SlideShare a Scribd company logo

Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo

1 of 11
Download to read offline
Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo

1- Alguns elementos sobre a distribuição dos rendimentos

A primavera traz, habitualmente, as andorinhas mas, também notícias
sobre os festins dos abutres.

São revelados por essa altura, os lucros das grandes empresas que, no
respeitante às cotadas na bolsa (PSI-20) se cifraram em 5339 milhões de
euros em 2007 (+3,7% que em 2006).

Esclareça-se que os lucros aquela vintena de empresas, em 2006,
representava 17,1% de tudo o que o Banco de Portugal classificou
como “rendimentos da propriedade e da empresa” no mesmo ano,
rendimentos que se mantém praticamente … constante desde 2003.

Gostaríamos de apresentar a nossa sincera lástima aos empresários,
proprietários e outros parasitas que vêm vivendo, sem um gemido, uma
perda real de rendimentos, ao contrário da malandragem dos
trabalhadores sempre a berrar por aumentos de salários… Convém
aliviar a compaixão de alguns referindo que a economia subterrânea,
cerca de 15% do total em meados dos anos 80 é agora de 23%, a
despeito dos cruzamentos de dados, da postura “agressiva” da DGCI,
do cenho franzido do ministro. Acreditar nisso é o mesmo que crer serem
as prendas aos árbitros o cerne dos problemas do futebol.

Apesar do aumento modesto dos lucros revelados, os dividendos a
pagar aos accionistas crescem bem mais substancialmente. Vejamos:


Aumento percentual do dividendo por acção entre 2006 e 2007
   Altri             100,0   BCP                29,7    Banif                41,8
   BPI               33,3    BES                29,0    Brisa                3,7
   Cimpor            13,2    Cofina             40,0    Corticeira Amorim    10,0
   EDP *             10,0    Esp. Santo FG      90,0    Finibanco            26,7
                                                                             10,0
   Galp Energia      52,0    Ibersol             0,0    Mota-Engil

   Portucel          50,5    Telecom             0,0    PTM                  9,1
   SAG               126,9   Semapa             -45,2   Sonae SGPS           20,0
   Teixeira Duarte   13,3    Salvador Caetano   70,0
    *A “simpática” EDP contudo reduziu os lucros em 3,6% face a 2006 e, para não
    prejudicar mais os accionistas encomendou à ERSE que defenda a distribuição, por
    todos os consumidores pagantes dos valores de consumos não pagos. Se isso se
    concretizar, comecem já a não pagar, não fiquem para o fim, pois o último irá
    pagar por todos !

Esta amostra revela vários aspectos interessantes:
•   Ninguém conhece determinações governamentais a restringir a
    distribuição de lucros para além de uma tributação que orça os
    20%, muito menos do que os salários de escalões médios de
    trabalhadores. Porém, os rendimentos do trabalho são contidos
    em parâmetros próximos da taxa de inflação intencionalmente
    subavaliada pelos “técnicos” às ordens do governo: a contenção
    salarial é uma peça central da política económica capitalista.

•   Foram emitidas pelos socratóides alterações às condições de
    remuneração dos certificados de aforro, penalizadoras,
    naturalmente, das pequenas poupanças. Se os certificados se
    vocacionassem para a captação dos milhões do Belmiro ou do
    Berardo, Sócrates teria feito as alterações que fez?

•   Aumentos “excessivos” de salários são tidos como responsáveis
    por perdas de competitividade das empresas e, até do
    desemprego. A distribuição de volumosos dividendos que retira às
    empresas fundos próprios para investimento, tornando-as mais
    dependentes do capital alheio não é, igualmente criminalizada
    pelos plumitivos dos media.

•   Os aumentos reais dos salários têm como limite superior os ganhos
    da produtividade que, na realidade, tendem a ser absorvidos na
    íntegra pelo capital. Os aumentos dos dividendos não têm limites,
    constituem até o elemento mais sagrado de cumprimento por
    parte das empresas, desejosas de manter o apoio dos accionistas
    e dos “mercados financeiros”.

•   Os aumentos dos preços dos combustíveis, da farinha, do arroz
    justificam uma repercussão nos bens e serviços em que são
    incorporados, a qualquer momento e mais do que uma vez por
    ano. Os rendimentos do trabalho, a mola real que sustenta
    qualquer economia, esses têm aumentos parcos e anuais quando
    os têm; e, se os detentores do factor de produção chamado
    trabalho quiserem repercutir os aumentos acima referidos, logo
    zurrarão, ameaçadores, vários ministros, orquestrados pelos
    vanzelleres.

•   Os protagonistas das trafulhices recentes que envolveram o BCP
    foram despedidos e à saída levaram no bornal milhões de
    indemnização, de reforma, seguros e acções. Se o crime
    compensa deste modo, quem dele terá sido beneficiado para ser
    tão generoso? E os chamados pequenos investidores, cândidos
    crentes do capitalismo popular assistiram impávidos e serenos ao
    negócio, esperando as próximas migalhas.
2 – O contínuo enriquecimento dos ricos causa subdesenvolvimento

Na teologia neoliberal, o aumento dos rendimentos dos ricos, dos
capitalistas, é a peça vital que garante o investimento, uma vez que os
pobres, os trabalhadores não são jogadores de bolsa. O que está longe
de ser tão virtuoso como a propaganda afirma.

   •   Por maior que seja a propensão dos ricos para consumir, o volume
       global dos seus gastos está longe de poder contribuir para o
       crescimento económico como o conseguem os gastos de milhões
       de trabalhadores. E, daí, a quase ausência de crescimento
       económico.

   •   O investimento e, apesar das loas sobre o “empreendorismo”, a
       iniciativa privada, nas sociedades de hoje, o investimento público
       ou possibilitado pelos poderes estatais é determinante para o
       investimento global.

   •   Os capitalistas não preferem a imobilização dos seus capitais sob
       a forma de investimentos produtivos, mormente materiais mas,
       antes sob a forma imaterial de títulos. A febre da titularização em
       cadeia de créditos (securitização), torna os títulos rapidamente
       transaccionáveis, objecto de jogos bolsistas geradores de lucros
       rápidos e isso torna pouco atraente a actividade produtiva, com
       investimentos materiais, com ciclos longos de retorno do capital,
       ainda que associados claramente à satisfação das necessidades
       humanas.

