Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos - FAAP - jul/2013

11,792 views

Published on

Um resumo

13 Comments
14 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
11,792
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
646
Comments
13
Likes
14
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos - FAAP - jul/2013

  1. 1. CUSTOS LOGÍSTICOS Profa. Dora Gayjutz Machado FAAP – 07/2013
  2. 2. Mini  Currículo     Profa  Dora  Machado   Ø  Especialista em Gestão de Negócios Internacionais pela FAAP e Comércio Exterior pela Aduaneiras. Graduada em Tradução Intérprete/Letras (alemão e português) pela Ibero Americana. Ø  Cursou dois anos de Teoria Organizacional com especialização em Coaching pelo Instituto Chiorlin. Ø  Certificada Master em Programação Neurolinguística pela Ápice Ø  Certificada em Coaching Sistêmico pela Sociedade Euro-Americana de Coaching Ø  Master Coach pela SEAC/ICI (International Coaching Institute) Ø  Consultora em Gestão de Pessoas, Logística e Lean Ø  Coach Organizacional e Individual e Consultora de Gestão Empresarial Ø  Palestrante e professora universitária na FAAP e UNIP em cursos de pós graduação e MBA em Supply Chain e Lean Manufaturing.
  3. 3. Custos Logísticos (Não somente de Transporte) Saiba o que são custos logísticos E como calculá-los
  4. 4. •  Custos fixos e variáveis •  Análise de curva ABC x custos de estoque x custos da “não”qualidade Objetivo de nosso encontro de hoje
  5. 5. Custos Logísticos
  6. 6. Cenário atual - resumo
  7. 7. Custos logísticos na Indústria brasileira
  8. 8. Custos logísticos na Indústria brasileira
  9. 9. Custos logísticos na Indústria brasileira
  10. 10. Custos logísticos na Indústria brasileira
  11. 11. O Que são Custos logísticos? “São todos os custos relacionados com a logística de uma empresa, entre os quais estão: Armazém (warehouse) Custos de existência (estoque) Custos de ruptura de estoque” Custos de movimentação Custos da “não” qualidade Fonte: Wikipedia (em vermelho: Dora Machado)
  12. 12. O Que o mercado nos exige hoje e sua relação com custos: A Cadeia de Suprimentos DEVE agregar valor Reduções de prazo cada vez mais agressivas Entrega com hora determinada e prazos (OTIF) Mais ferramentas de TI para facilitar informação (Sistemas ERP, EDI, web) Cada cliente tem necessidades diferentes Manter a competitividade e sobrevivência com lucro no mercado
  13. 13. Portanto: Os desafios serão cada vez maiores O desafio pela redução de custos na Cadeia de Suprimentos também será O que você está fazendo para minimizar os custos de sua empresa?
  14. 14. Supply Chain Logística Transportes Em Resumo: Resumindo
  15. 15. Funções Geradoras de Custos • Previsões • Preparação das ordens de compras • Entrega dos produtos acabados • Gestão dos estoques de produtos acabados • Estocagem no depósito de distribuição • Transporte da fábrica ao depósito • Acondicionamento e embalagem • Programa de fabricação • Estocagem na fábrica • Controle de MPs e componentes • Estocagem de MPs e componentes • Transporte de MPs e componentes • Gestão dos estoques de MPs e Componentes; • Compras Fluxo de Materiais Fluxo de Informações Nosso papel na Cadeia Produtiva atual
  16. 16. • Compras: Negociação / Interpretação das potencialidades dos fornecedores e da integração com os processos da empresa • Programação: Adequação dos recursos materiais e de processos (máquinas e mão-de-obra) • Almoxarifado: Acuracidade dos estoques / visibilidade • Vendas: Interpretação das necessidades do cliente / “link” com capacidades da empresa / comunicação / buscar o “Fluxo Puxado” Nosso papel na Cadeia Produtiva atual
