Jornal aena jan_2013_01

866 views

Published on

Novo Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
866
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal aena jan_2013_01

  1. 1. Revista Forum Estudante Agrupamento ganha Concurso POW entrega dos Galardões de Mérito no Agrupamento EDITORIAL “O jornal escolar pode dar um contributo precioso no sentido da valorização de todas as escolas e jardins de infância que integram o agrupamento e das dinâmicas próprias de cada uma delas” António Carvalho ENTREVISTAS Exposição “A Física no dia-a-dia” Iniciativa baseada no livro com o mesmo nome, de Rómulo de Carvalho, sendo dinamizada pelo Ministério da Educação e Ciência e pelo programa “O Mundo na Escola” “...Contribuir para a mudança na escola: quero acabar com o estereótipo de que as Associações de Estudantes não fazem nada para além de bailes e festas; nós queremos ajudar os alunos, ajudar os professores, no geral, ajudar a Escola...” Helena Baronet Prata Castelo Branco medieval “...Os nomes das ruas ensinamnos que a vila cresceu em leque, de oeste, com nomes ligados à agri-cultura, para leste com nomes relativos à indústria...” Alunos de 8ºano CCB Banco Alimentar Contra a Fome 2013. Minions alimentaram esta ideia “... Não basta sonhar um mundo melhor, escrever utopias, discursar eloquentemente e com enorme sentido de consciência social, é preciso acordar e fazê-lo: “Uma preocupação fundamental pelos outros nas nossas vidas individuais e comunitárias teria muito efeito em transformar o mundo naquele lugar melhor que tão apaixonadamente sonhámos.” Ana Patrícia Nunes Semedo Biblioteca Escolar… Porta aberta para a Vida
  2. 2. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Conversa com * janeiro de 2014 ENTREVISTA À PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA NUNO ÁLVARES Editorial Carlota e Inês Moreira, 8.º A António Carvalho PRESIDENTE DA CAP Este número marca o nascimento do jornal do novo Agrupamento de Escolas Nuno Álvares, sucedendo assim aos jornais publicados durante vários anos nas escolas/agrupamentos que agora integram esta nova realidade or- “ beres, contribuindo para uma adequada circulação da informação e para um estreitamento da relação escola-comunidade. Além disso, o jornal escolar deverá despertar e estimular a produção escrita e constituir-se como meio para o desenvolvimento de competências que estão associadas à conceção e produção deste importante meio de comunicação. Atravessamos um período muito importante e significativo na construção deste novo agrupamento de escolas. Os desafios têm sido inúmeros, mas há ainda um exigente percurso a cumprir. Não me refiro apenas a questões de caráter orga- não podemos deixar de, em primeiro lugar, recordar e agradecer a todos os que ao longo do tempo contribuíram, de forma empenhada, para a publicação dos jornais “Dois Pontos, “O Perdigoto” e “Desafios”. Estas publicações desempenharam um importantíssimo papel no passado e são, evidentemente, um valioso e inesquecível legado” ganizacional. Como tal, não podemos deixar de, em primeiro lugar, recordar e agradecer a todos os que ao longo do tempo contribuíram, de forma empenhada, para a publicação dos jornais “Dois Pontos, “O Perdigoto” e “Desafios”. Estas publicações desempenharam um importantíssimo papel no passado e são, evidentemente, um valioso e inesquecível legado, não apenas para os que se envolveram na sua publicação mas para todas as respetivas comunidades educativas. Olhando para o futuro, desejamos que este projeto, que agora se inicia, cresça com a colaboração alargada de todos, proporcionando a todos os membros da comunidade educativa – alunos, professores, pais e encarregados de educação, funcionários – a partilha de notícias, experiências e sa- COORDENAÇÃO nizacional e pedagógico, mas também de construção de uma identidade própria da nova comunidade educativa que agora integramos. Neste contexto, também o jornal escolar pode dar um contributo precioso no sentido da valorização de todas as escolas e jardins de infância que integram o agrupamento e das dinâmicas próprias de cada uma delas, sendo certo que a riqueza dessa diversidade será, certamente, uma marca significativa da identidade do próprio agrupamento e uma mais-valia para o seu futuro. Termino com uma palavra de agradecimento e apreço para com aqueles que tornaram possível esta primeira edição do nosso jornal, estando certo de que com a colaboração e empenho de todos será possível, nas edições que se seguirão, enriquecer e valorizar ainda mais este importante projeto. Professora Maria João Damas; Professora Maria da Saúde; Professora Deolinda Leitão; Professora Jacinta Belém; Professor Carlos Matos; Professor António Conceição Janeiro de 2014 2 Jornal do Agrupamento Nuno Álvares de Castelo Branco; jornal@aena.pt; 2500 exemplares; Impressão: Jornal Reconquista Neste número colaboraram: Carlota Marta Fernandes; Francisco Pinto; 2ºB CCB; alho; Professora Maria João Damas; ProfesMoreira, Inês Moreira; Beatriz Mendes;Marta 1ºA de escola de Nossa Senhora da Piedade; sora Maria da Saúde; Professora; Professora Fernandes; Sara Robalo; Mariana Branco; Ismael Esteves; Adriane Nunes; Beatriz Cos- Deolinda Leitão; Professora Jacinta Belém; Ana Patrícia Nunes Semedo; Inês Ribeiro; ta; José Maria Coelho; Grupo de Educação Professor Carlos Matos; Professor António Beatriz Farias; 1.º C Boa Esperança; Ro- Física da FV; Grupo de Educação Física da Conceição; drigo Cordeiro; João Martins; Alunos do JI ESNA; Grupo de Educação Física da CCB; …e muitos outros (com especial desCCB; Professora Andrea de Barros; Cândida Ana Santos; Carolina Abreu; Iris Fernandes Farinha; Ana Antunes; 3º A e 3º B CCB; Alu- Veloso; Manuel Farias; Professora Ana Paula taque para todos os docentes que orientanos de 8º ano CCB; Pedro Mendes; Bruno Santos; Alunos do 9ºA-FV; Professora Ana ram os alunos na elaboração e/ ou envio dos Gonçalves; André Nunes; Joana Almeida; Isabel Almeida; Professor António Carv- trabalhos) Helena Baronet Prata é uma jovem de 17 anos, estudante do curso de Línguas e Humanidades na turma 12º. Este ano letivo, foi ela a eleita como Presidente da Associação de Estudantes da ESNA 2013/2014, tendo sido a cabeça de lista da única lista proponente às eleições, a lista M. - Helena, por que razão te candidataste? Desde que entrei para o liceu, (no meu 7º ano), sempre me fascinei pelas listas por serem sempre bastante competitivas mas sempre com muito fair play. Candidatei-me principalmente porque quero fazer algo pela escola. - O que é ser presidente de uma associação de estudantes? É contribuir para a mudança na escola: quero acabar com o estereótipo de que as Associações de Estudantes não fazem nada para além de bailes e festas; nós queremos ajudar os alunos, ajudar os professores, no geral, ajudar a Escola. - Que projetos ou atividades irão existir no programa da tua lista? Ao longo do ano vamos desenvolver projetos a nível do desporto, da cultura, da arte, da escrita, entre outros; a seu tempo iremos dar a conhecê-los a toda a comunidade escolar. - Por que achas que foste eleita? Antes de mais não fui eu que fui eleita mas, sim, toda a lista. Fomos eleitos primeiro porque fomos a única lista; logo, à partida não seria difícil… Mas penso que, por sermos uma lista bastante grande e unida, o processo foi fácil. Orgulho-me de ver a “família” que se formou durante a campanha e que se prolonga até hoje. - Apresenta-nos uma vantagem e uma desvantagem do teu cargo. O meu cargo nunca é uma desvantagem! Como já disse, dá muito trabalho, mas dá gosto ver toda a gente a trabalhar por um objetivo. A vantagem é essa mesma: ver que o que fazemos dá resultado. Por outro lado, eu sou bastante distraída e esquecida e, por isso, nunca dispenso a ajuda dos meus colegas que foram sempre incansáveis comigo. - De onde surgiu a ideia de formar uma lista? Como já referi, antes de eu ter o cargo de presidente, a lista já estava formada. Mas a ideia de formar uma lista e de eu me ter candidatado foi principalmente fazer algo pela escola e fazer com que este ano fosse memorável sempre pela positiva, porque nos dias que correm tudo está complicado para toda a gente e se nós, enquanto Associação de Estudantes, conseguirmos fazer alguma coisa para mudar a realidade existente, isso é sempre bom. LISTA ÚNICA VENCE CAMPANHA ELEITORAL PARA A ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES Beatriz Mendes, Marta Fernandes Sara Robalo, 8ºA * Dias de campanha animam intervalos Nos dias trinta e um de outubro e um de novembro, decorreram, na ESNA, os dias de campanha eleitoral para a Associação de Estudantes da Escola Secundária Nuno Álvares. Apenas a lista M apresentou a sua candidatura. Contudo, a vitória não estava garantida: o desafio era obter o maior número de votos para superar os votos nulos. Os dois dias de campanha eleitoral decorreram com normalidade, com muita música e animação, dinamizan- do os intervalos. O pátio enchia-se de gente, com muitos alunos, apoiantes ou não – todos queriam participar da festa. Os elementos da lista destacavam-se pelas camisolas todas iguais, azuis e apresentando a “mascote” da lista M: os Minions. A escola vestiu-se de cartazes e de muitos “M”, gritados, cantados, divulgados numa operação de apelo ao voto. Seguiu-se o dia da votação e, contados os votos, estava encontrado o vencedor: A lista M, presidida por Helena Baronet, ganhou a batalha porque superou a barreira dos 500 votos. Dirige, agora, a Associação de Estudantes da ESNA. 3
  3. 3. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Conversa com janeiro de 2014 Armanda Bernardo &Bruno Trindade * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu * janeiro de 2014 ESCOLA CIDADE DE CASTELO BRANCO RECEBE GALARDÃO BANDEIRA VERDE A Escola Cidade de Castelo Branco recebeu, no passado dia 27 de setembro, o Galardão Bandeira Verde, numa cerimónia que decorreu em Cascais, na Escola Salesiana de Manique. Esta é a quinta vez que a Escola Cidade de Castelo Branco é distinguida com a Bandeira Verde, a qual constitui um selo de qualidade ambiental e reconhece o trabalho ambiental desenvolvido pelas escolas. A Bandeira Verde foi recebida por um grupo de nove alunos e duas professoras, os quais integraram o Conselho Eco-Escolas. A candidatura apresentada pela Escola inseriu-se no Projeto Escola + Amiga do Ambiente, no âmbito do Projeto Educativo, e pôs em prática uma metodologia que não só contribuiu para a implementação Animadores Socioculturais no Agrupamento * de la Día Escola Faria de Vasconcelos Mariana Branco, 5ºC Inês Ribeiro, 8ºC (Clube de Jornalismo) Um Animador Sociocultural é um profissional qualificado, apto a promover o desenvolvimento sociocultural de grupos e comunidades, organizando, coordenando e/ou desenvolvendo atividades de animação de carácter cultural, educativo, social, lúdico e recreativo. No Clube de Jornalismo, decidiu-se fazer uma entrevista aos animadores do Agrupamento, a professora Armanda Bernardo e o professor Bruno Trindade. CLUBE DE JORNALISMO - Do que mais gostam na vossa profissão? Bruno: Gosto da diversidade do público-alvo com que nós podemos trabalhar: crianças, jovens, pessoas da terceira idade. Gosto das áreas em que podemos trabalhar. Mas do que mais gosto na profissão é podermos desenvolver atividades, tanto no âmbito pedagógico, como no âmbito cultural, permitindo o melhor desenvolvimento das crianças ou melhorando a qualidade de vida das pessoas da terceira idade, dependendo da área de intervenção. Armanda: Concordo. Podemos ter um papel importante, promovendo a socialização e evitando comportamentos de risco. CLUBE DE JORNALISMOPorque escolheram esta profissão? Bruno: No que me diz respeito, esta era, na altura, uma profissão muito recente e que envolvia diversas áreas de que eu gostava: a parte artística, a parte físico-motora e assim podia Armanda: Eu sempre gostei de trabalhar com idosos e com crianças e era uma área que me iria proporcionar isso; 4 e também por ser um curso