Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 1
O controlo biopolítico, o stress e a leitura em diagonal
O esmagamento pelo trabalho e a...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 2
Esta ânsia insatisfeita, de corrida contra o tempo faz lembrar Tântalo que via a água fu...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 3
Na realidade, tendo em conta o caráter limitado das necessidades de cada pessoa e o muit...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 4
A falta de tempo, embora sentida individualmente não é materialmente verdadeira, é uma
c...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 5
de Deus, algo que lhe é exterior, que o transcende e condiciona e, é nessa mesma senda q...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 6
A necessidade ou a pressão para o encaixe de várias atividades, necessárias ou desejadas...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 7
conteúdos é feito no seio de uma hierarquia que vai da administração ao estagiário na
re...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 8
ou escrita; depois, porque essa preponderância subalterniza o som, as vozes e mais ainda...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 9
A questão não será a falta de tempo mas a valorização que se atribui ao tempo disponível...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 10
doutorandos, depois de validadas os textos pelas mais elevadas estirpes dos zeladores d...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 11
Estes tipos de atitude atrasaram a divulgação das ideias, o avanço do conhecimento e da...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 12
e continuada; basta aplicar uma “engenharia do consentimento”15
, proceder à gestão das...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O controlo biopolítico, o stress e a leitura em diagonal

456 views

Published on

O esmagamento pelo trabalho e as formas de preenchimento do restante tempo de vida geram o stress e conduzem à superficialidade e ao culto do espetáculo como elementos essenciais para o controlo biopolítico da multidão.

1 - Uma invenção recente – a falta de tempo
2 – Capitalismo e controlo biopolítico
3 – Informação e formatação
4 - A leitura em diagonal

Published in: News & Politics
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

O controlo biopolítico, o stress e a leitura em diagonal

  1. 1. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 1 O controlo biopolítico, o stress e a leitura em diagonal O esmagamento pelo trabalho e as formas de preenchimento do restante tempo de vida geram o stress e conduzem à superficialidade e ao culto do espetáculo como elementos essenciais para o controlo biopolítico da multidão. 1 - Uma invenção recente – a falta de tempo 2 – Capitalismo e controlo biopolítico 3 – Informação e formatação 4 - A leitura em diagonal oooooooooo +++++ oooooooooo 1 - Uma invenção recente – a falta de tempo Apesar das tecnologias de informação, de estradas e autoestradas, de veículos disponíveis para deslocações, ninguém tem tempo. Como se o tempo pudesse acabar, como referido por um sábio polinésio ao observar, espantado, a correria constante do Papalagui1 (o homem branco) numa metrópole europeia, cerca de cem anos atrás. Ele preferia o afago das suas mulheres, sentar-se ao entardecer e contemplar o mar. Um sábio é quem sabe usufruir a sua passagem pela vida, sem atropelos nem ansiedades. O frenesi daquela época não se pode comparar com o de hoje naquelas metrópoles, aumentadas e densificadas e o fenómeno estendeu-se a cidades e aldeias, pequenas e médias; Pouco depois da visita do polinésio à Europa e a partir de 1930, o stress foi apontado como factor disruptivo para os humanos, que pode degenerar em encefalomielitis miálgica, síndroma de fadiga crónica, mais economicamente, a surmenage, o termo francês que cedeu, entretanto, perante a maior popularidade do inglês, para designar a maleita. A ânsia de prosseguir uma tarefa com a constante sensação de atraso na sua realização – efetivo ou eminente – é doentia, mesmo que nada haja de relevante ou obrigatório para fazer de seguida. O stress preenche a vida de todos os dias, numa sucessão de tarefas tomadas ou sentidas como inadiáveis, urgentes e que parecem fugir à nossa frente; seja no trabalho, nos percursos entre a casa e outro local (mesmo que seja a praia), na realização dos actos domésticos quotidianos e rotineiros, nas relações com os outros, tudo isso é marcado pelo andamento do relógio, sobreposto pelo toque do telemóvel, pela preocupação de conseguir amanhã o rendimento para pagar o consumo de ontem, para comprar hoje o que amanhã já não estará em saldo ou na moda, mesmo que objetivamente, não faça falta alguma. 1 Papalagui é o título de um livro de Erich Scheurmann, de 1920
