Sistematização da assistência de enfermagem

65,722 views

Published on

0 Comments
45 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
65,722
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
1,241
Comments
0
Likes
45
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sistematização da assistência de enfermagem

  1. 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ENF. DANILO NUNES ANUNCIAÇÃO
  2. 2. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Regulamentada pela resolução COFEN 272/2004. </li></ul><ul><li>Privativa do enfermeiro. </li></ul>
  3. 3. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Utiliza método e estratégia de trabalho científico para a identificação das situações de saúde/doença, subsidiando ações de assistência de Enfermagem que possam contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do indivíduo, família e comunidade; </li></ul>
  4. 4. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>A resolução institucionaliza a SAE como prática de um processo de trabalho adequado às necessidades da comunidade e como modelo assistencial a ser aplicado em todas as áreas de assistência à saúde pelo enfermeiro. </li></ul>
  5. 5. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Ao enfermeiro imcumbe, privativamente, a consulta de enfermagem . </li></ul><ul><li>Etapas: </li></ul><ul><li>1- Histórico de enfermagem; </li></ul><ul><li>2- Exame físico; </li></ul><ul><li>3- Diagnóstico de enfermagem; </li></ul><ul><li>4- Prescrição da assistência de enfermagem; </li></ul><ul><li>5- Evolução de enfermagem. </li></ul>
  6. 6. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Histórico  conhecer hábitos individuais e biopsicossociais visando a adaptação do paciente à unidade de tratamento, assim como a identificação de problemas. </li></ul><ul><li>Exame físico  o Enfermeiro deverá realizar as seguintes técnicas: inspeção, ausculta, palpação e percussão , de forma criteriosa, efetuando o levantamento de dados sobre o estado de saúde do paciente e anotação das anormalidades encontradas para validar as informações obtidas no histórico. </li></ul>
  7. 7. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem  o Enfermeiro, após ter analisado os dados colhidos no histórico e exame físico, identificará os problemas de enfermagem, as necessidades básicas afetadas e grau de dependência, fazendo julgamento clínico sobre as respostas do indíviduo, da família e comunidade, aos problemas, processos de vida vigentes ou potenciais. </li></ul>
  8. 8. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Prescrição de Enfermagem  é o conjunto de medidas decididas pelo Enfermeiro, que direciona e coordena a assistência de Enfermagem ao paciente de forma individualizada e contínua, objetivando a prevenção, promoção, proteção, recuperação e manutenção da saúde. </li></ul>
  9. 9. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Evolução de Enfermagem  é o registro feito pelo Enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. Desse registro constam os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subsequentes. </li></ul>
  10. 10. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>A implementação da SAE deve ocorrer em toda instituição da saúde, pública e privada. </li></ul><ul><li>A SAE deverá ser registrada formalmente no prontuário do paciente/cliente/usuário. </li></ul>
  11. 11. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAE na assistência pré-natal (1ª consulta): I. História clínica (observar cartão da gestante) • Identificação: – nome; – número do SISPRENATAL; – idade; – cor; – naturalidade; – procedência; – endereço atual; – unidade de referência.
  12. 12. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Dados socioeconômicos; • Grau de instrução; • Profissão/ocupação; • Estado civil/união; • Número e idade de dependentes (avaliar sobrecarga de trabalho doméstico); • Renda familiar; • Pessoas da família com renda; • Condições de moradia (tipo, nº de cômodos); • Condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo); • Distância da residência até a unidade de saúde;
  13. 13. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes familiares: – hipertensão arterial; – diabetes mellitus; – doenças congênitas; – gemelaridade; – câncer de mama e/ou do colo uterino; – hanseníase; – tuberculose e outros contatos domiciliares (anotar a doença e o grau de parentesco); – doença de Chagas; – parceiro sexual portador de infecção pelo HIV.
  14. 14. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes pessoais: – hipertensão arterial crônica; – cardiopatias, inclusive doença de Chagas; – diabetes mellitus; – doenças renais crônicas; – anemias e deficiências de nutrientes específicos; – desvios nutricionais (baixo peso, desnutrição, sobrepeso, obesidade); – epilepsia; – doenças da tireóide e outras endocrinopatias; – malária; – viroses (rubéola, hepatite); – alergias; – hanseníase, tuberculose ou outras doenças infecciosas; – portadora de infecção pelo HIV (em uso de retrovirais? quais?); – infecção do trato urinário; – doenças neurológicas e psiquiátricas; – cirurgia (tipo e data); – transfusões de sangue.
