Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Grounded Theory

704 views

Published on

Grounded Theory

Published in: Science
  • Be the first to comment

Grounded Theory

  1. 1. GROUNDED THEORY Docente: Prof.ª Dr.ª Isabel Ramos Discentes: Bruno Ferreira - id5565@alunos.uminho.pt5@alunos.uminho.pt Nuno Pereira - id5511@alunos.uminho.pt Doutorandos em Tecnologias e Sistemas de Informação Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho 2015 Seminário em Tecnologias de Sistemas de Informação
  2. 2. Grounded Theory: o que é? ‘The discovery of theory from data – systematically obtained and analysed in social research’ (Glaser & Strauss, 1967: 1) ‘The methodological thrust of grounded theory is toward the development of theory, without any particular commitment to specific kinds of data, lines of research, or theoretical interests . . . Rather it is a style of doing qualitative analysis that includes a number of distinct features . . . and the use of a coding paradigm to ensure conceptual development and density’ (Strauss, 1987) Barney Glaser Anselm Strauss Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  3. 3. Contextualização A Grounded Theory (GT), ou teoria fundamentada, é uma abordagem sistemática, indutiva para desenvolver a teoria para ajudar a compreender os complexos processos sociais (Glaser, 1978). A principal diferença entre a GT e outros métodos é a sua abordagem específica para o desenvolvimento da teoria - a GT sugere que deve haver uma interação contínua entre a recolha e análise de dados (Myers, 1997). O método GT (Glaser & Strauss, 1967) foi concebido “para desenvolver e integrar um conjunto de ideias e hipóteses em uma teoria integrada que responde por comportamento em qualquer área substantiva” (Lowe, 1996; Gasson, 2009). “A grounded theory is one that is inductively derived from the study of the phenomena it represents.” Strauss and Corbin . p.23 Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  4. 4. Glaserian vs. Straussian (adaptado de Jones and Alony, 2011) Glaserian Straussian Iniciar com espanto geral (uma mente vazia) Ter uma ideia geral, por onde começar Teoria emergente, com perguntas neutras Forçar a teoria, com questões estruturadas Desenvolvimento de uma teoria conceptual Descrição concepual (descrição de situações) Sensibilidade teórica vem de imersão nos dados Sensibilidade teórica vem de métodos e ferramentas A teoria é fundamentada em dados A teoria é interpretado por um observador A credibilidade da teoria, ou verificação, é derivada da sua fundamentação nos dados A credibilidade da teoria vem do rigor do método Um processo social básico devem ser identificado Processos sociais básicos não necessitam de ser identificados O Investigador é passivo e disciplinado exibe contenção. O pesquisador está ativo Os dados revelam a teoria Os dados são estruturados para revelar a teoria Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  5. 5. Cont. Glaserian Straussian Codificação é menos rigorosa, a comparação constante de incidente a incidente, com perguntas neutras envolvendo categorias e propriedades. A codificação é mais rigorosa e definido pela técnica. A natureza de fazer comparações varia com a técnica de codificação. Rótulos são cuidadosamente elaborados. A “micro-análise”, é feita através de análise de dados palavra por palavra. Duas fases ou tipos de codificação, simples (fracturar os dados, em seguida agrupá-los conceptualmente) e material (aberta ou seletiva, para a produção de categorias e propriedades). Três tipos de codificação, aberta (identificação, categorização e nomeação fenômenos que descrevem), axial (o processo de relacionar os códigos de um para o outro) e seletiva (a escolha de um núcleo central e outras categorias relacionadas a essa). Considerado por alguns como o único verdadeiro método Grounded Theory. Considerado por alguns como uma forma de análise de dados qualitativos. Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  6. 6. Método GT • Foco na geração de ideias (ou hipóteses) a partir dos dados ao invés de os possuir previamente “A grounded theory is one that is inductively derived from the study of the phenomena it represents.” Strauss and Corbin . p.23 Foco chave: Leitura reflexiva do texto e na aplicação de códigos Escrever/Gravar Abordagem de Análise de Dados Técnicas de Recolha de Dados Método de Investigação Suposições Filosóficas Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  7. 7. Em que são o método GT e Etnografia diferentes? Etnografia Descrição densa Depende muito de Observação Participante Longo tempo em estudo de campo GT Analítico Confia mais em entrevistas Prazos curtos prazo olhando sempre para o processo e trajetória Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  8. 8. Contextualização Questão de pesquisa Getting Started A sensibilidade teórica Papel da Revisão de Literatura Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  9. 9. Contextualização Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Questão de pesquisa Getting Started A sensibilidade teórica Papel da Revisão de Literatura Duas preocupações: Encontrar uma pergunta de investigação que seja flexível para permitir a investigação aprofundada (Broad) Aprofundar a questão para permitir trabalhar os objetivos.
