Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Análise do nível de atividade econômica no Brasil

189 views

Published on

Desde 2014 o Brasil tem enfrentado grandes dificuldades para a retomada de seu crescimento, reflexo de um cenário de instabilidade política e econômica que se intensificou em 2015. De acordo como IBGE, a economia brasileira registrou, em 2016, nova contração do PIB (-3,6%), em relação ao ano anterior. Sendo a segunda queda anual consecutiva, no acumulado de 2015 e 2016, a economia brasileira encolheu 7,2%. E em 2017, apesar da euforia governamental com o aumento de 1% do PIB no primeiro trimestre do ano, em relação ao último trimestre de 2016, quando comparado com o acumulado de igual período do ano anterior a variação do PIB apresenta queda de 0,4%.

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Análise do nível de atividade econômica no Brasil

  1. 1. ANÁLISE DO NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA NO BRASIL PIB Desde 2014 o Brasil tem enfrentado grandes dificuldades para a retomada de seu crescimento, reflexo de um cenário de instabilidade política e econômica que se intensificou em 2015. De acordo como IBGE, a economia brasileira registrou, em 2016, nova contração do PIB (-3,6%), em relação ao ano anterior. Sendo a segunda queda anual consecutiva, no acumulado de 2015 e 2016, a economia brasileira encolheu 7,2%. E em 2017, apesar da euforia governamental com o aumento de 1% do PIB no primeiro trimestre do ano, em relação ao último trimestre de 2016, quando comparado com o acumulado de igual período do ano anterior a variação do PIB apresenta queda de 0,4%. Em decorrência da queda do PIB em 2016, seu valor per capita nominal alcançou R$ 30.407, após ter recuado (em termos reais) 4,4% em relação ao ano anterior. Em valores correntes, o maior agregado macroeconômico brasileiro alcançou R$ 6,3 trilhões no ano passado, sendo R$ 5,4 trilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 852,3 bilhões de Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. Pela ótica da oferta, essa contração foi acompanhada por uma retração generalizada em todos os setores, sendo a primeira vez desde 1996, que indústria, serviços e agropecuária, ao mesmo tempo, sofreram retração em relação ao ano anterior. O setor agropecuário apresentou queda de 6,6%, no acumulado do ano de 2016 em relação ao ano anterior, sendo a pior retração desde 1996, ficando a agricultura como maior responsável pelo desempenho negativo do setor, em razão, principalmente, do clima, que afetou fortemente a produção no campo. Conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA/IBGE), divulgado em fevereiro de 2017, culturas importantes como milho, café e mandioca registraram quedas significativas, 25,7%, 15,5%, 2,8%, respectivamente, na estimativa anual de produção e perda de produtividade. Já a Indústria apresentou uma queda de 3,8% em 2016, tendo como principal fator negativo o comportamento da Indústria de transformação, a qual apresentou contração de 5,2% ao longo daquele exercício. Esse resultado foi influenciado, principalmente, pelo decréscimo da fabricação de máquinas e equipamentos, indústria automotiva, produtos farmacêuticos, metalurgia, alimentos e bebidas, móveis, etc. No entanto, considerando os dados do primeiro trimestre de 2017 com relação ao último trimestre do ano anterior, a Indústria apresenta um pequeno resultado positivo, de 0,9%. O único destaque positivo na atividade industrial em 2016 foi o desempenho do subsetor Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza
  2. 2. urbana, que registrou expansão de 4,7% em relação a 2015. Isso se deveu ao efeito da decisão do Governo Federal de substituição de termelétricas por hidrelétricas no fornecimento de energia elétrica no país entre os dois períodos. TABELA 1 - Brasil: Taxa Acumulada ao Longo do Ano (variação em volume em relação ao mesmo período do ano anterior– %) Setor de Atividade 2015.IV 2016.I 2016.II 2016.III 2016.IV 2017.I Agropecuária 3,6 -8,3 -7,3 -6,9 -6,6 15,2 Indústria -6,3 -7,0 -5,0 -4,3 -3,8 -1,1 Extrativa Mineral 4,8 -9,2 -7,1 -5,1 -2,9 9,7 Transformação -10,4 -10,4 -7,5 -6,1 -5,2 -1,0 Construção Civil -6,5 -5,0 -4,1 -4,4 -5,2 -6,3 Prod. e distrib.eletricidade, gás e água -1,5 3,8 6,2 5,6 4,7 4,4 Serviços -2,7 -3,5 -3,1 -2,8 -2,7 -1,7 Comércio -8,7 -10,5 -8,6 -7,2 -6,3 -2,5 Transporte, amarzenagem e correio -6,6 -7,3 -6,6 -6,9 -7,1 -2,2 Serviços de informação -0,5 -4,5 -3,8 -3,1 -3,0 -0,3 Intermediação financeira, seguros... -0,8 -1,3 -2,1 -2,5 -2,8 -4,0 Outros serviços -1,9 -3,3 -3,6 -3,2 -3,1 -1,8 Ativ. imobilárias e aluguel -0,1 0,2 0,3 0,2 0,2 -0,6 Adm. saúde e educação públicas -0,1 -0,1 0,2 0,2 -0,1 -0,7 Valor adicionado a preços básicos -3,2 -4,6 -3,8 -3,4 -3,1 -0,3 Impostos líquidos sobre produtos -7,0 -10,2 -8,7 -7,4 -6,4 -0,8 PIB a preços de mercado -3,8 -5,4 -4,5 -4,0 -3,6 -0,4 Despesa de consumo das famílias -3,9 -5,8 -5,3 -4,7 -4,2 -1,9 Despesa de consumo da adm. Pública -1,1 -0,8 -0,6 -0,7 -0,6 -1,3 Formação bruta de capital fixo -13,9 -17,3 -13,1 -11,6 -10,2 -3,7 Exportação de bens e serviços 6,3 12,7 7,9 5,2 1,9 1,9 Importação de bens e serviços (-) -14,1 -21,5 -16,0 -13,1 -10,3 9,8 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. O setor de Serviços também apresentou queda em 2016, 2,7% em relação a 2015. Entre os subsetores que compõe os Serviços, somente atividades imobiliárias apresentaram resultado positivo e, ainda assim, muito tímido (0,2%). A pressão sobre o consumo pesou no desempenho do setor de serviços, e, dentre as possíveis causas para esse comportamento negativo, estão a escassez de crédito, o aumento no endividamento das famílias, o desemprego. Tais fatores reduzem o poder de compra e o consumo agregado afetando diretamente o seu desempenho. No entanto, ao contrário da Indústria, o Setor de serviços vem ganhando participação relativa no PIB correspondendo a 73,3% do principal agregado macroeconômico do país. Pela ótica do gasto, composta pelo Consumo das Famílias, Consumo do Governo, Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) e Exportações Líquidas, um componente que vem apresentando queda expressiva desde 2014 é a Formação Bruta de Capital fixo, a qual indica o nível dos gastos de investimento. Assim, pode-se afirmar que, em 2016, a contração dos investimentos foi da ordem de 10,2%. Este recuo é justificado, principalmente, pela queda das importações de bens de capital, pelo desempenho negativo da construção civil, além da recessão global. Tal resultado da FBCF levou a taxa de investimento
  3. 3. da economia brasileira a fechar o ano em 16,6% do PIB, o nível mais baixo da série iniciada em 1995. Com relação aos condicionantes externos, a desaceleração mundial impacta profundamente as economias altamente dependentes da produção de commodities, como é o caso do Brasil. A Despesa de Consumo das Famílias, principal componente do PIB pelo lado da demanda, registrou retração de 4,2% em 2016 quando comparada a 2015. Este resultado se justifica com base no comportamento dos indicadores de juros, crédito, emprego e renda ao longo de 2016. A deterioração do mercado de trabalho foi o principal fator para reduzir a demanda das famílias, corroendo o poder de compra das mesmas. Como se pode perceber, a redução da inflação, não se refletiu no aumento do consumo. A Despesa de Consumo do Governo, que inclui as esferas municipal, estadual e federal, por sua vez, também apresentou queda de 0,6% em 2016, na comparação com o ano imediatamente anterior. No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços cresceram 1,9%, enquanto as Importações apresentaram contração de 10,3% ao longo do ano de 2016, muito por conta do quadro recessivo que se instalou, além da influência do câmbio. Entre os produtos e serviços da pauta de exportações, os maiores aumentos foram observados em petróleo e gás natural, açúcar, automóveis, embarcações e outros equipamentos de transporte. Já entre as importações, as maiores quedas foram observadas em máquinas e equipamentos, automóveis, materiais elétricos, petróleo e derivados, bem como os serviços de transportes. Importante destacar ainda que algumas mudanças metodológicas feitas pelo IBGE no início de 2017, que dizem respeito ao cálculo do desempenho do setor de serviços e vendas no varejo, podem ter influenciado de maneira positiva, mas apenas estatisticamente, os resultados agregados. Afinal, os pesos de alguns subsetores foram alterados (as vendas dos supermercados perderam peso no conjunto do comércio, enquanto as vendas de combustíveis ganharam peso). A base de comparação das pesquisas mensais passou de 2011 para 2014 – ano de menor crescimento. Além de ter atualizado o cadastro de empresas entrevistadas, algumas entraram e as que foram fechadas saíram. Tais mudanças, no geral, acabam por impactar positivamente o resultado de índices como emprego, inflação, vendas no varejo, comércio e consumo das famílias, o que gerou uma onda de críticas ao Instituto e, em especial, ao presidente do IBGE, Paulo Rabello de Castro, posto sob suspeição de tentar maquilar os resultados da atividade econômica com fins políticos.
