bem as corregéos qua too nocouérlos 0 fogo o reoiuste certo poro obter osqirn molhons ruulto- dos. Fig. I — Busto Boixo Acene o pence conforms mostro o dounho. Obioré assim o posigéo certo. 30 Fig. 2 — Costa: Arrodondodos Com 0 mo| do no olturo dos omoplotos poro dor mois folgo. N60 upon a porn do cimo do do boixo, obro simplounonto com o tosouro oté chogor o covo sem no ontonto dostocor. Acono tombém o decote no rnaio o cosomocouério fogo umo poquono pence. Fig. 2 3|
  16. 16. Fig. 3 — Ombros Quodrodos Acone o ombro conformo mostro o linho P°'“""‘°d° no porto do frame a dos costos. Levonte entéo o linho do covo para que esto néo fique dernosiodornente gronde. Fig. 4 — Ombros Cofdos Conforme mostro o desenho, oboixe :1 linho do ombro no olturo do covo, no pone do frente 9 do: cos- tos. Aboixe tombém, conforme o pontilhodo, o linho do covo porém néo mexo no decote. -7 , Fry. 4 33
  17. 17. Fig, 5 . — Ombros Lorgos _ _ mbém a Iinho D, mm; folga oo ombro e ocerte to | . - * f duos nces no a - do covo. Coso sego necessorno 09° 9‘ turo dos ombvos P°'° °‘°"°" T. Fig. 6 — Busto Covado Para ocenor o bluso é necessério diminuir-se o frente. fozendo umo prego ou dobro que iré diminuindo no diregéo do covo. Acene o decore e o covo. v
  18. 18. Fig. 7 — Soliéncio Emboixo do Brogo Fig_ 3 _ Ombros Esflenos Aumente o molde omboixo do brogo e olongue o Fa go umo dobro no o b ' _ cinturo no pone do frente e dos costos. A pence de- cessério E depok ocene 0 lr: ‘h': d:°'° zbmr ° am. ” "e ' . . Om . boixo do brogo dovero ser mots profundo. Sigo o deso. -— '0 nho. ' ‘—1
  19. 19. Fig. 9 — Busto Gronde Poro oumentor o molde de moneiro o ocertor o coiocogoo do pence, trotondo-so de um busto gronde. é necessorio cortor e obrir o molde no tomonho deseiodo. Aumente um pouco o ponto do pence. Fig. 10 — Adoptogéo Poro os Ombros Quondo deseior dor umo coido moior poro os om- bros procedo conforme mostro o desenho. Fogo urn cone um pouco oboixo do linho do decote e espolhe o molde de moneiro o obter o coimento que deseio. Pro- cedo do mesrno moneiro poro os costos. llDIn>
  20. 20. Fig. H — Busto Gronde com Adoptogfio dos Pences Como sempre corto-se o molde em cruz conforme nos mostro o figuro e depois espoiho-se o necessorio. As pences deveréo ser mois fundos em proporcoo. 40 Fig. 12 —- Ombros Lorgos com Mongo Joponeso Fogo um cone no alturo do ombro sem no entonto d°5'°°°’ °5 dU°5 P0r1es — obro no olturo do ombro poro dor moior folgo. Depois ocene o coimento do om- bro. 4]
  21. 21. Fig. 13 —— Brogo Estreito Foco umo dobro no meio do mongo e depois Fig. 14 —— Brogo Forte Perto do Ombro Cone a mango quose que seporondo comp| eto- mente. N60 se esquego de oumentor o covo do b| u5a_ ocene o covo no porte de cimo. Néo se esquego de diminuir o covo no bluso de moneiro o ocenor depois com a mango. Pode«se diminuir um pouco nos costuros. 7 5.9 )3 "9 " 43
  22. 22. Fig. 15 — Cotovelo Gronde Cone o molde do mongo contorme mostro 0 dose- nho. Aumente e depois ocene o extremidade. Busfo Gronde Procure usor sempre o seu molde de bluso com os costuros ponindo do ombro pois os pences ocentuom oindo mois. Cinfuro Grosso Evite vestidos cortodos no cinturo. Os vestidos imei- ros séo o melhor soiucoo. Os vestidos de duos pegos ou o costume ciossico tombém resolvem o problemo. Borriga Soliente Use pences loterois soitos pois disiorgom bostonte. Ombros Coidos Procure usor pequenos olmofodinhos e sempre que possivel utilize o mango roglé. Quodris Fortes Aqui tombém procure usor pences loterois solros. As soios pregueodos disforcom. Quondo executor um coniunto de duos pecos ou oindo um costume procure sempre fazer o cosoco mois comprido. 45
  23. 23. Coriondo Fozendos Estampodos —— Listrodos — Ao cortar umo fozendo estompodo é necessorio ve- rificar se o desenho é todo numo so diregfio e entéo prestor bostante otencao e cortar como se fosse ve- ludo. — Ao conar fozendas quadriculados é necessério espolhar-se o molde tendo cuidodo para colocar as panes correspondentes nos mesrnos linhos, coso conrrério o desastre serio completo. As fozendos quadriculodas devem combinor nos costuros loterais assim como na cintura, tonto no irente como nos costos, e procure ocertor tombém a mango no ponto em que é montodo no bluso. ‘. —- As fozendas lisrrodas també-m requerem um cuidodo todo especial pois nada mois feio do que Iistras de- sencontrados num vestido ou bluso. Procure marcar com piques os dois moldes iuntos tanto do frente como dos costos, separe-os e oo colocar sobre a la- zendo acerte os piques para que fiquem sobre umo listra. Assim teré o trabalho terminodo certinho. —- Estude bem suas tazendos antes de corta-las poro depois noo desanimor oo ver o resultodo. Fozendas com borros, fazendas com flares grondes, veludos, quadriculodos ou um simples estompodinho reque- rem um estudo otencioso. 46
  24. 24. Fronzindo A figura acirno do pégino seguinte nos mostra como se deve proceder para obter um franzida perfeito. Recorte em papelao a distancia que deseio entre coda correira e aa passor o Iinha procure calacar as pontos bem embaixo uns dos autros. Prenda 0 linha de cada correira par meio de alfinetes ou dando um nozinho. Quando todos as correiros estiverem prontos segure as pomos dos iios e puxe tados de uma so vez. Acene o quantidade de franzido procurando prender as respecti- vas pontas do mesmo 5 parte onde seré costurodo pos- xeriormente, divida e espolhe depois oté obter o tama- nho deseiado. Procure sempre marcar a centre do fron- zido com a centre do porte o que este sero costurodo — isto facilita muito o trobolho. A figure abaixo nos mostra como fazer para re» farcar um franzido. Cona-se ‘no tamonho deseiodo um reforco para cobrir a franzida. As pontos deveréo ser dobrodos contorme mostra o figuro e depois o todo cos- turodo com pequenos pontinhos invisiveis. 48 49
