Arte pré histórica no brasil

16,234 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
16,234
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
306
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arte pré histórica no brasil

  1. 1. Arte Pré-Histórica no Brasil Aula preparada a partir da leitura de PROUS, André. Arte Pré-Histórica no Brasil. Belo Horizonte: C/Arte, 2007. Junho de 2013. Professor: Ed Sombrio, Jaguapitã/Rolândia – PR.
  2. 2. • O termo pré-história vai muito além da arte rupestre, incluindo ainda objetos, instrumentos decorados, esculturas e até suportes orgânicos pintados (cascas de árvore).
  3. 3. Arte Rupestre Do francês, rupestre (rocha) designa gravação, traçado e pintura sobre suporte rochoso, qualquer que seja a técnica empregada.
  4. 4. Objetos Objetos encontrados em Israel. Período provável – Neolítico (5.000 a. C.) http://noticias.terra.com.br/ciencia/arqueologos-acham-indicios-de-divisao-de-classes-na-idade-da- pedra,160c00beca2da310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html
  5. 5. Instrumentos decorados http://paleoliticonoticioso.blogspot.com.br/ Flauta e reco-reco do Período Paleolítico, entre 20.000 e 15.000 a. C.. Instrumentos de ossos que podem ser encontrados da França à Rússia.
  6. 6. Esculturas Dama de Pazardzik (V a.C.). Figura de terracota de Deusa grávida sentada sobre um banco: destacam-se suas grandes nádegas e um destacado triângulo pubiano que está adornado com os clássicos símbolos da Deusa em forma de aspirais e losângolos. Mede 18,4 cm e vem da cultura Karanovo de Pazardzik (Bulgária). Se encontra no Museu da História Natural de Viena, Áustria. http://www.portaldarte.com.br/03-venus/dama- pazardzik.htm
  7. 7. Suportes orgânicos pintados Colares de conchas e pedras pintadas de diversas culturas.
  8. 8. • No Brasil, os arqueólogos vêm desenvolvendo pesquisas sistemáticas sobre a arte pré- histórica, desde 1970, sendo influenciados por diferentes “escolas”, ainda que compartilhem uma mesma dificuldade que corresponde à datação dos materiais arqueológicos fixos ou móveis.
  9. 9. Regiões rupestres no território brasileiro • Cada qual tem suas características estilísticas e diferentes suportes rochosos; • Destacam-se as regiões Nordeste e Central, pela densidade de sítios. • Podem estar em abrigos e grutas; matações em serra; margens de rios; à beira-mar.
  10. 10. Sítios arqueológicos em abrigos e grutas Caieiras, em Matozinhos - MG Lapa do Santo, Matozinhos - MG
  11. 11. Sítios arqueológicos em matações em serras http://chicohistoriador.blogspot.com.br/2 010/05/sitio-arqueologico-alcobaca.html Sítio arqueológico e pintura rupestre no município de Buíque – PE. Entre 4.000 e 1756 anos atrás.
  12. 12. Sítios arqueológicos em margens de rios Pintura rupestre do Sítio Arqueológico Pedra Gêmea, no Município de Sento Sé – BA. http://www.historiaehistoria.com.br/ materia.cfm?tb=arqueologia&id=68
  13. 13. Produção dos desenhos pré-históricos no Brasil • Técnicas: Desenho ou Gravura; • Gravuras picoteadas, incisas ou polidas; • Pinturas com pigmentos minerais (óxido de ferro e dióxido de manganês) e carvão; • Pinturas aplicadas com os dedos, graveto, carimbo ou crayon.
  14. 14. Arqueólogos brasileiros descobriram a gravura mais antiga do novo mundo: um corpo antropomórfico esguio, com uma idade compreendida entre os 9500 e 10.400 anos. A figura terá sido feita por grupos de caçadores recoletores que viviam na região e poderá ser uma manifestação simbólica ligada à fertilidade. Gravura pré-histórica descoberta na Lapa do Santo – MG. http://www.publico.pt/ciencia/noticia/a-gravura-prehistorica-mais-antiga-da-america- fica-em-belo-horizonte-1534916
  15. 15. Pinturas pré-históricas no Brasil Pintura Rupestre em Serranópolis – GO, aprox. 11.000 a. C. http://wagneroliveiragoias.blogspot.com.br/2012/05/e-s-p-e-ci-l-homem-pre- historico-de.html
  16. 16. Pinturas pré-históricas no Brasil Pintura rupestre na Toca do Boqueirão da Pedra Furada - Serra da Capivara – PI. http://www.fumdham.org.br/pinturas.asp
  17. 17. Tradições estilísticas • Faz-se notar que as tradições, estilos e complexos são convenções criadas pelos arqueólogos para agrupar representações rupestres com características recorrentes: • 1) Meridional; • 2) Litorânea; • 3) Planalto; • 4) Complexo Montalvânia; • 5) São Francisco; • 6) Astronômica; • 7) Nordeste; • 8) Agreste; • 9) Guiano-Amazônica. Outras informações: http://www.rupestreweb.info/dabahia.html
  18. 18. Arte móvel: 1) Zoólitos • São esculturas em pedra, poucas de osso, representando animais e, raramente, figuras humanas. • Foram fabricadas pelos sambaquianos entre 5000 e 2000 anos atrás, na faixa litorânea da porção meridional do Oceano Atlântico.