  17. 17. GASTOS CUSTOS DESPESAS PERDAS Transforma ativos (estoques, Imobilizado via depreciação, MO fabril, etc.) “Esforço para gerar receitas”(despesas comerciais, administrativas, financeiras e de suporte em geral – MOI) “Econômico” – “Paga-se sem ver”. Advindas de Ociosidade de MO, maquinário, Materiais vencidos etc. Somatório Conceito de Custos
  18. 18. Impacto na Análise de custos Má qualidade da informação pode gerar impactos Analisar tópicos relevantes, separadamente. Ex.: •  Distribuição de Clientes por faixa de rentabilidade •  Distribuição de modais de frete e distâncias •  Detalhamento dos custos das diversas áreas da Cadeia de Suprimentos (Armazém, Estoques, Estoques intermediários – WIP, Ruptura de Estoques, Custos de Movimentação e da “Não” qualidade
  19. 19. Gerenciamento de Custos Logísticos Como definir e calcular 1. Identificar os processos-chave Criar os pontos de controle e KPIs Criar ferramentas gerenciais para medir cada um Definir periodicidade da análises E se será a curto, médio ou longo prazo 2. Todos envolvidos devem conhecer bem os processos a serem medidos e também as limitações e pontos de atenção de cada um 3. Garantir que todos os envolvidos não percam o foco Definição de um Sponsor é aconselhável
  20. 20. Gerenciamento de Custos Logísticos Como definir e calcular 4. Dentro dos processos chave, obrigatoriamente analisar os três principais macro processos: 1.  Suprimentos e Armazém (não focar em fornecedores só mais baratos) è verificar lotes mínimos de compra possibilitando possíveis descontos, política de estoques, menos índice de devolução do fornecedor, maior disponibilidade e flexibilidade etc) 2.  Produção (simulação de políticas de Produção, alocação correta de custos por produto, custear e medir produtividade por célula, produto, cliente e fornecedor
  21. 21. Gerenciamento de Custos Logísticos Como definir e calcular 3.  Distribuição (todas as atividades ligadas à saída da linha de produção até a entrega do produto ao Cliente, rastreamento dos custos, utilização do FIFO, ter detalhados os custos por canais de distribuição, por família de produto, por célula, por cliente etc) è todas os detalhes relevantes para minimizar falhas ou desvios de custos, inclusive nível de serviço, se forem aplicadas multas por não cumprimento de metas
  22. 22. Custos Fixos Diretos Gastos que transformam ativos e que podem ser apropriados diretamente ao produto ou serviço. Custos Indiretos: Gastos que transformam ativos, ocorridos no ambiente fabril, mas que para serem incorporados aos produtos ou serviços utilizam critérios de rateio. Exemplo: Aluguel, energia elétrica para iluminação etc. Custos Variáveis: Gastos que transformam ativos e que variam proporcionalmente aos volumes de produção. → → → Mensurável em $ (produção, WIP, tempo, MOD, software) – normalmente são custos variaveis. Classificação de custos fixos e variáveis
  23. 23. Diferença entre Custos e Despesas Custo è todo gasto relativo a fábrica (D ou I): Matéria-prima (MP), mão-de-obra MO), gastos gerais de fabricação (GGF) Custo Direto (D) e Indireto (I): Direto è MP, MOD (funcionários de centros produtivos) Indireto è MOI (funcionários que prestam serviço para as células produtivas), ex.: manutenção, ferramentaria, gerência, planejamento etc. Despesaè todo gasto relativo a administração, ao comercial e financeiro Fixos è o que não varia conforme o volume de produção (produção ou vendas) Variáveis è o que varia conforme o volume de produção oscila (produção ou vendas)
  24. 24. Conjugação dos custos totais com as receitas totais; No ponto de Equilibrio não há lucro, nem prejuizo; Até esse ponto, a empresa está tendo mais custo do que receitas. Acima, entra na faixa de lucro. Pode ser definido tanto em unidades físicas como em valor monetário. Ponto de equilíbrio