  25. 25. Sao pontos corridos que servem para prender ou « luntar duos panes do molde marcar as linhos centrais Oblem-Se Um acobomemo pom 05 coswms com 0 ioz r er 'dos (nest ca ols nto deveréo ser bem auxlho de “ma lemma de picomrl Eye pwcesso evilo I . 9 5 Z 9 5° 9° 5 que a fazenda desf: e_ pequeninos) e iranzir, Y _ I l I V I ' 4 ‘. I 1 » E "9' 593 . Fig. 2 —— Acabamento das Costuras Fig. 4 — Acabamento Alinhavado Vire as pontos do iozenda depois de ter aberta 1 Este acabamento é feiro com pequenos pontinhos bem a costura com o ferro de passor. Pode-se entéo invisiveis sem no entanta prender ao vestido. costurar as beirados a maquilno ou E: moo. Este pro- fig, 7 cessa serve para fazendos leves pois as fazendas peso- Fl9- l — All"'l"°"°5 Fig. 3 — Costura Picotada l dos ficariam com um acabamento muito grosso. I 5° 51
  26. 26. p; g_ 5 _ chu| e;° Fig. 7 — Costura Francesa Eis o clossico chuleio para terminar as costuros. D°b'°‘5° ‘'5 P°"'°5 9 ¢°5'0'°‘59 lU'"'-‘I5. <5 "150- Procure fazer as pontinhos iuntos bem coprichados, p°de's° p'°"d°' °° "°"id° de p"°f°'é"Cl° °"°‘°'°d° 3 para obter assim um acabamento perfeito. 9'" l°z°"d° fi’"‘°- . . ll l . A_ I I T 3 5.9. 5 "9. 7 ‘ } - i. . - - 1 Fig. 6 — Costura Sobrepasta Fig. 8 — Ttra Sobreposta Faga umo dobro no pone de cimo para um oco- Fogo umo costuro simples do Iado direiro_ Depois bamento melhor e depois prendo-a com o parte de de acertar as sobros e abrir o costura com o ferro co| o- ‘ boixo par meio de alfinetes. Passe um alinhovo con- que 0 "'0 P0? cima do costura confarme mostra o dese- I forme mostra a figura n. ° 1. Costure a moquina no distan» nho. alfinete—o para olinhavar depois de dobror as bei. ‘ cia que deseiar. rodas do tira. Ao costurar procure fazer um ponto ceni. __ nho no beirodo do dobro. T ‘ ‘F ' ” i F l l ~ J k . i _ . .., . a 5 L — I 52 53
  27. 27. Fig. 9 — Accnbamento Tipo Francés Dobro-se somente umo dos ponta: do coslura e termina-se com pequenos pontinhos invisiveis. '**'_*"*“: “éfi I » - 1___. c°Y'? T A*_4 Terminagéo 1. Cone umo vira enviesodc com oproximodomenve 3cm de largura. Alinhove-o ao redo! do covo con- forme mostra a figuro n. ° I. O Iado direito do vira ficuré sobre o lodo direito do roupo. Acene o cosvuro emboixo do brago fechdndo antes 0 costuro lateral do bluso e depois o oira de arremove. Costure emboixo do brogo e depois no redor do ca- vo. imponome fazer piques, conforme mostra a fi- gure, pois assim a tire néo viré o repuxcr. Depois do tiro costurodo, viro-se para o Iodo do ovesso, Iornondo 0 clinhovar poro obter um bom acabamento. Dobre ca beirodc do viro poro dentro e termine com pequenos pontinhos invisiveis. Prenda 0 virc E: roupo no pone de cimo, no coslura do ombro, e no cosfuro de boixo ou entéo co dor os pequenos pontinhos invisiveis co Iongo do iiro dé uns pontinhos pegando o roupo vombém.
  28. 28. 56 LADO D“? ! {T0 LADO DIREITO Mongo Joponeso . ._. ._. V_, _ N , , __. .. . . .- IIVNJ Fig. I F necessério picotor o cosvuro deboixo do brogo poro noo repuxor o mongo. Onde a curve é mois pro- nunciodo o pique deveré ser mois profundo. mg 2 7 W , J . Fig. 2 Mosvro como picotor umo mongo roglé obrindo~se ti»: -pois o cosvuro corn 0 ferro de passor. S7
  29. 29. ~« ' '""'"" ' ' "”"; "'“ "'""‘”' ’ ifi] <"“b”'id° d°b’°"d°'5e OM95 03 bofdos poro dentro que MG I190 ROQIO “J véo iun1or—se os bordos do pique e cosvurodos iumos. A M‘ "'""""‘__'" fig. 2 mostra o Irobolho verminodo. Fig. 1 p Mostro como proceder poro embuvir um taco bem ‘ cieboixo do brogo. Do-se o pique conforme mosfro 0 de- senho e depois costuro-se em voho do pique para que noo desfie ou deforme. . Fig. 2 Pode~se utilizar o loco erwiesodo que neste coso Ievo umo prego no ceniro. Poro evitor tombém que este se deforme deve-se usor um reforgo nos contos. Fig. 3 Pode-se tombérn user 0 loco quodrodo sendo que este c colocodo no cosluro deboixo do brogo. Depois de dor 0 pique mede-se o tomonho do oberiuro e cono-se o taco no lomonho ceno mois as costuros. Alinhovo-se o 58
  30. 30. Depois do roupo promo so resvo montar a mango poro que tenho um bom coimento. Foz-se duos correi- ros de pontos largo: entre os piques conforme opre- sento o desenho n. ° I. O ceniro do mango Iambém de- vero ser morcodo no pone de cimo onde a mango en- controré o costuro do ombro. Vire a roupo pelo lodo do ovesso e enfie a mango, io costurodo e virodo, pelo direito, por dentro do covo. N60 se esquego de ontes obrir os costuros com o ferro. Alfinete o mango oo re- dor do covo conforme mostra a figuro n. ° 2, ocenondo por meio dos piques e costuros. Puxe os fios que forom possodos em duos carreiros de moneiro o ocertar o mango com o covo mos procure embeber a mango e so franzir troiondo-se de umo mongo bufante que tero sido cortodo bem rnoior. Depois do monga ocertodo dentro do covo posse um fio de olinhovo e retire os olfinetes. Costure comegando emboixo do brogo. Corte o excesso de fozenda oo redor do covo e dé piques poro evitor que a mango fique repuxondo. Posse bem o ferro com um poninho molhodo procurando olisor oo moximo o porte que foi embebido, Um dos pontos mois irnportontes num vestido ou Costume é sem duvida algumo o colocogéo certo do mongo. Verifique se o mango esto coindo bem. caso contrério sero necessorio deslocor Iigeiromenve poro freme ou poro tros. Muitos pessoos tém o hébiio de 60 trocorem as mango: o que resulto numo péssimo colo- coqéo e per mois que se recoioque nunco do ceno. Quondo os mongos séo montodos oboixo dos om» bros é necessério que o momogem se foco rnenos fron- zido pois 0 olto é neste coso muito menos orredondado.