  19. 19. Sambaquis: Sítios arqueológicos situados, geralmente, à beira-mar • São enormes montanhas erguidas em baías, praias ou na foz de grandes rios por povos que habitaram o litoral do Brasil na Pré-História. Eles são formados principalmente por cascas de moluscos - a própria origem tupi da palavra sambaqui significa "amontoado de conchas". • Mas essas elevações também contêm ossos de mamíferos, equipamentos primitivos de pesca e até objetos de arte, num verdadeiro arquivo pré- histórico. Os arqueólogos calculam que existam milhares de sambaquis espalhados pela costa do país. Os mais antigos nasceram há cerca de 6 500 anos. • Não se sabe ao certo o que levou nossos ancestrais a construírem essas curiosas montanhas. Durante muito tempo, pensou-se que elas eram formadas apenas por restos de alimentos, uma espécie de lata de lixo da pré- história. Mas uma investigação mais detalhada revelou que, além de vestígios de comida, havia muitos esqueletos nos sambaquis, levando especialistas a acreditarem que boa parte deles era também cemitério.
  20. 20. Monumento construído com conchas, o sambaqui se destaca na paisagem. O sítio Figueirinha-I, em Jaguaruna (SC), atinge aproximadamente 15 metros de altura. http://www.itaucultural.org.br/arqueologia/pt/tempo/sambaquis/index.html
  21. 21. Zoólitos Geométricos • O primeiro grupo de esculturas classificado por Prous segue padrões geométricos, têm forma de cruz, morfologia ovóide e triangular com ampla dispersão territorial, ou seja, está presente em diversas regiões do país.
  22. 22. Zoólitos naturalistas • O segundo grupo reúne uma diversidade de formas com aspecto naturalista, mantendo variações regionais. • Outros zoólitos naturalistas em: http://exploradordosertao.blogspot.com.br/2 012/09/zoolitos-as-belas-estatuetas-de- pedra.html
  23. 23. Arte Móvel: 2) Ídolos. • Encontradas nos vários tributários do Rio Tapajós e em lagoas, foram feitas em esteatita e representam figuras zoomorfas e antropomórficas; seus traços aventam contato entre as culturas do Pacífico e da Amazônia. Ídolo de Iguape. Estatueta antropomorfa. Pedra gnaisse, com 9 cm de altura, 500 a. C.
  24. 24. Arte Móvel: 3) Muirakitã. • São artefatos na forma triangular ou trapeizodal que geralmente representam uma rã, feitos em rochas verdes ou azuladas, polidas com incisões e furo de suspensão. São associadas a sítios cerâmicos amazônicos e não ultrapassam 2.000 anos.
  25. 25. Cerâmicas • Os sítios cerâmicos começam a aparecer há 2.000 anos. Sendo que quatro formas são conhecidas: • A) Marajoara; • B) Santarém, ou Tapajônica; • C) Maracá; • D) Tupiguarani.
  26. 26. Cerâmica Marajoara • Segunda metade do século X, às margens do Rio Amazonas e na Ilha de Marajó. • Grandes urnas: elementos zoomorfos e antropomórficos em um desenho geométrico. • Tangas cerimoniais: decoração linear variada com organização padrão dos motivos geométricos. Padrões presentes na pintura das cerâmicas marajoaras.
  27. 27. Urnas Funerárias Ver em http://www.museu- goeldi.br/download/pdf/outros/2011/livros/ Catalogo_Ceramica_Marajoara.pdf na pág. 44. As cerâmicas marajoaras se tornaram conhecidas internacionalmente, são produzidas até a atualidade pelos índios e vendidas como produto turístico no norte do país.
  28. 28. Tangas cerimoniais No catálogo da exposição de cerâmica marajoara do Museu Emílio Goeldi, no estado do Pará, ocorrida no ano de 2010, há diversos exemplos desta tradição cerâmica: http://www.museu- goeldi.br/download/pdf/outros/2011/livros/Catalogo_Ceramica_Marajoara.pdf
  29. 29. Cerâmica Santarém, ou Tapajônica: Vasos. • Conhecida pela exuberância na modelagem dos vasos cerimoniais. • Formas mais frequentes: vasos de gargalo, de cariátides e os grandes cálices com pedestal. • Decoração com personagens dos mitos cosmológicos da Amazônia, ligados a animais. • Os vasos ao lado são do acervo do Museu Emílio Goeldi, em Belém – PA.
  30. 30. Cerâmica Tapajônica: Esculturas. • A figura mais comum é a mulher, boa parte representada sentada, formando com as pernas uma base semilunar. • Há, também, a produção de potes de forma simples e sem decoração para uso diário. Escultura antropomórfica, cerâmica, região de Santarém – PA, entre 1000 e 1600.
  31. 31. Cerâmica Maracá: Caracterizada pela presença de urnas funerárias de formato humano, de uma pessoa sentada em um banco com os braços apoiados nos joelhos. • Data de Origem / Produção: Cerca de 1.000 A.D. • Local de Coleta / Origem: Sul do Amapá. • Dimensões: 34 cm. • Descrição: • Cerâmica Maracá. • A peça aqui apresentada é uma das menores já encontradas. Embora as dimensões de tais urnas sejam variáveis, oscilando entre 20 e 85 cm de altura, esta fica muito aquém do porte médio.
  32. 32. Cerâmica Tupiguarani • São reconhecidos dois grandes conjuntos geográficos, compreendidos pela língua destes povos: • A) Proto-Tupi: de São Paulo ao Maranhão; • B) Proto-Guarani: De São Paulo à Argentina.
  33. 33. Proto-Tupi • Pintura na parte interna de grandes vasos abertos com representações figurativas extremamente geometrizadas, combinando as cores vermelha, preto e branco.
  34. 34. Proto-Guarani • Fabricação de grandes urnas com ombros escalonados e morfologia complexa. • São decoradas com figuras geométricas (ondas, retângulos e cruzes).

×