  2. 2. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 2 Esta ânsia insatisfeita, de corrida contra o tempo faz lembrar Tântalo que via a água fugir-lhe à frente da boca sempre que a queria sorver. Tântalo estava a isso condenado para todo o sempre, de acordo com a narrativa grega, a tentar algo que nunca iria realizar. Na vida “civilizada” de hoje, o tempo parece fugir à nossa frente porque a nossa existência é atulhada de obrigações e escolhas de premência sentida e incorporada na nossa objetiva vontade. É o tempo que se encurta à nossa passagem ou é a carga de tarefas que assumimos exagerada quando a repartimos por unidade de tempo? É evidente que o stress constante e massificado como o conhecemos não é uma inerência à espécie humana2 e menos ainda quando o grau de satisfação das múltiplas necessidades se acha muito mais facilitado do que em épocas passadas. Ele é induzido da organização social, do modo de produção capitalista3 cujo objetivo é a acumulação de capital e para o qual os humanos são mercadoria a incorporar com outras mercadorias – naturais, manufaturadas, ambientais ou imateriais – no âmbito de um processo produtivo global, bem definido. A vida de outrora, no campo, tinha um horário bem determinado pelas estações e pelo ciclo diário do sol; os ritmos da natureza e a falta de luz solar limitavam a ocupação produtiva no campo mas, deixava tempo para a confeção da roupa, para zelar pelos animais e orientava também a vida de ferreiros, correeiros, tanoeiros e outros artesãos. A inquietação acontecia perante uma tempestade fora da época, uma seca prolongada, a destruição de uma guerra ou as descuidadas caçadas dos senhores; melhor seria chamar a essa angústia medo, pois desses eventos poderia decorrer fome, doença, morte. O conhecimento científico e as tecnologias, daquele provenientes, trouxeram muitas vantagens à vida dos humanos, aumentando a longevidade e reduzindo a dependência de ciclos e caprichos da natureza, gerando, em contrapartida, um potencial muito mais alargado de tempo para repartir entre o ócio e os afazeres necessários. A mecanização, a robotização e o circuito integrado retiraram das nossas vistas os grandes grupos de gente vergada a trabalhar no campo ou a entrar em magotes para as grandes fábricas, típicas do fordismo. 2 No entanto, contagiou o … sistema financeiro. Recentemente, os banqueiros e especuladores financeiros, mormente os representados no BCE, observaram que o stress tinha atingido os bancos. Como o stress ao atingir os bancos havia produzido a crise financeira de 2007/8 e suas sequelas sob a forma de dívida e austeridade, o BCE para poupar a população da zona euro promove regularmente testes de stress aos bancos. O diagnóstico não deve ser grande coisa pois só o descobriram no BES quando a bancarrota desabou e no Banif a bancarrota aconteceu mesmo com um stress largamente diagnosticado. O stress aplicado aos bancos consiste na avaliação da tensão que se pode registar entre as responsabilidades e os meios para lhes fazer frente; e como os bancos constituem um sistema de entidades imbrincadas umas nas outras, o BCE e seus próximos procuram estar atentos para decretarem uma intervenção de dinheiros públicos, do país onde o banco stressado tenha sede, por mais que se saiba que cada banco é apenas uma célula do sistema financeiro. 3 Para quem não se recorde, o capitalismo existe, mesmo que raramente citado nos meios da direita política ou, esquecido pelos da chamada esquerda, neste caso, substituído por uma amálgama composta pela interação entre poderes de estado e medidas de recorte keynesiano, tendo como pano de fundo a “democracia representativa”. O capitalismo é pouco referido e menos ainda discutido. Eppur si muove, diria Galileu.
  3. 3. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 3 Na realidade, tendo em conta o caráter limitado das necessidades de cada pessoa e o muito maior número de gente susceptível de exercer uma atividade produtiva, tudo indicaria que o tempo dedicado ao esforço laboral de cada um se reduzisse, em benefício de maior disponibilidade para a sua utilização em atividades culturais, de lazer ou na gestão de afetos. Pelo contrário, há uma corrida com a meta sempre por alcançar, resultante duma produtividade que se pretende infinitamente crescente por unidade de tempo ou, se se preferir, a prossecução de uma produtividade de tal modo elevada que o tempo unitário de produção de qualquer bem ou serviço possa tender para zero. Se isso acontece no plano da produção o mesmo se verifica no contexto da venda, sendo necessário ser competitivo para escoar os bens ou serviços produzidos, numa lógica de incessante procura de conquista de mercado, de aumento das vendas, através da utilização de agressivas técnicas de marketing, de redução de custos laborais, de envolvimento do Estado na elaboração de regulamentos, da dotação de financiamentos e da instituição de uma benévola fiscalidade sobre as empresas. Os ganhos de produtividade não se refletem sensivelmente no tempo de trabalho de quem exerce funções laborais. Em Portugal as oito horas de trabalho foram estabelecidas para o comércio e indústria em 1919 (na agricultura em 1962) e, passado um século, a sua redução é pouco significativa, em nada se comparando com a evolução da produtividade. A comparação é ainda menos gloriosa se se considerar o tempo dos percursos pendulares casa-emprego hoje, muito superiores aos de há um século, quando a habitação não distava muito do local de trabalho; e ainda, porque a redução da dimensão das famílias, obriga ao depósito das crianças de manhã (e a sua recolha ao final da tarde) em escolas, creches ou casas de familiares, com os desvios e encargos necessários dos progenitores, uma situação que há um