Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revoltas na república velha

606 views

Published on

História do Brasil

Published in: Education
  • Be the first to comment

Revoltas na república velha

  1. 1. Revoltas na República Velha Professor Daniel Cauenga@bol.com.br
  2. 2. 1. Messianismo: enviado de Deus (messias) ● crença da religião judaica na futura vinda do messias que libertará o povo Judeu dos sofrimentos e os conduzirá a felicidade eterna. ► crença de um grupo de pessoas em um líder político-religioso que conduzirá a uma nova era de justiça e felicidade. ♦ esperança de uma vida melhor. → fome. → miséria. → injustiças sociais. ► movimentos sertanejos de áreas rurais pobres. ♦ comunidades comandadas por um líder religioso → líder: › milagreiro. › curandeiro. › profetizar acontecimentos. ● movimentos de caráter messiânico - República Velha; ► Canudos. ► Contestado. ♦ acusados de desejarem o restabelecimento da monarquia 2. Guerra de Canudos (BA 1893 – 1897): ● Governo: Prudente de Morais. ● líder: Beato Antônio Conselheiro. ► católico fervoroso. ► pequena família de proprietários ► obrigado a abandonar o seminário. perseguida por latifundiários. ► abandonado pela mulher. ● população nordestina – região do semiárido. ►sertanejos sem terras, vaqueiros, ex-escravos, pequenos proprietários pobres e perseguidos da justiça (jagunços). ► miséria crônica da população nordestina. ♦ declínio da produção açucareira. ♦ constantes secas. ♦ preponderância dos coronéis-fazendeiros. ♦ má distribuição de terras ♦ república que não trouxe benefícios a população. ♦ aumento de impostos
  3. 3. ♦ descaso com o trabalhador rural. ♦ latifúndios improdutivos ♦ separação entre Estado e Igreja decorrente da proclamação da República. → contra o casamento civil ● Camponeses seguem Antônio Conselheiro ► Arraial de Canudos: Belo Monte - interior da BA. ♦ população entre 25 a 30 mil sertanejos. ♦ à margem do rio Vaza-Barris. → cachimbo de barro com “canudo-de-pito”. ♦ comunidade forma um Estado paralelo a República. → desobediência ao Estado › “monarquistas (contra a República) › “fanáticos religiosos” ♦ abandono das fazendas. separação do Estado e Igreja ♦ recusa de pagamento de impostos ao Estado e a Igreja (dízimo). ♦ clero católico. → campanha de reformas e renovação espiritual › desconfiança do beato Conselheiro. * previsão de mudança no mundo. ≡ proibição de suas pregações. → confiança dos fiéis nos ensinos do beato Conselheiro. ♦ sistema comunitário → colheitas, rebanhos e o lucro do trabalho. → excedente de produção: comércio local. → inexistência de impostos. ♦ vida de consagração. → inexistência de prostituição. → proibição de bebidas. → penitência. → consagração → obediência às determinações da liderança do beato Conselheiro.
  4. 4. ● Reação contra Canudos ► ameaça a sociedade brasileira ♦ desobediência Estado Republicano. ► ameaça à Igreja. ♦ desobediência ao clero regular. ♦ perda de fiéis. ► desestabilização do latifúndio. ♦ perda de mão de obra na lavoura. Expedições contra Canudos 1ª expedição: novembro de 1896 ● liderada pelo Tenente Manuel Pires Ferreira ► com 100 homens. ● resistência dos sertanejos ► vitória dos conselheiristas. ♦ estratégia de guerrilha rural → Líderes: Pajeú e João Abade. 2ª expedição: 18 Janeiro de 1897 ● Comandada pelo major Febrônio de Brito ► atravessa da serra do Cambaio ♦ tropa repelida com pesadas baixas ● jagunços conselheiristas ► aumento das armas abandonadas ou tomadas à tropa ♦ sertanejos: grande coragem e habilidade militar ● Antônio Conselheiro ► ocupação das questões civil e religiosa.
