Roma2 república

1,308 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,308
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Roma2 república

  1. 1. EM 509 A.C., O REI TARQUÍNIO, O SOBERBO, DE ORIGEM ETRUSCA, FOI DERRUBADO POR UMA CONJURAÇÃO PATRÍCIA DO SENADO, QUE QUERIA PÔR FIM À INTERFERÊNCIA REAL NO PODER LEGISLATIVO. TARQUÍNIO GOVERNAVA DE FORMA DESPÓTICA, ANULANDO, DESTE MODO, OS ANSEIOS DOS PATRÍCIOS DE PARTICIPAÇÃO POLÍTICA. TERMINOU, ASSIM, A REALEZA ROMANA. REPÚBLICA 509 a.C. A 27 d.C.
  2. 2. NASCE ENTÃO A REPÚBLICA EM ROMA, NO QUAL O PODER DO SENADO SOBREPUNHA-SE AOS DEMAIS. O SENADO, TRANSFORMADO EM ÓRGÃO MÁXIMO DA REPÚBLICA, CONTROLAVA TODA A ADMINISTRAÇÃO, AS FINANÇAS, ALÉM DE DECIDIR PELA GUERRA OU PELA PAZ. SOMENTE OS PATRÍCIOS TINHAM ACESSO A ESSE ÓRGÃO LEGISLATIVO. O PODER EXECUTIVO, POR SUA VEZ, FICAVA A CARGO DAS SEGUINTES MAGISTRATURAS . CÔNSULES: EXERCIAM O PODER EXECUTIVO, ERAM ELEITOS PARA O MANDATO DE UM ANO, PROPUNHAM AS LEIS E PRESIDIAM AS ASSEMBLÉIAS E O SENADO; . PRETORES: RESPONSÁVEIS PELA APLICAÇÃO DA JUSTIÇA; . CENSORES: VIGIAVAM A CONDUTA MORAL DO CIDADÃO E FAZIAM O RECENSEAMENTO DA POPULAÇÃO; . EDIS : ENCARREGADOS DA CONSERVAÇÃO PÚBLICA, ABASTE-CIMENTO DA CIDADE E DO POLICIAMENTO; REPÚBLICA 509 a.C. A 27 d.C.
  3. 3. . QUESTORES: ADMINISTRAVAM O DINHEIRO PÚBLICO; . TRIBUNOS DA PLEBE: MAGISTRATURAS QUE SURGIRAM EM CONSEQÜÊNCIAS DAS LUTAS PLEBÉIAS POR REFORMAS SOCIAIS. PODIAM VETAR AS LEIS CONSIDERADAS LESIVAS AOS INTERESSES DA PLEBE. SENADO, PRINCIPAL ÓRGÃO POLÍTICO AS ASSEMBLÉIAS: . CENTURIAL: VOTOS . CURIAL: ASSUNTOS RELIGIOSOS . TRIBAL: ESCOLHA CREDORES E EDIS <ul><li>GRANDE PARCELA DA SOCIEDADE ROMANA ERA CONSTITUÍDA POR PLEBEUS DURANTE A REPÚBLICA. </li></ul><ul><li>A MARGINALIZAÇÃO E O DESCON-TENTAMENTO, DO INÍCIO DO PERÍODO REPUBLICANO, LEVARAM AO AGRAVA-MENTO DAS LUTAS DE CLASSE EM ROMA. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>EM SINAL DE PROTESTO, EM 494 a.C., OS PLEBEUS SE RETIRAM PARA O MONTE SAGRADO, EXIGINDO REPRESENTAÇÃO POLÍTICA. COMO SUA PARTICIPAÇÃO NA ECONOMIA E NO EXÉRCITO ERA DE EXTREMA IMPORTÂNCIA, OS PATRÍCIOS RESOLVERAM ATENDER AOS PLEBEUS, QUE GANHARAM REPRESENTAÇÃO ATRAVÉS DE DOIS TRIBUTOS DA PLEBE. </li></ul><ul><li>EM 450 a.C. APÓS OUTRAS REVOLTAS PLEBÉIAS, OS PATRÍCIOS CONVOCARAM OS DECÊNVIROS, DEZ JURISTAS NOMEADOS PARA REDIGIR AS LEIS, O RESULTADO FOI A LEI DAS DOZE TÁBUAS. </li></ul><ul><li>EM 367 a.C. FORAM ADOTADAS AS LEIS LICÍNIAS E LOGO APÓS A LEI CANULÉIA. </li></ul>