  31. 31. i Puoho Virodo fora ¢>: ii. o_ci”o Direit: L_ _. .__. ____. __ . _. . __. __. .._ . __~_. .____. i Cosluror o punho pelo Iado do ovesso tendo 0 cuidodo de colocor o lodo direito do punho contra o ovesso do mango (A). Viror o punho poro o lodo direito do mongo (B). Pesponte entoo virondo a beirodo do punho poro dentro de moneiro o obter um ocobomento perfeito (C). AVESSO Punho; com Viés Alinhove o punho io pronto o mongo e co mesmo tempo sobreponho umo tiro enviesodo (A). Costure e 60160 vire somente o tiro para o Iado de dentro do mango terminondo com pequenos pontinhos (B), DIREIYO DIREITO 63
  32. 32. , _~. ..e %__7 . . . . _. .._. .. . .. .._. . V? ‘ _. __. _.f Eunho rm: sz§dJE6§h. Egtésii¢_¢ Termine a bordo do mango com a proprio boinho ou com umo tiro que seia suficiente poro possor o elas- tico (A). Deixe umo oberturo no cosvuro para poder passor o elostico (6). Franzo sobrepondo as pontas do elostico e costurondo firme. A costuro aberto devero ser terminodo 6 mac (C).
  33. 33. Esta terminocoo é gerolrnente usado P°'° "‘°"9°‘ _ - one de- Que soo cortodos em dons P°d°§°5' C°‘""e O P tros do mango ate a alturo que deseior o obenuro (A)- . . ' n . Posse De Um mque (3) no porte de CIYTIO dc; abbe ura ' —° ' 0 ex EH50 os costuras o ferro. Fo§° ‘3 b°"'h° ° ° re do pone de cimo tombem para o lodo do ovesso panhandc g linho de costura dobre os comes 9 de GCDITV ' _ ‘ te. A outro uns p°n, .,, |»,9, para prender convenientemen extensao devero ser soisrepasto (C)- de»-Goai __i Corte o aberturo no lugar indicado pelo molde. Cone em iornal a tiro, ocerte como ficaro no mongo e depois passe para a fozenda — troto-se de duos panes que seroo costurodas separadornente. Dobre umo pe~ quena tiro para as costuros (A). Alinhove estos duos portes no mongo observando que o lodo direito desvas tiras devero ficor contro o lodo do ovesso do mango. Certifique-so que a tiro que ticoro por boixo esteio no pone detros do abertura e o tira que ivo sobrepor es- teio no pone do frente do abertura. Costure entoo os duos tiras e vire poro o Iado direito do mongo, alinhave-os para que fiquem certinhos e pesponte con- forme mostra o desenho (8). Este trobolho devero ser feito, de preferéncio, com a mango aberto. Umo vez o mongo costurodo pode-se fronzir ou preguear em volto do punho (C). Tjjj DIREIYO
  34. 34. prepare 0 punho com antecedéncia e adapte-o em torno do mango. O punho devero ser forrado com fa- zendo io molhodo e encolhida. (D). COS"-"9 0 b°'d° i"' terno do punho com a mango deixando a P0"? de °l"‘° solto (E). Alinhave entoo a P0"? de Cl""° 9 P°‘p°"'°'° confarme mostra o desenho. Termine o punho pregondo o botoo e iazendo o caso do lodo oposto. Bolsos ees. s-. “e~%w- W‘ Corte urn retongulo de fozenda que tenho aproxi- madomente 5cm alérn do delineagéo do bolso. Marque a local do bolso e entoo alinhave o pedago de fazenda sobre 0 local morcado (A). Direito contra direito do rou- pa. Alinhove em volto do marcocoo do bolso a umo distoncia de oproximadamente lcm. Costure. Corte en- too pelo linha de marcagoa dando piques nos extremi- dodes para depois poder viror sem repuxar (B). Passe o fazenda pelo abenuro e dobre-a conforme mostra o desenho (C). E necessorio fazer umo pequena prego, juntondo bem as bordas. Alinl-nave novamente. Do lodo direito do roupo sero necessorio prender com pequenos pontinhos o moo ou o moquino poro se- gurar o bolso no Iugor. De ocordo com o molde, cono-se duos partes para fazer 0 {undo do bolso. Umo dos panes sero colocado aboixo do abenura e a outro no pane de cimo con- (orme mostra o desenho (E). Pode-se entoo costurar o moo ou in moquina, pelo lodo direito do roupo, o porte de cimo do bolso por cimo do abenura. 69 . fi‘ ‘. “. "'r ‘we
  35. 35. auzmo B {A‘”‘" . 0 memo DlRElYO Bolso com Lopela Em primeiro lugor logo a Iopela (A). Vire-a do lodo direito e passe um ponta de alinhavo (B). Foga um trogado com giz proprio conforme mostra o figuro (C) e em seguida coloque o lopelo canforme o tragado ou esquemo (D). Cone um pedoco de fazenda poro fazer 0 (undo do bolso e arredonde os contos. Coloque-o sobre a lo- pela tendo o cuidodo de observor o desenho (E). O centro devero ser colocado diretomente sobre o linha central do esquemo. Alinhave novamente e entoo posse umo linha de alinhovo e mois ou menos lcm do linha do centro para marcar o lugor certa para conor (E). O desenho (F) mostra o resultodo (unol io com o cone eletuado e com piques nos pontos poro evitor que re- puxe. Passe entoo o fozenda pelo obenuro virondo o trobolho para o ovesso (G). Costure as bordos do bolso poro moior seguronca (H). Costure o moo ou o moquina o parte de cimo do oberturo (I). Coloque entoo o Iopela por cimo do aberturo, alli- neve as canvas e depois termine com pequenos pontinhos (l'| VlSl. /el5 (J). 7| i l (1
