Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sistematização da assistência de enfermagem

74,377 views

Published on

Sistematização da assistência de enfermagem

  1. 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ENF. DANILO NUNES ANUNCIAÇÃO
  2. 2. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Regulamentada pela resolução COFEN 272/2004. </li></ul><ul><li>Privativa do enfermeiro. </li></ul>
  3. 3. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Utiliza método e estratégia de trabalho científico para a identificação das situações de saúde/doença, subsidiando ações de assistência de Enfermagem que possam contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do indivíduo, família e comunidade; </li></ul>
  4. 4. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>A resolução institucionaliza a SAE como prática de um processo de trabalho adequado às necessidades da comunidade e como modelo assistencial a ser aplicado em todas as áreas de assistência à saúde pelo enfermeiro. </li></ul>
  5. 5. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Ao enfermeiro imcumbe, privativamente, a consulta de enfermagem . </li></ul><ul><li>Etapas: </li></ul><ul><li>1- Histórico de enfermagem; </li></ul><ul><li>2- Exame físico; </li></ul><ul><li>3- Diagnóstico de enfermagem; </li></ul><ul><li>4- Prescrição da assistência de enfermagem; </li></ul><ul><li>5- Evolução de enfermagem. </li></ul>
  6. 6. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Histórico  conhecer hábitos individuais e biopsicossociais visando a adaptação do paciente à unidade de tratamento, assim como a identificação de problemas. </li></ul><ul><li>Exame físico  o Enfermeiro deverá realizar as seguintes técnicas: inspeção, ausculta, palpação e percussão , de forma criteriosa, efetuando o levantamento de dados sobre o estado de saúde do paciente e anotação das anormalidades encontradas para validar as informações obtidas no histórico. </li></ul>
  7. 7. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem  o Enfermeiro, após ter analisado os dados colhidos no histórico e exame físico, identificará os problemas de enfermagem, as necessidades básicas afetadas e grau de dependência, fazendo julgamento clínico sobre as respostas do indíviduo, da família e comunidade, aos problemas, processos de vida vigentes ou potenciais. </li></ul>
  8. 8. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Prescrição de Enfermagem  é o conjunto de medidas decididas pelo Enfermeiro, que direciona e coordena a assistência de Enfermagem ao paciente de forma individualizada e contínua, objetivando a prevenção, promoção, proteção, recuperação e manutenção da saúde. </li></ul>
  9. 9. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Evolução de Enfermagem  é o registro feito pelo Enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. Desse registro constam os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subsequentes. </li></ul>
  10. 10. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>A implementação da SAE deve ocorrer em toda instituição da saúde, pública e privada. </li></ul><ul><li>A SAE deverá ser registrada formalmente no prontuário do paciente/cliente/usuário. </li></ul>
  11. 11. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAE na assistência pré-natal (1ª consulta): I. História clínica (observar cartão da gestante) • Identificação: – nome; – número do SISPRENATAL; – idade; – cor; – naturalidade; – procedência; – endereço atual; – unidade de referência.
  12. 12. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Dados socioeconômicos; • Grau de instrução; • Profissão/ocupação; • Estado civil/união; • Número e idade de dependentes (avaliar sobrecarga de trabalho doméstico); • Renda familiar; • Pessoas da família com renda; • Condições de moradia (tipo, nº de cômodos); • Condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo); • Distância da residência até a unidade de saúde;
  13. 13. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes familiares: – hipertensão arterial; – diabetes mellitus; – doenças congênitas; – gemelaridade; – câncer de mama e/ou do colo uterino; – hanseníase; – tuberculose e outros contatos domiciliares (anotar a doença e o grau de parentesco); – doença de Chagas; – parceiro sexual portador de infecção pelo HIV.
  14. 14. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes pessoais: – hipertensão arterial crônica; – cardiopatias, inclusive doença de Chagas; – diabetes mellitus; – doenças renais crônicas; – anemias e deficiências de nutrientes específicos; – desvios nutricionais (baixo peso, desnutrição, sobrepeso, obesidade); – epilepsia; – doenças da tireóide e outras endocrinopatias; – malária; – viroses (rubéola, hepatite); – alergias; – hanseníase, tuberculose ou outras doenças infecciosas; – portadora de infecção pelo HIV (em uso de retrovirais? quais?); – infecção do trato urinário; – doenças neurológicas e psiquiátricas; – cirurgia (tipo e data); – transfusões de sangue.
