Apresentação Bragança Ciclo I

3,578 views

Published on

Ciclo I

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,578
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,555
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Bragança Ciclo I

  1. 1. Como ajudar alunos que ainda não lêem com fluência?
  2. 2. O que os alunos sabem e o que precisam aprender para ler bem? •Domínio de sistema de escrita alfabética •Capacidades de leitura
  3. 3.  O desafio é formar praticantes da leitura e da escrita e não apenas sujeitos que possam “decifrar” o sistema de escrita.
  4. 4.  A escola, com freqüência, contradiz a afirmação de que ler é compreender um texto, pois valoriza e corrige prioritariamente: a precisão na soletração, a pronúncia correta, a velocidade de “fusão” dos sons pronunciados, gramática etc.
  5. 5. Livro analisado Critério Ocorrências %Lendo e Gramática 0 2,32compreendendo Decodificação1º ano mecânica 32 74,42 Interpretação/ Compreensão 12 27 Produção 00 0,5Pensando sobre o Gramática 19 57,6texto Decodificação1º ano mecânica 08 24,2 Interpretação/ Compreensão 02 6,1 Produção 04 12,1
  6. 6. Livro Analisado Critérios Ocorrências %Pensando sobre o Gramática 21 40,4texto 5º ano Decodificação mecânica 22 42,3 Interpretação/ Compreensão 08 15,4 Produção 01 1,9 CONDE, Érica Pires. (UFPI) -
  7. 7.  Saber que o ato de ler é, antes de tudo, um processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de construção do significado do texto, a partir dos seus objetivos, do seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor , de tudo o que sabe sobre a língua: características do gênero, do portador, do sistema de escrita etc. Conhecer a natureza do processo de leitura, assim como o processo pelo qual os sentidos de um texto são construídos é condição indispensável para uma aprendizagem efetiva, quando esta pressupõe leitura de textos escritos.
  8. 8.  Rodas de leitura (para compartilhar, critérios, temáticas) Cantos de leitura e de troca de livros Leitura em voz alta pelo professor Projetos de leitura Sequências de leitura
  9. 9.  Comportamento de leitor Procedimentos de leitor Capacidades de leitura
  10. 10.  Os conteúdos relacionados à leitura são os mesmos para os diferentes ciclos e níveis de ensino. O que os diferencia é o grau de aprofundamento com que serão tratados ao longo do processo de escolaridade, em função do grau de complexidade dos textos e gêneros selecionados para o trabalho, que implicará graus de dificuldade distintos para os alunos.
  11. 11.  Como melhorar a fluência leitora dos alunos ?
  12. 12. Para que o aluno leia com fluência, é fundamental que: possua um amplo domínio das relações entre grafemas e fonemas na ortografia do Português;
  13. 13.  automatize o processo de identificação de palavras, por meio do qual, em vez de decodificar lenta e laboriosamente as unidades gráficas, o leitor apreende quase automaticamente essas unidades, em grande parte porque já construiu uma espécie de “dicionário mental” ou “léxico mental” (FAYOL, 2006) que permite tomar uma palavra não como uma nova palavra, mas como algo que já se conhece e, por isso, se reconhece;
  14. 14.  seja capaz de realizar uma leitura expressiva, que envolve uma adequada atenção aos elementos prosódicos, como entonação, ênfase, ritmo, apreensão de unidades sintáticas (KUNH e RASINSKI, 2007
  15. 15. Por meio da leitura oral de textos, os alunosevidenciem um progressivo domínio da fluência,demonstrando cada vez mais:rapidez na leitura e habilidades de :•Ler progressivamente um número maior de palavrase depois de frases;•diminuir as hesitações, regressões e repetições;•preservar as unidades sintáticas do texto;•realizar uma leitura expressiva.
  16. 16. •determinar o propósito da leitura e fazer um planejamento geralsobre sua realização: para que vou ler esse texto? tendo em vistaa finalidade, qual será a melhor forma de lê-lo?•ativar conhecimentos prévios relevantes e relacioná-los com otexto: o que eu sei sobre esse gênero de texto? o que sei sobreesse assunto? com base nesse conhecimento prévio, queperguntas faço ao texto?;
