Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Visão Histórica Da Administração

45,789 views

Published on

Slide da matéria ADM 106 da UFV, Professor Jorge

Published in: Education, Technology, Business
  • Was a little hesitant about using ⇒⇒⇒WRITE-MY-PAPER.net ⇐⇐⇐ at first, but am very happy that I did. The writer was able to write my paper by the deadline and it was very well written. So guys don’t hesitate to use it.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Visão Histórica Da Administração

  1. 1. Capítulo 2Visão Histórica da Administração<br />A Era Industrial Clássica<br /> A Era Industrial Neoclássica<br /> A Era da Informação<br /> As Teorias Administrativas na Era Industrial Clássica<br /> As Teorias Administrativas na Era Industrial NeoClássica<br />Sumário completo deste capítulo:<br />http://www.chiavenato.com/publicacoes/catalogo_indice.asp?id=3<br />Para Manual do Professor e outros materiais de apoio acesse:http://www.chiavenato.com/tecnologia/educacional.asp<br />
  2. 2. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.2. As eras da administração no século XX<br />Era Industrial Clássica<br />1900-1950<br /><ul><li> Início da Industrialização
  3. 3. Estabilidade
  4. 4. Pouca Mudança
  5. 5. Previsibilidade
  6. 6. Estabilidade e certeza</li></ul>Administração científica<br />Teoria Clássica<br />Relações Humanas<br />Teoria da burocracia<br />Era Industrial Neoclássica<br />1950-1990<br /><ul><li> Desenvolvimento industrial
  7. 7. Aumento da Mudança
  8. 8. Fim da previsibilidade
  9. 9. INOVAÇÂO</li></ul>Teoria Neoclássica<br />Teoria Estruturalista<br />Teoria Comportamental<br />Teoria de Sistemas<br />Teoria da Contingência<br />Era da Informação<br />Após 1990<br /><ul><li> Tecnologia da Informação (TI)
  10. 10. Serviços
  11. 11. Aceleração da mudança
  12. 12. Imprevisibilidade
  13. 13. Instabilidade e incerteza</li></ul>Ênfase em produtividade<br />Qualidade <br />Competitividade<br />Cliente<br />Globalização<br />Página 35<br />
  14. 14. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.3. As abordagens tradicionais daadministraçãoda Era Industrial Clássica<br />As abordagens <br />tradicionais da <br />Administração<br />Ênfase <br />nas <br />tarefas<br />Ênfase <br />Nas<br />pessoas<br />Ênfase <br />na <br />estrutura<br />Teoria das <br />Relações Humanas<br />(1932)<br />Elton Mayo<br />Kurt Lewin<br />Organização <br />Burocrática<br />(1947)<br />Max Weber<br />1<br />Teoria <br />Clássica<br />(1911)<br />Henri Fayol<br />Administração<br />Científica<br />(1903)<br />Frederick Taylor<br />FranckGilbreth<br />Página 37<br />
  15. 15. Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial <br />Clássica<br />Ênfase nas Tarefas<br /><ul><li> Preocupação com as operações e tarefas a serem realizadas pelas pessoas que trabalham na organização.
  16. 16. Iniciada por Frederick W. Taylor. Que desenvolveu um conjunto de princípios aos quais davam o nome de Administração Científica</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />Figura 2.6 Abordagem microscópica e mecanicista <br />da Administração Científica<br />Plano de incentivo Salarial<br />Seleção<br />Científica do<br />Trabalhador <br />Determinação Maiores<br />Estudo de do método Padrão de Supervisão Máxima lucros e<br />Tempos e de trabalho produção funcional eficiência maiores<br />Movimentos (thebestway) salários<br />Lei da Condições<br />Fadiga ambientais<br /> de trabalho<br />Página 39<br />
  17. 17. Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial Clássica<br />Ênfase na estrutura<br /><ul><li> Preocupação com formação de uma rede interna de relaçõesentreosórgãosquecompõem as organizações e estabelecer um conjunto de princípiosuniversaisparaseubomfuncionamento.
  18. 18. Desenvolvidoporduas diferentes abordagens: a Teoria Clássica e a Organização burocrática</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.10. Comparação entre a Teoria Clássica e a burocracia<br />Teoria Clássica<br />Teoria da Burocracia<br /><ul><li>Ênfase nos pormenores estruturais
  19. 19. Orientação normativa e prescritiva
  20. 20. Ênfase na organização industrial
  21. 21. Abordagem dedutiva: do todo para as partes
  22. 22. Busca de meios científicos para o trabalho rotineiro
  23. 23. Ênfase nos grandes esquemas
  24. 24. Orientação descritiva e explicativa
  25. 25. Ênfase na organização burocrática
  26. 26. Abordagem indutiva: Das partes para o todo
  27. 27. Preocupação com as características e conseqüência da burocracia.</li></ul>Página 42<br />
