Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO   FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA              VETERINÁRIAPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRON...
ROTEIRO1. Introdução.2. Revisão de literatura.3. Capítulo I: Identificação do agente causal de mancha olho-de-   rã em soj...
INTRODUÇÃOA soja [Glycine max (L.) Merril], uma oleaginosa da Família Fabacea é a cultura com maior área cultivada no mun...
I) Região NorteII) Região Pampeana NorteIII)Região Pampeana Sur     Mapa de  regiões e sub-  regiões para a  recomendação ...
Produtividade atual da Argentina é de 2.660 kg/ha. cultivada numa superfície de 18,8 milhões (MAGyP, 2011).Brasil tem um...
• Epidemias nas safras 2008/2009 e 2009/2010 nas  províncias de Córdoba e Santa Fé, em genótipos de  ciclos curtos e inter...
Ocorrência• Foi reportada pela primeira vez no Japão em 1915 (HARA).• Em 1765 foi introduzida nos Estados Unidos (HYMOWITZ...
REVISÃO DA LITERATURA
EtiologiaFase teleomórficaClasse DothideomycetesOrdem CapnodialesFamília MycosphaerellaceaeFase anamórficaClasse Deute...
SintomatologiaLesões necróticas principalmente nas folhas. Lesões pequenas de cor pardo-avermelhadas de0,25 a 0,5 mm de ...
Sintomatologia
Anel pardo-avermelhado na margem, sem apresença de uma zona de tecido clorótico (halo).A toxina cercosporina produzida p...
Ciclo biológico da   doençamancha foliarolho-de-rã em     soja.                (Reis e Danelli, 2010).
Variabilidade genéticaO controle de sojina tem sido feito através do uso de variedades resistentes.Tornam-se suscetíveis...
Nos Estados Unidos foram reportadas 12 raças.Três genes simples que proporcionam resistênciasão reconhecidos atualmente ...
No Brasil, Casela et al. (1979) determinaram a ocorrência das raças 3 e 4.Yorinori (1989) identificou vinte raças mais d...
Esporulação e germinação de conídios de C. sojinain vitroA máxima esporulação foi obtida em meio decultura ágar V-8 ou ág...
Controle da doençaControle genético A doença pode ser controlada geneticamente. Na Argentina a resistência incorporou se...
Controle culturalA rotação de culturas é uma ferramentanecessária para interromper o ciclo do fungo a qualpode ser realiz...
Controle químico em sementesFungicidas com ação erradicante como alguns dafamília dos benzimidazóis e em misturas:como ca...
Controle químico em órgãos aéreosEm órgãos aéreos tem sido recomendado a partirdo estádio R3, após as precipitações ou em...
IDENTIFICAÇÃO DO AGENTE CAUSAL DE MANCHA FOLIAR OLHO-DE-RÃ EM SOJA           CAPITULO I
INTRODUÇÃOConidióforospigmentados, marrom escuro, que surgem de umestroma em fascículos de 2 a 25.septadosapresentam   ...
Conídiosmultiseptados, alongados e fusiforme no ápice hialinos quando jovens e mais escuros quando envelhecem.Apresenta...
OBJETIVOComprovar que o fungo isolado de sintomas damancha foliar olho-de-rã trata-se de C. sojina.
MATERIAL E MÉTODOSLocal de trabalho: Laboratório de Fitopatologiae casa de vegetação da Faculdade de Agronomiae Medicina ...
solução de água                            Câmara deetanol     destilada                       crescimento                ...
Ajuste da concentração de inóculo     Inoculação e incubação
Avaliaçãonumero e diâmetro das lesões
solução de etanol          água destilada  hipoclorito de sódio                                 Câmara de crescimento     ...
Meio BDA         co           mp             rim                en                  to             Meio ágar V-8septos    ...
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Dimensões dos conídios e número de septos deCercospora sojina cultivado em dois meios de cultura            Comprimento   ...
Dimensões dos conídios e número de septos de Cercospora sojina obtidos por diferentes autores  Mensurações (μm)           ...
CONCLUSÕESO fungo isolado trata-se de Cercospora soja Hara, confirmado por: prova de patogenicidade (sintomas reproduzido...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Defesa Diana 1ra. Parte

175 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Defesa Diana 1ra. Parte

  1. 1. UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIAPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Cercospora sojina: Produção, densidade de inóculo e reação de cultivares de soja Eng. Agr. Diana Erica GómezOrientador: Prof. Dr. Erlei Melo Reis
  2. 2. ROTEIRO1. Introdução.2. Revisão de literatura.3. Capítulo I: Identificação do agente causal de mancha olho-de- rã em soja.4. Capítulo I: Influência do substrato, luz, papel de filtro, pH e potencial osmótico na esporulação de Cercospora sojina.5. Capítulo III: Efeito da densidade de inóculo de Cercospora sojina na intensidade da mancha-olho-de-rã.6. Capítulo IV: Efeito da temperatura na germinação de conídios de Cercospora sojina.7. Capítulo V: Reação de cultivares de soja.8. Referências bibliográficas.
