Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Meu DBA não é ágil, e agora?

97 views

Published on

O mundo do desenvolvimento de software evoluiu, mas as práticas de administração e desenvolvimento em bancos de dados parecem ter parado na idade das trevas. Como fazer para que o DBA se integre ao desenvolvimento ágil de software?

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Meu DBA não é ágil, e agora?

  1. 1. Agile DBAPresented by Felipe Pereira
  2. 2. "Sou especialista em Bancos de Dados, apaixonado por aprender, com mais de 10 anos de experiência na área e com expertise em Oracle, PostgreSQL, SQL Server e MySQL. Também tenho interesse em Metodologias Ágeis, Analytics, DevOps e Machine Learning." ABOUT ME
  3. 3. O PROBLEMA O que mudou nos últimos anos PROJECT MANAGEMENT ARQUITETURA INFRA Waterfall -> Ágil Monolitos -> Micro- Serviços Infraestrutura como Código
  4. 4. O PROBLEMA
  5. 5. O PROBLEMA E os Bancos de Dados? Dos sistemas para realizar alterações de estrutura no banco de dados DOWNTIME Das alterações no banco de dados. EXECUÇÃO MANUAL Execuções manuais podem levar a resultados diferentes e não são escaláveis. RESULTADO 
  6. 6. TRIVIA 1 . C O M O I N S T A L A R 6 0 0 I N S T Â N C I A S E M U M Ú N I C O D I A ? 2 . C O M O M A N T E R D I V E R S A S V E R S Õ E S D E U M A P P U T I L I Z A N D O U M M E S M O B A N C O D E D A D O S ? 3 . C O M O D E I X A R D E S E R O G A R G A L O D O D E P L O Y S E M A B R I R M Ã O D A E S T A B I L I D A D E ?
  7. 7. IAC C H A P T E R 1 I N F R A S T R U C T U R E A S C O D E
  8. 8. AS FERRAMENTAS Top 3 TIME MONEY SAFETY takes longer research and planning cheaper when you travel with a group no one to rely on in case of difficulties 
  9. 9. A ARQUITETURA Uma arquitetura simples TIME MONEY SAFETY takes longer research and planning cheaper when you travel with a group no one to rely on in case of difficulties 
  10. 10. REFACTORING C H A P T E R 2 D A T A B A S E R E F A C T O R I N G
  11. 11. JANELA DE MIGRAÇÃO Qual é a sua? A FRIO PLANEJADAS ALL-IN Downtime e Prazo  Limitam a capacidade de inovação Se não der certo é feito o rollback
  12. 12. WHY P O R Q U E A D O T A R U M M O D E L O E V O L U T I V O ? "Minimizar o desperdício" "Diminuir a unidade de trabalho" "Realizar TDD" "Você sempre possui um sistema funcional" "Você trabalha da mesma maneira que os desenvolvedores"
  13. 13. SPLIT COLUMN Tabela Original Adicionados os campos e a trigger de sincronização Removido o campo original
  14. 14. RENAME TABLE Tabela Original Criada a tabela com o novo nome e a trigger de sincronia Removida a tabela original
  15. 15. RESUMO Alterações pequenas são preferíveis Implemente grandes mudanças quebrando-as em várias pequenas Prefira triggers para sincronização de dados Escolha um período suficiente para dropar objetos antigos Coloque as mudanças em um controle de versão
  16. 16. DBCI C H A P T E R 3 D A T A B A S E C O N T I N U O U S I N T E G R A T I O N
  17. 17. FERRAMENTAS
  18. 18. O PROCESSO Database Continuous Integration
  19. 19. O PROCESSO From Dev to Ops
  20. 20. DEVOPS Algumas soluções propostas Automação e Escalabilidade IAC Implementações sem Downtime REFACTORING Controle de Versão DBCI 
  21. 21. IMPLICAÇÕES Devops, Cloud e o Futuro PAAS DEVOPS ESTRATÉGIA Platform as a Service Automação e Escalabilidade Continuidade
  22. 22. IMPLICAÇÕES
  23. 23. "Like it or not, requirements change as your project progresses. Traditional approaches have denied this fundamental reality and have tried to "manage change", a euphemism for preventing change." -Scott Ambler/Pramod Sadalage (Refactoring Databases) TESTIMONIAL
  24. 24. THANK YOU! Felipe Pereira www.linkedin.com/in/felipepereiradba

×