   •   É espantoso e revelador das enormes desigualdades existentes
       em Portugal saber que quatro portugueses (Belmiro, Amorim,
       Berardo e Horácio Roque) constam na lista dos mil mais ricos do
       mundo, elaborada pela revista Forbes. É espantoso como um país
       que não se destaca pelo seu domínio sobre tecnologias; pelo seu
       controlo sobre mercados ou pela sua dimensão; pelo nível de
       vida e consumo dos seus habitantes, está tão bem representado
       naquele círculo tão selecto do poder económico. Um relance
       sobre as principais actividades económicas daqueles indivíduos
       revela, claramente, o subdesenvolvimento do país – imobiliário,
       distribuição retalhista, serviços telefónicos, actividades financeira.
       Tudo tecnologias banais em situação de oligopólio com
       promíscuos favores concedidos pelo Estado e com elevados
       lucros. Somente Amorim detém real importância na actividade
       industrial.

3 – A crise financeira
Pode pensar-se que de um ponto de vista moral (se é que isso existe na
política e no confronto social entre o trabalho e o capital) não é
defensável que, numa conjuntura recessiva, volumes enormes de
capitais sejam desviados das empresas para o usufruto de uma estreita
elite de privilegiados.

Não existe ciência social neutra, mormente quando se fala de
economia. A teoria económica baseia-se sempre em pressupostos
políticos e filosóficos que revelam a estrutura do poder, em certo
espaço e determinada época. A teoria neoliberal pretende ressuscitar a
ideia da economia como ciência natural, com mecanismos tão
inelutáveis como a sucessão entre os dias e as noites; baseada numa
teologia da harmonia universal, em que uns estão destinados a sofrer e
outros a gozar ou, uns a obedecer, outros a mandar. Desvalorizando na
palavra a intervenção da política, os Estados intervêm clara e
decididamente quando se trata de penalizar a multidão, aumentar a
riqueza dos capitalistas ou assumir os estragos provocados por estes.

A nacionalização recente de um banco inglês, vítima da orgia
financeira, foi definida como temporária e irá terminar quando o erário
público sanear as finanças do banco, devolvendo-o, limpinho, às
competências privadas que provocaram os desmandos. Alguém ouviu
protestos contra esta intrusão do governo inglês? Mas, quando a Bolívia
ou a Venezuela procuram assenhorear-se das suas riquezas, subtraindo-
as às multinacionais, é ensurdecedora a gritaria do capital e dos
escribas de serviço.

Assim, a tal mão invisível, quiçá divina, mostra várias faces. Nos EUA
diante uma previsão, para 2008 de crescimento de 1,7% e uma inflação
de 4,3%, o Fed baixa as taxas directoras de juros para animar a
economia, sem receio das pressões inflaccionistas. Na Europa, o BCE,
com um crescimento previsto para o PIB de 2,2% e uma inflação de
3,2% permite o real aumento dos juros para as pessoas e as empresas
para conter a inflação! Decididamente, as diferenças não são grandes
ao ponto de justificarem medidas tão antagónicas.

As diferenças tornam arrepiante e perigosa a política do BCE. As
empresas europeias têm um endividamento de 77%, muito superior ao
das empresas americanas; ora, dívida vence juros e, se estes sobem
numa conjuntura desfavorável, as dificuldades aumentam e sobram
para os trabalhadores, elementos facilmente descartáveis ou com
custos bastante compressíveis, no âmbito da famosa flexisegurança. As
empresas americanas têm um endividamento médio muito mais baixo,
da ordem dos 41%, pelo que uma baixa das taxas de juro pode suscitar
mais endividamento, investimento e uma melhoria do crescimento
económico.
Mais, agravando o impacto das diferenças atrás referidas, o peso do
endividamento bancário é, na Europa de 36% contra 9% nos EUA. E,
como se sabe, o BCE não é particularmente sensível às grandes
diferenças entre os vários países do euro, aos impactos sobre os outros
que o não adoptaram e, menos ainda, sobre os cidadãos que têm
empréstimos para aquisição de habitação. O volume destes últimos, em
Portugal, em final de 2006 era superior ao dos empréstimos titulados por
empresas, o que sublinha, não só a sua dimensão, como a
vulnerabilidade dos bancos portugueses a um incumprimento maciço,
como ainda a política suicida que é o aumento dos juros em contexto
de baixos e estagnados salários, precariedade e desemprego elevados.

O que conta é a economia real, os bens e serviços que se consomem,
os rendimentos dos trabalhadores e não a financiarização da
economia, a especulação, a geração artificial de rendimentos sem
base na produção de bens e serviços, como é prática do sistema
financeiro, com titularizações e emissões de produtos derivados.

As empresas globais perante um crescimento anémico tendem a
conter-se na subida dos preços, só o fazendo manipulando o impacto
de factores externos transversais, como o aumento da energia.

As instâncias comunitárias, tão lestas em apontar as virtudes da
desregulamentação, da flexi-segurança, da precariedade, do “livre”
funcionamento do chamado mercado de trabalho, procuram utilizar
uma pretensa luta anti-inflacionista para manipular as taxas de juro,
procurando conciliar os interesses de empresas comerciais e industriais
em encontrar capitais baratos, com especuladores mais vocacionados
para os negócios cambiais e de títulos. Se, de permeio, uma enorme
quantidade de europeus se vê em dificuldades para pagar os seus
empréstimos, que importa?

Pormenor lateral mas não despiciendo é a lotaria (ou tontaria) em que
se transformou a economia global. Assim, o futuro próximo é uma
verdadeira nebulosa, nada se podendo afirmar do ponto de vista
qualitativo ou quantitativo, apesar do enorme manancial de
informação estatística disponível e dos poderosos meios técnicos para a
tratar. E nesse contexto, as previsões dos economistas, não passam de
palpites.

Recordamos duas situações divertidas protagonizadas por dois
iluminados economistas da praça. Um, Braga de Macedo, enquanto
ministro do Cavaco (outra lâmpada fundida) afirmava que Portugal era
um oásis, quando comparado com a Europa nos primeiros anos da
década de 90 verificando-se aqui, na realidade, uma recessão em
1993-95. Outro cérebro brilhante é o do Abel Mateus ex-presidente da
Autoridade da Concorrência que, a partir do seu modelo macro-
económico previa para meados da década de 80 um crescimento de
10% aqui para a paróquia. Teve azar, pois o “tigre lusitano” não passou
de um gatinho com fome; afinal caiu-nos em cima uma recessão.

www.esquerda_desalinhada.blogs.sapo.pt



Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo




1- Alguns elementos sobre a distribuição dos rendimentos




A primavera traz, habitualmente, as andorinhas mas, também notícias sobre os
festins dos abutres.




São revelados por essa altura, os lucros das grandes empresas que, no
respeitante às cotadas na bolsa (PSI-20) se cifraram em 5339 milhões de euros
em 2007 (+3,7% que em 2006).