  17. 17.  fazer previsões ou antecipações, com base em saliências textuais, a respeito do conteúdos, do objetivo e da organização do texto: sobre o que o texto vai falar? qual é seu objetivo? como se organiza? em quantas e quais partes? como essas partes se relacionam ou se conectam? dirigir, com base no conhecimento prévio e em previsões, perguntas ao texto e a si mesmo;
  18. 18.  monitorar o processo de compreensão, confirmando e reformulando previsões, checando a adequação de sentidos produzidos, buscando integrar os sentidos do que já se leu com o que se está lendo no momento e utilizando procedimentos de correção da compreensão (releitura de textos e trechos; pedidos de ajuda a leitores mais proficientes);
  19. 19.  construir imagens mentais do que se está lendo, criando uma espécie de “filme”, no caso de narrativas, ou esquemas visuais, no caso de textos de natureza mais expositiva ou informativa; determinar, em função dos propósitos da leitura, as informações relevantes, desconsiderando as irrelevantes;
  20. 20.  determinar, com base do raciocínio do autor, as idéias e eventos mais importantes e estabelecer relações entre eles; tirar conclusões e inferir significados não- explícitos; reagir ao texto, decidindo: o que eu penso sobre o que li? “gostei? concordo? é engraçado? isso poderia mesmo acontecer? (CUNNINGHAM e ALLINGTON, 2003, p. 72)
  21. 21. •comparar o que se compreendeu com o que sepensava antes de ler o texto;•sumarizar ou resumir o texto;•construir representações gráficas da estrutura dotexto.
  22. 22.  Que a fluência leitora seja um objetivo permanente da formação do aluno, de modo que seja contemplado nas diversas atividades propostas, independente da modalidade organizadora ou didática das mesmas. 2. Que os projetos de leitura e as sequências didáticas cumpram a finalidade de criar contextos situacionais correspondentes a situações de leitura genuínas.
  23. 23. Que nos projetos e sequências, cada atividade de leitura:a. preveja o ensino de procedimentos que possibilitem a mobilização de capacidades do leitor proficiente;b. possibilite ao aluno tornar-se mais ágil no processamento do texto e de seu sentido, seja quando lê em voz alta, seja quando lê silenciosamente.
  24. 24. Que sejam organizadas atividades independentes com a finalidadeespecífica de constituição da fluência leitora dos alunos,considerando os aspectos envolvidos nesse processo e asnecessidades de aprendizagem dos alunos. Considerar, nesseplanejamento a necessidade de articular essas atividades aosprojetos e demais atividades previstas. Considerar, ainda, noplanejamento das atividades:a) a adequação do texto às possibilidades de leitura dos alunos:extensão, complexidade;b) a adequação do texto aos interesses temáticos dos alunos;c) a necessidade de o professor modelizar:1. procedimentos de recuperação de sentido no processo de leitura;2. procedimentos de antecipação de conteúdo temático dos textosantes da leitura, considerando: gênero, autor, lugar de publicação dotexto;3. procedimentos de antecipação de itens lexicais antes da leitura –considerando tanto a antecipação de conteúdo temático acimareferida, quanto as antecipações possíveis relacionadas a aspectosgramaticais e sintáticos – e durante a leitura.
  25. 25. Que não se perca de vista que:a) Só se constrói a fluência leitora – semântica e oral - no interior deatividades que busquem e possibilitem a compreensão do texto.b) As atividades de leitura em voz alta não são atividadesimprescindíveis para a constituição da fluência leitora, tal como acompreendemos aqui; ao contrário, a boa leitura em voz alta pode serdecorrente da fluência leitora já constituída pelo sujeito.c) A busca da compreensão do texto e a agilidade do aluno nesseprocesso é que constitui a fluência leitora, o que implica na mobilizaçãodas diferentes capacidades de leitura.d) No entanto, a leitura em voz alta – proposta em atividades em queler em voz alta tenha como finalidade apresentar um texto (dramáticoou não) a uma audiência efetiva - pode tornar-se uma boa coadjuvanteno processo de aquisição da agilidade na leitura, pelo estudo reiteradode um texto.