  28. 28. Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial Clássica<br />Ênfase nas pessoas<br /><ul><li> Preocupação com o indivíduo dentro da organização.
  29. 29. Desenvolvidopela Teoria das Relações Humanas com os resultados da experiência de Hawthorne.</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />Conclusões da Experiência de Hawthorne<br />O nível de produção é resultante da integração social.<br />Comportamento social dos empregados.<br />Recompensas e sanções sociais.<br />Grupos informais.<br />Relações humanas.<br />Importância do conteúdo do cargo.<br />Ênfase nos aspectos emocionais.<br />
  30. 30. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.10. Comparação entre a Teoria Clássica e a burocracia<br />Teoria das Relações Humanas<br />Teoria Clássica<br /><ul><li> Organização como grupo de pessoas
  31. 31. Enfatiza as pessoas e grupos sociais
  32. 32. Sistemas de psicologia e sociologia
  33. 33. Autoridade descentralizada e amigável
  34. 34. Equalização do poder
  35. 35. Liberdade e autonomia do empregado
  36. 36. Ênfase nas relações humanas
  37. 37. Confiança nas pessoas e seus talentos
  38. 38. Trata a organização como máquina
  39. 39. Enfatiza as tarefas e a tecnologia
  40. 40. Adota sistemas de engenharia
  41. 41. Autoridade centralizada e dura
  42. 42. Hierarquia rígida de autoridade
  43. 43. Enfatiza regras e regulamentos
  44. 44. Acentuada divisão do trabalho
  45. 45. Enfatiza regras e regulamentos</li></ul>Página 44<br />
  46. 46. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.13. Novas abordagens da administração na Era Industrial Neoclássica<br />As novas abordagens <br />da Administração<br />Ênfase <br />na <br />estrutura<br />Ênfase no <br />ambiente e<br /> tecnologia<br />Ênfase <br />nas <br />pessoas<br />Teoria <br />Estruturalista<br />A. Etzioni<br />Richard Hall<br />Teoria <br />Comporta-<br />mental<br />Herbert Simon<br />D. McGregor<br />Teoria <br />de Sistemas<br />F.E. Kast<br />A.K. Rice<br />Teoria Neoclássica<br />Peter Drucker<br />Harold Koonz<br />Teoria da Contingência<br />P.R. Lawrence<br />Jay W, Lorsch<br />Página 45<br />
  47. 47. Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial Neoclássica<br />Ênfase <br />na <br />Estrutura<br />Teoria <br />Estruturalista<br />A. Etzioni<br />Richard Hall<br />Teoria Neoclássica<br />Peter Drucker<br />Harold Koonz<br />
  48. 48. Idalberto Chiavenato<br />Teoria Estruturalista<br />A oposição surgida entre a Teoria Clássica e a de Relações Humanas.<br />A necessidade de visualizar a organização como uma unidade social<br />A influência do estruturalismo nas ciências sociais.<br />O novo conceito de estrutura.<br />As Organizações.<br />O homem organizacional.<br />A Sociedade de Organizações. <br />
  49. 49. Idalberto Chiavenato<br />Teoria Neoclássica<br /><ul><li> Ênfase na prática da Administração.
  50. 50. Reafirmação relativa dos postulados clássicos.
  51. 51. Ênfase nos princípios gerais de Administração.
  52. 52. Ênfase nos objetivos e nos resultados.
  53. 53. Ecletismo da Teoria Neoclássica.</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />Figura 2.15. Processo administrativo como <br />um ciclo repetitivo de eventos<br />Planejamento<br />Formular objetivos<br /> e os meios para<br /> alcançá-los<br /> Resultados<br /><ul><li>Desempenho
  54. 54. Objetivos
  55. 55. Produtos
  56. 56. Serviços
  57. 57. Eficiência
  58. 58. Eficácia</li></ul> Recursos<br /><ul><li> Humanos
  59. 59. Financeiros
  60. 60. Materiais
  61. 61. Tecnológicos
  62. 62. Informação</li></ul> Controle<br /> Monitorar as<br /> atividades e<br />corrigir os desvios<br /> Organização<br />Modelar o trabalho,<br /> alocar recursos e<br />coordenar atividades<br /> Direção<br />Designar pessoas,<br />dirigir seus esforços,<br />motivá-las, liderá-las<br /> e comunicar<br />Página 46<br />
  63. 63. Idalberto Chiavenato<br />Figura 2.16. O papel do processo administrativo<br />Base de <br />Atuação<br />Definição<br />Função <br />Administrativa<br />Planejamento<br />Idéias<br />Fixar objetivos e predeterminar um curso de ação futura para alcançá-los<br />Organização<br />Coisas<br />Arranjar e relacionar o trabalho para o alcance dos objetivos fixados<br />Direção<br />Pessoas<br />Designar as pessoas e provocar a ação intencional em direção aos objetivos<br />Controle<br />Resultados<br />Assegurar o progresso em relação aos objetivos, de acordo com o planejado<br />Página 47<br />