  25. 25. Equação de Equilíbrio Significa que a Receita Total é igual a soma do Custo Total e da Despesa Total. RT = (CUSTO + DESPESA) TOTAL Ponto de equilíbrio
  26. 26. Sistemas de Custeio Custeio por absorção Custeio direto ou variável Custeio pleno ou integral Custeio padrão Unidade de Esforço de Produção (UEP) Custeio baseado em Atividades - ABC Fonte: http://tecnosulconsulting.com.br/wp-content/uploads/ 2 0 1 1 / 0 9 / U M - E S T U D O - S O B R E - A - U T I L I Z A %C3%83%C2%87%C3%83%C2%83O-DE-SISTEMAS-DE- CUSTEIO-EM-EMPRESAS-BRASILEIRAS.pdf
  27. 27. •  Mais utilizado no Brasil •  Exigido pela legislação fiscal às indústrias •  Sistema implementado no inicio do século passado, quando os custos preponderavam sobre as despesas •  Apura classicamente custos diretos e indiretos, sendo as despesas registradas na apuração de resultados, não sendo consideradas na apuração de gasto de um produto •  Utiliza critérios de rateios para apuração dos custos indiretos •  Não se preocupa muito em distiguir custos fixos de variáveis Sistemas de Custeio – Custeio por Absorção
  28. 28. Ø “Activity Based Costing” é uma abordagem que analisa o comportamento dos custos por atividade, estabelecendo relações entre atividades e o consumo de recursos, independente de fronteiras departamentais, permitindo a identificação dos fatores que levam a ou empresa a incorrer em custos em seus processos de pferta de produtos e serviços de atendimento a mercado e clientes Ø Sistema mais moderno utilizado, desenvolvido na década de 60, e com início de utilização nos EUA e Europa nos anos 80 è mais moderno, voltado às necessidades gerenciais; Ø “A implementação é trabalhosa (mapeamento de atividades e levantamentos de dados) Ø O funcionamento é simples Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC
  29. 29. Ø Como é voltado para as necessidades gerenciais, permite apresentar as seguintes vantagens: •  Visão de processos e orientação para as atividades da empresa •  Alocação de custos indiretos mais criteriosa •  Controle e monitoramento voltado para atividades – gerenciamento mais eficiente dos processos •  Flexibilidade para trabalhar com vários tipos de custos (dos produtos, serviços, dos fornecedores, dos clientes etc) •  Facilita minimizar os custos da Cadeia de Suprimentos porque foca o controle deles, em várias frentes Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC
  30. 30. Análise por Atividade Planejar compras Selecionar fornecedores Processar pedidos Receber material Atividades Suprimentos Processo Tarefas • Análise plano de produção • Análise histórico • Análise de mercado • Cadastrar Fornecedores • Cotar compras • Atualizar cadastro • Analisar fornecedores • Cadastrar Fornecedores • Cotar compras • Atualizar cadastro • Analisar fornecedores • Acompanhar pedidos • Conferir NF Entrada • Quantidade x pedido • Controle de qualidade • Efetuar devolução • Tratar divergências Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC
  31. 31. Atividades Gastos Base FinanceiraA B C D E F G H I J Atividades 1 10% 40% 50% 35% 30% 40% 10% Atividades 2 10% 25% 30% 30% 10% atividades 3 35% 25% 50% 25% 25% Atividades 4 50% 5% 25% 15% 10% 5% 50% Atividades 5 15% 30% 75% 40% 15% 30% Atividades 6 30% 25% 30% 25% 15% 30% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% $ 90.000 Custeio de Atividades Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC
  32. 32. Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC Atividade Total Total do consumo acumulado da atividade % sobre valor total acumulado(%) Classificação ordenada(5) 5 840,00 840,00 45,06 1 3 323,96 1.163,96 62,44 2 2 178,50 1.342,46 72,02 3 1 148,83 1.491,29 80,00 4 9 97,28 1.588,57 85,22 5 6 71,88 1.660,45 89,07 6 4 71,76 1.732,21 92,92 7 10 64,80 1.797,01 96,40 8 7 35,20 1.832,21 98,29 9 8 31,92 1.864,13 100,00 10