  15. 15. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes ginecológicos: – ciclos menstruais (duração, intervalo e regularidade); – uso de métodos anticoncepcionais prévios (quais, por quanto tempo e motivo do abandono); – infertilidade e esterilidade (tratamento); – doenças sexualmente transmissíveis (tratamentos realizados, inclusive pelo parceiro); – doença inflamatória pélvica; – cirurgias ginecológicas (idade e motivo); – mamas (alteração e tratamento); – última colpocitologia oncótica (papanicolau ou “preventivo”, data e resultado).
  16. 16. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Sexualidade: – início da atividade sexual (idade da primeira relação); – dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual); – prática sexual nessa gestação ou em gestações anteriores; – número de parceiros da gestante e de seu parceiro, em época recente ou pregressa; – uso de preservativos masculino ou feminino (uso correto? uso habitual?).
  17. 17. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes obstétricos: – número de gestações (incluindo abortamentos, gravidez ectópica, mola hidatiforme); – número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais espontâneos, fórceps, cesáreas – indicações); – número de abortamentos (espontâneos, provocados, causados por DST, complicados por infecções, curetagem pós-abortamento); – número de filhos vivos; – idade na primeira gestação; – intervalo entre as gestações (em meses); – isoimunização Rh; – número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª semana de gestação), pós-termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação); – número de recém-nascidos de baixo peso (menos de 2.500 g) e com mais de 4.000 g;
  18. 18. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Antecedentes obstétricos (continuação): – mortes neonatais precoces: até sete dias de vida (número e motivo dos óbitos); – mortes neonatais tardias: entre sete e 28 dias de vida (número e motivo dos óbitos); – natimortos (morte fetal intra-útero e idade gestacional em que ocorreu); – recém-nascidos com icterícia, transfusão, hipoglicemia, ex-sangüíneotransfusões; – intercorrências ou complicações em gestações anteriores (especificar); – complicações nos puerpérios (descrever); – história de aleitamentos anteriores (duração e motivo do desmame) .
  19. 19. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Gestação atual: – data do primeiro dia/mês/ano da última menstruação – DUM (anotar certeza ou dúvida); – peso prévio e altura; – sinais e sintomas na gestação em curso; – hábitos alimentares; – medicamentos usados na gestação; – internação durante essa gestação; – hábitos: fumo (número de cigarros/dia), álcool e drogas ilícitas; – ocupação habitual (esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos potencialmente nocivos, estresse); – aceitação ou não da gravidez pela mulher, pelo parceiro e pela família, principalmente se for adolescente; – identificar gestantes com fraca rede de suporte social.
  20. 20. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM II. Exame físico • Geral: – determinação do peso e da altura; – medida da pressão arterial; – inspeção da pele e das mucosas; – palpação da tireóide e de todo o pescoço, região cervical e axilar (pesquisa de nódulos ou outras anormalidades); – ausculta cardiopulmonar; – exame do abdômen; – exame dos membros inferiores; – pesquisa de edema (face, tronco, membros).