  5. 5. AS TERRAS DO LÁCIO ERAM FÉRTEIS E RICAS E, POR ISSO, ATRAÍAM OS POVOS VIZINHOS, ALÉM DO QUE A PROSPERIDADE DA PRÓPRIA CIDADE DE ROMA TAMBÉM ERA UM FATOR DE ATRAÇÃO PARA POVOS QUE PASSAVAM A OBJETIVAR A CONQUISTA DE ROMA. DE UMA SIMPLES CIDADE-ESTADO PASSOU A SER A SENHORA DE UM VASTO IMPÉRIO QUE ABRANGIA TERRAS EM 3 CONTINENTES. EM SUAS ORIGENS ROMA NÃO FOI UMA POTÊNCIA IMPERIALISTA. SUAS PRIMEIRAS CONQUISTAS TERRITORIAIS FORAM CONSEQÜÊNCIA DE GUERRAS DEFENSIVAS QUE ELA FOI OBRIGADA A FAZER PARA PRESERVAR SUA INTEGRIDADE TERRITORIAL E SUA INDEPENDÊNCIA. EXPANSIONISMO DE ROMA
  6. 6. A PARTIR DE 510 a.C., ROMA DEDICA-SE À CONQUISTA DE TODA A PENÍNSULA ITÁLICA . EM 264 a.C., O INTERESSE PELO DOMÍNIO DA SICÍLIA COLOCA ROMA EM CONFLITO COM CARTAGO , DANDO INÍCIO ÀS GUERRAS PÚNICAS (264 -201 a.C.) EXPANSIONISMO DE ROMA
  7. 7. UMA VEZ COMPLETADA A CONQUISTA DA ITÁLIA, ROMA PROCUROU INTEGRAR OS SEUS DOMÍNIOS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM EFICIENTE SISTEMA DE ESTRADAS PARA FACILITAR O DESLOCAMENTO DE TROPAS, BEM COMO A CIRCULAÇÃO COMERCIAL. CADA TERRITÓRIO RECEBIA DE ROMA UM ESTATUTO PARTICULAR QUE REGIA AS RELAÇÕES ENTRE CONQUISTADOS E CONQUISTA-DORES. EM CONSEQÜÊNCIA DE HAVER CONQUISTADO TODA A PENÍNSULA ITÁLICA, ROMA PASSOU A EXERCER, INEVITAVELMENTE, UM IMPORTANTE PAPEL NO COMÉRCIO DO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL, INCLUSIVE PORQUE PASSOU A CONTROLAR O PRÓSPERO COMÉRCIO ATÉ ENTÃO NAS MÃOS DOS ETRUSCOS E DOS GREGOS DA MAGNA GRÉCIA. ESSA PRESENÇA COMERCIAL DE ROMA NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL ERA CONTRÁRIA AOS INTERESSES DE CARTAGO , COLÔNIA FENÍCIA DO NORTE DA ÁFRICA. EM CONSEQÜÊNCIA DESSE CHOQUE DE INTERESSES, VAMOS VERIFICAR A OCORRÊNCIA, ENTRE ROMA E CARTAGO, DAS CHAMADAS GUERRAS PÚNICAS (A PALAVRA PÚNICA VEM DE &quot; PUNEI &quot; = DESCENDENTE DOS FENÍCIOS).