século era mitigada pela proximidade dos núcleos familiares ou pela coexistência de várias gerações numa mesma casa. Por outro lado, a não redução do tempo de trabalho da população ativa num dado momento, afasta da atividade laboral uma fatia crescente da população e torna esta força potencial de trabalho numa “mercadoria” superabundante que, como tal, tenderá a ser objeto de um baixo preço relativo e condições de exercício mais penosas e precárias. Assim, uns, os mais jovens, verão retardado o seu início no trabalho, do acesso a um rendimento, à construção de um futuro; outros, os de escalões etários intermédios arrastar-se-ão pelo desemprego ou serão objeto de aposentações antecipadas, penalizadoras, depois de um negócio sórdido para evitar o mal pior do desemprego. Para todos estes o stress não será problema gerado pelo trabalho mas, precisamente, o resultante da sua falta, pela vida que passa sem um rendimento susceptível de uma vida digna, sem uma ocupação que a sociedade, na sua cruel avaliação, considere digna e, para mais, com uma compensação – subsídio4 – precária e apontada com caráter esmoler, parca para eventuais responsabilidades familiares e outras para cumprir. 4 A palavra subsídio usada para os casos de doença, desemprego e outros é aviltante pois nada mais é que a concretização de um direito que o seu destinatário tem, em função de valores que previamente descontou aos seus salários, para utilização naquelas eventualidades. Aplica-se às prestações de um sistema público mas já não às prestações de quem tem um seguro de saúde privado. Presume-se que no primeiro caso há um beneficiário, um inferior e no segundo um segurado, parte de um contrato entre iguais. A origem latina em sub (abaixo) + sedere (sentar-se) é clara quanto ao cunho de inferioridade atribuída ao destinatário do “subsídio”.
  4. 4. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 4 A falta de tempo, embora sentida individualmente não é materialmente verdadeira, é uma criação capitalista, pela sua generalização, pela sua omnipresença, pela forma como é introduzida na cultura da multidão, como algo natural, dependendo apenas da gestão que cada um faz da sua vida; como se o problema do stress fosse de responsabilidade individual e não caraterística sistémica. O mesmo sucede com a dívida que deve ser assumida como culpa ou pecado a expiar com sacrifícios, como resultante de um despesismo estouvado de que o devedor é um único responsável; e no caso da dívida pública como produto de uma cultura coletiva de leviandade e de imprevisão, a repartir por todos. O capitalismo é particularmente ágil em se isentar, enquanto sistema, dos males que provoca, encontrando sempre agentes específicos para cada desastre, ameaça ou problema, isolando-os, recusando proceder à análise das interações. Essa pretensa falta de tempo desvaloriza o tempo presente através da pulsão para a chegada do momento seguinte, ocasião para qualquer concretização de tarefa, funcionando um desnecessário acto de consumo como lenitivo para o stress; e chegado o momento seguinte a preencher com outra tarefa, logo esta é desvalorizada, porque outra já se encontra na fila. 2 – Capitalismo e controlo biopolítico As necessidades do capital, da produção, do crescimento, da competitividade, do investimento para gerar emprego5 , são apresentadas como necessidades coletivas, que se sobrepõem às individuais, de todos, embora na realidade sejam essencialmente as necessidades de acumulação de capital, de alguns. Se o sistema político e económico preenche de tarefas e responsabilidades de cada pessoa, o tempo sobrante tende, por um lado, a ser escasso e objeto de pressões exteriores ao indivíduo ou endogeneizadas por ele, inconscientemente. Por outro lado, o capitalismo, na passagem do controlo disciplinar para o controlo biopolítico trata de produzir aplicações desse tempo sobrante que sejam convenientes para a reprodução do sistema. O controlo biopolítico corresponde ao caráter invasivo do capitalismo de hoje, no contexto da incorporação e controlo dos desejos, para que estes não se transformem em subversão da (des)ordem existente; sobretudo se incorporado por grupos e segmentos alargados da população. A questão do controlo biopolítico remete para outro tipo de análise, subsequente, muito interessante nos tempos que correm. As religiões do Livro concebem o Homem como produto 5 Esta é uma das grandes trapaças do discurso dominante, aceite e repercutido por direitas e esquerdas. Ninguém investe para gerar emprego mas sim para produzir lucro, reproduzir capital; se o investimento se materializa na produção de batata frita ou num negócio de trabalho temporário, pouco importa, trata-se de uma escolha instrumental para a finalidade de acumulação e o recrutamento de trabalhadores (a criação de emprego, na gíria política) é um meio para aquele fim, um custo necessário como o da energia, das matérias-primas, etc. Para mais, no actual contexto de selvajaria neoliberal, a redução do desemprego quando ocorre, engloba uma redução do salário do beneficiário da “criação de emprego” face à situação anterior; algo que a esquerda do sistema e os sindicatos se “esquecem” de referir para poderem assinalar uma vitória dos seus esforços a favor dos trabalhadores contra o patronato.