recente e que teria imensa saída e então optei por ir para Animação e, realmente, não estou arrependida, porque é uma profissão de que realmente gosto. CLUBE DE JORNALISMO - Há quanto tempo exercem esta profissão? Bruno: Já somos animadores há dez anos, porque começámos ao mesmo tempo. Neste Agrupamento estamos há 4 anos, mas já exercíamos trabalho de animação na terceira idade, e eu também já trabalhei com crianças em risco. CLUBE DE JORNALISMO - Que atividades desenvolvem com as crianças? Armanda: As atividades vão desde a área da expressão plástica, físico-motora, culinária… Bruno: E, no fundo, nós trabalhamos a educação não formal, fora de um ambiente de sala de aula em que o objetivo é desenvolver os jovens e promover uma maior integração, socialização e transmitir os conhecimentos educativos, transmitir regras e, mais concretamente, promover uma educação estruturada, a nível de normas e valores e permitir o desenvolvimento dos jovens no âmbito educativo, como cultural e como desportivo. CLUBE DE JORNALISMO - Que oportunidades vos proporcionou esta profissão? Bruno: Proporcionou-nos melhor conhecimento técnico e científico na área da animação, desde a exploração de diversas áreas, no caso da terceira idade, a terapêutica (por exemplo) e, na área das crianças, o desenvolvimento pedagógico dos alunos. CLUBE DE JORNALISMO – Foi esta a profissão que tinham pensado ter quando eram mais novos? Bruno: Como nós tínhamos referido anteriormente, esta é uma profissão recente. Eu, por acaso, tinha pensado seguir o ramo da Educação Física, sem dúvida. Armanda: Pois, eu tinha pensado ser Professora do Ensino Básico, mas quando surgiu esta profissão, foi a que escolhi. CLUBE DE JORNALISMO - Qual foi o acontecimento que mais o marcou na sua carreira? Bruno: O que mais me marca é desenvolver atividades com crianças, porque é das coisas mais gratificantes que há, pelo entusiasmo e pela alegria. Na parte da terceira idade, marca-me a melhoria da qualidade de vida das pessoas e claro que o sorriso também é importante... Penso que o que mais nos marca na nossa área é a alegria das outras pessoas. CLUBE DE JORNALISMO - Qual é o percurso para chegar a profissional de Animação Sociocultural? Bruno: O percurso académico é o ensino secundário, a licenciatura na área da animação e depois o mestrado. Mas hoje em dia, para se poder trabalhar na área da animação, tem que se fazer formação. CLUBE DE JORNALISMO Onde é que vão buscar inspiração para fazerem as atividades? A. Bruno: Por vezes tentamos fazer uma adaptação de pequenas atividades para conseguirmos fazer coisas diferentes, para que os alunos gostem. Armanda: Também são muitas vezes as nossas ideias, a nossa imaginação e criatividade, temos que nos adaptar. Bruno: Por exemplo, quando queremos despertar a concentração, fazemos vários jogos com esse propósito e, por vezes, temos mesmo que fazer pequenas adaptações, pesquisas, outras vezes inventamos, lemos livros… Temos de ter conhecimento técnico para que essas atividades vão ao encontro dos objetivos. CLUBE DE JORNALISMO Acham que esta profissão é muito complicada? Bruno: É como todas as profissões, por vezes, é complicado, outras vezes, não é complicado. Mas se gostarmos do que fazemos, se trabalharmos com paixão é tudo mais fácil. Armanda: Quando as pessoas estão motivadas e determinadas a fazer alguma coisa, ultrapassam as dificuldades mais facilmente. Se gostarmos do que fazemos, é meio caminho andado. No fundo nós somos apaixonados pela nossa profissão. CLUBE DE JORNALISMO - Querem deixar alguma mensagem aos alunos do Agrupamento? Bruno: Acho que é importante estudar e ter formação, porque hoje as empresas e instituições querem profissionais qualificados, e para serem profissionais, têm que ter algum conhecimento técnico e científico, que é muito importante para exercer qualquer tipo de atividade. Armanda: A mensagem que nós queremos deixar é que estudem, porque estudar só traz benefícios. CLUBE DE JORNALISMO – Agradecemos a disponibilidade dos nossos animadores, que já orientaram tantas atividades nas quais participámos. de comportamentos ambientais dentro da escola como também permitiu que os alunos transmitissem em casa e na comunidade as preocupações com a sustentabilidade ambiental. Além da receção da Bandeira Verde, o grupo que representou a Cidade de Castelo Branco assistiu à Gala Eco-Escolas, onde houve muita música, dança e algumas surpresas – com destaque para o lançamento do projeto “O planeta limpo de Filipe Pinto” destinado a consciencializar crianças e educadores para a importância de todos cuidarem do planeta. O Eco-Escolas, que em Portugal já decorre há 17 edições, é coordenado pela Foundation for Environmental Education (FEE) e pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE). * escritor Tertúlia Musical com * O Escola Faria de Vasconcelos Escola Cidade de Castelo Branco Hispanidad Luís Cerejo Miguel Carvalhinho vem à escola Para assinalar o “Día de la Hispanidad” ou “Fiesta Nacional de España” os alunos de Espanhol da nossa escola elaboraram trabalhos sobre personalidades, tradições e monumentos do mundo hispano, que foram expostos na biblioteca escolar. Este evento pretende festejar a chegada de Cristóvão Colombo à América, a 12 de outubro de 1492. Com esta descoberta vários países passaram a falar a mesma língua, assim temos hoje várias culturas a partilharem o mesmo idioma. Até o século XV, Europa e América eram dois mundos distintos, cada um se desenvolvia separadamente sem saber da existência do outro. A Hispanidade, ou difusão linguística e cultural espanhola, começou quando Cristóvão Colombo deu início à colonização europeia das Américas, em nome dos monarcas católicos espanhóis. A partir desse dia, Europa e América encontraram-se pela primeira vez e, desde então, o mundo como era conhecido nunca mais foi o mesmo. Mariana Branco e Beatriz Farias 5ºC (Clube de Jornalismo) No dia 10 de outubro de 2013, o escritor Luís Cerejo veio à escola Faria de Vasconcelos, para falar com os alunos do 5ºC sobre dois dos seus livros: “A Camioneta da Carreira” e “A Pedra Pequena”. Íamos para a aula de Português quando a professora projetou uma imagem de uma camioneta e perguntou--nos o que era. Dissemos várias hipóteses, até chegarmos à conclusão que era uma camioneta. Depois de vermos essa imagem, vimos outra com um olho. Quando vimos essa imagem, a turma disse que era um olho de lince, um olho de gato, um olho de raposa. Mas depois de algumas ideias, chegámos à conclusão que era um olho de urso, mas, na verdade, era um olho de pessoa. As imagens que a professora nos mostrou estavam relacionadas com as capas dos livros. Depois desta aventura da imaginação, falámos sobre como escrever livros. Esta experiência funcionou para conhecermos como era o raciocínio do escritor e como era o seu processo para a escrita. Toda a nossa turma gostou imenso de ter um escritor na sala de aula. Quem sabe se um dia algum de nós escreverá num livro como este? Professora Maria da Saúde Promover o saber e o enriquecimento cultural dos alunos bem como relações de partilha e parceria com toda a comunidade educativa foi o objetivo central da atividade que levou a Biblioteca Escolar da Escola Cidade de Castelo Branco a dinamizar o Dia Internacional da Música, trazendo à Escola o notável músico albicastrense, Miguel Carvalhinho. Homem das letras, das artes, da música e do ensino, é conhecido pela mestria no domínio da guitarra clássica e da viola beiroa, instrumento com significado cultural e artístico nesta região, que foi resgatado do esquecimento, ganhando uma nova vida nas mãos deste músico. O presidente da comissão administrativa do Agrupamento, António Carvalho, deu as boas vindas a Miguel Carvalhinho, agradecendo a sua participação na dinamização deste projeto. Com o seu talento, o guitarrista deu voz à viola beiroa, animando uma sala repleta de pais, alunos e professores. Fez cantar a viola e todos os presentes com melodias bem conhecidas desta terra, como Alecrim, Senhora do Almortão, Saudades da Beira…. Miguel Carvalhinho revelou-se, igualmente, um contador de histórias, deixando os ouvintes seduzidos pelo homem e pela sua obra musical. Esta atividade foi realizada em estreita colaboração com a turma do 5ºE, cujos alunos têm ensino articulado com o Conservatória de Castelo Branco. Através das palavras, procuraram transmitir o seu conceito de música, abrindo a tertúlia com frases de grande sensibilidade, que abriram as portas para a evasão que este momento musical a todos proporcionou: “Para mim, a música são mil palavras!” “A música é um sonho tornado realidade!” 5
  4. 4. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu janeiro de 2014 * Escola Cidade de Castelo Branco * Escola Boa Esperança Escola Cidade de Castelo Branco Dia Nacional da Biblioteca Escolar * Escola Faria de Vasconcelos PRÉMIOS BOM ALUNO Clube de Jornalismo zem acreditar e sonhar, como o conto que eu ouvi. Se não tivéssemos uma biblioteca escolar não poderíamos sonhar, nem acreditar, nem ter esperança. Sem isso o que seria de nós? - A biblioteca escolar é importante porque contém diversos livros que são importantes para o nosso desenvolvimento na leitura e na escrita e também para a nossa cultura. - O livro, a leitura e a biblioteca escolar são importantes porque com eles o mundo da magia e da aventura fazem-me sentir vivo. - Um livro vale tanto como uma pessoa, pois quando abro um livro entro num mundo em que aprendo a viver melhor. - A biblioteca escolar é um sítio fantástico onde podemos ler, requisitar livros e muitas mais atividades. - Os livros dão-nos informações necessárias, a leitura leva-nos a outro estilo de vida, e a biblioteca dá-nos o passaporte para esse mundo. No dia nacional da Biblioteca Esco- lema “Biblioteca escolar: uma porta lar, 28 de outubro, a ESNA assinalou aberta para a vida”, foi delineada e prea data com uma atividade de leitura parada conjuntamente, por todos os simultânea, envolvendo cerca de 800 professores bibliotecários dos Agrupaalunos. mentos de Castelo Branco e Vila Velha A leitura de um texto alusivo às bi- A comemoração da efeméride, este bliotecas aconteceu às 11.40 minutos, após ano tinha como lema “Biblioteca esum toque de cam- colar: uma porta aberta para a vida” painha que assinalava o início da leitura. De porta aberta, os de Ródão. alunos do 3º ciclo leram um excerto A Biblioteca apresentou, ainda, fora do livro de Afonso Cruz “Os livros que das atividades curriculares, outras prodevoraram o meu pai” e os alunos postas de leitura, de escrita e de fotogrado secundário uma crónica de Valter fia para assinalar o mês da Biblioteca EsHugo Mãe. colar, com o objetivo de promover a leitura Assinale-se que a comemoração da e celebrar a biblioteca, enquanto porta efeméride, que este ano tinha como aberta para a vida. A FORMA DO LIVRO 1.