SlideShare a Scribd company logo

Teoria Do Conhecimento - Parte 1

O documento discute o conceito de conhecimento e problemas relacionados. Aborda questões como o que é conhecimento, como se adquire, onde está localizado e quem pode tê-lo. Também reflete sobre se o conhecimento é bom ou ruim e como ele pode ser comunicado.

1 of 32
Download to read offline
Teoria Do Conhecimento - Parte 1
Teoria Do Conhecimento - Parte 1
 O que é o conhecimento?
 O que se pode conhecer?
 Quando se tem conhecimento?
 Pra que serve o conhecimento?
 Por que ter conhecimento?
 Onde está o conhecimento?
 Quem tem conhecimento?
 Como ter conhecimento?
 Ter conhecimento é bom ou ruim?
 O objetivo desta aula é discutir o conceito de
conhecimento e os diversos problemas
relacionados a ele.
◦ O que é?
 Quais são os fundamentos do conhecimento humano ?
◦ O que se pode conhecer?
 Conhecimento do “material” (perceptível)
 Conhecimento do imaterial
 O que significa “existir”?
◦ É possível ter conhecimento?
 Se sim, como distinguir o verdadeiro do falso?
 Se não, qual o estado mais aceitável que posso
alcançar ?
◦ Como se pode conhecer?
◦ Onde está o conhecimento?
◦ Quem tem conhecimento?
 Existe conhecimento inato? Qual?
◦ Para que serve o conhecimento?
◦ Como se comunica o conhecimento ?
◦ Ter conhecimento é bom ou ruim?
Teoria Do Conhecimento - Parte 1
Não são as
respostas que
movem o mundo,
são as perguntas...
“I Keep six honest serving-men
(They taught me all I knew);
Their names are What and Why and When
And How and Where and Who”
Rudyard Kipling (1902)
(Conhecido como 5 W e 1 H)
 Quem?
 Quanto?
 Quando?
 Por que?
 Onde?
 O que?
 Como?
(Conhecido como 3 Q e 1 POOC)
 Crença verdadeira justificável (Platão)
◦ Paradigmas
 Crença
◦ Uma crença não é mais verdadeira por ser unânime,
nem menos verdadeira por ser solitária (Millor
Fernandes, 1994)
 Verdade
 Justificável
 Logic… an imperative, not to know the true, but to posit
and arrange a world that shall be called true by us.
(Friedrich Nietzsche)
Teoria Do Conhecimento - Parte 1
 Do que existe ou sempre existiu
 Os três mundos de Popper
◦ Mundo1:
 O mundo físico ou o mundo fora da mente, independente
da mente e antecede a consciência. O mundo da matéria
e as forcas (gravitacionais, magnéticas, etc.) Corresponde
a noção de ‘coisa em si’ de Kant.
◦ Mundo 2:
 O mundo da consciência ou de estados mentais. O
mundo dos fenômenos mentais, como dor, medo, etc.
◦ Mundo 3:
 O mundo dos artefatos conceituais ou verdades que não
sendo físicas, constituem verdades independentes da
mente humana, como , por exemplo, os princípios
matemáticos e geométricos.
 Existem quatro causas implicadas na existência de
algo:
◦ A causa material (aquilo do qual é feita alguma coisa, a
argila, por exemplo);
◦ A causa formal (a coisa em si, como um vaso de argila);
◦ A causa eficiente (aquilo que dá origem ao processo em
que a coisa surge, como as mãos de quem trabalha a
argila);
◦ A causa final (aquilo para o qual a coisa é feita, por
exemplo, portar arranjos para enfeitar um ambiente).
 “it is impossible for a person to (re)search
either for what he know or what he
doesn’t… He couldn’t (re)search for what he
knows, for he knows it and no one in that