Esclareça-se que os lucros aquela vintena de empresas, em 2006,
representava 17,1% de tudo o que o Banco de Portugal classificou como
"rendimentos da propriedade e da empresa" no mesmo ano, rendimentos que
se mantém praticamente … constante desde 2003.




Gostaríamos de apresentar a nossa sincera lástima aos empresários,
proprietários e outros parasitas que vêm vivendo, sem um gemido, uma perda
real de rendimentos, ao contrário da malandragem dos trabalhadores sempre
a berrar por aumentos de salários… Convém aliviar a compaixão de alguns
referindo que a economia subterrânea, cerca de 15% do total em meados dos
anos 80 é agora de 23%, a despeito dos cruzamentos de dados, da postura
"agressiva" da DGCI, do cenho franzido do ministro. Acreditar nisso é o mesmo
que crer serem as prendas aos árbitros o cerne dos problemas do futebol.




Apesar do aumento modesto dos lucros revelados, os dividendos a pagar aos
accionistas crescem bem mais substancialmente. Vejamos:

Recommended

Reflexões sobre a intervenção do estado na actual crise do capitalismo
Reflexões sobre a intervenção do estado na actual crise do capitalismoReflexões sobre a intervenção do estado na actual crise do capitalismo
Reflexões sobre a intervenção do estado na actual crise do capitalismoGRAZIA TANTA
 
Crescimento, vantagens competitivas e desigualdades
Crescimento, vantagens competitivas e desigualdadesCrescimento, vantagens competitivas e desigualdades
Crescimento, vantagens competitivas e desigualdadesGRAZIA TANTA
 
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)GRAZIA TANTA
 
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseA resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseGRAZIA TANTA
 
Morte aos empresários
Morte aos empresáriosMorte aos empresários
Morte aos empresáriosJorge Possollo
 
Presidente Temer o Brasil manipulado maio 2016
Presidente Temer o Brasil manipulado maio 2016Presidente Temer o Brasil manipulado maio 2016
Presidente Temer o Brasil manipulado maio 2016William de Carvalho
 
A crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaA crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaGRAZIA TANTA
 
Slide 10 Da Base 3 N2
Slide 10   Da Base   3 N2Slide 10   Da Base   3 N2
Slide 10 Da Base 3 N2hsjval
 

More Related Content

What's hot

Economia A- repartição dos rendimentos.
Economia A- repartição dos rendimentos.Economia A- repartição dos rendimentos.
Economia A- repartição dos rendimentos.Renato Silva
 
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1GRAZIA TANTA
 
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGAL
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGALComissão de Trabalhadores / TAP PORTUGAL
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGALSoproLeve
 
Economia - 4 anos de Governo PS em balanço
Economia - 4 anos de Governo PS em balançoEconomia - 4 anos de Governo PS em balanço
Economia - 4 anos de Governo PS em balançogppsd
 
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...Sinapsa
 
Ciclo de debates upp 30 junho 2014
Ciclo de debates upp 30 junho 2014Ciclo de debates upp 30 junho 2014
Ciclo de debates upp 30 junho 2014Sinapsa
 
A burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêA burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêGRAZIA TANTA
 
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemos
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemosAspectos sobre os tempos conturbados que vivemos
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemosGRAZIA TANTA
 
Bpn exemplo prático do que é o capitalismo
Bpn   exemplo prático do que é o capitalismoBpn   exemplo prático do que é o capitalismo
Bpn exemplo prático do que é o capitalismoGRAZIA TANTA
 
Iii guerra mundial (económica)
Iii guerra mundial (económica)Iii guerra mundial (económica)
Iii guerra mundial (económica)Carlos Quaresma
 
Tributação de grandes fortunas no brasil
Tributação de grandes fortunas no brasilTributação de grandes fortunas no brasil
Tributação de grandes fortunas no brasilRoberto Goldstajn
 
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororoba
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororobaNeoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororoba
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororobaGRAZIA TANTA
 
Portugal 8º
Portugal 8ºPortugal 8º
Portugal 8ºcattonia
 
Apresentação de Oportunidade para Venture Capital
Apresentação de Oportunidade para Venture CapitalApresentação de Oportunidade para Venture Capital
Apresentação de Oportunidade para Venture Capitalenzimas
 

What's hot (16)

Economia A- repartição dos rendimentos.
Economia A- repartição dos rendimentos.Economia A- repartição dos rendimentos.
Economia A- repartição dos rendimentos.
 
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1
 
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGAL
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGALComissão de Trabalhadores / TAP PORTUGAL
Comissão de Trabalhadores / TAP PORTUGAL
 
Economia - 4 anos de Governo PS em balanço
Economia - 4 anos de Governo PS em balançoEconomia - 4 anos de Governo PS em balanço
Economia - 4 anos de Governo PS em balanço
 
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
 
Ciclo de debates upp 30 junho 2014
Ciclo de debates upp 30 junho 2014Ciclo de debates upp 30 junho 2014
Ciclo de debates upp 30 junho 2014
 
A burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quêA burguesia portuguesa serve para quê
A burguesia portuguesa serve para quê
 
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemos
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemosAspectos sobre os tempos conturbados que vivemos
Aspectos sobre os tempos conturbados que vivemos
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Bpn exemplo prático do que é o capitalismo
Bpn   exemplo prático do que é o capitalismoBpn   exemplo prático do que é o capitalismo
Bpn exemplo prático do que é o capitalismo
 
Iii guerra mundial (económica)
Iii guerra mundial (económica)Iii guerra mundial (económica)
Iii guerra mundial (económica)
 
355 magia desfeita
355 magia desfeita355 magia desfeita
355 magia desfeita
 
Tributação de grandes fortunas no brasil
Tributação de grandes fortunas no brasilTributação de grandes fortunas no brasil
Tributação de grandes fortunas no brasil
 
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororoba
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororobaNeoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororoba
Neoliberalismo e keynesianismo, dois pratos da mesma gororoba
 
Portugal 8º
Portugal 8ºPortugal 8º
Portugal 8º
 
Apresentação de Oportunidade para Venture Capital
Apresentação de Oportunidade para Venture CapitalApresentação de Oportunidade para Venture Capital
Apresentação de Oportunidade para Venture Capital
 

Viewers also liked

Qimonda a armadilha do investimento estrangeiro
Qimonda   a armadilha do investimento estrangeiroQimonda   a armadilha do investimento estrangeiro
Qimonda a armadilha do investimento estrangeiroGRAZIA TANTA
 
Apartamento para venda - SAUDE, São Paulo
Apartamento para venda  - SAUDE, São PauloApartamento para venda  - SAUDE, São Paulo
Apartamento para venda - SAUDE, São PauloMorad Imóveis
 
