Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cursos Efa Ns Metodologias e Planificação

10,014 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Cursos Efa Ns Metodologias e Planificação

  1. 1. CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO (EFA-NS) Escola Secundária de Camões 14 de Setembro de 2009 Dulce Sá Silva
  2. 2. <ul><li>Não é fácil, de facto, “ ensinar a aprender ”neste tumulto de mutações a que se assiste, em que o hoje se desactualiza no mesmo dia. </li></ul><ul><li>Não é fácil “ ensinar a viver ” num mundo de contradições e de ruptura de valores éticos e morais. </li></ul><ul><li>Não é fácil ainda “ ensinar a criar uma identidade própria ” na era da globalização. </li></ul><ul><li>Não é fácil, mas vale a pena tentar . </li></ul><ul><li>Leão (2007) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>promover um novo sentido para a aprendizagem escolar </li></ul><ul><li>desenvolver um novo olhar sobre as práticas pedagógicas </li></ul>
  4. 4. O QUE É UM SER ADULTO? (Smith, 2002) <ul><li>estado biológico </li></ul><ul><li>estado legal </li></ul><ul><li>estado psicológico </li></ul><ul><li>forma de comportamento </li></ul><ul><li>um conjunto de papéis sociais </li></ul>
  5. 5. SER ADULTO NO SÉC. XXI <ul><li>No século XXI, o adulto é considerado como um - estado inacabado, </li></ul><ul><li>- sujeito a um contínuo processo de construção e desenvolvimento </li></ul><ul><li>deixando, a partir dos anos 90, de ser definido como </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>- o indivíduo equilibrado, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>- estável, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>- instalado e, consequentemente, </li></ul></ul></ul></ul><ul><li> - rotineiro, isto é, um adulto como estado terminado e estático. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>A idade adulta não é uma etapa de estabilidade e imutabilidade. </li></ul>
  7. 7. ANDRAGOGIA <ul><li>A andragogia significa um caminho educacional que procura compreender o adulto, em todas as componentes humanas. </li></ul><ul><li>Procura promover o aluno através da experiência </li></ul><ul><li>assimilação </li></ul><ul><li>“ Aprender fazendo”. </li></ul><ul><li>Está ainda muito centrada na postura do professor. </li></ul>
  8. 8. Malcolm Knowles (1968) <ul><li>“ andragogia como a arte e a ciência de ajudar os adultos a aprender, em contraste com a pedagogia como a arte e a ciência de ensinar crianças”. </li></ul>
  9. 9. Paulo Freire (1996) <ul><li>“ É um desafio lidar com os alunos adultos com experiência de vida , um vasto conhecimento do mundo, mas não encontram trabalho numa sociedade escolarizada. Como desenvolver um trabalho educacional inteligente e eficaz com um aluno tão heterogéneo, sofrido e, às vezes, desconfiado e desen-cantado?” </li></ul>
  10. 10. Experiência do Aluno/Formando <ul><li>“ A experiência, e não a verdade, é o que dá sentido à educação. Educamos para transformar o que sabemos, não para transmitir o que é sabido”. </li></ul><ul><li>Jorge Larrosa e Walter Kohan (2002) </li></ul>
  11. 11. Andragogia “um estilo de vida” <ul><li>“ A andragogia na essência é um estilo de vida, sustentado a partir de concepções de comunicação, respeito e ética, através de um alto nível de consciência e compromisso social” </li></ul><ul><li>complementa ainda: </li></ul><ul><li>“ As regras são diferentes, o mestre (Facilitador) e os alunos (Participantes) sabem que têm diferentes funções, mas não há superioridade e inferioridade, normalmente não é o mesmo o que acontece na educação com crianças”. </li></ul><ul><li>Adriana Márquez (1998) </li></ul>
  12. 12. Paulo Freire <ul><li>- “ninguém educa ninguém, nem ninguém aprende sozinho, nós homens (mulheres) aprendemos através do mundo”. </li></ul><ul><li>- “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção”. </li></ul>