  64. 64. Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial Neoclássica<br />Ênfase <br />nas <br />pessoas<br />Teoria <br />Comporta-<br />mental<br />Hebert Simon<br />D. McGregor<br />
  65. 65. Idalberto Chiavenato<br />Teoria Comportamental<br /><ul><li> Comportamento individual cedeu espaço ao </li></ul>comportamento grupal<br /><ul><li> Trouxe novos conceitos sobre motivação, liderança, </li></ul>comunicação, dinâmica de grupos, processo decisório,<br />Comportamento organizacional e estilos administrativos.<br /><ul><li> Teoria do Desenvolvimento Organizacional (DO)</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />As Teorias Administrativas na Era Industrial Neoclássica<br />Ênfase no <br />ambiente e<br /> tecnologia<br />Teoria <br />de Sistemas<br />F.E. Kast<br />A.K. Rice<br />Teoria da Contingência<br />P.R. Lawrence<br />Jay W, Lorsch<br />
  66. 66. Idalberto Chiavenato<br />Ênfase na tecnologia<br /><ul><li> A tecnologia representa todo o conjunto de conhecimentos</li></ul>Utilizáveis para alcançar determinados objetivos da organização<br /><ul><li> A tecnologia define a características das pessoas que devem </li></ul>trabalhar da organização<br /><ul><li> Métodos e processos usados para obter um determinando</li></ul>resultado por meio dos recursos organizacionais disponíveis<br />
  67. 67. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.17 – O impacto da tecnologia no sucesso<br />organizacional <br />Organização<br />Adequação da estrutura organizacional à tecnologia<br />Sucesso<br />organizacional<br />Tipo de <br />Tecnologia<br />Página 51<br />
  68. 68. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.18 – A influência dos fatores tecnológicos<br />e humanos<br />Fatores Tecnológicos<br />Fatores Tecnológicos<br />Fatores Tecnológicos<br />Fatores Humanos<br />Fatores Humanos<br />Fatores Humanos<br />Artesanato e manufatura<br />Mecanização <br />e automação<br />Operação de mão-de-obra intensiva<br />Operação de Tecnologia intensiva<br />Operação de Média Tecnologia<br />Exemplos:<br />Construção civil<br />Serviços de escritório<br />Linhas de montagem<br />Exemplos:<br />Petroquímica Refinaria de petróleo Processamento de dados Siderúrgica Produção de cimento<br />Exemplos:<br />Injeção de plásticos<br />Crédito e cobrança<br />Têxtil semi-automatizada<br />Página 51<br />
  69. 69. Idalberto Chiavenato<br />Ênfase no ambiente<br /><ul><li> Todas as organizações vivem dentro de um complexo </li></ul>contexto caracterizado por uma multiplicidade de outras<br />Organizações enfrentando forças diferentes que provocam <br />a mudança<br />
  70. 70. Idalberto Chiavenato<br />Teoria dos sistemas<br />Características dos sistemas.<br />Propósito ou objetivo.<br />Globalismo ou totalidade.<br />Tipos de sistemas.<br />Quanto à sua constituição: concretos ou abstratos.<br />Quanto à sua natureza: fechados ou abertos.<br />Parâmetros dos sistemas.<br />Entrada ou insumo (input).<br />Saída, produto ou resultado (output).<br />Processamento ou processador (throughput).<br />Retroação ou retroalimentação (feedback).<br />Ambiente.<br />
  71. 71. Idalberto Chiavenato<br />Teoria da Contingência<br /> Pesquisa de Lawrence & Lorsch:<br />Conceito de diferenciação e de integração.<br />Diferenciação.<br />Integração.<br />Conceito de integração requerida e <br /> de diferenciação requerida.<br />3. Teoria da Contingência.<br /> Pesquisa de Joan Woordward<br /> sobre a tecnologia:<br /><ul><li>Produção unitária ou oficina.
  72. 72. Produção em massa ou mecanizada.
  73. 73. Produção em processo ou automatizada.</li></li></ul><li>Idalberto Chiavenato<br />Figura 2.20. As principais variáveis da administração<br />Página 55<br />
  74. 74. Idalberto Chiavenato<br />Fig. 2.21. A nova orientação na Era da Informação<br />Aspectos culturais<br />Aspectos organizacionais<br /><ul><li> Participação e envolvimento
  75. 75. Comprometimento pessoal
  76. 76. Orientação para o cliente ou usuário
  77. 77. Focalização em metas e resultados
  78. 78. Melhoria contínua
  79. 79. Comportamento ágil e proativo
  80. 80. Visão global e ação local
  81. 81. Proximidade/Intimidade com o cliente
  82. 82. Mudança cultural e comportamental
  83. 83. Redes internas de equipes e grupos
  84. 84. Células de produção
  85. 85. Unidades estratégicas de negócios
  86. 86. Simplicidade e agilidade
  87. 87. Organicidade e flexibilidade
  88. 88. Competitividade
  89. 89. Excelência
  90. 90. Adequação ao negócio e à missão
  91. 91. Aprendizagem Organizacional</li></ul>Página 55<br />

×