Emp1 U11 Quotes De Mercat
Emp1   U11   Quotes De MercatEmp1   U11   Quotes De Mercat
Emp1 U11 Quotes De MercatJotace Dt
 
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAP
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAPPainel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAP
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAPFabiano Rosa
 
ENQUESTES ALS AVIS
ENQUESTES ALS AVISENQUESTES ALS AVIS
ENQUESTES ALS AVISlgalbany
 
TR04_G02_Ana Flávia Camboim
TR04_G02_Ana Flávia CamboimTR04_G02_Ana Flávia Camboim
TR04_G02_Ana Flávia CamboimAna Flávia Luna
 
Slide Showfor Linkedin
Slide Showfor LinkedinSlide Showfor Linkedin
Slide Showfor Linkedinnilajane
 
Criar E Recriar Com Canudo
Criar E Recriar Com CanudoCriar E Recriar Com Canudo
Criar E Recriar Com Canudoalleschlup
 
Trabajo De Octubre Estefania
Trabajo De Octubre EstefaniaTrabajo De Octubre Estefania
Trabajo De Octubre EstefaniaEstefania091cde
 
C:\Fakepath\Boboteaza
C:\Fakepath\BoboteazaC:\Fakepath\Boboteaza
C:\Fakepath\BoboteazaIon George
 
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.milaviegas
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixesmarfat
 
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem CompetitivaSix Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem Competitivakakasound
 
Limpar Portug Regulamento N
Limpar Portug Regulamento NLimpar Portug Regulamento N
Limpar Portug Regulamento Ncarlasp
 

Viewers also liked (20)

Qimonda a armadilha do investimento estrangeiro
Qimonda   a armadilha do investimento estrangeiroQimonda   a armadilha do investimento estrangeiro
Qimonda a armadilha do investimento estrangeiro
 
Apartamento para venda - SAUDE, São Paulo
Apartamento para venda  - SAUDE, São PauloApartamento para venda  - SAUDE, São Paulo
Apartamento para venda - SAUDE, São Paulo
 
Emp1 U11 Quotes De Mercat
Emp1   U11   Quotes De MercatEmp1   U11   Quotes De Mercat
Emp1 U11 Quotes De Mercat
 
Gozategi
GozategiGozategi
Gozategi
 
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAP
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAPPainel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAP
Painel SOA de Visualização Gráfica do Consumo de Capacidade sobre SCM - SAP
 
ENQUESTES ALS AVIS
ENQUESTES ALS AVISENQUESTES ALS AVIS
ENQUESTES ALS AVIS
 
Acolméia 137
Acolméia 137Acolméia 137
Acolméia 137
 
TR04_G02_Ana Flávia Camboim
TR04_G02_Ana Flávia CamboimTR04_G02_Ana Flávia Camboim
TR04_G02_Ana Flávia Camboim
 
Slide Showfor Linkedin
Slide Showfor LinkedinSlide Showfor Linkedin
Slide Showfor Linkedin
 
Criar E Recriar Com Canudo
Criar E Recriar Com CanudoCriar E Recriar Com Canudo
Criar E Recriar Com Canudo
 
Trabajo De Octubre Estefania
Trabajo De Octubre EstefaniaTrabajo De Octubre Estefania
Trabajo De Octubre Estefania
 
C:\Fakepath\Boboteaza
C:\Fakepath\BoboteazaC:\Fakepath\Boboteaza
C:\Fakepath\Boboteaza
 
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.
Na ponta de cada sonho, no despertar de cada dedo.
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem CompetitivaSix Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
 
Catedra
CatedraCatedra
Catedra
 
New Marlon Mays Resume
New Marlon Mays ResumeNew Marlon Mays Resume
New Marlon Mays Resume
 
Sesion2mr
Sesion2mrSesion2mr
Sesion2mr
 
v Off vocation
v Off vocationv Off vocation
v Off vocation
 
Limpar Portug Regulamento N
Limpar Portug Regulamento NLimpar Portug Regulamento N
Limpar Portug Regulamento N
 

Similar to Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo

Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGRAZIA TANTA
 
Salário mínimo, instrumento de controlo social
Salário mínimo, instrumento de controlo socialSalário mínimo, instrumento de controlo social
Salário mínimo, instrumento de controlo socialGRAZIA TANTA
 
Mais um perdâo fiscal. Peres é a sua graça
Mais um perdâo fiscal.  Peres é a sua graçaMais um perdâo fiscal.  Peres é a sua graça
Mais um perdâo fiscal. Peres é a sua graçaGRAZIA TANTA
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraGRAZIA TANTA
 
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geralA crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geralGRAZIA TANTA
 
3 D deficits, dívida, desigualdades
3 D   deficits, dívida, desigualdades3 D   deficits, dívida, desigualdades
3 D deficits, dívida, desigualdadesGRAZIA TANTA
 
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-201308 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013Juliana Sarieddine
 
2002 Como se consolidam as desigualdades através do tempo
2002   Como se consolidam as desigualdades através do tempo2002   Como se consolidam as desigualdades através do tempo
2002 Como se consolidam as desigualdades através do tempoGRAZIA TANTA
 
Capitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaCapitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaGRAZIA TANTA
 
A dívida à segurança social o longo conluio entre empresários manhosos e o ...
A dívida à segurança social   o longo conluio entre empresários manhosos e o ...A dívida à segurança social   o longo conluio entre empresários manhosos e o ...
A dívida à segurança social o longo conluio entre empresários manhosos e o ...GRAZIA TANTA
 
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eternaA dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eternaGRAZIA TANTA
 
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?GRAZIA TANTA
 
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicosO bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicosGRAZIA TANTA
 
Capital nacional e capital estrangeiro
Capital nacional e capital estrangeiroCapital nacional e capital estrangeiro
Capital nacional e capital estrangeiroCésar Pereira
 
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 reforma-da-previdencia-19.05.2019 reforma-da-previdencia-19.05.2019
reforma-da-previdencia-19.05.2019Pablo Mereles
 
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhosos
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhososFundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhosos
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhososGRAZIA TANTA
 
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaO Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaGRAZIA TANTA
 

Similar to Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo (20)

Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
 
Salário mínimo, instrumento de controlo social
Salário mínimo, instrumento de controlo socialSalário mínimo, instrumento de controlo social
Salário mínimo, instrumento de controlo social
 
Mais um perdâo fiscal. Peres é a sua graça
Mais um perdâo fiscal.  Peres é a sua graçaMais um perdâo fiscal.  Peres é a sua graça
Mais um perdâo fiscal. Peres é a sua graça
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeira
 
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geralA crise financeira. o naufrágio dos  ppr e os fundos de investimento em geral
A crise financeira. o naufrágio dos ppr e os fundos de investimento em geral
 
3 D deficits, dívida, desigualdades
3 D   deficits, dívida, desigualdades3 D   deficits, dívida, desigualdades
3 D deficits, dívida, desigualdades
 
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-201308 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013
08 perspectivas-da-economia-brasileira-para-2012-2013
 
2002 Como se consolidam as desigualdades através do tempo
2002   Como se consolidam as desigualdades através do tempo2002   Como se consolidam as desigualdades através do tempo
2002 Como se consolidam as desigualdades através do tempo
 
Capitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaCapitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma luta
 
A dívida à segurança social o longo conluio entre empresários manhosos e o ...
A dívida à segurança social   o longo conluio entre empresários manhosos e o ...A dívida à segurança social   o longo conluio entre empresários manhosos e o ...
A dívida à segurança social o longo conluio entre empresários manhosos e o ...
 