  10. 10. Contextualização Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Questão de pesquisa Getting Started A sensibilidade teórica Papel da Revisão de Literatura A capacidade de compreender os dados; a relevância dos dados; ocorre antes da análise dos dados e durante a análise dos dados. Obriga-nos a dar um passo atrás e verificar os dados.
  11. 11. Contextualização Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Questão de pesquisa Getting Started A sensibilidade teórica Papel da Revisão de Literatura A revisão de literatura vai revelar as soluções ao problemas identificados.
  12. 12. Elementos centrais de Grounded Theory Inquéritos moldados pelo objetivo de descobrir os processos sociais e psicológicos. Criar códigos analíticos e categorias a partir dos dados Recolha de dados e análise das fases do projeto em simultâneo. Processo analítico usado obriga ao desenvolvimento e descoberta da teoria e em vez de verificação de teorias pré-existentes = indutiva A amostragem teórica refina, elabora e esgota categorias conceptuais. “Systematic application of grounded theory analytic methods will progressively lead to more abstract analytic levels.” (Charmaz, 1983 p. 125) Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  13. 13. Proposta do método GT A finalidade do método GT em gestão e negócios é desenvolver novos conceitos e teorias de fenômenos ligados às empresas, quando esses conceitos e teorias estão firmemente baseados em dados qualitativos. Permite o surgimento de resultados originais que estão intimamente ligados aos dados. Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  14. 14. Métodos de Investigação da Grounded Theory Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Theoretical sensitivity •Desenvolver os conhecimentos necessários para sensibilizar o investigador quais são dados significativos numa situação de interesse. Data collection •Realização de estudos de campo, estudos de casos observacionais, etnografias, etc., para recolher dados relevantes. Open coding •Examinar o texto para as categorias mais destacadas, aplicar códigos para o texto e rotular o fenómeno. A chave é evitar meramente a descrição. Axial coding •Identificar relações e /ou temas nas categorias de informações codificadas, que fazem conexões explícitas entre categorias. Selective coding •Processo de relacionar sistematicamente a categoria central a outras categorias e preenchimento de categorias que necessitam de aperfeiçoamento Constant comparison •Comparar e sintetizar relações teóricas através de amostras de dados. Evaluation •Determinar se a saturação (o ponto de retornos decrescentes em análise) foi alcançado. •Escrever a teoria e relacionar com outras teorias na literatura (através de uma abrangente revisão de literatura). (Gasson, 2009, p. 36) Saturação não alcançada (olhar para as evidências que representam a categoria e continuar a procura, até que novas informações não forneçam uma visão mais aprofundada da categoria) Ordenar e reconciliar Theoretical Memos para integrar elementos da Grounded Theory Gerar Theoretical Memos para capturar ideias e interesses sobre os dados (códigos, relações e suposições) e sobre as suas fontes de inspiração
  15. 15. Críticas ao método de GT • Não é possível anular a teoria no início. • Teoria observação neutra impossível • A amostragem teórica leva tempo • A necessidade de buscar casos desviantes nem sempre é feito. • O Coding corrompe o fluxo de dados • Lugar do investigador – “descoberta da teoria” • Um foco centrado sobre o investigador • Evitando uma revisão da literatura, o investigador invariavelmente trata do tema de pesquisa sem a bagagem intelectual necessária para abordar esse tema • Há um foco num método complexo e sobreposição de terminologia confusa em vez de dados • Más explicações teóricas integrados tendem a ser o resultado Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  16. 16. Benefícios do uso do método de GT • Pode ser usado para interpretar os fenômenos complexos e multifacetados • Pode acomodar uma multiplicidade de questões sociais • É apropriado para experiências socialmente construídos • Permite para o surgimento de novas ideias • Não prejudicado por limitações de conhecimento à priori • Grande flexibilidade para diferentes tipos de investigadores e objetivos de investigação variados • Pode resultar em significativos conceitos emergentes e produção de teoria substantiva • Valioso quando a literatura disponível não explica o envolvimento de fenômenos sociais • Permite ao investigador ir além de teorias pré concebidas do mundo social • Embora tenha suas raízes no interacionismo simbólico, um dos criadores, Barney Glaser vê como "uma alternativa ao positivismo, construcionismo e aos métodos qualitativos interpretativistas" (Glaser, 2001) Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  17. 