  8. 8. GUERRAS PÚNICAS Iª GUERRA PÚNICA (264 a.C. A 241 a.C.), ROMA E CARTAGO SÃO CHAMADAS PARA AJUDAR A CIDADE DE MESSINA, NA ILHA DE SICÍLIA, AMEAÇADA POR HIERO II, REI DE SIRACUSA. OS ROMANOS, PARA EXPULSAR OS CARTAGINESES DA ILHA, PROVOCAM A GUERRA E SAEM VITORIOSOS. IIª GUERRA PÚNICA (218 a.C.-201 a.C.), CARTAGO AMPLIA SEU PODER PARA COMPENSAR A PERDA DA SICÍLIA. COMANDADAS POR ANÍBAL AS TROPAS CARTAGINESAS TOMAM SAGUNTUM, CIDADE ESPANHOLA ALIADA DE ROMA: É A DECLARAÇÃO DE GUERRA. DURANTE ESSA CAMPANHA FICA CEGO DE UM OLHO E PERDE METADE DE SEUS HOMENS. MESMO ASSIM CHEGA ÀS PORTAS DE ROMA. A FALTA DE REFORÇOS E O CERCO DE CARTAGO PELAS FORÇAS ROMANAS O OBRIGAM A VOLTAR PARA DEFENDÊ-LA. VENCIDO, REFUGIA-SE NA ÁSIA MENOR, ONDE SE ENVENENA PARA NÃO SER PRESO PELOS ROMANOS. A PAZ CUSTA CARO AOS CARTAGINESES: ENTREGAM A ESPANHA E SUA ESQUADRA NAVAL, COMPROMETENDO-SE AINDA A PAGAR POR 50 ANOS PESADA INDENIZAÇÃO DE GUERRA A ROMA.
  9. 9. IIIª GUERRA PÚNICA (149 a.C. A 146 a.C) É FOMENTADA PELO PERSISTENTE SUCESSO COMERCIAL DOS CARTAGINESES, APESAR DA SUA DIMINUÍDA IMPORTÂNCIA POLÍTICA. UMA MENOR VIOLAÇÃO DOS TRATADOS DE PAZ SERVE DE PRETEXTO PARA A TERCEIRA GUERRA. ROMA DESTRÓI CARTAGO EM 146 a.C. E VENDE 40 MIL SOBREVIVENTES COMO ESCRAVOS. A ANTIGA POTÊNCIA FENÍCIA É REDUZIDA A PROVÍNCIA ROMANA NA ÁFRICA . A PARTIR DE SUA PRESENÇA NA PENÍNSULA IBÉRICA, OS ROMANOS PASSARAM A INTERVIR NA GÁLIA, CUJA OCUPAÇÃO SÓ FOI COMPLETADA POR JÚLIO CÉSAR NO SÉCULO I a.C. ATRAVÉS DAS GUERRAS PÚNICAS E DESSAS CONQUISTAS, ROMA ESTABELECEU SUA EFETIVA HEGEMONIA SOBRE O MEDITERRÂNEO OCIDENTAL E PASSOU A SE PREOCUPAR COM O MEDITERRÂNEO ORIENTAL. FELIPE V, REI DA MACEDÔNIA, HAVIA APOIADO ANÍBAL NA SEGUNDA GUERRA PÚNICA E TAL FATO SERVIU DE JUSTIFICATIVA PARA A INTERVENÇÃO ROMANA NA PENÍNSULA BALCÂNICA.
  10. 10. CONSEQÜÊNCIAS : - LATIFÚNDIOS - MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA - ÊXODO RURAL - PLEBE EMPOBRECIDA - CRISE DA REPÚBLICA - ACÚMULO DE RIQUEZAS PRATICAMENTE TODO O LITORAL DO MEDITERRÂNEO ( O &quot; MARE NOSTRUM &quot;) PASSOU A SER ROMANO. OS ESPÓLIOS DE GUERRA AVOLUMAVAM-SE EM UM ENORME TESOURO QUE PASSOU A ESTAR QUASE QUE INTEGRALMENTE CONCENTRADO EM ROMA, EM ALGUMAS POUCAS MÃOS, E NOS COFRES DO ESTADO.