  21. 21. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM • Específico (gineco-obstétrico): – exame clínico das mamas (ECM). Durante a gestação e amamentação, também podem ser identificadas alterações, que devem seguir conduta específica, segundo as recomendações do INCA. – palpação obstétrica e, principalmente no terceiro trimestre, identificação da situação e apresentação fetal; – medida da altura uterina; – ausculta dos batimentos cardíacos fetais (com sonar, após 12 semanas, e com estetoscópio de Pinard, após 20 semanas); – inspeção dos genitais externos; – exame especular e toque vaginal de acordo com a necessidade, orientados pela história e queixas da paciente, e quando for realizada coleta de material para exame colpocitológico;
  22. 22. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnósticos de Enfermagem (segundo NANDA, taxonomia II, 1995); </li></ul><ul><li>Prescrição da Assistência de Enfermagem; </li></ul><ul><li>Evolução de Enfermagem/ Resultados Esperados. </li></ul>
  23. 23. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Para Car, Padilha, Valente (1985), a prescrição de enfermagem deve: </li></ul><ul><li>ser precedida de data; </li></ul><ul><li>utilizar verbos de ação, no infinitivo; </li></ul><ul><li>ser concisa e redigida em linguagem comum aos elementos da equipe; </li></ul><ul><li>conter determinação de horários, que serão checados logo após a execução dos cuidados; </li></ul><ul><li>ser elaborada diariamente para um período de 24 horas, mesmo que os cuidados a serem prescritos sejam iguais aos do dia anterior; </li></ul><ul><li>ser reavaliada e modificada de acordo com as condições do paciente. </li></ul>
  24. 24. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>especificar os cuidados em ordem cronológica de execução, conforme as prioridades estabelecidas; </li></ul><ul><li>conter os cuidados de rotina, estabelecidos pela instituição, apenas quando os mesmos irão influir no cronograma de prestação dos cuidados; </li></ul><ul><li>incluir a verificação dos sinais vitais pelo menos uma vez ao dia, mesmo que paciente não apresente anormalidades nesses parâmetros; </li></ul><ul><li>conter as ações específicas da enfermaria; </li></ul><ul><li>especificar os cuidados inerentes a determinados exames e medicações, na vigência de problemas identificados; </li></ul><ul><li>excluir as ações que o paciente possa fazer sozinho, sem necessidade de acompanhamento, orientação ou supervisão de equipe de enfermagem; </li></ul><ul><li>excluir cuidados inerentes a procedimentos técnicos padronizados. </li></ul><ul><li>Para Campedelli et al. (1989), o número de prescrições por enfermeiro varia conforme o nível de complexidade de assistência aos pacientes, sendo em torno de 5 a 10 o número de prescrições previstas para um período de 6 horas . </li></ul>
  25. 25. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Evolução de Enfermagem </li></ul><ul><li>É o registro feito pelo Enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. </li></ul><ul><li>Desse registro devem constar os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subseqüentes (COREN, 2000). </li></ul>
  26. 26. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Caso clínico: </li></ul><ul><li>Gestante M.R.A, parda, 19 anos, natural de Galileia, moradora no beco Carijós do bairro Carapina, comparece à unidade para 1ª consulta de pré-natal. É solteira. Tem parceiro fixo (namora há 8 meses). Mora com os pais e 3 irmãos mais novos em casa própria de 3 cômodos. A casa possui água encanada e tratada e rede de esgoto. O lixo domiciliar é coletado 3x por semana. Estudou até a 7ª série do ensino fundamental. Trabalha como diarista 2x por semana, de 7 às 17 horas. Renda média familiar de R$1000,00 reais. </li></ul>
  27. 27. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Relata HF de HAS (pai), DM (mãe), hanseníase (tio materno – mora na casa ao lado, dentro do mesmo terreno). HPP de anemia ferropriva, rinite alérgica, ITU. Refere que antes de engravidar seus ciclos menstruais eram regulares e o fluxo normal. Não usa preservativo nem outro método contraceptivo. Nunca realizou exame citopatológico. Refere menarca aos 12 anos e sexarca aos 13. Teve 4 parceiros diferentes desde início da vida sexual. Nega dispareunia.
  28. 28. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Em gestação atual: G1P0A0, DUM 20/10/2010, DPP 27/07/2011, IG: 15 semanas (104 dias). Peso prévio 49 kg. Queixa no momento de náuseas e vômitos frequentes, pirose, cefaleia frequente, prurido vaginal abundante com secreção viscosa esbranquiçada inodora. É tabagista (fuma em média 10 cigarros/dia). Nega etilismo e uso de medicamentos. Gravidez não foi planejada mas está bem aceita pelo casal.
  29. 29. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Faz 3 refeições por dia (café da manhã, almoço e jantar). Afirma que come legumes, verduras e carne; frutas quando tem. Toma leite todos os dias. Eliminações urinária e intestinal fisiológicas ( eliminações fisiológicas normais  não usar ). Sono preservado. Não trouxe cartão de vacina. Ao exame: P: 50 kg, Alt: 1,55m, IMC: 20,8, P.A: 100x75 mmHg, AU: 9 cm , BCF: 136 bpm.
  30. 30. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Gestante hipocorada (+/4), hidratada, afebril, eupneica, anictérica, acianótica, pele íntegra, sem ederma, boa perfusão capilar. COONG: mucosa ocular e oral hipocoradas, pavilhões auditivos mal higienizados, orofaringe com hiperemia leve e dentes com integridade prejudicada. Região submandibular e pescoço sem anormalidades. Tórax íntegro e simétrico. Mamas pequenas, íntegras, simétricas, sem nódulos palpáveis, com mamilos protusos. ACP: BNRNF em 2T. AR: MVF s/ RA. Abdômen íntegro, normotenso, doloroso à palpação em baixo ventre, peristáltico, timpânico à percussão . MMSS E MMII íntegros, simétricos, com força muscular preservada, sem edemas. Genitália não inspecionada.
