O ESCUDO
Cantor: Voz da Verdade
Por toda a minha vida,
Ó senhor, te louvarei
Pois meu fôlego é a tua vida,
E nunca me cansarei
Posso ouvir a tua voz,
É ma...
Já vi fogo e terremotos,
vento forte que passou
Já vivi tantos perigos,
mas tua voz me acalmou
Tu dás ordem às estrelas,
e...
Não há ferrolhos, nem portas
que se fechem Diante da tua voz
Não há doenças, nem culpa
Que fiquem de pé diante de nós.
E a...
Já vi fogo e terremotos,
vento forte que passou
Já vivi tantos perigos,
mas tua voz me acalmou
Tu dás ordem às estrelas,
e...
Não há ferrolhos, nem portas
que se fechem Diante da tua voz
Não há doenças, nem culpa
Que fiquem de pé diante de nós.
E a...
Não há ferrolhos, nem portas
que se fechem Diante da tua voz
Não há doenças, nem culpa
Que fiquem de pé diante de nós.
E a...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O escudo voz da verdade

271 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
271
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O escudo voz da verdade

  1. 1. O ESCUDO Cantor: Voz da Verdade
  2. 2. Por toda a minha vida, Ó senhor, te louvarei Pois meu fôlego é a tua vida, E nunca me cansarei Posso ouvir a tua voz, É mais doce do que o mel Que me tira desta cova, e me leva até o céu
  3. 3. Já vi fogo e terremotos, vento forte que passou Já vivi tantos perigos, mas tua voz me acalmou Tu dás ordem às estrelas, e ao mar os seus limites Eu me sinto tão seguro, no teu colo, oh, altíssimo
  4. 4. Não há ferrolhos, nem portas que se fechem Diante da tua voz Não há doenças, nem culpa Que fiquem de pé diante de nós. E a tempestade se acalma Na voz daquele que tudo criou Pois sua palavra é pura Escudo para os que nele crêem.
  5. 5. Já vi fogo e terremotos, vento forte que passou Já vivi tantos perigos, mas tua voz me acalmou Tu dás ordem às estrelas, e ao mar os seus limites Eu me sinto tão seguro, no teu colo, oh, altíssimo
  6. 6. Não há ferrolhos, nem portas que se fechem Diante da tua voz Não há doenças, nem culpa Que fiquem de pé diante de nós. E a tempestade se acalma Na voz daquele que tudo criou Pois sua palavra é pura Escudo para os que nele crêem.
  7. 7. Não há ferrolhos, nem portas que se fechem Diante da tua voz Não há doenças, nem culpa Que fiquem de pé diante de nós. E a tempestade se acalma Na voz daquele que tudo criou Pois sua palavra é pura Escudo para os que nele crêem.

×