Iluminação

2,018 views

Published on

Published in: Design, Business, Technology

Iluminação

  1. 1. Aspectos Técnicos da Iluminação<br />MSc.Dorneles Daniel Barros Neves<br />
  2. 2. Estruturada aula<br />Trêsetapas<br />Ajustesnafonte de iluminação<br />Ajustesnacapturadailuminação<br />Esquemas de Iluminação<br />
  3. 3. Qual o objetivodailuminação? <br />O objetoousualuzrefletida?<br />Permitirque a câmeraregistreseuambiente<br />Funçõesestéticas<br />Criação de emoções<br />Alegria<br />Suspense<br />Simulardiaounoite<br />
  4. 4. Daluzpara o pixel<br />O CCD (charged-coupled device) transforma o brilho e a intensidadedaluzemimpulsoselétricos.<br />
  5. 5. Intensidade<br />A intensidade de umaluzpode ser medida de duasmaneiras:<br />Watts: medida de intensidade de um dispositivo de iluminação<br />Luxou Foot-Candle: medida de intensidade de luzincidente<br />
  6. 6. ConceitosIniciais<br />
  7. 7. Qualidadeda Luz<br />Luz duraoudireta<br />Iluminaumaárearelativamentepequena<br />Possui um facho de luzbemdefinido<br />Sombrasdensas e bemdefinidas<br />
  8. 8. Qualidadeda Luz<br />
  9. 9. Qualidadeda Luz<br />Luz difusa<br />Iluminaumaárearelativamentegrande<br />Facho de luzabrangente<br />Sombrassuaves e poucodensas<br />
  10. 10. Qualidadeda Luz<br />
  11. 11. Qualidadeda Luz<br />Falloff<br />“é a velocidadeque a intensidadedaluzdiminui”<br />Zettl<br />É a transição de umaáreailuminadaparaumaáreaescura<br />
  12. 12. Qualidadeda Luz<br />
  13. 13. Equipamento de estúdio<br />
  14. 14. Spot<br />Produzluzdirecional com o fachobemdefinido<br />Luz direcional (dura)<br />Iluminaumaárearelativamentepequena<br />Sombrasdensas e bemdefinidas<br />
  15. 15. Spot<br />Tipos de equipamentos<br />Spotlight Fresnel<br /> Spotlight Elipsoidal<br />
  16. 16. flood<br />Do inglês: dilúvioouinundação<br />Luz difusa<br />Iluminaumaárearelativamentegrande<br />Produzluzdifusa com o fachoabrangente<br />Sombrassuaves e poucodensas<br />
  17. 17. flood<br />Tipos de equipamentos<br />Scoop<br />Refletorem “V”<br />Fluorescente<br />
  18. 18. Acessórios<br />Suportes de tetosfixos e móveis<br />Barn Doors<br />Rebatedores<br />Gelatinas<br />Cookies<br />
  19. 19. Acessórios<br />
  20. 20. Características<br />Vantagens<br />Sistemaelétricoadequado<br />Sistema de suporte de teto<br />Limitações<br />Alto consumo de energia<br />Limitaçãonamovimentação<br />
  21. 21. Dimmer<br />É um sistema de suporte e gerenciamento de iluminação<br />“com um dimmer é possívelmanipularcadaluz, ou um grupo de luzes, paraqueimaremdeterminadaintensidade, desdedesligadasatésuapotênciamáxima” Zettl<br />
  22. 22. Dimmer<br />
  23. 23. Características<br />Vantagens<br />Permiteprogramar e salvaresquemas de iluminaçãoemsuamemória<br />Facilita o gerenciamento de diversasfontes de luz<br />Limitações<br />Aodiminuir a voltagem as lâmpadastendem a ter a suatemperatura de coralterada<br />
  24. 24. Equipamento de externas<br />
  25. 25. Spot <br />Spots com lentes<br />“Tem o seufacho de luzfocadoporlentesaoinvés de um refletor” John Jackman<br />Spots abertos<br />“permitemajustar o focomovendo a lâmpadaparafrenteouparatrás. Quandonafrentegera um fachomaisabrangente, quandoatrástorna-se um fachomaisdefinido.” John Jackman<br />
  26. 26. Spot <br />Tipos de equipamentos<br />Spot aberto<br />Fresnel portátil<br />
  27. 27. Flood<br />Essetipo de iluminação é preferívelemambientesexternosemrelaçãoaosraiosbemdefinidos de umaluz spot<br />“externasprecisam de o máximo de luzuniforme com o mínimo de instrumentos e o mínimo de consumo de energia” Zettl<br />
  28. 28. Flood<br />Tipos de equipamentos<br />Refletorem “V”<br />Softbox<br />LED<br />
  29. 29. Luz naCâmera<br />Existemalgunsmodelos de lumináriasquepodem ser embutidassobre a câmera<br />São relativamentepequenas<br />Podem ser alimentadaspelabateriadacâmeraououtrasbateriasexternas<br />Produzemumailuminaçãoplana (flat)<br />
  30. 30. Luz naCâmera<br />
  31. 31. Acessórios<br />Tripés<br />Geradores de energia<br />
  32. 32. Acessórios<br />Rebatedores<br />Barn Door<br />