º C Boa Esperança Olho para o livro E a sua forma tem tantas formas De eu o poder olhar! Um livro pode ser Um diário aqui na mão E, se um pouco mais o abro, um colchão. Começo por um telhado, parede, Casa, cadeira ou porta, O que importa! É que virando e revirando Temos outros sentidos para aquilo que é... O feitio do livro. Ligo agora o tablet Fecho o computador. Espera, que mais poderá ser? 6 * de entrega dos Gala Galardões de Mérito * Comemoração do 800 alunos leem ao mesmo tempo Um leque que me abana, Uma foto ou um chapéu, Uma tenda debaixo do céu. Posso com ele estender uma manta, Uma peça de dominó fazer Ou um quadro onde escrever. Ergo uma mesa para jogar À beira de uma janela Para onde posso olhar. Resta-me levantar, Pegar na sandwicheira Que, simplesmente, é o livro para a vida inteira. Texto criado partindo dos termos enunciados pelos alunos acerca da forma do livro, no dia em que se assinalou o Dia da Biblioteca Escolar. Aconteceu * janeiro de 2014 Escola Nuno Álvares Biblioteca Escolar… Porta aberta para a Vida Outubro foi o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, sendo assinalado, em todo o mundo, com iniciativas diversificadas de promoção do livro, da leitura e da biblioteca. Em Portugal, a RBE (Rede de Bibliotecas Escolares) propôs que se concentrassem as atividades no dia 28 de outubro. Assim, a equipa da Biblioteca Escolar facultou textos de autores como Valter Hugo Mãe, Alice Vieira, António Torrado, Luísa Dacosta, José Jorge Letria …, relacionados com a importância dos livros, da leitura e da biblioteca e sugeriu que, à volta desses textos, se proporcionasse um momento de leitura em todas as salas de aula, para que os alunos tivessem oportunidade de conversar e escrever sobre a biblioteca enquanto porta aberta para a vida. Os professores de Português e do 1º ciclo dinamizaram a atividade de leitura, com todas as turmas da escola, selecionando as modalidades de abordagem que melhor se adequassem ao seu público e promovendo um debate aberto e construtivo. Os alunos escreveram, ainda, um pequeno texto, dando a sua opinião sobre o valor dos livros e da biblioteca. Esta atividade de promoção da leitura, do livro e da biblioteca foi transversal a todos os estabelecimentos envolvidos dos concelhos de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão. Aqui ficam alguns depoimentos dos alunos, que aderiram entusiasticamente à partilha da sua opinião sobre a biblioteca: - As bibliotecas são como aeroportos. São lugares de partida onde os leitores se transformam em passageiros de primeira classe. Os livros são lugares imaginários. São os ingredientes que compõem os homens e as mulheres do futuro! - A importância dos livros é que nos fa- * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares No dia 21 de outubro, decorreu uma cerimónia muito especial, em que foram entregues os prémios “Bom Aluno” aos alunos que se destacaram, no ano letivo transato, pelas suas excelentes notas. Estes prémios, compostos pelos manuais de Português e Matemática (alunos de 5º, 6º, 7º e 8º) ou cheque-livro (alunos de 9º ano), foram entregues pela Direção, pretendendo recompensar o empenho dos melhores alunos da escola (46 alunos, no total). A atividade contou com a presença dos pais, que se congratularam com a iniciativa, que já é habitual nos últimos anos . Todos estão de parabéns. A Escola Cidade de Castelo Branco apresentou à comunidade a Gala de entrega de Galardões de Mérito, numa cerimónia solene, que decorreu no dia 31 de outubro, no auditório da Escola Superior Agrária. Os Galardões de Mérito, referentes ao ano letivo 2012/ 2013, distinguiram os alunos que mais se destacaram nos vários domínios educativos - Académico, Artístico e Desportivo. O reconhecimento do mérito estendeu-se também aos pais / Encarregados de Educação como forma de agradecimento pela colaboração prestada à Escola, tendo sido atribuído a Miguel Carvalhinho o Galardão “Mérito Pais/Encarregado de Educação 2013 – Junta de Freguesia de Castelo Branco”. Nesta Gala, foram igualmente homenageados os professores recentemente jubilados com a atribuição do Galardão “Mérito Professores / Carreira 2013 – Caixa de Crédito Agrícola Mútuo” aos professores Etelvina Vicente, Jerónimo Barroso, João Garrido, Joana Almei- da, José Belo Calcinha, Luísa Marques, Maria Clara Martins, Maria de Fátima Marques e Maria Ricardina Marques. Também foi atribuído o “Galardão Melhores Turmas de 2013” que premiou a turma A do oitavo ano que evidenciou um conjunto de atitudes, valores e compromissos que lhe valeram uma viagem oferecida pela RBI. A outra turma nomeada pelo júri, o 6ºA, acabou por ser igualmente agraciada com o mesmo prémio. Este ano foram apresentadas 60 propostas para a atribuição de Galardões nos vários domínios, tendo sido atribuídas distinções de mérito aos alunos propostos não galardoados. As decisões do júri, quanto aos Galardões, foram as seguintes: Galardão “Mérito Artístico Ourivesaria Álvaro” - Ana Carolina Mota e Ricardo Manso Menção Honrosa - Patrícia Alexandra Amaral Galardão “Mérito Académico Câmara Municipal de Castelo Branco” - Tiago Afonso Menções Honrosas – Ana Margarida Barbosa, Carolina Monteiro Galardão “Mérito Desportivo ALBIGYM”– Miguel Silva Menções Honrosas – Margarida Marques e Patrício Ramos * Prémios Nuno Álvares Escola Nuno Álvares Sábado, 2 de novembro, 17 horas. O Pavilhão da Escola Nuno Álvares foi pequeno para acolher pais, alunos e professores para a cerimónia de entrega dos prémios relativos ao ano letivo 2012/13. Os galardões então entregues envolveram os Quadros de Excelência (3º ciclo e Secundário), Prémios Nuno Álvares, Diplomas do 12º Ano e oito prémios atribuídos quer por antigos professores quer por particulares que gentilmente oferecem, anualmente, um prémio pecuniário aos alunos que se distinguem em áreas diversas do conhecimento. A cerimónia foi presidida pelo Presidente do Conselho Geral da ESNA, Dr. António Marques, e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Dr. Luís Correia, do Diretor dos Estabelecimentos Escolares, Dr. José Alberto Duarte, do Presidente da CAP Dr. António Carvalho e do , professor Dr. Francisco Lourenço. Os Quadros de Excelência referentes ao 3º ciclo foram atribuídos a 46 alunos, cuja média de ano foi igual ou superior a 4.5 e evidenciaram um comportamento e assiduidade meritórios; no Ensino Secundário, 49 alunos integraram o Quadro de Excelência, tendo-se destacado pelo seu mérito académico, obtendo uma média de ano igual ou superior a 17,5 valores. Os Prémios Nuno Álvares tiveram como alvo os 5 melhores alunos do Ensino Básico e os 5 melhores do Ensino Secundário. Os oito prémios individuais pre- tenderam distinguir os alunos que se destacaram em várias áreas do saber, nomeadamente Matemática (11º ano), Biologia (11º ano), Ciências e Tecnologias (Ens. Sec.), Línguas e Humanidades (Ens. Sec.), Cursos Profissionais, 3º ciclo, Francês (3º ciclo) e História (12º Ano). A cerimónia decorreu num ambiente festivo, tendo os galardoados desfilado perante o olhar orgulhoso dos seus familiares e professores. Os diplomas entregues aos alunos que concluíram o 12º ano foi o corolário deste evento, concretizando, assim, uma das atividades do Plano de Atividades da Escola Nuno Álvares. Aos que ainda não concluíram o seu percurso escolar, a CAP deseja as maiores felicidades e votos de resultados ainda mais promissores; aos que nos deixaram, votos redobrados de sucesso com a certeza de que, com persistência, trabalho e muito empenho alcançarão os fins a que se propuseram. 7
  5. 5. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu Nos dias 25 e 26 de outubro de 2013 decorreu, no auditório da Câmara Municipal da Batalha, o 13.º seminário da Rede ESCXEL, subordinado ao tema “Literacia, conhecimento e competências: as aprendizagens entre as práticas e as metas”. À semelhança dos seminários anteriormente organizados pela Rede ESCXEL, o encontro reuniu investigadores, professores, educadores, e outros responsáveis na área da Educação, tendo possibilitado a apresentação dos resultados das mais recentes investigações no domínio da leitura e da literacia, bem como a reflexão e a partilha de boas práticas pedagógicas de diversas escolas/agrupamentos do país. O seminário iniciou-se com uma conferência do Professor Doutor José Carlos Junça de Morais, Professor Emérito da Universidade Livre de Bruxelas, sobre o tema “Literacia, Conhecimento e Competências: As Aprendizagens entre as Metas e as Práticas”. Seguiu-se a conferência plenária proferida pela Professora Doutora Luísa Paula Sousa Lobo Borges de Araújo, Investigadora no Joint Research Centre da União Europeia, em Itália, cuja comunicação se *SEGURANÇA A Escola Cidade de Castelo Branco janeiro de 2014 13.º SEMINÁRIO REDE ESCXEL centrou no tema “Literacia de leitura: o que nos diz o estudo internacional PIRLS sobre Portugal”. O seminário prosseguiu com a realização de três sessões temáticas, durante as quais foram debatidos os seguintes temas: “Práticas Pedagógicas, aprendizagens e metas no ensino básico”; “A articulação das aprendizagens entre ciclos: que soluções?”; “Novas e velhas tecnologias na qualificação das aprendizagens “. Do debate e das conclusões apresentadas, resultou um conjunto de propostas que contribuirão para melhorar os níveis de leitura e de literacia, bem como uma aplicação mais adequada das Metas Curriculares e uma articulação mais eficaz entre os ciclos de ensino. A Rede ESCXEL, projeto do CESNOVA (Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova) coordenado pelo Prof. Doutor David Justino, já agendou os próximos seminários para o ano letivo de 2013-2014 e fez recentemente chegar às autarquias e escolas da Rede novos estudos que visam dotar as instituições de informação tratada cientificamente, que capacite as mesmas para tomar as melhores decisões no plano educativo. * CINOTÉCNICA EQUIPA * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu * janeiro de 2014 * Halloween * Escola Faria de Vasconcelos Escola Faria de Vasconcelos e Día de los Muertos Professora Andrea de Barros Os alunos e professores de Inglês, Espanhol e Educação Visual assinalaram o “Halloween” e “Día de los muertos” com a decoração do pátio da escola, através de trabalhos elaborados pelas turmas do 7º ano. No âmbito desta comemoração destaca-se a elaboração de morcegos e a pintura de caveiras típicas mexicanas. Para além disso, em espaço de sala de aula e em todas os anos e turmas, visualizaram-se filmes e documentários relacionados com estas celebrações. Originalmente, o Halloween era um ritual celta, que marcava o Samhain, o fim oficial do verão e o início do Ano Novo Celta e o início do inverno. Halloween significa All Hallows’ Eve, que em português quer dizer “véspera do dia de Todos os Santos”. Esta festividade, de tradição anglosaxónica é celebrada, desde a sua origem, no dia 31 de outubro, sendo atualmente comemorada no mundo inteiro. No México, o Dia dos Mortos é uma celebração de origem indígena, que honra os defuntos no dia 2 de novembro. Começa no dia 31 de outubro e coincide com as tradições católicas do Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos. A UNESCO declarou-a como Património da Humanidade. Para os mexicanos, a morte é uma parte da vida, e não um momento de tristeza. Eles creem que ao morrermos, as almas vão para um lugar melhor e por isso, não há motivo para chorar. Acreditam que no “Día de los Muertos” as almas têm permissão para voltar ao mundo dos vivos e reencontrar os seus entes queridos. Por isso esse dia é um motivo de festa para quem está vivo, é uma forma de mostrar o seu carinho e amor para os que passaram para o outro lado, pois a morte verdadeira só acontece quando as pessoas deixarem de ser lembradas. Por isso demonstram que esse amor continua a existir e que deve ser exaltado com alegria. Escola Cidade de Castelo Branco Halloween Cândida Farinha 8ºC Nº3 Inês Ribeiro 8ºC Nº7 (Clube de Jornalismo) Sabiam que a palavra Halloween vem de Dia de Todos os Santos? Este diz-se em inglês All Hallows Day (dia de todos os santos). Como sabes, a noite anterior a este dia é muito importante, por isso Halloween é uma abreviatura de All Hallows Even - “Noite de Todos os Santos”! Antes acreditava-se que na Noite das Bruxas os fantasmas voltavam à Terra em busca de alimento e companhia para levarem para o outro mundo. Assim, as pessoas pensavam que encontravam almas penadas se saíssem de casa nessa noite. Por isso, para não serem reconhecidas pelos fantasmas, usavam máscaras quando saíam de casa, para serem confundidas com espíritos que andavam à solta a tentarem apanhar almas vivas. Para manter os espíritos longe de casa, as pessoas colocavam tigelas de comida à porta para os satisfazer e os impedir de entrar. Também para se proteger, carregavam lanternas, porque a luz e os fantasmas não se dão muito bem... Uns são da noite e das trevas (escuridão e morte) e a luz significa a vida. Em Portugal, no norte do país os rapazes das aldeias levavam os carros de bois até ao alto de um monte, carregavam-nos com lenha e faziam uma grande fogueira no largo da povoação onde assavam castanhas