  4. 4. Indústria A produção da indústria brasileira, de acordo com o IBGE, terminou o ano de 2016 com uma queda de 6,6% no acumulado do ano, completando três anos consecutivos de resultados negativos para o setor. Fato relevante foi que a maioria dos segmentos da indústria mostrou resultados negativos durante o exercício 2016, como comprovam os desempenhos das indústrias extrativas (-9,4%), de coque, produtos derivados do petróleo e bicombustíveis (-8,5%), além de veículos automotores, reboques e carrocerias (-11,4%). Já na outra ponta, as maiores influências positivas partiram de produtos alimentícios (0,6%) e de celulose, papel e produtos de papel (2,5%). De acordo com dados publicados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o faturamento real da indústria caiu 12,1%, em 2016. Em abril de 2017, quando se toma o acumulado dos últimos 12 meses e se compara com igual período anterior, ou seja, maio de 2015 a abril de 2016, novamente observa queda (-3,6 %), repetindo- se, assim, a tendência negativa observada desde junho de 2016. Ainda na mesma base de comparação, as quatro grandes categorias econômicas da indústria apresentam, todas, resultados negativos, como bens de capital (-1,2%), bens de consumo intermediário (- 3,8%), bens de consumo duráveis (-3,0%) e bens semi e não duráveis (-3,9%). Os principais setores que contribuíram negativamente para esse resultado foram, a exemplo de 2016, a indústria extrativa (-0,35%) e a de coque, produtos derivados de petróleo e biocombustível (-1,30%), acrescidos ainda da indústria de produtos alimentícios (- 0,25%) e a de minerais não metálicos (- 0,25%). Olhando-se para o acumulado de janeiro a abril 2017, observa-se a décima queda consecutiva, desta vez da ordem de (-0,7%), com destaque para a queda na produção de alimentos (carnes de bovinos congeladas e sucos concentrados de laranja e açúcar cristal e VHP) (-6,2%), medicamentos (-15,0%) e na de coque e produtos derivados de petróleo e biocombustível(-9,1%), devida a queda na produção de álcool etílico e óleos diesel. Comércio As vendas do comércio varejista brasileiro caíram 6,2%, em 2016, quando comparadas às de 2015, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), perfazendo assim a maior queda observada na série histórica do indicador desde 2001. Em 2016, quase todos os subsetores apresentaram taxas negativas, e o que mais influenciou a queda geral do índice do varejo foram aquelas que mais representam o consumo da classe trabalhadora, ou seja, as
  5. 5. vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,1%), que tiveram o pior resultado desde 2003. Ainda de acordo com o mesmo instituto, a pressão inflacionária o aumento das taxas de juros, o desemprego e o enfraquecimento do mercado de trabalho ao longo de 2016 podem ser apontados como as principais causas da queda nos índices de consumo e comércio. Seguindo igual tendência, o ano de 2017 começou apresentando taxas negativas no que tange ao comércio varejista nacional, tanto para o volume de vendas quanto para a receita nominal. Por ser um setor sensível à variação da renda das famílias, o comércio varejista reflete a situação econômica de crise pela qual o país vem passando, como serve de exemplo o primeiro trimestre de 2017, que acumulou redução de 3,0% no comércio varejista e -5,3% nos últimos doze meses. Notícias acalentadoras apresentadas por diversos canais de mídia impressa e de fontes ligadas ao próprio governo realçam uma melhora no comércio varejista em termos da receita nominal de vendas. Isso por terem apresentado alta de 4,2%, na comparação do acumulado de abril de 2016 a março de 2017, contra igual período imediatamente anterior. Não obstante, quando se confronta tal informação com o volume de vendas para a mesma base de comparação, é possível constatar uma retração de 3,2%. Possivelmente esse aumento da receita está vinculado a elevações de preços nesses setores visando contrarrestar a baixa no volume de vendas. Em relação ao desempenho das unidades federativas, o acumulado de 2016 quando comparado ao de 2015 mostrou redução no volume de vendas do Comércio Varejista em praticamente todas as regiões. Das 27 Unidades da Federação, 26 apresentaram taxas negativas, com exceção de Roraima que obteve avanço de 1,2 % sendo o único estado em que o comércio varejista apresentou avanços em 2016. Os destaques negativos, em termos de magnitude de taxa, são o do Amapá (-18,1%), Pará (-13,1%), Rondônia (-12,3%) e Bahia (- 12,1%).