  5. 5. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 5 de Deus, algo que lhe é exterior, que o transcende e condiciona e, é nessa mesma senda que laboram os teóricos do capitalismo, pretendendo considerar este como definitivo, a-histórico, emanente. Spinoza, na senda de Giordano Bruno e dos estóicos antigos negou a transcendência no século XVIII e considerou que o Homem se determina a si próprio, é portador de uma potência que constrói a sua própria existência. Essa autodeterminação imanente do Homem para a sua realização em termos materiais e dos afetos sempre foi combatida pelos poderes, mesmo depois de, a partir de Spinoza, as ideias de transcendência terem perdido credibilidade e remetidas para o âmbito da fé. Os poderes políticos não podem controlar o desejo de vida que há em cada pessoa mas podem - e fazem tudo por isso – controlar a expressão prática e sobretudo coletiva dos desejos; nomeadamente dos que possam colocar em causa o Estado, as minorias dominantes ou a ordem social estabelecida pelo capital. Assim sendo, um sistema político como o capitalismo, apesar de uma existência historicamente recente, tem mostrado grandes mutações através do tempo e de acordo com o espaço e está longe de se poder apresentar como uma abstração acabada, mesmo quando usa a típica e lapidar afirmação do TINA, “there is no alternative”. Mas, faz o que pode para incutir na multidão essa inevitabilidade, contando com o empenhado interesse das classes políticas e das estruturas marcadamente biopolíticas, nacionais e transnacionais; mormente dos media e da universidade. Neste contexto, os defensores do capitalismo inventaram a ideia de que o esforço laboral eleva o prestígio social de cada um, que contribui para o bem-estar da nação; de que se trata de um esforço vivificante a maximizar, como no mito em torno de Stakhanov6 . Tendo em conta as capacidades técnicas de produção de bens e serviços e as limitações ambientais existentes, não é possível a continuidade do esforço produtivista de crescimento infinito defendido pelos arautos do capitalismo - neoliberais e keynesianos – sendo um acto da mais elementar inteligência destruir o capitalismo antes que ele destrua a humanidade e o planeta. A pressão do capitalismo exerce-se pois, muito para além do tempo de exercício das funções laborais ou produtivas. Nestas, pretende-se um empenhamento físico, anímico e afetivo, uma entrega total em que “é a alma do operário que deve descer na oficina” como dizem Negri e Lazzarato. Porém, o capitalismo atual pretende também controlar e condicionar não só a dimensão do tempo sobrante, mas preenche-lo com uma grande variedade de ocupações insertas na lógica do capital, nomeadamente no encaminhamento das pulsões de vida para o espetáculo desportivo, para os wrestlings verbais dos debates televisivos, para a vacuidade ou a superficialidade dos conteúdos mediáticos, para a apresentação da política como espetáculo, com atores profissionais (a classe política). 6 Nome de um mineiro soviético que deu origem a um movimento de aumento da produtividade que demonstraria a superioridade do regime soviético dirigido por Stalin. Passado o tempo da reconstrução das imensas destruições e perdas de vidas resultantes da invasão hitleriana, a URSS como modelo de capitalismo de estado estiolou e caiu, como Império do Mal na lógica demente de Reagan, entre outros motivos, devido à baixíssima produtividade. Em 1974/75, foi cumprido em Portugal “um dia de trabalho para a nação”( 6/10/1974 e 10/6/1975) e uma “batalha de produção” sem que alguma vez os governos tivessem posto em causa o capitalismo.