  36. 36. Balsa Aplicado Fogo umo pequena dobro e passe o moquina na pone de cimo (A). Dobre a fazenda trozendo o lodo do ovesso sobre o Iado direito e passe o moquina ao redor do bolso pelo linha de costura (B). Acene os cantos de cimo e picote o volto todo para poder viror sobre o linha de costuro do bolso. Esta bordo picotoda deve ser de lorguro suficiente para viror — cone o excesso (C). . ii: -i . —.u. -_. ._-_L__ '_. 'u
  37. 37. Vure o boinha para o lodo do ovesso e dobre envéo o bordo virodo ulinhovondo (D). Alinhove o bolso 6 roupo verificondo bem o lugor cervo Costure entéo <5 méquino cervificondo-se que 05 comes esveiom bem firmes (E). DIREIYO 74 Bolso com Lapela Solta Prepare a Iopela do ocordo com o molde. Depois desto forrodo, vire pelo lodo direito e posse o ferro (A). Fago um esquemo de colocogéo e olinhave con- forme mostra 0 figure (B). Cone umo pane que serviré para o fundo do bolsc e oplique sobre o lugor do bolso conforme bem mostra o desenho (C). L , ,,, .,, ,,. , , , Oi
  38. 38. Conforme ié foi explicodo no figuro n. ° 2 (bolso com Iopela) enfie pelo obenuro o fozendo que serviré como fundo. Costure entéo os bordos poro moior segu- ronga (0). Com 0 bo| so i6 promo é so viror o Iopela sobre o obenuro e orremotor o moo os comos (E). Gfl 76 Bolso Loterol , , . __. A_ . ._. _.-, ,_. __. ... ., . ... -__. ..__. . . __. ... .,_ . .._.4 Cone um fundo de bolso no formovo deseiodo. Cos- ture esto pone colocondo o direito do mesmo convvo o lodo direito do soio (A). Tenho o cuidodo de olinhovor ontes de costuror poro obter assim um trobolho perfei- lo. Apore o excesso do folgo do cosvuro. Vire envéo esto pone poro o lodo do ovesso do soio. Tome o olinhovor (B). AVESSO 77 -—-rr.5.n: .= 2.11.7?‘ r. s~: n.‘-. -.—, --r, : . »,, =.
  39. 39. Coloque enféo o pone dotrés do soia sobffi 9579 fundo de bolso observondo bem Q09 ° l°d° di'°”° 9“ ieio colocado cervo. Torne o olinhovor os duos pone: iunfus conforme bem mosvro o desenho. Costure de ponvo o ponta (C). Alinhove o lodo do bolso a cosmro Iotorol do soio. pois assim o bolso ficoré preso no Iugor CeI"0- A 130"’ de cimo do bolso seré presa pelo C65 W)» Acabamenfos de Aberfuras Cope umo tiro de fozendo com uns 5cm do lorguro e que tenho duos vezes o cornprimento do obervuro. Costure o tiro colocondo o lodo direito do mesmo contro o direito do obervuro. O cenvro do obenuro serio o pone mois dificil, porém se proceder conforme rnoslro o desenho, soindo um pouco o cosvuro no cemro, noo en- convroré moiores dificuldodes (A). Vire envéo o. tiro poro dentro do oberturo e ob- serve que um dos lodos devero ser virodo cornQ| evo- meme enquonvo o outro deveré viror olém do cosvuro deixondo umo beirodo (8). Alinhove no lugor e depois Costure a moquina ou mesmo o moo.
  40. 40. Acene t‘ - . . f 0 Ira tendo o cuudodo de | un1a-la no cemro con orme mo 9 _ d I d s '0 0 desenhc’ (cl Posse o ferro e termnne ° ° ° d° °V°"° °°"‘ P°qUe"°$ pontinhos invisiveis. Terminogoo Simples Cone umo tiro com oproximodomente 3 0 4cm de codo lodo do obervuro e com uns 2cm olém do com- primenvo do obenuro. Alinhove em volto do cone con- forme mostra o desenho (A). F090 0 cone dondo piques nos contos poro poder viror o tiro sem repuxor (B). Vire o tiro poro o lodo do 1“; :-’. ?a= v‘; ,-§- _; ——4z«_. .-». _, ‘_. ._. —._-. __-, ... _.. ,, ovesso. E 80 8!
  41. 41. Terminogoo Loterol (2 tiras) | Cone 2 viros enviesodos que ienhom oproximodo- meme urn de lorguro e 3cm olém do comprimento do obenuro, Alinhove os riros pelo lodo direito do roupo e depois costure 0,5cm poro foro do linho do costuro con- torme mostra o desenho (A). Posse os cosvuros em dire- goo dos tiras. Poro poder momer o folgo do costuro e o tiro iunlos cosfure novomente conforme mostra o dese- nho seguinte (B). Vire emoo o tiro complevomeme poro o ovesso poro obter o pone de cimo como se fosse umo vista de fozendo. Costure oo Iongo desto dobro tom- bém. Termine os beirodos e emoo coloque o pode de cimo sobre o pone de boixo (C). Alfinete as linhos de costuro iuntos e depois cosrure os pomos dos tiros jun- ros. Coloque entoo um colchere poro fechor o linho do cosvuro e pressoes nos imervolos.
