Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Relâmpagos

1,355 views

Published on

  • Be the first to comment

Relâmpagos

  1. 1. RELÂMPAGOS Estevão Antunes Júnior 219008 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Instituto de Física FIS01138 - Física Aplicada I
  2. 2. ARISTÓTELES (Século III a.C.) • Ruído: colisão entre as nuvens • Relâmpago: incêndio exalado pelas nuvens FRANKLIN (Século XVIII) • Natureza elétrica do relâmpago • Experimento da Pipa gerando uma descarga elétrica (1752) Figura 1: Imagem de Aristóteles. Figura 2: Imagem de Franklin.
  3. 3. CAMPO ELÉTRICO • Todo corpo carregado eletricamente gera um campo elétrico proporcional à sua carga • Quando há a interação entre dois corpos de cargas diferentes afastadas por uma distância d, entre eles há um campo elétrico que aponta do positivo para o negativo Figura 3: Representação do campo elétrico
  4. 4. RIGIDEZ DIELÉTRICA • Força que liga os elétrons ao núcleo do átomo • Materiais isolantes tornam-se condutores devido à intensos campos elétricos proporcionando descargas elétricas • O maior valor de campo elétrico aplcado a um corpo isolante sem que ele se torne um condutor é chamado de Rigidez Dielétrica • Exemplos de rigidezes dielétricas: • Ar: 30 kV/cm • Mica: 600 kV/cm • Vidro: de 75 a 300 kV/cm
  5. 5. CARREGAMENTO DAS NÚVENS • O ar quente sobe na nuvem por ser menos denso • A temperatura é muito menor nas camadas superiores (-30ºC) • O vapor de água carregado junto ao ar quente vira granizo e cai • Na queda, este granizo se choca com as demais partículas e carrega negativamente, enquanto as demais partículas carregam positivamente.
  6. 6. •As cargas negativas se encontram na parte inferior e as cargas positivas na parte superior, gerando uma polarização da nuvem • Isso ocasiona a polarização do solo por indução e gera um campo elétrico na região entre a nuvem e o solo CARREGAMENTO DAS NÚVENS Figura 4: Representação do carregamento das nuvens e a indução elétrica do solo.
  7. 7. DESCARGA ELÉTRICA • Quando o campo elétrico gerado nesta situação é tão grande a ponto de romper a rigidez dielétrica, o ar se torna condutor proporcionando a descarga elétrica RELÂMPAGO De 20 a 90 kA Figura 5: Representação da descarga elétrica das nuvens para o solo.
  8. 8. TIPOS DE RELÂMPAGOS • Da nuvem para o solo • Da nuvem para a atmosfera • De nuvem para nuvem (e intra-nuvem) • Do solo para a nuvem Figura 6: Representação dos tipos de relâmpagos.
  9. 9. TIPOS DE RELÂMPAGOS Figura 7: Relâmpagos no sentido nuvem-solo.
  10. 10. TIPOS DE RELÂMPAGOS Figura 8: Relâmpagos no sentido nuvem-atmosfera.
  11. 11. TIPOS DE RELÂMPAGOS Figura 9: Relâmpagos no sentido solo-nuvem.
  12. 12. RAIOS POSITIVOS E NEGATIVOS • Diferenciam-se devido à região da nuvem se onde sai o raio • Se for da parte superior – Positiva • Se for da parte inferior – Negativa Brasil é o lugar do mundo onde mais cai raios. Uma peculiaridade é que grande parte destes raios são positivos, são mais nocivos.
  13. 13. MEDIDA DE SEGURANÇA: PARA-RAIOS • É colocado no topo de onde se quer proteger • Está ligado ao terra • Tem a função de ser eletrizado por indução pela nuvem e receber a descarga elétrica mandando ela diretamente ao solo. • Raio de Proteção: R = 2,5 H Figura 10: Representação do para-raios.
  14. 14. CURIOSIDADE • Por que enxergamos o relâmpago antes de ouvir a trovoada? A velocidade da luz é muito maior que a velocidade do som. Vluz é aproximadamente 880 mil vezes maior que Vsom Exemplo: se o raio cai a uma distância de 1 km de onde você está, a luz demora 0,000003 segundos e o som demora 2,9 segundos para chegar em você.
  15. 15. RESUMINDO Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=UZPBcSreva4.
  16. 16. REFERÊNCIAS • Rigidezes dielétricas de alguns materiais. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Rigidez_diel%C3%A9trica. Acesso em 16/03/2014. • Brasil: o país dos 100 milhões de raios. Disponível em: http://super.abril.com.br/cotidiano/brasil-pais-100-milhoes-raios- 441018.shtml. Acesso em 22/03/2014. • Origem histórica dos Relâmpagos. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rel%C3%A2mpago. Acesso em 19/03/2014. • SANTOS, E.S.. A Física dos Relâmpagos e dos Raios. Brasilia. 2007. • Funcionamento dos Para-raios. Disponível em http://efisica.if.usp.br/eletricidade/basico/carga/raio_relampago/. Acesso em 22/03/2014.
  17. 17. REFERÊNCIAS DAS IMAGENS • Figura da capa A: Disponível em: http://colorir.estaticos.net/desenhos/color/201101/a2247e14f75d76e07158b75 8722ea0ba.png. Acesso em 19/03/2014. • Figura da capa B: Disponível em: http://rlv.zcache.com.br/nuvem_preta_dos_desenhos_animados_com_relampa go_cartao_postal- ra7580163f062459a98249b4070c9b046_vgbaq_8byvr_512.jpg. Acesso em 19/03/2014. • Figura 1: Disponível em: http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/65f871b027e7d994218 14e262b5a30d6.jpg. Acesso em 19/03/2014. • Figura 2: Disponível em: http://www.culturamix.com/cultura/curiosidades/como-benjamin-franklin- descobriu-a-eletricidade. Acesso em 19/03/2014.
  18. 18. REFERÊNCIAS DAS IMAGENS • Figura 3: Disponível em: http://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/0/0e/Linhas_2.png. Acesso em 19/03/2014. • Figura 5: Disponível em: http://hyperphysics.phy- astr.gsu.edu/hbase/electric/lightning.html. Acesso em 19/03/2014. • Figura 6: Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/- rf9owey2KdE/Tz65Jq47nsI/AAAAAAAAASU/tFEp7X8WejM/s640/Sem+t %C3%ADtulo.png. Acesso em 19/03/2014. • Figuras 7, 8 e 9: Disponíveis em: http://www.ucb.br/sites/100/118/TCC/1%C2%BA2007/AFISICADOSRELA MPAGOSEDOSRAIOS.pdf. Acesso em 19/03/2014. • Figura 10: Disponível em: http://efisica.if.usp.br/eletricidade/basico/carga/raio_relampago/. Acesso em 22/03/2014.

×