condition needs to (re)search; on the other
hand he couldn’t (re)search for what he
doesn’t know, for he won’t even know what
to (re)search for”. (Socrates)
(Adapted from Day, 1994, p.47).
◦ Fundamentalismo:
 Crenças básicas
 Toda crença não básica deve ser justificada em
relação às crenças básicas para adquirir sua validade
 Representante: Descartes (Descartes)
◦ Ceticismo:
 Rejeita o fundamentalismo argumentando que não
existem princípios internos validos.
 Representantes: Dewey, Pierce.
◦ Falseamento:
 Todo conhecimento é passível de revisão.
 Não existe nada que experiências futuras não possa
provar que nosso conhecimento é provisório.
 Representante: Popper
Teoria Do Conhecimento - Parte 1
 O conhecimento existe por si
◦ Se o ser humano nasce sem ele (tabula
rasa), deve adquiri-lo de alguma forma.
 O desvendar do conhecimento
 O problema da Transferência.
 O conhecimento é uma construção
humana.
◦ A natureza histórica do conhecimento.
 A construção do conhecimento;
 Conhecimento como paradigma.
 O ser humano atribui a origem do
conhecimento a fontes variadas:
◦ Revelacão, inspiração divina, graça;
◦ Autoridade, tradição, precedente legal, opinião de
especialistas;
◦ Senso comum (comunicação interpessoal);
◦ Lógica: dedutiva e indutiva;
◦ Observação sensorial (empírica);
◦ Pesquisa científica (busca disciplinada).
O que significa existir?
 A visão materialista:
◦ Se algo existe pode ser medido e pesado.
 Atomismo e Reducionismo:
◦ Qualidades primárias da matéria:
 Extensão no espaço
 Preenchimento do espaço
 Forma e tamanho
 Movimento e descanso
 Os objetos maiores são formados de objetos menores
 Alem de objetos, a natureza é composta de espaço e
tempo, como o meio onde existem os objetos.
John Locke (1632-1704)
 Qualidades secundárias da máteria
◦ Potências que causam em nós várias sensações
(calor, pressão, etc.)
 A experiência consiste de duas formas
distintas de percepção:
◦ De objetos externos sensíveis;
◦ De operações internas da mente:
 Crenças;
 Dúvidas;
 Raciocínio;
 Desejos;
 Reflexões.
Experiência
Percepção Sensorial Reflexão
Inferência
Dedução Indução
 Auto-Conhecimento
◦ Conhecimento do outro
 Conhecimento da realidade
◦ Para entender
◦ Para mudar
 Visão Utilitarista
◦ Para “se dar bem”
◦ Para “enganar”
◦ Para “levar vantagem”
 A lei de Gerson. (vide youtube)
 Símbolos
 Linguagem
 A caixa de Pandora
 (Eclesiastes 1)
◦ 17 E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a
conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que
também isto era aflição de espírito.
◦ 18 Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que
aumenta em conhecimento, aumenta em dor.
 (Eclesiastes 12)
◦ 12 E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para
fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne.
 Conhecimento, sem visão e força moral, gera
tecnocratas.
 Força moral, sem visão e conhecimento, gera
ideólogos.
 Visão, sem força moral e conhecimento, gera
demagogos.
(Warren Bennis)
 Todo ser humano, por natureza, deseja
conhecimento (Aristóteles, 384 a.C.-322 a.C.)
 O conceito de Conhecimento tem muitos
problemas.
 Sem nos debruçarmos sobre estes problemas
o conhecimento não passa de meras ilusões.