e saltavam por cima da fogueira. O costume de saltar fogueiras tem milhares de anos de existência. Serve para afastar o mal e mostrar que se tem muita coragem. Mas, na nossa escola, como somos originais, fazemos concursos de abóboras. Nestes concursos a abóbora que for decorada com maior criatividade ganha. Primeiro faz-se um orifício para tirar o miolo; recortam-se olhos e boca e, depois, decora-se. Pode ser decorada de muitas maneiras, pode pintar-se , por perucas, recortes e tudo o que nos vier à cabeça. O dia da alimentação DA GNR na no Agrupamento ESTÁ PRIMEIRO! Escola Clube de Jornalismo Rodrigo Cordeiro 7D João Martins 5E No dia 9 de outubro realizou-se na nossa escola uma palestra sobre segurança, designada por “Crescer em Segurança – Educação para a Prevenção”, onde participaram alunos do 5º e 6º anos. A palestra foi conduzida por um representante da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que também é Encarregado de Educação de um colega nosso. Falou-se sobre a segurança em vários locais, designadamente na escola, na estrada, em casa e refletimos ainda sobre bullying e cyberbullying. Foram mostrados vídeos que pretendiam alertar para alguns perigos e mostrar formas de os evitar. Ao longo da palestra os alunos participaram, dando as suas opiniões sobre o tema. No final todos receberam folhetos informativos que resumiam o que aprenderam sobre o tema. 5ºC 8 A Equipa Cinotécnica da Guarda Nacional Republicana de Castelo Branco deslocou-se à escola Cidade de Castelo Branco, no passado dia 16 de outubro, a fim de proceder a uma demonstração cinotécnica aos alunos do 1º ciclo, inserida nas atividades dedicadas à Semana do Animal. Um dos elementos da equipa explicou aos alunos a importância destes animais, quer no combate à criminalidade, quer em situações de busca e salvamento de pessoas.Os alunos puderam observar a perícia com que estes cães procuram droga, armas e outros objectos. Todos os alunos adoraram e no final puderam interagir com os cães, que se mostraram bastante dóceis. No Jardim de Infância CCB Alunos do JI CCB Este foi o nosso lema no passado dia 16 de outubro, para reforçar a importância de uma alimentação saudável. Para isso os nossos pais trouxeram para o JI alguns produtos hortícolas (cebola, batata, alho francês, courgette, abóbora e cebola). Juntámo-nos todos numa grande roda e as nossas Educadoras conversaram connosco e explicaram-nos que para crescermos com muita saúde e força é muito importante comermos sempre sopa, com muitos legumes. Também aprendemos os seus nomes e que têm várias formas e cores diferentes. Depois de cortados aos bocadinhos, os legumes foram para o fogão, dentro de água com sal e azeite, para cozer. Assim ficou pronta a nossa sopa para depois comermos ao almoço. Estava mesmo muito boa! Como achámos engraçadas as diferentes formas que nos fizeram lembrar alguns animais, ainda pudemos transformá-los, fazendo com que se transformassem em “Legumes com Vida”. O Dia Mundial da alimentação, que se comemora a 16 de outubro, foi estabelecido pela organização das Nações Unidas em 1979 para chamar a atenção para a importância da alimentação. Também na nossa escola se comemorou este dia através de vídeos educativos sobre a temática. Na sala dos professores houve um pequeno-almoço muito saudável à base de mel, leite e diversos produtos naturais. Este dia serve principalmente para os meninos e meninas aprenderem a comer o que é saudável. Normalmente as crianças preferem comer à base de fritos e salgados e, por isso, é importante celebrar dias como este para que estes hábitos mudem. * VIAGEM À PRÉ-HISTÓRIA * UMA Bruxas animam Escola Nuno Álvares A 25 de novembro, a equipa do -Talha de sílex e quartzito; projeto “Andakatu”, ligado ao Mu- Cerâmica e pintura; seu de Pré-História de Mação, des- Descoberta do fogo; locou-se à ESNA, a convite das pro- Invenção da agricultura; fessoras de História, Alice Alves e - Rituais religiosos. Fernanda Pinto. Foram, assim, cumpridos os objeCom esta iniciativa, os alunos de 7.º tivos de os alunos recriarem a vida na ano puderam participaram em ateliês pré-história e ficarem a conhecer o prode experimentação, tais como: cesso de evolução humana. Escola Cidade de Castelo Branco leitura na Biblioteca O mês de outubro terminou de forma fantástica na Escola Cidade Castelo Branco. Foi com muito colorido e magia que a Biblioteca Escolar dinamizou o Dia das Bruxas, entre turmas do 1.º ciclo e do Jardim de Infância. As atividades começaram 15 dias antes, com um desafio lançado a todos os alunos: “Mostra a tua garra – põe a tua imaginação a trabalhar e, para a Biblioteca enfeitar, um gato vais apresentar”. Começaram, então, a surgir gatos de diversas formas, cores, tamanhos e feitios, cada um mais criativo do que o outro. Com esses gatos, verdadeiro símbolo do Dia das Bruxas, a equipa da Biblioteca Escolar decorou o átrio principal da escola. Entre o dia 30 de outubro e 1 de novembro, a hora do conto na Biblioteca e no Jardim de Infância da Boa Esperança foi o momento alto da alegria dos alunos, que através das histórias encenadas pela Professora Saúde, viajaram para castelos distantes, com bruxas, feitiços, abóboras, múmias e dragões. Abracadabra, e abriram-se as portas para a leitura, compreensão, vivência de histórias fantásticas que tornaram a escola um local de felicidade, de aprendizagens e experiências múltiplas. Pozinhos de Prilin…pin…pin… Esta história chegou ao fim!!! 9
  6. 6. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu janeiro de 2014 * * REVIVER O PASSADO Lume, castanhas e...animação O Magusto na E.B.1 Boa Esperança DO MEIO LOCAL Ana Antunes, 5ºB (Clube de Jornalismo) 3º A e 3º B O Magusto é uma festa popular tradicional. É costume realizar-se em novembro, Grupos de amigos e famílias juntam -se à volta de uma fogueira, onde se assam as castanhas ou bolotas para comer e bebe -se a jeropiga , água -pé ou vinho novo , fazem – se brincadeiras , as pessoas enfarruscam -se com as cinzas ,cantam-se cantigas .  O magusto realiza-se em datas festivas: no dia de São Simão, no dia de Todos-os-Santos ou no dia São Martinho. Na escola também é costume fazer-se. Este ano também comemos castanhas, a meio da manhã. A celebração do magusto está associada a uma lenda que as pessoas dizem que um soldado romano, mais tarde  conhecido por Martinho de Tours, ao passar a cavalo por um mendigo quase nu, como não tinha nada para lhe dar, cortou a sua capa ao meio com a sua espada; estava um dia chuvoso e diz-se que, neste preciso momento, parou de chover e apareceu o sol. Daí nasceu a expressão: “Verão de São Martinho” Os alunos do 3.º A e 3.º B da Escola Cidade de Castelo Branco efetuaram uma visita de estudo à Igreja de S. Miguel, mais conhecida por Sé, e ao Jardim do Paço, no passado dia 12 de novembro. Esta visita teve como objetivo proporcionar aos alunos o conhecimento de algumas referências históricas da nossa cidade. Pudemos contar com a ajuda do professor José Teodoro, para nos explicar as origens e as caraterísticas destes dois monumentos históricos da nossa cidade. Os alunos prometeram voltar para apreciarem melhor estas preciosidades. Castelo Branco: a vila medieval Alunos de 8º ano Fomos conhecer a vila medieval de Castelo Branco, a 8 e 9 de novembro, no âmbito do estudo da Idade Média, no 8.º ano. Começámos por recordar a antiga igreja gótica de São Miguel e depois contornámos a Cerca da Vila, desde o Posteguinho de Valadares até ao 10 Castelo. Aqui tentámos imaginar como seria o castelo, a partir das ruínas existentes e da planta que nos deixou Duarte D´Armas, cerca de 1500. Depois descemos a encosta, sempre junto à Cerca da Vila. Subimos à torre ao Espírito Santo, depois seguimos em direção à torre do relógio e terminámos Aconteceu * janeiro de 2014 Escola Faria de Vasconcelos Escola Cidade de Castelo Branco * * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares » onde havíamos começado, deixando a cerca fechada, para que ninguém assalte a vila. Os nomes das ruas ensinam-nos que a vila cresceu em leque, de oeste (nomes ligados à agricultura) para leste (nomes relativos à indústria). E sobretudo divertimo-nos imenso! * Clube de Escola Cidade de Castelo Branco robótica a trabalhar... No dia 7 de novembro realizou-se a primeira sessão de robótica, abrangida pelo projeto “Escolher Ciência”, dinamizado pela Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco. Esta foi uma das muitas sessões que irão acontecer ao longo do ano e proporcionou a construção de um carro robô Arduíno. Este robô dá a possibilidade de programar oferecendo inúmeras potencialidades de utilização. No fim da sessão todos os intervenientes estavam satisfeitos com a jornada e prontos para a próxima. Nesta aventura acompanhou-nos o professor Fábio Santos que é um dos responsáveis por esta iniciativa. Os alunos da EB1 Boa Esperança comemoraram, na sua escola, o dia de São Martinho com lume, castanhas e uma boa dose de animação. Tal sucedeu no dia 12 de novembro em torno da tradicional fogueira. O tempo fez jus à expressão a que se associa a festa - o verão de São Martinho permitiu a realização de jogos bem organizados em grupos, a confeção dos cartuchos para as castanhas comidas com satisfação, a entoação de canções. Na sala de aula, deu-se lugar ao trabalho em torno da figura de São Martinho nas diferentes áreas de estudo: as histórias, as questões matemáticas, as coroas, os trabalhos de expressão plástica. O espírito de camaradagem e a inter-relação estabelecida são sinais de que as crianças prezam estes momentos de franco convívio e descontração ao mesmo tempo que não esquecem as tradições. Olimpíadas de Matemática * Escola Cidade de Castelo Branco Mais uma vez a Escola Cidade de Castelo Branco voltou a participar na fase escolar das XXXI Olimpíadas Portuguesas da Matemática. As Olimpíadas Portuguesas de Matemática (OPM), organizadas anualmente pela Sociedade Portuguesa de Matemática, são um concurso de problemas de Matemática, que visa incentivar e desenvolver o gosto por esta disciplina, dirigido aos estudantes dos 2º e 3º ciclo do ensino básico e aos que frequentam o ensino secundário. Os problemas propostos neste concurso fazem sobretudo apelo à qualidade do raciocínio, à criatividade e à imaginação dos estudantes. Um dos objetivos do concurso é a deteção precoce de vocações científicas e, em particular, para a Matemática. Na nossa escola houve uma adesão maciça participando 53 alunos (30 do 2º Ciclo e 23 do 3ºCiclo). Apesar de terem achado as provas difíceis, os alunos vinham satisfeitos com os desafios matemáticos que lhes foram lançados. Nas Pré Olimpíadas participaram os alunos do 5º ano, nas Olimpíadas Júnior participaram os do 6º e 7º ano e na categoria A participaram os do 9º ano. Tal como nos três últimos anos, esperamos que haja um conjunto de alunos com pontuação para passarem à fase distrital. * eliminatória das Primeira Escola Faria de Vasconcelos “Olimpíadas de Matemática” CATEGORIA A – 8º e 9º ano Tiago Afonso, 9ºA Diogo Pinto, 9ºA Ana Barbosa, 9ºA André Nunes, 8º D Joana Barata, 9º B CATEGORIA JÚNIOR – 6º e 7º ano Inês Calmeiro, 6ºE Carolina Fernandes, º7A Beatriz Santos, 7ºD Ricardo Dias, 6ºD Inês Mascarenhas, 7ºA PRÉ-OLIMPÍADAS – 5º ano Alexandre Nunes, 5ºD Leonor Fernandes, 5ºC Pedro Pereira, 5ºD Fábio Bicho, 5ºC João Tomás, 5ºE Na tarde do dia 13 de novembro de 2013, decorreu a primeira eliminatória das “Olimpíadas de Matemática” na Escola básica Faria de Vasconcelos e teve a duração de aproximadamente duas horas. Esta atividade está dividida em vários escalões : as Pré-Olimpíadas (5º ano), a Categoria Júnior (6º e 7º anos), e a Categoria A (8º e 9º anos) e houve um envolvimento de cerca de 30 alunos. Foi a primeira vez que os alunos participaram e acharam uma atividade um pouco “complicada” mas tal como os Professores dizem “não se deve desistir logo à primeira”. É uma atividade que deve continuar nos próximos anos. 11
