REVISÃO – SINTAXE                                 Professora Adriana CarrionQuando falamos em análise sintática, estamos n...
a) Verbos que exprimem fenômenos da natureza:Nevar, chover, ventar, gear, trovejar, relampejar, amanhecer, anoitecer, etc....
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revisão sintaxe

1,733 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,733
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
155
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revisão sintaxe

  1. 1. REVISÃO – SINTAXE Professora Adriana CarrionQuando falamos em análise sintática, estamos nos referindo à reflexão das funções que as palavras exercemem determinada oração. Sabemos que na morfologia, cada palavra pertence a um grupo específico, ou seja,substantivo, adjetivo, artigo, verbo, preposição e outras. Assim, a palavra casa será sempre um substantivo,qualquer que seja a oração em que ela apareça.Já na sintaxe, a palavra assume funções diferentes de acordo com a combinação de palavras na oração.Veja a palavra casa nas orações que seguem:- Minha casa está pronta. (casa faz parte do sujeito Minha casa)- Meu pai comprou uma casa nova para nós. (casa é faz parte do objeto direto uma casa nova)- Eu moro naquela casa. (casa faz parte do adjunto adverbial de lugar naquela casa)As funções sintáticas abordadas até agora foram:1. Sujeito e PredicadoO sujeito é o assunto sobre o qual se fala na oração.Ex.: Meus irmãos estudam à tarde. (assunto da oração: Meus irmãos)O predicado é a informação que se dá sobre o sujeito. O verbo da oração sempre faz parte do predicado.Ex.: Meus irmãos estudam à tarde. (informação sobre o sujeito: estudam à tarde)2. Tipos de SujeitoDe acordo com a forma como o sujeito se apresenta na oração, podemos verificar a ocorrência de quatrotipos distintos:a) Sujeito simples: quando o sujeito está escrito na oração e apresenta apenas um núcleo (palavra maisimportante).Ex.: Minhas melhores amigas viajaram para a Alemanha.Sujeito: Minhas melhores amigas Núcleo: amigas – sujeito simplesb) Sujeito composto: quando o sujeito está escrito na oração e apresenta dois ou mais núcleos.Ex.: Joaquim e seu irmão trabalham bastante,Sujeito: Joaquim e seu irmão Núcleo: Joaquim, irmão – sujeito compostoc) Sujeito oculto (ou desinencial): quando o sujeito não está escrito, mas pode ser identificado por meio dadesinência (terminação) verbal.Ex.: Fui ao cinema ontem.Sujeito: (eu), pois usamos a forma verbal fui. - sujeito ocultoO sujeito também é oculto quando refere-se a um termo já citado anteriormente.Ex.: José e seus amigos são inseparáveis. Viajam sempre juntos, são companheiros e se divertem bastante.No primeiro período, sabemos que o texto fala sobre José e seus amigos. Assim, no segundo período, osujeito das orações não é oculto, pois mesmo não aparecendo escrito, já foi citado anteriormente.d) Sujeito indeterminado: quando o sujeito não está escrito na oração e não pode ser identificado pelaterminação verbal. Apresenta-se de duas formas:- com o verbo na 3a pessoa do plural (Roubaram meu carro.)- com o verbo na 3a pessoa do singular, seguido da partícula se. (Precisa-se de vendedores.)e) Oração sem sujeito (Sujeito inexistente) é formada apenas pelo predicado e articula-se a partir deum verbo impessoal. Observe a estrutura destas orações: Sujeito Predicado - Havia formigas na casa. - Nevou muito este ano em Nova Iorque. É possível constatar que essas orações não têm sujeito. Constituem a enunciação pura e absoluta de um fato, através do predicado. O conteúdo verbal não é atribuído a nenhum ser, a mensagem centra-se no processoverbal. Os casos mais comuns de orações sem sujeito da língua portuguesa ocorrem com:
  2. 2. a) Verbos que exprimem fenômenos da natureza:Nevar, chover, ventar, gear, trovejar, relampejar, amanhecer, anoitecer, etc.Choveu muito no inverno passado.Amanheceu antes do horário previsto.Observação: quando usados na forma figurada, esses verbos podem tersujeito determinado.Choviam crianças na distribuição de brindes. (crianças=sujeito)Já amanheci cansado. (eu=sujeito)b) Verbos ser, estar, fazer e haver, quando usados para indicar uma ideia de tempo ou fenômenos meteorológicos: Ser: Fazer: É noite. (Período do dia) Faz dois anos que não vejo meu pai. Eram duas horas da manhã. (Hora) (Tempo decorrido) Fez 39° C ontem. (Temperatura) Estar: Haver: Está tarde. (Tempo) Está muito quente.(Temperatura) Não a vejo há anos. (Tempo decorrido) Havia muitos alunos naquela aula. (Verbo Haver significandoexistir)3. Tipos de PredicadoDe acordo com o tipo de informação (ação ou estado do sujeito) expressa no predicado, ele pode se apresentar de trêsformas:a) Predicado nominal: quando expressa um estado do sujeito. É formado de verbo de ligação, que liga o sujeito àcaracterística do sujeito, e predicativo do sujeito, característica do sujeito, principal informação do predicado.Ex.: Lucas está doente.b) Predicado verbal: quando expressa uma ação do sujeito. É formado por um verbo significativo, que pode serintransitivo ou transitivo. Nesse último caso, o verbo é acompanhado pelo objeto, que completa seu sentido Ex.: Obebê acordou.Júlia comprou sapatos novos.c) Predicado verbo-nominal: quando expressa uma ação e um estado do sujeito. É formado por um verbosignificativo (transitivo ou intransitivo) e um predicativo do sujeito.Ex.: Marcos chegou na escola atrasado.4. Predicação VerbalDe acordo com o sentido expresso pelos verbos, eles podem ser:a) de ligação: utilizados no predicado nominal, expressam estado do sujeito.Ex.: Lúcia é muito inteligente.Meu pai continua doente.João anda nervoso ultimamente.b) intransitivos: utilizados nos predicados verbal ou verbo-nominal, têm seu sentido completo e não necessitam deum complemento para que se entenda a ação por eles expressa.Ex.: A plantinha morreu por falta de água. (Mesmo sem dizer a causa – por falta de água -, é possível entender a açãodo verbo – morrer)c) transitivos diretos: utilizados nos predicados verbal ou verbo-nominal, não têm sentido completo, e precisam deum complemento, chamado de objeto direto, ao qual se ligam sem a necessidade de uma preposição.Ex.: Garfield adora lasanha. (adora: verbo transitivo direto; lasanha: objeto direto)d) transitivos indiretos: utilizados no predicado verbal, não têm sentido completo, e precisam de um complemento,chamado de objeto indireto, ao qual se ligam por meio de uma preposição.Ex.: Soninha gosta de chocolate. (gosta: verbo transitivo indireto; de chocolate: objeto indireto)e) transitivos diretos e indiretos: quando necessitam de dois complementos, um objeto direto e um objeto indireto.Ex.: Minha mãe deu um relógio para meu pai. (deu: verbo transitivo direto e indireto; um relógio: objeto direto; parameu pai: objeto indireto)5. Adjunto AdverbialO adjunto adverbial é uma palavra ou expressão que amplia o sentido de um verbo, indicando circunstâncias detempo, lugar, modo, causa, finalidade, dúvida etc.Ex.: Moro em Tupã desde 2006. (em Tupã: adjunto adverbial de lugar; desde 2006: adjunto adverbial de tempo)

×