Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Os ventos e seus efeitos explicando os riscos

256 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Os ventos e seus efeitos explicando os riscos

  1. 1. CADERNOSDESEGUROA TARIFAÇÃO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL EM AUTO~v1ÓvEISOS VENTOS E SEUS EFEITOSExplicando os RiscosNOTAS SOBRE A HABILITAÇÃODE CORRETORESDE SEGUROS NO BRASILO SEGURO EO FRANCHISING
  2. 2. ARTIGOOs ventos e SeusEfeitosExplicando os RiscosAntonio Fernando Navarro::0" .;ror de empresas. especialista emger"",,- ;umento de risco. e professor daF. ",,~,egos recentes aconrec:;.~{Os en-volvendo a passage~ d~ furacãoAndrew nos. Estados L~dos. comum rastro de dest:n...çãzsuperiorà provocada pe.~ f~racào Hugo,com perdas esumadas em cerca de20 bilhões de da.ares. fazem-nosretomar um pclo~::C tempo,quan-do tivemos a Gr:-t..rudade de es-crever um art;go sobre a cláusula224 - cobern.ra acessória de ven-daval,furacão.c.c.one,tomado,gra-nizo, queda de aeronavesou quais-quer outros engenhosaéreos ou es-paciais, impactode veículosterres-tres e fumaça. da Tarifa deSegurosIncêndio do Brasil. Na ocasião,questionávamosa aplicaçãodacláu-sula e os seus custos, confrontandotudo com o panorama de riscos en-contrados no Brasil. No presenteartigo abordaremos o fenômenoem si e os seus efeitos, desmis-tificando o fato de todos seremenquadrados como um mesmofISCO.Vento é o deslocamento do arpor sobre a superfície da terra,provocado pelas correntes de con-IIvecção dessas mesmas massas. Oefeito da convecção é a de um fe-nômeno fisico, onde o ar quente.disposto sobre a superfície e em fun-ção de sua menor densidade, deslo-ca-se, ascendendo às camadas su-periores da atmosfera. Com o des-locamento, novas canladas de arfrio vão tomando o lugar antesocupado pelo ar aquecido. O mesmofenômeno é observado durante oprocesso de ebulição da água. Oturbilhonamento da água durante asua fervura é provocado pelo deslo-camentodas massas de líquidoquen-te para cima, enquanto que as friasdescem.A velocidade do vento provo-cada por esse deslocamento éavaliada por um equipamento de-nominado anemômetro. Os dadosnele registrados são comparadoscom tabelas específicas, que for-necem para cada velocidade en-contrada uma classificação. As ta-belas mais empregadas são aEscala Terrestre e a Escala deBeaufort. Os seus dados são os se-guintes:
  3. 3. -ESCALA TERRESTRENÍVEL DESCRIÇÃO DO FENÔMENO VELOCIDADE (m/s) As famosas trombaso calmaria deOa I dágua são descargas1 fraco de I a 4 de água contidas 1102 moderado de4 a 8 interior de um Tornado,3 bastante forte de8 a 12 descarregadas por4 forte de 12a 16 I ocasião de sua passagem5 violento de 16a 25 ou por quando de sua6 furacão acima de 25 Idissipação.IESCALA BEAUFORTpontos de temperatura mais elevadaNÍVEL DESCRIÇÃO DO FENÔMENO VELOCIDADE (m/s)são. pOIS.os pontos ondegeralmenteO calmaria de Oa Iha uma baixa pressão, também co-nhecidos como centros de chamada1 quase calmaria dela2para com as massas de ar vizinhas.2 ligeira brisa de2a4 As massas de ar chamadas para esses3 pequena brisa de 4 a 6 centros. ao invés de deslocar-se4 linda brisa de6a8 retdmearnente.são desviadas de sua5 boa brisa de 8 a 10 dlfl:çàc pelo movimento de rotação6 bom fresco de 10a 12 da t.;:. assumindo, assim, desloca-7 grande fresco de 12a 14mentos esplralados ou circulares. A8 pequena rajada del4al6p1a5 de ar contida na atmosferaterrestre temuma