17. Requisitos para usar o método GT • Tolerar a confusão; • Não forçar aparecimento de dados; • Tolerar regressão; • Confiança nos dados emergente sem se preocupar com a justificação; • Ao longo do tempo, os dados irão fornecer a justificação se for usado o método com rigor; • Às vezes, o isolamento é necessário para obter profundamente na análise de dados, mas consulta e discussão também necessários (ou seja, reuniões); • Estar aberto à possibilidade de poder mudar a maneira como se pensou inicialmente sobre o assunto, e estar pronto para agir sobre a nova evidência emergente; • Ser capaz de conceptualizar a teoria a partir dos dados; • Ser criativo; Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  18. 18. Interpretação final da teoria Publicada Construção de uma teoria formal, através da interpretação do investigador Determinar se os dados de saturation foram atingidos Limitar categorias centrais “Open” codificar e utilizar as categorias e propriedades relevantes Coletar dados por meio do estudo de investigação Definir um "topic guide" na recolha direta de dados Abordagem Grounded Theory Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Ordenar e reconciliar Theoretical Memos para integrar elementos da Grounded Theory Escrever theoretical memos Definir relações e propriedades Inicio da investigação Seleção de dados Recolha de dados Análise de dados Síntese e teoria. Publicação da investigação Reconheça a influência das fontes bibliográficas Reflexão sobre a pré- compreensão do próprio investigador Interesses gerados que não são topic guide Revisão da literatura dos dados secundários adaptado de (Gasson, 2004, p. 81)
  19. 19. Considerações finais A presente revisão de literatura descreve várias virtudes do método da Grounded Theory. A GT permite aos investigadores lidar eficazmente com as questões importantes de parcialidade e de preconceitos, e fornece uma abordagem sistemática que devem ter em consideração as teorias existentes (Glaser e Strauss, 1967; Goleman, 1998; Sarker et al, 2001. ; Urquhart, 1997; Urquhart, 2001) . Os investigadores podem criar estudos de construção de teorias que são úteis e relevantes (Partington, 2000). Além disso, a investigação que incide sobre as perspectivas dos atores fornece aos mesmos oportunidades para articular os seus pensamentos sobre as questões que consideram importantes (Glaser, 1998). Essa articulação permite que os participantes refletiam sobre os acontecimentos empiricamente significativas (para eles), ganhando ainda mais a compreensão das ações passadas e adquirir novos conhecimentos. Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  20. 20. Grounded Theory Vídeos • http://goo.gl/O1IhqI • http://goo.gl/QhDWEU • http://goo.gl/aHOAQR • http://goo.gl/h96LZr Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  21. 21. Referências Charmaz, K. (2006). Constructing grounded theory: A practical guide through qualitative analysis. Los Angeles, CA: Sage. Gasson, S. (2004). Chapter VI Rigor In Grounded Theory Research : An Interpretive Perspective on Generating Theory From Qualitative Field Studies. The Handbook of Information Systems Research, 79–102. doi:10.4018/978-1-59140-144-5.ch006 Gasson, S. (2009). Employing a grounded theory approach for MIS research. Handbook of Research on Contemporary Theoretical, 34–36. doi:10.4018/978-1-60566-659-4.ch003 Glaser, B. G. (1978). Theoretical sensitivity: advances in the methodology of grounded theory. Glaser, B. G. (1992). Emergence Vs Forcing: Basics of Grounded Theory Analysis. Glaser, B. G. (1998). Doing Grounded Theory: Issues and Discussions. Glaser, B. G. (2001). The Grounded Theory Perspective: Conceptualization Contrasted With Description (1st ed., p. 232). Sociology Pr. Glaser, B. G. (2002, September 30). Constructivist Grounded Theory? Forum Qualitative Sozialforschung / Forum: Qualitative Social Research. Retrieved from http://www.qualitative- research.net/index.php/fqs/article/view/825/1792 Glaser, B. G. (2007). Constructivist Grounded Theory? Historical Social Research, Supplement, (19), 93–105. Retrieved from http://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/28831 Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (1967). The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. Strauss, A. (1978). social world perspec- tive. In N. K. Denz (Ed.), Studies in symbolic interaction (1st ed., pp. 119–128). Greenwich, CT: Jai Press Inc. Strauss, A., & Corbin, J. M. (1998). Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory. Strauss, A. L. (1983). Continual Permutations of Action. New York: Aldine de Gruyter. Strauss, A. L., & Corbin, J. M. (1990). Basics of qualitative research: grounded theory procedures and techniques. Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho
  22. 22. Obrigado pela vossa atenção! Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho

×