Recommended

O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaMarcelo Avila
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoJoão Bastos
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoLinda Lopes
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoEstude Mais
 
Estrutura do Acto de Conhecer I
Estrutura do Acto de Conhecer IEstrutura do Acto de Conhecer I
Estrutura do Acto de Conhecer IJorge Barbosa
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoJoão Bastos
 

More Related Content

What's hot

Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoJorge Barbosa
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoJosé Mota
 
Epistemologia Conhecimento O problema do conhecimento. Formas de conhecimento...
Epistemologia ConhecimentoO problema do conhecimento. Formas de conhecimento...Epistemologia ConhecimentoO problema do conhecimento. Formas de conhecimento...
Epistemologia Conhecimento O problema do conhecimento. Formas de conhecimento...Sergio Grunbaum
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoIsabella Silva
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Laguat
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantJorge Barbosa
 
Introdução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do ConhecimentoIntrodução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do ConhecimentoCursoDeFerias
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoVitor Peixoto
 
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)guest9578d1
 
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)guest9578d1
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoMariana Couto
 

What's hot (20)

Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Epistemologia Conhecimento O problema do conhecimento. Formas de conhecimento...
Epistemologia ConhecimentoO problema do conhecimento. Formas de conhecimento...Epistemologia ConhecimentoO problema do conhecimento. Formas de conhecimento...
Epistemologia Conhecimento O problema do conhecimento. Formas de conhecimento...
 
Conhecimento 2
Conhecimento 2Conhecimento 2
Conhecimento 2
 
Filosofia - teoria do conhecimento na modernidade
Filosofia  - teoria do conhecimento na modernidadeFilosofia  - teoria do conhecimento na modernidade
Filosofia - teoria do conhecimento na modernidade
 
Aula de filosofia sobre o conhecimento
Aula de filosofia sobre o conhecimentoAula de filosofia sobre o conhecimento
Aula de filosofia sobre o conhecimento
 
Gnosiologia
GnosiologiaGnosiologia
Gnosiologia
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
 
Introdução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do ConhecimentoIntrodução à Teoria do Conhecimento
Introdução à Teoria do Conhecimento
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
 
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)
Gnosiologia e os problemas gnosiológicos (DOC.2)
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Conhecimento 2º ano
Conhecimento   2º anoConhecimento   2º ano
Conhecimento 2º ano
 
Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2Aula de conhecimento 2010.2
Aula de conhecimento 2010.2
 
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)
Gnosiologia e problemas gnosiológicos (DOC. 1)
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 

Viewers also liked

A sede do conhecimento
A sede do conhecimentoA sede do conhecimento
A sede do conhecimentoCarol Almeida
 
Teoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaTeoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaAugusto Rodrigues
 
Ceticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismoCeticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismoAlan
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de KantJosé Ferreira Júnior
 
Idealismo e Realismo
Idealismo e RealismoIdealismo e Realismo
Idealismo e RealismoLysa Oliveira
 

Viewers also liked (8)

A sede do conhecimento
A sede do conhecimentoA sede do conhecimento
A sede do conhecimento
 
A busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimentoA busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimento
 
Dogmatismo 22
Dogmatismo 22Dogmatismo 22
Dogmatismo 22
 
Teoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varelaTeoria do conhecimento em maturana e varela
Teoria do conhecimento em maturana e varela
 
Ceticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismoCeticismo e dogmatismo
Ceticismo e dogmatismo
 
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16   Os Seguidores e os Críticos de KantCap 16   Os Seguidores e os Críticos de Kant
Cap 16 Os Seguidores e os Críticos de Kant
 
Idealismo e Realismo
Idealismo e RealismoIdealismo e Realismo
Idealismo e Realismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 

Similar to Teoria Do Conhecimento - Parte 1

Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1Lair Melo
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfTamraSilva
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Mateus Ferraz
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartesmluisavalente
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalj_sdias
 
Os diversos tipos de conhecimento
Os diversos tipos de conhecimentoOs diversos tipos de conhecimento
Os diversos tipos de conhecimentoluciano barros
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoJoaquim Melro
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentofilo2013
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesJorge Barbosa
 
3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_extakahico
 
Unidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimentoUnidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimentoAlex Alembert
 

Similar to Teoria Do Conhecimento - Parte 1 (20)

1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdfTeoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Existencia De Deus
Existencia De DeusExistencia De Deus
Existencia De Deus
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Os diversos tipos de conhecimento
Os diversos tipos de conhecimentoOs diversos tipos de conhecimento
Os diversos tipos de conhecimento
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex
 