  11. 11. LUTAS CIVIS AS DISPUTAS PELO PODER POLÍTICO EM ROMA TIVERAM INÍCIO COM AS PROPOSTAS DE REFORMA APRESENTADAS PELOS IRMÃOS TIBÉRIO E CAIO GRACO , ELEITOS TRIBUNOS DA PLEBE EM 133 E 123 a.C., RESPECTIVAMENTE. A MAIORIA DOS PLEBEUS SOFREU UM VIOLENTO PROCESSO DE EMPOBRECIMENTO JÁ QUE ALÉM DE PERDER SUAS TERRAS NÃO ENCONTRAVA TRABALHO NAS CIDADES, POIS O TRABALHO ESCRAVO ERA ABUNDANTE E MUITO BARATO. A PLEBE TORNOU-SE UMA CLASSE POTENCIALMENTE REVOLUCIONÁRIA, O ESTADO ROMANO ADOTOU PARA APAZIGUÁ-LA A POLÍTICA DE PÃO E CIRCO . ESTA POLÍTICA CONSISTIA NA DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTAÇÃO BÁSICA E DIVERSÃO GRATUITA PARA AS MASSAS URBANAS DESEMPREGADAS. TIBÉRIO APRESENTOU A REFORMA AGRÁRIA , TEVE UMA FORTE REAÇÃO POR PARTE DA ARISTOCRACIA PATRÍCIA, QUE MANDOU ASSASSINÁ-LO JUNTAMENTE COM MUITOS DE SEUS SEGUIDORES. CAIO GRACO , PROCUROU TRANSFERIR AS DECISÕES POLÍTICAS DA ESFERA EXCLUSIVA DO SENADO PARA A ASSEMBLÉIA POPULAR. SEU DESTINO, NÃO FOI MUITO DIFERENTE DO DE SEU IRMÃO, UMA NOVA REPRESSÃO ARISTOCRÁTICA PÔS FIM ÀS IDÉIAS REFORMISTAS, LEVANDO-O A COMETER SUICÍDIO.
  12. 12. COLISEU
  13. 13. <ul><li>EM 60 a.C., O SENADO ACABOU ELEGENDO TRÊS FORTES LÍDERES POLÍTICOS AO CONSULADO QUE FORMARAM O PRIMEIRO TRIUNVIRATO : JÚLIO CÉSAR, POMPEU E CRASSO. </li></ul><ul><li>JULIO CÉSAR FOI PROCLAMADO DITADOR VITALÍCIO EM 44 a.C. AO RETORNAR DA ÁSIA MENOR E DO EGITO, CÉSAR FOI MORTO A PUNHALADAS EM PLENO SENADO. SUA MORTE CAUSOU GRANDE REVOLTA, FATO EXPLORADO POR MARCO ANTÔNIO UM FORTE GENERAL DE JÚLIO CÉSAR, QUE JUNTO COM OTÁVIO E LÉPIDO , FORMOU O SEGUNDO TRIUNVIRATO . </li></ul>TRIUNVIRATOS <ul><li>OTÁVIO APROVEITANDO-SE DA AUSÊNCIA DE MARCO ANTÔNIO, QUE SE ENCONTRAVA NO EGITO, TENTOU AMPLIAR SEUS PODERES. DESCONSIDEROU LÉPIDO E DECLAROU GUERRA A MARCO ANTÔNIO, O QUAL FOI DERROTADO NA BATALHA NAVAL DE ACTIUM, EM 31 a.C. E UM ANO DEPOIS SE SUICIDOU. </li></ul><ul><li>OTÁVIO RECEBEU DO SENADO O TÍTULO DE PRINCEPS (primeiro cidadão) , DEPOIS O TÍTULO DE IMPERATOR . OTÁVIO TORNOU-SE PROGRESSIVAMENTE SENHOR ABSOLUTO DE ROMA RECEBENDO ALÉM DOS DOIS TÍTULOS O TÍTULO DE AUGUSTUS , ATÉ ENTÃO INÉDITO ENTRE OS GOVERNANTES ROMANOS. </li></ul>

×