velocidadederota-9 rajada de vento de 16a 20 çãc sobn: c eixo terrestre menor do10 forte rajada de 20 a 25 quea massa desolo eágua. A veloci-11 tempestade de 25 a 30 dade de rotaçãc de um ponto sobreo12 furacão acima de 30 solo. almhadc no equador terrestre éde 65 Km11 Devidoa esse fenô-As variações dos tipos deventos, meno.ha formação deum movimen-quantoàs suas ocorrênciaseàs inten-Quanto mais quente é ato circular dos entos em tomo dasidades, variam de acordo com as depressãoatmosféricaquelhedáori-estaçõesclimáticasdoano.No inver-superfície da terra gemno, a velocidademédiaé maiordo maior é apossibilidade A COisatoda funcionamais ouque no verão. A velocidadetambém deformação de zonas menos como se destampássemos ovaria de acordo com a altitude da de baixa pressão, ralo de uma pia cheia de água.camada de ar. Quanto maior for a com incidência 0 hemisfério norte o sentido dealtitude maior será a velocidade. de fortes ventos rotação das massasdear é inversoaoOs ventos desempenhamum pa- do padrão defuracão.movunentodosponteirosdeum reló-pelimportantesobo pontodevistada glO.No hemisfériosul, o movimentorepartição climatérica das chuvas e segue o dos ponteiros. O movimentodas tempestades. terra ou do mar. A diminuição da no norte chama-se ciclonal e no sulDeum modogeral, os ventostêm pressão dá-se pelo movimento as- anticiclonal. O nome ciclone derivaorigem em um ponto de baixa pres- censionaldo ar, aquecidoquandoem do nome da massa de ar que possuisão atmosféricasobrea superfícieda contato com a superfície terrestre. Os esse movimento.12 CADERNOSDE SEGURO
  4. 4. rodcla. gcrando c.:mros u,-:l11lssão. as cham3u.lSmonçõcs dc Il1crno. ou dI..atração. as monçõcs chu- asas de crão. A tercclra1~I..a.zona temperada. écaracterizada pelas depres-sões oceânicas do Atlânti-co e do Pacífico Boreal.cm torno dos quais os ven-(OSirradiam um imensotur-bilhão ciclonal. No Atlân-!lco norte o centro dessadepressão desloca-se do(Icste para o leste. No he-misfáio sul. onde as su-perficies marítimas sãosuperiores às superficiesterrestres. praticamentenão existl:m centros de de-pressão localizados. Os ventos sãodeslocados em conseqÜência do mo-vimento próprio da terra. ou seja. deleste para oeste.Cada centímetro quadrado do solono equador recebe. em média. cercade 250.000 calorias por ano. Essaofuracão é umvento que ocorremais na regiãodo equador terrestre,próximo aoCaribe. Tem grandeefeito destrutivo.A distribuíção dos ventospor so-bre a crosta terrestre é feita por fai-xasdistintas.Na primeirafaixa.zonaequatorial. o calor solar sobre ascamadas de ar induz a correntes nadireçãonorte-sul,unifonnementedes-viadas para leste. São os ventosalísios, regulares por excelência. Azona intertropicalé caracterizada nohemisfério norte pela existência decorrentes alternativas de ventos ge-rais ou alísados. Confonne as esta-ções do ano as massas continentaisda Ásia e da África são mais oumenos frias do que o mar que asCADERNOS DE SEGURO1r 7 r~ ~~ -~ ~ r C capaz de vapo-g..a com cercade de ap__r z....ou sep. O gra..;...cesso. vaponza a p.:4":.......acima das regiões cq"~,: -sobre uma faixa de I Km dI...u::;.-.ao longo de todo o equador terrcs;:..A atmosfera absorve cerca de u;"terço do calor solar recebido. O princI-pal fator dessa absorção é o vapordágua. O vapor está situado numafaixa abaixo dos 8.000 metros dealtitude. No equador a atmosferaaquece-sepela parte inferior, inicial-mente.A superficieaquecida fica empennanente contato com as camadasinferiores do ar. Essa superposiçãode centros calóricos gera zonas debaixa pressão. Nessas regiõestêm-seas calmanas equatonais, conhecidasdos navegadores a séculos. Nessamesma região há tempos tempes-tuosos. pelas fortes correntes as-r...~._!,.~.~,.1Ir,Li"~,13