  5. 5. 3ª expedição: Março de 1897 ● Governo Federal: pressão de políticos florianistas ► Canudos: perigoso foco monarquista ♦ o governo federal assumiu a repressão → preparação da primeira expedição regular → comando: Coronel Antônio Moreira César › herói do exército brasileiro: "corta-cabeças“ * repressão à Revolução Federalista em Santa Catarina ♦ pesadas baixas: 1.300 homens. → causadas pela guerra de guerrilhas. → na travessia das serras. → morte de Moreira César e Pedro Nunes Batista Ferreira Tamarindo em combate. › expedição foi obrigada a retroceder. ● apoio de grande número de pessoas ► Nordeste: defesa do "homem Santo" ♦ chefes militares sertanejos. → Pajeú → Pedrão → Joaquim Macambira → João Abade (braço direito de Antônio Conselheiro) › travessia de Cocorobó, e em Uauá. 4ª expedição: Abril de 1897. ● marechal Carlos Machado de Bittencourt: Ministro da Guerra. ► comando do general Artur Oscar de Andrade Guimarães. ♦ composição de duas frentes de combate: → generais João da Silva Barbosa → generais Cláudio do Amaral Savaget. ♦ mais de quatro mil soldados. ♦ mais modernas armas da época.
  6. 6. ● O primeiro combate: Junho de 1897 ► verificou-se em Cocorobó: 25 de junho. ♦ coluna Savaget: No dia 27de junho. → perdas consideráveis. → exército chegara a Canudos. › falta de infra-estrutura. * necessária para alimentar: fome das tropas. ● Marechal Carlos Machado de Bittencourt: Agosto de 1897. ► base de operação militar: Monte Santo. ♦ fim ao caos do abastecimento da tropa. ► cerco sobre o arraial após várias batalhas: Setembro de 1897. ♦ Antônio Conselheiro: morre em 22 de setembro. → decorrência de uma disenteria. ► promessas da República de garantiria a vida ♦ população sobrevivente rende com bandeira branca. → presos: homens, grupos de mulheres e crianças › execução sumária: "gravata vermelha". * Guerra de Canudos: constituiu num dos maiores crimes já praticados em território brasileiro. ► resistência do Belo Monte: 5 de outubro de 1897 ♦ cadáver de Antônio Conselheiro foi exumado e sua cabeça decepada ♦ o arraial foi arrasado e incendiado: 6 de outubro de 1897 → Exército registrou ter contado 5.200 casebres.
  7. 7. 3. Guerra do Contestado (SC/PR 1912 – 1916): ● 50 mil camponeses. ► posseiros expulsos por fazendeiros. ► posseiros expulsos por companhias colonizadoras. ► desempregados de construção ferroviária. ► influenciados pela doutrina católica. ► lutavam pela posse da terra. ► crença nas pregações dos líderes místicos. ► reino milenarista: “monarquia milenarista”. ● planalto catarinense. ► região rica em erva-mate e madeira. ♦ área disputada pelos estados do Paraná e Santa Catarina. ● figura de três monges ● 1º monge: José Maria (Italiano). ► pregação do Evangelho ► atendendo doentes de 1844 a 1870. ► vida extremamente humilde (ética e forma de viver) ♦ arrebanhou milhares de crentes. → reforçando o messianismo coletivo. → pregava o fim da República: a “Lei do diabo”. ● 2º monge: José Maria (Atanás Marcaf : Sírio). ► postura firme e posição messiânica. ► Aparece com a Revolução Federalista: 1893. ♦ previsões sobre fatos políticos.
  8. 8. ● 3º monge: Miguel Lucena de Boaventura José Maria de Santo Agostinho (conhecido como curandeiro de ervas). ► considerado santo ♦ ressuscitou uma jovem (vítima de catalepsia patológica). ♦ recobrou a saúde da esposa do coronel Francisco de Almeida → acometida de uma doença incurável. ► homem que veio apenas para curar e tratar os doentes e necessitados. ● Causas. ► conflito entre a caboclos e representantes do poder estadual e federal brasileiro. ► exploração de camponeses: extração da erva-mate, madeira e criação de gado. ► concessão de terras e benefícios para empresas. ♦ falta de regularização da terra. → inexistência do poder público. ♦ inglesas e americanas. → doação do governo brasileiro › madeireiros › Southern Brazil Lumber & Colonization Company. → provocaram a expulsão e marginalização. › pequenos camponeses da região. › contratação de mão de obra em outros estados com baixos salários. ► fanatismo religioso. ♦ Guerra Santa ● integrantes violentamente massacrados. ► uso de canhões, metralhadoras e aviões de bombardeio.