  6. 6. Tabela 2– Taxa de variação do volume de vendas para as principais atividades (%) Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Serviços e Comércio. As famílias estão consumindo menos e um dos principais motivos é o avanço do desemprego que já atinge uma taxa de 13,7% no primeiro trimestre de 2017, segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, divulgados pelo IBGE. O desempenho negativo do volume de vendas é influenciado, sobretudo, pelo setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo que foi responsável por 57,0% da redução no total do varejo. Na comparação do primeiro trimestre de 2017 com igual trimestre de 2016, o volume de vendas do comércio varejista registrou recuo de 3,0%. Apesar disso, quando comparado com o trimestre imediatamente anterior, o volume de vendas apresentou resultado positivo de 3,3%. Entre outros motivos, estão os saques realizados nas contas inativas do FGTS que já injetaram R$ 5,5 bilhões na economia, embora parcialmente nem todo montante seja absorvido pelo consumo. Este desempenho positivo não era observado desde o último trimestre de dezembro de 2014, quando a taxa de variação foi 1,4%. O volume de vendas do varejo ampliado, que inclui os setores de veículos, motos, partes e peças e de material de construção também obteve redução na queda passando de -8,1% no segundo semestre de 2016 para -4,8% em janeiro de 2017 influenciado pelo setor se veículos, motos, partes e peças que passou de -14,2% para -4,6% e de material de construção (de -8,4% para -0,3%). Atividades 2015 2016 1º tri 2º tri 3º tri 4º tri 1º tri 2º tri 3º tri 4º tri Comércio varejista -1,3 -2,5 -2,7 -0,7 -2,7 -0,6 -1,6 -1,2 Combustíveis e lubrificantes -4,2 -1,2 -2,9 -3,5 -3,1 -1,1 -2,1 -1,6 Hiper.,Super., Alim., Beb. e Fumo -0,5 -1,3 -2,2 0,8 -2,2 0,3 -0,8 -1,8 Tecidos, vest.e calçados -3,3 -4,9 -3,1 -1,6 -5,3 0,6 -5,4 -1,2 Móveis e eletrodomésticos -4,6 -7,0 -5,2 -1,3 -4,7 -2,0 -3,3 -1,1 Artigos farmacêuticos -0,1 0,7 -1,3 2,0 0,1 -3,2 -2,0 0 Livros, jornais, rev. E papelaria -2,8 -2,8 -5,9 -4,3 -4,4 -6,9 -2,4 -1,8 Equip e mat. para escritório 4,6 -10,8 -6,2 -3,9 0,4 -6,5 -1,0 2,2 Outros art. de uso pessoal e doméstico 2,7 -5,5 -1,6 -3,7 -5,0 -0,4 -1,6 2,4 Comércio Varejista ampliado -4,1 -3,8 -2,7 -2,4 -1,9 -2,5 -2,6 -0,9 Veic. e motos, partes e Peças -11,6 -4,6 -3,1 -5,4 -0,8 -7,0 -4,3 -0,5 Material de Construção -3,5 -4,4 -3,1 -4,4 -2,4 -2,6 -1,1 -1,1

×