  26. 26. e) A leitura em voz alta possibilita ao aluno a agilidade referida, pois, umavez tendo compreendido o texto, o estudo do mesmo pode levá-lo a ler maisrapidamente (pois conhece tanto o conteúdo quanto o texto, em si),antecipando blocos maiores de palavras, o que pode ser generalizado paraoutras situações de leitura.f) Além disso, a leitura em voz alta possibilita a agilidade na identificaçãolexical (e sintática – no que se refere, por exemplo, a regências verbais, apossibilidades de organização de frases); isto porque amplia a possibilidadede antecipação textual não só na leitura em estudo, como em leiturasposteriores o que também pode ser generalizado para outras situações deleitura.g) Finalmente, a leitura em voz alta, contextualizada como exercício deleitura proficiente – ou seja, com compreensão – possibilita oaperfeiçoamento da prosódia, quer dizer, da utilização das entonações maisadequadas para a significação do texto.
  27. 27.  Ler um conto favorito para outros Fazer uma gravação de poemas para acompanhar uma coletânea. Fazer um sarau de poemas, piadas... Ler contos para alunos menores Leitura dramática /Teatro lido Leitura de curiosidades e informações interessantes.
  28. 28. Santos Dumont  Há 100 anos, ele voou no 14-Bis, o primeiro avião do mundo.Desde criança, Alberto Santos Dumont era curioso e gostava de sabercomo as máquinas funcionavam. Dá até para a gente imaginar o pequenoAlberto desmontando relógios, rádios e outras coisas para ver como erao mecanismo deles.Seu pai era um rico fazendeiro. Percebendo o interesse do filho pormecânica, mandou-o estudar na França. Foi em Paris que Santos Dumontaprendeu a criar e pilotar balões e dirigíveis, aos 19 anos.Ele inventou e dirigiu 14 deles, até que, no dia 23 de outubro de 1906,um grande grupo de pessoas assistiu, no maior entusiasmo, ao primeirovôo de um objeto mais pesado que o ar. Santos Dumont pilotou o seu14-Bis por 21 segundos a 3 metros de altura. Nascia assim o avião. (...)
  29. 29.  ObjetivosDesenvolver autonomia na leitura.Ler para se informar e comentar. PlanejamentoComo organizar os alunos? A atividade é primeiro coletiva e, depois, em duplase individual.Quais os materiais necessários? Cópias do texto para todos os alunos.Qual é a duração? Cerca de 30 minutos. EncaminhamentoSiga as orientações gerais para a leitura pelo aluno (pág. 47), itens 2 a 4.Peça-lhes que leiam em duplas e conversem sobre o que acharam mais interessantena leitura.Peça a cada dupla que comente (ou leia) o trecho que achou mais interessante.Sugira que levem os textos para casa e leiam para os familiares.
  30. 30. 1 .Selecione diferentes tipos de texto e proponha leituras com propósitosvariados. Por exemplo: a regra de um jogo simples que será jogado; uma quadrinha para ser recitada em casa; uma piada para contar aos amigos; uma reportagem de jornal ou revista para comentar com os colegas; um poema para declamar.2 .Antes de entregar as cópias dos textos para os alunos, converse a respeito do que vão ler: o que é; para que irão ler; qual o conteúdo.3. Leia para eles, solicitando que acompanhem sua leitura com o texto em mãos.
  31. 31. 4 .Diga para lerem sozinhos, em silêncio.5. Convide-os a ler em voz alta, procurando adequar a atividade às condições de cada um. Os que se sentirem mais seguros podem ler trechos maiores. Os demais podem optar por ler um trecho junto com você: você começa a ler, o aluno lê em seguida. É possível que alguns alunos se adiantem e outros se atrasem.6 .Faça pausas de vez em quando para que todos o(a) acompanhem: ajude-os a localizar um fragmento e encontrar em que ponto do texto está a leitura.7. Em outras ocasiões, interrompa sua leitura e peça a um aluno que continuea ler uma parte do conto ou da notícia; isso os incentivará a antecipar e averificar suas antecipações, considerando os indícios do texto.
  32. 32. Perguntou o discípulo ao mestre:Como nos tornamos sábios?O Mestre respondeu:Boas escolhas.E como fazemos boas escolhas?Experiência - acrescentou o Mestre.E como adquirimos experiência? -voltou o discípulo.Más escolhas - disse o Mestre

×