  7. 7. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu * janeiro de 2014 A exposição “A Física no dia-a-dia” é uma iniciativa baseada no livro com o mesmo nome, de Rómulo de Carvalho, sendo dinamizada pelo Ministério da Educação e Ciência e pelo programa “O Mundo na Escola”. Apresentada inicialmente no Pavilhão do Conhecimento, entre novembro de 2011 e setembro de 2012, a mostra foi agora adaptada sob a forma de exposição itinerante, pelos físicos Pedro Brogueira e Filipe Mendes, professores do Instituto Superior Técnico, para uma versão mais leve, com o objetivo de ensinar os alunos a saber o porquê da física que nos rodeia, dentro dos princípios da obra que Rómulo de Carvalho deixou. Mantendo o design e o conceito expositivo original, a exposição está organizada seguindo a lógica das várias divisões de uma casa – quarto, sala, escritório, co- Eu e o Francisco Divertimo-nos a valer A fazer experiências E nunca andámos a correr. Parecia fantasia Do outro mundo Tudo parecia magia Com o cientista Dr. Augusto. Diogo Carvalho, 4ºA - FV Eu gostei muito da exposição Foi muito divertida Adorei ter as coisas na mão Foi uma experiência bem vivida. Tomás Costa, 4ºA- FV A exposição é divertida A Física parece magia Pensei que fosse uma hora comprida Mas foi sentida com muita alegria. zinha e jardim – utilizando objetos do quotidiano para explicar princípios básicos da Física Clássica, trazendo uma nova visão do mundo que nos rodeia. As atividades oferecidas utilizam materiais simples, como clipes e pregos, espelhos e relógios, chaleiras e balanças de cozinha. O carácter itinerante possibilita a visita à exposição do maior número de alunos possível, cobrindo grande parte do país e incidindo especialmente nas regiões com menor oferta científica. A permanência da exposição no Agrupamento Nuno Álvares Escola Faria de Vasconcelos, foi de 2 semanas, de 27 de novembro a 11 de dezembro, com sessão de abertura realizada no primeiro dia e tendo contado com a presença, entre outros, da Diretora do Programa “O Mundo na Escola” e do Presidente do Agrupamento Nuno Álvares. “A exposição está magnífica! Parabéns aos mentores e dinamizadores.” “Quero agradecer o honroso convite que me foi dirigido para participar na abertura desta magnífica exposição “Mundo da Física”. Bem hajam. Cabe-me, igualmente, dar os parabéns à Escola Faria de Vasconcelos por esta iniciativa. Já me habituei a ver na direção desta escola pessoas competentes e dinâmicas. Para mim a Escola Faria de Vasconcelos é modelar. Parabéns e felicidades para os docentes e alunos.” Tiago Ribeiro, 4ºA- FV A Física é divertida Está no nosso dia-a-dia Foi vivida Com muita magia. Maria Francisca Coelho, 4ºA- FV Foi divertido Com muita magia no ar Gostava de lá ter ficado Sempre a experimentar. A Física é grande E muito divertida É uma ciência incrível E muito querida. Maria Carolina Milheiro, 4ºA- FV Fiquei muito ansiosa Tive muita alegria Fiquei curiosa Senti muita magia. Mara Antunes, 4ºA- FV A Física é divertida Parece magia Como uma bonita flor E com muita fantasia. Constança Marques, 4ºA- FV Eu gostei da exposição Aquela sala tinha magia Tirei a conclusão Que havia muita fantasia. Vitor Cabrito, 4ºA- FV “A USALBI – Universidade Sénior de Castelo Branco agradece o convite proporcionado à turma de Astronomia. A exposição de física no dia a dia está muito completa. Para mim, pessoalmente, foi muito gratificante o relembrar das aulas de Física que tive com o professor Rómulo no Pedro Nunes. Parabéns pela iniciativa.” Ana Eiró Veja o Video da Inauguração aqui: “É com grande gosto que trazemos a exposição Física no dia-a-dia à Escola Básica Faria de Vasconcelos. Que estas duas semanas possam contribuir para o gosto por experimentar, ajudem a motivar os jovens desta escola (e de outras) para as carreiras científicas. Porque o mundo entende-se com Ciência!” Rogério Roque A. USALBI Castelo Branco (Diretora do Programa O Mundo na Escola) “Gostámos bastante de fazer as experiências!” Turma 4ºC, Centro Social Padres Redentoristas 12 * “A turma do 9ºD da Escola Cidade de Castelo Branco achou esta experiência muito divertida e espera que haja mais atividades destas.” “Adorei a exposição porque aprendi muitas coisas novas.” Leonor Lopes, 7ºB, Faria de Vasconcelos “Uma ótima exposição, que torna fácil aprender Física, com situações do nosso quotidiano. Bom trabalho com as atividades interativas, que facilitam muito para perceber o que se passa. Obrigada.” 9ºA, ESNA “A Santa Casa da Misericórdia de Castelo Branco agradece a iniciativa e dá os sinceros parabéns pelo evento.” “Achei que esta exposição foi muito interessante, tanto para os alunos como para os professores. Gostei de saber como funciona a lógica das coisas, como funciona a imagem e, principalmente, a parte elétrica. Acho que toda a turma se divertiu e ficaram todos animados e entusiasmados ao saber que iam realizar experiências científicas.” Subdelegado da turma 3, 9º ano, Escola Afonso de Paiva “Gostei muito desta exposição. Penso que está muito imaginativa e que se adequa a várias idades, desde crianças de 10 anos a adultos, pois nunca se é demasiado velho para aprender! Todas as experiências eram divertidas e, muitas delas, tinham resultados inesperados. Na minha opinião, eu e todos os meus colegas apreciámos e aprendemos. Devem fazer mais vezes este tipo de projeto, pois os alunos adoram e é uma forma criativa de adquirir inúmeros conhecimentos.” Diana Salvado, NA 8.º A Gabriela Sarrasqueiro – professora do 4ºA Faria de Vasconcelos “Trazer à escola o mundo que nos envolve é uma tarefa prioritária em que todos nos devemos empenhar. Devemos motivar os nossos alunos para que se envolvam cada vez mais nas tarefas do dia-a-dia, no sentido de se aperfeiçoarem e atingirem o sucesso desejado. Parabéns a toda a equipa que trouxe esta exposição a todos e que isto constitua um incentivo para futuras atividades.” Padre José Sanches João Belém 13
  8. 8. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu janeiro de 2014 * Escola Nuno Álvares Uma aventura na Biblioteca Pedro Mendes Bruno Gonçalves, 5ºE No passado dia 12 de novembro, a turma do 5ºE, à semelhança de todas as turmas de 4º e 5º anos, foi à biblioteca realizar um bibliopaper- Uma aventura na Biblioteca Escolar. Esta atividade consistiu na realização de um jogo que nos ensinava a orientarmonos naquele espaço, adquirindo noções básicas sobre a forma como a biblioteca está organizada e a maneira mais simples de encontrar aquilo de que necessitamos. A professora Saúde deu-nos todas as instruções e mostrou-nos o mundo fantástico que existe dentro de uma biblioteca. Para realizar esse jogo tivemos que procurar livros, jogos, filmes e outros recursos disponíveis na biblioteca, identificando títulos e autores. Depois foi ainda necessário responder a questões relacionadas com as regras de comportamento dentro da biblioteca, pois este é um espaço onde nós gostamos muito de estar, mas devemos fazer silêncio e respeitar todos os que lá se encontram a ler e a estudar. Foi uma atividade interessante e educativa na qual nos divertimos imenso. * Palestra sobre plantas Escola Cidade de Castelo Branco aromáticas medicinais André Nunes nº5 8ºD 14 * janeiro de 2014 * * COMEMORAÇÃO DO GEOCACHING DOS Escola Cidade de Castelo Branco No passado dia 14 de novembro, na Biblioteca Escolar, a Engenheira Agrónoma Fernanda Delgado, professora na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, fez uma palestra sobre as plantas aromáticas desta região e os seus valores nutritivos e medicinais, a convite da Professora bibliotecária, em articulação com a disciplina de Ciências Naturais. As turmas de 8º ano da Escola Cidade de Castelo Branco reuniram-se na biblioteca às 9:15h, sabendo o tema da palestra que iriam escutar. Quando os alunos chegaram, os professores deram-lhes panfletos com informações sobre algumas plantas aromáticas, acompanhadas das respetivas imagens. A Engª. Fernanda Delgado começou por se apresentar e expor o assunto a desenvolver. Trouxe várias plantas aromáticas e medicinais (PAM) para mostrar e para os alunos cheirarem. Entre as plantas apresentadas encon- * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares trava-se o louro, o orégão, o tomilho, o alecrim, o poejo, a hortelã... Os alunos tiveram ainda a oportunidade de aprender algumas utilizações de várias plantas: perfumes, detergentes, pasta de dentes, massagem, pastilhas, etc. A Enga. Fernanda Delgado ensinou que, se alguém fosse ao campo colher ervas aromáticas espontâneas, devia ter cuidado, porque algumas plantas são venenosas podendo causar a morte se forem consumidas, e que se deveria deixar sempre um ou dois pés dessa planta para que, no ano seguinte, ela pudesse, de novo, crescer. Para terminar, a palestrante ensinou a fazer um viveiro para a salsa, a partir de uma garrafa de água de um litro e meio. No final, agradeceu-se à Enga. Fernanda Delgado por ter ido à nossa biblioteca fazer aquela palestra, que tanto nos ensinou e motivou para o vasto e fascinante mundo da botânica. * Escola Nuno Álvares MALALA, OS DIREITOS DAS MULHERES E A CÁRITAS Beatriz Mendes Joana Almeida Marta Fernandes Sara Robalo NA 8.ºA Na disciplina de Educação para a Cidadania, aceitámos o desafio: tratar o tema dos Direitos Humanos e, simultaneamente, participar no concurso promovido pela Biblioteca Escolar/Centro de Recursos (BE/CR) da ESNA, subordinado ao tema: ”Nunca se é demasiado pequeno para mudar o mundo.” Para comemorar o Dia dos Direitos Humanos, realizámos um pequeno vídeo sobre Malala, a pequena ativista do direito das mulheres à educação: com a música “Imagine”, de John Lennon, em fundo, todos aqueles que Seguiram-se os contactos para formar o público assistente, depois de decidirmos que seriam as turmas do 7.º ano que iriam participar na palestra: falámos com as respetivas diretoras de turma, que imediatamente concordaram com a idea, marcámos o dia e a hora e solicitámos a presença dos professores que estavam com as turmas nesse horário. Assim, no dia 16 de dezembro, pelas 12 horas, na Biblioteca Egas Moniz, realizou-se a palestra que, ouvida pelo 7º ano, turmas A e B, e pelo 8ºA, começou com um pequeno vídeo sobre Malala e ”Nunca se é demasiado pequeno para mudar o mundo.” passaram pelo átrio da ESNA, no dia dez de dezembro, puderam ver um breve filme sobre a vida e intervenção desta rapariga paquistanesa na história da luta das mulheres pelo acesso à escola. Para complementar este trabalho, pensámos em organizar uma palestra sobre o tema dos Direitos Humanos. Recorremos à Cáritas que nos disponibilizou uma oradora, a Dr.ª Fátima Santos, que, convidada pela nossa professora de EDC, a Dr.ª Maria João Damas, se mostrou disposta a colaborar connosco. prosseguiu com uma explicação sobre o papel da Cáritas na distribuição de alimentos pelas famílias carenciadas, entre outras atividades de intervenção, junto da sociedade. Depois da divulgação desta instituição, a representante da Cáritas lançou o apelo a todos os que quiserem prestar voluntariado, para visitarem as instalações e observar como funciona e como trabalham os voluntários. No final, a equipa de trabalho distribuiu panfletos sobre os Direitos Humanos aos presentes, agradecendo a vinda de todos, em particular à Cáritas. Escola Nuno Álvares Aconteceu * Escola Faria de Vasconcelos PRIMEIRO DE DIREITOS HUMANOS DEZEMBRO Os alunos das turmas do 8.º A e 8.º B assinalaram a Restauração da Independência de Portugal, ocorrida a 1 de dezembro de 1640, com uma exposição de trabalhos alusiva ao tema. Os cartazes estiveram expostos para observação de toda a comunidade escolar e foram orientados pelas docentes da disciplina de História, Alice Alves e Fernanda Pinto. Num ano em que, pela primeira vez, não se comemorou oficialmente o 1.