  42. 42. Decofes (Terminogoes) Acobomento com Tiro Enviesodo Cone umo tiro orwiesodo com oproximodomeme 3cm de lorguro e olinhove-o oo redor do decote tendo o cuidodo de colocor lodo direito comro lodo direito. No coso do decote om V deve-so tomor cuidodo poro dei- xor folgo suficiente no tiro de moneiro o noo repuxor umo vez costurodo. Coslure os pomos do tiro e depois opore reme a costuro. Noo se esquego de picovor o decote no pone devros conform: mostra o figuro (A). Umo vez costurodo o tiro enviesodo vire poro o lodo de dentro ou melhor pelo ovesso e olfinete poro rnomer no lugor cerlo. Dobre o bordo do tiro poro den- tro (so o beirinho), tome o olinhovor e so emoo vermine prendendo o tiro com pequenos pontinhos invisiveis. / ~ [ADO DIREIYO LADO DO AVESSO J 85
  43. 43. Aco bo mento em Formo Corte o acabamento em formo de ocordo com o decote, porém estes ocobomemos no formo do decote devem ser sempre um pouco mois lorgos do que os ocobomenlos com tiros enviesodos. A iungoo devero ser feito nos ombro: tendo o cuidodo de possor o ferro poro obrir o costuro. A_| inhove o recone oo decote ob- servondo que os lodo: direivos dos rnesmos se encou- Irem. Depois do costurar, picove oo longo do decote e principolrneme nos comos (A). A LADO DIREIYO V"° ° '°¢°"e pelo ovesso e procedo conforme (oi explicodo no figuro omerior (B). LADO DO AVESSO 5
  44. 44. Aco bamento com Vista Cone umo visto conforme mostro a figure tendo o cuidodo de uvilizor o molde poro que o decote fique ceno. Coioque o lodo direito do recone contro o lodo direito do roupo e olinhove no lugor. Costure e so emoo do 0 cone cemrol poro o possogern do cobego. Vire pelo ovesso e posse bem o ferro, principolmeme os bei- rodo: poro que noo oporego o recone interno (A). O desonho seguime (B) nos moslro o decote promo. Noo se deve costurar o visto ou recone a roupo e o ocobornemo ficoro mois perfeivo sern repuxor. Termine o visvo fozendo umo pequena boinho conforme io foi explicodo omeriormeme. ' umo no AVESSO 88 LADO DIREITO 89
  45. 45. A cosvuro cemroi do roupo devero ser um pouco mois lorgo poro permitir o viro no pone de cimo. Aporo-se emoo o excesso de cosvuro conforme mostro o ‘ desenho (A). ) A figuro seguinte io nos mostra o ocobomento 1 sendo o pone imerno compleiomeme obeno e o pone que viro por cimo recebe umo dobro onde seroo feitos os olgos de linho (B). I J B LADO DIREIYO umo oo AVESSO A I 90 91 Terminogoo Simples com Aigos I ml
  46. 46. Cone umo tiro enviesodo no tomonho e lorguro de- seiodo e conforme mostro o esquemo B dobre umo dos bordos sobre o cordoo olinhovondo o seguir. Esta dobro sobre o cordoo devero for oproxirnodomeme umo lorgo pone do lorguro do tiro. Costure emoo, o moo ou o moquino com o pé opropriodo, bem iumo oo cordoo e o seguir dobre o outro bordo e cosrure bem no beirodo. Dobre o bordo do decote onde sero oplicodo o ocobo— mento. No coso do decote em (V) de um pique sem cor- tor no emomo em demosio. Coloque o cordoo conforme mosvro o primeiro figuro (A), e depois do vorificor que noo repuxo lermine no ponto em (V) sobrepondo os pon- tos do cordoo. Alinhove e termine com pequenos ponti- nhos invisiveis. 93
  47. 47. Depois do roupo Ierminodo eis o moneiro de colo~ cor umo golo redondo. Cono-se umo tiro enviosodo e olinhovo-so sobre o golo conforme nos mostro o desenho (A). A golo io de- vero estor promo. Depois de olinhovodo o tiro, cosruro—se o moquina e viro-se pelo lodo do ovesso. Para terminar foz~se urno pequeno boinho no tiro enviesodo e vermino-so com pequenos pontinhos invisi- veis. O desenho nos mostro o vrobolho torminodo (B). LADO DIREIYO 3 LADO DO AVESSO § 95
  48. 48. Oufro ocobomemo mois perfeivo poro cosocos obertos é o que vem o seguir. Depois do golo vermi- nodo e olinhovodo oo decote (A), corvo-se umo visto que devero ser tombém olinhovodo sobre o golo (B). Depois do trobolho costurodo, viro-se pelo ovesso vermi- nodo someme o visvo com umo pequeno boinho invisivel (C). A DIREITO DIREHO AVESSO
  49. 49. O Fecho Ecler 0 toque final de um trobolho é sem duvudo olgumc 0 colocagoo do (echo ecler. A figuro oboixo nos mostra . . . . . n_ o trobolho sendo termcnodo O maqumo‘ poreml um C: . . _ e- selho que don os loutoros, dove se sempre W999’ ° cho o moo com pequenos pontinhos invisiveis Irotondo- - - I mo's so do roupo fino que requeuro um ocobomeno I pe rfeito. 98 Depois do rerminodo o soio deve—so olinhovor o obenuro que foi deixodo poro o colocogoo do fecho ecler conforme nos mostra o desenho (A). Abro o cos- Iuro com o ferro o vire o soio poro o lodo direito. A figuro seguinte nos mostro o colocogoo do focho com o lodo direito do mesmo sobre o Iinho olinhovodo. porém o fecho esto sendo colocado do lodo do domro do soio ou soio do lodo do ovesso (B). LADO DIREITO
  50. 50. Preguo com olfinetes o posse um olinhovo om cruz ou mosmo simples poro momor o focho ocler no lugor ceno. Depois do olinhovor pode retiror os olfineves. O fecho devero osvor sempre fochodo (C). Com 0 Progodor do Fecho comoco o costuro no pone do cimo, do a volto conforme mostra o desenho poro terminar do novo em cimo (D). Pode-se emoo prender o fecho demro do cos do soio poro um ocobomomo mois perfeito ou no coso do (echo ser colocado io com 0 cos no lugor, o terminogoo sero feito conforme mostra o desenho (E). DIREITO AVESSO Fecho Ecier Coiocodo com Vista Procedo conformo foi oxplicodo omoriormeme cos. I I . U| '0"d0 0 moneiro someme com pomos do olmhovos, posse o ferro obrindo bom o cosvuro (A). Costure umo tiro ou a vista o bordo do frame do obenuro conforme mosvro o desenho (B). O fecho ecler devero ser costurodo no bordo de rros (C). I I I I t I I I I | I I I I I I l /