  13. 13. Ambientes Educacionais para alunos adultos <ul><li>Os adultos querem entender o porquê da necessidade de aprender uma certa coisa; </li></ul><ul><li>gostam de aplicar o seu conhecimento prévio no processo de aprendizagem; </li></ul><ul><li>interessam-se mais pela aprendizagem de coisas que possam aplicar imediatamente e, </li></ul><ul><li>os processos de aprendizagem devem ser centrados em problemas e não em conteúdos. </li></ul>
  14. 14. Características do Professor Andragógico <ul><li>autenticidade </li></ul><ul><li>aceitação incondicional </li></ul><ul><li>compreensão empática </li></ul><ul><li>( Pereira e Farias, 1984) </li></ul><ul><li>habilidades </li></ul><ul><li>empatia </li></ul><ul><li>entusiasmo </li></ul><ul><li>clareza </li></ul><ul><li>(Knowles et al. 1990 e Canário, 2003) </li></ul>
  15. 15. O Professor / Facilitador / Motivador / Problematizador / Tutor no ensino de adultos <ul><li>Professor como &quot;facilitador&quot;. </li></ul><ul><li>Horizontalidade nos papéis em sala de aula. </li></ul><ul><li>Ter em conta a experiência de vida do aluno e a sua situação. </li></ul><ul><li>Professor necessita ter a humildade suficiente e situar-se no mesmo plano de aprendizagem </li></ul><ul><li> PARTILHA </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Gomes e Oliveira (2005) afirmam </li></ul><ul><li>(…) se o aprender não fizer sentido ou não tiver um significado concreto para o aluno, ele irá procurar algo mais necessário ou mais divertido para fazer, como trabalhar ou sair com os amigos, respectivamente. </li></ul>
  17. 17. Programa GRUNDTVIG <ul><li>visa </li></ul><ul><li>- melhorar a qualidade e </li></ul><ul><li>- reforçar a dimensão europeia da educação de adultos, através da promoção de diversos tipos de actividades de cooperação a nível europeu. </li></ul><ul><li>Dirige-se </li></ul><ul><li>- às necessidades de ensino e </li></ul><ul><li>- de aprendizagem dos intervenientes em todas as formas de educação de adultos. </li></ul>
  18. 18. DIFERENTES FORMAS DE ENSINO <ul><li>FORMAL </li></ul><ul><li>NÃO - FORMAL </li></ul><ul><li>INFORMAL </li></ul>
  19. 19. V CONFITEA “A educação das pessoas adultas, uma chave para o século XXI”. <ul><li>“ educação de adultos abrange a educação formal e a educação permanente, a educação não formal e toda a gama de oportunidades de educação informal e ocasional existentes numa sociedade educativa multicultural, em que são reconhecidas as abordagens teóricas e baseadas na prática” (UNESCO, 1998, p. 7). </li></ul>
  20. 20. MODALIDADES DE ENSINO <ul><li>cursos Científico-Humanísticos; </li></ul><ul><li>cursos de Aprendizagem; </li></ul><ul><li>cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF); </li></ul><ul><li>cursos de Qualificação Inicial Escolar; </li></ul><ul><li>cursos Artísticos Especializados; </li></ul><ul><li>cursos Profissionais; </li></ul><ul><li>cursos Tecnológicos; </li></ul><ul><li>cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA); </li></ul><ul><li>cursos de Ensino Recorrente e </li></ul><ul><li>cursos de Especialização Tecnológica (CET). </li></ul>
  21. 21. Educação de Adultos <ul><li>Dar resposta aos baixos índices de escolarização dos portugueses, através da aposta na qualificação da população. </li></ul><ul><li>Quatro vertentes: </li></ul><ul><li>- RVCC </li></ul><ul><li>- Cursos EFA </li></ul><ul><li>- Ensino Recorrente </li></ul><ul><li>- Vias de Conclusão do Nível Secundário de Educação (DL 357/2007) </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Os cursos EFA são, actualmente, mais um instrumento fundamental na estratégia nacional de qualificação da população adulta. </li></ul>
  23. 23. Cursos EFA <ul><li>Surgiram em 2000 </li></ul><ul><li>Modelo aberto e flexível </li></ul><ul><li>Destinados a activos empregados e também desempregados, maiores de 18 anos. </li></ul>