  3. 3. INTRODUÇÃOA soja [Glycine max (L.) Merril], uma oleaginosa da Família Fabacea é a cultura com maior área cultivada no mundo.A soja é uma planta sensível ao fotoperíodo sendo dividido em grupos de maturação.Na Argentina existem os grupos de maturação III até IX: ciclo curto (ciclo de maturação III, IV e V) intermediários (ciclo V, VI e VII) ciclo longo (VII, VIII e IX)
  4. 4. I) Região NorteII) Região Pampeana NorteIII)Região Pampeana Sur Mapa de regiões e sub- regiões para a recomendação de cultivares.INTA- EEA Marcos Juarez. Rede Nacional de Avaliação deCultivares de Soja (RECSO)
  5. 5. Produtividade atual da Argentina é de 2.660 kg/ha. cultivada numa superfície de 18,8 milhões (MAGyP, 2011).Brasil tem uma produção estimada para a safra 2010/2011de 68,55 milhões de toneladas (CONAB, 2011).A doença mancha olho-de-rã, causada pelo fungo Cercospora sojina Hara, causa danos de 31% em cultivares suscetíveis (AKEM & DASHIELL, 1991).No Brasil, a doença na atualidade esta controlada geneticamente.Na Argentina, é ainda pouco conhecida e não existe informação sob as raças presentes e o nível de resistência de algumas variedades locais.
  6. 6. • Epidemias nas safras 2008/2009 e 2009/2010 nas províncias de Córdoba e Santa Fé, em genótipos de ciclos curtos e intermédios.• A doença atingiu severidade de 30-60% da área foliar afetada (CARMONA & SCANDIANI, 2009).• Os grupos de soja de ciclo de maturação longo não foram avaliados cientificamente na região norte do país.Objetivos: Caracterizar as reações de cultivares de soja deciclo longo e obter métodos para a esporulação einoculação do fungo.
  7. 7. Ocorrência• Foi reportada pela primeira vez no Japão em 1915 (HARA).• Em 1765 foi introduzida nos Estados Unidos (HYMOWITZ & HARLAN, 1983).• No Brasil foi observada no Estado do Paraná em 1971 (YORINORI, 1971) e no Rio Grande do Sul em 1973 (REIS & KIMATI, 1973).• Na Argentina, foi encontrada em Tucumán, na safra 1997/1998 (Ploper, et al., 1994) com antecedentes em Sáenz Peña, Chaco, nos anos 1974, 1977 e 1979 (BONACIC & CAMPAGNAC, 1982).
  8. 8. REVISÃO DA LITERATURA
  9. 9. EtiologiaFase teleomórficaClasse DothideomycetesOrdem CapnodialesFamília MycosphaerellaceaeFase anamórficaClasse DeuteromycetesOrdem HyphomycetalesFamília Dematiaceae Gênero Cercospora (ALEXOPOULOS et al., 1996)
  10. 10. SintomatologiaLesões necróticas principalmente nas folhas. Lesões pequenas de cor pardo-avermelhadas de0,25 a 0,5 mm de diâmetro. A cor escura é devido aos fascículos deconidióforos que se desenvolvem nos dois lados dalesão. As lesões têm sido encontradas em vagens,hastes e sementes.
  11. 11. Sintomatologia
  12. 12. Anel pardo-avermelhado na margem, sem apresença de uma zona de tecido clorótico (halo).A toxina cercosporina produzida pelo fungo éativada pela luz, tendo baixa toxicidade no escuro.Afeita a membrana da célula afetada conduzindoa sua morte.
  13. 13. Ciclo biológico da doençamancha foliarolho-de-rã em soja. (Reis e Danelli, 2010).
  14. 14. Variabilidade genéticaO controle de sojina tem sido feito através do uso de variedades resistentes.Tornam-se suscetíveis com o desenvolvimento de novas raças (YORINORI, 1989).Huo et al. (1988) citaram a ocorrência de 11 raças na China, sendo atualmente 14.As raças 1, 7 e 10 foram consideradas as mais importantes.
  15. 15. Nos Estados Unidos foram reportadas 12 raças.Três genes simples que proporcionam resistênciasão reconhecidos atualmente pelo Comitê Genéticode Soja.o Rcs1 em cultivar Lincoln confere resistência para araça 1 (ATHOW & PROBST, 1952).oRcs2 confere resistência à raça 2 no cultivar Kent(ATHOW et al., 1962).o Rcs3 no cultivar Davis encontrado para aresistência raça 5 e para as outras raças (PHILLIPS &BOERMA, 1982).