  15. 15. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes ginecológicos: – ciclos menstruais (duração, intervalo e regularidade); – uso de métodos anticoncepcionais prévios (quais, por quanto tempo e motivo do abandono); – infertilidade e esterilidade (tratamento); – doenças sexualmente transmissíveis (tratamentos realizados, inclusive pelo parceiro); – doença inflamatória pélvica; – cirurgias ginecológicas (idade e motivo); – mamas (alteração e tratamento); – última colpocitologia oncótica (papanicolau ou “preventivo”, data e resultado).
  16. 16. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Sexualidade: – início da atividade sexual (idade da primeira relação); – dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual); – prática sexual nessa gestação ou em gestações anteriores; – número de parceiros da gestante e de seu parceiro, em época recente ou pregressa; – uso de preservativos masculino ou feminino (uso correto? uso habitual?).
  17. 17. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes obstétricos: – número de gestações (incluindo abortamentos, gravidez ectópica, mola hidatiforme); – número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais espontâneos, fórceps, cesáreas – indicações); – número de abortamentos (espontâneos, provocados, causados por DST, complicados por infecções, curetagem pós-abortamento); – número de filhos vivos; – idade na primeira gestação; – intervalo entre as gestações (em meses); – isoimunização Rh; – número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª semana de gestação), pós-termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação); – número de recém-nascidos de baixo peso (menos de 2.500 g) e com mais de 4.000 g;
  18. 18. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes obstétricos (continuação): – mortes neonatais precoces: até sete dias de vida (número e motivo dos óbitos); – mortes neonatais tardias: entre sete e 28 dias de vida (número e motivo dos óbitos); – natimortos (morte fetal intra-útero e idade gestacional em que ocorreu); – recém-nascidos com icterícia, transfusão, hipoglicemia, ex-sangüíneotransfusões; – intercorrências ou complicações em gestações anteriores (especificar); – complicações nos puerpérios (descrever); – história de aleitamentos anteriores (duração e motivo do desmame) .
  19. 19. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Gestação atual: – data do primeiro dia/mês/ano da última menstruação – DUM (anotar certeza ou dúvida); – peso prévio e altura; – sinais e sintomas na gestação em curso; – hábitos alimentares; – medicamentos usados na gestação; – internação durante essa gestação; – hábitos: fumo (número de cigarros/dia), álcool e drogas ilícitas; – ocupação habitual (esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos potencialmente nocivos, estresse); – aceitação ou não da gravidez pela mulher, pelo parceiro e pela família, principalmente se for adolescente; – identificar gestantes com fraca rede de suporte social.
  20. 20. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM II. Exame físico • Geral: – determinação do peso e da altura; – medida da pressão arterial; – inspeção da pele e das mucosas; – palpação da tireóide e de todo o pescoço, região cervical e axilar (pesquisa de nódulos ou outras anormalidades); – ausculta cardiopulmonar; – exame do abdômen; – exame dos membros inferiores; – pesquisa de edema (face, tronco, membros).