  24. 24. Cursos EFA <ul><li>A criação dos Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA), com dupla certificação escolar e profissional, foi regulamentada pelo Despacho Conjunto nº 1083/00, de 20 de Novembro. É aprovado pelo Despacho Conjunto nº 650/01, de 20 de Julho, alterado pelo Despacho nº 26401/06, de 29 de Dezembro e pelo Despacho nº 11203/07, de 8 de Junho, o modelo de certificado a atribuir na conclusão dos cursos de EFA e introduz alterações relativamente ao desenho curricular e às áreas de formação profissionalizante. </li></ul><ul><li>São vocacionados para públicos adultos pouco qualificados e têm como objectivo &quot; contribuir, a prazo, para a redução do défice de qualificação escolar e profissional da população portuguesa, potenciando as suas condições de empregabilidade &quot; . </li></ul><ul><li>São objectivos gerais </li></ul><ul><ul><li>(i) proporcionar uma oferta integrada de educação e formação, com dupla certificação, escolar e profissional, destinada a públicos adultos com défice de qualificação escolar e profissional; </li></ul></ul><ul><ul><li>(ii) contribuir para a construção de uma Rede local de Educação e Formação de Adultos. </li></ul></ul>
  25. 25. TIPOS DE FORMAÇÃO DOS CURSOS EFA <ul><li>DUPLA CERTIFICAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>Escolar (B1, B2, B3 ou ES ) </li></ul></ul><ul><ul><li>Profissional (Nível 1, 2 ou 3 ) (4º nível de qualificação – Portaria nº 782/2009, de 23/7) </li></ul></ul>
  26. 26. Cursos EFA da Escola Secundária de Camões – 2009/2010 <ul><li>De dupla certificação: </li></ul><ul><li>Técnicos de Apoio Laboratorial (TAL) </li></ul><ul><li>Técnicos de Agência de Viagens e Turismo (TAVT) </li></ul><ul><li>Técnicos de Museografia e Gestão do Património (TMGP) </li></ul><ul><li>Técnicos de Informática - Sistemas (TIS - IMSI) </li></ul><ul><li>Técnicos de Apoio à Gestão (TAG) </li></ul>
  27. 27. Documentos de Apoio <ul><li>Decreto-Lei nº 396/2007, de 31 de Dezembro </li></ul><ul><li>Portaria nº 230/2008, de 7 de Março </li></ul><ul><li>Guia de Operacionalização de cursos EFA, de Sandra Rodrigues, Maio de 2009 </li></ul><ul><li>Catálogo Nacional de Qualificações </li></ul><ul><li>Referencial de Competências-Chave para a EFA-NS, Novembro de 2006 </li></ul><ul><li>Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas </li></ul>
  28. 28. COMPONENTES DE FORMAÇÃO DOS REFERENCIAIS <ul><li>Formação de Base </li></ul><ul><li>Formação Tecnológica PRA </li></ul><ul><li>Formação prática em contexto de trabalho </li></ul>
  29. 29. Metodologias na Formação <ul><li>Concretização de actividades que articulem as competências integradas nas áreas de competências-chave e </li></ul><ul><li>as de saída profissional </li></ul><ul><li> com “actividades integradoras” </li></ul>
  30. 30. EQUIPA PEDAGÓGICA <ul><li>Conhecer bem os formandos; </li></ul><ul><li>Um domínio efectivo dos Referenciais de Formação (CNQ) bem como dos Referenciais das Competências-Chave e dos perfis profissionais; </li></ul><ul><li>Uma boa relação de trabalho entre si. </li></ul>
  31. 31. COMPONENTE DA FORMAÇÃO DE BASE <ul><li>3 Áreas de Competências-Chave (cf. RCC-NS): </li></ul><ul><li>Cidadania e Profissionalidade (CP) </li></ul><ul><li>Sociedade, Tecnologia e Ciências (STC) </li></ul><ul><li>Cultura, Língua e Comunicação (CLC) </li></ul><ul><ul><li>“ áreas gémeas” </li></ul></ul>Em regime co-docência “ par pedagógico”
  32. 32. ELEMENTOS COMUNS E TRANSVERSAIS ÀS ÁREAS DO REFERENCIAL (RCC-NS) <ul><li>Dimensões das Competências </li></ul><ul><li>Núcleos Geradores </li></ul><ul><li>Domínios de Referência para a Acção </li></ul><ul><li>Temas / Conteúdos / Unidades de Competência </li></ul><ul><li>Critérios de Evidência </li></ul><ul><li>Elementos de complexidade </li></ul>
  33. 33. DIMENSÕES das Competências CLC STC CP <ul><li>Cultural - Cultura </li></ul><ul><li>Linguística - Língua </li></ul><ul><li>Comunicacional - Comunicação </li></ul><ul><li>Social - Sociedade </li></ul><ul><li>Tecnológica - Tecnologia </li></ul><ul><li>Científica - Ciência </li></ul><ul><li>Social </li></ul><ul><li>Cognitiva </li></ul><ul><li>Ética </li></ul>