  16. 16. No Brasil, Casela et al. (1979) determinaram a ocorrência das raças 3 e 4.Yorinori (1989) identificou vinte raças mais de sojina no Brasil.No 1999, Yorinori (1997) encontrou duas raças novas, o isolado MA-22-98 e MA-24-98, designados como raças Cs -24 e Cs -25.Na Argentina, na atualidade não se identificaram as raças ocorrentes. A maior limitação para sua determinação é a obtenção dos hospedeiros diferenciais.
  17. 17. Esporulação e germinação de conídios de C. sojinain vitroA máxima esporulação foi obtida em meio decultura ágar V-8 ou ágar aveia, sob regime luminosode 12 horas de luz e 12 horas de escuro (VEIGA,1973).Não existem citações sobre pesquisas realizadasavaliando o efeito do potencial osmótico, o pH e a24 utilização do papel de filtro como substrato naesporulação e germinação dos conídios de C.sojina.
  18. 18. Controle da doençaControle genético A doença pode ser controlada geneticamente. Na Argentina a resistência incorporou se no país nos grupos de maturação longos. É preciso incorporar resistência nos ciclos curtos e intermediários.
  19. 19. Controle culturalA rotação de culturas é uma ferramentanecessária para interromper o ciclo do fungo a qualpode ser realizada com milho, girassol, algodão, etc.O fungo não causa infecção em outra cultura.Não existe informação de sua supervivência emplantas daninhas (CARMONA, 2009).
  20. 20. Controle químico em sementesFungicidas com ação erradicante como alguns dafamília dos benzimidazóis e em misturas:como carbendazim+tiramtiofanato metílico+ piraclostrobina (Scandiani et al.,2009)
  21. 21. Controle químico em órgãos aéreosEm órgãos aéreos tem sido recomendado a partirdo estádio R3, após as precipitações ou eminfecções tardias.Recomenda se aplicações de estrobilurinas etriazóis.Embora o tenha um efeito fungitóxico, não érecomendável a aplicação de carbendazim emforma isolada a fim de evitar a perda dasensibilidade ao fungicida (CARMONA, 2009).
  22. 22. IDENTIFICAÇÃO DO AGENTE CAUSAL DE MANCHA FOLIAR OLHO-DE-RÃ EM SOJA CAPITULO I
  23. 23. INTRODUÇÃOConidióforospigmentados, marrom escuro, que surgem de umestroma em fascículos de 2 a 25.septadosapresentam geniculações proeminentes ecicatrizes no local de fixação dos conídios noconidióforo. (PHILLIPS, 1999)
  24. 24. Conídiosmultiseptados, alongados e fusiforme no ápice hialinos quando jovens e mais escuros quando envelhecem.Apresentam cicatrizes na base coincidentemente com o lugar de fixação ao conidióforo. (PHILLIPS, 1999)
  25. 25. OBJETIVOComprovar que o fungo isolado de sintomas damancha foliar olho-de-rã trata-se de C. sojina.
  26. 26. MATERIAL E MÉTODOSLocal de trabalho: Laboratório de Fitopatologiae casa de vegetação da Faculdade de Agronomiae Medicina Veterinária da Universidade de PassoFundo – RS em abril de 2009.
  27. 27. solução de água Câmara deetanol destilada crescimento (25ºC±2 e fotoperíodo hipoclorito de de 12 horas) sódio Indução da esporulação Isolamento do fungo
  28. 28. Ajuste da concentração de inóculo Inoculação e incubação
  29. 29. Avaliaçãonumero e diâmetro das lesões
  30. 30. solução de etanol água destilada hipoclorito de sódio Câmara de crescimento (25ºC±2 e fotoperíodo de 12 horas) Indução da esporulação
  31. 31. Meio BDA co mp rim en to Meio ágar V-8septos Mensurações de conídios
  32. 32. RESULTADOS E DISCUSSÃO
  33. 33. Dimensões dos conídios e número de septos deCercospora sojina cultivado em dois meios de cultura Comprimento Média Largura Média SeptosSubstrato Média (μm) (μm) (μm) (μm) (n°) BDA 7-36 20,3 1-4 2,55 1-10 6,8 V-8 12-45 26,8 2-4 2,94 2-10 3,9 Média 23,55 2,75 5,35
  34. 34. Dimensões dos conídios e número de septos de Cercospora sojina obtidos por diferentes autores Mensurações (μm) Septos (n°) AutorComprimento Largura 24-108 6-8 0-10 Reis, 1974 39-70 5-7 - Phillips, 1999 38- 62 5-9 2- 6 Ploper et al., 2001 40-60 6-8 0-10 Mengistu et al., 2002 26-111 5,2-7,4 1-9 Carmona et al., 2009-) Não informado
  35. 35. CONCLUSÕESO fungo isolado trata-se de Cercospora soja Hara, confirmado por: prova de patogenicidade (sintomas reproduzidos)caracterização morfológica (comprimento, largura e número de septos dos conídios)comparação com as descrições disponíveis na literatura.

×