Conhecer é Agir
Conhecer é AgirConhecer é Agir
Conhecer é Agir
 
Filosofia 24 333
Filosofia 24 333Filosofia 24 333
Filosofia 24 333
 
Unidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimentoUnidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimento
 

More from Diego Lopes

Perda De Carga Transparencias
Perda De Carga TransparenciasPerda De Carga Transparencias
Perda De Carga TransparenciasDiego Lopes
 
Linha Piezometricaede Energia
Linha Piezometricaede EnergiaLinha Piezometricaede Energia
Linha Piezometricaede EnergiaDiego Lopes
 
Monitoria Eng3402009 Ii
Monitoria Eng3402009 IiMonitoria Eng3402009 Ii
Monitoria Eng3402009 IiDiego Lopes
 
Giberelinasabaeetileno
GiberelinasabaeetilenoGiberelinasabaeetileno
GiberelinasabaeetilenoDiego Lopes
 
Eru 480 - Propriedade
Eru 480 - PropriedadeEru 480 - Propriedade
Eru 480 - PropriedadeDiego Lopes
 
Diagrama De Moody
Diagrama De MoodyDiagrama De Moody
Diagrama De MoodyDiego Lopes
 
Trabalho - W2003
Trabalho - W2003Trabalho - W2003
Trabalho - W2003Diego Lopes
 
Diagrama De Moody Rouse
Diagrama De Moody RouseDiagrama De Moody Rouse
Diagrama De Moody RouseDiego Lopes
 
Déficite da Dívida
Déficite da DívidaDéficite da Dívida
Déficite da DívidaDiego Lopes
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio InternacionalDiego Lopes
 
Blocos Econômicos
Blocos EconômicosBlocos Econômicos
Blocos EconômicosDiego Lopes
 
Intervenções do Governo na Economia
Intervenções do Governo na EconomiaIntervenções do Governo na Economia
Intervenções do Governo na EconomiaDiego Lopes
 
Política Cambial
Política CambialPolítica Cambial
Política CambialDiego Lopes
 
Política Monetária
Política MonetáriaPolítica Monetária
Política MonetáriaDiego Lopes
 
Risco País, Risco Brasil
Risco País, Risco BrasilRisco País, Risco Brasil
Risco País, Risco BrasilDiego Lopes
 
Palestra UFV - Direito Do Consumidor
Palestra UFV - Direito Do ConsumidorPalestra UFV - Direito Do Consumidor
Palestra UFV - Direito Do ConsumidorDiego Lopes
 
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoDiego Lopes
 

More from Diego Lopes (20)

Programa20092
Programa20092Programa20092
Programa20092
 
Perda De Carga Transparencias
Perda De Carga TransparenciasPerda De Carga Transparencias
Perda De Carga Transparencias
 
Linha Piezometricaede Energia
Linha Piezometricaede EnergiaLinha Piezometricaede Energia
Linha Piezometricaede Energia
 
Monitoria Eng3402009 Ii
Monitoria Eng3402009 IiMonitoria Eng3402009 Ii
Monitoria Eng3402009 Ii
 
Giberelinasabaeetileno
GiberelinasabaeetilenoGiberelinasabaeetileno
Giberelinasabaeetileno
 
Fluxogra 3
Fluxogra 3Fluxogra 3
Fluxogra 3
 
Conduto Equival
Conduto EquivalConduto Equival
Conduto Equival
 
Eru 480 - Propriedade
Eru 480 - PropriedadeEru 480 - Propriedade
Eru 480 - Propriedade
 
Diagrama De Moody
Diagrama De MoodyDiagrama De Moody
Diagrama De Moody
 
Trabalho - W2003
Trabalho - W2003Trabalho - W2003
Trabalho - W2003
 
Diagrama De Moody Rouse
Diagrama De Moody RouseDiagrama De Moody Rouse
Diagrama De Moody Rouse
 
Déficite da Dívida
Déficite da DívidaDéficite da Dívida
Déficite da Dívida
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
 