  34. 34. Núcleos Geradores / UFCD CP (Ref. Formação) CP = 8 UC (Ref. CC) STC (Ref. Formação) CLC (Ref. Formação) STC = CLC = 7 UC (Ref. CC) <ul><li>Liberdade e responsabilidade democráticas </li></ul><ul><li>Processos sociais de mudança </li></ul><ul><li>Reflexão e crítica </li></ul><ul><li>Processos identitários </li></ul><ul><li>Deontologia e princípios éticos </li></ul><ul><li>Tolerância e mediação </li></ul><ul><li>Processos e técnicas de negociação </li></ul><ul><li>Construção de projectos pessoais e sociais </li></ul><ul><li>Direitos e Deveres </li></ul><ul><li>Complexidade e Mudança </li></ul><ul><li>Reflexividade e Pensamento Crítico </li></ul><ul><li>Identidade e Alteridade </li></ul><ul><li>Convicção e Firmeza Ética </li></ul><ul><li>Abertura Moral </li></ul><ul><li>Argumentação e Assertividade </li></ul><ul><li>Programação </li></ul><ul><li>Equipamentos – princípios de funcionamento </li></ul><ul><li>Sistemas ambientais </li></ul><ul><li>Saúde – comportamentos e instituições </li></ul><ul><li>Relações económicas </li></ul><ul><li>Redes de informação e comunicação </li></ul><ul><li>Modelos de urbanismo e mobilidade </li></ul><ul><li>Sociedade, tecnologia e ciência - fundamentos </li></ul><ul><li>Equipamentos – impactos culturais e comunicacionais </li></ul><ul><li>Culturas ambientais </li></ul><ul><li>Saúde – língua e comunicação </li></ul><ul><li>Comunicação nas organizações </li></ul><ul><li>Cultura, comunicação e media </li></ul><ul><li>Culturas de urbanismo e mobilidade </li></ul><ul><li>Fundamentos de cultura língua e comunicação </li></ul><ul><li>(Língua estrangeira – iniciação) </li></ul><ul><li>(Língua estrangeira – continuação) </li></ul><ul><li>Equipamentos e Sistemas Técnicos (EST) </li></ul><ul><li>Ambiente e Sustentabilidade (AS) </li></ul><ul><li>Saúde (S) </li></ul><ul><li>Gestão e Economia (GE) </li></ul><ul><li>Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) </li></ul><ul><li>Urbanismo e Mobilidade (UM) </li></ul><ul><li>Saberes Fundamentais (SF) </li></ul>
  35. 35. Formação de Base <ul><li>Para cada área de Competência-Chave </li></ul><ul><li>CP – 8 UFCD </li></ul><ul><li>STC – 7 UFCD </li></ul><ul><li>CLC – 7 UFCD </li></ul><ul><li>As competências de cada UFCD estão definidas a partir de 4 Domínios de Referência para a Acção ( DRA ) </li></ul>
  36. 36. Domínios de Referência <ul><li>DR1 – Contexto Privado </li></ul><ul><li>DR2 – Contexto Profissional </li></ul><ul><li>DR3 – Contexto Institucional </li></ul><ul><li>DR4 – Contexto Macro-Estrutural </li></ul>
  37. 37. Elementos de Complexidade <ul><li>Cada DR tem 3 elementos de comple-xidade: </li></ul><ul><li>Identificação (Tipo I) </li></ul><ul><li>Compreensão (Tipo II) </li></ul><ul><li>Intervenção (Tipo III) </li></ul>
  38. 39. AVALIAÇÃO / CERTIFICAÇÃO <ul><li>PRA </li></ul><ul><li>Registo da avaliação dos formandos – documentos próprios, criados pelas equipas pedagógicas / mediadores. </li></ul><ul><li>Informação registada na plataforma SIGO. </li></ul>
  39. 40. Concluindo… <ul><li>Despertar a vontade de aprender </li></ul><ul><li>Os alunos adultos, ao retornar à escola, vêm à procura de novas perspectivas e com intuito de melhorar o seu nível de escolaridade e na expectativa de arranjar um emprego e melhorar de vida. Estarão à espera de uma mediação transformadora (Carlos Gimenez, 2008)? </li></ul><ul><li>Nós, educadores andragógicos, temos de ajudar os alunos adultos a não desistirem de si… </li></ul>
  40. 41. <ul><li>Os princípios e a metodologia andragógicos situam-se como uma possibilidade de repensar o fazer do professor </li></ul><ul><li>possibilita ao educador superar a viciada fragmentação do ensino, e talvez procurar uma actuação mais adequada à condição adulta. </li></ul><ul><li>Nenhuma teoria consegue encerrar-se em si mesma. </li></ul><ul><li>O professor não pode deixar de conhecer os fundamentos e as finalidades da(s) teoria(s) a que(m) se propõe aplicar. </li></ul>
  41. 42. DAR UM NOVO SENTIDO À ESCOLA <ul><li>Assumindo novas expressões, mais adequadas às experiências dos alunos, para que estes encontrem uma signi-ficação existencial sobre a sua permanência no espaço educativo. </li></ul>

×