21
             anos se passaram desde que o filho do
            criminalista Gil Teobaldo, José Ramos Lopes
            ...
PEQUENA RETROSPECTIVA DOS FATOS NOTICIADOS NA MÍDIA:




                           - - - - -- - - - - - - -- - - - -- - -...
Edição de Quarta-Feira, 20 de Junho de 2001


                Início   Diario de Pernambuco   Vida Urbana   Denúncia contr...
Assinaturas e     Confissão - Para dar a sentença, o magistrado justifica que a
Renovações      autoria do crime é confess...
Capa do Jornal Diário de Pernambuco do dia 06/04/1989 (2 dias após o crime):
Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989
Caso maristela just 1989
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Caso maristela just 1989

5,668 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
5,668
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
40
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Caso maristela just 1989

  1. 1. 21 anos se passaram desde que o filho do criminalista Gil Teobaldo, José Ramos Lopes Neto, assassinou sua ex mulher Maristela Just e atentou conta a vida de seu cunhado Ulisses Just e seus filhos, ainda crianças, Nathália (4) e Zaldo Neto (2). O caso agora finalmente irá a júri popular e a família aguarda ansiosa para que a tão esperada JUSTIÇA seja enfim, feita. O processo será julgado na 1ª vara do Fórum de Jaboatão dos Guararapes e já tem data marcada para os dias 13 e 14 de maio de 2010. Há alguns anos atrás, notícias semelhantes eram divulgadas pelos veículos de comunicação em geral, sempre que havia alguma novidade sobre o caso, porém diferentemente das notícias de antigamente, a data do julgamento enfim, está oficialmente marcada. A família das vítimas conta novamente com o apoio de todos que desde 1989, época da tragédia, acompanhou conosco esta luta em busca da justiça. Estamos abertos para quaisquer esclarecimentos e perguntas. Muito obrigada, Família Just. Contatos: Nathália Just - (11) 8417 7852 Márcia Just - (81) 9978 5567 Email: casomaristelajust@hotmail.com Web Site: http://twitter.com/casomaristelaju Maristela com os filhos Ulisses Just
  2. 2. PEQUENA RETROSPECTIVA DOS FATOS NOTICIADOS NA MÍDIA: - - - - -- - - - - - - -- - - - -- - - ---Jornal do Commercio - Recife, 25 de outubro de 1998 COMPORTAMENTO IV Drama familiar acontece em todas classes Os filhos de lares mais abastados não estão livres da tragédia de vivenciar a história de um assassinato em família. Resultado, na maioria das vezes, de relacionamentos desgastados e situações conflitantes, os crimes entre cônjuges ou pessoas que tenham algum tipo de relacionamento amoroso ocorrem independente das condições sócio-econômicas de vítimas e acusados. Na realidade, os casos de maior repercussão são registrados justamente entre os membros de famílias de classe média. Um dos crimes em família mais chocantes ocorridos no Recife foi praticado pelo comerciante José Ramos Lopes Neto, filho do advogado criminalista Gil Teobaldo. Ramos estava separado da mulher, a universitária Maristela Ferreira Just, mas não se conformava com a situação. No dia 4 de abril de 1989, ele se trancou com a mulher e os filhos num dos quartos da casa do sogro, em Piedade, e deu três tiros em Maristela, um tiro na cabeça do filho, então com 2 anos, outro no ombro da filha, de 3 anos, e ainda deixou baleado o cunhado Ulisses Ferreira Just, quando ele tentava socorrer a irmã e os sobrinhos. "Depois de anos de fisioterapia, a filha, hoje, na fase da adolescência, conseguiu se recuperar totalmente. O garoto ainda freqüenta sessões de fisioterapia para tentar reativar o movimento do braço esquerdo que ficou inutilizado após o disparo. Na época, o drama vivido pela família foi amplamente divulgado na imprensa local e nacional. Até jornalistas estrangeiros procuraram a família para relatar a tragédia ocorrida no bairro de Piedade. Outro caso muito conhecido e que terminou virando símbolo da violência contra a mulher foi o da psicóloga Kátia Camarotti, que ficou pentaplégica no atentado praticado pelo seu ex-marido, o dentista José Fernando Gomes. Na ocasião, o dentista assassinou a cunhada Tânia Camarotti e feriu a própria irmã, Maria do Socorro. O crime ocorreu no dia 31 de janeiro de 91, na Avenida Boa Viagem, onde as vítimas moravam
  3. 3. Edição de Quarta-Feira, 20 de Junho de 2001 Início Diario de Pernambuco Vida Urbana Denúncia contra réu é acatada Vida Urbana Cadernos Denúncia contra réu é acatada Política Brasil Doze anos depois, o caso de Maristela Just caminha para um Mundo desfecho. O juiz da 1ª Vara do Júri de Jaboatão dos Guararapes, Economia José Roberto Moreira, divulgou ontem a sentença de pronúncia Esportes do comerciante José Ramos Lopes Neto, acusado de assassinar sua ex-mulher, Maristela Just, no dia 4 de abril de 1989. Além de Vida Urbana matá-la, o comerciante é apontado como suspeita de ferir os Viver seus dois filhos, Zaldo Just Neto e Natália Ramos Neto, além do cunhado Ulisses Ferreira Just. Na época, as crianças tinham, Suplementos respectivamente, três e dois anos de idade. Revista na TV A sentença de pronúncia é o ato jurídico de aceitação contra o Empregos réu, que tem fundamentação legal para levar o processo ao júri. Viver Mulher De acordo com o despacho do juiz José Roberto Moreira, o Viagem acusado responderá por homicídio qualificado com agravantes de Informática motivo torpe e de ato que impossibilitou a defesa da vítima. Ele Saúde também denuncia o comerciante por tentativa de homicídio Carro contra o cunhado e os dois filhos. A condenação, se for aceita Imóveis pelo júri, pode chegar a 30 anos de cadeia. O caso ainda não tem data definida para ser levado a julgamento, havendo Serviços possibilidade de que ocorra no próximo semestre.
  4. 4. Assinaturas e Confissão - Para dar a sentença, o magistrado justifica que a Renovações autoria do crime é confessada pelo acusado e reforçada por testemunhas. Ele afirma também que o processo - em Expediente tramitação desde 1989 - teve instrução tumultuada, frisando que os defensores públicos se esquivaram a comparecer a audiências Edições e muitas delas não foram realizadas. Em outras ocasiões, Anteriores do argumenta o juiz, eles pugnaram pela nulidade de atos Diario de praticados, fizeram com que suas testemunhas arroladas fossem Pernambuco inquiridas por até três vezes. O crime, segundo o relatório do juiz da 1ªVara do Júri de Jaboatão dos Guararapes, ocorreu por volta das 19h30 do dia 4 de abril. O acusado e a ex-esposa tinham levado o filho Zaldo ao médico e ao retornar à casa da vítima, o réu insistiu para que voltassem a viver juntos. Maristela Just não aceitou. Inconformado, José Ramos não teria concordado com a resposta e, sacando a arma, atingindo a ex-mulher, os dois filhos pequenos e o cunhado.
  5. 5. Capa do Jornal Diário de Pernambuco do dia 06/04/1989 (2 dias após o crime):

×