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eternaA dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
 
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?
Se falta uma politica de habitação onde está a justificação para o IMI ?
 
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicosO bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
 
Artigo novembro2010
Artigo novembro2010Artigo novembro2010
Artigo novembro2010
 
Capital nacional e capital estrangeiro
Capital nacional e capital estrangeiroCapital nacional e capital estrangeiro
Capital nacional e capital estrangeiro
 
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 reforma-da-previdencia-19.05.2019 reforma-da-previdencia-19.05.2019
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhosos
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhososFundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhosos
Fundo de garantia salarial, desvio de fundos públicos para empresários manhosos
 
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaO Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
 
Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241Visões sobre pec 241
Visões sobre pec 241
 
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
 

More from GRAZIA TANTA

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docGRAZIA TANTA
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfGRAZIA TANTA
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfGRAZIA TANTA
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaGRAZIA TANTA
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight overGRAZIA TANTA
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfGRAZIA TANTA
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfGRAZIA TANTA
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfGRAZIA TANTA
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UEGRAZIA TANTA
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxiGRAZIA TANTA
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUGRAZIA TANTA
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmitaGRAZIA TANTA
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueGRAZIA TANTA
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemGRAZIA TANTA
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroGRAZIA TANTA
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10GRAZIA TANTA
 

More from GRAZIA TANTA (20)

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight over
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdf
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdf
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EU
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmita
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial system
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiro
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10
 

Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo

  • 1. Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo 1- Alguns elementos sobre a distribuição dos rendimentos A primavera traz, habitualmente, as andorinhas mas, também notícias sobre os festins dos abutres. São revelados por essa altura, os lucros das grandes empresas que, no respeitante às cotadas na bolsa (PSI-20) se cifraram em 5339 milhões de euros em 2007 (+3,7% que em 2006). Esclareça-se que os lucros aquela vintena de empresas, em 2006, representava 17,1% de tudo o que o Banco de Portugal classificou como “rendimentos da propriedade e da empresa” no mesmo ano, rendimentos que se mantém praticamente … constante desde 2003. Gostaríamos de apresentar a nossa sincera lástima aos empresários, proprietários e outros parasitas que vêm vivendo, sem um gemido, uma perda real de rendimentos, ao contrário da malandragem dos trabalhadores sempre a berrar por aumentos de salários… Convém aliviar a compaixão de alguns referindo que a economia subterrânea, cerca de 15% do total em meados dos anos 80 é agora de 23%, a despeito dos cruzamentos de dados, da postura “agressiva” da DGCI, do cenho franzido do ministro. Acreditar nisso é o mesmo que crer serem as prendas aos árbitros o cerne dos problemas do futebol. Apesar do aumento modesto dos lucros revelados, os dividendos a pagar aos accionistas crescem bem mais substancialmente. Vejamos: Aumento percentual do dividendo por acção entre 2006 e 2007 Altri 100,0 BCP 29,7 Banif 41,8 BPI 33,3 BES 29,0 Brisa 3,7 Cimpor 13,2 Cofina 40,0 Corticeira Amorim 10,0 EDP * 10,0 Esp. Santo FG 90,0 Finibanco 26,7 10,0 Galp Energia 52,0 Ibersol 0,0 Mota-Engil Portucel 50,5 Telecom 0,0 PTM 9,1 SAG 126,9 Semapa -45,2 Sonae SGPS 20,0 Teixeira Duarte 13,3 Salvador Caetano 70,0 *A “simpática” EDP contudo reduziu os lucros em 3,6% face a 2006 e, para não prejudicar mais os accionistas encomendou à ERSE que defenda a distribuição, por todos os consumidores pagantes dos valores de consumos não pagos. Se isso se concretizar, comecem já a não pagar, não fiquem para o fim, pois o último irá pagar por todos ! Esta amostra revela vários aspectos interessantes:
  • 2. Ninguém conhece determinações governamentais a restringir a distribuição de lucros para além de uma tributação que orça os 20%, muito menos do que os salários de escalões médios de trabalhadores. Porém, os rendimentos do trabalho são contidos em parâmetros próximos da taxa de inflação intencionalmente subavaliada pelos “técnicos” às ordens do governo: a contenção salarial é uma peça central da política económica capitalista. • Foram emitidas pelos socratóides alterações às condições de remuneração dos certificados de aforro, penalizadoras, naturalmente, das pequenas poupanças. Se os certificados se vocacionassem para a captação dos milhões do Belmiro ou do Berardo, Sócrates teria feito as alterações que fez? • Aumentos “excessivos” de salários são tidos como responsáveis por perdas de competitividade das empresas e, até do desemprego. A distribuição de volumosos dividendos que retira às empresas fundos próprios para investimento, tornando-as mais dependentes do capital alheio não é, igualmente criminalizada pelos plumitivos dos media. • Os aumentos reais dos salários têm como limite superior os ganhos da produtividade que, na realidade, tendem a ser absorvidos na íntegra pelo capital. Os aumentos dos dividendos não têm limites, constituem até o elemento mais sagrado de cumprimento por parte das empresas, desejosas de manter o apoio dos accionistas e dos “mercados financeiros”. • Os aumentos dos preços dos combustíveis, da farinha, do arroz justificam uma repercussão nos bens e serviços em que são incorporados, a qualquer momento e mais do que uma vez por ano. Os rendimentos do trabalho, a mola real que sustenta qualquer economia, esses têm aumentos parcos e anuais quando os têm; e, se os detentores do factor de produção chamado trabalho quiserem repercutir os aumentos acima referidos, logo zurrarão, ameaçadores, vários ministros, orquestrados pelos vanzelleres. • Os protagonistas das trafulhices recentes que envolveram o BCP foram despedidos e à saída levaram no bornal milhões de indemnização, de reforma, seguros e acções. Se o crime compensa deste modo, quem dele terá sido beneficiado para ser tão generoso? E os chamados pequenos investidores, cândidos crentes do capitalismo popular assistiram impávidos e serenos ao negócio, esperando as próximas migalhas.
  • 3. 2 – O contínuo enriquecimento dos ricos causa subdesenvolvimento Na teologia neoliberal, o aumento dos rendimentos dos ricos, dos capitalistas, é a peça vital que garante o investimento, uma vez que os pobres, os trabalhadores não são jogadores de bolsa. O que está longe de ser tão virtuoso como a propaganda afirma. • Por maior que seja a propensão dos ricos para consumir, o volume global dos seus gastos está longe de poder contribuir para o crescimento económico como o conseguem os gastos de milhões de trabalhadores. E, daí, a quase ausência de crescimento económico. • O investimento e, apesar das loas sobre o “empreendorismo”, a iniciativa privada, nas sociedades de hoje, o investimento público ou possibilitado pelos poderes estatais é determinante para o investimento global. • Os capitalistas não preferem a imobilização dos seus capitais sob a forma de investimentos produtivos, mormente materiais mas, antes sob a forma imaterial de títulos. A febre da titularização em cadeia de créditos (securitização), torna os títulos rapidamente transaccionáveis, objecto de jogos bolsistas geradores de lucros rápidos e isso torna pouco atraente a actividade produtiva, com investimentos materiais, com ciclos longos de retorno do capital, ainda que associados claramente à satisfação das necessidades humanas. • É espantoso e revelador das enormes desigualdades existentes em Portugal saber que quatro portugueses (Belmiro, Amorim, Berardo e Horácio Roque) constam na lista dos mil mais ricos do mundo, elaborada pela revista Forbes. É espantoso como um país que não se destaca pelo seu domínio sobre tecnologias; pelo seu controlo sobre mercados ou pela sua dimensão; pelo nível de vida e consumo dos seus habitantes, está tão bem representado naquele círculo tão selecto do poder económico. Um relance sobre as principais actividades económicas daqueles indivíduos revela, claramente, o subdesenvolvimento do país – imobiliário, distribuição retalhista, serviços telefónicos, actividades financeira. Tudo tecnologias banais em situação de oligopólio com promíscuos favores concedidos pelo Estado e com elevados lucros. Somente Amorim detém real importância na actividade industrial. 3 – A crise financeira
  • 4. Pode pensar-se que de um ponto de vista moral (se é que isso existe na política e no confronto social entre o trabalho e o capital) não é defensável que, numa conjuntura recessiva, volumes enormes de capitais sejam desviados das empresas para o usufruto de uma estreita elite de privilegiados. Não existe ciência social neutra, mormente quando se fala de economia. A teoria económica baseia-se sempre em pressupostos políticos e filosóficos que revelam a estrutura do poder, em certo espaço e determinada época. A teoria neoliberal pretende ressuscitar a ideia da economia como ciência natural, com mecanismos tão inelutáveis como a sucessão entre os dias e as noites; baseada numa teologia da harmonia universal, em que uns estão destinados a sofrer e outros a gozar ou, uns a obedecer, outros a mandar. Desvalorizando na palavra a intervenção da política, os Estados intervêm clara e decididamente quando se trata de penalizar a multidão, aumentar a riqueza dos capitalistas ou assumir os estragos provocados por estes. A nacionalização recente de um banco inglês, vítima da orgia financeira, foi definida como temporária e irá terminar quando o erário público sanear as finanças do banco, devolvendo-o, limpinho, às competências privadas que provocaram os desmandos. Alguém ouviu protestos contra esta intrusão do governo inglês? Mas, quando a Bolívia ou a Venezuela procuram assenhorear-se das suas riquezas, subtraindo- as às multinacionais, é ensurdecedora a gritaria do capital e dos escribas de serviço. Assim, a tal mão invisível, quiçá divina, mostra várias faces. Nos EUA diante uma previsão, para 2008 de crescimento de 1,7% e uma inflação de 4,3%, o Fed baixa as taxas directoras de juros para animar a economia, sem receio das pressões inflaccionistas. Na Europa, o BCE, com um crescimento previsto para o PIB de 2,2% e uma inflação de 3,2% permite o real aumento dos juros para as pessoas e as empresas para conter a inflação! Decididamente, as diferenças não são grandes ao ponto de justificarem medidas tão antagónicas. As diferenças tornam arrepiante e perigosa a política do BCE. As empresas europeias têm um endividamento de 77%, muito superior ao das empresas americanas; ora, dívida vence juros e, se estes sobem numa conjuntura desfavorável, as dificuldades aumentam e sobram para os trabalhadores, elementos facilmente descartáveis ou com custos bastante compressíveis, no âmbito da famosa flexisegurança. As empresas americanas têm um endividamento médio muito mais baixo, da ordem dos 41%, pelo que uma baixa das taxas de juro pode suscitar mais endividamento, investimento e uma melhoria do crescimento económico.