º de dezembro enquanto feriado, professoras e alunos não quiseram deixar passar em branco uma data tão relevante para a história do nosso país. No dia 13 de dezembro, pelas nove horas, foi realizada uma atividade sobre Direitos Humanos, no âmbito da disciplina de Educação para a Cidadania, na turma B do 8º ano de escolaridade. Esta atividade consistia numa “caça” aos direitos humanos, inspirada no projecto mundial conhecido como Geocaching. O grupo de trabalho, constituído por cinco alunas da turma, retirou da Declaração Universal dos Direitos do Homem uma série de artigos que depois imprimiu em pedaços de papel, espalhando-os por um dos corredores da escola. Mas, misturados com os direitos verdadeiros, havia falsos direitos, para tornar mais difícil a tarefa dos alunos de os detetarem; os cerca de 40 papéis escondidos seriam então alvo de procura por partes dos restantes elementos da turma. Durante uma aula de Língua Portuguesa, foi dada a ordem de partida dos alunos, que dispunham de um tempo limite para regressarem à sala de aula, depois de encontrarem o maior número de direitos. Os direitos falsos valiam 0 pontos e cada direito verdadeiro valia 1 ponto. De volta à sala, foram validados os pontos obtidos por cada aluno, determinando-se os seguintes resultados: - Em 1.º lugar, ficou a aluna Oleksandra Tkalych (com 8 pontos), em 2.º, ficou a aluna Vanessa Martins (com 4 pontos) e, em 3.º, o aluno Luís Fortunato (com 3 pontos). As responsáveis por esta atividade foram as alunas: Mariana Duarte, Beatriz Afonso, Marta Domingues, Sara Próspero e Inês Filipa, NA8.ºA. * Namorar com FairPlay Escola Faria de Vasconcelos Alunos do 9º A No passado dia 5 de dezembro, no âmbito do projeto “Namorar com FairPlay”, promovido pelo IPDJ, a turma A do 9º ano da Escola Faria de Vasconcelos participou num seminário, em Leiria. O projeto iniciou-se no 8º ano, sob a orientação do Professor Manuel Jerónimo e em colaboração com os promotores do projeto. No início do ano letivo a turma retomou os trabalhos, orienta- da pelo Professor Joaquim Almeida. A turma, após muitas pesquisas e reflexão sobre o tema proposto, adotou o slogan ”Se há respeito… é porque há amor” que foi colocado/estampado em T-Shirts. Em Leiria, os alunos assistiram e participaram em vários workshops e palestras relacionadas com o tema “Namorar com FairPlay” e foram apresentados os trabalhos realizados pelos alunos nas várias escolas envolvidas. Os alunos regressaram a Castelo Branco com novas informações e conhecimentos sobre o tema trabalhado. E o projeto foi premiado com um honroso 3º lugar na categoria 1, na região Centro. Este seminário proporcionou, ainda, um salutar convívio.   OS MAIS BELOS CONTOS DE NATAL O conto de Natal da turma C do 6º ano, da Escola Faria de Vasconcelos,  foi selecionado para publicação em livro, no âmbito do concurso “O Mais Belo Conto de Natal” promovido pelo Fórum Castelo Branco. Este ano o natal no Fórum Castelo Branco será subordinado ao tema “Era uma vez…” Os contos e histórias de natal povoam a nossa imaginação e levamnos de regresso à magia da infância. Por isso decidiu-se lançar aos mais novos o desafio de criarem e partilharem  os seus próprios contos de natal. De entre os contos recebidos, foram selecionados por um júri do Fórum Castelo Branco, os 10 contos que melhor se enquadram neste projeto e, posteriormente, os 2 contos vencedores, um de cada ciclo de ensino. Os contos escolhidos foram ilustrados e publicados em forma de livro. Os vencedores foram apresentados (e receberam os prémios) na festa de natal do Fórum Castelo Branco, no dia 6 de dezembro. Os 10 contos editados em livro-conjunto são: Mais uma historinha de Natal Escola Faria de Vasconcelos – 6ºC Brinquedos não são prendas - Escola Básica de São Tiago – 1º ciclo , 4º Ano A Magia da Amizade - Escola de Janeiro de cima, 1º Ciclo. Era uma vez, pelo natal… - Escolas de Vila Velha de Ródão, 1º Ciclo turma C. Espírito de Natal – Escola EBI João Roiz 5º A; O Miguel e o Pai Natal - EB1 de Póvoa de Rio de Moinhos Quem está à porta? - EB Santa Teresinha – Fundão, 1º Ciclo Um conto de Natal… um pouco original - Escolas de Vila Velha de Ródão, Alunos do6ºA A força da amizade EB1 Pêro Viseu – Turma PER1, 1º ciclo Um conto de Natal - Escola João de Deus alunos do 3º ano. Todos estão de parabéns. Na Faria, o 6ºC está de parabéns (sobretudo a aluna Catarina Charrinho), bem como a  professora Ana Paula Santos, que lançou o desafio e acompanhou a sua concretização. 15
  9. 9. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Aconteceu janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares * Internacional da Dia Pessoa com Deficiência Banco Alimentar contra a Fome 2013 Minions (Ass. Estudantes) alimentaram esta ideia Com o objetivo de assinalar o Dia Internacional da Pessoa com deficiência, dia 3 de dezembro, o departamento de educação especial, em colaboração com a biblioteca e o departamento de línguas, realizou um conjunto de atividades de sensibilização, promovendo a compreensão e a inclusão da deficiência na comunidade educativa e na sociedade em geral. Tendo como fio condutor a poesia e a música, distribuíram-se e afixaram-se poemas e cartazes em diferentes espaços. Ao longo do dia foi possível o visionamento de vários vídeos elucidativos sobre algumas deficiências, nos ecrãs do átrio principal e na sala de alunos. Nas aulas de Língua Portuguesa leram-se poemas, sobre esta problemática, escritos por alunos, professores e pessoas com deficiência. Na hora do conto, da biblioteca escolar, este dia foi assinalado pela leitura de contos diferentes. Para além disso, na sala de professores, ouviu-se música de vários músicos com deficiência e distribuíram-se, simbolicamente, poesias e flores em papel executadas pelos alunos e professoras do Ateliê Saberes e Sabores. Ana Patrícia Nunes Semedo, NA12ºF terra e pensar que pode não ser o Banco Alimentar, mas será a sua essência, o ajudar os outros. Tal como os grandes feitos, as grandes obras, a ideia megalómana de mudar o mundo não pode ser vista como imediata: ela requer um somatório de várias pequenas etapas. Portanto, pensar que esta ajuda não vai mudar o mundo é uma ideia completamente falsa. A dedicação de toda a equipa de voluntários a esta causa resultou na angariação de 21 toneladas de alimentos que serão, neste caso, devem já ter sido, en-tregues às famílias carenciadas do distrito de Castelo Branco que estão identificadas pelas 17 instituições de solidariedade social que com ele colaboram, nesta missão de luta contra a fome. Gostaria de terminar com uma citação de Nelson Mandela, que mostra que não basta sonhar um mundo melhor, escrever utopias, discursar eloquentemente e com enorme sentido de consciência social, é preciso acordar e fazê-lo: “Uma preocupação fundamental pelos outros nas nossas vidas individuais e comunitárias teria muito efeito em transformar o mundo naquele lugar melhor que tão apaixonadamente sonhámos.” * Escola Cidade de Castelo Branco * Voluntariado na 1.ª pessoa: Um fim de semana Solidário Mariana Galvão 7ºB nº19 No passado fim de semana (dias 30 de novembro e 1 de dezembro), o Banco Alimentar contra a Fome realizou uma nova recolha de alimentos destinada a ajudar os mais necessitados. No âmbito da disciplina de Educação Moral, também eu e uma colega da turma nos propusemos participar, tendo integrado a equipa dos minimercados. Nesse dia, levantamo-nos bem cedo e, por volta das 8 horas e 30 minutos, já estávamos a recolher alimentos. Foram muitas as pessoas que contribuíram com alimentos e com um sorriso. Passámos, assim, uma manhã 16 muito divertida que servirá para ajudar quem mais precisa. Durante este fim de semana, o Banco Alimentar contra a Fome recolheu cerca de 21 toneladas de alimentos e sinto-me feliz por ter contribuído para a recolha de tantos alimentos que vão ajudar muitas pessoas e instituições. Acho que o voluntariado é um desafio para todos, porque todos devemos dar um pouco do nosso tempo para cuidar dos outros. Espero também continuar a dar o meu contributo para que na próxima campanha sejam recolhidos ainda mais alimentos que irão fazer a diferença na vida das pessoas do nosso distrito. “A hora do chá” Francisco Pinto, 2ºB No dia 15 de novembro de 2013, a turma do 2º B da Escola Cidade de Castelo Branco foi ao Museu Francisco Tavares Proença Júnior para participar no evento “A hora do chá”. Quando os alunos chegaram ao Museu puderam ver um filme sobre as origens do chá, onde ficaram a saber que o chá apareceu pela primeira vez na China. Depois os alunos aprenderam que as folhas do chá têm de se partir para que o chá tenha mais sabor e mais cheiro. Os alunos puderam ainda fazer a sua própria base para pôr o saco de chá que levaram para casa. A turma regressou à Escola Cidade de Castelo Branco muito feliz! Escola Cidade de Castelo Branco “Saúde Oral” Revista Forum Estudante Agrupamento ganha Concurso POW O POW Dá PoWer ao Electrão é um projeto de educação ambiental e social, desenvolvido pela Amb3E , com a colaboração da revista Forum Estudante, para dar a conhecer os EEE e poder ajudar a manter o planeta limpo e saudável através do correto encaminhamento dos REEE. Deste modo, os alunos João Campos e José Nunes, com o prof Carlos Matos, meteram mãos à obra, e através de filme conseguiram transformar peças de computadores sem utilidade em novos e úteis aparelhos. E o filme transformou-se em realidade, já que obtiveram o primeiro prémio e com ele 1500 euros de novos aparelhos audiovisuais para o agrupamento. Dr.ª Mariana Nunes 2ºB CCB No dia 2 de dezembro, a Dentista Dr.ª Mariana Antunes Nunes, da Clínica Maló, acedeu ao convite da turma do 2ºB e disponibilizou-se a estar presente na Escola Cidade de Castelo Branco para realizar uma palestra sobre saúde oral. A palestra foi dirigida aos alunos do 2º ano cujos conteúdos programáticos, na área de Estudo do Meio, englobam esta matéria. A Dr.ª Mariana transmitiu, de uma forma excelente, o que é necessário para se ter uma boa higiene bucal e que dentes saudáveis não só contribuem para que se tenha uma boa aparência, mas também são fundamentais para que se possa falar bem e mastigar corretamente os alimentos. Os alunos compreenderam que os cuidados diários preventivos, tais como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a manter uma boca saudável o que é importante para o bem-estar geral das pessoas. Os alunos do 2º ano da Escola Cidade de Castelo Branco ficaram muito elucidados com a explicação, agradecem a visita da Dr.ª Mariana e esperam que regresse em breve. * FRANCISCO TAVARES PROENÇA JÚNIOR MUSEU Escola Faria de Vasconcelos Uma “Joia” de Castelo Branco Ana Tomé, Inês Cabrito, Mykhaylo Kasak Escola Cidade de Castelo Branco * Palestra: Escola Cidade de Castelo Branco Agrupamento “voluntário” com o Os dias 30 de novembro e 1 de dezembro fora extremamente importantes tanto para as inúmeras famílias que irão receber a ajuda do Banco Alimentar como também para os alunos da lista M da nossa escola, que nele participaram de forma empenhada e competente. Na minha opinião, é desde cedo que se deve começar a ganhar uma consciência social, ou seja, sabermos o valor de uma pequena ação, que acaba por ser uma grande ajuda para os outros. Ora, enquanto muita gente se queixa de que não tem um carro “último grito”, ou o telemóvel de última geração, há quem passe os dias a tentar sobreviver porque não tem sequer o que comer. Já sou voluntária do Banco Alimentar e, como tal, posso dizer que foi uma experiência muito boa porque para além do princípio fundamental de ajudar os outros, também aprendi a lidar com vários “não” de pessoas que eu abordava ou respostas do género “não tenho tempo para isso”, “isso não vai melhorar nada”, entre outras expressões. Mas a verdade é que embora as pessoas tenham a liberdade de pensar que não é por ajudar o Banco Alimentar que vão mudar o mundo, têm de pôr os pés na Aconteceu * janeiro de 2014 Encontramo-nos numa das entradas principais de Castelo Branco em frente ao Museu Francisco Tavares Proença Júnior. O museu foi fundado em 1910 com a coleção arqueológica de Francisco Tavares Proença Júnior, personalidade de múltiplos interesses no mundo da ciência e das artes que se notabilizou especialmente como arqueólogo. Começou por ser museu municipal. Mais tarde passou a fazer parte dos museus nacionais e esteve instalado em vários edifícios de Castelo Branco, primeiro no Convento dos Capuchos de Castelo Branco e a partir de 1971 no antigo Paço Episcopal. O seu primeiro diretor foi Francisco Tavares Proença Júnior que infelizmente morreu 16 anos depois, muito novo, apenas com 33 anos de idade. O Museu é composto por várias partes: a arqueologia, a história do bispado, a oficina de escolas de bordados de Castelo Branco. Além disso, o Museu tem uma biblioteca, onde encontrámos a Srª Deolinda Paulo, com quem estivemos a falar. Contou-nos que trabalha no Museu há 36 anos e conhece-o muito bem. “O museu também tem uma exposição permanente das tecnologias do linho e da seda, matérias utilizadas nas colchas. Tem também um espaço dedicado às exposições temporárias e uma biblioteca especializada em arqueologia e história de arte, na qual eu trabalho e uma oficina de bordados.” Ultimamente o Museu tem recebido atividades de entretenimento, como atuações dos alunos do Conservatório Regional de Castelo Branco, em que nós temos participado. A D. Delminda Paulo disse-nos também que o Museu tem um jardim muito bonito, também conhecido como o Jardim do Paço e que “abriu uma nova sala ao lado do Jardim do Paço antes do arcos”. Assim concluímos a nossa reportagem sobre o Museu Francisco Tavares Proença Júnior. Esperamos que tenham gostado. Só mais uma coisa: Abertura de terça a domingo incluindo as horas de almoço. Nós aconselhamos todos a visitarem o museu, pois é muito bonito e tem coisas muito interessantes. Trabalho de grupo realizado no âmbito da disciplina de Português 17