  6. 6. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 6 A necessidade ou a pressão para o encaixe de várias atividades, necessárias ou desejadas, genuínas ou induzidas pelo controlo biopolítico, nesse escasso tempo disponível é fonte de stress; e o stress acentua a necessidade da formação de hierarquias naquelas atividades, incute o desejo de alijar o que possa ser considerado secundário ou estranho, tomado como elemento de acentuação do stress. O controlo biopolítico que seca as energias no âmbito do trabalho, prolonga-se fora dessa esfera e gera uma vida onde o stress penetra, desconstrói e destrói, mostrando, finalmente uma grande eficácia no controlo da expressão do desejo, por parte da multidão, da sua canalização para o que se enquadre na ordem social, atalhando para que se coloque fora de caminhos politicamente “desviantes”. O capitalismo existe, envolve e condiciona a nossa vida, as nossas relações, os nossos passos, os nossos hábitos e necessidades e o nosso futuro. O capitalismo, dominado pela articulação do sistema financeiro, com as multinacionais e o capital do crime, capturou as classes políticas colocando, na sequência, os aparelhos de estado, no essencial, ao seu serviço; arquiteta o conteúdo e as funções da escola e do sistema de saúde, regulamenta o acesso à habitação e a circulação de pessoas e bens, procede à produção legislativa, enforma o funcionamento dos tribunais, das forças armadas e policiais, bem como a organização política e o modelo de representação, de modo a permitir a manipulação da multidão e a perpetuação da sua submissão, construindo um placebo de democracia. No âmbito de leis e regulamentos inscritos numa burocracia inextricável e de conteúdo pastoso, o capital dominante, acima referido, utiliza o Estado na estratificação das várias camadas de empresas e determina, no essencial, a vida de novos e velhos, de trabalhadores no ativo, no desemprego ou na reforma, de homens e mulheres, de adultos e crianças, independentemente de culturas e latitudes de proveniência; e ainda de quem deve viver mais ou menos, tornando a longevidade uma variável económica e quem pode morrer na miséria, na guerra, na doença, na inanição, em campos de refugiados. Em suma, não há capitalismo sem Estado, nem (hoje) Estado sem capitalismo mas a integração de ambos num mesmo objetivo – a acumulação permanente e crescente de capital, por qualquer meio. Imaginar uma retomada dos palácios de inverno com um Estado a favor da multidão é a repetição de uma história que correu mal, é uma visão naif ou mistificadora, corrente na chamada esquerda com acesso aos media, através de universitários que terão lido muito, estudado bastante mas, aprendido pouco; apenas evidenciam o realismo suficiente para serem cortejados para cargos governamentais, num governo PS. No momento em que vivemos, o capitalismo é omnipresente como a morte; e, como a morte, o capitalismo constitui a face oposta da vida que gostaríamos de viver. 3 – Informação e formatação O controlo biopolítico exige a definição do que é fornecido como informação, embora esse controlo se distinga das fórmulas proibicionistas e persecutórias próprias das sociedades disciplinares. Os media pertencem a grupos editoriais ou mais vastos e condicionam os conteúdos convenientes para os interesses do capital em geral, para os desses grupos em particular, relegando – na melhor das hipóteses - para publicações ou canais com pouca audiência o que possa transgredir minimamente o controlo dos desejos. O controlo dos
  7. 7. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 7 conteúdos é feito no seio de uma hierarquia que vai da administração ao estagiário na redação, cuja precariedade é apenas mais um elemento para a sua total submissão aos interesses do sistema, transformando-se o jornalismo na promoção de espetáculo, fait-divers, ou promotor de instâncias do poder; o jornalismo de hoje é a atualização do papel dos escribas antigos, funcionários dos faraós. A condensação da informação encontra uma convergência entre o interesse do seu destinatário e o do seu emissor, este último, enquanto agente do poder. O primeiro, porque afogado em tarefas e no stress inerente à sua (não) realização, no trabalho ou fora dele, deseja a maximização daquela condensação por unidade de tempo ou a ligeireza que lhe permita aliviar o stress, distraindo-o, sublimando qualquer desejo de mudança. O poder, por seu turno, exige o torpor do relaxamento que tudo aceita, acrítico e uma focagem que absorve, que seca e não admite pausas, reflexões, recapitulações. O fluir do objeto atrai, domina o sujeito, retira- lhe autonomia, manipula-o, apossa-se dele; é esse o objetivo do controlo biopolítico. Nas várias formas de trocas ou recolhas de informação só a oralidade exige a presença ou a interação com o outro. Na oralidade (excluindo o teatro ou as orações de sapiência dos ungidos7 , onde normalmente há uma relação unívoca, de cima para baixo) são os intervenientes que marcam o assunto, o ritmo, a duração, podendo os desejos e as ideias de cada um expressar-se livremente, possivelmente sem o controlo do poder; o stress. a existir será proveniente de causas externas ou de dificuldades de expressão. Na leitura individual8 , desde que não compulsiva e com prazo de realização, o ritmo também é decidido pelo leitor que pode voltar atrás, parar, refletir, divagar, sublinhar, escrever e intercalar essa leitura com outras, relacionadas ou não, com aquela, como ainda dialogar com outrem a propósito do tema; tudo é decidido pelo leitor, mesmo os comentários com outras pessoas. Ler, neste sentido é esforço que dá prazer, tal