Blocos Econômicos
Blocos EconômicosBlocos Econômicos
Blocos Econômicos
 
Intervenções do Governo na Economia
Intervenções do Governo na EconomiaIntervenções do Governo na Economia
Intervenções do Governo na Economia
 
Política Cambial
Política CambialPolítica Cambial
Política Cambial
 
Política Monetária
Política MonetáriaPolítica Monetária
Política Monetária
 
Risco País, Risco Brasil
Risco País, Risco BrasilRisco País, Risco Brasil
Risco País, Risco Brasil
 
Palestra UFV - Direito Do Consumidor
Palestra UFV - Direito Do ConsumidorPalestra UFV - Direito Do Consumidor
Palestra UFV - Direito Do Consumidor
 
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da Administração
 

Recently uploaded

Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 

Recently uploaded (20)

Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 

Teoria Do Conhecimento - Parte 1

  • 3.  O que é o conhecimento?  O que se pode conhecer?  Quando se tem conhecimento?  Pra que serve o conhecimento?  Por que ter conhecimento?  Onde está o conhecimento?  Quem tem conhecimento?  Como ter conhecimento?  Ter conhecimento é bom ou ruim?
  • 4.  O objetivo desta aula é discutir o conceito de conhecimento e os diversos problemas relacionados a ele.
  • 5. ◦ O que é?  Quais são os fundamentos do conhecimento humano ? ◦ O que se pode conhecer?  Conhecimento do “material” (perceptível)  Conhecimento do imaterial  O que significa “existir”? ◦ É possível ter conhecimento?  Se sim, como distinguir o verdadeiro do falso?  Se não, qual o estado mais aceitável que posso alcançar ? ◦ Como se pode conhecer?
  • 6. ◦ Onde está o conhecimento? ◦ Quem tem conhecimento?  Existe conhecimento inato? Qual? ◦ Para que serve o conhecimento? ◦ Como se comunica o conhecimento ? ◦ Ter conhecimento é bom ou ruim?
  • 8. Não são as respostas que movem o mundo, são as perguntas...
  • 9. “I Keep six honest serving-men (They taught me all I knew); Their names are What and Why and When And How and Where and Who” Rudyard Kipling (1902) (Conhecido como 5 W e 1 H)
  • 10.  Quem?  Quanto?  Quando?  Por que?  Onde?  O que?  Como? (Conhecido como 3 Q e 1 POOC)
  • 11.  Crença verdadeira justificável (Platão) ◦ Paradigmas
  • 12.  Crença ◦ Uma crença não é mais verdadeira por ser unânime, nem menos verdadeira por ser solitária (Millor Fernandes, 1994)  Verdade  Justificável  Logic… an imperative, not to know the true, but to posit and arrange a world that shall be called true by us. (Friedrich Nietzsche)
  • 14.  Do que existe ou sempre existiu
  • 15.  Os três mundos de Popper ◦ Mundo1:  O mundo físico ou o mundo fora da mente, independente da mente e antecede a consciência. O mundo da matéria e as forcas (gravitacionais, magnéticas, etc.) Corresponde a noção de ‘coisa em si’ de Kant. ◦ Mundo 2:  O mundo da consciência ou de estados mentais. O mundo dos fenômenos mentais, como dor, medo, etc. ◦ Mundo 3:  O mundo dos artefatos conceituais ou verdades que não sendo físicas, constituem verdades independentes da mente humana, como , por exemplo, os princípios matemáticos e geométricos.
  • 16.  Existem quatro causas implicadas na existência de algo: ◦ A causa material (aquilo do qual é feita alguma coisa, a argila, por exemplo); ◦ A causa formal (a coisa em si, como um vaso de argila); ◦ A causa eficiente (aquilo que dá origem ao processo em que a coisa surge, como as mãos de quem trabalha a argila); ◦ A causa final (aquilo para o qual a coisa é feita, por exemplo, portar arranjos para enfeitar um ambiente).