  9. 9. 4. Banditismo Social ou Cangaço (NE 1890 – 1940): ● Bandos armados que percorriam o interior nordestino sobrevivendo de delitos. ● Principais bandos: Lampião e Curisco. ● movimento social não organizado. ► não existia uma política dos oprimidos contra os opressores. ♦ conquista a simpatia do povo ● movimento independente ( consciente ou não). ► tamanho variado ♦ dependendo da seca. ♦ miséria ♦ fome. ► mulheres participavam em pé de igualdade ♦ Maria Bonita (Lampião). ♦ Inácia (Gato). ♦ Sebastiana (Moita Brava) ♦ Dadá (Corisco) ● ataques de preferência a grandes proprietários ► dinheiro ►alimentos ► abrigo contra polícia ♦ oposição aos capangas. ► miséria crônica da população nordestina. ► seca ► má distribuição de terras. ► injustiças dos coronéis. ● Mito do “Robin Hood”. ► Os cangaceiros foram perseguidos pela polícia volante ♦ exterminados um a um. ♦ despertavam medo nos coronéis. → sem perspectiva de melhorar sua condição. → não temiam o desrespeito das leis vigentes.
  10. 10. 5. Revolta de Juazeiro (CE – 1913/1914): ● Líder: Padre Cícero. ► homem santo e "fazedor de milagres“: "Padim Ciço". ● confronto ocorrido entre as oligarquias ► cearenses e o governo federal ♦ interferência do poder central na política estadual. → afastamento do poder a tradicional família Accioly. › posição ao governo federal → Política das Salvações. › anular oposição eleita no governo estadual. * governo de Hermes da Fonseca. ● Padre Cícero lidera um exército formado por fiéis que recuperam o poder para a tradicional família. ► aumento do prestígio político do Padre Cícero. ♦ família Accioly retoma o controle do Estado do Ceará.
  11. 11. MOVIMENTOS URBANOS: ESPONTANEÍSTAS 6. Revolta da Vacina (RJ – 1904) ● manifestação popular: elevado índice de pobreza e aumento do desemprego. ► cidade do Rio de Janeiro, Brasil. ♦ campanha de vacinação obrigatória → Lei da Vacina Obrigatória (31 de Out. de 1904). › imposta pelo governo federal. › varíola. › brigadas sanitárias acompanhadas por policiais: invasão de domicílio. ● projeto de modernização da Capital: Rio de Janeiro. ► cartão-postal: Brasil república. ► inexistência de saneamento: febre amarela, peste bubônica e varíola. ♦ mangues, lixo às ruas, ratos e mosquitos transmissores de doenças. ► Presidente Rodrigues Alves. ► Prefeito da Capital: Francisco Pereira Passos. ♦ destruição de cortiços e favelas ♦ alta do custo de vida (inflação) ♦ ampliação das avenidas. ♦ construção de novos prédios. ♦ expulsão de comunidades pobres das regiões centrais. → formação de favela. ► A população exaltada ♦ depredação de lojas. ♦ incêndio de bondes. ♦ barricadas. ♦ quebra de trilhos e poste. ♦ ataque a polícia. ♦ sublevação dos alunos da Escola Militar da Praia Vermelha. ► a suspensão da obrigatoriedade da vacina ► declaração de estado de sítio (16 de Novembro). ♦ controle da rebelião: 30 mortos e 110 feridos. ♦ centenas de pessoas presas. ♦ envio de pessoas muitas para o Acre. ► erradicação da doença.
  12. 12. 7. Revolta da Chibata - 1910 ● desigualdade social e violência urbana ► Marinha do RJ devido aos castigos e humilhações sofridas pelos marinheiros. ♦ maus tratos. ♦ baixos soldos. ♦ péssima alimentação. ♦ castigos corporais → (chibata) dentro da corporação. ● líder: João Cândido (“Almirante Negro”). ► marujos apoderam dos navios de guerra - 22 de novembro 1910. ♦ Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Deodoro. ♦ ultimato ao Governo Federal: Hermes da Fonseca → apontaram os canhões dos navios para lugares estratégicos da capital. → reforma do Código Disciplinar. › fim dos castigos corporais (chibatas, bolos, etc). › aumento dos soldos. › preparação e educação dos marinheiros. → projeto de lei aprovada no Parlamento: Rui Barbosa. › fim aos açoites. › concessão de anistia aos revoltosos. ► governo ignorou anistia. ♦ decreta afastamento dos marinheiros indesejáveis. ♦ prisão dos marinheiros participantes do movimento. → revolta dos marinheiros em 09 de dezembro. → bombardeio do Exército ao movimento. › dezenas de mortos. ›inúmeros presos. › 97 marinheiros enviados a Amazônia. * trabalhos forçados na extração da borracha. * conspiração: fuzilamento.
