Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

AULA FREINET

34,117 views

Published on

  • Be the first to comment

AULA FREINET

  1. 1. TENDÊNCIA ROMÂNTICA NA EDUCACÃO INFANTIL <ul><li>Surgimento: Século XVIII – </li></ul><ul><li>Liberalismo, mudanças na organização social, pesquisas sobre o desenvolvimento infantil. </li></ul>
  2. 2. Escolanovismo (séc. XIX-XX): <ul><li>valorização das necessidades e interesses da criança; caráter lúdico e natural na aprendizagem, mais importante que a transmissão dos conteúdos. O Currículo passa a ser centrado nas Atividades , essencialmente lúdicas. </li></ul>
  3. 3. Principais representantes da tendência romântica na Educação Infantil : <ul><li>Friedrich Fröebel (1782-1852): evolução natural da criança; importância do simbolismo; atividades espontâneas e construtivas; currículo por atividades lúdicas. </li></ul><ul><li>Ovide Decroly (1871-1932): caráter Global da atividade infantil e a globalização do ensino. Necessidade e interesse – impulsos para o conhecimento. Organização do ensino a partir de Centros de Interesse. A sala de aula não se resume à escola e o tempo das atividades deve ser flexível, de acordo com o centro de interesse. </li></ul>
  4. 4. Maria Montessori (1870-1952): <ul><li>Pedagogia fundamentada na psicologia experimental e na filosofia oriental. Diretrizes centrais: </li></ul><ul><li>Importância da escola ativa. A criança “absorve” o meio; </li></ul><ul><li>Noção de silêncio e autocontrole; </li></ul><ul><li>Progressão: controle de si, das coisas e respeito ao outro; </li></ul><ul><li>Adaptação do mobiliário e material didático à aprendizagem nas diferentes áreas (sensorial, linguagem, matemática, vida prática etc.). O material escolar deve ser autocorretivo, graduado, separado por tarefas e explorado em três etapas: informação, reconhecimento e fixação do vocabulário. </li></ul>
  5. 5. TENDÊNCIA COGNITIVA . A educação deve favorecer o desenvolvimento cognitivo <ul><li>Principal representante: Jean Piaget (1896-1980) </li></ul><ul><li>A Epistemologia Genética parte dos seguintes pressupostos: </li></ul><ul><li>O interacionismo organismo/meio, dado através da organização (assimilação) e da adaptação ao meio (acomodação). </li></ul><ul><li>O Construtuvismo Seqüêncial: ocorrência dos estágios evolutivos – sensório motor; simbólico ou pré-operacional; operatório concreto e operatório abstrato (lógico formal). Este processo é influenciado pelos fatores de maturação; exercitação; aprendizagem social e equilibração. </li></ul>
  6. 6. PRESSUPOSTOS DA TENDÊNCIA COGNITIVA <ul><li>Compete à educação possibilitar o desen-volvimento pleno, amplo e dinâmico da criança, desde seu período sensório-motor. A escola deverá considerar seus esquemas de assimilação, propondo conflitos cognitivos e reequilibrações sucessivas, assim favorecendo a contrução do conhecimento Quanto aos conteúdos trabalhados no currículo, não devem ser fragmentados mas sim interdisciplinares. </li></ul>
  7. 7. PRINCÍPIOS DA TEORIA PSICOGENÉTICA <ul><li>1 – Ação, início de tudo, observando os esquemas da criança; </li></ul><ul><li>2 – Representação das atividades pela criança (semiótica); </li></ul><ul><li>3 – Interação. Atividades em grupo; </li></ul><ul><li>4 – Organização, resultante das atividades </li></ul><ul><li>5 – Dificuldades e problemas, forma de instigar a criança; </li></ul><ul><li>6 – Expectativas positivas sobre a criança </li></ul><ul><li>7 – Integração das diferentes áreas do conhecimento </li></ul>
  8. 8. A TENDÊNCIA CRÍTICA NA EDUCACÃO INFANTIL E A PEDAGOGIA FREINET <ul><li>Célestin Freinet (França, 1896-1966) foi um professor primário que realizou importantes avanços e conquistas no espaço da educação destinada às crianças, nela destacando princípios, técnicas, instrumentos, a sua função social e política. </li></ul>
  9. 9. Os Princípios Freinetianos <ul><li>A Livre Expressão </li></ul><ul><li>O Tateamento Experimental </li></ul><ul><li>A Cooperação </li></ul><ul><li>A Educação do Trabalho </li></ul><ul><li>O Ambiente Natural </li></ul>
  10. 10. O tateamento experimental <ul><li>É a caminhar que a criança aprende a andar; é a falar que aprende a falar; é a desenhar que aprende a desenhar. </li></ul><ul><li>C. Freinet. O Método Natural I – A aprendizagem da língua. </li></ul>
  11. 11. As etapas do tateamento infantil <ul><li>Freinet assinala, em Ensaio de Psicologia Sensível, três períodos aos quais atribuir-se-ão diferentes atividades dirigidas às crianças, acompanhadas necessariamente de seus tateamentos: </li></ul><ul><li>Período de exploração tateada. Ocorre no primeiro ano de vida, caracterizando-se melhor enquanto a primeira fase de contatos e de experimentação sensorial com o mundo em volta dela; </li></ul>