  33. 33. Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC ITENS A ITENS B ITENS C QTDE ITENS 20% 30% 50% 100% VALOR ($) 65% 25% 10% 100% Lembrando o bom e velho pareto:
  34. 34. Diferenciais do ABC: Ø Identifica as reais fontes geradoras de custos; Ø Permite maior visibilidade e comparabilidade de custo das atividades Ø Identifica os custos por linha de produtos Ø Identifica processos fundamentais para a empresa e o volume de recursos consumidos; Ø Identifica e classifica as atividades que agregam e que não agregam valor; Ø Atua como instrumento de integração das áreas; Ø Cria possibilidade de gestão de custos na fonte; Ø Atua como base para Benchmarking / Kaizen; Ø Base para decisões de terceirização; Ø Dissemina cultura voltada para um novo processo de gestão e visualização dos custos. Competividade Sistemas de Custeio – Custeio por Atividade è ABC
  35. 35. a cadeia de suprimentos não é tão simples como parece… Conclusão da Sessão Anterior:
  36. 36. ü Gestão dos fornecedores externos – pesquisa de fornecedores potenciais e estabelecimento do “Protocolo Logístico” ü Processo de compras e contratações – negociação e processos administrativos de aquisição ü Operação de Armazém – recebimento, estocagem, processos de “picking” e embalagem ü Gestão dos inventários – conciliações e análises de comportamento (“Pareto ou ABC”) Outros custos logísticos
  37. 37. ü Abastecimento das linhas de produção – gestão dos estoques nas áreas produtivas tanto de materiais produtivos como auxiliares de produção ü Engenharia – gestão do número de “SKUs” (“storage keeping units”), definição dos tempos de processo, definição dos tempos e recursos de “set up”, definição dos meios e processos adequados de movimentação, armazém, estoques e embalagem ü Produção / operação: gestão das movimentações internas durante o processo produtivo Outros custos logísticos
  38. 38. ü Manutenção – gestão dos ítens de reposição de partes e peças de dos equipamentos produtivos e auxiliares de produção ü Pós-venda e assistência técnica - gestão dos ítens de partes e peças para instalação e/ou reposição dos produtos vendidos ü Gestão dos clientes externos – identificação das particularidades logísticas dos clientes e necessidade de recursos para adequação, com definição do “Protocolo Logístico” Outros custos logísticos
  39. 39. Atividades Ø Emitir pedido de venda Ø Processamento de devoluções Ø Mudança de projeto Ø Aplicação de códigos Ø Programação Ø Análise de qualidade Ø Executar testes Gerador de Custos Ø Número de pedidos Ø Número de devoluções Ø Número de mudança do projeto Ø Número de horas de codificação Ø Número de ordens/projetados Ø Número de análises Ø Número de testes. Exemplos de como medí-los
  40. 40. Para o cálculo do Custo da Cadeia Logística: ü Analise a descrição das atividades desenvolvidas em cada centro de custo para cada um dos produtos que demandem atividades diferenciadas; ü Determine o “direcionador” de custo em cada atividade; ü Calcule o custo de cada atividade; ü Calcule o custo do processo. Exemplos de como medí-los
  41. 41. Custos de Estoques: Compreende o total dos custos que compõem o conjunto de atividades necessárias ao planejamento, aquisição, manutenção, operações de manuseio, gestão e “não qualidade” dos estoques. Custos de estoque / Armazém
  42. 42. Custos de estoque / Armazém Maioria são fixos e indiretos: Aluguel, MOD, depreciação de equipamentos e instalações Mais difíceis de alocar e gerenciar Muitos são propocionais à capacidade instalada: •  Espaço físico, equipamentos de manutenção, pessoal e tecnologia •  Existem, independentemente do uso