  21. 21. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Específico (gineco-obstétrico): – exame clínico das mamas (ECM). Durante a gestação e amamentação, também podem ser identificadas alterações, que devem seguir conduta específica, segundo as recomendações do INCA. – palpação obstétrica e, principalmente no terceiro trimestre, identificação da situação e apresentação fetal; – medida da altura uterina; – ausculta dos batimentos cardíacos fetais (com sonar, após 12 semanas, e com estetoscópio de Pinard, após 20 semanas); – inspeção dos genitais externos; – exame especular e toque vaginal de acordo com a necessidade, orientados pela história e queixas da paciente, e quando for realizada coleta de material para exame colpocitológico;
  22. 22. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnósticos de Enfermagem (segundo NANDA, taxonomia II, 1995); </li></ul><ul><li>Prescrição da Assistência de Enfermagem; </li></ul><ul><li>Evolução de Enfermagem/ Resultados Esperados. </li></ul>
  23. 23. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Para Car, Padilha, Valente (1985), a prescrição de enfermagem deve: </li></ul><ul><li>ser precedida de data; </li></ul><ul><li>utilizar verbos de ação, no infinitivo; </li></ul><ul><li>ser concisa e redigida em linguagem comum aos elementos da equipe; </li></ul><ul><li>conter determinação de horários, que serão checados logo após a execução dos cuidados; </li></ul><ul><li>ser elaborada diariamente para um período de 24 horas, mesmo que os cuidados a serem prescritos sejam iguais aos do dia anterior; </li></ul><ul><li>ser reavaliada e modificada de acordo com as condições do paciente. </li></ul>
  24. 24. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>especificar os cuidados em ordem cronológica de execução, conforme as prioridades estabelecidas; </li></ul><ul><li>conter os cuidados de rotina, estabelecidos pela instituição, apenas quando os mesmos irão influir no cronograma de prestação dos cuidados; </li></ul><ul><li>incluir a verificação dos sinais vitais pelo menos uma vez ao dia, mesmo que paciente não apresente anormalidades nesses parâmetros; </li></ul><ul><li>conter as ações específicas da enfermaria; </li></ul><ul><li>especificar os cuidados inerentes a determinados exames e medicações, na vigência de problemas identificados; </li></ul><ul><li>excluir as ações que o paciente possa fazer sozinho, sem necessidade de acompanhamento, orientação ou supervisão de equipe de enfermagem; </li></ul><ul><li>excluir cuidados inerentes a procedimentos técnicos padronizados. </li></ul><ul><li>Para Campedelli et al. (1989), o número de prescrições por enfermeiro varia conforme o nível de complexidade de assistência aos pacientes, sendo em torno de 5 a 10 o número de prescrições previstas para um período de 6 horas . </li></ul>
  25. 25. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Evolução de Enfermagem </li></ul><ul><li>É o registro feito pelo Enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. </li></ul><ul><li>Desse registro devem constar os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subseqüentes (COREN, 2000). </li></ul>
  26. 26. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Caso clínico: </li></ul><ul><li>Gestante M.R.A, parda, 19 anos, natural de Galileia, moradora no beco Carijós do bairro Carapina, comparece à unidade para 1ª consulta de pré-natal. É solteira. Tem parceiro fixo (namora há 8 meses). Mora com os pais e 3 irmãos mais novos em casa própria de 3 cômodos. A casa possui água encanada e tratada e rede de esgoto. O lixo domiciliar é coletado 3x por semana. Estudou até a 7ª série do ensino fundamental. Trabalha como diarista 2x por semana, de 7 às 17 horas. Renda média familiar de R$1000,00 reais. </li></ul>
  27. 27. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Relata HF de HAS (pai), DM (mãe), hanseníase (tio materno – mora na casa ao lado, dentro do mesmo terreno). HPP de anemia ferropriva, rinite alérgica, ITU. Refere que antes de engravidar seus ciclos menstruais eram regulares e o fluxo normal. Não usa preservativo nem outro método contraceptivo. Nunca realizou exame citopatológico. Refere menarca aos 12 anos e sexarca aos 13. Teve 4 parceiros diferentes desde início da vida sexual. Nega dispareunia.
  28. 28. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Em gestação atual: G1P0A0, DUM 20/10/2010, DPP 27/07/2011, IG: 15 semanas (104 dias). Peso prévio 49 kg. Queixa no momento de náuseas e vômitos frequentes, pirose, cefaleia frequente, prurido vaginal abundante com secreção viscosa esbranquiçada inodora. É tabagista (fuma em média 10 cigarros/dia). Nega etilismo e uso de medicamentos. Gravidez não foi planejada mas está bem aceita pelo casal.
  29. 29. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Faz 3 refeições por dia (café da manhã, almoço e jantar). Afirma que come legumes, verduras e carne; frutas quando tem. Toma leite todos os dias. Eliminações urinária e intestinal fisiológicas ( eliminações fisiológicas normais  não usar ). Sono preservado. Não trouxe cartão de vacina. Ao exame: P: 50 kg, Alt: 1,55m, IMC: 20,8, P.A: 100x75 mmHg, AU: 9 cm , BCF: 136 bpm.
  30. 30. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Gestante hipocorada (+/4), hidratada, afebril, eupneica, anictérica, acianótica, pele íntegra, sem ederma, boa perfusão capilar. COONG: mucosa ocular e oral hipocoradas, pavilhões auditivos mal higienizados, orofaringe com hiperemia leve e dentes com integridade prejudicada. Região submandibular e pescoço sem anormalidades. Tórax íntegro e simétrico. Mamas pequenas, íntegras, simétricas, sem nódulos palpáveis, com mamilos protusos. ACP: BNRNF em 2T. AR: MVF s/ RA. Abdômen íntegro, normotenso, doloroso à palpação em baixo ventre, peristáltico, timpânico à percussão . MMSS E MMII íntegros, simétricos, com força muscular preservada, sem edemas. Genitália não inspecionada.