como amar9 . A imagem simples ou uma sequência de imagens cujo ritmo é definido pelo observador ocasiona situações semelhantes à da leitura: contemplação, divagação, reflexão, pausas, apreensão de conhecimento, tendo em conta que numa imagem o detalhe e a informação contida pode ter elevada densidade, a exigir uma dedicação mais demorada da sua observação e leitura. A televisão, forma massificada e invasiva de colocar sons e imagens em conjunto, em sequência, colocam a questão da apreensão num outro patamar, aquele em que o observador não consegue absorver todo o conjunto que lhe é apresentado. Primeiro, porque há uma preponderância da imagem, de captação mais imediata, uma vez que a sua descodificação é mais intuitiva, não se expressa através dos símbolos que estão presentes na linguagem falada 7 Num auditório cheio onde estará presente um mandarim ou uma personalidade mediática, a univocidade é a regra. A solenidade institucional não permite diálogos com um presidente de república, ou com o secretário-geral da NATO, por exemplo. 8 Perdeu-se o hábito da leitura em coletivo, sobretudo em família, como no século XIX, porque o pequeno écran e o que vomita é bem mais eficaz na captação e formatação das consciências por parte do poder e para mais facilita o isolamento de cada um dos presentes. 9 A estória de uma fleumática inglesa após a primeira relação sexual é sintomática: “What a ridiculous position in such a wonderful sensation”
  8. 8. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 8 ou escrita; depois, porque essa preponderância subalterniza o som, as vozes e mais ainda eventuais legendas; e em terceiro lugar, porque a televisão insinuando-se em todos os espaços domésticos e públicos é um veículo permanente da ideologia do poder, de formatação dos desejos no sentido da conformação, do conservadorismo. como ainda de indução do desenvolvimento do mercado, através de um consumo tendencialmente orgiástico. O meio torna-se a mensagem e o televisor a caixa que mudou o mundo, como diria McLuhan. Para além de monopolizador do olhar, da audição e das capacidades cognitivas, a marcha ininterrupta da emissão (com ou sem zapping) vai muito para além das capacidades de apreensão do observador. E este, ao chegar defronte do chamado pequeno écran (hoje, não tão pequeno como anos atrás), depois de passar pelo stress imposto pela sua vida profissional e suas inerentes sequelas, ao prostrar-se diante do televisor irá protagonizar uma visão superficial, renunciando ao detalhe10 , à contemplação. Esse contexto, captura; “o televisor entra, por assim dizer, dentro do espectador, molda-o”11 . Essa captura não se reduz quando o observador fica absorto nos seus pensamentos, distraído dos conteúdos emitidos, funcionando estes como pano de fundo, como hábito de ruido e imagem avulsa que preenche o espaço, um analgésico. 4 - A leitura em diagonal Os espíritos cordatos e conciliadores ao assumiram não terem lido um texto que lhes foi remetido ou aconselhado não se atrevem a dizê-lo, procurando amaciar o facto com um “li na diagonal”; não se sabendo se com isso folhearam, viram o índice, simplesmente o título ou mesmo nada. Em contrapartida, sabe-se que o recém-eleito presidente da República lia, pelo menos, as contracapas dos livros que receitava aos basbaques. Marcelo tem sido um grande promotor da diagonalidade, do verbo fácil e redondo, sem ponta por onde se possa pegar. E por isso, com todo o mérito, os basbaques colocaram-no no pedestal de Belém, com alta probabilidade de, um dia mais tarde, se trasladar para o Panteão, na boa tradição portuguesa de inventar figuras públicas que permitam adoçar a autoestima de um pequeno povo com uma passagem episódica com relevância na História da Humanidade. Como toda a gente tem falta de tempo e anda tomada pelo stress, prefere-se outras formas de comunicação, menos exigentes que a leitura. Convém também exacerbar a ocupação profissional como forma de apresentar a relevância no quadro laboral… pelo menos enquanto o desemprego ou a reforma antecipada não chegam. Numa sociedade de trabalho em que este é tomado como dignificante e menos como esforço, como pena imposta pelo regime de propriedade, a exibição dessa dignidade representa uma captura ideológica; uma mansidão conveniente para que o capital continue o seu processo de acumulação, com o mínimo de sobressaltos. 10 Exceptuando as visualizações das condições em que num jogo de futebol são marcados golos, assinaladas ou não grandes penalidades ou mostrados devidamente cartões ou não mostrados quando o deveriam ter sido 11 Giovanni Sartori, “Homo videns”, ed. Terramar, 2000
  9. 9. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 9 A questão não será a falta de tempo mas a valorização que se atribui ao tempo disponível. Longínquos vão os tempos em que os sindicatos anarquistas defendiam 8 horas para trabalhar, 8 para estudar e 8 para descansar. Nesse contexto a interpretação das realidades fica dependente dos chamados mass media, mormente da televisão, campo minado de conservadorismo, enviesamentos e propaganda. Inversamente, a habitual prática da leitura em diagonal, da observação superficial e apressada, embora possa ser pressionada pela falta de tempo induzida pelo ritmo frenético das sociedades de capitalismo avançado, tenderá a sedimentar-se e a redundar numa verdadeira iliteracia, elemento muito desejado para efeitos de controlo biopolítico. A iliteracia e a diagonalidade alimentam-se mutuamente. Quem sofre da primeira pouco se dispõe a mudar a sua prática e passar a informar-se condignamente e isso é tanto mais difícil quanto a duração do tempo de perda