  13. 13. 8. Economia na República Velha: Governo Federal ● agro exportação: café (MG e SP expansão cafeeira no início do séc. XX). ► abertura de linhas de crédito. ♦ mão-de-obra estrangeira: europeia. ♦ mercado internacional favorável. → Final do séc. XIX e início do sé. XX. » aumento da população brasileira. * italianos, espanhóis, portugueses, etc. • crise da economia cafeeira 1901 – 1909 ► superprodução: produção acima do consumo. ♦ queda do preço. → convênio de Taubaté: governos estaduais (SP, MG, RJ) – 1906. » compra do excedente da produção para regular o preço. * contrair dívidas no exterior para financiar a compra das safras. * aumento de impostos para o pagamento das dívidas externas. • mercadorias destinadas à exportação: ► borracha: 1905 -1913 (Norte: Acre). ♦ látex: seringueira. → procura nos países industrializados a partir de 1840. » pneus de bicicleta e automóveis ♦ Queda: cultivo dos seringais ingleses na Ásia → contrabando de sementes (Ingl., Fr. e Hol.) ► cacau ♦ sul da Bahia: Itabuna e Ilhéus (E.U.A. e Europa). ► cana-de-açúcar: Nordeste. ♦ açúcar de beterraba na Europa ► carne: Sul.
  14. 14. 9. desenvolvimento industrial. • pouco desenvolvimento na república velha. ► domínio agrícola: concentração de capital. ♦ indústria: complementação às atividades agrícolas (RS, PE, SC e MG). • crise do café: superprodução. ► transferência de capital para o setor industrial - SP. • transferência de capital para o setor comercial. ► RJ: indústria têxtil. • capital financeiro internacional. • Classe operária. ► reorganização das forças de trabalho no Brasil. ► crescimento da produção industrial brasileira. ► Principais centros: SP e RJ. ► imigração europeia: italiana, alemã, espanhola, etc. ► feminino e infantil. ♦ baixos salários: competição do trabalho masculino adulto. ► Jornada de trabalho: 10 a 12 horas. ► punições: agressões físicas. ► inexistência de leis trabalhistas: ♦ salários. ♦ descanso semanal. ♦ férias ou licenças remuneradas. ► indústrias leves. ► indústrias de bens de consumo. ♦ têxtil, alimentos, bebidas, calçados, chapéus, etc. • Avanço industrial: 1914-1917. ► Primeira Guerra Mundial. ♦ substituição das importações. • Condições de vida: (Cortiço: 3 por 5 ou 6 m²). ► 4 a 6 pessoas. ► Promiscuidade. ► banditismo. ► desemprego. ► problemas de vizinhança. ► sem privacidade. ► falta de higiene. ► proliferação de doenças contagiosas. ► violência • vilas operárias: casas construídas no terreno da fábrica. ► privacidade familiar rígida disciplina e controle constante sobre os moradores.
  15. 15. 10. Greve geral de 1917: marco inicial das lutas operárias na República Velha. • cotonifício Crespi ► aumento de salário. ► jornada de trabalho de 8 horas. ► pontualidade no pagamento ► regulamentação do trabalho infantil e feminino. ► assistência médico-hospitalar. • correntes operárias: ► anarquistas. ♦ inexistência do Estado: sociedade livre de qualquer controle político. ► anarco-sindicalismo (greve: principal instrumento de luta). ♦ sindicato principal órgão de luta e organização dos trabalhadores. → o sindicato: luta contra o Estado. ► socialismo: luta de classes. ♦ ditadura do proletariado. ♦ controle dos meios de produção e das propriedades. ► corrente católica ♦ afastar os trabalhadores das influências da anarquista e socialista • Patrões: fechamento das fábricas por tempo indeterminado. ► confronto entre policiais e grevistas. • Objetivos: ► aumento de 20% do salário. ► fixação do dia pagamento. ► sem demissão de grevistas, etc. ► governo. ♦ respeito ao direito de reunião dos operários. ♦ cumprimento às normas de defesa da mulher e do menor. ♦ principais determinações descumpridas. • partido comunista - 1922: declínio do anarco-sindicalismo. ► ação direta nas fábricas e a greve poderiam transformar a sociedade. ► governo de Washington Luís ♦ Lei Celerada: censura a imprensa, proibição as reuniões e limite à liberdade de expressão. » PCB: atividade na clandestinidade. ♦ postura do governo em relação ao movimento operário: repressão (“caso de polícia”).