  51. 51. Aceno o focho conformo mosvro o dosonho segl-Ii"? ! (D) e emoo viro o soio polo lodo dife3¢0- O lodo direito nos mostroro um focho embulido. Alinhove oo longo do focho o tormine 9"" 5"9”| ° °'é ghegor o cosvuro control. Posse o costuro om forrna (50 letro L. I02 Eis o moneiro ceno do so colocor um cos numo soio ou colgo comprido. Em primeiro lugor corto—so o tiro do ocordo com os modidos do cinruro. O gorgoroo dove sor proviomonte molhodo poro evitor quoisquer surpresos postoriores — bosio possor o ferro, molhondo bom com um poninho. Coioquo o gorgoroo sobre o co: olinhovodo (A) o depois do dobror 0 cos direito comro direito cosvuro—so os exvromidodes. Vire, olinhove o posse o forro (B). I % A extremidodo do cos que lovou o gorgoroo o que sero costurodo o soio assim como mostro o desenho (C). Tenho o cuidodo do noo esvicor o soio oo colocor o 103
  52. 52. cos. Tormino o cos polo lodo do ovosso do soio rondo o cuidodo tombém do torminor com pontinhos invisivois. O desenho finol nos mosvro o vroboll-Io terrninodo com oxcolomos rosultodos (D). LADO DO AVESSO LADO DO AVESSO I04
  53. 53. Cintos Forrodos Corte 2 viros para o cimo (A) e olinhove umo tiro do gorgoroo oo ovesso de umo dosios tiras (B). Deixo as extromidodos obertos poro viror. Cosvure e opore o excesso. Cone os comos. Vire 0 cimo polo lodo direito e olinhove a Volvo vo- do. Coloque umo fivela numo dos pomos como mostra o desenho (C) e o seguir coloquo umo olcinho para ob- ver um acabamento mois porfeito. Querondo, amos do colocor a fivolo e olcinho, podoro pespomor o cimo o volto todo. Morcogoo do Boinho A morcocoo corva do umo boinho é foito conforme mostra o desenho. A pessoo podoro ficar em cimo de umo moso poro moior facilidodo. Uso-so um morcodor do boinhas ou simplesmomo umo réguo que dovoro ser colocado sempre bem retinha poro evitor erros. Depois de virodo o boinho termine tendo o cuidodo de conse- guir umo so lorguro o volto todo do trabolho. l0'7 g.
  54. 54. Bainhas Boinho Sobre Pregos 303050 Fdl-so Dé um pique no cosvura no alturo do boinho do ma- Coso o fozonda noo do poro terminar com umo neiro o noo deixor volume. Abro a costuro e passe o boinho gronde, cone umo tiro com aproximadamenle (erro ochovando-a bem. Depois tormine o boinho. 5cm. Coloquo direito comro direito, costure e vire pelo ovesso terminondo com pequenos pontinhos invisivois. Al- gumos cosvuroiros cosvumom conor esto riro enviesodo. I08 '09
  55. 55. Bainha Terminacla com Viés Bainha em Ponfo de Meia Espiga Para um acabamento mois perfeito de suo soio, Trovo-se quose de um porno de cosear lorgo. De- use um viés ou fine préprio, procedendo como explicado P035 d0 boinho viroda Nobalhc-se conforme mostra o no pégino °me, ;°, ._ desenho, vrozendo a cgulho para fora passondo por cimo do linha. "0 Ill
  56. 56. Boinha Simples Boinha em Panto de Cruz l 1', aba| h°.5e gerglmente do direito poro o esquen Trobolho-se do esquerda poro o direito e é gero| - J do. Apunho-se dois fios do tecido por boixo do dobro meme usodo poro fozendos grossos. Este ponoo serve do bainha e passe-se a ogulho ovrovessondo o beiro do poro seguror e chuleor o boinho oo mesmo tempo. ‘; _ b°inh°_ Trobolho-se em porno ovrés oponhondo um ou dois fios DL ‘ __ do boinho e um ou dois fios no roupo e ossim consecu~ F_ 1 ‘ V V 7 V I vivomente. _ F! 112 "3
  57. 57. Boinho Enrolodo Usodo gerolmente poro fozendos leves. Enrolo-se o beiro do fozendo com o polegor e o indicodor e cosvuro-se com pomos invisiveis uvilizondo sempre ogu- Iho e Iinho bem finos. Algumos costureiros costumom passor o moquina no beirodo do fozendo, ontes de en- rolor. Boinho de Cosfureiro Posse umo cosvuro no bordo do boinho e oindo Taco um olinhovo coprichodo poro evitor que a fqzendo desfie. Levonto-se emoo o bordo prendendo o boinho conforme mosfro o desenho com pomos Iorgos. I15
  58. 58. Ijv jl Boinho Ifoliono B°i"h° 9"’ F°"“°' ‘ Poro focilitor o execu 60 de umo boinho em formo Enrolo-se o dobro do boinho emre o polegor e o ; indicodor e prende-se um pomo no boinho e outro no fozendo oté que se enconvrem vorios pomos no ogulho que seréo puxodos de umo 56 vez. é necessorio passor um fio de ironzido no beirodo pu- xondo porém de leve. Prendo com olfinetes rnorcondo pequenos preguinhos e termine com pequenos pontinhos invisiveis. Aa-? —.: m-—r<_, * . ‘5—- -A H6 H7
  59. 59. N Boinho Folso N ° 2 Mesmo quondo so nos resvo umo beirinho de tecido podemos compror umo fioo lorgo poro solvor um ves- ndo cum). 0 desenho nos mostro como proceder nestes COSOS. H8 " J) V Bcunho Ternlnodo corn Vnes Esfo Oerminogéo serviro tornbérn poro lingerie ou poro fozendos leves. Cosvumo-se usor este ocobomenvo poro decotes, covos, cintos etc. Cono-se umo tiro en- viesodo com oproximodomente 3cm de lorguro. Esvique o viés com o ferro queme o que o tomoré mois estreifo. Coloque o viés direito comro o direito do bordo e oli- nhove. Posse o costuro, vire e vermine pelo ovesso com pequenos pomos invisiveis. 119
  60. 60. Dobre o beirodo duos vezea poro obter umo boi- nho estreivo. Fogo dois pomos sobre o boinho puxondo bem o fio. Posse o ogulho pelo boinho a repivo esto operogéo mois odionve. A 3». V-. ¢.. .At4—~g—~¢»or~ _/ ./ ./ / J4 ~J V‘J'; n3_| LIu‘lUu‘L| |j_IIuIl. |”u Desenhe o recone com pequenos pontinhos em duos linhos porolelos e depois encho omre as linhos com vérios omros pequenos pontinhos. Trobolho-se do esquerdo poro direito colocondo o ogulho no pane in- verno, conforms mosvro o desenho, e puxondo-o no bordo inferior. A ogulho devero passor sempre sobre o linho. Depois do boinho verminodo recono-se como no figuro.
