Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Iconografia budista

135 views

Published on

Arte Budista.

Published in: Art & Photos
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Iconografia budista

  1. 1. Iconografia Budista Em Samjusangen-do um templo budista do Japão existe uma estátua curiosa do bodisatva Avalokitesvara. Essa estátua representa o botisatva da compaixão que na China é conhecida como Guanyin e no Japão como Kannon. A estatua representa Kannon com mil braços formado por mil estatuetas menores cada uma representando uma pessoa que a bodisatva retira do sofrimento do samsara. Quase todas as mil estatuas ainda encontram-se intactas já que o material utilizado para a criação da obra foi madeira de cipreste japonês. Além das cerca de mil estátuas existem ainda vinte e oito estátuas que representam divindades guardiãs, e as estátuas dos deuses xintoístas Raijin e Fujin. A obra foi concluída no ano 1164 no reinado do Imperador Go-Shirakawa no Período Heian da história nipônica. As estátuas de Kannon sentada, as mil estátuas de Kannon em pé, os 28 Guardiões, Raijin e Fujin são todos Tesouros Nacionais do Japão. Os 28 Guardiões de Avalokitesvara: Nijūhachibushū ou Ninju-Hachibushu, do japonês “espíritos”, são os vinte-e-oito (28) guardiões de Senju Kannon (em sânscrito Avalokitesvara, em mandarim Guanyin). Os 28 Guardiões são um grupo de divindades que acompanham a bodisatva Avalokitesvara e fazem parte da iconografia budista mahayana. A prática de representar Avalokitesvara ou Guanyin com vinte e oito guardiões surgiu na Dinastia Tang chinesa. O Templo Budista de Sanjusangen-do em Quioto no Japão, Sanjusangen-do em japonês significa a “Sala do Rei de Lótus”. O Templo também é conhecido como Rengeouin. Os 28 Guardiões correspondem a deuses hindus que receberam nomes nipônicos, porém essas divindades não recebem nenhum culto, apenas são reproduzidos artisticamente. As 28 Divindades variam no Japão de acordo com a seita e com a religião. Os Templos que retratam Kannon e os Guardiões são raros no Japão. Os principais templos nipônicos são Sanjusangendo em Kyoto, Jōroku-ji em Shiga, e Kofuku-ji em Nara. Em Nara apenas oito dos 28 guardiões ainda estão intactos. As 28 Divindades correspondem aos 4 Reis Celestiais dos Pontos Cardeais, aos 2 Reis Nio, às 8 Legiões Guardiãs do Budismo, a deuses dragões, deuses guardiões dos 6 Mundos do Budismo e a outras divindades. No total são 30 divindades destarte alguns membros de um desses grupos sejam integrantes de outros grupos, totalizando 28. Essas 28 divindades são variáveis de acordo com a seita e o templo budista. Os 28 Guardiões de Avalokitesvara em Sanjusangendo, Quito, Japão: Raijin & Fujin; Reis Nio; As Oito Legiões; Os Quatro Reis Celestiais; Outros Deuses. Raijin e Fujin: As estátuas dos deuses Raijin e Fujin, da tempestade e do vento respectivamente, não fazem parte dos 28 Guardiões de Avalokitesvara. Essas divindades xintoístas foram acrescentadas ao panteão de divindades protetoras do Budismo por serem muito populares no Japão. Raijin: deus do raio, do relâmpago e do trovão. Ele utiliza um tambor para causar tempestades e é representado portando um raio ou com um chakra com símbolos elétricos nas costas. Fujin: deus do vento e dos furacões. Ele é representado como um homem de pele escura vestindo pele de leopardo e carregando um saco onde aprisiona os ventos. Os Reis Nio: Os reis Nio são na verdade a transformação do deus hindu Vajradhara em duas divindades. Agyo é representado com a boca aberta enquanto Ungyo com a boca fechada. A boca aberta tem a finalidade de afastar os maus espíritos e a boca fechada atrair os bons. Os templos budistas da China e Japão apresentam essas duas entidades nas entradas dos recintos sagrados com objetivo de repelir o mal e atrair o bem.
  2. 2. Misshaku-Kongorikishi ou Agyo (Em sânscrito Vajradharas). Naraenkengo-o ou Ungyo (em sânscrito Vajradharas). Os Quatro Reis dos Pontos Cardeais: Os Shitenno são os quatro guardiões do Budismo que protegem contra os maus espíritos. Carregam armaduras e quatro emblemas celestiais. Os Shitenno são identificados com os quatro pontos cardeais e são liderados por Taishukuten. Os Shitenno são: Taishukuten ou Taishokuten (em sânscrito Indra): É o líder do Shitenno, sendo responsável pela proteção do centro. Tamonten ou Bishamontein (em sânscrito Vaisravana): Além de fazer parte do Shitenno, faz parte das 8 Legiões ou Guardiões do Budismo e é um dos 7 Deuses da Sorte Nipônicos. Originário da Índia é o chefe dos