  10. 10. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Celebrando Sobre o Natal: 1ºA de escola de Nossa Senhora da Piedade Rita – O Natal é para a minha prima ir lá a casa. Maria Leonor – É estarmos todos em família. Carlos – Gosto do Natal porque o Pai Natal nos dá prendas. Margarida – O Natal é bonito. Diana – O Natal é para brincar na neve. Leonor Gama – O Natal é fantasia, porque estou com toda a família. José – Gosto do Natal porque gosto do Pai Natal. Constança - É quando a família está toda reunida. João Ricardo – É para fazer um postal de agradecimento ao Pai Natal, porque está sempre a dar prendas a todas as crianças. Rodrigo – Eu gosto do Natal porque eu quero fazer um desenho para o Pai Natal. Bernardo – Gosto do Natal porque gosto de fazer bonecos de neve. Matilde – Gosto do Natal porque faço uma carta para o Pai Natal. Guilherme – Gosto porque o Jesus aparece sempre na Noite de Natal. Afonso – Gosto do Pai Natal. João Maria – É quando faço bonecos de neve. Marco – Gosto do Natal porque durmo na casa da minha avó, na Lisga. Tiago Pires – Eu adoro atirar bolas de neve, se tiver lá amigos meus. Tiago Martins – Eu gosto do Jesus e gosto que ele ande ao pé de mim. Joaquim – O Natal é estar em casa com a família. Dia de Ano Novo Ismael Esteves, 6ºD Clube de Jornalismo (FV) O Dia de Ano Novo é celebrado no dia 1 de janeiro. O dia marca o início de um novo ano e corresponde a uma data festiva a nível mundial. O dia de Ano Novo é feriado e funciona como um dia de descanso e repouso, depois dos festejos de Ano Novo, da noite de 31de dezembro para 1 de janeiro, que se prolongam até de madrugada. O dia 1 de janeiro é encarado como o início de uma nova etapa, pois marca o fim de um ano e o início de um novo ciclo. Às 00h do dia 1 de janeiro, as pessoas festejam com champanhe e passas, desejos habituais para o ano que começa: saúde, prosperidade, dinheiro, amor e felicidade, entre outros desejos. 18 janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Celebrando * janeiro de 2014 Quadras do Menino Um Menino Jesus Jesus chamado “Madalena” Beatriz Gomes Farias 5ºC Menino Jesus Tão fofinho, Nasceu nas palhinhas E é tão gordinho. Nasceu nas palhinhas Tão confortável, As vaquinhas a aquecer O menino tão amável. Maria deu à luz Um menino Que mais tarde Morreu na cruz. Menino Jesus Cresceu, e mudou o mundo Com a sua Fé e amor profundo. 2ºA – Faria de Vasconcelos - Sabe, avô, sinto tanta alegria! Venha comigo pelas ruas da nossa terra. Olhe, diga à avó para vir ver o Sol. A canção dos pássaros é diferente… E as flores parecem tristes Como os velhinhos no Mundo… - Nós somos felizes contigo, Madalena A tua alegria anima os nossos dias E a tua voz é meiga com velhos olhos. Vê como é doce a nossa vida! - Sabe avozinha, lembrei-me do Pai Natal… Se ele trocasse todas as prendas que distribui pelo mundo, Pelo Amor e Paz que os velhinhos tanto anseiam… É verdade, minha Madalena… Quando cresceres hei-de falar-te muito de um Menino… Que veio do Céu à Terra para que todo o Mundo fosse feliz. Foi Jesus minha querida! - E porque é que tantas famílias ainda choram? - Olha, filha, Jesus anda pelo Mundo… A aquecer o coração de todos… mas como o frio é tanto… Ele ainda não teve tempo de entrar em todas as casas. Oh! Queridos Avós, eu quero ser Jesus na nossa casa. * de Alunos Escola Nuno Álvares Educação Visual realizam Projeto natalício A ÁRVORE DAS MÃOS Adriane Nunes, Beatriz Costa José Maria Coelho, 9.º B Durante duas semanas, os alunos de Educação Visual da ESNA desenvolveram um projeto natalício durante as aulas. Os alunos elaboraram vários trabalhos, entre os quais a “Árvore das mãos”, constituída por mãos feitas de cartão. O tema do projeto foi “A Família” e as mãos simbolizam a alegria e a necessidade de união entre as pessoas. Os trabalhos realizados estiveram expostos no átrio da escola. Desta forma, os professores e os alunos transmitiram a toda a comunidade educativa os votos de Boas festas. Professora Maria da Saúde A Escola Cidade de Castelo Branco celebrou o Natal no último dia de aulas do 1.º período. Foi um dia vivido com intensidade, com inúmeras atividades de festejo natalício, divididas ao longo do dia, em diferentes espaços. Para revigorar o corpo e o espírito, alunos, professores e funcionários tomaram um excelente pequeno-almoço de filhós e leite com chocolate, em momento de convívio que prosseguiu no ginásio com cânticos de Natal. Desde a Hora do Conto e a Feira do Livro na Biblioteca Escolar, à dramatização da obra “ A noite de Natal”, pelo Clube de Teatro, passando pela exposição de postais de Natal e presépios, que embelezaram e coloriram a Escola, tudo serviu para animar a comunidade escolar e envolvê-la no espírito natalício que se deseja ser de paz, solidariedade e fraternidade. * Filhós com cacau quente, Peça de teatro, Hora do Conto, Feira do Livro, Decorações natalícias Natal na Escola Cidade de Castelo Branco Loja solidária Vamos com um pequeno gesto fazer um grande Natal! A Escola Cidade de Castelo Branco criou um espaço com o objetivo de ajudar as famílias dos alunos mais carenciados. Com a ajuda de toda a comunidade escolar, pretende-se recolher roupa, calçado, brinquedos, livros e material escolar para disponibilizar a quem mais precisa. O horário desta loja será de acordo com a disponibilidade dos voluntários. Participe! Com o empenho de todos podemos fazer a diferença! 19
  11. 11. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Desporto janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares As minhas aulas no conservatório Beatriz Farias 5ºC * * * CORTA-MATO TORNEIO Escola Faria de Vasconcelos CORTA MATO DE ESCOLA Francisco Paula p’lo Grupo de EF da FV No passado dia 12 de dezembro, quinta-feira, decorreu, na escola Faria de Vasconcelos, o corta-mato escolar, fase escola. A prova decorreu sob um clima de algum vento e com temperaturas baixas, mas sempre com boa disposição e um bom empenho por parte de todos os intervenientes. De salientar o bom ambiente e convívio entre os alunos. Inscreveram-se 150 alunos representando todas as turmas do 2º e 3º ciclos. Realizaram o percurso por escalões etários / sexo (infantis A, infantis B, iniciados e juvenis). Esta atividade apurou os 6 melhores alunos por cada escalão / sexo para representarem a escola no distrital de corta mato a realizar em Castelo Branco no mês de fevereiro. DESPORTO ESCOLAR No âmbito das atividades do Desporto Escolar, a escola vai participar no quadro competitivo de Futsal com 2 equipas nos escalões de Infantis e Iniciados; Badminton em todos os escalões e em ambos os sexos ; Natação em todos os escalões e em ambos os sexos. TORNEIO INTER TURMAS DE BASQUETEBOL A atividade foi realizada no dia 17 de dezembro e decorreu no gimnodesportivo da escola. Participaram cerca de 180 alunos, em representação de todas as turmas do 2ºe 3º ciclos. 20 Escola Cidade de Castelo Branco INFANTIS A FEMININOS 1º CASSANDRA VAZ, 5º B * 2º JOANA FILIPE, 5º A * 3º LARA GAMA, 5º A * INFANTIS B FEMININOS 1º, 7º B, VANESSA MARTINS * 2º, 7º, CAROLINA ALVES * 3º, 7º B, MARISA MARTINS * 4º, 7º B, BEATRIZ PEREIRA * 5º, 6º B, CARLOTA LIMA * 6º, 5º A, SIMMONE ALEXANDRE * INICIADOS FEMININOS 1º, 8B, Sara Vaz * 2º, 9º A, Andreia Veríssimo * 3º, 8º, Juliana Jorge * 4º, 9º A, Beatriz Mateus * 5º, 9º A, Andreia Caldeira * 6º, 9º B, Ana Catarina Santos * JUVENIS FEMININOS 1º, 9º C, CATARINA TORRES 2º, 8º C, CÂNDIDA FARINHA INFANTIS A MASCULINOS 1º, 5º A; DIOGO GONÇALVES * 2º, 5º B; PROFIRIO ROSENDO * 3º; 5º B GONÇALO VERISSIMO * 4º, 5º C, JOÃO NEVES * 5º, 5º C, JOÃO DIAS * 6º, 5º C, DUARTE TORRES * INFANTIS B MASCULINOS 1º, 7º B, FÁBIO TRINDADE * 2º, 6º D, RUBEN MIRA * 3º, 7º, JOÃO PINTO * 4º, 7º, LEANDRO MARTINS * 5º, 6º A, DIOGO GONÇALVES * 6º, 7º, CESAR * INICIADOS MASCULINOS 1º, 8º, DIOGO GREGÓRIO * 2º, 9º A, JOSÉ MARQUES * 3º , 8º, EMANUEL * 4º, 8º, PEDRO MOTA * 5º, 6º, ELISEU ROSENDO * 6º, 9º A, VITOR CARVALHO * JUVENIS MASCULINOS 1º, 9º C, MANUEL RUSSO * 2º, 9º C, JOÃO RAFAEL * 3º, 9º C, JOSÉ ALMEIDA * 4º, 9º A, DIOGO GIL * 5º, 9º B, LUIS JORGE * * APURADOS PARA O DISTRITAL DE CORTA-MATO No dia 13 de dezembro realizou-se a prova de Corta-Mato Escolar da Escola Cidade de Castelo Branco, com um total de 244 alunos, do 4º ao 9º ano de escolaridade. Esta decorreu na área envolvente da Escola, tendo a organização do evento ficado a cargo do grupo de Educação Física e do clube do Desporto Escolar. INFANTIS A FEMININOS 1000m 1º Maria Cruz Gonçalves 5ºB 2º Madalena Cunha, 4ºA 3º Beatriz Serrasqueiro, 5ºC 4º Diana Cruz Gonçalves, 5ºB 5º Luciana Coelho, 5ºA 6º Leonor Barata, 4ºB INFANTIS A MASCULINOS 1000m 1º Tomás Martins, 5ºD 2º Eduardo Pêgo, 4ºB 3º Francisco Pedroso, 4ºA 4º Tiago Marinho, 4ºB 5º Rodrigo Correia, 5ºB 6º Miguel Raposo, 5ºD INFANTIS B FEMININOS 500m 1º Catarina Faria, 7ºC 2º Maria Antunes, 6ºE 3º Ana Correia, 6ºC 4º Carolina Videira, 6ºD 5º Inês Silva, 7ºA 6º Cristiana Gonçalves, 6ºE INFANTIS B MASCULINOS 1500m 1º António Nabais, 7ºB 2º Miguel Cardoso, 6ºA 3º Gonçalo Sanches, 7ºC 4º Rodrigo Tavares, 7ºC 5º Júlio Sousa, 5ºA 6º Pedro Silva, 7ºB INICIADOS FEMININOS 2000m 1º Beatriz Rebelo, 7ºD 2º Inês Nunes, 8ºC 3º Andreia Lourenço, 7ºB 4º Mariana Martins, 8ºA 5º Cátia Bispo, 9ºB 6º Ana Margarida Barbosa, 9ºA INICIADOS MASCULINOS 2500m 1º Tiago Marques, 9ºD 2º Rui Luís, 9ºD 3º João Trindade, 9ºA 4º Diogo Daniel, 9ºA 5º João Pereira, 7ºD 6º Pedro Santos, 8ºD JUVENIS FEMININOS 2500m 1º Ana Cardoso, 8ºA JUVENIS MASCULINOS 3500m 1º João Rodrigues, 9ºC 2º Miguel Marcelino, 9ºC 3º Rodrigo Pombo, 9ºC 4º David Santarém, 6ºA 5º Luís Garrido, 9ºD 6º André Martins, 6ºA Escola Nuno Álvares DE VOLEIBOL Decorreu no último dia de aulas do 1º período mais uma edição do Torneio de Voleibol. Inserido no PAA de Educação Física e Desporto Escolar da ESNA, este evento desportivo contou com a participação de cerca de 350 alunos do 7º ao 12º ano, o que tornou esta atividade num enorme sucesso. O interesse demonstrado pelos alunos na prática de exercício físico, aliada à competição saudável entre eles, foi para nós, grupo de Educação Física, motivo de orgulho e felicidade, pois torna-se importante que os nossos alunos tenham consciência dos benefícios que a atividade física tem na vida ativa deles. Na vertente desportiva e depois de 43 jogos com muita competição e