Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
SOCIEDADE
56 DE MARÇO DE 2014
Graça Ribeiro, Manuel Lima, Paulo Fernandes e Dalila Dias falaram das aldeias históricas
NOV...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aldeias históricas jf março 2014

153 views

Published on

  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

Aldeias históricas jf março 2014

  1. 1. SOCIEDADE 56 DE MARÇO DE 2014 Graça Ribeiro, Manuel Lima, Paulo Fernandes e Dalila Dias falaram das aldeias históricas NOVAS SUBSECÇÕES NO“REGIONAL” No contínuo processo de oferecer um jornal cada vez melhor aos nossos leitores, foram introduzidas alterções na secção Regional. A criação de sub-secções territoriais irá permitir, sempre que possível, que se leiam as notícias acondicionadas geograficamente. Já nesta edição são apresentadas as sub- secções “Pinhal” e “Raia” com a atualidade daqueles territórios da Beira Interior. Aldeias Históricas mudam ponteiros para o turismo de qualidade e excelência ■ Está em marcha uma nova estratégia de desenvolvimento turístico na rede das Aldeias Históricas de Portugal. Mais e melhor investimento REUNIÃO EM CASTELO NOVO ✦ PROMOTORES E EMPRESÁRIOS ANALISARAM SITUAÇÃO Dulce Gabriel ESTÁamudaroparadigmadoturis- ta que procura as aldeias como pro- duto de excelência para dias de des- cansoelazer.Atentaaessanovarea- lidade,aAssociaçãodasAldeiasHis- tóricasdePortugal(AHP)estádesde háalgumtempoatrabalharemações que possibilitem aos visitantes um contacto real com as singularidades doterritório,contactoaculturaesuas gentes. Além de iniciativas dinami- zadas pelos habitantes e agentes lo- cais, a AHP tem vindo a trabalhar numaestratégiaquepodeajudaraes- tancar a saída de residentes. “Um compromisso para a sustentabilida- de” é, então, o lema de atuação da AHP que espera da comunidade ca- pacidade de reinventar percursos e potenciarahistória.AmarcadasAl- deias Históricas de Portugal desen- volveu recentemente alterações no seuwebsiteorientando-oparaaven- daeinteraçãocomoturistaeassocia- dos da AHP. “Uma nova linha de merchandisingaliadaàspersonagens das Histórias Criativas sobre as Al- deias Históricas de Portugal desen- volvidoporAnaAlmeida”,seráuma das novidades para o ano em curso. PoroutroladoasHistóriasCriativas queforamrecolhidasparaumasérie televisiva,quecomeçouestasemana apassarnoCanalPanda,vãodarlu- garàediçãoliteráriadeumaobraque terá a chancela da Leya e será mais umveículodetransmissãodoconhe- cimento intergeracional do passado e história de cada uma das doze al- deias. Uma estratégia de comunica- çãobastantemaisabrangentequeterá novidades na edição deste mês da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL). “Alémdeseropalcoparaotestezero à linha de personagens em forma de bonecosalusivosacadaumadasal- deiashistóricas”,aBTLseráumes- paçoparadaraconhecero“GuiaTu- rístico Oficial das Aldeias Históri- cas”.De12a16demarço,osvisitan- tesdaBTLconhecerãoaindaanova coleção do estilista Miguel Gigante que foi criada no âmbito do projeto “VestiraHistória”.Destavezaapos- ta recai num conjunto de modelos masculinosajuntaràspeçasfemini- nas. “Inspirado no património e nas indústriasculturaiserecreativas”,o projetofomentaaintegraçãoeoem- prego. “Se precisamos de pessoas é preciso gerar emprego”, explicou DalilaDias,sobreumaestratégiaque conciliaosaberfazercomodesigne e modernidade. Além do atelier do burel que foi instalado em Belmon- te (aproveitando o labor de antigas trabalhadorasdaindustriadeconfe- ção),aAHPprepara-separareplicar a ideia em Sortelha. Ali será desen- volvida “uma linha de mobiliário e decoração” que resulta do trabalho do bracejo. No coração de Sortelha residemapenasduaspessoas“conhe- cedorasdestesaberancestralquenão pode perder-se” e nesse sentido o “Projeto Entrelaços” poderá tradu- zir-se em “20 postos de trabalho”. Este mês de março (de 21 a 23) rea- liza-seumworkshopsobreaartede trabalhar o bracejo e deverá iniciar- seaformaçãodeumprojetoqueaté játemunidadeshoteleirasinteressa- dasnanovalinhademobiliárioede- coração.Aperspetivadegerarrique- za e fomentar o crescimento de mi- croeconomialevouaAHPapensar numaapostanosetoragroalimentar. Porqueoturistaexigemaisque“dor- midaepequeno-almoço”,omunicí- piodoFundãoprepara-separaabra- çar essa dinâmica e tirar partido das potencialidades.“Fazeraligaçãoen- treaAldeiaeoagroturismoéaapos- ta.Fomentarprodutoturísticoemtor- no da pastorícia, queijo e colheitas. Desenvolveroturismodeexperiên- cias em que Castelo Novo pode ser excecional”,éaestratégiaadiantada por Paulo Fernandes, presidente da Câmara. Após o projeto de comuni- cação, divulgação e afirmação da marca,aAHPprepara-seagirlocal- mente.Énestecontextoquesurgem os workshops que funcionam como um“apeloaosprivadosnodesenvol- vimento de um trabalho em rede, criando escala num projeto em que todoscolaboremeacreditem”,expli- couGraçaRibeiro,proprietáriadeum TER–TurismoemEspaçoRuralem Caria. MINI ENTREVISTA AAHPpensouglobalevaiagirlocal- mente.Qualéaestratégiadomo- mento? NesteQuadroComunitáriopropuse- mo-nosaumentaranotoriedadeda marcacomodestinoturísticoeconso- lidaroefeitodetrabalhoemrede.É issoqueestáaacontecer. Noâmbitodessaestratégiaqualéa frequênciamédiadevisitantesna RededasAldeiasHistóricas? Nestemomentonãodisponhodeda- dosespecíficossobreessarealidade. Esseéumtrabalhoquedeveserfeito emarticulaçãocomasautarquias, alojamentosenãoéfácilobteresses dados.Em2012foirealizadoumle- vantamentoquenosdácontadosnú- merosemPostodeTurismo.Em 2014esperamosconseguirobteres- sesdadosjuntodosalojamentos paraapurarmosresultados. “NãofiquedeforadaRede,junte-se anós”.Umapeloàintegraçãopara amarcaganharmúsculo,éisso? Oobjetivoéesse.Eficiênciacoletiva. Noâmbitodessaestratégiaháuma preocupaçãocomodesemprego? Aempregabilidadeéfundamental. Asaldeiassãoumespelhodode- semprego,oêxodonãoestáaseres- tancado.Daíanossaapostanumafi- losofiaqueajudearetersaberese pessoas,trazendonovosatores,co- nhecimentoenovasrealidadesque setraduzemnumanovadinâmica dasAldeiasHistóricas. Apardadinamizaçãolocaldopro- dutoturístico,aAHPmantémumaes- tratégiadepromoçãodamarcano exterior.Énessecontextoquesere- forçaaparceriacomaTAP? Estamosemalta.Em2013tivemos, noperíododoverão,umaexperiên- ciaquedestavezduraumanoeem queaprópriaTAPdandoprovasde queacreditanoprojeto,poisvêna marcaumcomplementoàvaloriza- çãogenuínadaquiloqueéportu- guês,vaimostraraospassageiroso filmedeumaaldeiahistóricapor mês. Estáachegarumnovopacotedefi- nanciamentocomunitário.Até2020 haverámaisdinheirosdaEuropa, ourosobreazulparaaAHP? Obviamentequedaríamoscontinui- dadeanovasdinâmicasqueperspe- tivemempregabilidade,coesãoterri- torial,económicaesocial.Espera- mostercondiçõesparafomentaro patrimónioimaterial.Sãonecessá- riasintervençõesfísicasnasaldeias. “Aldeias são espelho do desemprego” DALILADIAS Coordenadora TécnicadaAsso- ciaçãodasAl- deiasHistóricas dePortugal

×