  12. 12. As etapas do tateamento infantil <ul><li>Período de arrumação. Do primeiro até os quatro/cinco anos. Nele a criança já se tornou capaz de aprofundar seus tateamentos, em torno de suas necessidades mais imediatas, dos mistérios do mundo que a cerca, podendo inclusive realizar pequenos trabalhos, que não exijam maior concentração ou desgaste de energias; </li></ul><ul><li>Período do trabalho. Após os cinco/seis anos. A criança sai do ninho, em busca de espaço. Começa então a realizar atividades que não satisfazem apenas suas necessidades funcionais como levam-na a dominar o meio e a aumentar a sua potência. </li></ul>
  13. 13. A Livre Expressão e o Texto Livre <ul><li>As condições materiais da liberdade </li></ul><ul><li>A tradição escolástica não confia na criança. Entende que é necessário orientá-la nos assuntos que deve exprimir ou desenvolver, razão porque requer que ela escreva redação com assunto livre, que muitas vezes é mesmo sugerido. A liberdade do texto tem de ser concreta, definida de modo materialista, sob vários aspectos : </li></ul><ul><li>Topicamente – a criança escreverá onde quiser. </li></ul><ul><li>Temporalmente - quando e quantas vezes quiser. </li></ul><ul><li>Quanto a seu suporte e seus instrumentos – não tem que ser feito num determinado veículo ou utensílio obrigatório de escrita. Contribui assim para desescolarizar a prática da escrita. </li></ul><ul><li>Graficamente – o texto não deve ter limite de tamanho, do tipo de letra, ficando assim livre tanto no plano epistêmico como no psicológico. </li></ul>
  14. 14. O Texto Livre O texto livre não é um apêndice do trabalho escolar mas parte de um conjunto de práticas. Ele integra a categoria da expressão livre, a qual inclui desenho, dança, teatro, música etc. Todas estas práticas estão interligadas, sendo o texto livre a faísca, o motor de arranque. “O texto livre não subsiste sozinho”. É um elemento central de uma práxis totalizante. Contempla não apenas o social como também o individual. “Na pedagogia Freinet é o mais social que garante o mais pessoal.” A liberdade do texto reside no modo de socialização a que é facultada a sua prática.
  15. 15. A Cooperação – elemento integrativo e formativo na Pedagogia Freinet <ul><li>A criança deve inserir-se e participar ativamente no seu meio social; </li></ul><ul><li>Freinet compreendeu o valor de formar hábitos de convivência social que rompam com o individualismo e a competição capitalista; </li></ul><ul><li>A cooperação é construída não através de discursos mas da vivência de práticas materializadas no trabalho desenvolvido dentro do espaço educacional e social. </li></ul><ul><li>A constituição de valores, de uma ética junto aos educandos, será produto dessa vivência cooperativa partilhada no trabalho. </li></ul>
  16. 16. O trabalho enquanto princípio educativo na Pedagogia Freinet <ul><li>Há trabalho todas as vezes que a atividade - física ou intelectual - suposta por esse trabalho atende a uma necessidade natural do indivíduo e proporciona por isso uma satisfação que por si só é uma razão de ser. Caso contrário, não há trabalho mas serviço, tarefa que se cumpre apenas por obrigação - o que é totalmente diferente. </li></ul><ul><li>Vocês costumam afirmar : instruir-se para poder trabalhar com eficácia. Invertemos o problema, e digo-lhes por quê : trabalhar eficazmente para se instruir, se enriquecer, se aperfeiçoar, se elevar e crescer. </li></ul><ul><li>(FREINET,C. A educação do trabalho. p. 316;381) </li></ul>
  17. 17. A função do trabalho e sua organização <ul><li>Elevar o trabalho ao lugar de honra que lhe reconhecemos na educação, será esse o complemento de nossa grande revolução pedagógica. E ai está, junto com a reorganização técnica que se deve empreender, toda uma reputação para se refazer. (A educação do trabalho. p. 303) </li></ul><ul><li>Desejamos a educação pelo trabalho, uma cultura que resulte da atividade laborativa das próprias crianças, uma ciência filha da experiência, um pensamento constantemente determinado pela própria matéria e pela ação. (Para uma escola do povo. p. 74). </li></ul><ul><li>Trabalho e “Centros de interesse” - A nossa escola do trabalho está no centro da própria vida e condicionada pelas múltiplas e diversas motivações desta vida. Caberá às crianças escolherem aquilo que lhes convenham. (idem. p. 108) </li></ul>
  18. 18. Trabalho e materialismo pedagógico <ul><li>A nossa preocupação fundamental, sem a qual os nossos complexos só existiriam no papel, reside no nosso esforço prévio por tornar possível o trabalho efetivo da criança. É sobre esta base material e técnica que assenta todo o nosso sistema educativo. </li></ul><ul><li>Trata-se de um retorno à base materialista de todo o nosso sistema educativo (...) A eficiência intelectual, moral e social da vossa educação não é condicionada exclusivamente, como nos quiseram fazer crer durante muito tempo, pela personalidade do educador ou pelo valor mágico de um método. É função do material utilizado, da perfeição desse material e da organização técnica do trabalho. (A educação do trabalho. p.117; 118-119) </li></ul>