  43. 43. Custos de armazém: Associados à armazém físico, incluindo a necessidade de condições especiais como climeização e iluminação, bem como as decorrentes de todas as operações necessárias à manipulação dos estoques. Custos de ineficiência da produção: Decorrentes de “falha da percepção” sobre a eficácia da produção em função de elevados níveis dos estoques. Custos de estoque / Armazém
  44. 44. Custos de obsolescência: São os custos decorrentes da perda de validade de um produto ou da alteração de suas características, podendo interferir nas características do produto final. Custos de estoque / Armazém
  45. 45. Política de estoque Extremamente importante definir a política internamente Imprescindível definir metas e variáveis para: -  Itens A, B e C -  Itens descontinuidades -  Itens “slow mover) -  Itens obsoletos Detalhes: dora.machado@globo.com Custos de estoque / Armazém
  46. 46. Custos da ruptura de estoque: São os custos incorridos resultantes da falha de fornecimento ou gestão, acarretando: •  Necessidade de “compras urgentes” •  Custos extra de fretes •  Potencial de falha no atendimento ao cliente •  “Sobre custos” de produção etc. Custos de estoque / Armazé
  47. 47. 1 - Buscar identificar junto ao fornecedor operações às quais ele tenha maiores facilidades e que impactem positivamente na logística interna. Ø Operações específicas Ø “Garantias” que reduzam atividades de inspeção dos produtos (Qualidade Assegurada) 2 – O nível de serviço denota confiabilidade que permita a redução dos níveis de estoques, resultando: Ø Cumprimento de quantidades pedidas Ø Prazos aderentes Ø Condições de entrega e qualidade Ø Identificação correta do material Custos de estoque / Armazém/ Ruptura de abastecimento
  48. 48. Custos da “não” qualidade Retrabalho por problema interno ou externo (produção ou fornecedor) Multa por atraso em entrega (OTIF) Bloqueio pela Qualidade e ruptura no estoque Qualquer outro retrabalho: refazer embalagem, recontar, reabastecer, reembarcar etc).
  49. 49. Custos da “não” qualidade Também fazem parte os retrabalhos com: •  Hora / homem / máquina parados •  Matéria-prima •  Mão de obra •  Custos administrativos •  Custos do produto
  50. 50. Clientes Planejamento Integrado Relações/Alianças com Parceiros Administração dos Resultados Fluxo de Gerenciamento Planejamento Distribuição Transporte Ponto de Venda Fluxo de materiais Sinalização/Percepção da Demanda Fornecedores Fábricas Relação do nível de serviços X Custos
  51. 51. Indicadores Chave de Desempenho ou “KPIs” – “Key Performance Indicators” são índices estabelecidos e calculados para gerenciamento de atividades, devendo ser sempre comparado com históricos e/ou metas estabelecidas. “As medidas definem o comportamento”! Indicadores equivocados induzem a comportamentos que interferem no lucro! Indicadores de Desempenho
  52. 52. O Custo Logístico é o maior componente do custo total de uma empresa A contabilidade normalmentenão calcula o custo da cadeia logística Cada empresa deve analisar as suas atividades logísticas para determinar as contas que são significativas em sua estrutura Atenção prioritária com eles ! Conclusões
  53. 53. Bibliografia: • Administração da Produção / Nigel Slack , Edição Compacta, 1a. Edição - São Paulo, Ed. Atlas, 1999; • Gestão de Custos Logísticos / Ana Cristina de Faria, Maria de Fátima Gameiro da Costa – São Paulo, Ed. Atlas, 2005; • ABC: Custeio Baseado em Atividades / Masayuki Nakagawa, 2a. Edição – São Paulo, Ed. Atlas, 2001 • E sites mencionados nos slides
  54. 54. Contatos e dúvidas Emails: dora.machado@globo.com dora.machado@supplyempresarial.com.br Sites e Blogs: Ø www.supplyconsultoria.com.br Ø www.doramachadologistics.blogspot.com Ø www.doramachado.blogspot.com Ø www.lifelearning.com.br 55

×