de hábitos de estudo e ponderação, admitindo que terão existido. Refira-se a propósito que a iliteracia é pior que o analfabetismo uma vez que este é, geralmente assumido com modéstia ou pena e devidamente credenciado pelas estatísticas. Por seu turno, a iliteracia não é assumida, disfarça-se de dislates proferidos com ares de profundo entendimento do tema e não consta dos formulários do recenseamento, uma vez que ninguém se assumiria como portador de iliteracia. Sobretudo se licenciado ou doutorado. Do ponto de vista do conhecimento, os sistemas educativos, com relevo para a universidade, privilegiam as competências técnicas, em áreas segmentadas e estanques, a inserir como peças na burocracia empresarial ou estatal, tornando as pessoas, elementos conectados apenas enquanto instrumentos de produção e afastados de qualquer concepção ou assunção de cidadania. Onde esse afunilamento cognitivo possa falhar, aí é o campo de intervenção dos especialistas de ciências políticas, sociólogos e psicólogos, comentadores políticos e políticos chamados a comentar, que constituirão um corpo de reinserção e afinamento da máquina de esmagamento do desejo de fuga ao controlo biopolítico. O santificado mercado adaptou-se rapidamente a esta situação de real iliteracia ou diagonalidade. As livrarias, onde se apalpa, folheia e se lê se o livro agrada ou não, rareiam, não sendo substituídas pela encomenda via internet. No século XVI, Lisboa com uma população muito inferior à actual e muitos analfabetos, tinha onze livrarias. Quantas existirão agora? Nas grandes cadeias distribuidoras, os livros dispõem-se nos locais mais longe da entrada. O privilégio na visibilidade e acesso é dado à venda de jornais e revistas, de aparelhos emissores de som e imagem, ao multimédia. São as figuras de televisão – reais ou protagonistas das telenovelas - que têm os lugares de honra nos escaparates dos supermercados, precisamente porque são “leves”, evitam canseira às meninges. A universidade, que sempre esteve ao serviço do poder, tem-se mantido na vanguarda da produção e melhoramento da burocracia, do controlo da imaginação. Tem manifestado um particular empenho em métricas para a dimensão dos textos, do tipo e da dimensão dos carateres, na obrigação de publicação regular em revistas científicas por mestrandos e
  10. 10. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 10 doutorandos, depois de validadas os textos pelas mais elevadas estirpes dos zeladores do conhecimento conveniente12 . Qualquer conteúdo técnico ou científico tem, forçosamente, um abstract, com que se pretende evidenciar o desejo de projetar a leveza do seu ser, permitir leituras rápidas, sem detalhes, num género de sucedâneo de leitura em diagonal, mas, suficiente para atrelar imensas páginas de referências bibliográficas, como se tivessem sido objetos de estudo. Esse espírito dito científico de síntese que se exprime sob a forma de abstracts nos textos universitários, têm como precursores as já velhas “Seleções do Reader’s Digest”, compêndios de compilações de reacionarismo dedicados a quem tem falta de tempo, aos Papalaguis do século XXI, aos conformados ou empenhados cultores da diagonalidade. Os poderes estatais, as classes políticas e as suas burocracias são, por natureza, conservadores e reagem por instinto de autodefesa às ideias e aos anseios que coloquem em causa ou se mostrem desviantes face à norma por aqueles instituída e que visa a sua perpetuação como elites credoras de riqueza, mordomias e vassalagens. O livro, como a cultura em geral, tem tido muitos adversários através dos tempos. A opinião discordante ou a estética ousada sempre foram apontados com desprezo e desconfiança, quando não conducentes ao trânsito para o patíbulo. Nos tempos que correm o patíbulo é, sobretudo, o silêncio, a marginalidade, a ausência dos jornais ou da televisão, a invisibilidade; inversamente, as presenças típicas no écran representam garantidamente a passagem cordata no filtro das redações, a insuspeição de dissonância opinativa ou estética, a integração ou a neutralidade face ao sistema capitalista. A Inquisição perseguia o que considerava herético ou desviante, cujas diferenças podem ser ilustradas pelo castigo dado a Giordano Bruno (queimado e com a língua pregada a uma tábua, para não ofender os algozes com as suas heresias) e o tratamento dado a Galileu que aceitou, para salvar a pele, perante os juízes, que afinal a Terra não girava em torno do Sol. Foucault estava, ignorado, a lecionar em Tunes quando a revolução cultural de Maio de 1968 o fez ganhar uma cátedra em Paris; antes, tivera o azar de não agradar à direita gaullista nem ao mecanicismo determinista da “esquerda” trotsko-estalinista. Pouco depois da chegada dos humanos à Lua, a seita Testemunhas de Jeová não aceitava o facto, por razões inscritas nessa construção cabalística chamada teologia, não sabendo nós se isso já foi objeto de revisão; a sorte dos descrentes nas prescrições das Testemunhas é que estes nunca tiveram o poder temporal da Inquisição ou dos mullahs sauditas que pretendem anular o ateísmo de Raif Badawi com mil chicotadas. 12 Assistimos recentemente a um debate sobre os tenebrosos tratados patrocinados pelas multinacionais com vista a uma unificação dos mercados (sempre eles!) europeu e norte-americano. Entre os palestrantes estavam dois catedráticos, um deles que chegou a ser ministro e ainda uma deputada europeia, cujas posturas não passaram de um situacionismo mal informado, superficial e que encontrou nos alunos um conformismo tão marcado que levanta dúvidas sobre o caráter e a formação das futuras elites portuguesas.