  33. 33. Características<br />Vantagens<br />Portabilidade<br />Podemvariar de durasparadifusas com facilidade<br />Limitações<br />Dependem do sistemaelétricodisponívelnalocação<br />Menorintensidadeque as luzes do estúdio<br />
  34. 34. AJUSTES e Calibração<br />
  35. 35. Contraste<br />É a comparação entre a áreamaisclara e a maisescuradaimagem<br />É medido a partirdaluzrefletida<br />Determina-se a taxa de contraste<br />Diferentesmídiasreproduzemdiferentestaxas de contraste<br />OlhoHumano 1000:1<br />Película 250:1<br />
  36. 36. Contraste<br />Emgeraloslimites de contrastesestãoem 7,5 IRE e 100 IRE* paraalémdesteslimitesjáháinformaçãosendoperdida.<br />*Institute of Radio Engineers<br />
  37. 37. Contraste<br />Pode ser ajustado:<br />Alterando a intensidade das fontes de iluminação<br />Alterandooselementosmaisreflexivos<br />Ajustando a exposição<br />
  38. 38. Exposição<br />Ajustando a exposiçãopodemos:<br />Diminuir a exposição: as áreasmaisclarassãosuavisadas, masperde-se informaçãonasáreasmaisescuras<br />Aumentar a exposição: as áreasmaisescurasficammelhordefinidas, masintensifica-se o brilhoemáreasmaisclaras<br />
  39. 39. Temperatura de Cor<br />Nãopossuirelação com a temperaturadalâmpadanem com a temperaturapsicológicadacor<br />A variação de cor de umaluz<br />Kelvin (K)<br />Corpo Negro<br />Cor fria e cor quente<br />
  40. 40. Escala Kelvin<br />Maior a temperatura<br />Maispróximo dos tons de azul<br />Menor a temperatura<br />Maispróximo dos tons de vermelho<br />
  41. 41. Balanço de Branco<br />É precisodizerpara o sensor o que é branco<br />Indicando a temperatura de cordailuminaçãoutilizada<br />Apontandoparaumasuperfíciebrancaparacalibrar o sensor fotoelétrico<br />
  42. 42. Equilíbrio de cores<br />Trabalhando com fontes de diferentestemperaturas de cor<br />Pode-se usargelatinasparaazuisouâmbarparaequilibar as cores<br />Pode-se ajustar o dimmer paracorrigir a temperatura de cor das lâmpadas<br />Uso de cores dominantes<br />Esperarpelahoracerta<br />
  43. 43. Esquemas de Iluminação<br />
  44. 44. Direção<br />As posiçõesque as fontes de iluminaçãoassumememrelação à câmerapermitemlançar e/oucontrolarsombras e contribuipara a ilusão de profundidade<br />
  45. 45. Luz chave<br />É a principal fonte de iluminação<br />
  46. 46. Luz chave<br />É a principal fonte de iluminação<br />
  47. 47. Luz de fundo<br />A luz de fundopermiteseparar a figura do fundo<br />
  48. 48. Luz de fundo<br />A luz de fundopermiteseparar a figura do fundo<br />
  49. 49. Luz de preenchimento<br />Emposiçãoopostadaluzchave a luz de preenchimento tem o objetivo de diminuir a densidade das sombrascriadaspelaluzchave<br />
  50. 50. Luz de preenchimento<br />Emposiçãoopostadaluzchave a luz de preenchimento tem o objetivo de diminuir a densidade das sombrascriadaspelaluzchave<br />
  51. 51. Luz de set<br />Ilumina o plano de fundoou set. Geralmente assume a mesmadireçãodaluzchave.<br />
  52. 52. Luz de set<br />Ilumina o plano de fundoou set. Geralmente assume a mesmadireçãodaluzchave.<br />
  53. 53. Iluminaçãoplana (flat)<br />A luzchavefica no eixodacâmera/assunto.<br />
  54. 54. Iluminaçãoplana (flat)<br />
  55. 55. Sol comoluzChave<br />Para suavizar as sombrascriadaspelo sol um rebatedorpode ser utilizadocomoluz de preenchimento<br />
  56. 56. Sol comoluz de fundo<br />Quandocapturandoimagens contra o sol utiliza-se umaluz de preenchimentoourebatedorparasuavizar as sombras<br />
  57. 57. Conclusão<br />
  58. 58. Conclusão<br />“o controle das propriedadestécnicas e estéticasdaluz é umadiferença entre a produção de imagememnívelamador e profissional. Esteja-se construindoumaconfiguração de iluminação num estúdiooutendo o olho e a paciênciaparacapturar a luz natural perfeita, a iluminação é umaciência e uma arte quelevaanos de práticaparadominar” <br /> Roberts-Breslin<br />
  59. 59. Bibliografia<br />BONÁSIO, Valter. Televisão: Manual de Produção e Direção. Leitura. 2002<br />JACKMAN, John. Lighting for Digital Video and Television. Elsevier. 2010.<br />ROBERTS-BRESLIN, Jan. Produção de Imagem e Som. Campus. 2009<br />ZETTL, Herbert. Television Production Handbook. Wadsworth. 2009<br />
  60. 60. slideshare<br />www.slideshare.net/dodaneves<br />

×