Yaksas e dos Rakshasas. Os Rakshasas são divindades poderosas da mitologia hindu. Rei do Norte, sua cor é a preta, reina sobre a estação do Inverno. Seu elemento é a terra e é o responsável pela saúde dos homens. Porta um Trishula ou tridente identificado com Shiva e uma pagode. As pagodes são os templos budistas e elas guardam os sutras, livros sagrados. Por isso Bishamonten é o guardião dos templos e dos livros sagrados. Jikokuten ou Jikoku (em sânscrito Dhrtarastra): É o Rei do Leste, protetor da nação e regente da primavera. Seu elemento é a água e sua cor é a azul. É o senhor dos Ghardarvas e dos Pisacas. Ele é conhecido também como Toho-ten, Tōhō-tem ou Tohoten. Zochoten (em sânscrito Virudhaka): É o Rei do Sul e senhor do verão. Seu elemento é o fogo e a cor é a vermelha. Também identificado com Kumbhanda. É o senhor da prosperidade. Em Sanjusangendo é chamado de Birubakusha-tennō. Komokuten (em sânscrito Virupaksa): É o Rei do Oeste e da estação do outono. Representa o 3º olho, a visão transcendental. Sua cor é a branca e seu elemento é o metal. Reina sobre a estação do outono. É o senhor dos nagas e dos putanas. Também é o justiceiro dos Shitenno. Também chamado de Birurokusha ou Birurokusha-tennō.
  3. 3. As Legiões de Guardiões do Budismo: As Oito Legiões guardiãs do budismo correspondem a um grupo de oito divindades de origem hindu que povoam os 6 mundos do samsara. Assim como no Ocidente existiam seres como os centauros, os titãs, os gigantes, os semideuses, as ninfas, as musas, etc.; entre os budistas e hindus existem “raças” de divindades que servem os deuses (devas). Essas divindades são os apsaras, nagas, yaksas, gandharvas, asuras, garudas, kimnaras e mahoragas. Ten (em sânscrito Deva): são os seres celestiais que habitam o 6º nível de existência, o Paraíso. Também conhecido como Gobujyōgo-ten ou Gobujou. Os Apsaras ou Tennin são os auxiliares dos devas (deuses). Ryu (em sânscrito Naga): são os dragões e serpentes liderados por Komokten. No Japão também são conhecidos como Sakararyu-ō, Shagara ou Sakara Ryuu. Konpira-ō / Yasha (em sânscrito Yaksa): são os espíritos guerreiros das matas. O líder é Tamonten. O nome da estátua na iconografia budista japonesa é Kubanda. Em Sanjusangendo Konpira-o é representado como um músico portando um instrumento musical. Kendatsuba (em sânscrito Gandharva): são os músicos, médicos e protetores das crianças na mitologia hindu. São representados pelos 12 animais do Zodíaco chinês. O líder dos Gandharvas é Jikokuten. Na imagem acima Kendatsuba é representado com o Dharmachakra símbolo do budismo conhecido como a roda dos oito caminhos. Ashura, Ashura-ō ou Shura (em sânscrito Asura): são os semideuses que disputaram com os devas o controle do universo. Os Asuras praticam o bem e o mal, e habitam o 4º nível de existência, o inferno dos guerreiros, ou Asura. Os asuras lutam contra os devas que são comandados por Taishakuten (em sânscrito Indra). Karura ou Karura-ō (em sânscrito Garuda): São os homens-águia. Os Garudas são inimigos naturais dos dragões (nagas). Kinnara ou Kinnara-ō (em sânscrito Kimnara): são os músicos e dançarinos celestiais. Representado como homem com cabeça de cavalo. O líder dos Kimnara é Tamonten. Magoraka ou Magoraka-ō (em sânscrito Mahoraga): são os músicos que possuem corpos serpentiformes. O nome da estátua na iconografia budista é Hibakara.
  4. 4. Outras Divindades: em Sanjusangendo as outras divindades guardiãs do budismo correspondem a: Jinmo-ten, Manzensha-ō, Hippakara-ō e Konjikikujyaku-ō; Sanshitai-shō, Nandaryu-ō. Kondai-ō (essa divindade carrega uma espada apontada paralelamente ao horizonte), Mansen-ō (porta um tridente), Makeishūra-ō (essa divindade parece ser Shiva), Daibon-ten, Daibon-tenno ou Daibon-tennō; Daibenkudoku-ten ou Kichijoten (em sânscrito Lakshimi). Lakshimi é a deusa da beleza, da sorte e do mérito. Lakshimi é a deusa da fortuna da Índia, e a esposa de Vixnu. Para os budistas ela é esposa de Bishamonten e filha do Rei Dragão e Kishimojin (em sânscrito Hariti). Ela é uma das 7 Deusas da Felicidade xintoísta. Mawara-nyo ou Mawara-ō (em sânscrito Maha-bala). É uma divindade de origem hindu, mas com poucas informações sobre ela. Basu ou Basusen (em sânscrito Vasu). Basu é um eremita budista que peregrina pelo deserto salvando as pessoas que desviaram do seu caminho. Essa divindade aparece junto a Lacximi (Kichijoten). Ele é representado como um idoso carregando um livro, os segredos dos sutras, e o pergaminho é feito de fibras de folhas de palmeira.

×