Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Arbitragem comercial internacional aci

1,650 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Arbitragem comercial internacional aci

  1. 1. Arbitragem Comercial Internacional - ACI FADIR/UFRGS Direito Internacional Privado II Prof. Fábio Morosini
  2. 2. Perguntas de partida <ul><li>O que é e para que serve a arbitragem comercial internacional? </li></ul><ul><li>O que o Direito Internacional Privado (DIPr) tem a ver com arbitragem comercial internacional? </li></ul>
  3. 3. Plano de exposição <ul><li>I. Conceitos básicos de arbitragem comercial internacional </li></ul><ul><li>II. Algumas relações da arbitragem comercial internacional com o DIPr </li></ul>
  4. 4. I. Conceitos básicos <ul><li>Terminologia </li></ul><ul><ul><li>Convenção de arbitragem: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cláusula compromissória </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Promessa que consta do contrato, de que as partes resolverão seus litígios por esse meio (LA, Art. 8) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Compromisso arbitral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Contrato, firmado pelas partes, que permite a instauração da arbitragem, mediante a satisfação de determinados requisitos (LA, Arts. 9-11) </li></ul></ul></ul></ul>
  5. 5. I. Conceitos básicos <ul><li>Tipos de arbitragem </li></ul><ul><ul><li>Institucional </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Instituições neutras e não-nacionais aplicam os seus próprios regulamentos em procedimentos arbitrais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Exs.: CCI (Paris); ICSID (Nova York) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Ad Hoc </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Partes não pagam custos administrativos estipulados a priori </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Procedimento arbitral conduzido de forma mais livre </li></ul></ul></ul>
  6. 6. I. Conceitos básicos <ul><li>Definição de ACI: (UNCITRAL, Art. 1.3) </li></ul><ul><ul><li>Partes com estabelecimento em Estados diferentes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Lugar situado fora do Estado no qual as partes têm seu estabelecimento: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O lugar da arbitragem </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Qualquer lugar onde deva ser executada uma parte substancial das obrigações resultantes da relação comercial ou o lugar com o qual o objeto do litígio se ache mais estreitamente ligado; </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Partes tiverem convencionado expressamente que o objeto da convenção da arbitragem tem conexões com mais de um país. </li></ul></ul>
  7. 7. I. Conceitos básicos <ul><li>Competência-competência </li></ul><ul><li>Separabilidade </li></ul><ul><li>Arbitrabilidade </li></ul>
  8. 8. I. Conceitos básicos <ul><li>Competência-competência </li></ul><ul><ul><li>Definição: Competência dos árbitros para decidirem acerca da validade e existência do acordo arbitral, inclusive sobre a sua própria competência </li></ul></ul><ul><ul><li>Normativa: UNCITRAL, Art. 16.1; CCI, Art. 6.2; LA, Art. 8, par. único </li></ul></ul><ul><ul><li>Casuística: First Option of Chicago, Inc. v. Kaplan , 514 U.S. 938 (1995) </li></ul></ul>
  9. 9. I. Conceitos básicos <ul><li>Separabilidade </li></ul><ul><ul><li>Definição: A cláusula compromissória é independente do contrato no qual ela está inserta </li></ul></ul><ul><ul><li>Normativa: UNCITRAL, Art. 16.1; CCI, Art. 6.4; LA, Art. 8 </li></ul></ul><ul><ul><li>Casuística: Prima Paint v. Flood & Conklin , 388 U.S. 395 (1967) </li></ul></ul>
  10. 10. I. Conceitos básicos <ul><li>Arbitrabilidade </li></ul><ul><ul><li>Definição: A. Subjetiva – possibilidade de um Estado ou entidade de direito público celebrar convenção de arbitragem; A. Objetiva – aptidão de um litígio ser objeto de arbitragem </li></ul></ul><ul><ul><li>Normativa: LA, Art. 1 </li></ul></ul><ul><ul><li>Casuística: Mitsubishi Motors Corp. v. Soler Chrysler-Plymouth , 473 U.S. 614 (1985) </li></ul></ul>
  11. 11. II. Algumas relações da arbitragem comercial internacional com o DIPr <ul><li>Normativa brasileira: </li></ul><ul><ul><li>Lei de Arbitragem N. 9.307, de 23 de setembro de 1996; </li></ul></ul><ul><ul><li>Protocolo relativo à cláusula de arbitragem, firmado em Genebra a 24 de setembro de 1923; </li></ul></ul><ul><ul><li>Convenção de Nova York sobre o reconhecimento e execução de sentenças arbitrais estrangeiras, celebrada em Nova York em 1958; </li></ul></ul>
  12. 12. II. Algumas relações da arbitragem comercial internacional com o DIPr <ul><li>Normativa brasileira: </li></ul><ul><ul><li>Convenção Interamericana sobre Arbitragem Comercial Internacional; </li></ul></ul><ul><ul><li>Convenção Interamericana sobre Eficácia Extraterritorial das Sentenças e Laudos Arbitrais Estrangeiros, concluída em Montevidéu em 1979; </li></ul></ul><ul><ul><li>Acordo sobre Arbitragem Comercial Internacional do MERCOSUL, de 2003 </li></ul></ul>
  13. 13. II. Algumas relações da arbitragem comercial internacional com o DIPr <ul><li>Viabilidade operacional do instituto da arbitragem: </li></ul><ul><ul><li>STF: Constitucionalidade da LA (SEC-5.828, Rel. Min. Ilmar Galvão, DJ 23/02/01) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ratificação e promulgação da Convenção de Nova York, em julho de 2002 </li></ul></ul><ul><li>Inovações da LA, especialmente Art. 2 </li></ul><ul><ul><li>AI 1111650-0 – 1 TACSP – Total Energie/Thorey (J. 24.09.2002) </li></ul></ul>
  14. 14. Bibliografia <ul><li>ARAUJO, Nadia de. Direito Internacional Privado: Teoria e prática brasileira. 4.ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008. </li></ul><ul><li>MOROSINI, Fábio. A Arbitragem Comercial como Fator de Renovação do Direito Internacional Privado Brasileiro dos Contratos. Revista dos Tribunais , São Paulo, v. 851, 2006. </li></ul><ul><li>DOLINGER, Jacob; TIBURCIO, Carmen. Direito Internacional Privado: Arbitragem comercial internacional. Rio de Janeiro: Renovar, 2003. </li></ul>

×