  • 17.  “it is impossible for a person to (re)search either for what he know or what he doesn’t… He couldn’t (re)search for what he knows, for he knows it and no one in that condition needs to (re)search; on the other hand he couldn’t (re)search for what he doesn’t know, for he won’t even know what to (re)search for”. (Socrates) (Adapted from Day, 1994, p.47).
  • 18. ◦ Fundamentalismo:  Crenças básicas  Toda crença não básica deve ser justificada em relação às crenças básicas para adquirir sua validade  Representante: Descartes (Descartes) ◦ Ceticismo:  Rejeita o fundamentalismo argumentando que não existem princípios internos validos.  Representantes: Dewey, Pierce. ◦ Falseamento:  Todo conhecimento é passível de revisão.  Não existe nada que experiências futuras não possa provar que nosso conhecimento é provisório.  Representante: Popper
  • 20.  O conhecimento existe por si ◦ Se o ser humano nasce sem ele (tabula rasa), deve adquiri-lo de alguma forma.  O desvendar do conhecimento  O problema da Transferência.  O conhecimento é uma construção humana. ◦ A natureza histórica do conhecimento.  A construção do conhecimento;  Conhecimento como paradigma.
  • 21.  O ser humano atribui a origem do conhecimento a fontes variadas: ◦ Revelacão, inspiração divina, graça; ◦ Autoridade, tradição, precedente legal, opinião de especialistas; ◦ Senso comum (comunicação interpessoal); ◦ Lógica: dedutiva e indutiva; ◦ Observação sensorial (empírica); ◦ Pesquisa científica (busca disciplinada).
  • 22. O que significa existir?
  • 23.  A visão materialista: ◦ Se algo existe pode ser medido e pesado.  Atomismo e Reducionismo: ◦ Qualidades primárias da matéria:  Extensão no espaço  Preenchimento do espaço  Forma e tamanho  Movimento e descanso  Os objetos maiores são formados de objetos menores  Alem de objetos, a natureza é composta de espaço e tempo, como o meio onde existem os objetos. John Locke (1632-1704)
  • 24.  Qualidades secundárias da máteria ◦ Potências que causam em nós várias sensações (calor, pressão, etc.)
  • 25.  A experiência consiste de duas formas distintas de percepção: ◦ De objetos externos sensíveis; ◦ De operações internas da mente:  Crenças;  Dúvidas;  Raciocínio;  Desejos;  Reflexões.
  • 27.  Auto-Conhecimento ◦ Conhecimento do outro  Conhecimento da realidade ◦ Para entender ◦ Para mudar  Visão Utilitarista ◦ Para “se dar bem” ◦ Para “enganar” ◦ Para “levar vantagem”  A lei de Gerson. (vide youtube)
  • 29.  A caixa de Pandora
  • 30.  (Eclesiastes 1) ◦ 17 E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que também isto era aflição de espírito. ◦ 18 Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor.  (Eclesiastes 12) ◦ 12 E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne.
  • 31.  Conhecimento, sem visão e força moral, gera tecnocratas.  Força moral, sem visão e conhecimento, gera ideólogos.  Visão, sem força moral e conhecimento, gera demagogos. (Warren Bennis)
  • 32.  Todo ser humano, por natureza, deseja conhecimento (Aristóteles, 384 a.C.-322 a.C.)  O conceito de Conhecimento tem muitos problemas.  Sem nos debruçarmos sobre estes problemas o conhecimento não passa de meras ilusões.

Editor's Notes

  1. Quais são os fundamentos do conhecimento humano? Conhecimento do “material” e do “imaterial” O que significa existir?
  2. Quais são os fundamentos do conhecimento humano? Conhecimento do “material” e do “imaterial” O que significa existir?
  3. Quais são os fundamentos do conhecimento humano? Conhecimento do “material” e do “imaterial” O que significa existir?
  4. posit     verb   to suggest something as a basic fact or principle from which a further idea is formed or developed If we posit that wage rises cause inflation, it follows that we should try to minimize them.
  5. Cientistas de uma forma geral Religiosos de uma forma geral Políticos de uma forma geral