  16. 16. 11. Oposição ao Estado Oligárquico. • Burguesia industrial: origem na elite agrária cafeeira. ► Governo federal privilegiava o setor agroexportador (café). ♦ crítica ao governo. ♦ Repressão ao movimento operário → uso da força estatal (questão social era caso de polícia). ♦ contra a existência de qualquer tipo de associação operária. ► contra a qualquer interferência do Estado na economia. • classe média urbana: oposição ao regime oligárquico. ► funcionários públicos, empregados de escritório, comerciários, bancários. ♦ excluídos do sistema do poder. ► fim do voto aberto, construção de moradias, diminuição do custo de vida. ► negros e mestiços. ♦ discriminação racial. ♦ desqualificação profissional. → subempregados. » ambulantes, biscateiros, empregados domésticos e desempregados. • oligarquia dissidente (Norte, Nordeste, Sul). ► rompem contra o domínio do café-com-leite no governo federal. ► manutenção do latifúndio, monocultura, produção voltada para exportação. ► comando na política federal. 12. Tenentes: 1922 – 1926 • jovem oficialidade do Exército. ► tenentes e capitães. ♦ insurreição contra a cúpula militar. ♦ oposição as oligarquias dominantes.
  17. 17. • Escola de Realengo (Vila Militar – RJ.). ► oriunda das classe médias. ♦ missão do Exército: “servir a nação” • ideal: salvação nacional (controle militar). ► moralização da administração pública. ► luta armada: derrubar as oligarquias. ► fim da fraude eleitoral. ♦ voto secreto. ♦ Justiça eleitoral confiável. ♦ fim da corrupção do governo. ► defesa da economia nacional. ► contra a exploração das empresas. ► contra o capital estrangeiro. ► reforma da educação pública: obrigatório e gratuito. • Cúpula militar: sustentação do poder oligárquico. ► “servilismo contumaz”: obstinado. • apoio da classe média urbana. • predominância da ideologia liberal reformista. ► descrença na população como mecanismo de mudança social. ► poder centralizado. ♦ reconstruir o Estado. ♦ construir a nação. A. Revolta de Copacabana – 1922 (18 de Forte de Copacabana). • Contra a posse do presidente Arthur Bernardes (1922). ► Reação Republicana: ♦ apoio das oligarquias para o Governo Federal (Borges Medeiros). → Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul. → apoio dos militares Hermistas. » Episódio das “Cartas Falsas”: publicação no Correio da Manhã – RJ. * insultos ao Exército.
  18. 18. ♦ Prisão do Marechal Hermes da Fonseca (ex-presidente) e fechamento do Clube Militar. → sublevação de várias unidades militares. → indisposição como governo federal. » Forte do Vigia (vila militar). » Escola Militar do Realengo. » 1° Batalhão de Engenharia. ► tropas fiéis ao governo: bombardeio do Forte ♦ 17 militares e 1 civil enfrentam as tropas leais ao governo na praia de Copacabana. → 2 sobreviventes (Tenentes Eduardo Gomes e Siqueira Campos). B. Revolta paulista – 1924 (apoio dos batalhões do Rio Grande do Sul e São Paulo). • 2° aniversário dos 18 do Forte (Isidoro Dias Lopes). • valorização do café. ► aumento do custo de vida. ► elevação da dívida externa. • governo decreta estado de sítio (repressão). ► Reformas na Constituição. ♦ aumento do poder de intervenção federal nos Estados. ♦ restrição dos direitos individuais. ► manifestações populares contra carestia. ► greves promovidas por anarquistas. • Revolta tenentista paulista: publicação de suas exigências. ► limitação do poder Executivo. ► independência dos poderes. ► eleição de uma nova assembleia constituinte. ► voto secreto. ► obrigatoriedade do ensino. ♦ primário e profissionalizante. • Cidade de São Paulo sofre intenso bombardeio. ► revoltosos seguem ao Paraná -1925.
  19. 19. • batalhão do Amazonas: tendências radicais (caráter socialista). ► Conselho governativo (Comuna de Manaus): Tenente Ribeiro Júnior. ♦ Tributo da redenção: impostos dos ricos para socorrer os pobres. ♦ prisão de especuladores. ♦ expropriação de matadouros ingleses na região. ► forças legalistas derrotam o movimento. C. Coluna Prestes (1924 – 1926): “ a mais importante demonstração de guerrilha do continente” na época. • União as forças tenentistas de São Paulo e Rio Grande do Sul. ► tenente Luís Carlos Prestes (“o Cavaleiro da Esperança”). ► general Miguel costa. ♦ rebeldes entre 800 a 1.500 civis e militares. → percorreram 24 mil quilômetros. → vitória em 53 combates travados contra as forças do governo e jagunços dos coronéis. » denunciar a miséria do povo. » os interesses da oligarquias. » Caráter social mais amplo. * voto feminino. * reforma agrária. ► integrantes se exilaram na Bolívia. ► perda de sentido do movimento. ♦ fim do governo de Arthur Bernardes.

×