  61. 61. Trobolho-se do esquerdo poro o direito obfendo-se um efeiro bonito. segure o fio com o polegor esquerdo e conservondo o ogulho bem revo posse sobre o fio con- forme mostro o desenho. Dobre o boinho poro o lodo direiio e fogo umo costuro no como conforme mostra o esquemo (A). Apore o excesso de fozend o e posse o ferro poro obrir bem o costuro (8). Vire o boinho para o lodo do ovesso e termine (C)‘
  62. 62. Canto de Cosoco Em primeiro lugor seré necessorio terminor—se o boinho. A boinho vervicol ou visto devero cobrir o boi- nho inferior, conforme esquemo (A). Poro evitor volume cone o fozendo como mostra o desenho. Yerrnine com pequenos pontinhos invisiveis (B). 125
  63. 63. W Presilhos T Nodo mois feio do que umo olgo de combinagoo opurecendo e nodo mois focil poro evitor. Use umo fitinho estreito com oproxirnodomente 5cm de comprimemo. Pelo lodo do ovesso, Costure umo dos pomos por cimo do cosiuro do ombro do lodo do covo. No extremidode solvo so. -to colocado umo presséo sendo que o outro mevode do mesmo sero colocado di- relomeme sobre o costuro do ombro, conforme mosvro o desenho. Eis outro moneiro de prender o livinho no ombro Costure urno dos pomos do lodo do decote sobre o cos- vuro do ombro e sobre esto mesmo extremidade coloque o merode de umo pressoo. A outro rnetode seré colo- codo conform: mostra o desenho de moneiro o dor 0 volio sobre o ol<; o de suo combinogoo. , . .
  64. 64. Corte um pedogo de fozendo que renho oproxirno— domente 3cm olém do comprimento do obenuro e 5cm no lorguro, Seguindo o fio do fozendo olinhove o pe- doco sobre o centro do coso tendo o cuidodo de colocor o lodo direito do pedogo de fozendo contro o direito do roupo (A). Conforme mostra a figure seguinte Costure .5 moquina um retongulo o volto do morcogoo do coso (B). Procure dor o mesmo numero de pomos em coda lodo poro evitor umo coso torto. Ao terminar esto cos- turo posse o moquina por cimo dos pontos iniciois poro prender bem firme. Retire emoo o fio de rnorcogéo e cone o coso pelo centro sem cortor porém o costuro — cone OS Cantos em i “"50 Dora 0 lodo : :€: .:: :'m(C: :§: Pu’: 0 pedogo dc fa’ todo o cuidodo (D), pe| ° redo di'e: ':) tei? Como; com que devero encontror-se no centro —— olinltitee : p: :: ° feffo poro morcor o posigéo certa. Pel U""° Dfega Vipo mocho e prendo com o ovesso fogo vérios pomos
  65. 65. Corte as olgos no tomonho deseiodo. Posse um oli- nhovo poro obter cosos do mesmo tomonho 9 mega o disroncio certo poro evitor oborrecimenros posteriores. Costure o olgo — coloque umo tiro de fozendo mor- condo umo nova costuro por cimo do onterior e posse novomenre o moquina poro entéo viror esto visto de fozendo poro o lodo do ovesso obtendo ossim um oco- bomenlo perfeito. F
  66. 66. Os primeiros desenhos nos mostrom os dive-rsus modolidodes de desenhos que se pode obter oo pregur os botoes (A-B-C-D). A seguir ternos o bovéo com olgo: Comece dondo urn ponto do direito poro o ovesso de moneiro o escon- der 0 no do linho emboixo do botoo. Coloque entéo um olfinete por cimo do botoo e prendo com 0 linha 3 O 4 vezes — retire o olfinete e enrole o linho por tros do botéo de moneiro o formor o olgo (E-F). O desenho seguinte mostra urn botoo reforgodo com um pedogo de fozendo pelo ovesso do roupo (G)- O desenho nos mostro como proceder poro iunvor duos tiros enviesodos. Coloque lodo direito comro lodo direito tendo o cuidodo de ocenor o desenho de mo- neiro o que os bordos do tiro terminodo forrnem umo linho reto. Depois dos duos tiros costurodos, posse o ferro e ocene as contos excedentes (A). Poro fozer um rolo de viés dobre o fozendo com- pletornente enviesodo e cone pelo linho diogonol. Veio quontos tiros deseio e o lorguro certo dos mesrnos. Marque todo o fozendo com quontos linhos cornponor o pedogo de fozendo. Junte as pomos retos mos deixe umo lorguro de viés olém do iungoo em codo ponta. Pregue com olfinetes e forme um tuba. Comece numo ponto em Iinho reto e cone o tiro de moneiro circulor oté obter umo enrorne tiro enviesodo. I33
  67. 67. Bordodo ‘ Panto de Ccndeio Trobolhe pelo lodo direito do fozendo segurondo o who com o polegor de moneiro o monter o logodo. Entne o ogulho onde soi o Iinho e trogo o ponta do "‘95'“° Um Douco odionte puxondo-o pelo logodo do -nho. Os pontos deveroo ter todos o mesmo tomonho. $9 Este é um ponto decorotivo que serve poro iuntor duos bordos. Desenhe duos Iinhos poralelos num pe- dogo de papel com o distoncio deseiodo. Depois de dobror as bordos do fazendo poro dentro olinhove-os oo papel oo Iongo dos linhos desenhodos. Principle no olto trazendo o ogulho poro o lodo direito o direito e dé o ponto seguinte o esquerdo. A ogulho devero entrar de boixo poro clmo e passor por boixo do fio no ponto seguinte.