  31. 31. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnósticos de Enfermagem : </li></ul><ul><li>Náusea relacionada com irritação do trato gastrintestinal evidenciada por verbalização de enjôo. </li></ul><ul><li>Nutrição desequilibrada: para menos que as necessidades corporais relacionada a incapacidade para ingerir ou digerir ou absorver nutrientes devido a fatores econômicos evidenciado por verbalização de consumo de alimentos menos do que o recomendado no dia. </li></ul><ul><li>Conhecimento deficiente relacionado à falta de acesso a conhecimentos adequados evidenciado por verbalização de dúvidas e falta de conhecimento sobre assuntos diversos. </li></ul><ul><li>Dor aguda (baixo ventre) relacionada a agentes biológicos e psicológicos evidenciada por verbalização e comportamento expressivo. </li></ul><ul><li>Risco para manutenção da saúde alterada relacionada ao tabagismo e uso de droga ilícita na gestação. </li></ul>
  32. 32. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Assistência de Enfermagem : </li></ul><ul><li>Cadastrada no PHPN; </li></ul><ul><li>Solicitados Grupo Sanguineo e fator RH, Glicemia de jejum, Hemograma completo, VDRL, HBsAg, Sorologia para toxoplasmose e rubéola, EAS, HIV, US obstétrica. </li></ul><ul><li>Entregues ácido fólico 5 mg 1 comp./dia e sulfato ferroso 40 mg 1 comp./ dia do PNSF. </li></ul><ul><li>Encaminhada para atendimento médico (avaliar prurido vaginal, dor baixo ventre, classicação de risco da gestante) e odontológico (avaliar dentição). </li></ul><ul><li>Solicitada a apresentar cartão de vacina, para avaliação do estado vacinal, em próxima consulta. </li></ul>
  33. 33. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Orientada sobre os efeitos deletérios do fumo para a gestação e para o desenvolvimento do feto e quanto à necessidade de busca de estilo de vida saudável. </li></ul><ul><li>Orientada sobre o uso de preservativos na relação sexual para prevenção de vulvovaginites e DST’s em geral, mesmo com parceiro fixo. </li></ul><ul><li>Adotar uma dieta bem balanceada e fracionada (pelo menos 6 refeições por dia), apropriada para a gravidez, favorecendo assim a redução das náuseas e vômitos. </li></ul><ul><li>Esclarecer dúvidas sobre a gestação, empregando um padrão eficiente de comunicação, reduzindo assim a ansiedade da paciente. </li></ul>
  34. 34. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Resultados esperados: </li></ul><ul><li>Reconhecer a necessidade dos cuidados pré-natais que promovem ótimos resultados e os fatores de risco e sinais de complicações; </li></ul><ul><li>Verbalizar suas dúvidas para a enfermeira; </li></ul><ul><li>Recorrer a outros profissionais quando necessário; </li></ul><ul><li>Participar ativamente na manutenção dos cuidados com a saúde. </li></ul><ul><li>Relatar as ingestas necessárias durante a gravidez; </li></ul><ul><li>Manter dieta balanceada para gravidez e rever esta nas próximas consultas; </li></ul><ul><li>Verbalizar sintomas de alívio após intervenções; </li></ul>
  35. 35. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Relatar diminuição de ocorrências ou desaparecimento dos sintomas até o final do primeiro trimestre; </li></ul><ul><li>Ganhar 1-2Kg durante o primeiro trimestre; </li></ul><ul><li>Utilizar preservativo durante o ato sexual. </li></ul><ul><li>Tomar medicações indicadas conforme orientação médica e de enfermagem. </li></ul><ul><li>Realizar exames solicitados e apresentá-los na proxima consulta juntamente com o cartão de vacina. </li></ul><ul><li>Cessar com o tabagismo. </li></ul><ul><li>Aprimorar conhecimentos em geral, principalmente aqueles relacionados à gestação. </li></ul>
  36. 36. OBRIGADO!!! FIM

×