  • 5. Mais, agravando o impacto das diferenças atrás referidas, o peso do endividamento bancário é, na Europa de 36% contra 9% nos EUA. E, como se sabe, o BCE não é particularmente sensível às grandes diferenças entre os vários países do euro, aos impactos sobre os outros que o não adoptaram e, menos ainda, sobre os cidadãos que têm empréstimos para aquisição de habitação. O volume destes últimos, em Portugal, em final de 2006 era superior ao dos empréstimos titulados por empresas, o que sublinha, não só a sua dimensão, como a vulnerabilidade dos bancos portugueses a um incumprimento maciço, como ainda a política suicida que é o aumento dos juros em contexto de baixos e estagnados salários, precariedade e desemprego elevados. O que conta é a economia real, os bens e serviços que se consomem, os rendimentos dos trabalhadores e não a financiarização da economia, a especulação, a geração artificial de rendimentos sem base na produção de bens e serviços, como é prática do sistema financeiro, com titularizações e emissões de produtos derivados. As empresas globais perante um crescimento anémico tendem a conter-se na subida dos preços, só o fazendo manipulando o impacto de factores externos transversais, como o aumento da energia. As instâncias comunitárias, tão lestas em apontar as virtudes da desregulamentação, da flexi-segurança, da precariedade, do “livre” funcionamento do chamado mercado de trabalho, procuram utilizar uma pretensa luta anti-inflacionista para manipular as taxas de juro, procurando conciliar os interesses de empresas comerciais e industriais em encontrar capitais baratos, com especuladores mais vocacionados para os negócios cambiais e de títulos. Se, de permeio, uma enorme quantidade de europeus se vê em dificuldades para pagar os seus empréstimos, que importa? Pormenor lateral mas não despiciendo é a lotaria (ou tontaria) em que se transformou a economia global. Assim, o futuro próximo é uma verdadeira nebulosa, nada se podendo afirmar do ponto de vista qualitativo ou quantitativo, apesar do enorme manancial de informação estatística disponível e dos poderosos meios técnicos para a tratar. E nesse contexto, as previsões dos economistas, não passam de palpites. Recordamos duas situações divertidas protagonizadas por dois iluminados economistas da praça. Um, Braga de Macedo, enquanto ministro do Cavaco (outra lâmpada fundida) afirmava que Portugal era um oásis, quando comparado com a Europa nos primeiros anos da década de 90 verificando-se aqui, na realidade, uma recessão em 1993-95. Outro cérebro brilhante é o do Abel Mateus ex-presidente da Autoridade da Concorrência que, a partir do seu modelo macro-
  • 6. económico previa para meados da década de 80 um crescimento de 10% aqui para a paróquia. Teve azar, pois o “tigre lusitano” não passou de um gatinho com fome; afinal caiu-nos em cima uma recessão. www.esquerda_desalinhada.blogs.sapo.pt Aspectos da crise financeira e as maleitas do capitalismo 1- Alguns elementos sobre a distribuição dos rendimentos A primavera traz, habitualmente, as andorinhas mas, também notícias sobre os festins dos abutres. São revelados por essa altura, os lucros das grandes empresas que, no respeitante às cotadas na bolsa (PSI-20) se cifraram em 5339 milhões de euros em 2007 (+3,7% que em 2006). Esclareça-se que os lucros aquela vintena de empresas, em 2006, representava 17,1% de tudo o que o Banco de Portugal classificou como "rendimentos da propriedade e da empresa" no mesmo ano, rendimentos que se mantém praticamente … constante desde 2003. Gostaríamos de apresentar a nossa sincera lástima aos empresários, proprietários e outros parasitas que vêm vivendo, sem um gemido, uma perda real de rendimentos, ao contrário da malandragem dos trabalhadores sempre a berrar por aumentos de salários… Convém aliviar a compaixão de alguns referindo que a economia subterrânea, cerca de 15% do total em meados dos anos 80 é agora de 23%, a despeito dos cruzamentos de dados, da postura "agressiva" da DGCI, do cenho franzido do ministro. Acreditar nisso é o mesmo que crer serem as prendas aos árbitros o cerne dos problemas do futebol. Apesar do aumento modesto dos lucros revelados, os dividendos a pagar aos accionistas crescem bem mais substancialmente. Vejamos:
  • 7. Aumento percentual do dividendo por acção entre 2006 e 2007 Altri 100,0 BCP 29,7 Banif 41,8 BPI 33,3 BES 29,0 Brisa 3,7 Cimpor 13,2 Cofina 40,0 Corticeira Amorim 10,0 EDP * 10,0 Esp. Santo FG 90,0 Finibanco 26,7 10,0 Galp Energia 52,0 Ibersol 0,0 Mota-Engil Portucel 50,5 Telecom 0,0 PTM 9,1 SAG 126,9 Semapa -45,2 Sonae SGPS 20,0 Teixeira 13,3 Salvador Caetano 70,0 Duarte *A "simpática" EDP contudo reduziu os lucros em 3,6% face a 2006 e, para não prejudicar mais os accionistas encomendou à ERSE que defenda a distribuição, por todos os consumidores pagantes dos valores de consumos não pagos. Se isso se concretizar, comecem já a não pagar, não fiquem para o fim, pois o último irá pagar por todos ! Esta amostra revela vários aspectos interessantes: • Ninguém conhece determinações governamentais a restringir a distribuição de lucros para além de uma tributação que orça os 20%, muito menos do que os salários de escalões médios de trabalhadores. Porém, os rendimentos do trabalho são contidos em parâmetros próximos da taxa de inflação intencionalmente subavaliada pelos "técnicos" às ordens do governo: a contenção salarial é uma peça central da política económica capitalista. • Foram emitidas pelos socratóides alterações às condições de remuneração dos certificados de aforro, penalizadoras, naturalmente, das pequenas poupanças. Se os certificados se vocacionassem para a captação dos milhões do Belmiro ou do Berardo, Sócrates teria feito as alterações que fez? • Aumentos "excessivos" de salários são tidos como responsáveis por perdas de competitividade das empresas e, até do desemprego. A distribuição de volumosos dividendos que retira às empresas fundos próprios para investimento, tornando-as mais dependentes do capital alheio não é, igualmente criminalizada pelos plumitivos dos media.