  31. 31. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Diagnósticos de Enfermagem : </li></ul><ul><li>Náusea relacionada com irritação do trato gastrintestinal evidenciada por verbalização de enjôo. </li></ul><ul><li>Nutrição desequilibrada: para menos que as necessidades corporais relacionada a incapacidade para ingerir ou digerir ou absorver nutrientes devido a fatores econômicos evidenciado por verbalização de consumo de alimentos menos do que o recomendado no dia. </li></ul><ul><li>Conhecimento deficiente relacionado à falta de acesso a conhecimentos adequados evidenciado por verbalização de dúvidas e falta de conhecimento sobre assuntos diversos. </li></ul><ul><li>Dor aguda (baixo ventre) relacionada a agentes biológicos e psicológicos evidenciada por verbalização e comportamento expressivo. </li></ul><ul><li>Risco para manutenção da saúde alterada relacionada ao tabagismo e uso de droga ilícita na gestação. </li></ul>
  32. 32. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Assistência de Enfermagem : </li></ul><ul><li>Cadastrada no PHPN; </li></ul><ul><li>Solicitados Grupo Sanguineo e fator RH, Glicemia de jejum, Hemograma completo, VDRL, HBsAg, Sorologia para toxoplasmose e rubéola, EAS, HIV, US obstétrica. </li></ul><ul><li>Entregues ácido fólico 5 mg 1 comp./dia e sulfato ferroso 40 mg 1 comp./ dia do PNSF. </li></ul><ul><li>Encaminhada para atendimento médico (avaliar prurido vaginal, dor baixo ventre, classicação de risco da gestante) e odontológico (avaliar dentição). </li></ul><ul><li>Solicitada a apresentar cartão de vacina, para avaliação do estado vacinal, em próxima consulta. </li></ul>
  33. 33. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Orientada sobre os efeitos deletérios do fumo para a gestação e para o desenvolvimento do feto e quanto à necessidade de busca de estilo de vida saudável. </li></ul><ul><li>Orientada sobre o uso de preservativos na relação sexual para prevenção de vulvovaginites e DST’s em geral, mesmo com parceiro fixo. </li></ul><ul><li>Adotar uma dieta bem balanceada e fracionada (pelo menos 6 refeições por dia), apropriada para a gravidez, favorecendo assim a redução das náuseas e vômitos. </li></ul><ul><li>Esclarecer dúvidas sobre a gestação, empregando um padrão eficiente de comunicação, reduzindo assim a ansiedade da paciente. </li></ul>
  34. 34. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Resultados esperados: </li></ul><ul><li>Reconhecer a necessidade dos cuidados pré-natais que promovem ótimos resultados e os fatores de risco e sinais de complicações; </li></ul><ul><li>Verbalizar suas dúvidas para a enfermeira; </li></ul><ul><li>Recorrer a outros profissionais quando necessário; </li></ul><ul><li>Participar ativamente na manutenção dos cuidados com a saúde. </li></ul><ul><li>Relatar as ingestas necessárias durante a gravidez; </li></ul><ul><li>Manter dieta balanceada para gravidez e rever esta nas próximas consultas; </li></ul><ul><li>Verbalizar sintomas de alívio após intervenções; </li></ul>
  35. 35. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM <ul><li>Relatar diminuição de ocorrências ou desaparecimento dos sintomas até o final do primeiro trimestre; </li></ul><ul><li>Ganhar 1-2Kg durante o primeiro trimestre; </li></ul><ul><li>Utilizar preservativo durante o ato sexual. </li></ul><ul><li>Tomar medicações indicadas conforme orientação médica e de enfermagem. </li></ul><ul><li>Realizar exames solicitados e apresentá-los na proxima consulta juntamente com o cartão de vacina. </li></ul><ul><li>Cessar com o tabagismo. </li></ul><ul><li>Aprimorar conhecimentos em geral, principalmente aqueles relacionados à gestação. </li></ul>
  36. 36. OBRIGADO!!! FIM

×