  11. 11. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 11 Estes tipos de atitude atrasaram a divulgação das ideias, o avanço do conhecimento e das liberdades mas mostraram-se impotentes para as abolir, sendo exemplar o caso do abade Meslier que viveu na transição do século XVII para o XVIII. Jean Meslier, padre na Champagne foi descobrindo que todas as religiões são um embuste e escreveu, em segredo, um livro, considerado como uma das obras mais precoces sobre o ateísmo na Europa. Quando morreu, o notário cumpriu o testamento de Meslier e editou o livro que foi um sucesso, mesmo que rapidamente perseguido pelas autoridades eclesiásticas; a sua fama chegou à corte de Catarina da Rússia que mandou emissários a França para adquirir o livro. Spinoza, tomado como herético pela comunidade judaica de Amsterdão, de onde era proveniente, foi objeto de um “banimento” onde constam estas pérolas: “que ninguém lhe pode falar pela boca nem por escrito nem conceder-lhe nenhum favor, nem debaixo do mesmo teto estar com ele, nem a uma distância de menos de quatro côvados, nem ler papel algum feito ou escrito por ele." Orwell atribuiu a Wilbur, no seu 1984, o papel de funcionário da reescrita da História, como um pequeno burocrata13 , cronista sem outra autonomia que não a da glorificação do Grande Irmão. E a sua margem de fuga ao controlo da vídeo-vigilância da teletela, era muito escassa, acabando por ser descoberto. O Grande Irmão de hoje são os media, os empórios do controlo social global (Facebook, Google…), em articulação com as polícias e os poderes estatais e empresariais. Orwell adivinhava o papel da televisão – então ainda não massificada e omnipresente - no controlo e formatação das consciências. A sua riqueza cénica impôs-se e é hoje o principal instrumento nessa formatação de um pensamento único que se pretende per saecula saeculorum. O filme Farehneit 451 apresenta uma sociedade onde os livros são proibidos, onde a crítica é eliminada e perseguida, onde os espíritos livres e as cabeças pensantes são constrangidas a decorar os seus conteúdos, a voltar à tradição oral dos tempos antigos, para partilharem ideias e promoverem a sua transição Inter-geracional. A perseguição à crítica, ao livro como suporte essencial da transmissão da dissidência, da diferença, é bem simbolizada pelas imensas fogueiras onde os estudantes universitários nazis queimavam livros, de escritores e intelectuais etiquetados como indignos, proscritos por razões políticas, ideológicas ou de “raça”. Hitler e Mussolini preferiam a rádio e as grandes multidões para eletrizarem multidões14 . Nos tempos que correm, as taras religiosas, na Europa, têm uma importância localizada para o controlo social e são as taras geradas pelo mercado que mais afetam as pessoas e as confinam. Como as necessidades extremas são marginais em muitos países e a contestação é frágil e esporádica não se torna necessária uma atuação dos poderes baseada na agressão física brutal 13 A língua castelhana tem um delicioso vocábulo para designar um diligente e formatado funcionário da baixa burocracia - chupatintas 14 O elitismo de Salazar era bem conhecido. Detestava multidões e o populismo (considerava Hitler um louco) e as suas alocuções eram produtos intelectuais, sem berros ou palavras de ordem, que grande parte da população não entendia.
  12. 12. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 3/3/2016 12 e continuada; basta aplicar uma “engenharia do consentimento”15 , proceder à gestão das pulsões de consumo e endividamento, através do marketing, uma tese que se inclui no controlo biopolítico. No mesmo sentido se pode incluir o papel dos sindicatos e das esquerdas institucionais, apostados na concertação, na diluição dos descontentamentos, na sua mediação nos cenários parlamentares e em negociações de com patrões e governos. Este e outros textos em: http://grazia-tanta.blogspot.com/ http://www.slideshare.net/durgarrai/documents https://pt.scribd.com/uploads 15 Tem como um dos seus principais expoentes Edward Bernays

×