  • 8. Os aumentos reais dos salários têm como limite superior os ganhos da produtividade que, na realidade, tendem a ser absorvidos na íntegra pelo capital. Os aumentos dos dividendos não têm limites, constituem até o elemento mais sagrado de cumprimento por parte das empresas, desejosas de manter o apoio dos accionistas e dos "mercados financeiros". • Os aumentos dos preços dos combustíveis, da farinha, do arroz justificam uma repercussão nos bens e serviços em que são incorporados, a qualquer momento e mais do que uma vez por ano. Os rendimentos do trabalho, a mola real que sustenta qualquer economia, esses têm aumentos parcos e anuais quando os têm; e, se os detentores do factor de produção chamado trabalho quiserem repercutir os aumentos acima referidos, logo zurrarão, ameaçadores, vários ministros, orquestrados pelos vanzelleres. • Os protagonistas das trafulhices recentes que envolveram o BCP foram despedidos e à saída levaram no bornal milhões de indemnização, de reforma, seguros e acções. Se o crime compensa deste modo, quem dele terá sido beneficiado para ser tão generoso? E os chamados pequenos investidores, cândidos crentes do capitalismo popular assistiram impávidos e serenos ao negócio, esperando as próximas migalhas. 2 – O contínuo enriquecimento dos ricos causa subdesenvolvimento Na teologia neoliberal, o aumento dos rendimentos dos ricos, dos capitalistas, é a peça vital que garante o investimento, uma vez que os pobres, os trabalhadores não são jogadores de bolsa. O que está longe de ser tão virtuoso como a propaganda afirma. • Por maior que seja a propensão dos ricos para consumir, o volume global dos seus gastos está longe de poder contribuir para o crescimento económico como o conseguem os gastos de milhões de trabalhadores. E, daí, a quase ausência de crescimento económico.
  • 9. O investimento e, apesar das loas sobre o "empreendorismo", a iniciativa privada, nas sociedades de hoje, o investimento público ou possibilitado pelos poderes estatais é determinante para o investimento global. • Os capitalistas não preferem a imobilização dos seus capitais sob a forma de investimentos produtivos, mormente materiais mas, antes sob a forma imaterial de títulos. A febre da titularização em cadeia de créditos (securitização), torna os títulos rapidamente transaccionáveis, objecto de jogos bolsistas geradores de lucros rápidos e isso torna pouco atraente a actividade produtiva, com investimentos materiais, com ciclos longos de retorno do capital, ainda que associados claramente à satisfação das necessidades humanas. • É espantoso e revelador das enormes desigualdades existentes em Portugal saber que quatro portugueses (Belmiro, Amorim, Berardo e Horácio Roque) constam na lista dos mil mais ricos do mundo, elaborada pela revista Forbes. É espantoso como um país que não se destaca pelo seu domínio sobre tecnologias; pelo seu controlo sobre mercados ou pela sua dimensão; pelo nível de vida e consumo dos seus habitantes, está tão bem representado naquele círculo tão selecto do poder económico. Um relance sobre as principais actividades económicas daqueles indivíduos revela, claramente, o subdesenvolvimento do país – imobiliário, distribuição retalhista, serviços telefónicos, actividades financeira. Tudo tecnologias banais em situação de oligopólio com promíscuos favores concedidos pelo Estado e com elevados lucros. Somente Amorim detém real importância na actividade industrial. 3 – A crise financeira Pode pensar-se que de um ponto de vista moral (se é que isso existe na política e no confronto social entre o trabalho e o capital) não é defensável que, numa conjuntura recessiva, volumes enormes de capitais sejam desviados das empresas para o usufruto de uma estreita elite de privilegiados. Não existe ciência social neutra, mormente quando se fala de economia. A teoria económica baseia-se sempre em pressupostos políticos e filosóficos que revelam a estrutura do poder, em certo espaço e determinada época. A teoria neoliberal pretende ressuscitar a ideia da economia como ciência natural, com mecanismos tão inelutáveis como a sucessão entre os dias e as noites; baseada numa teologia da harmonia universal, em que uns estão
  • 10. destinados a sofrer e outros a gozar ou, uns a obedecer, outros a mandar. Desvalorizando na palavra a intervenção da política, os Estados intervêm clara e decididamente quando se trata de penalizar a multidão, aumentar a riqueza dos capitalistas ou assumir os estragos provocados por estes. A nacionalização recente de um banco inglês, vítima da orgia financeira, foi definida como temporária e irá terminar quando o erário público sanear as finanças do banco, devolvendo-o, limpinho, às competências privadas que provocaram os desmandos. Alguém ouviu protestos contra esta intrusão do governo inglês? Mas, quando a Bolívia ou a Venezuela procuram assenhorear- se das suas riquezas, subtraindo-as às multinacionais, é ensurdecedora a gritaria do capital e dos escribas de serviço. Assim, a tal mão invisível, quiçá divina, mostra várias faces. Nos EUA diante uma previsão, para 2008 de crescimento de 1,7% e uma inflação de 4,3%, o Fed baixa as taxas directoras de juros para animar a economia, sem receio das pressões inflaccionistas. Na Europa, o BCE, com um crescimento previsto para o PIB de 2,2% e uma inflação de 3,2% permite o real aumento dos juros para as pessoas e as empresas para conter a inflação! Decididamente, as diferenças não são grandes ao ponto de justificarem medidas tão antagónicas. As diferenças tornam arrepiante e perigosa a política do BCE. As empresas europeias têm um endividamento de 77%, muito superior ao das empresas americanas; ora, dívida vence juros e, se estes sobem numa conjuntura desfavorável, as dificuldades aumentam e sobram para os trabalhadores, elementos facilmente descartáveis ou com custos bastante compressíveis, no âmbito da famosa flexisegurança. As empresas americanas têm um endividamento médio muito mais baixo, da ordem dos 41%, pelo que uma baixa das taxas de juro pode suscitar mais endividamento, investimento e uma melhoria do crescimento económico. Mais, agravando o impacto das diferenças atrás referidas, o peso do endividamento bancário é, na Europa de 36% contra 9% nos EUA. E, como se sabe, o BCE não é particularmente sensível às grandes diferenças entre os vários países do euro, aos impactos sobre os outros que o não adoptaram e, menos ainda, sobre os cidadãos que têm empréstimos para aquisição de habitação. O volume destes últimos, em Portugal, em final de 2006 era superior ao dos empréstimos titulados por empresas, o que sublinha, não só a sua dimensão, como a vulnerabilidade dos bancos portugueses a um incumprimento maciço, como ainda a política suicida que é o aumento dos juros em contexto de baixos e estagnados salários, precariedade e desemprego elevados.
  • 11. O que conta é a economia real, os bens e serviços que se consomem, os rendimentos dos trabalhadores e não a financiarização da economia, a especulação, a geração artificial de rendimentos sem base na produção de bens e serviços, como é prática do sistema financeiro, com titularizações e emissões de produtos derivados. As empresas globais perante um crescimento anémico tendem a conter-se na subida dos preços, só o fazendo manipulando o impacto de factores externos transversais, como o aumento da energia. As instâncias comunitárias, tão lestas em apontar as virtudes da desregulamentação, da flexi-segurança, da precariedade, do "livre" funcionamento do chamado mercado de trabalho, procuram utilizar uma pretensa luta anti-inflacionista para manipular as taxas de juro, procurando conciliar os interesses de empresas comerciais e industriais em encontrar capitais baratos, com especuladores mais vocacionados para os negócios cambiais e de títulos. Se, de permeio, uma enorme quantidade de europeus se vê em dificuldades para pagar os seus empréstimos, que importa? Pormenor lateral mas não despiciendo é a lotaria (ou tontaria) em que se transformou a economia global. Assim, o futuro próximo é uma verdadeira nebulosa, nada se podendo afirmar do ponto de vista qualitativo ou quantitativo, apesar do enorme manancial de informação estatística disponível e dos poderosos meios técnicos para a tratar. E nesse contexto, as previsões dos economistas, não passam de palpites. Recordamos duas situações divertidas protagonizadas por dois iluminados economistas da praça. Um, Braga de Macedo, enquanto ministro do Cavaco (outra lâmpada fundida) afirmava que Portugal era um oásis, quando comparado com a Europa nos primeiros anos da década de 90 verificando-se aqui, na realidade, uma recessão em 1993-95. Outro cérebro brilhante é o do Abel Mateus ex-presidente da Autoridade da Concorrência que, a partir do seu modelo macro-económico previa para meados da década de 80 um crescimento de 10% aqui para a paróquia. Teve azar, pois o "tigre lusitano" não passou de um gatinho com fome; afinal caiu-nos em cima uma recessão. www.esquerda_desalinhada.blogs.sapo.pt