  19. 19. Uma pedagogia político-social <ul><li>Objetivos da educação. Segundo o modelo da realização capitalista, pais e sociedade não se preocupam com a formação dos filhos mas apenas com a instrução que os prepare para o mercado competitivo – concepção demasiado utilitária da cultura. Outra preocupação existente na sociedade está ligada à conservação do modelo político, requisitando que a escola prepare as crianças para um futuro mais imediato e não menos oportunista do que faz a indústria. Ante estas duas concepções interesseiras, que não respeitam a criança, definimos o verdadeiro objeto da educação : a criança deverá desenvolver ao máximo a sua personalidade no seio de uma comunidade racional que ela serve e que a serve. Dessa forma ela cumprirá o seu destino e se elevará a dignidade do homem, que assim se prepara para trabalhar eficazmente quando adulto. Isto é apenas um ideal, porém não supérfluo, bem como necessário para os educadores serem sempre por ele iluminados. (FREINET, C. Para uma escola do povo.). </li></ul>
  20. 20. Proposta política freinetiana <ul><li>Rejeitamos a ilusão de uma educação que se satisfaça a si mesma à margem das grandes correntes sociais e políticas que a condicionam. </li></ul><ul><li>A educação é um elemento, mas nada mais que um elemento de uma revolução social necessária. O contexto social e político, as condições de trabalho e de vida tanto dos pais quanto das crianças influenciam, de uma forma decisiva, a formação das jovens gerações. Precisamos mostrar aos educadores, aos pais e a todos os amigos da escola a necessidade de lutar social e politicamente ao lado dos trabalhadores, para que o ensino laico possa cumprir sua função educativa insubstituível. Nesta perspectiva, os que partilham dos ideais da escola moderna procurem agir em conformidade com suas preferências ideológicas, filosóficas e políticas para que as exigências da educação se integrem na grande corrente do esforço dos homens à procura da felicidade, da cultura e da paz. (A Carta da Escola Moderna). </li></ul>
  21. 21. AS INVARIANTES PEDAGÓGICAS <ul><li>1. A criança é da mesma natureza que o adulto. 2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros. 3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional. 4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias. 5. A criança e o adulto não gostam de uma disciplina rígida, quando isto significa obedecer passivamente uma ordem externa. 6. Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular, ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante. </li></ul>
  22. 22. AS INVARIANTES PEDAGÓGICAS <ul><li>7. Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa. 8. Ninguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquina, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa. 9. É fundamental a motivação para o trabalho. 10. É preciso abolir a escolástica. 10- a. Todos querem ser bem-sucedidos. O fracasso inibe, destroi o ânimo e o entusiasmo. 10- b. Não é o jogo que é natural na criança, mas sim o trabalho. 11. Não são a observação, a explicação e a demonstração - processos essenciais da escola - as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, mas a experiência tateante, que é uma conduta natural e universal. 12. A memória, tão preconizada pela escola, não é válida, nem preciosa, a não ser quando está integrada no tateamento experimental, onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida. </li></ul>
  23. 23. AS INVARIANTES PEDAGÓGICAS <ul><li>13. As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como às vezes se crê, mas sim pela experiência. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois. 14. A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduo, como ensina a escolástica. 15. A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e idéias. 16. A criança não gosta de receber lições autoritárias. 17. A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida. 18. A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso caracteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente. </li></ul>
  24. 24. AS INVARIANTES PEDAGÓGICAS <ul><li>19. As notas e classificações constituem sempre um erro. 20. Fale o menos possível. 21. A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere o trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa. 22. A ordem e a disciplina são necessárias na aula. 23. Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativo. 24. A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é, a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador. </li></ul>
  25. 25. AS INVARIANTES PEDAGÓGICAS <ul><li>25. A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico. 26. A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é sempre um erro e cria barreiras. 27. A democracia de amanhã prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas. 28. Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito à criança e, por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade. 29. A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica, é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evitá-la ou modificá-la. 30. É preciso ter esperança otimista na vida. </li></ul>
  26. 26. Freinet – quem ama aos seus...

×