emoção, no final tivemos 2 equipas vencedoras, uma do ensino básico e outra do ensino secundário. Parabéns a estas e a todas as equipas participantes, pelo empenho e pela demonstração de companheirismo que revelaram ao longo de todo o torneio. O Grupo de Educação Física da ESNA Escrevinhando * janeiro de 2014 Desde o último ano do infantário, estive a aprender música na Escola do centro Social Padres Redentoristas, a aprender piano e estive na Formação Musical. Agora, as minhas aulas no Conservatório são às terças e quartas. Nas terças, tenho aulas das 18:30 às 19:15 (de coro, com a professora Manuela Costa) e, nas quartas, tenho aulas das 18:00 às 19:15 (de órgão, com a professora Lídia Correia) e das 19:30 às 20:00. Eu fui para o Conservatório porque eu e os meus pais queríamos que eu aprendesse música. Então, eu fui prestar provas de instrumento, quer dizer tive de ir ver como se tocavam todos os instrumentos que se aprendiam no conservatório. Eu tinha de escolher três instrumentos, porque se não tinham vaga para o primeiro instrumento que escolhesse, então ia para o próximo. O primeiro instrumento que escolhi foi o órgão, o segundo foi guitarra e o terceiro foi saxofone. Fui aceite em órgão, logo no primeiro instrumento. As minhas aulas de órgão são partilhadas com outra menina que é da minha turma. Em cada dia, eu e os professores temos andado a preparar as músicas para apresentar na atuação do Natal. Espero que corra bem! Mariana Branco, 5ºC O Conservatório é uma escola interessante, é uma escola onde tens vários instrumentos à tua escolha e professores de alta qualidade. Na nossa turma de Conservatório temos uma professora chamada Manuela, que é excelente: dá-nos músicas bonitas e é esforçada em nos ajudar para cantarmos bem, demonstra que é uma professora dedicada e atenta. Para além de termos coro, cada aluno escolheu um instrumento. Eu escolhi canto. Mas porquê canto? Eu digo porquê, porque mais do que mostrar aos outros como nós fazemos e como nós gostamos de fazer é mais importante nós gostarmos do que fazemos e termos prazer. E a minha professora de canto é como um professor de um instrumento qualquer, também teve que enfrentar pessoas que não apreciavam o seu trabalho, mas a vida segue e, se as pessoas não gostam, passou, deve haver muitas mais pessoas que vão gostar. Mas não vamos pela pior parte. Vejamos o lado positivo. Ir para um Conservatório de um sítio qualquer, seja como for, é uma experiência única, que devemos agarrar com unhas e dentes. nós E , algum dia, talvez tenhamos oportunidade de exprimirmos…. transmitirmos às outras pessoas. Nelson Mandela Cândida Farinha nº3 8ºC “Uma boa cabeça e um bom coração são sempre uma combinação formidável.” “A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo.” “Tudo parece impossível até que seja feito.” Nelson Rolihlahla Mandela, faleceu em Joanesburgo, África do Sul, no dia 5 de dezembro de 2013. ter viajado de forma ilegal para outros países. Foi condenado à prisão perpétua em 1967. A partir daí, ficou durante 26 anos na prisão, sendo símbolo da libertação dos negros no mundo inteiro. Em 1990, Mandela é libertado e a ANC foi tirada da ilegalidade. Mandela já era personalidade importante, tendo ganho o prémio Internacional Al-Gaadddafi de Direitos Humanos, em 1989. Em 1993, Mandela recebeu o Pré- Dia Nacional “Tudo parece impossível do Pijama até que seja feito.” Inês Ribeiro nº7; 8ºC Nelson Mandela nasceu em Mvezo, África do Sul, no dia 18 de julho de 1918. Foi um combatente na defesa dos direitos dos negros sul-africanos. Uniuse a outros líderes e fundou a organização chamada Liga Jovem do NCA/ANC, com o partido nacional- africânder no poder, este, a favor das políticas segregacionistas. Embora tenha feito parte da elaboração da Carta à Liberdade, documento que propunha políticas antiraciais, e adotasse uma postura pacifista, teve que recorrer à luta armada, quando a polícia sul-africana matou 69 negros numa revolta de manifestantes. Foi preso depois de comandar o grupo armado da ANC,com a acusação de ter participado no fomento das greves e por mio Nobel da Paz. Em 1994, foi eleito Presidente da República, na primeira eleição multirracial da história sul-africana, e ficou no poder até 1999. O seu governo não foi perfeito. Mandela não conseguiu diminuir os índices de vítimas da Sida. A sua amizade com ditadores como Fidel Castro (Cuba) e Muammar al-Gaddafi (Líbia) também não foi bem vista por algumas autoridades. Mandela foi premiado pela Amnistia Internacional, em 2006, pela sua luta em favor dos direitos humanos. Aos 95 anos, ficou hospitalizado durante três meses para tratar uma infeção pulmonar recorrente, na sequência da qual viria a falecer. O dia nacional do pijama é celebrado no dia 20 de novembro de cada ano e é um dia solidário em que crianças ajudam outras crianças. Nesse dia, as crianças dos jardins de infância e do primeiro ciclo, nas escolas e instituições participantes de todo o país, vão de pijama para a escola e passam o dia todo a fazer atividades educativas e divertidas. É um dia em que as crianças pequenas lembram a todos que uma criança tem direito a crescer numa família. É uma iniciativa levada a cabo pela associação Mundos de Vida. A associação Mundos de Vida leva a cabo a missão de afirmar os direitos e responder às necessidades das crianças, idosos e das suas famílias, criando e oferecendo meios que correspondam às novas realidades sociais geradas pelas mudanças da sociedade. 21
  12. 12. Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Escrevinhando janeiro de 2014 * Jornal do Agrupamento de Escolas Nuno Álvares Sem stress * janeiro de 2014 Era uma vez uma nuvem … Para contigo sonhar. A minha nova cadela buffy Ana Santos 7ºC A Minha Castanha Mariana Branco, 5ºC No magusto da escola, as castanhas eram todas apetitosas e muito deliciosas. Deram-me 8 castanhas e todas eram bonitas. Qual não foi o meu espanto quando vi uma muito diferente das outras e que tinha uma forma estranha. Mas não sei porquê achei-a especial e pensei: “Como será a vida de uma castanha?” E como eu adorava ciência, fiz com que a castanha voltasse a viver e, quando consegui, deu logo um berro, porque estava a arder. Eu perguntei como se chamava. Ela disse-me que se chamava Miclinhas Estranhi. Eu perguntei-lhe porquê Estranhi. Ela disse-me que todos lhe chamavam Estranhi por ser estranha e chamaram-lhe esse nome para troçarem. Então fiz uma máquina que nos fez ir à árvore onde ela viveu. Chegámos lá e todas as castanhas começaram a gozar com ela e eu, como boa amiga, disse- -lhes que cada um é como é, e que o aspeto não importa, o que importa é o que está dentro de cada um de nós e que, se elas fossem realmente dignas de um coração nobre, não a julgariam. Fiz uma máquina do tempo que fez com que a castanha voltasse atrás e os seus amigos remediaram tudo e foram todos felizes para sempre. MORAL DA HISTÓRIA : SOMOS TODOS DIFERENTES MAS TODOS SOMOS IGUAIS. 22 * Nas minhas férias de verão, fui ao Algarve, onde se encontram as minhas tias. Um dia, quando corria, junto da casa da minha tia, reparei numa cadela que me seguia, virei-me para ela, agarrei-a e levei-a para casa. Ao chegar, mostrei-a à minha mãe e perguntei se podia ficar com ela. A minha mãe, ao olhar para ela, só conseguiu dizer que sim, mas, devido a eu ser alérgica a pelos, também me disse que procuraria alguém que quisesse ficar com ela. Comecei a pensar: “Mas que nome lhe daria?” E disse-o em voz alta. Pensámos todas em conjunto, até que surgiu a ideia de Buffy, pois assistia na televisão uma série designada por “Buffy caçadora de vampiros”. Todas concordámos e assim ficou. Decidido o nome fui tratar dela, dar-lhe banho, comida. Fui ver televisão e chegou a hora de jantar. Entretanto, escureceu, comecei a ficar com sono e fui-me deitar. Passado algum tempo, foi deitar-se a meus pés e deixei-a estar. Já de dia, levantei-me e fui tomar o pequeno-almoço, quando terminei não parei de brincar com a Buffy. Uma semana depois… Um dia, ao brincar com ela, a minha mãe disse-me que encontrara uma senhora que queria ficar com ela. Fiquei muito triste, pois gostava muito dela, mas tive que aceitar. Fui levá-la a casa da senhora para me despedir dela. No dia seguinte, ao passar com a minha mãe no sítio onde tinha encontrado a Buffy, notei que me seguia uma cadela igualzinha a ela, julgava eu, pois era ela, ao brincar com ela, apercebi-me que era ela e, ao alertar a minha mãe, ela não acreditou em mim. Acreditam que fugiu e veio ter ao mesmo sítio para ver se me encontrava? Decidi ligar à senhora para saber da Buffy e a senhora disse que ela tinha fugido. A minha mãe despediuse da senhora e desligou. Ao desligar, olhámos para a Buffy, para a levarmos, mas era tarde demais, já tinha fugido. Nunca mais tornei a vê-la… Inês Nunes, 7ª A CCB Manuel Farias, 7ºB CCB Era uma vez uma nuvem, Uma nuvem muito branca. Branquinha como a neve, Branquinha como o algodão. A nuvem, a nuvem A nuvem, a nuvem Pode ser branca como o papel Ou amarela como o mel, Pode ser castanha como o cogumelo Ou de um verde tom de amarelo. A nuvem era muito alegre Adorava brincar. Mas, quando estava triste, Passava o dia a chorar. A nuvem era uma viajante Adorava passear e sonhar. Na companhia do seu amigo vento Que prometera nunca a deixar. A nuvem viajante Várias línguas sabia falar. Por tantos países que passou, Não era de estranhar. A felicidade da nuvem Não era adorar viajar, Mas a companhia do vento, Um amigo para recordar. A nuvem pode ter qualquer forma, Não serve nenhuma norma, Pode se vermelha Ou da cor de uma ovelha. A nuvem pode estar em Bucareste Ou nas ruas de Budapeste, A nuvem é feita pelo macaco Ou pelo fumo do tabaco. A nuvem está no sol Ou na carapaça de um caracol, Está num lago Ou na fala de um gago. A nuvem está em todo o lado, No céu ou no quadro. É Só RIR! O cão passa por baixo de uma árvore de Natal toda iluminada e diz: - Até que enfim que puseram luz na casa de banho! Um homem, já meio bêbedo, entra num bar, senta-se ao balcão, e diz: - Quando eu bebo, toda a gente bebe! E toda a gente bebeu... - Quando eu repito, toda a gente repete! E toda a gente repetiu... - Quando eu pago, toda gente paga! Qual é o animal mais antigo do mundo? É a zebra, que ainda é a preto e branco. Vai um miúdo à pastelaria e pergunta: - Ó senhor Joaquim, as migalhas pagam-se? - Oh, que disparate rapaz! Então as migalhas pagam-se?! - Então esmigalhe-me aí meio-quilo de bolinhos! O que é, o que é, que tem rabo de porco, mas não é porco. Pé de porco mas não é porco. Costela de porco, mas não é porco? (Porca) Três homens estão a discutir. O primeiro diz: - A minha mulher, antes de dar à luz, estava a ler “Os Três Mosqueteiros”, e teve trigémeos! O segundo replica: - A minha mulher estava a ler “As duas Órfãs” e teve gémeos! O terceiro, em pânico, grita: - Desculpem, tenho de me pôr a andar, a minha mulher está grávida e está a ler “Ali Babá e os Quarenta Ladrões”!... - CARTOONS – RECOLHIDOS POR: Cândida Farinha, 8ºC (Clube de Jornalismo-FV) SOPA DE HALLOWEEN Ana Margarida Antunes, 5º B (Clube de Jornalismo) Procura as palavras abaixo. Mariana Branco 5ºC Ismael Esteves Carolina Abreu, 7ºA CCB Um olhar Um olhar grande e alegre, Um olhar … Um olhar … Quando olho para ti Vejo nos teus olhos a minha alegria. Encontro-me a mim Como se fosse magia. Íris Fernandes Veloso, 7º B CCB Desenhar Peguei num lápis azul Comecei a desenhar Casas onde as pessoas Pudessem morar. Desenhei mares, Rios e oceanos Para que os pescadores Pudessem remar. Desenhei lares acolhedores Onde os idosos Pudessem estar. Desenhei casas de mil cores Procura o caminho: 1-VAMPIROS 2-ABOBORA 3-HALLOWEEN 4- DIABOS 5-MONSTROS 6-MUMIA 7-FANTASMA 8-BRUXA Olhar, olhar, Olhar só por olhar! Olhar, olhar, Olhar para amar. Se eu olho para ti, Olho para mim, Olho para toda a gente … Um olhar a chorar, Um olhar alegre, Um olhar de amor, Um olhar de tristeza. Um olhar sozinho, Um olhar abandonado, Um olhar risonho, Um olhar cansado. * 23

×