  68. 68. Marque a posicoo dos cosas com olfinetes e cone coda coso por suo vez. observando o fio do fozenda. Reforce as beirodo: do coso com um pequena olinhovo poro noo desfior. Faga um pequeno ponta atros pelo Iado do ovesso e trogo o ogulho porn cimo estendendo um fio oo longo do obertura do caso (A). Chuleie ogoro com pontos largo: conforms mostra o esquemo seguinte (B). Utilize um fio grosso. Espete a ogulho para o Iado de cimo montendo umo distoncio de aproximodornente 2mm para fozendos tinos a 3mm poro fozendas mois grossos. Espete o ogulho sob a bordo do coso e do o ponto no tamonho deseiodo, trozendo o ponta do ogu- lho para cimo. Do a volto no ogulho montendo a linha do lodo do obertura. As ponta: do coseodo podem ser espolhodos conforme mostro o esquemo ou poderoo ser retas (C). I Foga um buraco com o ponta da tesouro ou furo- dor apropriodo. Pode-se fozer o ponta caseodo con- forme io foi explicado onteriormente, ou simplesmente um pontinho cheio o volto todo, conforme mostra 0 de- senho seguinte.
  69. 69. Foco 3 cu 4 algos no tornanho deseiodo. Estes pon- tos deveroo ser dados no beira do roupo. Segure entoo estos o| <;os passados com ponta de coseodo bem iunti- nho, conforme mostra o desenho. Depois do cinto furodo dé olguns pontinhos de oli- nhavo conforme mostra o primeiro desenho . Preen- cha o rodinho com pontinho cheio enfiando no buraco e trozendo o ogulho para cimo no distoncia deseioda.
  70. 70. Reforgo ernpregodo nos extremos dos bolsos. Pre- gue olguns fios de linha atrovés do final do oberturo como nos mostra o primeiro esquemo (A). Depois prendo estes fios iuntamente com um pouco de fozendo (B), Depois de tudo pronto logo um arremate nos pon- tos (C). Remotes Terminaqoo decorotivo poro pregas e bolsos. Pogo um pequena triéngulo no ponto deseiodo. Com linha de bordor toga um pequeno P°*1tinho perto de A e subo com a ogulho para 8 dando um pequeno ponta sob a ponta do triongulo, Ieve a ogulho para C e trogo a ponta do mesmo por boixo poro soir novomente em A. Repito o trobolho colocondo os fios lodo o lodo ate 0 espogo ficor preenchido como em 0. Termina prendendo com pontos otros pelo ovesso. I41
  71. 71. Marque um triongulo conforme nos mostra o dese- nho. Prenda a linha em A conforme io foi explicodo onteriormente, Ieve o ogulho oté B dando urn pequeno ponto sob a ponta do triongulo. Vire o bordodo e do um ponto em C trozendo o ponta do ogulho por cimo poro soir novomente em A. De um pequena ponto sob o ponta de A e repito todo o operocoo oté encher o cen- tro. Os lodos dos triongulos ficoroo assim Iigeiromente CUFVOS. B 1‘ ‘n I ‘ II . I _/ /.. ~ --3 Aux -c . __. $ 142 Franzidos Puxe a ponta do ogulho pelo ponta I colocondo o linha ocima do ogulho. Enfie o ogulho pelo ponta 2 tro- zendo o fio novomente poro cimo A seguir segure o fio oboixo do ogulho e enfie no ponto 3. O fio voi novo- mente para cimo oo pegar o ponto 4. Continue nesto operogoo oté terminar o correira. I43
  72. 72. ' /5 "$1 Puxe a ogulho pelo ponto I. Dé um ponto pegondo no n. ° 2 e n. ° I. Puxe o fio bem firme. Depois tome a enfior o ogulho no ponto 2 e puxe para o lodo do oves- so. Puxe o ogulho para o lodo direito pelo ponto 3. Repito a operoqoo nos pontos 3 e 4 e novomente nos pontos 5 e 6. Continue desta moneiro.
  73. 73. w i W i / | : N V ; 7 / / / / / 146 na Ediouro. Para 2 0 Litcntu-r: Brullein e 0 Gnndcs Cwnicou ds Litcntun Mundial - Lhcmun lnamnuvonil 0 Romanca Rxflchis 0 Esponcs 0 Ficcio Cieuuflca 0 Qnliniria I Ann Marcius 0 Anenmto I Dccnho - Lfngua Rmuguosa 0 Ltnguas Esznngdm 0 Esotuismo 0 Folclon: 0 Hixutoria - Humor - Jardinagcm 0 logos c Rassatonpos 0 Arquhoura c Ezgcnhana 0 Boldado - Informatics - Rcligjso I Said: 0 Tnicb c Crocbe 0 Elctricidade e Elcuonica - Pmpsicologh 0 Adminisuar; :'lo - Animals Dome-licos o A. s1t0l0gl. 'I 0 Agricullun 0 Esplritisrno 0 Cumabilidadc - Psiwlogu - Dicionftrtos Esscs slo apcnas alguns assuntns quc voce ccnamente cncontra "nossoslis1osvoc£I: mduuopgocs. Fazcr o scu pedi pclo Rocmbulso Postal. utilinndo o carnlo-respoxta do final do livm. ou comprar dirctamonrc ms Invrarias Curio cspalhadas pelo pals. AEdioumpossuimaisde3000dtulossobrcosmais variadosamunnos. Cj: __

×