  5. 5. o Tornado é um ventoem redemoinho, comum máximo de 100 Kmde diâmetro, grandealtura e uma velocidadeque se aproxima dos 400Kmlh. Seu efeitodestrutivo dura poucosminutos, de 15 a 30.censionais nas zonas de baixa pres-são.Peloquevimos,quantomaisquen-te é a superficie da terra maior é apossibilidade de formação de zonasde baixa pressão, com incidênciadefortes ventos do padrão de furacão.Furacão, ciclone,tomado e tufãosão ventosfortes com característicasdistintas. O furacão é um vento queocorre mais na região do equadorterrestre, próximo ao Caribe. Temgrande efeito destrutivo. O furacãotem de300 a 400 Km diâmetro, comventos que podem atingir a 300KmIhem seu interior. A sua origemsitua-se em pontos de baixa pressãocomtemperaturas acimade30°C.Nohemisfério sul, ao longo da costabrasileira, a temperatura médiaanu-al é inferior a 22°C, não gerandocondições propícias à formação defuracões.O Ciclone é um vento com ca-racterísticas semelhantes a de umFuracão, ocorrendo no Pacífico nor-te.O Tufão é um vento com fortevelocidadeascencional e rotacional,não tão largo quanto um Furacão,porém, com velocidades que se lheaproximam. São os ventosque asso-lam o Oceano Índico.O Tomado é um vento em rede-14moinho, com um máximo de 100 Kmde diâmetro, grande altura e umavelocidade que se aproxima dos 400Km/h. Seu efeito destrutivo dura pou-cos minutos, de 15 a 30. Em funçãode sua grande velocidade, pequenodiâmetro e grande altura, forma umcone alongado, que tem a particulari-dade de sugar tudo por onde passa.As famosas trombas d água são des-cargas de água contidas no interior deum Tomado, descarregadas por oca-sião de sua passagem ou por quandode sua dissipação.Nem tudo é desgraça ou destrui-ção quando se estudam os ventos. Noaspecto mitológico os Gregos perso-nificavam os ventos, fazendo delesgênios alados, frutos do amor deUrano por Gea ou de Urano porAstrea, dependendo dos historiado-res, ou de Typhon e Eos ou Typhon eRhea ou Heribea. Os ventos, pelosantigos, estavam submetidos ao rei-no de Eolo, que os conservava prisio-neiros nas ilhas eolias, libertando-ossempre que assim o desejasse Zeusou Poseidon, para irem a todos osca...,tosd~ mundo. Tão grande era ofasc~;~ d..;Sscpovo pelos ventos queos T-.:smos eram distinguidos pelosnomes Bcreas. vento do norte: Euros.I:mo dü...st~. "Jotos. vento do sul: eZeph~ ro. ento do oeste. Mais tarde.para d;st.ng~lr seus outros compa-nh..::-as. passaram a ser 12 os gêniosaladas Boreas. Aparctias, Kaekias.Ape.~cte. Euros. Euronotos, Notos.L:bonotos. LlpS. Zephyro. Lapyx eThrac;osOs .entos. em seu incessantemo lmemo. esculpem rochas, for-mam dunas. dão formas às geleiras,carrelam detritos ou sedimentos, ar-rasam edificações, arrancam árvo-res. "lram embarcações e outras des-graças mais. No Brasil, pela sua lo-calIzação e extensão territorial, osdanos mais comuns, ou os de maioresseveridades, são os provocados portempestades, e, muito raramente, portomados. Assim, tem-se regiões ondeexistem rajadas de ventos frequentes,como em Goiás, Rio Grande do Sul,Paraná, São Paulo, e outras regiõesnão sujeitas a esses fenômenos.CADERNOS DE SEGURO

×